Hanseniase

2.789 visualizações

Publicada em

Slide falando sobre a Hanseníase e suas consequências e qualidades.

Publicada em: Educação
2 comentários
8 gostaram
Estatísticas
Notas
Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.789
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
125
Comentários
2
Gostaram
8
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Hanseniase

  1. 1. Hanseníase João Paulo Farias Lima
  2. 2. O que é a Hanseníase?  Doença de pele infecto contagiosa;  Provocada pelo bacilo Mycobacterium leprae;  Evolução depende do sistema imunológico do infectado; 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 2
  3. 3. Mycobacterium leprae  É conhecido também como bacilo de Hansen;  Parasita intracelular;  Apresenta afinidade por:  Células cutâneas;  Células dos nervos periféricos. 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 3
  4. 4. Como se adquirir a Hanseníase 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 4
  5. 5. Como se adquirir a Hanseníase  Através da transmissão do bacilo de Hansen;  Contato prolongado com pessoas com a forma infectante da doença (Multibacilar – MB) e sem tratamento;  Expulsa pelas vias respiratórias e pela saliva; 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 5
  6. 6. Como não se adquirir a Hanseníase 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 6
  7. 7. Como não é transmitida a Hanseníase  Toques corporais;  Usando o mesmo banheiro;  Utensílios domésticos;  Alimentos;  Roupas;  Aguas Barrentas;  Contato com animais;  Contato com insetos;  Sangue;  Parto e leite materno;  Banco de ônibus;  Não é Hereditária. 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 7
  8. 8. Sintomas da Hanseníase 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 8
  9. 9. Sintomas da Hanseníase  Incubação de 6 meses a 6 anos;  Manchas na pele;  Queda de pelo;  Formigamento e dormência; 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 9
  10. 10. Resistência 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 10
  11. 11. Resistência  Qualquer pessoa pode entrar em contato do o Mycobacterium leprae se conviverem com o doente da forma contagiante;  Caso seja infectado e não tratar adequadamente a doença, ela pode evoluir para os níveis mais graves. 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 11
  12. 12. Formas da hanseníase 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 12
  13. 13. Formas da Hanseníase - I (Indeterminada):  Mancha parda;  Pode aparecer em qualquer parte do corpo;  Perda de sensibilidade;  Perda dos pelos no local;  Ausência de transpiração. 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 13
  14. 14. Formas da Hanseníase - I (Indeterminada):  Nessa forma a Hanseníase não é contagiosa;  Cura é mais eficaz;  A melhor forma para descobrir a doença é ficar de olho no próprio corpo;  Mancha branca com sensibilidade não é Hanseníase. 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 14
  15. 15. Formas da Hanseníase - T (Tuberculóide):  Lesões avermelhadas ou esbranquiçadas com bordas elevadas;  Afeta mais os nervos que a pele;  Não é uma forma contagiosa. 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 15
  16. 16. Formas da Hanseníase - T (Tuberculóide): 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 16
  17. 17. Formas da Hanseníase – D (Dimorfa) ou borderlines:  Lesões de cores avermelhadas ou acastanhadas;  Geralmente não há alterações no centro;  Forma contagiosa, se não tratada; 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 17
  18. 18. Formas da Hanseníase – V (Virchowiana):  Forma mais agressiva da hanseníase;  Lesões variadas e de vários aspectos;  Orelha afetada;  Crescimento exagerado do cabelo; 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 18
  19. 19. Como saber se você tem Hanseníase? 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 19
  20. 20. Observe seu corpo  Olhos;  Nariz;  Mão e braços;  Pés e pernas;  Articulações. 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 20
  21. 21. Diagnósticos Iniciais  Examinar todo o corpo;  Realiza testes de sensibilidade dos nervos;  Apalpar nervos braços, pernas e pescoço;  Informações sobre os familiares;  Exames de laboratório. 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 21
  22. 22. Diagnósticos Laboratorial  Baciloscopia:  Verifica a presença do bacilo no organismo;  Coleta da linfa; 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 22
  23. 23. Tratamento 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 23
  24. 24. Formas Indeterminada (I) e Tuberculoide (T)  Tratamento de 6 meses;  Comprimido vermelho (Rifampicina);  Comprimido branco (Dapsona); 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 24 MENSAL SUPERVISIONADA DIÁRIA AUTO ADMINISTRADA
  25. 25. Forma Dimorfa (D) e Virchowiana (V):  Tratamento de 12 a 24 meses;  Comprimido vermelho (Rifampicina);  Comprimido branco (Dapsona);  Comprimido marrom (Clofazimina). 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 25 MENSAL SUPERVISIONADA DIÁRIA AUTO ADMINISTRADA
  26. 26. Importante 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 26
  27. 27. Importante  Preferencialmente medicar-se após a ingestão de alimentos;  Tratamento irregular ou interrompido prolonga a duração dos bacilos; 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 27
  28. 28. Importante  Urina pode ficar avermelhada após a dose da rifampicina;  Tonalidade da pele muda com a dose diária do Clofazimina;  Dose mensal diminui a ação da pílula anticoncepcional; 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 28
  29. 29. Falta do tratamento 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 29
  30. 30. Falta do tratamento 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 30
  31. 31. Falta do tratamento 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 31
  32. 32. Curiosidades 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 32 Leontiasis óssea, também conhecida como leontiasis ou cara do leão, é uma condição médica rara, caracterizada por um crescimento excessivo dos ossos faciais e cranianos. Não é uma doença em si, mas um sintoma de outras doenças, incluindo doença de Paget, displasia fibrosa, hiperparatireoidismo e osteodistrofia renal, e também é visto em pacientes que têm hanseníase virchowiana avançado.
  33. 33. Referências  http://coisasdemeninasjovem.blogs pot.com.br/2012/09/se-voce-tem- o-estomago-fracoeu-nao.html  http://www.medicinanet.com.br/co nteudos/revisoes/1769/hanseniase. htm?_mobile=off  bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoe s/guia_de_hanseniase.pdf  http://drauziovarella.com.br/entrev istas-2/hanseniase-2/  http://www.saude.pr.gov.br/modul es/conteudo/conteudo.php?conteu do=2799 30/05/2014 João Paulo Farias Lima 33
  34. 34. 30/05/2014João Paulo Farias Lima

×