SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 7
Baixar para ler offline
Procedimento Prático Para Manutenção de Cabine
Introdução
Nos equipamentos elétricos se faz necessária a manutenção, para que os mesmo
possam estar sempre disponível, prolongando sua vida útil, Esta manutenção deve
obedecer a critérios pré-estabelecido, pelo fabricante e o setor de engenharia da
empresa. Nestes critérios deve-se considerar; Local de instalação dos equipamentos,
quantidade de operação, periodicidade, condições físico-químico, tensão e carga dos
equipamentos.
Manutenção preventiva
É todo controle, conservação, e restauração em um item programado seguindo os
critérios pré-estabelecidos, e com a finalidade de mantê-los em condições satisfatórias de
operações ou contra possíveis ocorrências que possam aumentar sua indisponibilidade.
Manutenção corretiva
É toda manutenção em um item indisponível ou não com ou sem restrição que vise
reparar falha ou defeito.
Em todas as manutenções deve ser constituído um relatório, analisando-se o estado
dos equipamentos e os valores de ensaios físico-químicos, as alterações detectadas em
relação aos relatórios anteriores, devem ser analisadas se estão dentro dos valores pré-
estabelecido.
Procedimento, verificações e ensaios
Cada fabricante pode ter seu procedimento diferenciado, o que vamos passar são os
procedimentos, verificações, ensaios e seqüência básica, podendo ser usado para todos
os equipamentos.
Pára-raios.
Verificações:
Nos pára-raios è necessário verificarmos as condições dos isoladores, se não existe
trincas ou rachaduras, os conectores devem ser reapertados, evitando aquecimento.
Obs. O cuidado deve ser redobrado caso o para-raio esteja próximo do cabo da
concessionária, pois o mesmo pode estar energizado.
Seccionador.
Verificações:
No seccionador é necessário verificar a simultaneidade das fases o estado dos
contatos: fixo e móvel. Deve-se reapertar, limpar e lubrificar, as articulações, varão partes
rotativas e contatos. Nos isoladores verificar se não existe trinca ou rachadura, os
mesmos devem estar limpos e bem fixos.
Ensaios:
Os ensaios mecânicos consistem basicamente da abertura e fechamento.
Os ensaios elétricos trás um diagnostico bem, mas técnico do equipamento por isto se faz
necessário o seu acompanhamento. Ele consiste de:
Resistência dielétrica
Para o ensaio de resistência se isolação o instrumento é o megômetro.(Ver anexo
instrumento de ensaios).
Resistência de contato
Para ensaios de resistência de contato o instrumento usado é o ôhmimetro, (Ver anexo
instrumento de ensaios).
Disjuntores.
Verificações:
No mecanismo de acionamento, deve-se verificar o estado geral das molas,
travas, motor, engrenagem, articulações, dispositivo de carregamento de mola,
indicadores de posição, contador de operação, bobina de ligar, desligar e de mínima
tensão. O mecanismo deve ser limpo e lubrificado, tomando cuidado com a lubrificação
para não haver excesso.
Nas câmaras de extinção, é necessário verificar se existe trinca ou rachaduras.
Caso tenha acesso verificar o estado dos contatos e sua simultaneidade, os contatos
também devem ser limpos, reapertados e lubrificados. É necessário também à verificação
nos blocos de terminas, fiações e isoladores; e se os mesmos não possuem trincas ou
rachaduras. Os contatos de rolete devem ser limpos e lubrificados. Caso o disjuntor seja a
óleo verifica o respiro, e o indicador de nível de óleo.
Ensaios:
Os ensaios mecânicos consistem basicamente da abertura e fechamento, mecânico e
elétrico, local e remoto.
Os ensaios elétricos trás um diagnostico bem, mas técnico do equipamento por isto se faz
necessário o seu acompanhamento. Ele consiste de:
Simultaneidade dos contatos
Para ensaios de simultaneidade percursos e penetração dos contatos o instrumento
usado oscilógrafo
Obs. Nos disjuntores a pequeno volume, o óleo deve ser substituído.
Transformador
Verificações:
Nos transformadores deve-se verificar: se não existem vazamentos, (na caixa,
radiadores e balonete) e se os registros dos mesmos estão abertos. Verifica-se, o nível do
óleo do balonete, condições da silica-gel (caso esteja rosada substitui-la), ventiladores,
isoladores (buchas), ligações a terra. Na caixa de fiação é necessário verificar, limpar, e
reapertar os blocos de fiação, chaves térmicas e contadores.
Ensaios:
Termômetro
O ensaio consiste no aquecimento de óleo em uma cuba onde deve ser colocados o
bulbo capilar e um outro termômetro, para referencia. É feita a comparação da evolução
da temperatura entre os dois. Neste ensaio verifica-se também, o automatismo dos
ventiladores, os alarmes de temperatura, e o desligamento do disjuntor.
Nível de óleo
Em função da diversidade de fabricante e de sua forma construtiva; fica difícil
definirmos uma regra básica para este ensaio por mais, simples que seja. Vale salientar
sua importância, pois é através dele que vamos detectar problema de falta de óleo no
balonete. Via de regra os indicadores de níveis de óleo e composto de uma bóia e uma
micro-chave, ao fecharmos a mesma emitirá alarme.
Rele buchholz
Não é possível detectar gases inflamáveis, em uma manutenção preventiva já que na
manutenção preventiva pré supunha que o transformador esteja sem gases. Mais e
possível verificar a atuação das duas bóias (balancim de alarme e o de desligamento).
Este ensaio é feito no esvaziamento do óleo no rele, que pode ser conseguido através de
bombeamento de ar no rubinete superior, (o mesmo utilizado para retirar amostra de
gases para ensaios). Após o esvaziamento de uma parte do óleo no relé, o alarme é
acionado, em seguida ocorre o desligamento do disjuntor.
Ensaio de resistência dielétrica
Para este ensaio os instrumentos utilizados são o megômetro e o fator de potência
(Doble) (ver anexo instrumento de medição).
Relação de transformação
Para este ensaio o instrumento utilizado é o TTR (ver anexo instrumento de medição).
Os ensaios com o óleo
Deve ser feito em laboratórios, na sua retirada deve-se ter o cuidado de verificar: A
temperatura ambiente, já que o óleo no transformador esta com a temperatura, mas
elevada que a do meio ambiente, e esta pode contaminar o óleo da amostra trazendo um
resultado diferente no ensaio, o local (registro) da retirado de amostras deve ser limpo,
deixando escorrer um pouco ate sair o óleo do cano. O frasco de amostra deve estar
limpo, e esterilizado e sem umidade. Os ensaios feitos em
Laboratórios são: rigidez dielétrica, umidade, acidez, tensão interfacial, cor, cromatografia,
viscosidade, ponto de fulgor.
Cabine (cubículo)
Verificações:
Nos cubículos é necessário verificar: resistência de aquecimento, lâmpadas de
sinalização, estado geral da pintura, (corrosão), reles e contadores, fusível e chaves
termomagnéticas, ligações a terra, blocos de ligações, contatos de rolete, amperímetro,
voltímetro, wattímetro, plug de controle. Os mesmos devem ser limpos, reapertados, e
substituído quando necessários. Nos barramentos deve-se verificar a isolação, se não
existem indícios de aquecimentos e corrosões, se necessário fazer ensaio de resistência
dielétrica. Caso tenha guilhotina, verificar se estão fechando e abrindo corretamente.
Transformadores de instrumentos (TC) (TP)
Verificações:
Nos TP e TC, deve-se verificar se não estão trincados, ou com indícios de vazamentos,
os terminais primários, secundários e terra, devem esta bem fixo. Os TP e TC devem ser
limpos, e bem fixado as estruturas.
Ensaios:
Ensaios de resistência dielétrica (megômetro)
Cabos de alimentação
Verificações:
Nos cabos verifica-se; indícios de aquecimento, condições da isolação, condições das
terminações; confere-se as conexões das fases e do terra; os isoladores devem estar,
limpos, e bem fixados.
Ensaios:
Resistência dielétrica, (megômetro).
Obs. Todas estas verificações, e ensaios devem constar da folha de inspeção.
Verificações finais
Deve-se verificar se todos os pontos desconectados foram conectados, retirar o
aterramento temporário, retirar as ferramentas, instrumentos de ensaios, sujeiras,
estopas, e resto de matérias e peças, as grades de proteção e tampas dos cubículos
devem estar fixas, conectadas ao aterramento e bem ajustadas evitando vibrações. As
pessoas não envolvidas na manobra devem ser retiradas do local. O operador deve fazer
sempre uma inspeção visual antes da manobra, e esta deve ser feita de forma inversa ao
desligamento.
Anexo: Instrumentos de Ensaios
Ôhmimetro
É usado para medir baixa resistência de contato. O seu princípio de
funcionamento é baseado no fato que quando uma corrente percorre um condutor, ha
perda devido ao aquecimento. No entanto os condutores elétricos não requerem ensaios
quando estão em serviços, por outro lado, juntas e conexões, oferecem problemas, já que
neste ponto a dificuldade da passagem da corrente elétrica é maior. O ôhmimetro por sua
vez nos traz a situação destas conexões. Nos disjuntores suas leituras são entre as
buchas, (1 e 2), (3 e 4), (5 e 6) e com o disjuntor desenergizado e fechado .
Megômetro.
Megger é o instrumento usado para medir resistência de isolação, permitindo detectar,
diagnosticar e evitar falhas nos equipamentos elétricos. Seu principio de funcionamento
tem como base, que, aplicando-se uma tensão de corrente continua a um isolante, a
corrente que circula através do mesmo tem três componentes distintas: A corrente de
carga de capacitância, natural do material sob ensaio. Corrente de absorção dielétrica
circula através do corpo do material. E a corrente de fuga através do isolante, esta
corrente tem dois componentes importante, um significando fuga através da superfície do
material e o outro do próprio isolante, baseado nestes fatores o megger nos trás uma
leitura precisa dos valores de resistência dielétrica do material isolante. Nos disjuntores os
ensaios são feitos para detectar fuga de corrente entre buchas e câmaras; (entrada e
saída) e entre bucha e câmaras ao corpo do disjuntor. Já no transformador, é verificada
através do megômetro a resistência dielétrica entre, buchas e enrolamento primário e
secundário, com o tanque, e entre os enrolamentos primários e secundários. Nos cabos e
barramentos os ensaios são em relação à terra e entre fases. A tensão de ensaio e acima
de 2500 V. Por este motivo deve-se ter o cuidado com choques elétricos, principalmente
nos cabos devido à corrente capacitiva, após os ensaios deve-se esperar descarregar os
cabos.Outro fato é verificar a tensão nominal do equipamento sob ensaio deve ser
compatível a do instrumento.
TTR
O TTR è o instrumento utilizado para medir com precisão relação entre espiras de um
transformador. Sendo o transformador uma máquina magnética e que trabalha com uma
proporção entre enrolamentos, podemos pela medição da relação entre os mesmos
avaliar como esta à situação dos enrolamentos, analisando a continuidade deste.
Analisador de Potência (Doble)
O analisador de isolação elétrica (doble) é projetado para teste de isolação no campo
pela medida dos voltamperes e perdas de watts, sob uma tensão aplicada. Assim como o
megger, sua finalidade é detectar falhas ocasionais na isolação com uma maior precisão.
O aparelho verifica a isolação elétrica de buchas, potheads, disjuntores, para raios,
transformadores, óleo isolantes, cabos, etc.
Teste de Rigidez Dielétrica. (Teste de Óleo)
A rigidez dielétrica exprime a capacidade de um material de suportar esforços da
corrente elétrica sem sofrer danos. Este instrumento analisa esta rigidez no óleo. Através
de dois eletrodos, simula-se a realidade de um arco elétrico dentro de um equipamento,
em condições especificas. Seu resultado é obtido em kV.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apostila de manutencao em subestação
Apostila de manutencao em subestaçãoApostila de manutencao em subestação
Apostila de manutencao em subestaçãoClaudio Arkan
 
APR - Instalações Elétricas..docx
APR - Instalações Elétricas..docxAPR - Instalações Elétricas..docx
APR - Instalações Elétricas..docxARTHURDeoliveiraNeto
 
Pop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentos
Pop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentosPop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentos
Pop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentosGraciele Soares
 
Permissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quentePermissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quenteJose Fernandes
 
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeiras
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeirasAplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeiras
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeirasUniversidade Federal Fluminense
 
Gestão da manutenção os 1
Gestão da manutenção os 1Gestão da manutenção os 1
Gestão da manutenção os 1Carlos Melo
 
Anexo 4 lista verificao spda - final
Anexo 4   lista verificao spda - finalAnexo 4   lista verificao spda - final
Anexo 4 lista verificao spda - finalTAMEBRA CESS Ltda
 
Check List para plataforma Elevatória - NR 18
Check List para plataforma Elevatória - NR 18Check List para plataforma Elevatória - NR 18
Check List para plataforma Elevatória - NR 18IZAIAS DE SOUZA AGUIAR
 
Plano de manutenção de caminhão de carroceria
Plano de manutenção de caminhão de carroceriaPlano de manutenção de caminhão de carroceria
Plano de manutenção de caminhão de carroceriaEVALDO JUNIO SILVA DA GAMA
 
NR 10 - SEP - Formação-1.pptx
NR 10 - SEP - Formação-1.pptxNR 10 - SEP - Formação-1.pptx
NR 10 - SEP - Formação-1.pptxPaduardoPassos
 
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...Paulo H Bueno
 
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL DiegoAugusto86
 
Instalações prediais 2015 carlos eduardov3
Instalações prediais 2015 carlos eduardov3Instalações prediais 2015 carlos eduardov3
Instalações prediais 2015 carlos eduardov3Carlos Melo
 
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00Erick Luiz Coutinho dos Santos
 

Mais procurados (20)

Apostila de manutencao em subestação
Apostila de manutencao em subestaçãoApostila de manutencao em subestação
Apostila de manutencao em subestação
 
APR - Instalações Elétricas..docx
APR - Instalações Elétricas..docxAPR - Instalações Elétricas..docx
APR - Instalações Elétricas..docx
 
Pop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentos
Pop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentosPop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentos
Pop 021- gestão da manutenção de máquinas e equipamentos
 
Permissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quentePermissao para-trabalho-a-quente
Permissao para-trabalho-a-quente
 
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeiras
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeirasAplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeiras
Aplicação de check list para esmerilhadeiras e lixadeiras
 
Gestão da manutenção os 1
Gestão da manutenção os 1Gestão da manutenção os 1
Gestão da manutenção os 1
 
Anexo 4 lista verificao spda - final
Anexo 4   lista verificao spda - finalAnexo 4   lista verificao spda - final
Anexo 4 lista verificao spda - final
 
Check List Talha Eletrica
Check List Talha EletricaCheck List Talha Eletrica
Check List Talha Eletrica
 
Nr 12
Nr 12Nr 12
Nr 12
 
Check List para plataforma Elevatória - NR 18
Check List para plataforma Elevatória - NR 18Check List para plataforma Elevatória - NR 18
Check List para plataforma Elevatória - NR 18
 
Plano de manutenção de caminhão de carroceria
Plano de manutenção de caminhão de carroceriaPlano de manutenção de caminhão de carroceria
Plano de manutenção de caminhão de carroceria
 
NR 10 - SEP - Formação-1.pptx
NR 10 - SEP - Formação-1.pptxNR 10 - SEP - Formação-1.pptx
NR 10 - SEP - Formação-1.pptx
 
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...
Nbr 5419-1-2015-protecao-contra-descargas-atmosfericas-parte-1-principios-ger...
 
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
EQUIPAMENTOS DE PROTEÇÃO COLETIVA E INDIVIDUAL
 
Check list - veículos - máquinas - equipamentos
Check list - veículos - máquinas - equipamentosCheck list - veículos - máquinas - equipamentos
Check list - veículos - máquinas - equipamentos
 
Instalações prediais 2015 carlos eduardov3
Instalações prediais 2015 carlos eduardov3Instalações prediais 2015 carlos eduardov3
Instalações prediais 2015 carlos eduardov3
 
Nr10 conceitos cp2
Nr10 conceitos cp2Nr10 conceitos cp2
Nr10 conceitos cp2
 
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
Procedimento operacional manutenção mecânica_rev.00
 
Curso nr10 básico
Curso nr10 básicoCurso nr10 básico
Curso nr10 básico
 
Modelo analise de risco
Modelo analise de riscoModelo analise de risco
Modelo analise de risco
 

Semelhante a Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria

Apostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoApostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoKeila Guedes
 
Apostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoApostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoAndré Rodrigues
 
Relatório Final - Técnico Em Eletrotécnica
Relatório Final - Técnico Em EletrotécnicaRelatório Final - Técnico Em Eletrotécnica
Relatório Final - Técnico Em EletrotécnicaDanielD15
 
Plano de manutenção de sistemas solares térmicos
Plano de manutenção de sistemas solares térmicosPlano de manutenção de sistemas solares térmicos
Plano de manutenção de sistemas solares térmicosCarlos Duarte Castanheira
 
Annel plano minimo_de_manutencao
Annel plano minimo_de_manutencaoAnnel plano minimo_de_manutencao
Annel plano minimo_de_manutencaoÍtalo Morais .'.
 
Anexo plano_minimo_de_manutencao
Anexo  plano_minimo_de_manutencaoAnexo  plano_minimo_de_manutencao
Anexo plano_minimo_de_manutencaoRoberto Zebral
 
Manutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentosManutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentosTiago Viegas
 
Atividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricos
Atividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricosAtividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricos
Atividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricosDiegoAugusto86
 
Valvulas de controle
Valvulas de controleValvulas de controle
Valvulas de controleestados4464
 
TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...
TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...
TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...jordanaveiga
 
2 treinamento de bloqueio 02-05_2013
2   treinamento de bloqueio 02-05_20132   treinamento de bloqueio 02-05_2013
2 treinamento de bloqueio 02-05_2013Jefferson Navarro
 
Trabalho completo teste de traçao em laboratorio
Trabalho completo teste de traçao em laboratorioTrabalho completo teste de traçao em laboratorio
Trabalho completo teste de traçao em laboratorioMarcelo Silva Vitor Amaral
 
Nota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicas
Nota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicasNota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicas
Nota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicasROGERIO MANTUANI
 

Semelhante a Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria (20)

Apostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoApostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacao
 
Apostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoApostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacao
 
Apostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacaoApostila manutencao de subestacao
Apostila manutencao de subestacao
 
Relatório Final - Técnico Em Eletrotécnica
Relatório Final - Técnico Em EletrotécnicaRelatório Final - Técnico Em Eletrotécnica
Relatório Final - Técnico Em Eletrotécnica
 
Plano de manutenção de sistemas solares térmicos
Plano de manutenção de sistemas solares térmicosPlano de manutenção de sistemas solares térmicos
Plano de manutenção de sistemas solares térmicos
 
Aneel anexo -plano_minimo_de_manutencao
Aneel anexo  -plano_minimo_de_manutencaoAneel anexo  -plano_minimo_de_manutencao
Aneel anexo -plano_minimo_de_manutencao
 
Annel plano minimo_de_manutencao
Annel plano minimo_de_manutencaoAnnel plano minimo_de_manutencao
Annel plano minimo_de_manutencao
 
Anexo plano_minimo_de_manutencao
Anexo  plano_minimo_de_manutencaoAnexo  plano_minimo_de_manutencao
Anexo plano_minimo_de_manutencao
 
Instrumentação em Controle de processos
 Instrumentação em Controle de processos  Instrumentação em Controle de processos
Instrumentação em Controle de processos
 
Manutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentosManutenção preventiva de equipamentos
Manutenção preventiva de equipamentos
 
Atividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricos
Atividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricosAtividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricos
Atividades de manutenção e inspeção nos sistemas elétricos
 
Chiller 1
Chiller 1Chiller 1
Chiller 1
 
Valvulas de controle
Valvulas de controleValvulas de controle
Valvulas de controle
 
TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...
TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...
TESTE PARA IDENTIFICAÇÃO DE TRAVAMENTO, MANUTENÇÃO E ACEITAÇÃO DE JUNTA DE EX...
 
2 treinamento de bloqueio 02-05_2013
2   treinamento de bloqueio 02-05_20132   treinamento de bloqueio 02-05_2013
2 treinamento de bloqueio 02-05_2013
 
Trabalho completo teste de traçao em laboratorio
Trabalho completo teste de traçao em laboratorioTrabalho completo teste de traçao em laboratorio
Trabalho completo teste de traçao em laboratorio
 
10 controles do ciclo
10 controles do ciclo10 controles do ciclo
10 controles do ciclo
 
Nota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicas
Nota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicasNota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicas
Nota tecnica-controle-metrologico-de-fornos-e-camaras-termicas
 
Aula 5
Aula 5Aula 5
Aula 5
 
Po 70-ele-35
Po 70-ele-35Po 70-ele-35
Po 70-ele-35
 

Mais de jccabral

Subestações
SubestaçõesSubestações
Subestaçõesjccabral
 
Unidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novoUnidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novojccabral
 
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massano
Sistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massanoSistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massano
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massanojccabral
 
Predial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigrePredial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigrejccabral
 
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)jccabral
 
Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)jccabral
 
Lampadas eficiencia energética
Lampadas eficiencia energéticaLampadas eficiencia energética
Lampadas eficiencia energéticajccabral
 
Dimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motoresDimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motoresjccabral
 
Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)jccabral
 
Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21jccabral
 
Como colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométricaComo colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométricajccabral
 
Com mgi206
Com mgi206Com mgi206
Com mgi206jccabral
 
Auto cad2unl
Auto cad2unlAuto cad2unl
Auto cad2unljccabral
 
Apostila cad
Apostila cadApostila cad
Apostila cadjccabral
 

Mais de jccabral (15)

Subestações
SubestaçõesSubestações
Subestações
 
Unidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novoUnidade 2 água fria_novo
Unidade 2 água fria_novo
 
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massano
Sistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massanoSistemas de água fria  dimensionamento das instalações   dicas - renato massano
Sistemas de água fria dimensionamento das instalações dicas - renato massano
 
Predial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigrePredial agua-fria tigre
Predial agua-fria tigre
 
Nbr 5410
Nbr 5410Nbr 5410
Nbr 5410
 
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
Manual instalacoes eletricas_residenciais (1)
 
Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)Laudoaeaxpmsjc3 (1)
Laudoaeaxpmsjc3 (1)
 
Lampadas eficiencia energética
Lampadas eficiencia energéticaLampadas eficiencia energética
Lampadas eficiencia energética
 
Dimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motoresDimensionamento partida direta de motores
Dimensionamento partida direta de motores
 
Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)Desenhos isométricos (1)
Desenhos isométricos (1)
 
Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21Ct coele 2013_2_21
Ct coele 2013_2_21
 
Como colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométricaComo colocar cotas em perspectiva isométrica
Como colocar cotas em perspectiva isométrica
 
Com mgi206
Com mgi206Com mgi206
Com mgi206
 
Auto cad2unl
Auto cad2unlAuto cad2unl
Auto cad2unl
 
Apostila cad
Apostila cadApostila cad
Apostila cad
 

Último

LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaGuilhermeLucio9
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfSamuel Ramos
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAMCassio Rodrigo
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraGuilhermeLucio9
 
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINAula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINFabioFranca22
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralFranciscaArrudadaSil
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréGuilhermeLucio9
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalleandroladesenvolvim
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalPauloHenrique154965
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individualpablocastilho3
 
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.ppTreinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.ppssuser238e8f
 

Último (11)

LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurançaLEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
LEAN SIX SIGMA - Garantia da qualidade e segurança
 
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdfLivro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
Livro Vibrações Mecânicas - Rao Singiresu - 4ª Ed.pdf
 
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAMMODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS  EQUIPAM
MODELO LAUDO AVALIAÇÃO MÁQUINAS EQUIPAM
 
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade AnhangueraTecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
Tecnólogo em Mecatrônica - Universidade Anhanguera
 
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DINAula de classificação de rolamentos norma DIN
Aula de classificação de rolamentos norma DIN
 
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboralA Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
A Importância dos EPI's no trabalho e no dia a dia laboral
 
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante TamandaréEletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
Eletricista instalador - Senai Almirante Tamandaré
 
Estatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animalEstatística aplicada à experimentação animal
Estatística aplicada à experimentação animal
 
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animalFISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
FISIOLOGIA DA REPRODUÇÃO. matéria de fisiologia animal
 
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção IndividualTreinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
Treinamento de NR06 Equipamento de Proteção Individual
 
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.ppTreinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
Treinamento de Proteção Auditiva 2023.pp
 

Procedimentos praticos para manutenção de cabine primaria

  • 1. Procedimento Prático Para Manutenção de Cabine Introdução Nos equipamentos elétricos se faz necessária a manutenção, para que os mesmo possam estar sempre disponível, prolongando sua vida útil, Esta manutenção deve obedecer a critérios pré-estabelecido, pelo fabricante e o setor de engenharia da empresa. Nestes critérios deve-se considerar; Local de instalação dos equipamentos, quantidade de operação, periodicidade, condições físico-químico, tensão e carga dos equipamentos. Manutenção preventiva É todo controle, conservação, e restauração em um item programado seguindo os critérios pré-estabelecidos, e com a finalidade de mantê-los em condições satisfatórias de operações ou contra possíveis ocorrências que possam aumentar sua indisponibilidade. Manutenção corretiva É toda manutenção em um item indisponível ou não com ou sem restrição que vise reparar falha ou defeito. Em todas as manutenções deve ser constituído um relatório, analisando-se o estado dos equipamentos e os valores de ensaios físico-químicos, as alterações detectadas em relação aos relatórios anteriores, devem ser analisadas se estão dentro dos valores pré- estabelecido. Procedimento, verificações e ensaios Cada fabricante pode ter seu procedimento diferenciado, o que vamos passar são os procedimentos, verificações, ensaios e seqüência básica, podendo ser usado para todos os equipamentos. Pára-raios. Verificações: Nos pára-raios è necessário verificarmos as condições dos isoladores, se não existe trincas ou rachaduras, os conectores devem ser reapertados, evitando aquecimento.
  • 2. Obs. O cuidado deve ser redobrado caso o para-raio esteja próximo do cabo da concessionária, pois o mesmo pode estar energizado. Seccionador. Verificações: No seccionador é necessário verificar a simultaneidade das fases o estado dos contatos: fixo e móvel. Deve-se reapertar, limpar e lubrificar, as articulações, varão partes rotativas e contatos. Nos isoladores verificar se não existe trinca ou rachadura, os mesmos devem estar limpos e bem fixos. Ensaios: Os ensaios mecânicos consistem basicamente da abertura e fechamento. Os ensaios elétricos trás um diagnostico bem, mas técnico do equipamento por isto se faz necessário o seu acompanhamento. Ele consiste de: Resistência dielétrica Para o ensaio de resistência se isolação o instrumento é o megômetro.(Ver anexo instrumento de ensaios). Resistência de contato Para ensaios de resistência de contato o instrumento usado é o ôhmimetro, (Ver anexo instrumento de ensaios). Disjuntores. Verificações: No mecanismo de acionamento, deve-se verificar o estado geral das molas, travas, motor, engrenagem, articulações, dispositivo de carregamento de mola, indicadores de posição, contador de operação, bobina de ligar, desligar e de mínima tensão. O mecanismo deve ser limpo e lubrificado, tomando cuidado com a lubrificação para não haver excesso. Nas câmaras de extinção, é necessário verificar se existe trinca ou rachaduras. Caso tenha acesso verificar o estado dos contatos e sua simultaneidade, os contatos também devem ser limpos, reapertados e lubrificados. É necessário também à verificação nos blocos de terminas, fiações e isoladores; e se os mesmos não possuem trincas ou
  • 3. rachaduras. Os contatos de rolete devem ser limpos e lubrificados. Caso o disjuntor seja a óleo verifica o respiro, e o indicador de nível de óleo. Ensaios: Os ensaios mecânicos consistem basicamente da abertura e fechamento, mecânico e elétrico, local e remoto. Os ensaios elétricos trás um diagnostico bem, mas técnico do equipamento por isto se faz necessário o seu acompanhamento. Ele consiste de: Simultaneidade dos contatos Para ensaios de simultaneidade percursos e penetração dos contatos o instrumento usado oscilógrafo Obs. Nos disjuntores a pequeno volume, o óleo deve ser substituído. Transformador Verificações: Nos transformadores deve-se verificar: se não existem vazamentos, (na caixa, radiadores e balonete) e se os registros dos mesmos estão abertos. Verifica-se, o nível do óleo do balonete, condições da silica-gel (caso esteja rosada substitui-la), ventiladores, isoladores (buchas), ligações a terra. Na caixa de fiação é necessário verificar, limpar, e reapertar os blocos de fiação, chaves térmicas e contadores. Ensaios: Termômetro O ensaio consiste no aquecimento de óleo em uma cuba onde deve ser colocados o bulbo capilar e um outro termômetro, para referencia. É feita a comparação da evolução da temperatura entre os dois. Neste ensaio verifica-se também, o automatismo dos ventiladores, os alarmes de temperatura, e o desligamento do disjuntor. Nível de óleo Em função da diversidade de fabricante e de sua forma construtiva; fica difícil definirmos uma regra básica para este ensaio por mais, simples que seja. Vale salientar sua importância, pois é através dele que vamos detectar problema de falta de óleo no
  • 4. balonete. Via de regra os indicadores de níveis de óleo e composto de uma bóia e uma micro-chave, ao fecharmos a mesma emitirá alarme. Rele buchholz Não é possível detectar gases inflamáveis, em uma manutenção preventiva já que na manutenção preventiva pré supunha que o transformador esteja sem gases. Mais e possível verificar a atuação das duas bóias (balancim de alarme e o de desligamento). Este ensaio é feito no esvaziamento do óleo no rele, que pode ser conseguido através de bombeamento de ar no rubinete superior, (o mesmo utilizado para retirar amostra de gases para ensaios). Após o esvaziamento de uma parte do óleo no relé, o alarme é acionado, em seguida ocorre o desligamento do disjuntor. Ensaio de resistência dielétrica Para este ensaio os instrumentos utilizados são o megômetro e o fator de potência (Doble) (ver anexo instrumento de medição). Relação de transformação Para este ensaio o instrumento utilizado é o TTR (ver anexo instrumento de medição). Os ensaios com o óleo Deve ser feito em laboratórios, na sua retirada deve-se ter o cuidado de verificar: A temperatura ambiente, já que o óleo no transformador esta com a temperatura, mas elevada que a do meio ambiente, e esta pode contaminar o óleo da amostra trazendo um resultado diferente no ensaio, o local (registro) da retirado de amostras deve ser limpo, deixando escorrer um pouco ate sair o óleo do cano. O frasco de amostra deve estar limpo, e esterilizado e sem umidade. Os ensaios feitos em Laboratórios são: rigidez dielétrica, umidade, acidez, tensão interfacial, cor, cromatografia, viscosidade, ponto de fulgor. Cabine (cubículo) Verificações: Nos cubículos é necessário verificar: resistência de aquecimento, lâmpadas de sinalização, estado geral da pintura, (corrosão), reles e contadores, fusível e chaves
  • 5. termomagnéticas, ligações a terra, blocos de ligações, contatos de rolete, amperímetro, voltímetro, wattímetro, plug de controle. Os mesmos devem ser limpos, reapertados, e substituído quando necessários. Nos barramentos deve-se verificar a isolação, se não existem indícios de aquecimentos e corrosões, se necessário fazer ensaio de resistência dielétrica. Caso tenha guilhotina, verificar se estão fechando e abrindo corretamente. Transformadores de instrumentos (TC) (TP) Verificações: Nos TP e TC, deve-se verificar se não estão trincados, ou com indícios de vazamentos, os terminais primários, secundários e terra, devem esta bem fixo. Os TP e TC devem ser limpos, e bem fixado as estruturas. Ensaios: Ensaios de resistência dielétrica (megômetro) Cabos de alimentação Verificações: Nos cabos verifica-se; indícios de aquecimento, condições da isolação, condições das terminações; confere-se as conexões das fases e do terra; os isoladores devem estar, limpos, e bem fixados. Ensaios: Resistência dielétrica, (megômetro). Obs. Todas estas verificações, e ensaios devem constar da folha de inspeção. Verificações finais Deve-se verificar se todos os pontos desconectados foram conectados, retirar o aterramento temporário, retirar as ferramentas, instrumentos de ensaios, sujeiras, estopas, e resto de matérias e peças, as grades de proteção e tampas dos cubículos devem estar fixas, conectadas ao aterramento e bem ajustadas evitando vibrações. As pessoas não envolvidas na manobra devem ser retiradas do local. O operador deve fazer
  • 6. sempre uma inspeção visual antes da manobra, e esta deve ser feita de forma inversa ao desligamento. Anexo: Instrumentos de Ensaios Ôhmimetro É usado para medir baixa resistência de contato. O seu princípio de funcionamento é baseado no fato que quando uma corrente percorre um condutor, ha perda devido ao aquecimento. No entanto os condutores elétricos não requerem ensaios quando estão em serviços, por outro lado, juntas e conexões, oferecem problemas, já que neste ponto a dificuldade da passagem da corrente elétrica é maior. O ôhmimetro por sua vez nos traz a situação destas conexões. Nos disjuntores suas leituras são entre as buchas, (1 e 2), (3 e 4), (5 e 6) e com o disjuntor desenergizado e fechado . Megômetro. Megger é o instrumento usado para medir resistência de isolação, permitindo detectar, diagnosticar e evitar falhas nos equipamentos elétricos. Seu principio de funcionamento tem como base, que, aplicando-se uma tensão de corrente continua a um isolante, a corrente que circula através do mesmo tem três componentes distintas: A corrente de carga de capacitância, natural do material sob ensaio. Corrente de absorção dielétrica circula através do corpo do material. E a corrente de fuga através do isolante, esta corrente tem dois componentes importante, um significando fuga através da superfície do material e o outro do próprio isolante, baseado nestes fatores o megger nos trás uma leitura precisa dos valores de resistência dielétrica do material isolante. Nos disjuntores os ensaios são feitos para detectar fuga de corrente entre buchas e câmaras; (entrada e saída) e entre bucha e câmaras ao corpo do disjuntor. Já no transformador, é verificada através do megômetro a resistência dielétrica entre, buchas e enrolamento primário e secundário, com o tanque, e entre os enrolamentos primários e secundários. Nos cabos e barramentos os ensaios são em relação à terra e entre fases. A tensão de ensaio e acima de 2500 V. Por este motivo deve-se ter o cuidado com choques elétricos, principalmente nos cabos devido à corrente capacitiva, após os ensaios deve-se esperar descarregar os
  • 7. cabos.Outro fato é verificar a tensão nominal do equipamento sob ensaio deve ser compatível a do instrumento. TTR O TTR è o instrumento utilizado para medir com precisão relação entre espiras de um transformador. Sendo o transformador uma máquina magnética e que trabalha com uma proporção entre enrolamentos, podemos pela medição da relação entre os mesmos avaliar como esta à situação dos enrolamentos, analisando a continuidade deste. Analisador de Potência (Doble) O analisador de isolação elétrica (doble) é projetado para teste de isolação no campo pela medida dos voltamperes e perdas de watts, sob uma tensão aplicada. Assim como o megger, sua finalidade é detectar falhas ocasionais na isolação com uma maior precisão. O aparelho verifica a isolação elétrica de buchas, potheads, disjuntores, para raios, transformadores, óleo isolantes, cabos, etc. Teste de Rigidez Dielétrica. (Teste de Óleo) A rigidez dielétrica exprime a capacidade de um material de suportar esforços da corrente elétrica sem sofrer danos. Este instrumento analisa esta rigidez no óleo. Através de dois eletrodos, simula-se a realidade de um arco elétrico dentro de um equipamento, em condições especificas. Seu resultado é obtido em kV.