São Tomé e Príncipe
http://kley1984.no.comunidades.net/imagens/so_tom1.gif
Página2
As ilhas de S. Tomé e Príncipe foram descobertas pelos marinheiros portugueses João de Santarém e
Pedro Escobar.
E...
Página3
A população de S. Tomé e Príncipe resulta de uma miscigenação, descendentes de escravos vindos de África e europeu...
Página4
ANGOLARES
Canoa frágil, à beira da praia,
panos preso na cintura,
uma vela a flutuar…
Caleima, mar em fora
canoa f...
Página5
izaquente 5 cozido
em panela de barro.
Hoje, amanhã e todos os dias
espreita a canoa andante por sobre a procela d...
Página6
ILHA NUA
Coqueiros e palmares da Terra Natal
Mar azul das ilhas perdidas na conjuntura dos séculos
Vegetação densa...
Página7
Ilhas paradoxais do Sul do Sará
Os desertos humanos clamam
Na floresta virgem
Dos teus destinos sem planuras…
Alda...
Página8
CONCEIÇÃO LIMA
http://www.unilab.edu.br/wp-content/uploads/2012/11/Concei%C3%A7%C3%A3o-Lima.jpg
Página9
PRESSA1
1
http://bibliotecariodebabel.com/geral/seis-poemas-de-conceicao-lima/
Ficam mais curtas as horas
Se tomba...
Página10
Vim tocar as tábuas da profecia.
Acostumo-me ao perpétuo fogo
Na fronte de Acra.
Que diriam as palavras
O que dir...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

São tomé e príncipe

494 visualizações

Publicada em

História e poetas de S. Tomé e Príncipe

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
494
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
59
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

São tomé e príncipe

  1. 1. São Tomé e Príncipe http://kley1984.no.comunidades.net/imagens/so_tom1.gif
  2. 2. Página2 As ilhas de S. Tomé e Príncipe foram descobertas pelos marinheiros portugueses João de Santarém e Pedro Escobar. Estes encontravam-se ao serviço do comerciante Fernão Gomes, que obteve o direito de exploração de 100 léguas anuais da costa africana do rei D. Afonso V em nome da Coroa Portuguesa, embora com custos por sua conta. Ao povoamento da ilha de São Tomé e Príncipe associam-se algumas dúvidas. Assim, acredita-se que terão sido os portugueses os primeiros a chegarem às ilhas, cabendo-lhes a decisão quanto ao seu futuro. A ilha de São Tomé terá estado desabitada (tese maioritária) até 1470/1471 e a do Príncipe até 1471/ 1472. A primeira tentativa de povoamento da Ilha de São Tomé aconteceu em 1485, por João de Paiva, mas sem sucesso. Uma nova tentativa, aconteceu em 1493, por Álvaro de Caminha. Quanto à Ilha do Príncipe só teve o seu primeiro povoamento em 1500. O encontro entre portugueses e angolares (habitantes da zona sul da Ilha de S. Tomé) foi marcado por conflitos, que culminaram com a submissão dos angolares, tendo-se tornado escravos dos portugueses. http://i.colnect.net/images/f/1326/402/Pedro-Escobar-and-Joao-de-Santar-eacute-m.jpg
  3. 3. Página3 A população de S. Tomé e Príncipe resulta de uma miscigenação, descendentes de escravos vindos de África e europeus, nomeadamente, portugueses. Estes grupos deram origem a uma população com enorme riqueza cultural. Nas últimas décadas, esta população tem crescido consideravelmente, todavia, com cerca de 151.912 habitantes esta nação é uma das mais pequenas de África. Cerca de um quarto da população reside na cidade de S. Tomé. Do séc. XV ao séc. XX (1975) foi uma colónia de Portugal. A 12 de julho de 1975 foi proclamada a sua independência. POETAS DE S. TOMÉ ALDA ESPÍRITO SANTO http://3.bp.blogspot.com/-ijzCVUqOz6w/Uxx1HouAmTI/AAAAAAAAS3g/6L- Ori5kASw/s1600/Poetisa+Alda+Esp%C3%ADrito+Santo.jp g
  4. 4. Página4 ANGOLARES Canoa frágil, à beira da praia, panos preso na cintura, uma vela a flutuar… Caleima, mar em fora canoa flutuando por sobre as procelas das águas, lá vai o barquinho da fome. Rostos duros de angolares na luta com o gandu por sobre a procela das ondas remando, remando no mar dos tubarões p’la fome de cada dia. Lá longe, na praia, na orla dos coqueiros quissandas 4 em fila, abrigando cubatas, http://3.bp.blogspot.com/_2P3Aqv70N2E/R2xYLA40OsI/AAAAAAAABPk/rnQ FWYBsUas/S259/100-0012_IMG.JPG
  5. 5. Página5 izaquente 5 cozido em panela de barro. Hoje, amanhã e todos os dias espreita a canoa andante por sobre a procela das águas. A canoa é vida a praia é extensa areal, areal sem fim. Nas canoas amarradas aos coqueiros da praia. O mar é vida. P’ra além as terras do cacau nada dizem ao angolar “Terras tem seu dono”. E o angolar na faina do mar, tem a orla da praia as cubatas de quissandas 4 as gibas pestilentas mas não tem terras. P’ra ele, a luta das ondas, a luta com o gandu, as canoas balouçando no mar e a orla imensa da praia. (É nosso o solo sagrado da terra) Alda Espírito Santo
  6. 6. Página6 ILHA NUA Coqueiros e palmares da Terra Natal Mar azul das ilhas perdidas na conjuntura dos séculos Vegetação densa no horizonte imenso dos nossos sonhos. Verdura, oceano, calor tropical Gritando a sede imensa do salgado mar No deserto paradoxal das praias humanas Sedentas de espaço e devida Nos cantos amargos do ossobô Anunciando o cair das chuvas Varrendo de rijo a terra calcinada Saturada do calor ardente Mas faminta da irradiação humana http://2.bp.blogspot.com/_98WlY2FILCc/SYeEjZAjkLI/AAAAAAAACe4/0PF2iEmrQIg/s400/para %C3%ADso.jpg
  7. 7. Página7 Ilhas paradoxais do Sul do Sará Os desertos humanos clamam Na floresta virgem Dos teus destinos sem planuras… Alda Espírito Santo http://media-cdn.tripadvisor.com/media/photo-s/01/18/56/9b/bom-bom-resort-view-from.jpg
  8. 8. Página8 CONCEIÇÃO LIMA http://www.unilab.edu.br/wp-content/uploads/2012/11/Concei%C3%A7%C3%A3o-Lima.jpg
  9. 9. Página9 PRESSA1 1 http://bibliotecariodebabel.com/geral/seis-poemas-de-conceicao-lima/ Ficam mais curtas as horas Se tombam caminhos. *** O GUARDIÃO Sobre todas as coisas, o guardião venera o eco da própria voz. No anel de bondade em redor do trono decretou a obediência do vento e a vassalagem dos frutos. *** MULABO I Onde o tamanho das vozes Encolhe o nome e o rosto da urbe. *** OCULTO Não lhe vi o rosto Não lhe viste o rosto Não lhe viram o rosto Não lhe vimos o rosto Estava de bruços. ***
  10. 10. Página10 Vim tocar as tábuas da profecia. Acostumo-me ao perpétuo fogo Na fronte de Acra. Que diriam as palavras O que diriam Sobre o árduo fulgor da tua mortalha? in O País de Akendenguê, Caminho, 2011 ESTÁTUAS Neste país as estátuas desdenham alturas. Traficam na praça, devassam estradas Têm mãos pensativas e barro na planta dos pés. *** KWAME Deixei longe o clarim. Vim ouvir a alegria das rosas Ébrias gaivotas Esta frescura tingindo de princípio o teu canto. Além dos retalhos do mapa

×