SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 68
APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA EM
AGRICULTURA FAMILIAR:
UM ESTUDO DE CASO
TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO
PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO DE
BACHAREL EM ENGENHARIA AMBIENTAL
Orientado: Prof. Dr. Dieter Wartchow
Autor: Marcio Alexandre Nicknig
Dezembro
INTRODUÇÃO
A CAPTAÇÃO DA CHUVA PARA DEMANDAS DO DIA A DIA É PRÁTICA
ANTIGA;
CIDADES EM ILHAS GREGAS E MESOPOTÂMICAS SÃO OS CASOS
MAIS ANTIGOS REGISTRADOS;
MUITO UTILIZADO PARA PROVISÃO DE LEGIÕES MILITARES NA
ANTIGUIDADE;
INTRODUÇÃO
Ilha de Delos - Grécia
INTRODUÇÃO
• NO BRASIL, DESTAQUE PARA O PROJETO 1 MILHÃO DE CISTERNAS:
INTRODUÇÃO
PROBLEMAS RECORRENTES NO USO DE CISTERNAS:
• AUSÊNCIA DE CONTROLE DA QUALIDADE DA ÁGUA CAPTADA;
• DOENÇAS ASSOCIADAS A AUSÊNCIA DE SAIS NA ÁGUA;
• PROLIFERAÇÃO DE MOSQUITOS;
• CONTAMINAÇÃO POR INFILTRAÇÕES E/OU VAZAMENTOS;
OBJETIVOS
• PRINCIPAL:
DIMENSIONAR E EXECUTAR PROJETO DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA
DA CHUVA, VISANDO IRRIGAÇÃO DE HORTA DE SUBSISTÊNCIA,
AVALIANDO O IMPACTO ECONÔMICO DO PROJETO EM UMA
PROPRIEDADE RURAL DE AGRICULTURA FAMILIAR.
OBJETIVOS
ESPECÍFICOS:
• AVALIAÇÃO DO REGIME HIDROLÓGICO DA REGIÃO;
• ESTIMATIVA DA DEMANDA DE ÁGUA A SER ATENDIDA;
• DIMENSIONAMENTO DO RESERVATÓRIO NECESSÁRIO ATRAVÉS
DO MÉTODO DA SIMULAÇÃO;
• ORÇAMENTO, AQUISIÇÃO E INSTALAÇÃO DOS CONDUTOS E
RESERVATÓRIO DETERMINADOS NO DIMENSIONAMENTO;
• INSTALAÇÃO DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO
CASEIRO;
• ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA CAPTADA;
• AVALIAÇÃO DO IMPACTO ECONÔMICO DO PROJETO;
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
FORAM LEVANTADAS AS TÉCNICAS RECOMENDADAS PARA DIMENSIONAR UM
SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DA CHUVA, PODENDO SER O REFERENCIAL
TEÓRICO DIVIDIDO EM:
• ÁREA DE CAPTAÇÃO;
• DIMENSIONAMENTO DAS CALHAS E DOS CONDUTOS;
• DIMENSIONAMENTO DO RESERVATÓRIO;
• ESTRUTURAS ESPECÍFICAS PARA CAPTAÇÃO PLUVIAL;
• QUALIDADE DA ÁGUA;
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
ÁREAS DE CAPTAÇÃO
ABNT NBR 10844 - INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
DIMENSIONAMENTO DAS CALHAS E CONDUTOS
ABNT NBR 10844 - INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
DIMENSIONAMENTO DO RESERVATÓRIO
ABNT NBR 15527 - ÁGUAS DE CHUVA – APROVEITAMENTOS DE COBERTURAS EM
ÁREAS URBANAS PARA FINS NÃO POTÁVEIS – REQUISITOS
MÉTODO DA SIMULAÇÃO
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
ESTRUTURAS ESPECÍFICAS PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUA DA CHUVA
ABNT NBR 15527 - ÁGUAS DE CHUVA – APROVEITAMENTOS DE COBERTURAS EM
ÁREAS URBANAS PARA FINS NÃO POTÁVEIS – REQUISITOS
RESERVATÓRIO PARA ÁGUA DE DESCARTE ( 1 ~ 2 mm DE CHUVA )
FILTRO
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
• RESERVATÓRIO PARA ÁGUA DE DESCARTE – MANUAL PRÁTICO DO IPT (SP)
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
• FILTRO
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
QUALIDADE DA ÁGUA
ABNT NBR 15527 - ÁGUAS DE CHUVA – APROVEITAMENTOS DE COBERTURAS EM
ÁREAS URBANAS PARA FINS NÃO POTÁVEIS – REQUISITOS
REVISÃO BIBLIOGRÁFICA
QUALIDADE DA ÁGUA
RESOLUÇÃO CONAMA 357:
Exige que a qualidade da água para irrigação de hortaliças e frutíferas que
cresçam rente ao selo e podem ser consumidas cruas e in natura seja classe1.
Isso implica na necessidade de zerar o número de coliformes totais e termotolerantes,
caso sejam detectados.
O PROJETO EXPERIMENTAL
ESCOLHA DO LOCAL
PROPRIEDADE RURAL COM CERTIFICAÇÃO ORGÂNICA;
MUNICÍPIO DE VERA CRUZ – RS
PRODUÇÃO FAMILIAR DIVERSIFICADA:
- CONSUMO PRÓPRIO E REVENDA LOCAL:
Hortaliças, frutíferas, criação de frangos e suínos;
- COMERCIAL:
Tabaco orgânico certificado;
DIMENSIONAMENTO DO SISTEMA
• DEFINIÇÃO DA DEMANDA DE ÁGUA A SER ATENDIDA;
• ANÁLISE PLUVIOMÉTRICA DO LOCAL ESCOLHIDO;
• DEFINIÇÃO DA ÁREA DE CAPTAÇÃO NECESSÁRIA E/OU POSSÍVEL DE SER
UTILIZADA;
• DIMENSIONAMENTO DO RESERVATÓRIO ATRAVÉS DO MÉTODO DA SIMULAÇÃO
(OPÇÃO DO AUTOR POR ESTE MÉTODO ENTRE OS RECOMENDADOS PELA
NORMA);
• PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA PLUVIAL;
DEMANDA À SER ATENDIDA
• 200 L/dia;
VISANDO ATENDER:
• Volume usualmente utilizado para irrigação da horta do local;
• Volume utilizado na lavagem de pisos da área externa da residência;
• Volume eventualmente utilizado na higienização das ferramentas de uso diário;
ÁREA DE CAPTAÇÃO
• UTILIZAÇÃO DE UMA DAS ABAS DO TELHADO,
PODENDO EXPANDIR PARA TODO O TELHADO
APENAS ACRESCENTANDO CALHAS;
• 100.75 m²;
• Reservatório a ser dimensionado aos fundos da
residência, próximo ao galpão e garagem da
propriedade.
ESTUDO DO REGIME HIDROLÓGICO
Estação Início da Série Término Períodos sem medição
Herveiras 2004 2014 Sim (trechos)
Venâncio Aires 2004 2014 Sim (2007)
Candelária 1985 2004 Não
Botucaraí 1965 2006 Não
ESTUDO DO REGIME HIDROLÓGICO
Período Utilizado no
Dimensionamento do
Reservatório
DIMENSIONAMENTO DO RESERVATÓRIO
DIMENSIONAMENTO DO RESERVATÓRIO
0
1000
2000
3000
4000
5000
6000
Jan-03 Feb-03 Mar-03 Apr-03 May-03 Jun-03 Jul-03 Aug-03 Sep-03 Oct-03 Nov-03 Dec-03 Jan-04 Feb-04 Mar-04 Apr-04 May-04 Jun-04 Jul-04 Aug-04 Sep-04 Oct-04 Nov-04 Dec-04
VOLUME(LITROS)
MÊS
Volume Acumulado ao Fim de Cada Mês - 2003 : 2004
CALHAS E CONDUTOS
• FOI FEITA A VERIFICAÇÃO DOS DIÂMETROS NECESSÁRIOS PARA DAR VAZÃO
ÀS CHUVAS DE PROJETOS, ESTAS SENDO ESTIMADAS PELO MÉTODO RIO DE
JANEIRO.
• FORAM UTILIZADOS CONDUTOS DE 100 MM DE DIÂMETRO, EM PVC.
ORÇAMENTO E AQUISIÇÃO
Ítem Valor
Calhas, condutos, registros, conexões,
válvulas, tampões
R$ 1,560.00
Reservatório R$ 1,075.00
Total R$ 2,635.00
EXECUÇÃO
EXECUÇÃO
EXECUÇÃO
EXECUÇÃO - IRRIGAÇÃO
• FOI COPIADO SISTEMA CASEIRO JÁ UTILIZADO NAS CULTURAS HIDROPÔNICAS.
Gastos com Material Irrigação
Item Quantidade Valor
“Mangueiras 3/4” 60 m R$ 72.00
Registro Globo 3 peças R$ 7.50
Tampões 6 peças R$ 9.00
Conexões 3/4 16 peças R$ 32.00
Broca 1mm 1 peça R$ 8.00
Total R$ 128.50
VOLUME CAPTADO
2.3
3.4
1.8
4.8 4.9 4.9
0
1
2
3
4
5
6
Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro
VolumeAcumulado(m³)
mês (2015)
Acumulado (m³)
QUALIDADE DA ÁGUA CAPTADA
• FORAM TESTADOS OS PARÂMETROS EXIGIDOS NA ABNT NBR 15527:
MEDIDAS CORRETIVAS DA QUALIDADE DA
ÁGUA
• A título de avaliação do potencial de eficácia, foi realizada uma aplicação
de hipoclorito.
• Dosagem: 0.5 g/L – vide manual de saneamento rural da FUNASA
(Fundação Nacional de Saúde).
RESULTADOS ECONÔMICOS
Gastos com Sistema de Captação e Armazenamento
Ítem Valor
Calhas, condutos, registros, conexões, válvulas, tampões R$ 1,560.00
Reservatório R$ 1,075.00
Sub Total 1 R$ 2,635.00
Gastos com Material Irrigação
Item Quantidade Valor
Mangueiras 3/4" 60 m
R$
72.00
Registro Globo 3 peças R$ 7.50
Tampões 6 peças R$ 9.00
Conexões 3/4 16 peças
R$
32.00
Broca 1mm 1 peça R$ 8.00
Sub Total 2 R$ 128.50
Total R$ 2,763.50
DISCUSSÃO
• PREOCUPAÇÕES;
• QUALIDADE DA ÁGUA NO RESERVATÓRIO;
• MONITORAMENTO;
• DIFICULDADES;
• INCLINAÇÃO DOS CONDUTOS;
• LAYOUT DO FILTRO;
• QUALIDADE DA ÁGUA;
QUALIDADE DA ÁGUA
MONITORAMENTO E OPERAÇÃO
• O RESERVATÓRIO, SE MAL OPERADO E MANTIDO, PODE SER BERÇO DE
VETORES DE DOENÇAS EPIDÊMICAS.
MONITORAMENTO E OPERAÇÃO
MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO
• VAZAMENTOS DEVEM SER NOTADOS E CORRIGIDOS PRONTAMENTE;
• O SISTEMA DE IRRIGAÇÃO PRECISA SER CUIDADOSAMENTE INSTALADO E
REINSTALADO A CADA SAFRA, EVITANDO PERDAS;
• IMPORTANTÍSSIMO O TREINAMENTO DOS USUÁRIOS NOS PROCEDIMENTOS
BÁSICOS DE SEGURANÇA DA ÁGUA;
• POSTES E BRAÇADEIRAS NECESSITAM DE VERIFICAÇÃO PERIÓDICA;
• EM EVENTOS INTENSOS DE CHUVA ESTÃO SUJEITOS À CARGAS RAZOÁVEIS;
EQUIPE DE INSPEÇÃO DA OBRA
Alinhamento dos condutos
Alinhamento dos condutos
Fixação das calhas
EQUIPE DE INSPEÇÃO DA OBRA
Alinhamento dos condutos
Fixação das calhas
Execução das
fundações
EQUIPE DE INSPEÇÃO DA OBRA
Alinhamento dos condutos
Fixação das calhas
Execução das
fundações
A EQUIPE AINDA REQUER QUALIFICAÇÃO
EQUIPE DE INSPEÇÃO DA OBRA
CONCLUSÕES
• A CAPTAÇÃO DE ÁGUA DA CHUVA É OPÇÃO PARA DIMINUIR ESTRESSE
HÍDRICO;
• A QUALIDADE DA ÁGUA NÃO É GARANTIDA, CONTRÁRIA AO SENSO COMUM;
• O INVESTIMENTO NECESSÁRIO TEM RETORNO ENTRE 2 E 3 ANOS, E SE INCLUI
EM PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO RURAL;
• A NECESSIDADE DE UM TRATAMENTO PODE SER ATENDIDA COM SIMPLES
ADIÇÃO DE HIPOCLORITO OU PASTILHA DE CLORO.
OBRIGADO!
“UM COPO DE ÁGUA POTÁVEL SEMPRE É UM PRODUTO DE
ENGENHARIA.”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração Hidrologia UFC
 
A bússola e orientação geografica
A bússola e orientação geograficaA bússola e orientação geografica
A bússola e orientação geograficaEduardo Ferreira
 
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horáriosCartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horáriosColégio Aprov
 
22 praticando a seleção natural
22 praticando a seleção natural22 praticando a seleção natural
22 praticando a seleção naturalGiselly2
 
Trabalho do Sistema Solar
Trabalho do Sistema Solar Trabalho do Sistema Solar
Trabalho do Sistema Solar Graça Caixinha
 
Resolução do capítulo 1 brunetti[1]
Resolução do capítulo 1   brunetti[1]Resolução do capítulo 1   brunetti[1]
Resolução do capítulo 1 brunetti[1]Ídilla Kaenna
 
Pontos cardeais com o relógio
Pontos cardeais com o relógioPontos cardeais com o relógio
Pontos cardeais com o relógioIsmael Rosa
 
Uma adaptação curricular de física para ciências agrárias
Uma adaptação curricular de física para ciências agráriasUma adaptação curricular de física para ciências agrárias
Uma adaptação curricular de física para ciências agráriasSeminário Latino-Americano SLIEC
 
Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.
Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.
Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.UFMT
 
Sensoriamento Remoto
Sensoriamento RemotoSensoriamento Remoto
Sensoriamento Remotonaiararohling
 
Tabela De Pares De Transformadas De Laplace
Tabela De Pares De Transformadas De LaplaceTabela De Pares De Transformadas De Laplace
Tabela De Pares De Transformadas De LaplaceIury Zamecki Chemin
 
Relatório 7: Viscosímetro de Stokes
Relatório 7: Viscosímetro de StokesRelatório 7: Viscosímetro de Stokes
Relatório 7: Viscosímetro de StokesFausto Pagan
 
Mec�nica dos fluidos
Mec�nica dos fluidosMec�nica dos fluidos
Mec�nica dos fluidosDiego Machado
 
Análise de arredondamento em ponto flutuante
Análise de arredondamento em ponto flutuanteAnálise de arredondamento em ponto flutuante
Análise de arredondamento em ponto flutuanteFelipe Belarmino
 
Cartografia geral
Cartografia geralCartografia geral
Cartografia geralRomualdo SF
 
Atividades do corpo humano ciências 7° ano
Atividades do corpo humano   ciências 7° anoAtividades do corpo humano   ciências 7° ano
Atividades do corpo humano ciências 7° anoADÃO Graciano
 

Mais procurados (20)

Relatorio 2 de quimica
Relatorio 2 de quimicaRelatorio 2 de quimica
Relatorio 2 de quimica
 
Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração Evaporação e Evapotranspiração
Evaporação e Evapotranspiração
 
A bússola e orientação geografica
A bússola e orientação geograficaA bússola e orientação geografica
A bússola e orientação geografica
 
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horáriosCartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
Cartografia, projeção, solstício, equinócio e fusos horários
 
22 praticando a seleção natural
22 praticando a seleção natural22 praticando a seleção natural
22 praticando a seleção natural
 
Hidrometria
HidrometriaHidrometria
Hidrometria
 
Trabalho do Sistema Solar
Trabalho do Sistema Solar Trabalho do Sistema Solar
Trabalho do Sistema Solar
 
Resolução do capítulo 1 brunetti[1]
Resolução do capítulo 1   brunetti[1]Resolução do capítulo 1   brunetti[1]
Resolução do capítulo 1 brunetti[1]
 
Pontos cardeais com o relógio
Pontos cardeais com o relógioPontos cardeais com o relógio
Pontos cardeais com o relógio
 
Uma adaptação curricular de física para ciências agrárias
Uma adaptação curricular de física para ciências agráriasUma adaptação curricular de física para ciências agrárias
Uma adaptação curricular de física para ciências agrárias
 
Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.
Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.
Relatório de Experimento: Perdas de Carga Localizada.
 
Sensoriamento Remoto
Sensoriamento RemotoSensoriamento Remoto
Sensoriamento Remoto
 
Equilibrio químico
Equilibrio químicoEquilibrio químico
Equilibrio químico
 
Tabela de integrais
Tabela de integraisTabela de integrais
Tabela de integrais
 
Tabela De Pares De Transformadas De Laplace
Tabela De Pares De Transformadas De LaplaceTabela De Pares De Transformadas De Laplace
Tabela De Pares De Transformadas De Laplace
 
Relatório 7: Viscosímetro de Stokes
Relatório 7: Viscosímetro de StokesRelatório 7: Viscosímetro de Stokes
Relatório 7: Viscosímetro de Stokes
 
Mec�nica dos fluidos
Mec�nica dos fluidosMec�nica dos fluidos
Mec�nica dos fluidos
 
Análise de arredondamento em ponto flutuante
Análise de arredondamento em ponto flutuanteAnálise de arredondamento em ponto flutuante
Análise de arredondamento em ponto flutuante
 
Cartografia geral
Cartografia geralCartografia geral
Cartografia geral
 
Atividades do corpo humano ciências 7° ano
Atividades do corpo humano   ciências 7° anoAtividades do corpo humano   ciências 7° ano
Atividades do corpo humano ciências 7° ano
 

Destaque

Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...
Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...
Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...Marcio Nicknig
 
Aspectos teóricos da economia ambiental e economia ecológica
Aspectos teóricos da economia ambiental e economia ecológicaAspectos teóricos da economia ambiental e economia ecológica
Aspectos teóricos da economia ambiental e economia ecológicaMarcio Nicknig
 
Port Pirie - Uma das Maiores Contaminações por Chumbo no Mundo.
Port Pirie - Uma das Maiores Contaminações por Chumbo no Mundo.Port Pirie - Uma das Maiores Contaminações por Chumbo no Mundo.
Port Pirie - Uma das Maiores Contaminações por Chumbo no Mundo.Marcio Nicknig
 
A Importância da Gestão nos Planos Municipais de Saneamento - Um Estudo de Caso
A Importância da Gestão nos Planos Municipais de Saneamento - Um Estudo de CasoA Importância da Gestão nos Planos Municipais de Saneamento - Um Estudo de Caso
A Importância da Gestão nos Planos Municipais de Saneamento - Um Estudo de CasoMarcio Nicknig
 
Gestão Das ÁGuas Drenagem Urbana
Gestão Das ÁGuas   Drenagem UrbanaGestão Das ÁGuas   Drenagem Urbana
Gestão Das ÁGuas Drenagem UrbanaWanessa de Castro
 
Relatório de Estágio em Educação Ambiental
Relatório de Estágio em Educação AmbientalRelatório de Estágio em Educação Ambiental
Relatório de Estágio em Educação AmbientalMarcio Nicknig
 
Gestão Ambiental - Projetos de Extensão da UFRGS na área - panorama de 2011
Gestão Ambiental - Projetos de Extensão da UFRGS na área - panorama de 2011Gestão Ambiental - Projetos de Extensão da UFRGS na área - panorama de 2011
Gestão Ambiental - Projetos de Extensão da UFRGS na área - panorama de 2011Marcio Nicknig
 
Microbiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolin
Microbiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolinMicrobiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolin
Microbiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolinJoão Siqueira da Mata
 
Passivos Ambientais - Discrepâncias na Valoração
Passivos Ambientais - Discrepâncias na ValoraçãoPassivos Ambientais - Discrepâncias na Valoração
Passivos Ambientais - Discrepâncias na ValoraçãoMarcio Nicknig
 
Tratamento natural de esgoto - Manual santander
Tratamento natural de esgoto - Manual santanderTratamento natural de esgoto - Manual santander
Tratamento natural de esgoto - Manual santanderEcoHospedagem
 
Cidade do Porto-Portugal
Cidade do Porto-PortugalCidade do Porto-Portugal
Cidade do Porto-PortugalBiaEsteves
 
Economia ambiental
Economia ambientalEconomia ambiental
Economia ambientalLuisbett P
 
Trabalho de conclusão de curso avaliação da qualidade da água
Trabalho de conclusão de curso  avaliação da qualidade da águaTrabalho de conclusão de curso  avaliação da qualidade da água
Trabalho de conclusão de curso avaliação da qualidade da águaRodrigo Aquino
 
Introdução à economia ambiental
Introdução à economia ambientalIntrodução à economia ambiental
Introdução à economia ambientaldalgoberto
 
Fossa séptica biodigestora o que é e como funciona
Fossa séptica biodigestora o que é e como funcionaFossa séptica biodigestora o que é e como funciona
Fossa séptica biodigestora o que é e como funcionaJoão Siqueira da Mata
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricosverasanches
 

Destaque (19)

Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...
Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...
Gestão e Avaliação Qualitativa de Planos Municipais de Saneamento: Estudo de ...
 
Aspectos teóricos da economia ambiental e economia ecológica
Aspectos teóricos da economia ambiental e economia ecológicaAspectos teóricos da economia ambiental e economia ecológica
Aspectos teóricos da economia ambiental e economia ecológica
 
Port Pirie - Uma das Maiores Contaminações por Chumbo no Mundo.
Port Pirie - Uma das Maiores Contaminações por Chumbo no Mundo.Port Pirie - Uma das Maiores Contaminações por Chumbo no Mundo.
Port Pirie - Uma das Maiores Contaminações por Chumbo no Mundo.
 
A Importância da Gestão nos Planos Municipais de Saneamento - Um Estudo de Caso
A Importância da Gestão nos Planos Municipais de Saneamento - Um Estudo de CasoA Importância da Gestão nos Planos Municipais de Saneamento - Um Estudo de Caso
A Importância da Gestão nos Planos Municipais de Saneamento - Um Estudo de Caso
 
Gestão Das ÁGuas Drenagem Urbana
Gestão Das ÁGuas   Drenagem UrbanaGestão Das ÁGuas   Drenagem Urbana
Gestão Das ÁGuas Drenagem Urbana
 
Relatório de Estágio em Educação Ambiental
Relatório de Estágio em Educação AmbientalRelatório de Estágio em Educação Ambiental
Relatório de Estágio em Educação Ambiental
 
Gestão Ambiental - Projetos de Extensão da UFRGS na área - panorama de 2011
Gestão Ambiental - Projetos de Extensão da UFRGS na área - panorama de 2011Gestão Ambiental - Projetos de Extensão da UFRGS na área - panorama de 2011
Gestão Ambiental - Projetos de Extensão da UFRGS na área - panorama de 2011
 
Microbiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolin
Microbiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolinMicrobiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolin
Microbiologia aplicada ao_saneamento_-_joana_bresolin
 
Escoamento de Águas Pluviais
Escoamento de Águas PluviaisEscoamento de Águas Pluviais
Escoamento de Águas Pluviais
 
Passivos Ambientais - Discrepâncias na Valoração
Passivos Ambientais - Discrepâncias na ValoraçãoPassivos Ambientais - Discrepâncias na Valoração
Passivos Ambientais - Discrepâncias na Valoração
 
Tratamento natural de esgoto - Manual santander
Tratamento natural de esgoto - Manual santanderTratamento natural de esgoto - Manual santander
Tratamento natural de esgoto - Manual santander
 
Cidade do Porto-Portugal
Cidade do Porto-PortugalCidade do Porto-Portugal
Cidade do Porto-Portugal
 
Economia ambiental
Economia ambientalEconomia ambiental
Economia ambiental
 
Economia ambiental
Economia ambientalEconomia ambiental
Economia ambiental
 
Introduccion a la economia ambiental
Introduccion a la economia ambientalIntroduccion a la economia ambiental
Introduccion a la economia ambiental
 
Trabalho de conclusão de curso avaliação da qualidade da água
Trabalho de conclusão de curso  avaliação da qualidade da águaTrabalho de conclusão de curso  avaliação da qualidade da água
Trabalho de conclusão de curso avaliação da qualidade da água
 
Introdução à economia ambiental
Introdução à economia ambientalIntrodução à economia ambiental
Introdução à economia ambiental
 
Fossa séptica biodigestora o que é e como funciona
Fossa séptica biodigestora o que é e como funcionaFossa séptica biodigestora o que é e como funciona
Fossa séptica biodigestora o que é e como funciona
 
Recursos Hídricos
Recursos HídricosRecursos Hídricos
Recursos Hídricos
 

Semelhante a Aproveitamento de Água da Chuva em Agricultura Familiar

VALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuvaVALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuvaslides-mci
 
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao Luz
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao LuzCurso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao Luz
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao LuzFluxus Design Ecológico
 
Cartilha uso racional da água - Embrapa e Nestlé
Cartilha uso racional da água  - Embrapa e Nestlé Cartilha uso racional da água  - Embrapa e Nestlé
Cartilha uso racional da água - Embrapa e Nestlé Raquel Maria Cury Rodrigues
 
Osmose Reversa X Troca Iônica
Osmose Reversa X Troca IônicaOsmose Reversa X Troca Iônica
Osmose Reversa X Troca IônicaProjetoBr
 
Seleçao de area e construçao de estruturas para aquicultura
Seleçao de area e construçao de estruturas para aquiculturaSeleçao de area e construçao de estruturas para aquicultura
Seleçao de area e construçao de estruturas para aquiculturaJairo Coêlho
 
Curso Manejo Água e Tratamento Águas Servidas - Humanaterra - Nov/2012
Curso Manejo Água e Tratamento Águas Servidas - Humanaterra - Nov/2012Curso Manejo Água e Tratamento Águas Servidas - Humanaterra - Nov/2012
Curso Manejo Água e Tratamento Águas Servidas - Humanaterra - Nov/2012Fluxus Design Ecológico
 
Aula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água friaAula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água friaAndréa Camara
 
Vinicius nyrradley
Vinicius nyrradleyVinicius nyrradley
Vinicius nyrradleyhistoriaf123
 
Aula 2 Manejo De Bacias Hidrográficas Eng Ambiental.pptx
Aula 2 Manejo De Bacias Hidrográficas Eng Ambiental.pptxAula 2 Manejo De Bacias Hidrográficas Eng Ambiental.pptx
Aula 2 Manejo De Bacias Hidrográficas Eng Ambiental.pptxAndrisleyJoaquimDaSi
 
Aparelhos sanitarios economizadores
Aparelhos sanitarios economizadoresAparelhos sanitarios economizadores
Aparelhos sanitarios economizadoresGabriel Stach
 
VALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de PerdasVALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de Perdasslides-mci
 
Apresentação Manejo de Água em Noronha - conselho apa
Apresentação Manejo de Água em Noronha - conselho apaApresentação Manejo de Água em Noronha - conselho apa
Apresentação Manejo de Água em Noronha - conselho apaFelipe Pinheiro
 

Semelhante a Aproveitamento de Água da Chuva em Agricultura Familiar (20)

VALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuvaVALOR: Aproveitamento de água de chuva
VALOR: Aproveitamento de água de chuva
 
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao Luz
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao LuzCurso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao Luz
Curso basico de formacao em manejo integrado de agua - Estacao Luz
 
Cartilha uso racional da água - Embrapa e Nestlé
Cartilha uso racional da água  - Embrapa e Nestlé Cartilha uso racional da água  - Embrapa e Nestlé
Cartilha uso racional da água - Embrapa e Nestlé
 
Osmose Reversa X Troca Iônica
Osmose Reversa X Troca IônicaOsmose Reversa X Troca Iônica
Osmose Reversa X Troca Iônica
 
Apresentação Copasa
Apresentação CopasaApresentação Copasa
Apresentação Copasa
 
ECOHOUSE URCA
ECOHOUSE URCAECOHOUSE URCA
ECOHOUSE URCA
 
Seleçao de area e construçao de estruturas para aquicultura
Seleçao de area e construçao de estruturas para aquiculturaSeleçao de area e construçao de estruturas para aquicultura
Seleçao de area e construçao de estruturas para aquicultura
 
Curso Manejo Água e Tratamento Águas Servidas - Humanaterra - Nov/2012
Curso Manejo Água e Tratamento Águas Servidas - Humanaterra - Nov/2012Curso Manejo Água e Tratamento Águas Servidas - Humanaterra - Nov/2012
Curso Manejo Água e Tratamento Águas Servidas - Humanaterra - Nov/2012
 
Reúso de Água - Dr. Pedro Mancuso (Faculdade de Saúde Pública da USP) - Pales...
Reúso de Água - Dr. Pedro Mancuso (Faculdade de Saúde Pública da USP) - Pales...Reúso de Água - Dr. Pedro Mancuso (Faculdade de Saúde Pública da USP) - Pales...
Reúso de Água - Dr. Pedro Mancuso (Faculdade de Saúde Pública da USP) - Pales...
 
Plano de Recuperação do Complexo Pinheiros Billings visando seus múltiplos us...
Plano de Recuperação do Complexo Pinheiros Billings visando seus múltiplos us...Plano de Recuperação do Complexo Pinheiros Billings visando seus múltiplos us...
Plano de Recuperação do Complexo Pinheiros Billings visando seus múltiplos us...
 
Aula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água friaAula de instalacoes prediais de água fria
Aula de instalacoes prediais de água fria
 
Vinicius nyrradley
Vinicius nyrradleyVinicius nyrradley
Vinicius nyrradley
 
Jaime Melo Baptista - ERSAR
Jaime Melo Baptista - ERSARJaime Melo Baptista - ERSAR
Jaime Melo Baptista - ERSAR
 
Pronatec aula 3
Pronatec aula 3Pronatec aula 3
Pronatec aula 3
 
Palestra sobre a Estação de Tratamento de Esgoto do Parque Andreense, operada...
Palestra sobre a Estação de Tratamento de Esgoto do Parque Andreense, operada...Palestra sobre a Estação de Tratamento de Esgoto do Parque Andreense, operada...
Palestra sobre a Estação de Tratamento de Esgoto do Parque Andreense, operada...
 
Aula 2 Manejo De Bacias Hidrográficas Eng Ambiental.pptx
Aula 2 Manejo De Bacias Hidrográficas Eng Ambiental.pptxAula 2 Manejo De Bacias Hidrográficas Eng Ambiental.pptx
Aula 2 Manejo De Bacias Hidrográficas Eng Ambiental.pptx
 
Aparelhos sanitarios economizadores
Aparelhos sanitarios economizadoresAparelhos sanitarios economizadores
Aparelhos sanitarios economizadores
 
VALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de PerdasVALOR: Redução de Perdas
VALOR: Redução de Perdas
 
1241681
12416811241681
1241681
 
Apresentação Manejo de Água em Noronha - conselho apa
Apresentação Manejo de Água em Noronha - conselho apaApresentação Manejo de Água em Noronha - conselho apa
Apresentação Manejo de Água em Noronha - conselho apa
 

Último

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfHELLEN CRISTINA
 
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAÁrea de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAReservadaBiosferadaM
 
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfHELLEN CRISTINA
 
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfApresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfReservadaBiosferadaM
 
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ReservadaBiosferadaM
 
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxCEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxReservadaBiosferadaM
 
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptxReservadaBiosferadaM
 
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxapresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxReservadaBiosferadaM
 
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdfAruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdfReservadaBiosferadaM
 
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPSEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPReservadaBiosferadaM
 
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfFazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfReservadaBiosferadaM
 
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...atendimento93
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroGeagra UFG
 

Último (13)

RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdfRELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
RELATÓRIO DE ESTÁGIO SUPERVISIONADO I.pdf
 
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMAÁrea de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
Área de Proteção Ambiental Jenipabu 32º Encontro Nacional da RBMA
 
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina- Projeto Integrado I – GESTÃO.pdf
 
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdfApresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
Apresentação Tekoa Yvy Porã 32 CN - Natal 2023.pdf
 
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
ARIE SITIO CURIÓ 32º Encontro Nacional RBMA_
 
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptxCEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
CEARÁ MAIS VERDE Fernando Bezerra .pptx
 
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
32ª_Reunião Ordinária_Conselho Nacional_2023.pptx
 
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptxapresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
apresentação Cajueiro_32º Encontro Nacional da RBMA.pptx
 
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdfAruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta  RBMA.pdf
Aruá final RBMA Conectando Pessoas e Floresta RBMA.pdf
 
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMPSEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
SEDE DO PARQUE ESTADUAL MATA DA PIPA - PEMP
 
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdfFazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
Fazenda Bicho Preguiça - BA proposta posto avançado .pdf
 
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
A maravilhosa fauna registrada nos empreendimentos da Enel Green Power no Bra...
 
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline CastroMICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
MICRONUTRIENTES NO SOLO E NA PLANTA Aline Castro
 

Aproveitamento de Água da Chuva em Agricultura Familiar

  • 1. APROVEITAMENTO DE ÁGUA DA CHUVA EM AGRICULTURA FAMILIAR: UM ESTUDO DE CASO TRABALHO DE CONCLUSÃO DE CURSO PARA OBTENÇÃO DO TÍTULO DE BACHAREL EM ENGENHARIA AMBIENTAL Orientado: Prof. Dr. Dieter Wartchow Autor: Marcio Alexandre Nicknig Dezembro
  • 2. INTRODUÇÃO A CAPTAÇÃO DA CHUVA PARA DEMANDAS DO DIA A DIA É PRÁTICA ANTIGA; CIDADES EM ILHAS GREGAS E MESOPOTÂMICAS SÃO OS CASOS MAIS ANTIGOS REGISTRADOS; MUITO UTILIZADO PARA PROVISÃO DE LEGIÕES MILITARES NA ANTIGUIDADE;
  • 4. INTRODUÇÃO • NO BRASIL, DESTAQUE PARA O PROJETO 1 MILHÃO DE CISTERNAS:
  • 5. INTRODUÇÃO PROBLEMAS RECORRENTES NO USO DE CISTERNAS: • AUSÊNCIA DE CONTROLE DA QUALIDADE DA ÁGUA CAPTADA; • DOENÇAS ASSOCIADAS A AUSÊNCIA DE SAIS NA ÁGUA; • PROLIFERAÇÃO DE MOSQUITOS; • CONTAMINAÇÃO POR INFILTRAÇÕES E/OU VAZAMENTOS;
  • 6. OBJETIVOS • PRINCIPAL: DIMENSIONAR E EXECUTAR PROJETO DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DA CHUVA, VISANDO IRRIGAÇÃO DE HORTA DE SUBSISTÊNCIA, AVALIANDO O IMPACTO ECONÔMICO DO PROJETO EM UMA PROPRIEDADE RURAL DE AGRICULTURA FAMILIAR.
  • 7. OBJETIVOS ESPECÍFICOS: • AVALIAÇÃO DO REGIME HIDROLÓGICO DA REGIÃO; • ESTIMATIVA DA DEMANDA DE ÁGUA A SER ATENDIDA; • DIMENSIONAMENTO DO RESERVATÓRIO NECESSÁRIO ATRAVÉS DO MÉTODO DA SIMULAÇÃO; • ORÇAMENTO, AQUISIÇÃO E INSTALAÇÃO DOS CONDUTOS E RESERVATÓRIO DETERMINADOS NO DIMENSIONAMENTO; • INSTALAÇÃO DE UM SISTEMA DE IRRIGAÇÃO POR GOTEJAMENTO CASEIRO; • ANÁLISE DA QUALIDADE DA ÁGUA CAPTADA; • AVALIAÇÃO DO IMPACTO ECONÔMICO DO PROJETO;
  • 8. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA FORAM LEVANTADAS AS TÉCNICAS RECOMENDADAS PARA DIMENSIONAR UM SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA DA CHUVA, PODENDO SER O REFERENCIAL TEÓRICO DIVIDIDO EM: • ÁREA DE CAPTAÇÃO; • DIMENSIONAMENTO DAS CALHAS E DOS CONDUTOS; • DIMENSIONAMENTO DO RESERVATÓRIO; • ESTRUTURAS ESPECÍFICAS PARA CAPTAÇÃO PLUVIAL; • QUALIDADE DA ÁGUA;
  • 9. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ÁREAS DE CAPTAÇÃO ABNT NBR 10844 - INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS
  • 10. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA DIMENSIONAMENTO DAS CALHAS E CONDUTOS ABNT NBR 10844 - INSTALAÇÕES PREDIAIS DE ÁGUAS PLUVIAIS
  • 11. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA DIMENSIONAMENTO DO RESERVATÓRIO ABNT NBR 15527 - ÁGUAS DE CHUVA – APROVEITAMENTOS DE COBERTURAS EM ÁREAS URBANAS PARA FINS NÃO POTÁVEIS – REQUISITOS MÉTODO DA SIMULAÇÃO
  • 12. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA ESTRUTURAS ESPECÍFICAS PARA CAPTAÇÃO DE ÁGUA DA CHUVA ABNT NBR 15527 - ÁGUAS DE CHUVA – APROVEITAMENTOS DE COBERTURAS EM ÁREAS URBANAS PARA FINS NÃO POTÁVEIS – REQUISITOS RESERVATÓRIO PARA ÁGUA DE DESCARTE ( 1 ~ 2 mm DE CHUVA ) FILTRO
  • 13. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA • RESERVATÓRIO PARA ÁGUA DE DESCARTE – MANUAL PRÁTICO DO IPT (SP)
  • 15. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA QUALIDADE DA ÁGUA ABNT NBR 15527 - ÁGUAS DE CHUVA – APROVEITAMENTOS DE COBERTURAS EM ÁREAS URBANAS PARA FINS NÃO POTÁVEIS – REQUISITOS
  • 16. REVISÃO BIBLIOGRÁFICA QUALIDADE DA ÁGUA RESOLUÇÃO CONAMA 357: Exige que a qualidade da água para irrigação de hortaliças e frutíferas que cresçam rente ao selo e podem ser consumidas cruas e in natura seja classe1. Isso implica na necessidade de zerar o número de coliformes totais e termotolerantes, caso sejam detectados.
  • 18. ESCOLHA DO LOCAL PROPRIEDADE RURAL COM CERTIFICAÇÃO ORGÂNICA; MUNICÍPIO DE VERA CRUZ – RS PRODUÇÃO FAMILIAR DIVERSIFICADA: - CONSUMO PRÓPRIO E REVENDA LOCAL: Hortaliças, frutíferas, criação de frangos e suínos; - COMERCIAL: Tabaco orgânico certificado;
  • 19.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.
  • 24.
  • 25. DIMENSIONAMENTO DO SISTEMA • DEFINIÇÃO DA DEMANDA DE ÁGUA A SER ATENDIDA; • ANÁLISE PLUVIOMÉTRICA DO LOCAL ESCOLHIDO; • DEFINIÇÃO DA ÁREA DE CAPTAÇÃO NECESSÁRIA E/OU POSSÍVEL DE SER UTILIZADA; • DIMENSIONAMENTO DO RESERVATÓRIO ATRAVÉS DO MÉTODO DA SIMULAÇÃO (OPÇÃO DO AUTOR POR ESTE MÉTODO ENTRE OS RECOMENDADOS PELA NORMA); • PROJETO E IMPLEMENTAÇÃO DO SISTEMA DE CAPTAÇÃO DE ÁGUA PLUVIAL;
  • 26. DEMANDA À SER ATENDIDA • 200 L/dia; VISANDO ATENDER: • Volume usualmente utilizado para irrigação da horta do local; • Volume utilizado na lavagem de pisos da área externa da residência; • Volume eventualmente utilizado na higienização das ferramentas de uso diário;
  • 27. ÁREA DE CAPTAÇÃO • UTILIZAÇÃO DE UMA DAS ABAS DO TELHADO, PODENDO EXPANDIR PARA TODO O TELHADO APENAS ACRESCENTANDO CALHAS; • 100.75 m²; • Reservatório a ser dimensionado aos fundos da residência, próximo ao galpão e garagem da propriedade.
  • 28. ESTUDO DO REGIME HIDROLÓGICO
  • 29. Estação Início da Série Término Períodos sem medição Herveiras 2004 2014 Sim (trechos) Venâncio Aires 2004 2014 Sim (2007) Candelária 1985 2004 Não Botucaraí 1965 2006 Não ESTUDO DO REGIME HIDROLÓGICO
  • 30.
  • 31.
  • 34. DIMENSIONAMENTO DO RESERVATÓRIO 0 1000 2000 3000 4000 5000 6000 Jan-03 Feb-03 Mar-03 Apr-03 May-03 Jun-03 Jul-03 Aug-03 Sep-03 Oct-03 Nov-03 Dec-03 Jan-04 Feb-04 Mar-04 Apr-04 May-04 Jun-04 Jul-04 Aug-04 Sep-04 Oct-04 Nov-04 Dec-04 VOLUME(LITROS) MÊS Volume Acumulado ao Fim de Cada Mês - 2003 : 2004
  • 35. CALHAS E CONDUTOS • FOI FEITA A VERIFICAÇÃO DOS DIÂMETROS NECESSÁRIOS PARA DAR VAZÃO ÀS CHUVAS DE PROJETOS, ESTAS SENDO ESTIMADAS PELO MÉTODO RIO DE JANEIRO. • FORAM UTILIZADOS CONDUTOS DE 100 MM DE DIÂMETRO, EM PVC.
  • 36. ORÇAMENTO E AQUISIÇÃO Ítem Valor Calhas, condutos, registros, conexões, válvulas, tampões R$ 1,560.00 Reservatório R$ 1,075.00 Total R$ 2,635.00
  • 37.
  • 41.
  • 42.
  • 43.
  • 44. EXECUÇÃO - IRRIGAÇÃO • FOI COPIADO SISTEMA CASEIRO JÁ UTILIZADO NAS CULTURAS HIDROPÔNICAS. Gastos com Material Irrigação Item Quantidade Valor “Mangueiras 3/4” 60 m R$ 72.00 Registro Globo 3 peças R$ 7.50 Tampões 6 peças R$ 9.00 Conexões 3/4 16 peças R$ 32.00 Broca 1mm 1 peça R$ 8.00 Total R$ 128.50
  • 45.
  • 46.
  • 47. VOLUME CAPTADO 2.3 3.4 1.8 4.8 4.9 4.9 0 1 2 3 4 5 6 Junho Julho Agosto Setembro Outubro Novembro VolumeAcumulado(m³) mês (2015) Acumulado (m³)
  • 48.
  • 49. QUALIDADE DA ÁGUA CAPTADA • FORAM TESTADOS OS PARÂMETROS EXIGIDOS NA ABNT NBR 15527:
  • 50.
  • 51.
  • 52. MEDIDAS CORRETIVAS DA QUALIDADE DA ÁGUA • A título de avaliação do potencial de eficácia, foi realizada uma aplicação de hipoclorito. • Dosagem: 0.5 g/L – vide manual de saneamento rural da FUNASA (Fundação Nacional de Saúde).
  • 53.
  • 54.
  • 55. RESULTADOS ECONÔMICOS Gastos com Sistema de Captação e Armazenamento Ítem Valor Calhas, condutos, registros, conexões, válvulas, tampões R$ 1,560.00 Reservatório R$ 1,075.00 Sub Total 1 R$ 2,635.00 Gastos com Material Irrigação Item Quantidade Valor Mangueiras 3/4" 60 m R$ 72.00 Registro Globo 3 peças R$ 7.50 Tampões 6 peças R$ 9.00 Conexões 3/4 16 peças R$ 32.00 Broca 1mm 1 peça R$ 8.00 Sub Total 2 R$ 128.50 Total R$ 2,763.50
  • 56.
  • 57. DISCUSSÃO • PREOCUPAÇÕES; • QUALIDADE DA ÁGUA NO RESERVATÓRIO; • MONITORAMENTO; • DIFICULDADES; • INCLINAÇÃO DOS CONDUTOS; • LAYOUT DO FILTRO; • QUALIDADE DA ÁGUA;
  • 58.
  • 60. MONITORAMENTO E OPERAÇÃO • O RESERVATÓRIO, SE MAL OPERADO E MANTIDO, PODE SER BERÇO DE VETORES DE DOENÇAS EPIDÊMICAS.
  • 62. MANUTENÇÃO E INSPEÇÃO • VAZAMENTOS DEVEM SER NOTADOS E CORRIGIDOS PRONTAMENTE; • O SISTEMA DE IRRIGAÇÃO PRECISA SER CUIDADOSAMENTE INSTALADO E REINSTALADO A CADA SAFRA, EVITANDO PERDAS; • IMPORTANTÍSSIMO O TREINAMENTO DOS USUÁRIOS NOS PROCEDIMENTOS BÁSICOS DE SEGURANÇA DA ÁGUA; • POSTES E BRAÇADEIRAS NECESSITAM DE VERIFICAÇÃO PERIÓDICA; • EM EVENTOS INTENSOS DE CHUVA ESTÃO SUJEITOS À CARGAS RAZOÁVEIS;
  • 63. EQUIPE DE INSPEÇÃO DA OBRA Alinhamento dos condutos
  • 64. Alinhamento dos condutos Fixação das calhas EQUIPE DE INSPEÇÃO DA OBRA
  • 65. Alinhamento dos condutos Fixação das calhas Execução das fundações EQUIPE DE INSPEÇÃO DA OBRA
  • 66. Alinhamento dos condutos Fixação das calhas Execução das fundações A EQUIPE AINDA REQUER QUALIFICAÇÃO EQUIPE DE INSPEÇÃO DA OBRA
  • 67. CONCLUSÕES • A CAPTAÇÃO DE ÁGUA DA CHUVA É OPÇÃO PARA DIMINUIR ESTRESSE HÍDRICO; • A QUALIDADE DA ÁGUA NÃO É GARANTIDA, CONTRÁRIA AO SENSO COMUM; • O INVESTIMENTO NECESSÁRIO TEM RETORNO ENTRE 2 E 3 ANOS, E SE INCLUI EM PROGRAMAS DE FINANCIAMENTO RURAL; • A NECESSIDADE DE UM TRATAMENTO PODE SER ATENDIDA COM SIMPLES ADIÇÃO DE HIPOCLORITO OU PASTILHA DE CLORO.
  • 68. OBRIGADO! “UM COPO DE ÁGUA POTÁVEL SEMPRE É UM PRODUTO DE ENGENHARIA.”