Manual visão social

153 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
153
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manual visão social

  1. 1. UNIVERSIDADE ANHANGUERA UNIDERP CENTRO DE EDUCAÇÃO A DISTÂNCIA MANUAL VISÃO SOCIAL DEPENCIA QUÍMICA SERVIÇO SOCIAL DISCIPLINA: ANTROPOLOGIA APLICADAAO SERVIÇO SOCIAL TUTORAADISTÂNCIA: Ma. MARICIANE MORES NUNES TUTORA EAD: LÚCIA MEDEIROS ALUNAS: LETÍCIA LUSIA SILVA OLIVEIRA RA: 431741 MARIA EDILAMAR RAMOS RA: 423865 TÂNIA MARIA DE JESUS RA 423763 UBERLÂNDIA 2014
  2. 2. INTRODUÇÃO Este manual tem como objetivo mostrar o aprimoramento dos nossos conhecimentos no exercício da profissão do Assistente Social. Mostrar a realidade dos problemas sociais, que é um dos objetos de estudo da antropologia, e um dos problemas enfrentados pelo profissional da área da Assistência Social assim como a dependência química, e como esse profissional pode agir para ajudar no tratamento deste grave problema.
  3. 3. QUARTO DE DESPEJO: DIÁRIO DE UMA FAVELADA • Em meio a manifestações populares, Carolina Maria de Jesus escreve livro “Quarto de Despejo”, onde podemos enxergar a criatividade de uma mulher pobre, favelada, marginalizada, e que demonstra muita garra, mãe solteira, de três filhos de pais diferentes, passou sua vida pelas ruas de São Paulo, na favela do Canindé catando papéis e ferros, para sua família, ela conta através de seu diário a realidade da sua vida, mostrando a miséria, o racismo a indiferença, a fome, da luta pela igualdade entre os sexos a dificuldade de convivência com os vizinhos, a união e ajuda que havia entre eles. Ela falava em seu diário relato do dia a dia, representando a voz dos excluídos, marginalizados por questões sociais e étnicas. • Certa vez ela se revoltou contra o serviço social, porque prometiam e não cumpriam, os problemas são grandes, e o tratamento dado muitas vezes era com ironia. “A única coisa que eles querem saber são os nomes e os endereços dos pobres.” (JESUS, 1960, p. 36). Disponível em: http://arteculturaespiritualidade.blogspot.com.br/2012/11/c arolina-maria-de-jesus.html às 23hs 12-05-2014
  4. 4. O SERVIÇO SOCIAL E A POBREZA Os assistentes sociais trabalham diariamente com a pobreza, e vê de perto os problemas enfrentados pelas classes empobrecidas da nossa sociedade, caracterizado por trajetórias de exploração, opressão e resistência, observando o crescimento da violência, da droga, são códigos que sinalizam a condição subalterna: o desconforto da moradia insalubre, as estratégias de sobrevivência frente ao desemprego, a debilidade da saúde, a resignação, o sofrimento expressos nas suas expressões corporais, nas linguagens além dos discursos. O assistente social enfrenta inúmeros componentes para articular projetos na sua profissão: Que são os valores, saberes e escolhas teóricas, práticas, ideológicas, políticas, éticas, normatizações acerca de direitos e deveres, recursos político-organizativos, processos de debate, investigações, em interlocução crítica com o movimento da sociedade na qual o Serviço Social é parte e expressão. Disponível em: http://www.shutterstock.com Acessado às 23hs 12-05-2014
  5. 5. O SERVIÇO SOCIAL NAS ONGs NO CAMPO DA SAÚDE: PROJETO SOCIETÁRIO EM DISPUTA O trabalho do Serviço Social visa identificar os dilemas e desafios no cotidiano das intervenções dos assistentes sociais nas sequelas da questão social. Também apresenta a pesquisa enquanto estratégia na construção de propostas coletivas na direção da cidadania, em contraponto à lógica do favor. As ONGs nasceram com a missão de contribuir na melhoria da organização interna, na articulação e na transferência de recursos captados de organismos internacionais para os movimentos sociais. Disponível em: http://provisasaude.blogspot.com.br/ Acessado em 12-05-2014 às 00hs.
  6. 6. As ONGs começaram a ocupar lugar de movimentos sociais nos anos 90. O autor ressalta que atualmente as ONGs tornaram-se o ator principal na negociação com o Estado, o que acarretou enfraquecimento dos movimentos sociais, deslocando a lógica das lutas e das reivindicações para o caminho da parceria e da negociação (MONTANO. 2002). As ONGs no campo da saúde formulam uma nova construção social que tem implicações nas políticas sociais e no fazer profissional. Os conflitos mais pertinentes e persistentes são os conflitos cotidianos com os voluntários na condução do trabalho, pois estes tentam impor a lógica do favor às intervenções sociais. O trabalho do assistente social nas ONGs no campo da saúde traz dilemas e desafios no horizonte da cidadania. É imprescindível que o profissional avance na realidade concreta, entendendo que o real é formado por contradição e por projetos societários em disputa. Cabe aos profissionais, direcionar os projetos em disputa rumo à cidadania de direitos, em contraponto à cultura do favor.
  7. 7. PROBLEMAS SOCIAIS ENFRENTADOS PELOS BRASILEIROS O Brasil da atualidade apresenta uma série de problemas que parecem não ter fim. Embora seja a sexta maior economia do mundo, o Brasil se encontra em uma situação crítica, milhares e milhares de brasileiros sem emprego, e a violência crescendo em todos os lugares do país. Pessoas têm ficado doentes por causa da poluição, causada por grandes empresas que estão preocupadas unicamente com lucros. Dentro da distribuição de renda, uma pequena parcela da população detém a maior parte do poder aquisitivo, enquanto a maioria dos brasileiros vive com menos, gerando, entre outras dificuldades, um grande problema habitacional. A habitação está um caos de difícil resolução. Existem casas em locais irregulares, esgotos a céu aberto, pessoas sem casa, tudo isso é resultado da má distribuição das terras do Brasil e da grande desigualdade social daqui. Imagem disponível em: https//www.flickr.com Acessado em: 13-05-2014 às 14hs
  8. 8. O PROBLEMA SOCIAL DA DEPENDÊNCIA QUÍMICA Dependência química é a dependência de qualquer substância que altere o comportamento, tais álcool, tabaco, maconha e cocaína. A dependência é caracterizada pelo fato do dependente necessitar daquela substância, como necessita de água pra viver. A dependência química ou física é uma condição orgânica que acontece quando um individuo faz uso constante de certas drogas psicoativas, provocando o aparecimento de sintomas que envolvem especialmente o Sistema Nervos Central, tornando-o dependente daquela substância, ocorrendo o sofrimento dos efeitos de uma abstinência repentina e prolongada. O uso abusivo do álcool, de drogas consideradas ilegais e da nicotina pode gerar esta reação corporal. A dependência química é considerada uma doença grave pela Organização Mundial da Saúde – OMS. A Dependência química é também um grave problema social, e aqui, no Brasil é um problema social muito grande, pois boa parte da população brasileira é de alguma forma, dependente química.
  9. 9. As drogas mais utilizadas pela população brasileira são tabaco e álcool. Hoje é comum ver crianças e adolescente usando drogas, por influência dos amigos, e algumas vezes até dos próprios pais. Com o aumento do número de dependentes químicos nas ruas, são acarretados outros problemas sociais graves, como por exemplo, o aumento da violência por parte de dependentes. Podem ser considerados fatores que influenciam no aumento do número de dependentes e ainda o não tratamento de usuários de substâncias psicoativas, a falta de programas de saúde especializados para esses casos e o grande preconceito da parte de pessoas que não conhecem sobre esse assunto tão delicado. Disponíveis em: https://www.flickr.com/ Acessado em: 13-05-2014 às 15hs.
  10. 10. O ASSISTENTE SOCIAL E A DEPENDÊNCIA QUÍMICA O Assistente Social trabalha na questão da dependência química e estimula a qualidade de vida e o exercício pleno da cidadania dessas pessoas marginalizadas. O assistente social promove a inclusão social dos dependentes químicos adotando uma abordagem de atenção integral. Os profissionais do serviço social disponibiliza informação e orienta no acolhimento e apoio do dependente químico e encaminha para grupos de autoajuda. Os profissionais fazem pesquisas e estudos sobre a temática na efetiva intervenção profissional, os assistentes sociais desenvolvem um tratamento teórico-metodológico e ético-político diferenciado. Os problemas sociais se acumulam na vida dos dependentes químicos: Desagregação da estrutura familiar, ambiente de trabalho inadequado propício a acidentes, aumento da criminalidade e violência, aumento da disseminação de doenças como, o vírus do HIV e suicídio, é possível ver as consequências generalizadas que a dependência química acomete na vida das pessoas.
  11. 11. O assistente social pode agir em diferentes frentes para auxiliar aqueles que sofrem do problema da dependência química, tais como:  Acolhimento - Ajuda oferecida a pacientes e familiares para refletirem e melhorarem seu relacionamento interpessoal, autoestima e autoconfiança, entre outros valores;  Anamnese do Assistente Social – O assistente utiliza instrumentais técnico-operativos como diagnóstico, plano de tratamento psicossocial, atendimento individualizado, anamnese social, acompanhamento, visitas domiciliares, hospitalares e institucionais, anotações em prontuários, entrevistas, testes específicos, relatórios, grupo, oficinas terapêuticas, supervisão clínica, encaminhamentos para especialistas, terapia comunitária, terapia de orientação sistêmica, estudo tri geracional, utilização de vivências (danças, exercícios, caminhadas, relaxamento); .
  12. 12.  Atendimento e orientação: As etapas de atendimento caracterizam-se a partir da recepção do paciente, ate os procedimentos de encaminhamento. Frisa a importância da família na recuperação do paciente, envolvendo-a no tratamento. Visa também, resgatar o paciente que abandonou o tratamento e reintegrá-lo novamente na sociedade.  Atendimento ambulatorial com encaminhamentos para CAPS;  Atendimentos aos familiares e promoção da reintegração social; Acompanhamento ambulatorial Disponíveis em: http://captafranca.wor dpress.com/category/u ncategorized/page/2/ Acesso em 13-05-2014 às 16hs.
  13. 13. Disponível em: http://portacurtas.org.br/busca/?termo=dependencia%20quimica 13-05-1=2014 Acesso às 18hs.
  14. 14. ANTROPOLOGIA UMA INTRODUÇÃO O estudo da antropologia tem dimensões biológicas, sócios culturais e filosóficas, tendo toda investigação valendo-se dos métodos de comparação em busca de respostas a uma infinidade de perguntas, na tentativa de compreender as semelhanças e as diferenças físicas, psíquicas, nas manifestações culturais do comportamento e da vida social entre grupos humanos, isto porque o homem é diferente da natureza. Como ciência do biológico e do cultural tem como objeto de estudo o homem e suas obras. Temos como exemplo o estudo do homem fóssil, suas mudanças evolutivas, sua anatomia e suas produções culturais. A Antropologia como Ciência Social - propõe conhecer o homem enquanto elemento integrante de grupos organizados. Vista como uma Ciência Humana - volta-se especificamente para o homem como um todo: sua história, suas crenças, usos e costumes, filosofia, linguagem, etc. Partimos do princípio que a natureza humana é a essência do homem, e para diferenciar das coisas do universo esta natureza apresenta-se em aspectos: Os fatores ambientais exercem poderosa influência no desenvolvimento de personalidade. Os seres humanos estão sujeitos a mudanças comportamentais.
  15. 15. “Os assistentes sociais trabalham com a questão social nas suas mais variadas expressões quotidianas, tais como os indivíduos as experimentam no trabalho, na família, na área habitacional, na saúde, na assistência social pública. Podemos entender na sugestão de FALEIROS, que qualificar a questão social significa apreender o que compete ao Serviço Social no âmbito da questão social. Se falarmos, por exemplo, nas expressões sociais da questão social, estaremos, minimamente, definindo um espaço de atuação profissional.” Disponível em: http://formacao.universiablogs.net/tag/doutoramento Acessado em 13-05-2014 às 16hs.
  16. 16. CONCLUSÃO O Brasil avançou muito na área social nos últimos anos, mas ainda persistem muitos problemas que afetam a vida dos brasileiros em vários aspectos sociais, como, moradia, dependência química, alcoolistas, moradores de rua, desabrigados, moradores de favela ou área de risco, portadores de doenças sexualmente transmissíveis, crianças abandonadas, idosos residentes em asilos, mulheres vítimas de violência doméstica e doenças terminais. O Assistente Social e os dependentes químicos tem como objetivo estabelecer uma relação através de um canal de comunicação claro, adquirindo confiança entre ambos. O uso de drogas é um fenômeno muito complexo, o que se faz necessário um ponto de vista mais detalhado, o Assistente Social deve direcionar seu trabalho, buscar entender todo o sistema, identificando as causas que levou aquele individuo a procurar ajuda. E estar disponível sempre quando alguém vier solicitar a sua orientação, buscar a colaboração e apoio dos outros profissionais ligados à sua área, e principalmente das famílias do paciente. A melhor maneira de prevenir, diminuir ou tratar as drogas é por meio de informações e conscientização de todos do seu meio.
  17. 17. REFERÊNCIAS BIBLIOGRAFICAS DISPONÍVEIS EM: http://criticaconsciente.wordpress.com/2012/03/22/quarto-de-despejo-diario-de-uma-favelada/ Acessado em: 09-05- 2014 19h28mins. http://www.scielo.br/pdf/sssoc/n102/a05n102.pdf Acessado em: 12-05-2014 às 21h31mins. http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S1414-49802010000200001Acessado em 09-05 19:07hs http://www.suapesquisa.com/religiaosociais/problemas_sociais.htm Acessado em: 09-05 19h15mins http://www.uel.br/cesa/sersocial/pages/revista-servico-social-em-revista.php Acessado em: 09-05. Às 20h00mins. http://www.uel.br/revistas/uel/index.php/ssrevista/article/view/15305 Acessado em: 10-05-2014, às 22hs. http://www.bv.fapesp.br/pt/bolsas/59205/servico-social-resistencia-e-praxis-profissional/ Acessado em: 11-05-2014, às 23hs. http://www.scielo.br/scielo.php?pid=S0102-311X2007000100027&script=sci_arttext Acessado em: 11-05-2014, às 23hs. http://portacurtas.org.br/busca/?termo=dependencia%20quimica Acessado em: 12-05-2014, às 22hs. http://www.passeidireto.com/arquivo/2144128/antropologia---uma-introducao---marconi-e-presotto Acessado em: 12- 05-2014, às 22hs. Jesus, C.M. de. Quarto de despejo: diário de uma favelada. 9. Ed. (Coleção Sinal Aberto). São Paulo: Editora Ática, 2007. Marconi, Marina de Andrade; PRESOTTO, Zélia Maria Neves. Antropologia: Uma introdução. 6 ed. São Paulo: Editora Atlas,2002.

×