Inovação - Tripulantes: Élcio, Ralf, Sam, Suely, Taísa e Theresa

90 visualizações

Publicada em

Turbulências - Grupo C
Tripulantes: Élcio, Ralf, Sam, Suely, Taísa e Theresa
Formação de Tutores InMídias - UFG - 2016

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
90
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Inovação - Tripulantes: Élcio, Ralf, Sam, Suely, Taísa e Theresa

  1. 1. INOVAÇÃO Conceito  Combinações de processo e produtos, que envolve novas tecnologias e combina com as já existentes.
  2. 2. INOVAÇÃO  Mas, inseridas as tecnologias e trabalhando com as mesmas, como atingir o futuro da aprendizagem?
  3. 3. Resolvendo a questão: Escola nas Nuvens Figura 1. Sugata Mittra. Disponível em: < https://www.ted.com/speakers/sugata_mitra/ >. Acesso: 15 Out. 2016.
  4. 4. Atentando-se em: Restaurar os meios de se colaborar e incentivar; Figura 2. Trabalho Colaborativo. Disponível em: < http://questaodecoaching.com.br/2012/07/13/colaboracao-trabalho-em-equipe/>. Acesso: 15 Out. 2016.
  5. 5. Apostar na realidade do futuro, às crianças; Figura 3. Visão do Futuro. Disponível em: < http://www.matildefilmes.com.br/por-que-apostar-no-video-infantil-para-alcancar-as-criancas/>. Acesso: 15 Out. 2016.
  6. 6. Professor mediador, em movimento, e observador não apenas transmissor de mensagens; Figura 4. Observando. Disponível em: < http://br.kapihospital.com/medico-online/ >. Acesso: 15 Out. 2016.
  7. 7. Deixar o aprendizado acontecer e consequentemente surgir... Figura 5. Surgimento da Aprendizagem. Disponível em: < http://gestaoescolar.org.br/aprendizagem/reforco-funciona-recuperacao-niveis-aprendizagem-600423.shtml. > Acesso: 15 Out. 2016.
  8. 8. Mitra (2013), a partir de pressupostos ousados, testados em um laboratório de ensino na Índia, onde crianças podem explorar e aprender umas com as outras - usando recursos e monitoria da nuvem, nos remete a pensar em toda essa questão, sobre o destino da aprendizagem, e nos faz perceber como algo curioso e simples de ser entendido, propondo a construção de ambientes de aprendizado auto- organizáveis, ou seja, uma auto-organização educacional.
  9. 9. Tudo isso pode ser visto como o destino da educação, um cenário onde as tecnologias terão um papel substancial no processo de formação do indivíduo.
  10. 10. Assim o professor torna-se tão ou mais importante uma vez que sua mediação não se limita apenas ao “como” usar as tecnologias para a aprendizagem, mas, além disso, ao “por que” usar essas tecnologias. Figura 6. Mídias na Educação. Disponível em: < http://slideplayer.com.br/slide/8650596/. > Acesso: 15 Out. 2016.
  11. 11. Mas, ainda nos cabe refletir: As tecnologias, por si só, são a solução? Figura 7. O Primata Refletindo. Disponível em: < https://pixabay.com/pt/primaz-macaco-pensamento-imitar-1019101/> Acesso: 15 Out. 2016.
  12. 12. Seria, apenas uma das soluções, e não A SOLUÇÃO! Para solucionar o professor deve:  Utilizar da sua mediação para disseminar entre os alunos a proposta de analisar criticamente o “por que” da utilização das tecnologias em seu processo de ensino e aprendizagem.  Buscar superar o engessamento e a concepção existente de que basta ter acesso aos meios tecnológicos e informacionais para se ter efetivamente conhecimento.  Conduzir e incentivar o aluno a construir o seu aprendizado, ao invés de simplesmente permanecer como receptáculo de informações, concordando ou discordando sem refletir..
  13. 13. Não se trata de tarefa fácil, uma vez que quanto mais tecnologias, maior a velocidade das informações e nem sempre é possível acompanhar essa velocidade.
  14. 14. Com isso, a seleção dessas informações torna-se imprescindível para o crescimento de ambos – professor e aluno – no intuito de trabalharem e construírem conhecimento de forma reflexiva, abrangendo o conceito de letramento digital que, conforme Duran (2009), “mais do que ensinar sobre o que fazer com os meios”, deve “propiciar oportunidades de aprendizagem sobre a importância dos fins”.
  15. 15. Referências Bibliográficas DURAN, Débora. Educação na cibercultura: os desafios do letramento digital. In: XIX Simpósio de Estudos e Pesquisas da Faculdade de Educação da USP, 2009, São Paulo. Anais do Simpósio de Estudos e Pesquisas da Faculdade de Educação da USP, 2009. MITRA, S. Construa uma escola na nuvem. TED, 2013. Disponível em:<https://www.ted.com/talks/sugata_mitra_build_a_school_in_the _cloud?language=pt-br>. Acesso: 13 Out. 2016.

×