Os manuscritos do mar morto

1.133 visualizações

Publicada em

A vida dos Essênios, a descoberta dos manuscritos e principalmente o segredo da espiritualidade de um povo.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.133
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
48
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Os manuscritos do mar morto

  1. 1. OS ENSINAMENTOS DOS ESSÊNIOS DE ENOQUE AOS MANUSCRITOS DO MAR MORTO
  2. 2. Os Manuscritos de Qumran • Descobertos na Primavera de 1947 por um pastor da tribo Beduína dos Ta`âmirah – chamado Muhammad ed- Di`b (Maomé o Lobo). • Suas escavações datam entrem 1947 a 1958. • Os manuscritos apresentam-se em papiro, Couro e cobre e datam de 152 a.C até 135 d.C • Escritos em Hebraico, Aramaico e Grego.
  3. 3. Os Manuscritos de Qumran APRESENTAM: • Livros Bíblicos canônicos. • Livros para-bíblicos ou Apócrifos. • Literatura de ideologia Essênia. • Literatura Variada.
  4. 4. Que comunidade era detentora do lugar e autora dos textos? • LOCAL: • Wadi Qumram, a 50 metros acima do Mar Morto, mas a 330 metros abaixo do nível do mar. • Segundo Flávio Josefo na transcrição grega do aramaico designava os Essênios como Hasdin = piedosos, e indica o local como o mosterio dos Èssénoi ou Essênios.
  5. 5. Os ensinamentos dos Essênios • O ensinamento esotérico é encontrado na Árvore da Vida, nas Comunhões e na Paz Séptupla. • O ensinamento exotérico, ou externo, aparece no Evangelho Essênio da Paz, no Gênesis, uma interpretação Essênia, em Moisés, o Profeta da Lei e no Sermão da Montanha.
  6. 6. Modo de Vida Essênio • Viviam as margens de rios e lagos, longe das cidades. • Praticavam um estilo de vida comunal. • Eram agricultores e arboricultores. • Não tinham criados nem escravos.
  7. 7. Modo de Vida Essênio • Não havia entre eles ricos nem pobres. • Passavam muito tempo entregue ao estudo. • Herdeiros da astronomia caldaica e da arte de curar dos egípcios. • Levavam uma existência simples e regular.
  8. 8. Modo de Vida Essênio • Levantavam sempre antes do nascer do Sol, afim de estudar e comungar com as forças da natureza, banhando- se em água fria como se fosse um ritual e envergando roupas brancas.
  9. 9. Modo de Vida Essênio • Depois do labor cotidiano, compartiam das refeições em silêncio, precedendo-as e encerrando-as com uma oração. • Inteiramente vegetarianos. • Suas noites eram devotadas ao estudo e a comunhão com as forças celestiais. • Podiam viver até 120 anos ou mais.
  10. 10. Modo de Vida Essênio • Enviam para fora dos mosteiros, curadores e mestres, escolhidos entre os membros da irmandade. • Só se obtinha a qualidade de membro da irmandade após um período probatório de um ano e após três anos de trabalho iniciatório, seguido de mais sete, em que recebia o pleno ensinamento interior.
  11. 11. O Ensinamento Essênio • O ensinamento explica a Lei, mostra que os afastamentos dela por parte do homem são a causa de todas as dificuldades deste último e ensinam o método pelo qual ele encontra a saída desse seu dilema.
  12. 12. O Ensinamento Essênio Fizeste conhecidas de mim Tuas coisa misteriosas e profundas. Todas as coisas existem feitas por Ti E não há ninguém que ombreie contigo. Por meio da Tua Lei Dirigiste o meu coração A fim de eu dar meus passos diretamente para frente em sendas direitas E caminhar onde está a tua presença. Extraído do Livro dos Hinos VII dos Manuscritos do Mar Morto.
  13. 13. O Ensinamento Essênio A Lei foi plantada para premiar os filhos da Luz Com curas e paz abundante, Com vida longa, Com a semente fecunda das bençãos eternas, Com eterna alegria Na imortalidade da Luz eterna. Extraído do Manual de Disciplina dos Manuscritos do Mar Morto.
  14. 14. A árvore da vida essênia • A ciência dos Anjos ou angelologia. • Os anjos eram as forças do Universo. • Zoroastro e os Toltecas cultuam a angelologia, e utilizavam as forças invisíveis como fonte de energia e poder, considerando duas espécies as forças boas e más. • Os essênios diferiam pois consideravam somente as forças positivas.
  15. 15. As comunhões essênias A árvore da vida simbólica permitiu aos essênios compreenderem que estavam cercados de forças, ou anjos, do mundo visível da natureza e do mundo cósmico invisível. As comunhões mostram como cada uma destas forças se utiliza no corpo e na consciência do homem.
  16. 16. Comunhões Essênias no período da manhã. • Sábado pela manhã – A Mãe Terrena O objetivo era estabelecer a unidade entre o organismo físico do homem e as forças nutritivas da terra. • Domingo pela manhã – O Anjo da Terra Esse Anjo representava a geração, regeneração e consistia em criar uma vida sempre mais abundante. • Segunda-feira pela manhã – O Anjo da Vida Era dedicada à vida, à saúde e à vitalidade do organismo humano e de todo o planeta, produzindo uma unidade dinâmica entre eles. • Terça-feira pela manhã – O Anjo da Alegria Consistia em absorver alegria das belezas da natureza, o nascente, o poente, as montanhas, as flores, as cores, os aromas e assim por diante, era um dos meios pelos quais os Essênios atingiam a harmonia e a serenidade interna que tanto impressionavam os contemporâneos. • Quarta-feira pela manhã – O Anjo do Sol Os Essênios meditavam sobre o sol como uma grande força viva da natureza terrestre, um manancial sempre presente de energia, sem o qual não haveria vida na terra, no oceano ou na atmosfera. • Quinta-feira pela manhã – O Anjo da Água Entendiam que a circulação da água na natureza correspondia à circulação do sangue no corpo. Eles sabiam que seus alimentos tem por base, principalmente, a água, igualmente essencial a vida na terra. • Sexta-feira pela manhã – O Anjo do Ar Tinha como finalidade dar ciência ao homem da unidade dinâmica entre o ar e a vida, que a respiração é o elo entre o organismo e o cosmo e onde há vida há respiração.
  17. 17. Comunhões Essênias Noturnas • Sexta-feira à noite – O Pai Celestial Essa era a comunhão central dos Essênios, voltada à totalidade das leis cósmicas e a compreensão de que o universo é um processo de criação mutua, em que o homem precisa desempenhar sua parte continuando a obra do Criador na terra. • Sábado à noite – O Anjo da Vida Eterna Para os Essênios, o propósito do universo só pode ser a Vida Eterna, a imortalidade, que o homem realiza criando progressivamente a condições de seu avanço para os degraus mais e mais altos de sua evolução inpidual. Para eles não haviam limites para este progresso, uma vez que o cosmo tem um suprimento inesgotável de energias disponíveis ao homem. • Domingo à noite – O Anjo do Trabalho Criativo Era dedicada a todas as grandes coisas criadas pelo trabalho humano, as obras primas da literatura, da arte, da ciência, da filosofia. • Segunda-feira à noite – O Anjo da Paz Consistia na profunda intuição do homem em relação à paz dentro de si mesmo e com todo o universo infinito, para eles a paz era um dos tesouros mais preciosos do homem. • Terça-feira à noite – O Anjo do Poder Os Essênios entendiam que o universo inteiro era como um oceano cósmico de vida, no qual correntes de poder estão sempre unindo todas as formas de vida em todos os planetas e ligando o homem a todos os outros organismos. • Quarta-feira à noite – O Anjo do Amor Para eles o amor era o mais elevado sentimento criativo e sustentavam que um oceano cósmico de amor existe em toda a parte unindo todas as formas de vida, e que a própria vida é uma expressão de amor. • Quinta-feira à noite – O Anjo da Sabedoria Eles acreditavam que o pensamento penetra todo o espaço e era a mais poderosa e elevada de todas as energias, que nunca se destruía e nunca se perdia.
  18. 18. A postura messiânica de Jesus era muito próxima à dos essênios. Alguns estudiosos afirmam que foi entre os Essênios, que Jesus passou o período entre seus 13 e 30 anos, embora não tenha sido encontrado algum escrito que comprove.
  19. 19. Bibliografia: 1- Os ensinamentos dos Essênios de Enoch aos manuscritos do Mar Morto – Edmond Szekely 2- O caminho dos Essênios – Givaudan, Anne – Givaudan- Merois, Daniel. Trabalho realizado em 05/06/2014. MM – Márcio Augusto Guariente ARLS Conquista e Integração 08 Cuiabá – MT – Brasil.
  20. 20. MUITA PAZ! A nossa felicidade será naturalmente proporcional em relação à felicidade que fizermos para os outros. Allan Kardec

×