Autobiografia correcto

3.132 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.132
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Autobiografia correcto

  1. 1. AUTOBIOGRAFIAIntrodução:Meu nascimento Estamos a 10 de Janeiro de 1978 na maternidade de Santa Catarina, CaboVerde, dia do meu nascimento, que deixou os meus pais muito felizes, mas Aomesmo tempo apreensivos porque não tinha nenhuma experiência, pois eu era oprimeira/o filha/o a nascer. E a partir daí começou a minha aventura neste mundo maravilhoso e porvezes cruel.Minha infância Começou a minha aprendizagem na escola da vida. Passei muito tempo decolo em colo das minhas tias, e de uma vizinha que era amiga da família epassou a ser a minha segunda mãe. Chamava-se Nina e, na minha inocência, eupensava que ela era minha verdadeira mãe, porque eu passava mais tempo comela. Aos meus dez (10) anos, comecei a entender que não nasci dela, mas queela me amava como se eu tivesse nascido do seu ventre. Também me ensinou aamar as pessoas como se de uma família se tratasse. Uma família unida deve
  2. 2. saber partilhar, ouvir o que os outros têm para dizer, e principalmente dar amoràs crianças. Independentemente da sua raça ou crenças. Vivíamos em Lém de Telha Nhagar e passava todos os domingos à tarde abrincar e jogar à bola, a saltar à corda e muitos outros tipos de jogos com osmeus primos, amigos e tios da minha idade, até à minha adolescência, por voltados 15 anos. Foi nesta altura que aprendi a interagir com outras pessoas. Aos meus oito anos, pela primeira vez a minha mãe ensinou-me a cozinhar(cozinhei arroz), e cada vez que eu cozinhava queimava tudo incluindo a sopa,porque eu colocava os ingredientes no fogão e eu ia brincar. Com o passar dotempo deixei de queimar, e comecei a apanhar gosto pela cozinha. E ao longodo tempo com a prática foi melhorando. Por volta dos dez anos, a minha mãe ensinou-me a cuidar da roupa, dacasa e dos meus irmãos. E tudo o que a mina mãe me ensinou, eu aprendi. E foimuito importante para o meu futuro, sobretudo para a profissão que iriaescolher. E passei a exercer como profissão tudo o que a minha mãe me ensinou.Tudo o que a minha mãe me ensinou tornou-se numa competência hoje, paraagir em todo o momento que é preciso tomar uma decisão (acção)Adolescência A partir dos meus quinze anos, já não andava na escola. Já tinha feito osexto ano há um ano. A minha adaptação na adolescência não foi muito complicada. Foi nestaidade que me apaixonei pela primeira vez: tinha catorze anos e também foi umadesilusão.
  3. 3. Enfim tudo o que a minha mãe me ensinou na minha infância eu tinha de opôr em prática com mais frequência. Entre os meus catorze e quinze anos eutive que ajudar a minha mãe no trabalho dela, que era fazer limpeza na escolade Santa Catarina Assomada (Cabo Verde), porque ela tinha problema de saúdee foi operada (problema no estómago). Tive de a ajudar até aos 16 anos. Tudo aconteceu em Cabo Verde até aos 16 anos e seis meses, em 1994.Também foi o ano em que nasceu o meu irmão mais novo, que nunca cheguei aver crescer e que faleceu sete anos mais tarde, com sete anos.Adolescência fora de Cabo Verde Estamos a cinco de junho de 1994, eu estava a apanhar avião para viajarpara a Europa. Tudo por causa da minha mãe, que lutou e se sacrificou para mepagar a viagem, e disse que era para que eu tivesse uma vida melhor que adela.Nesta altura tinha 16 anos e seis meses e parti sozinha rumo à Holanda paraviver com a minha tia (irmã da minha mãe).Nesta altura (1994) o acontecimento mais falado era a morte do automobilistaAyrton Senna. Já na Holanda com os meus familiares, fui ver as minhas tias que já não viahá muitos anos. E nessa altura ela (tia) estava grávida a poucos meses de dar a
  4. 4. luz a novo membro da família, e era um rapaz e quando ele (meu primo) nasceueu passei a cuidar dele e ate ouve um dia que ele me chamou de mãe. E claro ela (minha tia) não gostou. E eu falei para ela que ela não lhedava atenção como devia e não podia cobrar que lhe chama-se de mãe. Evivendo na Holanda com a minha tia não foi nada fácil….e que se tornouinsuportável e depois de um ano e meio a viver com ela (minha tia). E ouvi umdia que a minha tia me agrediu…….. por isso o meu avô chegou e disse pegasnas tuas coisas e vamos embora…….e também não foi nada fácil …….passadoalgum tempo arranjei o trabalho bem longe para poder estar sossegada e nãofoi fácil

×