10 controles do ciclo

683 visualizações

Publicada em

Refrigeration
Controles do ciclo

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
683
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
25
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

10 controles do ciclo

  1. 1. Controles do Sistema de Refrigeração
  2. 2. Dispositivos de Controle - Circuito de Refrigeração
  3. 3. Controles AutomáticosEstes dispositivos podem ser elétricos, eletrônicos, pneumáticos, porcomputador, autônomos, de estado sólido, ou fluídicos.O Controle é um dispositivo que dá partida, para, regula e/ou protege o ciclo.Um sistema de controle tem como funções básicas:- regular o sistema de modo que condições de projeto sejam mantidas no espaçocontrolado;- permitir uma operação eficiente do equipamento;- evitar possíveis efeitos nocivos aos ocupantes, instalações e equipamentos.
  4. 4. Controles AutomáticosCOMPONENTES BÁSICOS DE UM SISTEMA DE CONTROLEBaseiam-se na ideia fundamental da retroalimentação ou realimentação (feedback).Medir o valor real que está sendo obtido, compará-lo com um valor predeterminadoou especificado e se houver diferença, fazer uma correção para aproximar o valorobtido ao valor desejado, a fim de diminuir e eliminar o erro.(1) PROCESSO: O sistema a ser controlado(2) MEIO DE MEDIÇÃO (DETECÇÃO): Paramedir o valor real da variável controlada(3) MEIO DE CONTROLE: É um sistema que compara o sinal emitido pelo sensorcom um sinal correspondente ao valor do ponto de controle(4) ELEMENTO FINAL DO CONTROLE (ATUADOR): É a unidade ouaparelho que modifica diretamente uma outra variável ou condição que afeta o valor davariável controlada
  5. 5. Controles AutomáticosCONTROLE ON-OFF: Simplesmente para o resfriamento ou aquecimentoquando a temperatura alcança o ponto de desligamento e começa novamente noponto de ligamento.O "Ponto de Ajuste" é fictício em virtude do termostato possuir um diferencial detrabalho no mínimo de 2°C entre os pontos de ligamento e desligamento.
  6. 6. Controles AutomáticosCONTROLE FLUTUANTE: O termostato, de ação instantânea, pode ter 3posições, abrir circuito, descanso, fechar circuito.O atuador aciona um damper, válvulas as quais poderão ser abertas ou fechadas oupermanecerem numa posição de descanso pelo termostato.Um diferencial de no mínimo 2oC é desejado entre as posições aberto- fechado.Apesar deste sistema ser sensivelmente melhor do que o on-off não pode serclassificado como um bom controle.
  7. 7. Controles AutomáticosCONTROLE PROPORCIONAL: Significa que a posição do atuadoré sempre proporcional ao desvio de controle existente traduzido peladiferença ente o Set Point (SP) e a temperatura do ambiente.O máximo desvio requerido para levar o atuador de sua posição final paraa outra extremidade (inicial) é chamada de Banda Proporcional (PB).Esta banda é normalmente 2oC para temperatura ambiental.
  8. 8. Controles AutomáticosCONTROLE INTEGRAL: É um aperfeiçoamento do controle, P noqual elimina-se o desvio do controlador P.Os controladores PI podem ser fabricados hoje a baixo custo graças aodesenvolvimento da eletrônica.O controle PI dá uma resposta rápida sobre uma mudança na função P,eliminando o erro remanescente através do deslocamento contínuo doatuador até a eliminação completa do desvio.
  9. 9. Controles AutomáticosCONTROLE DERIVATIVO: A ação derivativa responde a uma bruscavariação de carga de forma a corrigi-la imediatamente ao ponto de ajuste.Isto previne que as condições ambientais previamente ajustadas nãomodifiquem através de repentinas aberturas de janelas, dampers de arexterior dos condicionadores ou no ligamento dos mesmos.
  10. 10. Controles AutomáticosTermostatosSão atuados por temperatura e normalmente ativados por efeito de uma lâminabimetálica ou por pressão de fluidoTERMOSTATO BIMETÁLICO: Se a temperatura subir em torno doelemento bimetálico, ambos os metais (A) e (B) começarão a expandir.Contudo o metal (A) foi escolhido para expandir mais rapidamente que ometal (B).Isto fará o bimetal curvar e fechar os contatos.Quando a temperatura baixa o metal (A) contrai mais depressa que o (B) edeste modo endireitará abrindo os contatos.
  11. 11. Controles AutomáticosTERMOSTATOTIPO FOLE:Atuam por pressão de fluido. Com um líquidoe gás dentro do bulbo, a pressão dentro do fole aumentará ou diminuirá emfunção da variação de temperatura do bulbo.
  12. 12. Controles AutomáticosPressostatosSão conjuntos eletromecânicos comandados por um sinal de pressão.
  13. 13. Controles AutomáticosPRESSOSTATO DE BAIXA: Abre os contatos quando a pressão que atua nofole é menor que a pressão de trabalho.PRESSOSTATO DE ALTA: Abre os contatos quando a pressão que atua no foleé maior que a pressão de trabalho.PRESSOSTATO DE ALTA E BAIXA: Engloba os dois tipos anteriores.PRESSOSTATO DE ÓLEO: Controla o diferencial de pressão do óleolubrificante do compressor, que caso caia muito desliga o compressor, protegendo aspartes mecânicas de lubrificação inadequada
  14. 14. Controles AutomáticosQuanto ao rearme dos pressostatos.REARME MANUAL: É um dispositivo de segurança opcional encontrado nospressostatos de alta (lado de alta pressão). Este dispositivo trava os contatospermitindo que o sistema entre novamente em regime mediante o rearmemanual.REARME AUTOMÁTICO: Quando o fechamento dos contatos ocorreautomaticamente em função do diferencial estabelecido.PRESSÃO DETRABALHO: Pressão na qual o pressostato interrompe apassagem da corrente elétrica.DIFERENCIAL: Diferença de pressão entre a abertura e o fechamento doscontatos.
  15. 15. Controles AutomáticosUmidostatosO Elemento interruptor do umidostato é acionado por um sensor cujocomprimento varia em função da umidade relativa do ar.
  16. 16. Controles AutomáticosFluxostatosOs fluxostatos aplicam-se ao controle do fluxo de ar, líquidos que não atacamas ligas de cobre, como água, salmoura, etc.Seus contatos são reversíveis, o que permite sua utilização para conectar edesconectar um circuito quando o fluxo atinge um valor pré-ajustado.Este fluxo tanto pode ser mínimo (falta de fluxo) como máximo (excesso defluxo).
  17. 17. Controles AutomáticosVálvulas de ControleUma válvula automática de controle consiste em um corpo de válvula acionadapor um atuador pneumático, elétrico ou eletrônico através de um sinal remotocompatível controlando assim o fluxo passante através da válvula.
  18. 18. Controles AutomáticosCONTROLES ELÉTRICOSBOTOEIRA: Ela tem a função de um interruptor. Está acoplada ao circuito decomando, destinada ao acionamento de contatoras ou a interrupção de todo ocircuito.DISJUNTORES: São dispositivos de manobra e proteção que, além de poderseccionar, conduzir e interromper correntes em condições normais de umcircuito podem também interromper correntes em condições anormais,especialmente as de curto-circuito.
  19. 19. Controles AutomáticosCONTATORAS: Destina-se ao acionamento de motores, resistências, etc.,por meio de fechamento rápido de contatos, este fechamento é acionado porforça eletromagnéticaCONTROLES ELÉTRICOS
  20. 20. Controles AutomáticosTipos de Contatos:- Normalmente Aberto : Quando o contator está desenergizado não hápassagem de corrente entre os contatos.- Normalmente Fechado : Quando o contator está energizado hápassagem de corrente entre os contatos.CONTROLES ELÉTRICOSContatoras
  21. 21. Controles AutomáticosRELÊ DETEMPO: Utilizados normalmente na partida defasada dos compressores(em caso de aparelhos com mais de um ciclo), proteção contra reciclagem, etc.CONTROLES ELÉTRICOS
  22. 22. 22Filtros Secadores• São dispositivos destinados a eliminar a umidade que,apesar dos cuidados tomados antes e durante a carga,sempre está presente nas instalações de refrigeração,ocasionando diversos problemas.• São constituídos por um corpo com elementos filtrantescomo: sílica gel, molecular sieves (silicato de alumínio,zeólitos, carvão ativado).• Os filtros secadores são colocados normalmente nas linhasde líquido.
  23. 23. 23Filtros Secadores• São constituídos por um invólucro metálico, no interior doqual se encontra uma tela de malha fina feito de níquel oubronze.• Os filtros podem ser montados tanto na linha de sucçãocomo na linha de líquido.• Quando colocados na linha de sucção evitam que impurezaspenetrem no compressor juntamente com o vapor derefrigerante.• O filtro na linha de líquido destina-se a evitar que impurezasfluam para o evaporador juntamente com o refrigerantelíquido.
  24. 24. 24Filtros Secadores - internamente
  25. 25. MS indicado para os fluidos refrigerantes mais comuns25Filtros Secadores
  26. 26. 26Os dessecantes para filtros secadores em sistemas derefrigeração devem ter as seguintes características:Estabilidade mecânica – o dessecante deve ser resistente aodesgaste para evitar que os choques entre as esferas soltempartículas (pó), que podem obstruir o tubo capilar, penetrarentre outras partes móveis do compressor, provocandodesgastes.Estabilidade Química – o dessecante deve ser quimicamenteestável, não pode reagir com o fluido refrigerante, com o óleolubrificante do compressor ou com outros materiais do sistemade refrigeração.Quantidade adequada – o filtro secador deve conter aquantidade adequada de MS em relação ao volume interno docorpo do filtro. Se existirem espaços vazios, o fluxo do fluidorefrigerante poderá causar movimento das esferas de MS, o queaumentará o risco da liberação de partículas (pó de MS).Filtros Secadores
  27. 27. 27Filtros SecadoresPosição correta de instalação
  28. 28. 28Filtros SecadoresPosição correta de instalação
  29. 29. 29Acumulador de sucçãoEm alguns evaporadores a ação do dispositivo de expansão(tubo capilar) não é suficientemente rápida para acompanhar asvariações de carga.Algum líquido pode escapar do evaporador pela linha desucção e provocar danos ao compressor.O acumulador é uma espécie de armadilha destinada a apanhareste líquido, antes que ele atinja o compressor.
  30. 30. 30Separadores de óleoFinalidade:A finalidade do separador de óleo é reduzira quantidade de óleo em circulação nosistema e deste modo aumentar a suaeficiência.Partes do separador de óleo:• Tanque ou cilindro externo revestido porum isolamento térmico (impedir acondensação do vapor);• Filtros e telas que coletam o óleo;• Válvula de agulha controlada por bóia;• Linha de retorno do óleo ao compressor.
  31. 31. 31Separadores de óleoFuncionamento:No separador, a mistura de óleo e fluidorefrigerante quente vindo do compressor,entra e atravessa um tubo perfurado.A mistura bate contra a tela onde o óleogeralmente se separa do vapor.O óleo é drenado pela parte inferior da telapara um pequeno reservatório no separador.O vapor passa através da tela e deixa oseparador pela parte superior.Quando o nível do óleo sobe no reservatório, abóia do flutuador também sobe e o óleo voltaao compressor através de um orifício.
  32. 32. 32Visores de LíquidoSão peças com visores para verificar a passagem de líquidoe a presença de umidade.São colocados na saída do reservatório de líquido ou naentrada do evaporador, permitindo verificar se a carga derefrigeração está completa e se existe umidade no sistema.As seguintes cores são utilizadas para indicar a quantidadede umidade no sistema:•Verde → Ausência de umidade• Amarelo → Presença de umidade• Marrom → Contaminação total do sistema

×