Deus como pessoa

256 visualizações

Publicada em

Um mistério que se dá a conhecer ao ser humano como ser de transcendência. Mas sempre mistério.
E por esse motivo, afirma o Rahner, falamos de Deus pela analogia, aplicando a Ele conceitos que sabemos não o definem, nem o explicam, por completo, mas apenas em parte.

Publicada em: Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
256
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
8
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
6
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Deus como pessoa

  1. 1. Resumo: RAHNER, Karl. Curso Fundamental da Fé. São Paulo: Paulus, 1989, pp. 91-113. TEO 2254 - Profa Dra Maria Clara Bingemer Apresentação de Andréia Gripp, mestranda Teologia Sistemático Pastoral - PUC-Rio
  2. 2.  A linguagem usada para falar sobre Deus é análoga e categorial Um mistério que se dá a conhecer ao ser humano como ser de transcendência. Mas sempre mistério. E por esse motivo, afirma o teólogo, falamos de Deus pela analogia, aplicando a Ele conceitos que sabemos não o definem, nem o explicam, por completo, mas apenas em parte. Deus é mistério santo
  3. 3.  Sabemos que linguagem análoga é aquela que “engloba exemplificações, comparações, metáforas, símiles, alegorias e parábolas”. Categorial /categorialidade = Que concerne a uma ou mais categorias; que é limitado a uma ou a mais de uma categoria
  4. 4.  Rahner discorda da chamada “analogia do ser” (analogia entis), da filosofia escolástica:  “Como se alguém tivesse de falar algo sobre Deus, mas a seguir percebesse que realmente não o pode dizer, porque o conteúdo da afirmação procede de outra fonte, de algo que nada tenha muito que ver com Deus. E, em consequência, devíamos formar conceitos análogos, que constituiriam uma coisa intermediária entre o unívoco e o equívoco.” (p. 93)  Unívoco = Que admite somente uma interpretação ou significado; sem teor ambíguo. Característica do conceito que, aplicado a coisas distintas, se mantém com o mesmo significado.  Equívoco = De difícil categorização; cuja definição é complicada - Que pode possuir mais de uma significação; que tem duplo sentido; ambíguo ou dúbio: palavra equívoca
  5. 5.  A transcendência é o que possibilita o conhecimento categorial  Para Rahner a analogia não está ligada a ideia de posição intermediárias posterior e inexata entre conceitos claros e conceitos que indicam duas coisas totalmente diversas, como afirmava a filosofia escolástica  Rahner afirma que a transcendência ultrapassa o horizonte limitado do nosso espírito.  A transcendência é a condição que possibilita todo o conhecimento categorial, porque é o elemento originário, a base, o fundamento para comparar, classificar os objetos
  6. 6.  Afirmar que Deus é pessoa é dado fundamental da convicção cristã sobre Deus. Mas só se pode afirmar isso em sentido análogo, abrindo a compreensão para o mistério santo, inefável e incompreensível. Para entender isso é preciso entender a relação entre Deus e o homem, a autocomunicação de Deus pela graça como constituição transcendental do homem. O ser pessoal de Deus
  7. 7.  O conhecimento de Deus como pessoa se dá quando o ser humano o experimenta, em sua experiência histórica. “O homem se percebe como tendo origem em outro e como sendo dado a si mesmo por outro – POR OUTRO, portanto que ele não pode falsamente interpretar como se fora um princípio impessoal e como se fora uma coisa.” (p. 96) Quando se dá esse conhecimento?
  8. 8.  Pela graça ele se oferece ao homem e o abre à transcendência. O ser pessoal de Deus é o fundamento da pessoa que somos chamados a ser. O homem está fundado no Absoluto que é Deus
  9. 9.   Quando somos afetados por sua presença amorosa junto a nós, conhecemos Deus por experiência.  Tudo o que, em nossa experiência histórica, nos abre ao Mistério que, desde sempre, se oferece a nós para que possamos nos realizar como seres de liberdade e responsabilidade é, para nós, experiência de Deus.  A experiência de proximidade imediata de Deus é, portanto, sempre mediada pela relação com o mundo e com os outros, uma vez que Deus está em toda a parte, pois é quem tudo fundamenta. Experiência de Deus A condição de criatura do homem
  10. 10.   “O termo ‘condição de criatura’ interpreta corretamente essa experiência original da relação entre nós e Deus.”  “... refere-se a uma relação cuja natureza só podemos descobrir no seio da experiência transcendental como tal e não no fato de uma coisa fundar-se em outra do mesmo gênero dela, não no fenômeno empírico, que consiste em que um fenômeno no interior de nossa experiência categorial possui conexão funcional com outro fenômeno.” (p. 97) A condição de criatura
  11. 11.  Criação e condição de criatura não indicam evento dado num momento O que propriamente significa “relação de criatura”, “ser criado”, “criação”, não aponta “a um primeiro momento do tempo em que ocorreu a criação da realidade a que se trata, mas significam um processo que se acha em andamento e é atual, que para todo ser existente está ocorrendo agora da mesma forma como ocorreu em um momento anterior do tempo de sua existência, ainda que essa criação continuada seja a de um existente que se estende no tempo.” (p. 98)
  12. 12.  A condição de criatura como radical diferença e radical dependência de Deus  “Deus deve ser absolutamente diverso. Do contrário seria objeto de conhecer conceitual, e não o fundamento deste conhecer.”  “A doutrina cristã chama esta singular relação entre Deus e o mundo de condição criada do mundo, sua criaturidade.” (p. 99)  Deus é o “de onde” e o “para onde” de nossa transcendência, o horizonte infinito que abre ao humano possibilidades ilimitadas.  O mundo depende radicalmente de Deus, sem tornar Deus dependente do mundo.  Essa dependência do mundo não existe “necessariamente”. Ele é querida por Deus. É livremente estabelecida por Deus. (p. 99)
  13. 13.  Radical dependência e genuína autonomia  “O próprio Deus é quem estabelece a criatura e a distinção dela com referência a si.”  Portanto, a criatura é realidade genuína e distinta de Deus, e “não mera aparência por detrás da qual se esconde Deus e sua realidade”. (p. 100) “Nós e as realidades existentes do nosso mundo existimos real e verdadeiramente e somos distintos de Deus não apesar, mas por causa de sermos estabelecidos no ser por Deus e não por outra realidade qualquer.” (p.100)
  14. 14.  Radical dependência e genuína autonomia  É no encontro pessoal com o absoluto que, segundo Rahner, funda-se a possibilidade de ser. O humano experimenta-se como criatura, radicalmente dependente de Deus e, ao mesmo tempo, genuinamente autônoma.  “Somente quando a pessoa se percebe como sujeito livre e responsável perante Deus e assume essa responsabilidade é que ela entende o que seja autonomia e que esta não decresce, mas aumenta na mesma proporção que a dependência com referência a Deus.” (p. 101)
  15. 15.  Denuminização do mundo  O mundo, livremente estabelecido por Deus, dele verdadeiramente se origina, mas não da forma como Deus se possui a si mesmo. O mundo não é Deus mesmo.  O mundo não pode ser considerado como “natureza sagrada”, mas como material disponível para a atividade criadora do homem.  Denuminização - como que uma desdivinização, desencantamento do mundo.  Numinoso é um conceito que na filosofia da religião de Rudolf Otto está ligado ao irracional, que seria o território onde atua o Numinoso porque dele emanam os sentimentos de dependência.
  16. 16.   “A religião, tal como concretamente é praticada pelos homens parece sempre e inevitavelmente dizer: ‘Deus está aqui e não lá’, ‘isto está de acordo com sua vontade, não aquilo’, ‘Ele se revelou aqui, não lá’.  A religião da forma como é concretamente praticada parece nem querer nem poder renunciar a uma categorização de Deus.” (p. 104)  “O nosso ponto de partida e perspectiva básica parece dizer-nos o contrário: Deus está em toda parte à medida que é quem tudo fundamenta, e não está em parte nenhuma à medida que toda a realidade por ele fundamentada é criatura, e tudo o que surge assim no âmbito do mundo de nossa experiência é diverso de Deus, separado por abismo absoluto existente entre Deus e a realidade não-divina.” (p. 104) Tensão entre a perspectiva transcendental e religião histórica
  17. 17.  A proximidade imediata para com Deus é uma proximidade mediada pela relação com o mundo e com os outros. A palavra humana, o sacramento, uma igreja, a Sagrada Escritura etc. É indicação categorial da presença transcendental de Deus que se autocomunica ao mundo e possibilita ao humano ser sujeito e pessoa, livre e responsável. Possibilidade de encontrar Deus no mundo
  18. 18.  “Deus opera o mundo e não propriamente no mundo.” No contexto da revelação como experiência de abertura radical ao mistério santo, a ação de Deus no mundo, isto é, a “intervenção”. A “intervenção” adquire sentido de presença que se oferece ao humano (autocomunicação), solicitando acolhida ao mistério santo que possibilita o ser, isto é, o agir livre e responsável. (p. 109) O agir de Deus
  19. 19.  “Quando e à medida que alguma coisa, não só na teoria, mas na realização concreta da liberdade, se insere positivamente na livre relação para com Deus como objetivação e mediação desta, torna-se, de fato, inspiração, ato, por pequeno que seja, da providência de Deus, como costumamos dizer em linguagem religiosa, trata-se de intervenção especial de Deus.” ( p. 112) Deus nos dá inspirações?

×