A empresa e seus novos
jeitos de interagir
na sociedade-em-rede
Forum FWD
McKinsey&Company
@augustodefranco
Fazer o novo
sem a cabeça do velho
Um novo modo de agir para
ser uma empresa de sucesso
no mundo digital
Forum FWD
McKinse...
Fazer o novo
sem a cabeça do velho
Psiu... Não é a
cabeça e sim o
padrão de interação!
Um novo modo de agir
para ser uma empresa de
sucesso no mundo digital
Psiu... Não é no
mundo digital e sim
no mundo social!
Uma sociedade em rede
está emergindo
Uma nova ciência das redes
está nascendo
Barabási Strogatz Watts
O digital é apenas um aspecto da mudança
=
O mundo dos negócios
na sociedade-em-rede
Negócios
serão para
qualquer
um
Negócios
serão
inovação
Negócios
serão em
rede
Negócios para qualquer um nos
Highly Connected Worlds
Conhecimento
mais
disponível
Capital inicial
menos
relevante
Relaçõe...
Negócios e
Crowdsourcing
200 cérebros aprisionados
não podem competir com 20 mil
cooperando livremente
para encontrar uma ...
Exemplos de crowdsourcing
Procter & Gamble: 40% da inovação
vem de fora da empresa,
por um custo 40% menor
GE: investindo ...
Negócios e inovação
Nenhuma empresa sozinha
conseguirá se manter na ponta da inovação
sem lançar suas “hifas”
para importa...
Inovação e relação
Toda inovação surge por
polinização mútua, por
fertilização cruzada
Inovação e fronteiras
Unidades administrativo-produtivas
fechadas não conseguirão
acompanhar o ritmo das inovações.
Negócios em rede
Redes de stakeholders
(novas comunidades de
negócios separadas do
meio por membranas)
Mas afinal: o que é rede?
Não é um novo tipo
de organização, mas
um padrão de
interação
O exemplo habitual: Internet
Grafo:
representação
estática
Rede
neural
Redes sociais são
pessoas interagindo
Segundo
um padrão
distribuído
O que é distribuição?
Múltiplos
caminhos
Topologias: Paul Baran (1964)
Como o nome está dizendo as
redes são sociais, não digitais
São pessoas,
não ferramentas
Mídias sociais ≠ Redes sociais
O que é interação?
Não é
participação
Cupinzeiro africano
Um caso de interação
Fenomenologia da interação
Clustering
Fenomenologia da interação
Swarming
Fenomenologia da interaçãoEspanha 11M: swarming civil
Fenomenologia da interação
Crunching
Small-World Phenomenon
Fenomenologia da interação
Os fenômenos que ocorrem em uma
rede não dependem das características
intrínsecas dos seus nodo...
Constatação 1
Tudo que é sustentável tem o padrão de rede
Membranas,
não paredes
opacas
Constatação 2
As empresas atuais não têm um padrão de rede:
são piramidais, “monárquicas”, fechadas
e baseadas em comando-...
Uma imagem
hilariante
Conclusão
É necessário iniciar a transição
da empresa-mainframe para a empresa-network
Isto é netweaving
Fazer o novo
sem a cabeça do velho
Não adianta tentar
mudar a cabeça das
pessoas
Por que não entendemos?
Estudar as redes, investigá-las, escrever
sobre elas ou tentar usá-las para obter
algum resultado ...
Não é falta de informação
Ninguém pode ter um entendimento do
que são as redes sociais enquanto não for
capaz de experimen...
“Ado, a-ado, cada um...”
Como começar a transição?
Promovendo a interação, a
conversação, parando de obstruir
fluxos, desativando os excessos de
co...
Aquele abraço!
@augustodefranco
http://netweaving.ning.com
http://escoladeredes.ning.com
A empresa na sociedade em rede
A empresa na sociedade em rede
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A empresa na sociedade em rede

1.489 visualizações

Publicada em

Apresentação de Augusto de Franco no Forum FWD da McKinsey (Tuca: 24/11/10)

0 comentários
4 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.489
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
34
Comentários
0
Gostaram
4
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A empresa na sociedade em rede

  1. 1. A empresa e seus novos jeitos de interagir na sociedade-em-rede Forum FWD McKinsey&Company @augustodefranco
  2. 2. Fazer o novo sem a cabeça do velho Um novo modo de agir para ser uma empresa de sucesso no mundo digital Forum FWD McKinsey&Company
  3. 3. Fazer o novo sem a cabeça do velho Psiu... Não é a cabeça e sim o padrão de interação!
  4. 4. Um novo modo de agir para ser uma empresa de sucesso no mundo digital Psiu... Não é no mundo digital e sim no mundo social!
  5. 5. Uma sociedade em rede está emergindo
  6. 6. Uma nova ciência das redes está nascendo Barabási Strogatz Watts O digital é apenas um aspecto da mudança =
  7. 7. O mundo dos negócios na sociedade-em-rede Negócios serão para qualquer um Negócios serão inovação Negócios serão em rede
  8. 8. Negócios para qualquer um nos Highly Connected Worlds Conhecimento mais disponível Capital inicial menos relevante Relações políticas mais democráticas
  9. 9. Negócios e Crowdsourcing 200 cérebros aprisionados não podem competir com 20 mil cooperando livremente para encontrar uma solução (de gestão, processo ou produto)
  10. 10. Exemplos de crowdsourcing Procter & Gamble: 40% da inovação vem de fora da empresa, por um custo 40% menor GE: investindo US$ 200 milhões em crowdsourcing para descobrir novas tecnologias
  11. 11. Negócios e inovação Nenhuma empresa sozinha conseguirá se manter na ponta da inovação sem lançar suas “hifas” para importar capital humano (conhecimento) e social (relações) do ambiente em que opera!
  12. 12. Inovação e relação Toda inovação surge por polinização mútua, por fertilização cruzada
  13. 13. Inovação e fronteiras Unidades administrativo-produtivas fechadas não conseguirão acompanhar o ritmo das inovações.
  14. 14. Negócios em rede Redes de stakeholders (novas comunidades de negócios separadas do meio por membranas)
  15. 15. Mas afinal: o que é rede? Não é um novo tipo de organização, mas um padrão de interação
  16. 16. O exemplo habitual: Internet
  17. 17. Grafo: representação estática
  18. 18. Rede neural
  19. 19. Redes sociais são pessoas interagindo Segundo um padrão distribuído
  20. 20. O que é distribuição? Múltiplos caminhos
  21. 21. Topologias: Paul Baran (1964)
  22. 22. Como o nome está dizendo as redes são sociais, não digitais São pessoas, não ferramentas Mídias sociais ≠ Redes sociais
  23. 23. O que é interação? Não é participação
  24. 24. Cupinzeiro africano Um caso de interação
  25. 25. Fenomenologia da interação Clustering
  26. 26. Fenomenologia da interação Swarming
  27. 27. Fenomenologia da interaçãoEspanha 11M: swarming civil
  28. 28. Fenomenologia da interação Crunching Small-World Phenomenon
  29. 29. Fenomenologia da interação Os fenômenos que ocorrem em uma rede não dependem das características intrínsecas dos seus nodos O conteúdo do que flui pelas conexões não determina o comportamento de uma rede O modo-de-interagir depende do grau de distribuição
  30. 30. Constatação 1 Tudo que é sustentável tem o padrão de rede Membranas, não paredes opacas
  31. 31. Constatação 2 As empresas atuais não têm um padrão de rede: são piramidais, “monárquicas”, fechadas e baseadas em comando-e-controle Uma imagem aterrorizante
  32. 32. Uma imagem hilariante
  33. 33. Conclusão É necessário iniciar a transição da empresa-mainframe para a empresa-network
  34. 34. Isto é netweaving
  35. 35. Fazer o novo sem a cabeça do velho Não adianta tentar mudar a cabeça das pessoas
  36. 36. Por que não entendemos? Estudar as redes, investigá-las, escrever sobre elas ou tentar usá-las para obter algum resultado adianta muito pouco se continuarmos nos organizando hierarquicamente
  37. 37. Não é falta de informação Ninguém pode ter um entendimento do que são as redes sociais enquanto não for capaz de experimentá-las. Ninguém pode experimentar redes sociais enquanto se relacionar em organizações hierárquicas ou do tipo “cada um no seu quadrado”
  38. 38. “Ado, a-ado, cada um...”
  39. 39. Como começar a transição? Promovendo a interação, a conversação, parando de obstruir fluxos, desativando os excessos de controles da “polícia corporativa” chamada de TI etc. etc. etc.
  40. 40. Aquele abraço! @augustodefranco http://netweaving.ning.com http://escoladeredes.ning.com

×