ESTADO DE SANTA CATARINA
PODER JUDICIÁRIO
Vistos etc.
1. O Ministério Público de Santa Catarina e a
Secretaria Municipal d...
ESTADO DE SANTA CATARINA
PODER JUDICIÁRIO
Assim, conforme prometido, quando fosse atingida certa franquia, acordada com se...
ESTADO DE SANTA CATARINA
PODER JUDICIÁRIO
tirar-se com outra. Cuida-se de uma política que traz suspeitas de malícia, pois...
ESTADO DE SANTA CATARINA
PODER JUDICIÁRIO
Não vejo, entretanto, a necessidade de publicação de
editais nos jornais de maio...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

0900605 81.2015.8.24.0023 padrão %5b somente leitura%5d

15.130 visualizações

Publicada em

Justiça proíbe operadoras de suspender internet móvel, decisão vale para todo o Estado

Publicada em: Direito
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
15.130
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
10.918
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

0900605 81.2015.8.24.0023 padrão %5b somente leitura%5d

  1. 1. ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO Vistos etc. 1. O Ministério Público de Santa Catarina e a Secretaria Municipal de Defesa do Consumidor de Florianópolis – PROCON – ajuizaram a presente ação civil pública em relação às empresas Claro S/A, OI Móvel S/A, TIM Celular S/A e Telefônica Brasil S/A (VIVO). Alegam que as rés estão, relativamente a seus clientes, interrompendo o serviço de internet móvel, o que vale pela modificação unilateral dos contratos firmados com seus consumidores. Defendem que a prática é abusiva uma vez que anunciavam e vendiam seus planos informando expressamente que o serviço de conexão de dados seria ilimitado, apenas alertando quanto à diminuição da velocidade após o término da franquia previamente contratada. Após longo discurso acadêmico, requereram que as rés cumpram os contratos celebrados anteriormente ao ajuizamento da ação, restabelecendo a prática de manutenção da conexão de dados, com velocidade reduzida, após o término da franquia. 2. Os fatos são, em essência, incontroversos. Aliás, houve o denodo de os autores permitirem previamente o posicionamento das rés a respeito do procedimento adotado quanto ao serviço de internet móvel. A propósito, a inicial faz uma descrição adequada dos argumentos lá trazidos: Em sua defesa no processo administrativo instaurado junto ao Procon Municipal (fls. 50-56), a requerida OI limitou-se a alegar que a anterior possibilidade de utilização da rede móvel, além dos dados efetivamente contratados, tratava-se de mera liberalidade da empresa, bem como que seus clientes foram previamente comunicados do cancelamento da "promoção", no prazo mínimo de 30 (trinta) dias exigido pelo art. 52 da Resolução ANATEL n. 632/2014 (Regulamento Geral de Direitos do Consumidor de Serviços de Telecomunicações). A empresa de telefonia VIVO (Telefônica Brasil S/A), da mesma forma, também anunciava e vendia para seus consumidores pacote de internet ilimitada.
  2. 2. ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO Assim, conforme prometido, quando fosse atingida certa franquia, acordada com seus clientes, a velocidade da internet era reduzida, mas não interrompida. Todavia, como as demais operadoras ora demandadas, a partir de novembro de 2014, passou a mudar a forma de cobrança de internet após o término da franquia. Em sua defesa, no processo administrativo n.0115-002.170-0 (fls. 117-172), a empresa sustenta que os planos questionados pelo PROCON referiam-se todos a "promoções", o que possibilita a alteração de forma unilateral, com o objetivo final de melhorar a qualidade do serviço prestado. Já a operadora CLARO, passou a praticar a alteração na forma de cobrança de internet de seus clientes dos planos pré-pago e controle, no dia 28 de dezembro de 2014. A empresa de telefonia também passou a adotar a suspensão do serviço de internet quando seus clientes atingiam o limite de dados. Na mesma linha da VIVO, a CLARO alegou, em sua defesa no processo administrativo n. 0115-002.122-8 (fls. 14-45), que efetuou a alteração porque o plano era "promocional". No entanto, após verificar que a empresa de telefonia também adotou nova modalidade de suspensão do acesso à internet, após a utilização da franquia, o PROCON Municipal de Florianópolis também entendeu que houve violação aos dispositivos infraconstitucionais do Diploma de Defesa do Consumidor (art. 51, incs. X e XIII). Por fim, a operadora TIM CELULAR S/A, também nos autos do processo administrativo instaurado junto ao Procon (fls. 64-116), ao admitir que a nova sistemática de prestação/cobrança dos serviços de internet foi aplicada no Estado de Santa Catarina a partir do dia 20 de fevereiro do ano em curso, defendeu que a necessidade de interromper a "cortesia" de acesso à internet em velocidade reduzida, após o consumo da franquia contratada, foi motivada pelo novo padrão de consumo dos usuários da empresa, ainda aduzindo que a Agência Nacional de Telecomunicações – ANATEL, instada a se manifestar sobre a legalidade da nova prática adotada pelas operadoras, em procedimento específico em trâmite perante o Ministério Público do Estado do Rio Grande do Sul, já teria concluído pela total legalidade da medida. (fls. 04-05) A partir daí, a tese dos autores têm realmente plausibilidade. De um lado, é muito difícil defender que, cristalizada uma situação fática – mais ainda, estimulada uma contratação que era mantida sob determinadas condições de cumprimento – se diga adiante que se estava diante de uma hipótese temporária, de algo que pudesse ser definido como uma promoção. Quem contrata qualquer serviço busca a obtenção de uma utilidade. Ela é medida pelos benefícios que são prometidos. Se essas vantagens são, ainda mais, cristalizadas pela passagem do tempo, é inusitado que, adiante, se diga que as coisas não eram bem assim. Deu-se com uma mão para, na sequência,
  3. 3. ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO tirar-se com outra. Cuida-se de uma política que traz suspeitas de malícia, pois atraía a contratação, estimulava-se a conquista de novo cliente, permitia-se o desfrute de um benefício para na sequência se reclamar uma revisão do pactuado, justamente quando o consumidor, já acostumado a uma posição, se sentiria premido pagar mais. Fosse assim, aliás, seria justo que se aplicasse ao consumidor o mesmo pensamento, agora em seu favor: quem prometera pagar R$ 50,00, deveria se dar o direito de, depois, pagar R$ 30,00. O direito do consumidor deve estar apegado à realidade, não a ficções. Os relatos da inicial, que aqui não precisam ser repetidos – mesmo porque se veem reproduzidos, até de maneira reiterada, na impressa –, demonstram nitidamente uma compreensível surpresa dos consumidores. Dessa forma, vejo identicamente como viu o Ministério Público, que se realizou a "modificação unilateral do preço" e "a modificação unilateral do conteúdo e qualidade do contrato" (art. 51, incs. X e XIII), não fosse suficiente o maltrato que haveria à boa-fé e à segurança jurídica. Vi que as operadoras trazem em seu favor Resolução da ANATEL (632/2014), que permite a "modificação de planos", bastando que se dê trinta dias para implementação. É facílimo, entretanto, superar essa argumentação. Não foi apontada a base legal (em sentido estrito) que faculte uma revisão unilateral dos contratos, ainda mais se cuidando de uma ofensa à própria Constituição, que garante (inc. XXXV do art. 5º) o ato jurídico perfeito. Antevejo que se alegue, para refutar a argumentação, que o contrato tem natureza continuada, bastando então que se proteja o passado, mas sem impedir alterações subsequentes. Só que se está diante do direito do consumidor, que tem regras próprias e com proteção constitucional (arts. 5º, inc. XXXII e 170, inc. V), até mesmo com previsão específica de edição de um Código de Defesa (art. 48 do ADCT). Dessa forma, seria inusitado que se tratasse do CDC como uma regra menor, a ser revertida por uma diretriz administrativa. Aqui, no âmbito do direito do consumidor, os valores são distintos e não se alteram mesmo que se cuide de um serviço público.
  4. 4. ESTADO DE SANTA CATARINA PODER JUDICIÁRIO Não vejo, entretanto, a necessidade de publicação de editais nos jornais de maior circulação. É muito provável que o fato já seja noticiado espontaneamente e mesmo porque é possível fazer a exigência do cumprimento mesmo sem iniciativas individuais. Por fim, quase, ociosamente, digo ainda que existe urgência, visto que os consumidores sofrem prejuízo imediato quanto a um serviço praticamente indispensável. Assim, defiro a liminar para determinar que as empresas rés não efetuem a suspensão do serviço de internet móvel após o consumidor atingir o limite da franquia contratada quanto aos contratos celebrados até o ajuizamento da presente ação, que previam inicialmente a redução da velocidade da internet e não sua sustação. Fixo multa individual de R$ 500.000,00 ao dia para o caso de descumprimento. A decisão valerá para todo o Estado de Santa Catarina, nos termos da interpretação restritiva que vem sendo dada à tutela coletiva pela jurisprudência superior. Cumpra-se o art. 94 do CDC. Citem-se e intimem-se. Florianópolis, 14 de maio de 2015. Hélio do Valle Pereira Juiz de Direito Autos 0900605-81.2015.8.24.0023

×