Riqueza cultural brasileira_e_pelot

4.586 visualizações

Publicada em

Saiba mais sobre Patrimônio Cultural Brasileiro e Pelotense

Publicada em: Educação, Negócios, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.586
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
99
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Riqueza cultural brasileira_e_pelot

  1. 1. Riqueza Cultural Brasileira e Pelotense
  2. 2. <ul><li>  </li></ul><ul><li>Arquitetura Brasileira </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>         Arquitetura Brasileira : A Arquitetura no Brasil , recebeu influência direta do modelo moderno Português e de     todos estilos arquitetônicos vindos do exterior  e também de todos os povos brasileiros que hoje formam nossa cultura. O Brasil passou por vários períodos e reformas na sua História Arquitetônica , passando por perídos conhecidos como :  Colonial , Art Nouveau e Art Déco ,  Neoclassicismo , Romântico e por fim o Modernismo . </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>      Arquitetura Colonial no Brasil : Arquitetura realizada no território Brasileiro desde 1500 até independência do Brasil em 1822. Primeiramente foram construidas as feitorias .Preocupado com que outros povos ocupassem terras brasileiras, o rei de Portugal enviou, em 1530, uma expedição comandada por Martim Afonso de Sousa para dar início à colonização. Martim Afonso fundou a vila de são Vicente (1532) e instalou o primeiro engenho de açúcar, iniciando-se o plantio de cana-de-açúcar, que se tornaria a principal fonte de riqueza produzida no Brasil.Após a divisão em capitanias hereditárias, houve grande necessidade de construir moradias para os colonizadores que aqui chegaram e engenhos para a fabricação de cana de açucar.   </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>Feitorias : Construções muito simples com cerca de pau-a-pique ao redor porque os portugueses temiam ser atacados pelo índios . </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  </li></ul>
  3. 3.                                            Arquitetura Brasileira  Colonial
  4. 4.               Arquitetura Neoclássica no Brasil        O Neoclassicismo , movimento cultural do final do século XVIII , está identificado    com a retomada da cultura clássica por parte da Europa Ocidental em reação ao estilo Barroco. No entanto, o Neoclassicismo propõe a discussão dos valores clássicos.Para os neoclassicistas,   os princípios da era clássica deveriam ser adaptados à realidade moderna o estilo barroco era  considerado falta de gosto.O neoclássico se dividiu em dois, o classicismo estrutural e o Romântico, o primeiro se concentrou em obras de fundo social (para a sociedade, hospitais, prisões). O segundo na estética das construções.    Modernismo no Brasil      O Modernismo surgiu no Brasil quando iniciou-se o processo de industrialização, período de transformação na Arquitetura Brasileira .Havia a necessidade de renovar o panorana arquitetônico Nacional , com vistas da paisagem Urbana , então se forma um grupo de arquitetos com vista em colocar o Brasil entre expoentes internacionais da indústria da construção civil , onde destacou-se o Arquiteto Brasileiro Oscar Niemeyer , como gênio da arquitetura de todos os tempos.  A Arquitetura Modernista , trouxe avanços radicais à estética e à técnica de construção, onde predominam linhas geométricas simples e puras, mas muitas vezes ousadas, e o concreto armado, o aço e o vidro assumem papel de destaque.    
  5. 5.                  Período Romantico no Brasil       Nova ordem que logo se constituiria num conjunto verdadeiramente eclético de elementos arquiteturais que buscavam novas soluções na volumetria, na distribuição de espaços internos, no vocabulário ornamental e na técnica construtiva. Romantismo também conhecido por Perído Eclético da Arquitetura Brasileira, esse período buscava negar a ligação com o passado Português , buscando outras fontes de cultura como a França e Itália,neste tempo de transformação ocorreram mudanças na  indústria (produção em série) e nos métodos de construção (uso estrutural do ferro fundido, aço e concreto), e no sistema de produção com o emprego de mão-de-obra assalariada, na qual grande contingente era imigrante, fatores que associados à acelerada urbanização na virada do século XIX para o século XX, levaram a uma rápida expansão e desenvolvimento nas artes arquiteturais . Além da base neoclássica o ecletismo, especialmente já no século XX, incorpora elementos de historicismo e exotismo, evidenciando traços neobarrocos, mouriscos, românicos e de outras escolas e países.Nas primeiras décadas do século XX o ecletismo entra em seu auge, com uma proliferação de grandes construções públicas e privadas em todo o país, incluindo palácios de governo, teatros, grandes colégios, e estendendo sua área de influência desde as elites em seus palacetes até as camadas mais baixas da população, que também começa a erguer suas residências num estilo eclético simplificado, dentro de seus magros recursos.Ainda estavam em destaque a multiplicação de edificações suntuosas e monumentais, com interiores extremamente luxuosos e fachadas sobrecarregadas de ornamentos e estatuária, a fim de assegurar física e visualmente seu status e igualmente expandir o mercado construtor.
  6. 6.               Modernismo no Brasil          Arquitetura Neoclássica no Brasil   Período Romântico no Brasil
  7. 7.          Presença Art Nouveau   A Art Nouveau foi um estilo internacional de arte e arquitetura caracterizado pela fluida e requintada ornamentação de caráter fitomórfico. No Brasil teve impacto relativamente discreto na arquitetura, com maior presença nas artes aplicadas e decorativas e na pintura.    O estilo já é uma expressão típica da modernidade, reagindo ao historicismo e ao sentimentalismo romântico, objetivando uma integração à vida cotidiana, às mudanças sociais e ao ritmo acelerado da vida moderna, apesar de em certo sentido se opor à lógica industrial e à sociedade de massas pela ênfase na beleza e no artesanato e pela subversão de certos princípios da produção industrial em série, que tende ao uso de materiais mais descartáveis e ao acabamento menos sofisticado                           Arquitetura Nouveau
  8. 8. <ul><li>           Arquitetura Pelotense </li></ul><ul><li>  </li></ul><ul><li>  Vamos ressaltar a riqueza da Arquitetura Pelotense. (1870-1931)Arquitetura Eclética , neoclássica e neorenascentista , que recebeu grande influência da cultura  portuguesa,italiana e francesa. As fachadas dos Casarões que rodeiam o Centro Histórico e toda cidade de Pelotas são herança da Europa , pois quando os barões do charque viajavam parar exportar a carne salgada muitas vezes traziam em troca da carne , produtos , ornamentações e esculturas para decorar suas fachadas.A arquitetura rica de Pelotas reflete um momento de apogeu econômico da sociadade Pelotense , uma das cidades mais ricas do país no início do século XIX , graças à produção do charque (carne salgada ao sol que servia de comida para os escravos).Os casarões e prédios que tem essa herança do périodo áureo da cidade são: </li></ul><ul><ul><li>Biblioteca Pública </li></ul></ul><ul><ul><li>Clube Caixeral </li></ul></ul><ul><ul><li>Clube Comercial </li></ul></ul><ul><ul><li>Teatro Sete de Abril </li></ul></ul><ul><ul><li>Teatro Guarany </li></ul></ul><ul><ul><li>Antigo Banco Pelotense </li></ul></ul><ul><ul><li>Charqueada São João </li></ul></ul><ul><ul><li>Charqueada Santa Rita </li></ul></ul><ul><ul><li>Residência de João Simões Lopes Filho (Visconde da Graça) </li></ul></ul><ul><ul><li>Casarão n°2 - (Charqueador Vianna) </li></ul></ul><ul><ul><li>Casarão n°6 - (Albuquerque Barros) </li></ul></ul><ul><ul><li>Casarão n°8 - (Conselheiro Maciel , Barão de Cacequi) </li></ul></ul><ul><ul><li>Prefeitura Municipal </li></ul></ul><ul><ul><li>Museu Municipal Parque da Baronesa </li></ul></ul><ul><ul><li>Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo </li></ul></ul><ul><ul><li>Mercado Público </li></ul></ul>
  9. 12.      Arte Brasileira  Arte da Pré História : Registros de Arte Rupestres , que se distinguem por seus raros desenhos de padrão geométrico executados entre 2.000 e 10.000 anos atrás – Pinturas , localizadas em varias cavernas do vale do Peruaçu.Na documentação arqueológica brasileira, predominam o uso de materiais como osso, chifre, pedra e argila, para a confecção de objetos utilitários (recipientes, agulhas, espátulas, pontas de projétil), adornos(pingentes e contas de colar).  Arte Indígena : Do período entre 5000 a.C. e 1100, há vestígios de culturas amazônicas com alto grau de sofisticação na fabricação e decoração de artefatos de cerâmica.Ainda no contexto amazônico, são dignos de nota as estatuetas de terracota, sobretudo com representações femininas e de animais, e os objetos de pedra,De forma genérica, a arte plumária indígena e a pintura corporal atingem grande complexidade em termos de cor e desenho, utilizando penas e pigmentos vegetais como matéria-prima. Por fim, destaca-se a confecção de adornos peitorais, labiais e auriculares, encontrados em diversas culturas diferentes espalhadas por todo o território brasileiro. O Barroco e o Rococó (séculos XVI ao XIX) Período que se destaca as esculturas e decoração de igrejas com características religiosas. Destacam-se neste período os seguintes artistas:  frei Agostinho da Piedade, Agostinho de Jesus, Domingos da Conceição da Silva e frei Agostinho do Pilar.No auge do século do ouro, as igrejas são decoradas para mostrar o poder da Igreja. A utilização de curvas e espirais prevalecem nas obras deste período. Os artistas utilizam muito matérias-primas típicas do Brasil, tais  como:pedra-sabão e madeira. O artista que mais se destacou nesta época foi Aleijadinho.        
  10. 13.       O Neoclassicismo (século XIX)     D. João VI ao chegar ao Brasil em 1808 efetuou mudanças no cenário cultural da colônia. Em 1816, trouxe      para o Brasil, pintores e escultores comprometidos com o ideal do neoclassicismo. Destacavam-se na Missão Artística Francesa: Nicolas-Antoine Taunay, Félix-Émile Taunay, Jean-Baptiste Debret, Auguste Taunay e Le  Breton (chefe da missão). Estes artistas buscaram retratar o cotidiano da colônia de uma forma romântica, idealizando a figura do índio e ressaltando o nacionalismo e as paisagens naturais.          Arte Moderna : modernismo na 1ª metade do século XX   O marco desta época foi a Semana de Arte Moderna realizada em São Paulo, em fevereiro de 1922. Nesta semana, vários artistas comprometidos em mudar a cara da arte nacional se apresentaram e chocaram a sociedade. Quebraram com os padrões europeus e buscaram valorizar a identidade nacional e uma arte, cujo cenário de fundo, eram as paisagens brasileiras e o povo brasileiro. Inovaram e romperam com o tradicional. O modernismo preocupou-se muito a parte social do Brasil. Destacam-se como artistas modernistas: Di Cavalcanti, Vicente do Rêgo, Anita Malfatti, Lasar Segall, Tarsilla do Amaral e Ismael Nery. Para valorizar a arte modernista, embora reúnam obras de vários períodos, dois museus são criados nesta época: o MASP ( Museu de Arte Moderna de São Paulo), criado pelo empresário Assis Chateaubriand e o MAM-RJ ( Museu de Arte Moderna do Rio de Janeiro).           O Concretismo (décadas de 1950 e 1960)   Movimento de arte abstrata marcado pelo uso de figuras geométricas e pela elaboração baseada no raciocínio. Esse movimento artístico foi criado pelo grupo paulista Ruptura, formado pelos artistas Haroldo de Campos, Geraldo de Barros e Valdemar Cordeiro.   No Rio de Janeiro, surge o grupo Frente que contesta a arte concreta e inicia o neoconcretismo. Aproximando-se da pop art e da arte cinética, elaboram obras de arte valorizando a luz, o espaço e os símbolos. São deste período: Amilcar de Castro, Franz Weissmann, Lygia Clark, Lygia Pape e Hélio Oiticica e Ivan Serpa.  
  11. 14.                   O informalismo e a arte abstrata (1960 a 1970)     Nesta fase, a arte abstrata passa a ser marcada pelo informalismo lírico e gestual. Os meios de comunicação fornecem os temas para a produção de obras de arte politicamente engajadas.   Destacam-se os seguintes artistas: Tomie Ohtake, Manabu Mabe, Arcângelo Ianelli e Maria Bonomi.                    Década de 1970: tecnologias e arte       Nesta época novos sistemas e meios são utilizados nas obras de arte. A instalação (utilização de tecnologia para promover uma interação entre obra e espectador), o grafite (pinturas em spray em locais públicos), a arte postal ( uso dos meios postais para criação de obras de arte) e a performance (uso de teatro ou dança em conjunto com as obras).   Destacam-se nesta época: Sirón Franco, Antonio Lizárraga, Luiz Paulo Baravelli, Cláudio Tozzi, Takashi Fukushima, Alex Vallauri, Regina Silveira, Evandro Jardim, Mira Schendel e José Roberto Aguilar.             Neo-Expressionismo (década de 1980)     Na década de oitenta a arte resgata os meios artísticos tradicionais, embora haja, ao mesmo tempo, o fortalecimento da arte conceitual e do abstracionismo. Meios tecnológicos interferem, tornando possível o surgimento da videoarte. Relações entre o espaço público e a obra de arte possibilitam uma intervenção urbana, dando origem à arte pública.   Importantes artistas neo-expressionistas: Guto Lacaz, Cildo Meireles, Tunga, Carmela Gross, Dudi Maia Rosa, Rafael França, Ivald Granato, Marcelo Nitsche, Mário Ramiro, Hudnilson Junior, Daniel Senise e Alex Flemming.
  12. 15.                     Pós-modernismo ( década de 1990 )      As discussões sobre a história da arte e os conceitos artísticos ganham importância e influenciam este     período.       Uso de tecnologias, desconstrução da arte, aproximações da arte e do mundo real, globalização da arte. Estes    foram os caminhos da arte na década de 1990.Artistas desta época : Leda Catunda, Sandra Kogut, Laurita   Sales,  Iran do Espírito Santo, Rosângela Rennó, Jac Leirner, Hélio Vinci, Aprígio, Ana Amália, Marcos Benjamin Coelho, Cláudio Mubarac, Adriana Varejão, Beatriz Milhazes, Luis Hermano e Alex Cerveny.Os principais pintores brasileiros foram: Abelardo da Hora, Adriana Varejão, Alair Gomes, Aldemir Martins, Aleijadinho, Alex Flemming, Alexandre Paiva, Alexandre Rapoport, Cândido Portinari, Carlito Carvalhosa, Carlos Breseghello, Carlos Fajardo, Carlos Gomes Lacerda, Carlos Vergara, Carlos Wladimirsky, Carmela Gross, Cassio Vasconcellos, Daniel Acosta, Daniel Escobar, Daniel Senise, Debret, Di Cavalcanti, Diana Domingues, Didonet Thomaz, Eduardo Camões, Franz Krajcberg, Franz Weissman, Karin Lambrecht entre outros. Aqui está um pouco da nossa história!
  13. 16.            Arte Pelotense             Museu de Arte Leopoldo Gotuzzo: É uma extensão do Instituto de Artes e Design da Universidade Federal de Pelotas. Além, dos quadros de Leopoldo Gotuzzo, reconhecido como o mais importante pintor pelotense, o acervo também é composto por outros artistas nacionais e internacionais.            Algumas das coleções, são:               Coleção Leopoldo Gotuzzo : Formada através de duas importantes doações; a primeira efetuada pelo próprio artista no ano de 1955 à Escola de Belas Artes de Pelotas e a outra, dirigida ao futuro museu, em cumprimento de cláusula testamentária depois da morte do artista. Integram esta coleção objetos de uso pessoal e 120 obras, entre pinturas e desenhos.            Coleção Dr. João Gomes de Mello Filho : Leva o nome de seu doador e foi entregue à Escola de Belas Artes em 1970.            Coleção Faustino Trápaga : Leva o nome de seu doador e foi entregue à Escola de Belas Artes por Bethilde Trápaga e Carmem Simões.            Coleção Ex-Alunos da Escola de Belas Artes : Constituída de obras premiadas e outras que participaram de exposições ao término de cada ano.            Coleção Século XX : Formada por doações isoladas, de artistas locais ou que tenham realizado exposições em Pelotas.           Coleção Século XXI : Em formação.
  14. 17.   “ Esplêndida realização no cenário da arte em Pelotas é, sem dúvida, a Escola de Belas Artes  que, de modo expressivo, veio incorporar-se ao nosso patrimônio educacional, impondo-se já à admiração geral pelos magníficos resultados que apresenta.Talvez para muitos despercebido, o que se faz ali, o que se constrói no terreno das artes plásticas, as revelações que em breve prazo estarão patentes aos olhos de todos, é algo de impressionante e de que nos devemos ufanar. Se não quiséssemos ser acoimados de exagerados,diríamos, mesmo, que um verdadeiro milagre se opera dentro daquelas paredes que abrigam uma quase centena de artistas em formação,artistas que darão a Pelotas mais um título de honra aos muitos que ja aureolam.” (DIÁRIO POPULAR, 1950, p. 18)                   Escola de Belas Artes     Localização: Rua Marechal Floriano, 177/179   Construído: 1881      Foi doado à antiga Escola de Belas Artes em 1963 e incorporado ao patrimônio da Universidade em 1973, em razão da absorção pela UFPel daquela Instituição de Ensino. Este prédio indiscutivelmente já faz parte da paisagem do Município.      Pertencendo durante o largo período de 1881 a 1963 à família Trápaga, passou a integrar a vida e as características de Pelotas. Em 1963, quando foi doado por D. Carmem Trápaga Simões para a &quot;Escola de Belas Artes&quot; passou a ter significado social e cultural. Não fosse pela doação do prédio, a Escola de Belas Artes, instituição de ensino fundada em 1949, talvez jamais possuísse instalações próprias que lhe permitissem alcançar seus mais altos objetivos, apesar da incansável luta de sua idealizadora a primeira Diretora- Professora Marina Morais Pires.     
  15. 18.          Música Brasileira
  16. 19.                     Música Brasileira      A música Brasileira desenvolveu-se com a transposta da música européia (erudita ou de concerto) e com a música popular brasileira , essa mistura com certeza deixa a música brasileira com essa marca e diferenciação.Do samba ao Clássico, estilos pra agradar qualquer ouvinte da música ,seja  Brasileiros ou Turistas que vem apreciar o nosso som.             Lundu,Samba e Movimento Tropicalista.             O lundu mais conhecido pelos batuques dos escravos e pelas danças  que mostravam a liberdade corporal , influenciou as danças atuais tais como , a chula, o fado, o miudinho e o baiano.                   O Samba conhecido por ser a atração de roda no Rio de janeiro que mostra o verdadeiro som e as origens do povo brasileiro, o samba pode transitar da origem africana , a malandragem ate então carnaval e outras festividades brasileiras.                   Movimento Tropicália , o movimento composto por um grupo de músicos baianos , que defendia as raízes populares , do nível alto e baixo .                   A música popular hoje Com a crescente abertura do Brasil à cultura globalizada dos anos 90 em diante, concomitante ao maior conhecimento, valorização e divulgação de suas próprias raízes históricas, sua música vem mostrando grande originalidade e variedade, observadas na criativa fusão de influências diversas e na riqueza de gêneros musicais encontrados hoje em dia, como  a música sertaneja, o BRock, o samba-reggae, o baião, o forró, o funk, o frevo, o hip hop, o charme a música eletrônica, os regionalistas, entre tantos outros.  
  17. 20.        Turismo Brasileiro Brasil Turismo A diversidade é a marca do Brasil. Em quinhentos anos de História construiu-se uma nação formada por vários povos, dona de uma cultura variada e de um vasto território, atualmente dividida em 26 estados, um Distrito Federal e 5.563 municípios. O Brasil é o maior país da América Latina. Cobrindo quase a metade (47,3%) da América do Sul, ocupa uma área de 8.547.403,5 quilómetros quadrados.   
  18. 21.            Sol e Mar            Do Norte ao Sul, o litoral brasileiro é sinónimo de praia, sol e céu azul durante o ano inteiro. Torna-se até difícil    escolher. Algumas possuem grandes hoteis e restaurantes, enquanto que outras são praticamente desertas. Algumas surgem por entre dunas e gigantescas falésias.      Outras estendem-se até onde a vista alcança. As do arquipélago de Fernando de Noronha- Património Natural da Humanidade – com as suas águas cristalinas, encontram-se entre as mais espectaculares do mundo.          A Bahia , possui em extenso e belo litoral. As praias são, em geral, extensas faixas de areia branca com muitos coqueiros. Muitos trechos do litoral baiano ainda são pouco habitados e de difícil acesso, mas quase sempre com uma beleza natural incomparável.        A Cidade do Rio de Janeiro : Uma das cidades mais fotografadas do mundo. Sinônimo de Brasil para muitos turistas estrangeiros.      Seu litoral montanhoso e entrecortado proporciona vistas deslumbrantes. A cidade do Rio de Janeiro foi sede do governo brasileiro de 1763 até 1960, quando Brasília foi inaugurada. Hoje, possui quase 6 milhões de habitantes, guarda importante patrimônio histórico e cultural.         A Amazônia é a região formada pela bacia do Rio Amazonas e recoberta pela Floresta Amazônica: a maior floresta tropical do mundo.  A Grande Amazônia abrange nove países da América do Sul e uma área de 7,5 milhões de km². A área brasileira representa 66% desse total e envolve os estados do Acre, Amapá, Amazonas, Pará, Rondônia, Roraima e pequena parte do Maranhão, Tocantins e Mato Grosso. 
  19. 22.                O Distrito Federal  : Localizado no Planalto Central, o Distrito Federal abriga a capital do Brasil: Brasília, declarada um Patrimônio Histórico e Cultural da Humanidade, pela Unesco, em 1987. A atual Capital federal, inaugurada em 1960, foi construída no governo de Juscelino Kubitschek, segundo o moderno projeto urbanístico de Lúcio Costa. Oscar Niemeyer, na época, era o diretor de arquitetura e urbanismo da Companhia Urbanizadora da Nova Capital e fez o projeto de vários prédios importantes da Capital.                       O  Rio Grande do Sul possui 10,8 milhões de habitantes (2005, IBGE), distribuídos em 496 municípios. A capital é Porto Alegre, com 1,4 milhões de habitantes.                         Santa Catarina : Situado na Região Sul do Brasil, Santa Catarina possui imensas belezas naturais e um extenso litoral com lindas praias.São mais de 6 milhões de habitantes, principalmente descendentes de alemães, italianos e portugueses, com renda per capita muito superior à média do País. A capital é Florianópolis.                       São Paulo foi uma das regiões onde a colonização portuguesa floresceu mais cedo e mais rapidamente.Hoje é o estado brasileiro com a maior economia, a melhor infra-estrutura e o maior parque industrial. Possui mais de 40 milhões de habitantes distribuídos em 645 municípios.  
  20. 23.                 Turismo Pelotense         A cidade Pelotense mais conhecida como Cidade Nacional do Doce , por ter a Feira Nacional do doce , que recebe  turistas de todo o mundo anualmente ,oferece atrativos culturais , passeios turísticos , uma doce e ampla gastronomia e ainda atrativos de lazer.     PELOTAS oferece Atrações como:   Pelotas Colonial :   Para turistas que buscam a simplicidade, aconchego e turismo rural, além é claro das belas paisagens. A zona da Colônia de Pelotas oferece vários destinos e as mais variadas formas de desfrutar o que a natureza tem de mais belo, como trilhas ecológicas orientadas, banhos de cascata e cachoeira, passeios a cavalo, esportes radicais e uma culinária bastante rica.   Pelotas Comercial :    Os “calçadões” de Pelotas proporcionam à população e aos visitantes um shopping a céu aberto, onde se pode encontrar variadas opções de compras. Dentre eles, podemos destacar: o Calçadão da Andrade Neves; Calçadão da Quinze de Novembro; e Calçadão da Sete de Setembro. Todos situados na zona central da cidade.              
  21. 24.                      Pelotas Costa Doce :     A Costa Doce é região turística localizada ao sul do Brasil no estado do Rio Grande do Sul. O passeio é uma viagem pela história, cultura, natureza e belezas desta região do estado. Para conhecer o patrimônio cultural da Costa Doce é necessário observar a riqueza dos detalhes exibidos pelos sofisticados prédios da cidade de Pelotas, que tiveram origem com o Ciclo do Charque. Podendo-se, ainda, conhecer um pouco da história de uma cidade de colonização portuguesa, mas com influências alemã, espanhola, francesa e africana, que pode ser vivenciada com visitas às sedes das Charqueadas, aos museus, bibliotecas, catedrais e demais atrativos.                    Pelotas Cultural     Pelotas dispõe de um grandioso patrimônio cultural, que pode ser comprovado através dos exemplares arquitetônicos e das diversas edificações tombadas ou inventariadas como patrimônio histórico e cultural.  Com a mistura de etnias que caracteriza Pelotas, não é difícil de se compreender a riqueza cultural da cidade. Foi berço e morada de várias personalidades da cultura nacional, como do escritor regionalista João Simões Lopes Neto, de Hipólito José da Costa, do pintor Leopoldo Gotuzzo e de Antônio Caringi.Pelotas é patrimônio histórico e artístico nacional e patrimônio cultural do Estado do Rio Grande do Sul. Seu belo patrimônio cultural arquitetônico, de forte influência européia, é um dos maiores de estilo Eclético do Brasil, em quantidade e qualidade, com 1300 prédios inventários.  

×