Workshop I -

493 visualizações

Publicada em

II Conferência CIDAADS - A EDS na Sociedade do Conhecimento: Dina Freire da Paz, Mariana Marques, Ivo Santos, Bárbara Marques, Henrique Freire da Paz

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
493
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Workshop I -

  1. 1. 2ª Conferência CIDAADS Dina Freire da Paz Mariana Marques Ivo Santos Bárbara Marques Henrique Freire da Paz
  2. 2. Porquê? Porque as BOAS causas não são causas perdidase as causas perdidas também se ganham “Ecoconsciência” sob suspeita?As falácias e a permeabilidade em ciência
  3. 3. Creio no mundo como num malmequer, Porque o vejo. Mas não penso nele. Caeiro POR QUE ESTAMOS AQUI?PORQUE TEMOS UMA MÃO CHEIA DE SUSPEIÇÕES A LANÇARSOBRE AS NOSSAS BOAS “ECOCONSCIÊNCIAS”TAMBÉM TEMOS ALGUMAS SEMENTES DE CONSCIÊNCIA CRÍTICA.Nota: damos sugestões sobre o que fazer com elas …
  4. 4. • É do tipo separa lixo?• É do tipo frequenta colóquios e conferências?• É do tipo argumenta muito e faz coisa nenhuma?A QUALIDADE DA BONDADE DA NOSSA “ECOCONSCIÊNCIA” SÓ PODERÁ SER DECIDIDA SE A CONFRONTARMOS COM UMA QUESTÃO RADICAL
  5. 5. Ecoconsciência em teste
  6. 6. TesteConseguimos viver com8% da energia queConsumimos?!
  7. 7. Não!Apenas 8% da energia total consumida é proveniente de fontes renováveis!!!
  8. 8. Rejeitar todas as energias censuradas pela minha boaconsciência ambiental significa ser capaz de viver sem:• Computador• Elevador• Aquecedor• Recursos da medicina• Etc…Será que uma grande parte de nós tem que morrerpara salvar o planeta?Será que é necessário matar a nossa civilizaçãopara salvar o planeta?
  9. 9. Será que conseguíamos viver numa terra às escuras? Um sim seria um sim suicida.
  10. 10. Venham de lá os malmequeres pela mão da Mariana!
  11. 11. Chamo-me Mariananaprocesso de alteração equestão: o ÉA Agora nuclear é um parte menos bonita dade núcleos. fusão atentemos Marques, tenho 20 anos estudodescontrolo. O mundo evoluiu que o Ferro, pois o produtoEngenharianúcleos mais leves a velocidade-luz, são as casas,viável para Aeroespacial no Instituto Superior Técnico. Peranteos carros, numdeparei-me com o abandonar da inocência osestes 20 anospessoas, os animais, as máquinas, como obaseia-se as átomo mais estável. Consiste, tal os aviões,satélites… É o mundo de núcleos. Para quebrar a barreiraadolescente e vi,fusão moderno. meus pésevolução nanome indica, na claramente, os Tamanha entraremdesmedida haveria Ainda não estou totalmente lá, direi. deconsciência adulta. algum dia dequantidade significativa Aindaelectrostática é necessária uma trazer repercussões aoplaneta. No entanto, após ultrapassar este dilema, jovem. deacredito Hoje, nesta era, cai-nos o céu. Porque sou as forçasenergia. piamente que podemos mudar. Ainda o problematodos estes avanços é quando abandonamos arodeiam?Mas, pergunto-me, o que muda fortes para fundirem os doisnucleares são suficientemente nestes que me zona desegurança e partimos para viver acima das nossas um de oPorque se sentam e esperam, quando cabeMas este não énósnúcleos leves, formando um mais pesado. a cadacapacidades. Quando até uma pequena revolta? umaum voto, um sonho ounos voltamos uns contra os outros e,único produto da reacção, sendo também libertadasobretudo, contradede energia. Assim, urgenteaproveitamentoenorme quantidade planeta Terra. Aí é à verdade. Por entre o Somos um mar o sonhadores rumo seria o recuar. Masrecuar como? Abandonar os nosso défice energético.caminho da humanidade, durante esta existência, que é umda mesma a resposta para o padrões de vida a que tanto nosafeiçoámos? criar comparação com aalta, olhemos a dobreve segundo emas condições necessárias aoda criação do O desafio é Mantenhamos a fasquia semana inícioUniverso, – temperatura e pressão E lembram-se quandoprocesso chegámos a “mares nunca antes navegados”.alternativas seguras e fidedignas. muito elevadas.falava sobre esperança é fácil sonhos loucos? É agora queSubimos ao topo da nãofugaz e aceitar que seja impossível, ouMas, mesmo assim, criatividade e desenvolvemos sociedadeseles entram e quase perfeitamente nestas nossas aindaque encaixamsão totalmente necessários. Não os evoqueiassim tão distante dos nossos recursos. Então, queantes, na expansão do de caprichos. Emas reconheço a suapersonalidadeslá? Falta de energia para chegar condeno:não chegámos cheias conhecimento, não nos à resposta?porquêhumano etapa – a a leique gravidade epodemos? voar, ourgência nesta superou de resolver as questões que nos O ser viver com menos do da aquilo que consegue Porquêassombram. Por a medicina nos uma caixa para mão,andarviver 50 que consegue conceber leva aos 80?em passar o demesmo anos se entre problemas que temos Porquê destacohoje a a ver filmes e que já vivemos. A eminente falta decavalo crise energética que pisou a lua? Não vamos cair notempo se temos carros?combustíveis fósseis e a necessidade de alternativas limpas edescrédito e encostar-nos à sombra, o sonho e a vontade sãoseguras. Olhemos a fusão nuclear, por estranho mundo.uma ignição poderosa neste estranho, exemplo, como
  12. 12. Lançadas suspeições sobre a “ecoconsciência” teráa crença da Mariana um fundamento racional?Sim, diz-nos a história da ciência através dos seuscasos mais brilhantes…Os exemplos Copérnico e Einstein.Sim, porque a ciência já não é dona de verdadesabsolutas.Não se vê que possa avançar com alguma evidêncialógica que possa refutar o argumento da Mariana.
  13. 13. Estão no reino da impossibilidade prática daverificação das hipóteses das leis intemporais euniversais; e nem encontram salvação na Razão, porforça do inevitável vício do raciocínio em queinevitavelmente incorreriam: na falácia da afirmaçãodo consequente.Lembrete: a investigação científica exige um forteinvestimento económico……Na sequência do pensamento de Thomas Kuhn o Ivodeixa-nos uma dúvida: estará o poder económico deque depende a investigação cientifica a conduzi-lano caminho mais “ecoconsciente”?E nós, cidadãos do mundo, nada temos a dizersobre isto???
  14. 14. Talvez faça algum sentido revisitar uma velha aula de Filosofia: “Era uma vez uma ciência que nasceu prepotente e arrogante, julgando-se senhora da uma Verdade, que nos disse ser universal e intemporal “ Continua a dar-nos muito mais do que alguma vez esperámos ter, mas pode não estar sempre no melhor caminho… Estejamos atentos e vigilantes. Sejamos exigentes!!!

×