São tomé e príncipe

884 visualizações

Publicada em

Sao Tome & Principe culture and way of life.

Publicada em: Estilo de vida
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
884
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
20
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

São tomé e príncipe

  1. 1. SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE
  2. 2. Colônia portuguesa desde 1470 hasta 1975 - João de Santarém e Pedro Escobar as descobriram. Localizado no Golfo da Guiné, composto por duas ilhas principais. 1001 km² 160 mil habitantes Próximo das costas do Gabão, Guiné Equatorial, Camarões e Nigéria.
  3. 3. Manifestações culturais Língua: Português, Forro (85%) e Crioulo. Religião católica Contributos culturais: dança, musica, pintura, escultura, artesanato e culinária.
  4. 4. DANÇAS • Nascida no Brasil no fim do século XVII e trazida a Portugal pela Corte que estava refugiada no Rio de Janeiro. Tivera sido introduzida em São Tomé e Príncipe no início do século XIX. Socopé: "só com os pés" • Nasceu no início do século XX, sendo uma dança praticada pelos "filhos da terra”. Ússua • Introduzida pelos angolanos, deriva do caduque que era dançado em Luanda. Proibida na época colonial pelo seu caráter erótico, ela venera os defuntos. A tradição diz que no trigésimo dia depois da morte do defunto, uma festa seja organizada em sua honra pela sua saúde no outro mundo Puita ou Semba
  5. 5. Dança-Congo Compõe-se por trinta dançarinos: Capitão “Logoso do anso mole" (anjo da guarda da roça que morre). Dois "anso canta" (anjos cantore s). Dois "pé- pau" (dançar inos em andas). Quatro doidos. Um feiticeir o. Um "zugozu go" (ajudan te feiticeir o). Um "djabo" (diabo). Quatro tocador es de tambor. O resto dança tocand o cansas.
  6. 6. Tchilole Tragédia Marquês de Mãntua. Teatro de rua, habitualmente representado nas festas religiosas. Representa a corte medieval europeia – Imperador Carlos Magno e o Marquês de Mântua. Conflito entre deveres paternais privados e os deveres da justiça pública. A representação dura de 5 a 6 horas.
  7. 7. Música Kizomba: música originária de Angola. É música com um fluxo romântico e muito sensual. Pintura • Representa os usos e costumes das tribos africanas. • Nas pinturas, assim como nas esculturas, a presença da figura humana identifica a preocupação com os valores étnicos, morais e religiosos
  8. 8. Objetos de coco, bambu, madeira esculpida, conchas, bonecas de pano, folha de bananeira, palha de milho, brinquedos de arame, objetos feitos com chifres de bois, sementes e objetos feitos de carapaça de tartaruga Ouro, bronze, marfim barro, madeira Representa um disfarce para a incorporação dos espíritos e a possibilidade de adquirir forças mágicas As máscaras têm um significado místico e importante na arte sendo usadas nos rituais e funerais para estabelecer a purificação e a ligação com a entidade sagrada, são modeladas em segredo na selva. Escultura Artesanato
  9. 9. Culinária Calúlú, Soô de matabala, Blabla, a Catchupa, Izaquente de açúcar ou de azeite, Djogo, Quizacá e a Feijoada. O calúlú constitui uma refeição familiar habitual, sendo também usado em festas religiosas, nas quais é frequentemente distribuído junto às igrejas. É também servido em casamentos e em cerimónias fúnebres. Um dos maiores exportadores de açúcar. No século XIX foram impulsadas as plantações de café e cacau, tornou-se o maior produtor mundial de cacau, é considerado o melhor do mundo.
  10. 10. Festividades 1 de janeiro: Ano novo. 3 de fevereiro: Dia dos Mártires da Liberdade. 1 de maio: Dia do trabalhador. 12 de julho: Festa da Independência. 6 de setembro: Fiesta das Forcas Armadas. 1 de novembro: Todos os Santos. 25 de dezembro: Natal.
  11. 11. ESCRITORES E LITERATURA EM SÃO TOMÉ E PRÍNCIPE
  12. 12. Alda do Espírito Santo Escritora e poetisa. Autora da letra do hino nacional “Independência Total”. Livros de poemas: •“O Jogral das Ilhas”. •“É nosso o solo sagrado da terra”.
  13. 13. Independência Total Trabalhando, lutando e vencendo Caminhamos a passos gigantes Na cruzada dos povos africanos Hasteando a bandeira nacional Voz do povo, presente, presente em conjunto Vibra rijo no coro da esperança Ser herói na hora do perigo Ser herói no ressurgir do país Independência total Glorioso canto do povo Independência total Hino sagrado combate Dinamismo Na luta nacional Juramento eterno No país soberano De São Tomé e Príncipe Independência total Glorioso canto do povo Independência total Hino sagrado combate Dinamismo Na luta nacional Juramento eterno No país soberano De São Tomé e Príncipe Guerrilheiro da guerra sem armas na mão Chama viva na alma do povo Congregando os filhos das ilhas Em redor da Pátria Imortal Independência total, total e completa Construindo no progresso e na paz A Nação mais ditosa da terra Com os braços heróicos do povo Independência total Glorioso canto do povo Independência total Hino sagrado combate
  14. 14. Conceição Lima Maria da Conceição de Deus Lima (nome real). Licenciada em Estudos Afro-Portugueses e Brasileiros pelo King's College de Londres. •“O Útero da Casa”. •“A Dolorosa Raiz do Micondó”. •“O Pais de Akendenguê”. Livro de poemas:
  15. 15. A Dolorosa Raiz do Micondó - Espanto E no mar foi recluso, escoltado caminhante De todo o mar apenas foi onda silente De marfim os dentes, imperscrutáveis os deuses Nenhuma trombeta amparou a mudez de sua voz sem doutrina. Com seu nome e sua língua morreram colinas A Ocidente se abriu uma vanguarda de tumbas que expande do desterro a metamorfose em novos hinos, outros abismos chamados ilhas. E nem estrela nem astro, nenhuma chama Da própria sombra foi a sombra que o amou quando impassível marchou a infernal engrenagem e o mundo emergiu - seu destino e sua casa.
  16. 16. Relações com o Brasil
  17. 17. OBRIGADAS!

×