UMA TENTATI VA DE C
ARAC
TERI ZAÇ
ÃO
DA EC
ONOMI A EC
OLÓGI C
A
C
LÓVI SC
AVALC
ANTI
Economista ecológico, pesquisador da ...
Um olhar para as evident es int erconex ões do sist ema econômico
com o ecológico, sem isolar um do out ro, permit e perce...
A economia neoclássica
livre compet ição será capaz de promover a mais eficient e alocação de
recursos, a mais elevada pro...
Década de 7 0
Preocupação com fenômenos ambientais transfronteiriços
Buraco na camada de ozônio;
A mudança climát ica emis...
Polít ica econômica, com as evidências oferecidas pelo ambient alismo acerca
dos rumos insust ent áveis da produção econôm...
O problema é que as prioridades econômicas at ropelam invariavelment e
considerações de ordem ecológica.
M as que valores se poderiam usar nesses cálculos?
É difícil dizer, especialment e quando há coisas, como a vida em geral ...
A sust ent abilidade ecológica deve ser vist a como manut enção de est oques
físicos de capit al nat ural, não a de seus c...
Compreensão termodinâmica
Qualquer atividade significa uma transformação de energia

Encarando o processo econômico com t ...
Princípios organizadores da economia ecológica
Sist emas ecológicos e econômicos são sist emas vivos complex os e
adapt at...
O BRI GADO !
jasmimvioleta@yahoo.com.br
luissadeck_w@yahoo.com.br
prifloress@hotmail.com
Economia Ecológica   PPGCA2013
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Economia Ecológica PPGCA2013

730 visualizações

Publicada em

Apresentação para a disciplina Análise Integrada de Problemas Socioambientais na Amazônia. PPGCA - NAEA - UFPA

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
730
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
22
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Economia Ecológica PPGCA2013

  1. 1. UMA TENTATI VA DE C ARAC TERI ZAÇ ÃO DA EC ONOMI A EC OLÓGI C A C LÓVI SC AVALC ANTI Economista ecológico, pesquisador da Fundação Joaquim Nabuco Carla Sadeck Luis Sadeck Priscila Tamasausk as
  2. 2. Um olhar para as evident es int erconex ões do sist ema econômico com o ecológico, sem isolar um do out ro, permit e perceber de que modo é possível chegar-se a um mundo ( sust ent ável) onde a vida não se veja ameaçada de ex t inção ( nem considerada como uma ex t ernalidade) . Est a é a t arefa para um modelo de desenvolviment o novo, muit as vezes considerado ut ópico, que est amos chamando – por cort esia dos ecólogos, de quem se t omou emprest ada a noção – de sust ent ável. É a t arefa t ambém para uma ciência da economia de fundament os ecológicos.
  3. 3. A economia neoclássica livre compet ição será capaz de promover a mais eficient e alocação de recursos, a mais elevada produção, a mais just a dist ribuição da renda, o mais rápido progresso t ecnológico, a mais apropriada ut ilização da nat ureza. Contrariamente A economia global, ent regue a suas próprias forças, est aria levando a uso perdulário e esgot ament o de recursos nat urais, promovendo, na periferia do sist ema, uma reprodução insust ent ável de padrões de consumo/ desperdício dos países do cent ro
  4. 4. Década de 7 0 Preocupação com fenômenos ambientais transfronteiriços Buraco na camada de ozônio; A mudança climát ica emissão de gases-est ufa; A dest ruição da biodiversidade; A poluição silenciosa dos lençóis freát icos; A escassez de água. Fenômenos que não podiam ser de forma alguma enfrent ados apenas nacionalment e.
  5. 5. Polít ica econômica, com as evidências oferecidas pelo ambient alismo acerca dos rumos insust ent áveis da produção econômica, passou a ser t rat ada pelas elit es dos países periféricos A o mesmo t empo, as mesmas elit es eram submet idas a pressões enormes para que adot assem polít icas neoliberais N o Brasil, ao mesmo t empo que aparece grande preocupação com a A mazônia, cort am-se as verbas para a fiscalização ambient al É preciso uma economia diferent e que incorporem est imat ivas de degradação ambient al e depleção de recursos. Com indicadores de desenvolviment o sust ent ável, cujas grandezas sejam obt idas por dedução do PI B do valor est imado dos recursos nat urais esgot ados e degradados
  6. 6. O problema é que as prioridades econômicas at ropelam invariavelment e considerações de ordem ecológica.
  7. 7. M as que valores se poderiam usar nesses cálculos? É difícil dizer, especialment e quando há coisas, como a vida em geral ou como uma espécie biológica ameaçada de ex t inção, em part icular, que, cert ament e, possuem valor infinit o.
  8. 8. A sust ent abilidade ecológica deve ser vist a como manut enção de est oques físicos de capit al nat ural, não a de seus correspondent es valores monet ários É aqui que entra a necessidade de uma visão ecológica da economia A análise econômica com base em conheciment o ecológico adot a a visão préanalít ica, que ident ifica o sist ema econômico como subsist ema abert o do ecossist ema. Q ualquer at ividade humana se assent a em bases ecológicas, represent adas por flux os de energia e de mat eriais que aliment am t odos os empreendiment os que se queiram efet uar.
  9. 9. Compreensão termodinâmica Qualquer atividade significa uma transformação de energia Encarando o processo econômico com t al ót ica, a economia ecológica implica uma mudança fundament al na percepção dos problemas de alocação de recursos e de como eles devem ser t rat ados, do mesmo modo que uma revisão da dinâmica do cresciment o econômico. Sist emas ecológicos e econômicos como formas int erdependent es e coevolut ivas. Essa é a principal t arefa e o desafio cent ral da economia ecológica. Problema cent ral t rat ado pela economia ecológica, qual seja, a sustentabilidade das interações entre sistemas econômicos ecológicos, o que impõe a necessidade de uma visão holíst ica e
  10. 10. Princípios organizadores da economia ecológica Sist emas ecológicos e econômicos são sist emas vivos complex os e adapt at ivos, que necessit am ser est udados como sist emas int egrados em coevolução para que possam ser adequadament e compreendidos, t rabalhados e desenvolvidos. Finalidade da economia ecológica I dent ificação de polít icas capazes de mit igar os impact os dest rut ivos sobre o ambient e, de medidas para a realização do bem-est ar social. Economia política da ecologia
  11. 11. O BRI GADO ! jasmimvioleta@yahoo.com.br luissadeck_w@yahoo.com.br prifloress@hotmail.com

×