Coleta de óleo de frituras usado pdf

1.070 visualizações

Publicada em

Projeto de Educação Ambiental para coleta e destinação correto do óleo de fritura usado

Publicada em: Meio ambiente
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.070
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Coleta de óleo de frituras usado pdf

  1. 1. 1 Prof. Me. Ítalo das V. Barros SECRETARIA ESTADUAL DE EDUCAÇÃO DA BAHIA 13ª DIRETORIA REGIONAL DE EDUCAÇÃO COLÉGIO ESTADUAL LUÍS VIANA FILHO PROJETO AMBIENTAL ESCOLAR: COLETA E RECICLAGEM DE ÓLEO DE FRITURAS USADO Jequié – BA 2015
  2. 2. 2 PROJETO AMBIENTAL ESCOLAR: COLETA E RECICLAGEM DE ÓLEO DE FRITURAS USADO Jequié – Ba 2015 Prof. Me. Ítalo das V. Barros Proposta de trabalho apresentado a Secretaria Estadual de Educação da Bahia a ser executado no Colégio E. Luís Viana Filho com alunos da dependência em Ciências Naturais e da Terra
  3. 3. 3 Prof. Me. Ítalo das V. Barros “O ser humano vivencia a si mesmo, seus pensamentos como algo separado do resto do universo, numa espécie de ilusão de ótica de sua consciência. E essa ilusão é uma espécie de prisão que nos restringe a nossos desejos pessoais, conceitos e ao afeto por pessoas mais próximas. Nossa principal tarefa é a de nos livrarmos dessa prisão, ampliando o nosso círculo de compaixão, para que ele abranja todos os seres vivos e toda a natureza em sua beleza.” Albert Einstein
  4. 4. 4 Resumo Este trabalho tem o papel de conscientizar alunos e comunidade escolar sobre a importância do meio ambiente e mostra que através de atitudes relativamente simples, como armazenar o óleo usado em frituras e leva-lo até um ponto de coleta, uma pessoa pode impedir que milhares de litros de água fossem contaminados. Além do destino correto ao material, proporciona a reciclagem que poupa nossos recursos naturais e gastos de energia. A reciclagem combinada com mudança de hábitos e tomada de atitudes pode, de maneira progressiva, reverter o quadro de degradação ambiental observado atualmente. Apesar do potencial reciclável e viabilidade econômica do óleo de frituras, é uma atividade pouco conhecida pela maioria da população, incluindo os trabalhadores da educação e os próprios educadores. É importante também atenção ao seu uso no preparo de alimentos, já que é muito calórico e suas propriedades sofrem alterações com a temperatura. O projeto será desenvolvido no Colégio Estadual Luís Viana Filho no município de Jequié-BA, com alunos inscritos na dependência de Ciências Naturais e da Terra e tem pretensões didáticas, ecológicas e disseminador da Educação Ambiental na Escola e Município, através da conscientização da comunidade, coleta e destino correto e reciclagem do óleo de frituras usado. Além de ciclos de palestras, brincadeiras e dinâmicas com o intuito de engajar os alunos na defesa do Meio Ambiente.
  5. 5. 5 Índice 1.0 Justificativa 06 2.0 Introdução 08 3.0 Objetivos Gerais 10 3.1 Objetivos Específicos 10 4.0 Revisão Bibliográfica 11 5.0 Recursos Metodológicos 17 5.1 Material 17 5.2 Local onde será realizado o Projeto 17 5.3 Executores do Projeto 18 5.4 Recursos Financeiros 18 5.5 Infraestrutura 18 5.6 Estratégias 18 5.6.1 Reunião com os executores do Projeto (alunos da dependência) 18 5.6.2 Reunião com Pais dos alunos 18 5.6.3 Coleta do óleo usado 18 5.6.4 Palestra sobre o Meio Ambiente 5.6.5 Oficina de fabricação de sabão artesanal com óleo de frituras usado 18 18 5.6.6 Brincadeiras e Desafios 19 5.6.6.1 Prova 1 – Coleta do óleo usado 19 5.6.6.2 Prova 2 – Trilha Ecológica 19 5.6.6.3 Prova 3 – Corrida de saco com garrafas Pets 19 5.6.6.4 Prova 4 – Boliche Ecológico 19 5.6.6.5 Prova 5 – Jogar o lixo no cesto 20 6.0 Resultados Esperados 21 6.1 Avaliação 21 6.2 Perspectivas 21 7.0 Considerações Finais 22 8.0 Referências Bibliográficas 23
  6. 6. 6 1 Justificativa Um dos maiores problemas ambientais recente que a humanidade enfrenta é o descarte de materiais utilizados no cotidiano. Milhares de toneladas de lixo são gerados a cada dia, sendo que boa parte dele é lançado no meio ambiente, contaminando o solo, as nossas águas e o ar pela liberação de gases tóxicos durante a decomposição desse lixo. Neste contexto, chama atenção o óleo utilizado em cozinha para frituras de alimentos. Tanto em volume de uso (praticamente em todas as casas e quase todos os dias), quanto ao prejuízo ao ambiente que ele vem causar quando descartado na rede de esgoto. A maior parte do óleo utilizado em frituras é descartado na pia das residências, que além de causar entupimentos na rede de esgoto, acaba atingindo os corpos d’água (rios, lagos e mares) e é degradado pelos microrganismos presentes, em especial as bactérias, que neste processo consomem o oxigênio dissolvido na água, provocando a morte da fauna aquática como peixes, crustáceos e moluscos que precisam respirar. Pode ainda formar um filme flutuante na superfície, atuando como barreira, prejudicando a aeração pelo vento. O óleo é também prejudicial ao solo, causando sua impermeabilização, proliferação indesejável de microrganismos, decomposição com liberação de gás metano prejudicial à camada de ozônio, fermentação e até danos ao sistema radicular de plantas, em caso de grandes volumes. A sua insolubilidade em água dificulta a biodegradação, por isto o sabão fabricado a partir do óleo é mais prontamente degradado que o próprio óleo [1]. Segundo pesquisadores, um litro de óleo de cozinha pode contaminar cerca de um milhão de litros de água (quantidade de água equivalente ao que uma pessoa consome em aproximadamente 14 anos). Além disto, a poluição pelo óleo faz encarecer o tratamento da água em cerca de 45% [2]. Nosso planeta vive um momento de pedido de socorro e a reciclagem é o melhor caminho para colaborarmos com ele. Dentre os programas difundidos temos o dos três “erres” (reduzir, reciclar e reutilizar) e lançando um projeto em nossa cidade, que atue na informação, conscientização e envolvimento da comunidade escola sobre os problemas ambientais e econômicos gerados pelo descarte do óleo de fritura, ao mesmo tempo atentar para a redução do uso e
  7. 7. 7 buscar alternativas de reciclagem como, por exemplo, a produção de sabão, contribuindo assim para a preservação do ambiente e até mesmo se transformar em uma renda extra para diversas famílias [3]. Diante do exposto, justifica-se um projeto abrangente que não só conscientize toda a comunidade escolar sobre a importância de destinar corretamente o óleo de fritura usado, evitando assim graves prejuízos ao meio ambiente, despertar para a importância da reciclagem do produto, evitar a degradação ambiental e problemas no sistema de tratamento de água e esgotos, formar disseminadores da consciência ambiental que promovam o engajamento na luta por um meio ambiente equilibrado e saudável, divulgando a ideia de que a reciclagem combinada com mudança de hábitos e atitudes frente aos problemas ambientais pode, de maneira progressiva, reverter o quadro de degradação ambiental observado atualmente.
  8. 8. 8 2 Introdução A urgência em preservar o meio ambiente é cada vez mais relevante e indispensável para a sociedade. A ideia de bem estar social e sucesso, associada ao consumismo, tem levado a degradação constante das fontes naturais limitadas, contribuindo para o aceleramento da precariedade dos recursos da natureza e da qualidade de vida. Sem dúvida nenhuma, um dos grandes vilões causadores de impactos ambientais é o descarte incorreto do lixo e resíduos provenientes do consumo humano. Estima-se que atualmente, no Brasil, a população produz cerca de 44 milhões de toneladas de lixo, sendo que 60% dos resíduos urbanos coletados não recebem a destinação correta [4]. Não menos preocupante é a dependência cada vez maior, à medida que o consumo aumenta, dos combustíveis derivados de petróleo, esses combustíveis são recursos não-renováveis, pois levam milhões de anos para se formarem, mas as reservas estão se esgotando devido ao consumo ser maior que a produção. A produção e a utilização desse tipo de combustível levantam preocupações ambientais, só a quantidade de dióxido de carbono produzido anualmente com a sua queima gira em torno de 21,3 bilhões de toneladas, além de uma quantidade considerável de gases tóxicos e material particulado [5]. Por isso se torna urgente à busca de novas fontes renováveis de energia, de maneira sustentável de modo a agredir minimamente o ambiente. Desta forma, uma boa opção em relação ao petróleo e seus derivados é o biodiesel, já que sua produção é relativamente barata e a emissão de poluentes diminui bastante [3]. Neste contexto, um resíduo de difícil descarte, mas com inúmeras possibilidades de reaproveitamento é o óleo residual de frituras. No Brasil, segundo dados da Companhia de Saneamento Básico do Estado de São Paulo (SABESP), quatro bilhões de litros de óleo de frituras são produzidos ao ano, deste montante, dois bilhões são descartados e o restante ingerido em frituras e produtos industrializados ou aderido aos recipientes de preparo. Sendo que apenas em torno de 5% são reciclados. Embora não muito divulgado, os impactos derivados do
  9. 9. 9 descarte incorreto destes óleos são totalmente prejudiciais ao meio ambiente. O óleo de fritura causa odores desagradáveis na sua decomposição, entupimento nas tubulações de esgoto e acaba chegando aos rios e ao oceano, criando uma barreira que dificulta a entrada de luz e bloqueia a oxigenação da água, entre outros prejuízos sócio, econômicos e ambientais [6]. O óleo de fritura não possui tratamento, nem mesmo destinação correta. Porém, existem diversas alternativas para o seu reaproveitamento, tais como: a reciclagem para a obtenção do sabão, biodiesel, resinas para tintas, massa para vidraceiros, ração animal, entre outras utilidades. O aproveitamento dos resíduos, gerados na indústria alimentícia pode prevenir que estes restos sejam enviados á aterros sanitários, permitindo o estabelecimento de novas alternativas empresariais e minimizando o impacto ambiental do seu acúmulo [7]. Apesar do potencial reciclável e viabilidade econômica do óleo de frituras, essa atividade é pouco conhecida pela maioria da população, incluindo os trabalhadores da educação e os próprios educadores. Dessa forma, pretende-se a partir de atitudes simples como é apresentado neste projeto, gerar uma grande discussão e transformação na forma de agir e pensar da comunidade em geral.
  10. 10. 10 3 Objetivo geral: Conscientizar e mobilizar alunos, pais, professores, funcionários, direção e toda comunidade do Colégio Estadual Luís Viana Filho em defesa do nosso ambiente e mostrar a importância da reutilização dos materiais, usando como exemplo a coleta e reciclagem do óleo de frituras. 3.1 - Objetivos Específicos:  Conscientizar a comunidade escolar sobre os danos causados pelo despejo incorreto do óleo de cozinha usado no meio ambiente;  Conscientizar a comunidade, além dos muros da escola, fazendo que ela se envolva na realização do projeto em benefício de todos.  Refletir sobre as formas de diminuição da poluição por esse resíduo através da sua reutilização;  Envolver os alunos do Colégio E. Luís Viana Filho na coleta do óleo usado;  Divulgar a importância da reciclagem;  Expor como o meio ambiente reage ao receber esse resíduo;  Recolher o óleo de cozinha usado, dando a ele um destino correto;  Fabricação artesanal de sabão com óleo de frituras usado.
  11. 11. 11 4 Revisão Bibliográfica Somos hoje aproximadamente 7,5 bilhões de seres humanos na Terra, nosso estilo de vida e tudo que consumimos como alimento, bens duráveis e não duráveis e todos os demais produtos necessários para manter o atual estilo de vida, além de estarmos diminuindo nossas fontes de recursos naturais, ainda gera uma grande quantidade de resíduos, que vem se tornando um dos maiores problemas ambientais do século XXI. “Além de explorar os recursos naturais indiscriminadamente e reduzir significativamente as reservas de água potável, ar puro e solo produtivo, atualmente, a humanidade descarta seus dejetos aumentando assustadoramente a produção de lixo em todo o planeta” (WILDNER & HILLIG) [8]. Vários autores pesquisados citam o grave problema da produção de lixos e o prejuízo causado ao solo, água e ao ar, com sérias alterações em suas características originais. “A poluição do solo pode alterar suas características físico-químicas, que representa uma séria ameaça à saúde pública tornando-se o ambiente propício ao desenvolvimento de transmissores de doenças. A poluição da água pode alterar as características do ambiente aquático, através da percolação do líquido gerado pela decomposição da matéria orgânica presente no lixo, associado com as águas pluviais e nascentes existentes nos locais de descarga dos resíduos. Enquanto que a poluição do ar pode provocar a formação de gases naturais na massa de lixo, pela decomposição dos resíduos com e sem a presença de oxigênio no meio, originando riscos de migração de gás, explosões e até de doenças respiratórias, se em contato direto com os mesmos” (JOSÉ CARLOS MOTA) [9]. Devido ao agravamento dos problemas gerados pelo lixo, faz-se urgente uma grande mobilização mundial, no que se refere a diminuir a produção de resíduos, a reutilização e a reciclagem quando possível e o descarte correto dos materiais quando não há a possibilidade de seu reaproveitamento. Neste contexto, fala-se muito do óleo vegetal utilizado em frituras, um alimento amplamente utilizado em praticamente todas as residências, bares e restaurantes da maioria das cidades do mundo. Apesar de causar um grande impacto ambiental e
  12. 12. 12 prejuízos, quando ele é descartado de forma errada em pia e ralos e ser de fácil reciclagem, a maioria da população desconhece os seus efeitos nocivos tanto à saúde humana, quando não é bem utilizado, bem como ao meio ambiente. “Os óleos e gorduras são substâncias insolúveis em água (hidrofóbicas), de origem animal ou vegetal, formados predominantemente por ésteres de triacilgliceróis, produtos resultantes da esterificação entre o glicerol e ácidos graxos” (REDÁ E CARNEIRO) [10]. Neto e Del Pino também falam sobre a diferença entre óleo e gordura e os efeitos da temperatura, afirmando que ácidos graxos presentes nos formadores dos óleos diferem dos formadores presentes nas gorduras por possuírem mais insaturações em sua cadeia. Por isso, os óleos possuem menor ponto de fusão e ebulição que as gorduras sendo, geralmente, líquidos à temperatura ambiente (± 20ºC) [11]. O óleo após um determinado tempo de uso sob aquecimento, tem a sua qualidade alterada, devido a uma série de reações que acontece entre o óleo e a água proveniente dos alimentos, causando alterações na viscosidade, cor, sabor e odor. É o que diz Moretto e Fett, foi comprovado por muitas experiências que com o aumento da temperatura e do tempo da fritura, ocorrerá o aparecimento de substâncias prejudiciais à saúde humana. Por esta razão é condenável à prática geralmente utilizada pelos pasteleiros ou cozinhas industriais, que não trocam o óleo velho por um novo, reusando sem limitação de tempo [12]. Quando os alimentos são fritos a uma temperatura de até 200ºC, traz alguns benefícios à saúde, pois possui gorduras saturadas que reduz o colesterol ruim, além de deixar os alimentos com características e sabores agradáveis. Com o aumento da temperatura do óleo no processo de fritura, ultrapassando o limite de 200ºC, faz-se necessário o descarte desse óleo, devido à formação de gorduras poli saturadas. Costa e Oliveira, também alertam sobre o perigo à saúde quando o óleo é aquecido acima de 200ºC: Quando o aquecimento ocorrer acima de 250ºC o óleo apresentará alterações na sua coloração com aumento da presença de fuligem e cinzas, que também são prejudiciais à saúde humana. [13]. “A alteração térmica, ou polimerização, ocorre quando duas ou mais moléculas de ácidos graxos combinam-se devido às alterações do processo de oxidação e as altas temperaturas. Os polímeros resultantes promovem aumento na viscosidade do óleo e são nutricionalmente indesejáveis, pois esses compostos podem ser absorvidos pelo
  13. 13. 13 organismo juntamente comos ácidos graxos, sendo prontamente assimilados pelos sistemas digestivos e linfáticos” (Lima e Gonçalves) [14]. Pedro Costa e Luciano Rossi afirmam que: Já está bem estabelecido que o aquecimento descontrolado de gorduras possa acarretar a formação de compostos com propriedades ante nutricionais, entre eles, inibidores enzimáticos, destruidores de vitaminas, produtos de oxidação de lipídios, irritantes gastrointestinais e agentes mutagênicos ou carcinogênicos [15]. Além do consumo em excesso e o uso inadequado em frituras que podem prejudicar a saúde humana, há também uma crescente preocupação em relação ao meio ambiente no que se refere ao descarte incorreto, do óleo de frituras usado, devido a uma grande falta de informação e pouca importância dada à questão do meio ambiente pela população em geral, o óleo usado acaba sendo descartados na pia e em ralos, atingindo primeiramente o sistema de esgoto, causando entupimentos e prejuízos e posteriormente rios, lagos, solos. Reis cita muito bem os principais problemas relacionados ao descarte do óleo dessa forma: Os óleos misturam-se com a matéria orgânica, ocasionando entupimentos em caixas de gordura e tubulações; Quando lançados diretamente em bocas-de-lobo ocasionam obstruções, em função da mistura formando “pastas”, inclusive retendo resíduos sólidos. Em alguns casos a desobstrução de tubulações necessita da adição de produtos químicos tóxicos; Em grande parte dos municípios brasileiros há ligação da rede de esgotos cloacais à rede pluvial e aos arroios. Nesses corpos hídricos, em função da imiscibilidade do óleo com a água e de sua inferior densidade, há tendência à formação de filmes oleosos na superfície, o que dificulta a troca de gases da água com a atmosfera ocasionando depleção das concentrações de oxigênio e anaerobiose, resultando em morte de peixes e outras criaturas aeróbias. Na rede de esgotos, os entupimentos podem ocasionar pressões que conduzem à infiltração do esgoto no solo, poluindo o lençol freático ou ocasionando refluxo à superfície; Os esgotos ingressos nos sistemas municipais dificultam o tratamento, podendo encarecê-lo em até 45%; No ambiente, em condições anaeróbias, pode haver formação de metano a partir dos óleos, contribuindo para o efeito estufa; Quando não houver tratamento de esgotos prévio ao lançamento no corpo receptor, elevam-se as concentrações de óleos totais no mesmo, depreciando sua qualidade para vários fins, podendo verificar-se
  14. 14. 14 modificação pontual de pH e diminuição da taxa de trocas gasosas da água com a atmosfera. A temperatura do óleo sob o sol pode chegar a 60ºC, matando animais e vegetais microscópicos. Quando atinge o solo, o óleo tem a capacidade de impermeabiliza-lo, dificultando a infiltração de água das chuvas, o que pode resultar em enchentes [16]. A reciclagem é uma forma muito atrativa de gerenciamento de resíduos, pois transforma estes resíduos em insumos, com diversas vantagens ambientais e contribui para a economia dos recursos naturais, assim como para o bem estar da comunidade. A reciclagem de óleos de fritura não só pode reduzir os problemas de desperdício, mas também aumentar o uso efetivo de alimentos e recursos agrícolas [17]. Ao contrário da grande maioria dos resíduos, os óleos exauridos, tanto de origem vegetal quanto animal (gorduras), possui valor econômico positivo, pela possibilidade de serem bem aproveitados. Os principais aproveitamentos de tais óleos são através de saponificação, com aproveitamento do subproduto da reação, a glicerina, padronização para a composição de tintas, produção de massa de vidraceiro, produção de farinha básica para ração animal, queima em caldeira, produção de biodiesel, obtendo-se glicerina como subproduto [16,18]. Entretanto, a maior parte deste resíduo é descartada na rede de esgotos, o que é considerado um crime ambiental inadmissível. A minimização deste resíduo como fonte de matéria prima na aplicação lipoquímica, ou seja, a saponificação do óleo de fritura em descarte gera um produto de grande necessidade na higienização de materiais diversos no cotidiano que ao ser descartado por meio de sistemas de esgotos não trará problema algum ao ambiente, não permanecendo mais que um dia em um recurso hídrico, tempo necessário para sua degradação. Assim a produção de sabão atende à reciclagem, com a utilização do óleo usado como matéria-prima, evitando o despejo do óleo de fritura em locais inapropriados, promovendo saúde da população, protegendo recursos naturais e até mesmo gerando renda na estruturação de coleta e fabricação do produto propriamente dito. O estudo de novas formulações permitirá a obtenção de melhores rendimentos da produção bem como a obtenção de produtos de maior qualidade.
  15. 15. 15 O sabão é um produto biodegradável, o que significa dizer que é uma substância que pode ser degradada pela natureza. Essa possibilidade de degradação das moléculas formadoras do sabão muitas vezes é confundida com o fato do produto ser poluente ou não. Ser biodegradável não indica que um produto não causa danos ao ecossistema, mas sim, que o mesmo é decomposto por microrganismos (geralmente bactérias aeróbicas), aos quais serve de alimento, com facilidade e num curto espaço de tempo [11,19]. Outra grande aplicação para o reaproveitamento do óleo de fritura é o seu emprego para a produção de biodiesel, que sendo um combustível renovável, o seu uso contribui para a redução de emissões de gases poluentes, por ser um combustível limpo, sua produção a partir de óleo residual possui um duplo benefício ao passo que também dar um destino útil ao óleo quando ele deixa de ser descartado no meio ambiente. De acordo com a "National Biodiesel Board" dos Estados Unidos, biodiesel é definido como o derivado mono-alquil éster de ácidos graxos de cadeia longa, proveniente de fontes renováveis como óleos vegetais ou gordura animal, cuja utilização está associada à substituição de combustíveis fósseis em motores de ignição por compressão (motores do ciclo Diesel). O biodiesel é um substituto natural do diesel de petróleo e pode ser produzido a partir de fontes renováveis como óleos vegetais, gorduras animais e óleos utilizados para cocção de alimentos (fritura) [18]. Pedro e Luciano afirmam: Enquanto produto pode-se dizer que o biodiesel tem as seguintes características: (a) é virtualmente livre de enxofre e aromáticos; (b) tem alto número de cetano, (c) possui teor médio de oxigênio em torno de 11%; (d) possui maior viscosidade e maior ponto de fulgor que o diesel convencional; (e) possui nicho de mercado específico, diretamente associado a atividades agrícolas; (f) no caso do biodiesel de óleo de fritura, se caracteriza por um grande apelo ambiental [15]. O óleo vegetal é a maior fonte de biodiesel, podendo ser usado na sua fabricação entre outros vegetais, a soja e incluindo aí uma grande fonte, o óleo de frituras usado, que é o objeto desta abordagem. No Brasil, não há um diagnóstico da situação real em relação à utilização e descarte de óleos para frituras. Mas, segunda a Sabesp, “somente 5%
  16. 16. 16 de um total de dois bilhões de litros de óleo descartados são reciclados. Esta reciclagem tem se dado na seguinte forma: destina-se o óleo para alguma empresa ou ONG (Organização Não Governamental) especializada na coleta, que o reaproveita na fabricação de sabão, biodiesel, tintas a óleo, massa de vidraceiro, entre outros usos. Em geral pagam por litro fornecido, dependendo do volume e da distância. Outra opção é a doação do óleo usado para cooperativas de catadores” [19]. O Brasil, ainda caminha lentamente nas iniciativas governamentais com interesse na gestão destes resíduos, ficando sob responsabilidade das ONG’s ou da iniciativa privada. Esses gestores instalam pontos de coletas em escolas e/ou supermercados e orientam o pequeno consumidor a armazenar o óleo usado, depois de frio, em garrafas pet ou de plástico, que evitem o vazamento de seu conteúdo. Para grandes empresas, bares, lanchonetes e restaurantes, a orientação é de que o óleo deve ser armazenado em recipientes plásticos de 50 litros, e a partir de 40 litros pode-se solicitar a coleta mediante agendamento com os recolhedores [19]. Atualmente, a reciclagem de um modo geral, vem se mostrando cada vez mais necessária e vantajosa no setor empresarial, quer seja por razões econômicas quer seja pelas ambientais. Hoje, no Brasil, parte do óleo vegetal residual oriundo do consumo humano é destinado a fabricação de sabões [20] e, em menor volume, à produção de biodiesel [21]. O óleo, depois de usado, torna-se um resíduo indesejado e sua reciclagem como biocombustível alternativo não só retiraria do meio ambiente um poluente, mas também permitiria a geração de uma fonte alternativa de energia. Assim, duas necessidades básicas seriam atendidas de uma só vez [15]. Acreditamos que é responsabilidade e dever de cada cidadão que ama e respeita a vida o seu natural envolvimento com a preservação da natureza, propomos o atual projeto como forma de conscientização sobre o nosso meio ambiente e redução do impacto ambiental causado pelo descarte incorreto do óleo de cozinha. “É importante aperfeiçoar o uso da água e das matérias primas como forma de manutenção da biodiversidade do planeta, da qualidade dos mananciais de água, do solo e do ar. Aproveitar, tratar ou destinar os resíduos sólidos e líquidos urbanos é uma responsabilidade da qual não pode se esquivar, sendo uma questão de cidadania propor
  17. 17. 17 alternativas para que estes rejeitos causem o menor impacto possível ao meio ambiente” (ZAGATO ET AL) [22]. A implantação de um projeto de educação ambiental para a coleta e destinação adequada de óleos e gorduras residuais pode trazer diversos benefícios significativos de ordem ambiental, social, sanitária e de saúde publica. Além de uma campanha de alimentação saudável de redução do óleo vegetal em frituras, será realizada uma coleta deste resíduo em uma escola modelo, onde a maior parte do óleo coletado será destinado a empresas de reciclagem para à produção de biodiesel e uma pequena parte destinada a oficinas de fabricação artesanal de sabão tendo como intuito uma educação ambiental de modo participativo, onde os alunos envolvidos poderão ter uma ideia geral da transformação de um material que seria outrora descartado como um poluente, ser transformado em algo de valor.
  18. 18. 18 5 Recursos Metodológicos 5.1 - Material  Papel de ofício  Canetas  Lápis  Marcador permanente pincel atômico  Marcador para quadro branco  Caixa de papelão grande  Brindes para crianças  Xerox de questionário 5.2 - Local onde será desenvolvido o projeto  Colégio Estadual Luís Viana Filho 5.3 - Executores do projeto  O projeto será executado pelo autor e alunos inscritos na dependência de Ciências Naturais e da Terra do Colégio E. Luís Viana Filho, com apoio dos professores, coordenação e direção desta unidade de ensino. 5.4 - Recursos financeiros  Todos os materiais utilizados serão fornecidos pelas instituições envolvidas no projeto.  Empresas envolvidas com a causa Ambiental através de doações dentro da Lei.
  19. 19. 19 5.5 - Infraestrutura  Para desenvolvimento do projeto contamos com o apoio da Secretaria de Educação do Estado da Bahia, diretoria, coordenação e professores do Colégio Estadual Luís Viana Filho;  Apoio logístico, fornecimento de material e brindes, recolhimento do óleo, contamos com doações de Empresas da cidade onde será desenvolvido o projeto. 5.6 - Estratégias 5.6.1 - Reuniões com os executores do Projeto (alunos da dependência em Ciências Naturais e da Terra):  Apresentação do projeto, importância do projeto, impacto ambiental causado pelo mau descarte do óleo usado;  Estudo e aprofundamento do Tema envolvendo todas as disciplinas (Biologia, Física, Química e Matemática);  Divulgação do Projeto na Escola (cartazes, folders, visita as salas e palestras);  Pesquisa com os pais dos alunos e comunidade para saber qual o destino atual do descarte de óleo usado e saber o grau de interesse em participar do projeto armazenando o óleo de fritura usado diariamente; 5.6.2 - Reunião com os pais dos alunos:  Apresentação do projeto, importância do projeto, uso correto do óleo vegetal para frituras, impacto ambiental causado pelo mau descarte do óleo usado, como armazenar o óleo usado, qual o destino do óleo recolhido, importância de cuidar do meio ambiente para a nossa saúde e de gerações futuras. 5.6.3 - Coleta de óleo  O óleo de fritura usado será armazenado em garrafas pet de 2 litros por cada família de aluno envolvida e entregue na escola, onde serão colocadas
  20. 20. 20 em caixas de papelão para recolhimento de empresas responsável pela reciclagem. 5.6.4 - Palestra sobre o meio ambiente  Palestra adequada à faixa etária dos estudantes: Alimentação saudável, cuidados com o meio ambiente e destino correto do lixo. 5.6.5 – Oficina de fabricação de sabão artesanal com óleo de frituras usado  Aulas práticas como o professor da disciplina para os alunos da dependência em Ciências Naturais e da Terra. 5.6.6 - Brincadeiras e Desafios Proposta de uma gincana ecológica: 5.6.6.1 Prova 1 – Arrecadação de óleo de fritura usado (este deverá estar devidamente coado e armazenado em garrafa pet 2 litros). As pontuações seguirão da seguinte forma: - 50 pontos – equipe que arrecadar mais óleo - 40 pontos – equipe que ficar em 2° lugar na arrecadação - 30 pontos – equipe que ficar em 3° lugar na arrecadação - 20 pontos – equipe que ficar em 4° lugar na arrecadação - 10 pontos – equipe que ficar em 5° lugar na arrecadação 5.6.6.2 Prova 2 – Trilha ecológica Será desenhada uma trilha no chão com 20 espaços, contendo informações sobre a reutilização do óleo de fritura, o descarte correto e os danos causados por ele na natureza. Será selecionado um integrante de cada equipe para jogar. A equipe que estiver mais pontuada começa primeiro, jogando o dado e começando a andar na trilha. Quem chegar ao final primeiro, ganha 10 pontos. 5.6.6.3 Prova 3 – Corrida do saco com garrafas Pets
  21. 21. 21 Serão escolhidos dois integrantes de cada equipe, um se vestirá com o saco e o outro colocará as garrafas no saco. A equipe que encher primeiro deve andar até o outro lado onde ficará uma lata de lixo e descartar os pets, somente quando descartar todas vence a prova e ganha 10 pontos. 5.6.6.4 Prova 4 – Boliche Ecológico É como um boliche convencional, mas serão feitas 5 garrafas pets com os nomes e cores que representam o lixo do papel (azul), plástico (vermelho), metal(amarelo), vidro (verde) e orgânico (marrom). Cada equipe terá três representantes que formarão uma fila. Cada representante poderá jogar a bola até 2 vezes, quando não conseguir acertar na primeira vez. Ao derrubar as garrafas, o participante deverá buscar em uma mesa ao lado uma figura de um ou mais objetos, quando forem derrubadas mais de uma garrafa, correspondente ao lixo correto. Em seguida deverá cola-lo em um painel afixado na frente com o nome dos tipos de lixo. Ganha a prova a equipe que tiver colado mais lixos no local correto, valendo 10 pontos. 5.6.6.5 Prova 5 – Jogar lixo no cesto Um representante de cada equipe deverá procurar no espaço determinado quantos objetos encontrar. Ao final do tempo, todos os objetos devem ser jogados na lixeira correta. Ganha 10 pontos quem tiver recolhido mais objetos. Se houver empate entre as equipes será realizada uma pergunta sobre meio ambiente para o desempate. A equipe que responder corretamente vence a gincana [23 a 25].
  22. 22. 22 6 Resultados Esperados:  Recolher no Colégio E. Luís Viana Filho uma boa quantidade de óleo de fritura usado que seria outrora descartados no meio ambiente e encaminhá- lo a empresas de reciclagem;  Conscientizar as famílias dos alunos da importância da preservação do meio ambiente, através de atitudes como a destinação e reutilização correta do óleo usado;  Perceber a importância da diminuição do consumo de óleo e melhorar os hábitos alimentares, já que o consumo em grande quantidade pode contribuir com o aumento da obesidade da população;  Mobilizar o maior número possível de pessoas e assim contribuir significativamente para a melhoria da qualidade de vida do planeta, levando todos a se preocupar mais com as questões ambientais, participando de ações que contribuam efetivamente com a preservação do meio, contribuindo para mudanças de paradigmas sobre o assunto. Percebendo que os recursos naturais são finitos e qualquer impacto causado ao meio ambiente poderá ser desastroso para o futuro do nosso planeta. 6.1 Avaliação  Observação da mudança de comportamento dos alunos em relação ao descarte de lixo.  Entrevista com pais e responsáveis.  Quantidade de óleo usado coletado e que deixou de contaminar o ambiente.
  23. 23. 23 7 Considerações finais Espera-se que no desenvolvimento deste projeto, os alunos da dependência em Ciências Naturais e da Terra, aprendam de uma maneira participativa e dinâmica os conteúdos das disciplinas envolvidas (biologia, física, química e matemática), bem como as relações entre elas, percebendo-as como um grande legado de conhecimento da humanidade e que está presente no seu cotidiano e que eles como alunos podem fazer parte desse patrimônio, aplicando e aperfeiçoando para melhorar a vida das pessoas e do nosso planeta. Espera-se também uma mudança de comportamento de toda a comunidade escolar, através da percepção de que todas as ações do ser humano está relacionada com meio físico em que vive. Preservar o meio ambiente é preservar a própria vida e muitas vezes uma atitude diferente uma simples mudança de hábito e de pequenas práticas, como o descarte e destinação correta do óleo de fritura usado, quando passar a ser um ato comum, causa um grande efeito positivo na preservação do planeta e de todas as espécies que nele habita incluindo a espécie humana.
  24. 24. 24 8 Referências Bibliográficas [1] PROL – Programa de reciclagem do óleo de frituras da SABESP, 2007. [2] GALVALIZI, D. O óleo de cozinha polui a água? 2009. [3] RABELO, A. R.; FERREIRA, M. O. Coleta seletiva de óleo residual de fritura para aproveitamento industrial. Universidade Católica de Goiás, Goiânia, p. 1-19, jun. 2008. [4] A. F. O. FERNANDES, D. R. M. OLIVEIRA, M. H. G. OLIVEIRA, R. C. F. BEZERRA, W. V. O. JÚNIOR, P. R. N.; Reaproveitamento do óleo de cozinha para a fabricação de sabão: uma ação sustentável e social, 2012. [5] CARDOSO, A. A., Química da atmosfera Atmosfera: a vida no planeta Terra, 2010. [6] MEGDA, Bianca; MARQUES, Marilene. Efeitos do óleo vegetal descartado após uso: um estudo bibliográfico. Orientador (a): Profª. Ms. Jussara Reis Calixto. Campos Gerais: FACICA. Trabalho de Conclusão de Curso. (Graduação em Ciências Biológicas) 36f, 2011. [7] NETO, P. R. C .; ROSSI, L. F. S. Produção de biocombustível alternativo ao óleo diesel através da transesterificação de óleo de soja usado em frituras. Química Nova, 23(4), p. 531-537, 2000. [8] WILDNER, Loreni Beatriz Arnold; HILLIG, Clayton. Reciclagem de óleo comestível e fabricação de sabão como instrumentos de educação ambiental; Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental REGET/UFSM (e-ISSN: 2236-1170). V(5), n°5, p. 813 - 824, 2012. [9] RABELO, Renata Aparecida; FERREIRA, Osmar Mendes. Coleta seletiva de óleo residual de fritura para aproveitamento industrial.
  25. 25. 25 [10] BOTARO, F. A. S.; Tese de mestrado: Minimização do Resíduo de Óleo de Soja de Frituras de Unidades de Alimentação e Nutrição; Programa de Pós Graduação em Engenharia Ambiental, Universidade Federal de Ouro Preto; 2009. [11] Wildner, L. B.; Hillig, C;, n°5, p. 813 - 824, 2012.Revista Eletrônica em Gestão, Educação e Tecnologia Ambiental), 2012. [12] MOTA, J. C; ALMEIDA, M. M.; ALENCAR, C. V.; Curi, F. W.; Características e impactos ambientais causados pelos resíduos sólidos: uma visão conceitual.Ano? [13] REDÁ, S. Y.; CARNEIRO, P. I. B. Óleos e gorduras:aplicações e implicações. Revista Analytica. n. 27, p. 60-67, fev./mar. 2007. [14] COSTA NETO, P. R.; FREITAS, R. J. S. Purificação de Óleo de Fritura. Boletim CEPPA, v. 14, n. 2, p. 163-170, jul./dez., 1996. [15] MORETTO, Eliane; FETT, Roseane. Tecnologia de óleos e gorduras vegetais na indústria de alimentos. São Paulo: Varela Editora e Livraria Ltda, 1998. [16] COSTA, B.J, e OLIVEIRA, S.M.M. Dossiê Técnico, produção de biodiesel, Instituto de Tecnologia do Paraná, 2006. [17] LIMA e GONÇALVES, 1994; MORETTO, E.; FETT, R. Óleos e Gorduras Vegetais: processamento e análises. São Paulo: Varela, 1989. [18] NETO, R. C. P.; ROSSI, F. S. L.; produção de biocombustível alternativo ao óleo diesel através da transesterificação de óleo de soja usado em frituras; Universidade Federal do Paraná; 1999.
  26. 26. 26 [19] REIS, M. F. P; ELLWANGER, R. M.; FLECK, E. Destinação de Óleos de Fritura. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE ENGENHARIA SANITÁRIA E AMBIENTAL, 24. 2007. [20] MIYAGI, A.; NAKAJIMA, M. Regeneration of Used Frying Oil Using Adsorption Processing. JAOCS, v. 80, n. 1, p. 91-96, 2003. [21] RAMOS, L. P.; WILHELM, H. M. Current status of biodiesel development in Brazil. Applied Biochemistry and Biotechnology, v. 121-124, p. 807-820. 2005. [22] COMPANHIA DE SANEAMENTO BÁSICO DO ESTADO DE SÃO PAULO, 2009. [23] MITTELBACH, M. & P. TRITTHART: Diesel fuel derived from vegetable oils, III. Emission tests using methil esters of used frying oil. JAOCS, Vol. 65, n° 7, 1988. [24] ANDRADE, Maria Margarida. Introdução a Metodologia de Trabalho Cientifico. 7º ed. São Paulo Atlas, 2006. [25] MEIRELLES, Maria de Sousa; SANTOS, Marly Terezinha. Educação Ambiental uma Construção Participativa. 2ª ed. São Paulo, 2005.

×