29/10/2013

MOS

Compostagem

• Transformação de rejeitos orgânicos (vegetais) provenientes de
lavouras, agroindústria, in...
29/10/2013

• Tamanho das partículas – 3 a 7 cm
• Relação C:N – inicial: 20 a 30:1 – final: em torno de 15:1.
• Ralação C:...
29/10/2013

Leiras estáticas de compostagem acelerada – cuidados
com a umidade

SISTEMA DANO
•
•

SISTEMA MAIS UTILIZADO N...
29/10/2013

4
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Microbiologia do Solo - Compostagem

676 visualizações

Publicada em

Aula da disciplina de Microbiologia do Solo do Prof. Dr. Juliano de Carvalho Cury no CSL-UFSJ

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
676
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
35
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Microbiologia do Solo - Compostagem

  1. 1. 29/10/2013 MOS Compostagem • Transformação de rejeitos orgânicos (vegetais) provenientes de lavouras, agroindústria, indústria alimentícia e indústria de processamento em geral. • USO AGRÍCOLA: • Utilização com condicionador e fertilizante do solo. • AUMENTO DA CAPACIDADE DE ABSORÇÃO DA ÁGUA. • Hortaliças, pomares, produção de mudas, paisagismo • ATIVAÇÃO SUBSTANCIAL DA VIDA MICROBIANA. • Duração de cerca de 120 dias – duas fases: • AUMENTO DA DISPONIBILIDADE DE MACRO E MICRO NUTRIENTES . • 1 – Fase de degradação ou bioestabilização – 90 dias – intensa atividade microbiana e degradação da matéria orgânica. • MELHOR AERAÇÃO DO SOLO. • 2 – Fase de maturação ou humificação – Menor atividade microbiana. • Palma das mãos: Cru – limpas; Semicurado – pó de café; Curado – graxa preta • MELHORIA DA ESTRUTURA DO SOLO. • MELHOR APROVEITAMENTO DOS FERTILIZANTES MINERAIS. • AUMENTO DA ESTABILIDADE DO pH. • EFEITO CONTROLADOR SOBRE PRAGAS DE PLANTAS. 1
  2. 2. 29/10/2013 • Tamanho das partículas – 3 a 7 cm • Relação C:N – inicial: 20 a 30:1 – final: em torno de 15:1. • Ralação C:N muito alta ou muito baixa – problemas: atraso, anaerobiose, odores, composto pobre em N. • Inoculação – 5% a 10% de composto ou lodo de esgoto • Umidade – entre 40% e 70% • Revolvimento – aeração, homogeneização das comunidades microbianas e das enzimas, quebra de agregados e pedaços maiores. Após os primeiros 3 dias, depois, dias alternados. • Temperatura – ideal perto dos 55°C – pode atingir 70°C (controle de patógenos) Histórico fbn – pg 1 siqueira Leiras com revolvimento mecânico 2
  3. 3. 29/10/2013 Leiras estáticas de compostagem acelerada – cuidados com a umidade SISTEMA DANO • • SISTEMA MAIS UTILIZADO NO MUNDO. NO BRASIL, TRATAM APROXIMADAMENTE 39 MILHÕES DE QUILOS POR MÊS • EXISTEM EM NOSSO PAIS VÁRIAS USINAS INSTALADAS. • O SISTEMA DANO TEM 6 FUNÇÕES PRINCIPAIS: 1. RECEPÇÃO: OS RESÍDUOS SÃO DISPOSTOS NA FOSSA COM CHÃO MOVEDIÇO, ALIMENTANDO A ESTEIRA. 2. TRIAGEM MANUAL: SEPARAÇÃO MANUAL (PAPELÃO, PAPEL, PLÁSTICO, VIDRO, COURO, MET. NÃO FERROSOS, PNEUS, COLCHÕES, ARAMES, PRODUTOS CERÂMICOS..) 3. SELEÇÃO ELETROMAGNÉTICA: COLETA DE METAIS FERROSOS (ATRAVÉS DE ELETRO IMÃ) 4. BIOESTABILIZAÇÃO: PARTE MAIS IMPORTANTE DO SISTEMA. CILINDRO DE 25 A 30 METROS DE COMPRIMENTO, 3,5 DE DIÂMETRO SISTEMA DANO 5. PENEIRAMENTO: APÓS FERMENTAÇÃO, OS RESÍDUOS SÃO PENEIRADOS NO BIOESTABILIZADOR. - AS PARTÍCULAS INERTES SÃO REMOVIDAS E DESTINADAS AO ATERRO SANITÁRIO. 6. CURA DO COMPOSTO NO PÁTIO: É COLOCADO NO PÁTIO PARA MATURAÇÃO. - PERMANECE NO PÁTIO PELO PERÍODO DE 60 A 120 DIAS. BIOESTABILIZADOR 3
  4. 4. 29/10/2013 4

×