SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Escola Nacional de Seguros

 MBA Executivo em Seguros e
        Resseguros

     CENÁRIOS ECONÔMICOS
         Professor Gustavo Melo



A INFLUÊNCIA DA TAXA DE JUROS NO
MERCADO DE SEGUROS E FUNDOS DE
             PENSÃO




                        Pier Domenico Rodrigues Ietto
ÍNDICE


1    INTRODUÇÃO .......................................................................................................... 2

2    TAXA SELIC E A ECONOMIA .................................................................................. 3

3    IMPACTOS NAS SEGURADORAS E FUNDOS DE PENSÃO................................... 4

4    CONCLUSÃO ............................................................................................................. 6

5    FONTES DE PESQUISA............................................................................................ 7




                                                                                                                        1
1      INTRODUÇÃO

        Quando se fala em taxa de juros, podemos recorrer à definição do dicionário
Houaiss, como "quantia que remunera um credor pelo uso de seu dinheiro por parte
de um devedor durante um período determinado, ger. uma percentagem sobre o que
foi emprestado; soma cobrada de outrem, pelo seu uso, por quem empresta o
dinheiro". De uma forma mais simples, é a remuneração que o detentor do dinheiro
cobra para conceder um empréstimo. No caso da ação do Governo na economia,
este determina uma taxa básica de juros que norteia a economia brasileira e a
negociação dos títulos públicos registrados no Banco Central.


        Assim, podemos dizer que a taxa de juros tem um papel estratégico nas
decisões dos mais variados agentes econômicos. Por exemplo, nas empresas as
taxas de juros norteiam as decisões quando a compra de equipamentos, insumos,
montante de capital de giro, entre outros. Já na vida das pessoas comuns, os
consumidores, essas taxas nortearão seu poder de compra também em função de
sua volatilidade.


       Essas decisões se baseiam no patamar da taxa de juros, pois este influencia
o volume do consumo de bens pelos consumidores e o nível de financiamento desses
bens.


        Em se tratando do mercado internacional, que também é afetado pelas taxas
de juros determinadas por cada país, a fixação de uma taxa de juros local está
relacionado com a demanda de crédito nos mercados financeiros internacionais.
Assim, podemos afirmar que um país detentor de uma taxa de juros local alta,
considerando seu risco de crédito dentro dos padrões aceitáveis, atrairá muitos
recursos estrangeiros que visam o retorno financeiro oferecido por essas taxas de
juros, ou seja, o movimento de capitais financeiros internacionais estará
condicionado aos diferentes níveis de taxas de juros locais entre os países.


         No Brasil essa taxa local é chamada de taxa SELIC (Sistema Especial de
Liquidação e Custódia) e a responsabilidade pela sua divulgação periódica é o Comitê
de Política Monetária (COPOM). A taxa SELIC é o índice pelo qual as taxas de juros
cobradas no mercado são balizadas no Brasil, ou seja, é chamada de taxa básica de
referência, em face de sua utilização pela política monetária do governo, a fim de
embasar o cálculo das demais taxas de juros de todo o crédito na economia. Ainda, é
utilizada pelo Governo com intuito de controlar a inflação.




                                                                                  2
2      TAXA SELIC E A ECONOMIA

         Sendo a taxa Selic o instrumento utilizado pelo Governo para controlar a
inflação.


         A redução dessa taxa implica na redução das aplicações nos títulos da dívida
pública e uma busca por investimento que tenham retorno melhor que o pago pelo
Governo naqueles títulos. Assim, como há redução desses investimentos em títulos
públicos, há uma maior circulação de dinheiro no mercado, aumentando o crédito.
Esse aumento da demanda de produtos e serviços aquece a economia, o que pode
ocasionar aumento dos preços e, consequentemente, da inflação. Em geral, se
percebe uma migração de recursos que, antes eram investidos nos títulos do
Governo, de Renda Fixa, para a Bolsa de Valores, ou seja, o mercado de ações.
Ainda, se percebe também a redução dos recursos externos investidos nos títulos
públicos brasileiros, pois, enquanto a taxa SELIC é alta, os países estrangeiros
mantêm seus recursos investidos nesses títulos visando o retorno financeiro, mesmo
o Brasil apresentando maior risco de solvência. Entretanto, a redução dessa taxa faz
com que o risco de deixar os recursos investidos nos títulos brasileiros não compense
o baixo retorno financeiro e o Governo fica com menos recursos, pois é por meio da
emissão e venda desses títulos que o Governo toma empréstimos para financiar a
dívida pública no país e outras atividades como educação, saúde e infraestrutura.


        Por outro lado, havendo o aumento da taxa básica de juros, a SELIC, o
Governo inibe o consumo e os investimentos. Por consequência, há uma
desaceleração da economia o que evita o aumento dos preços, ou seja, é um
mecanismo de inibição de inflação. O movimento de recursos financeiros é o oposto,
já que a remuneração para pelos títulos de Renda Fixa aumenta e, em função do
menor risco quando comparados aos investimentos no mercado financeiro, os
investidores na hora de diversificar seus recursos, optam por alocar uma grande
parte nos títulos do Governo.




                                                                                   3
3   IMPACTOS NAS SEGURADORAS E FUNDOS DE
PENSÃO

         Desde o ano passado, mais precisamente desde 31/08/2012, o Banco Central
iniciou o atual ciclo de corte básica de juros (a Selic) com uma redução de 0,5 da
Selic, e assim, até a última reunião, a qual definiu a taxa de 7,25%a.a., estamos
acompanhando um processo de redução gradativa nessa taxa, fato este que
surpreendeu tanto os investidores quanto os analistas do mercado.


         Entretanto, pelo que já expusemos anteriormente sobre a redução da taxa
SELIC, quando analisamos mais especificamente o mercado de seguros e as
Seguradoras, observamos que o recuo da taxa básica de juros vai afetar os ganhos
financeiros em função das aplicações mantidas observados os limites determinados
pela SUSEP, podendo fazer com que haja reajuste nos preços dos seguros, pois
muitas Seguradoras contavam com os resultados das aplicações para manter
prêmios sem realidade tarifária. Entretanto, a redução da Selic pode provocar uma
retomada do crescimento, pois mencionamos essa redução implica no aumento do
volume de dinheiro em circulação no mercado, o que aliado à estabilidade
econômica, aumenta o poder de compra do consumidor, o que pode aumentar o
consumo no mercado segurador, aumentando os resultados operacionais, o que
implicaria na redução da dependência dos ganhos financeiros por parte das
Seguradoras.


        Assim, percebe-se que as Seguradoras estão fazendo ajustes significativos
nas suas estruturas, afim de conviver com esse cenário de taxas de juros baixas sem
deixar de trazer o retorno dos acionistas.


        Uma diferença entre os impactos dessa redução é quando isolamos
diferentes ramos. Ou seja, seguradoras com foco em vida devem ser mais afetas,
haja vista que seus ativos devem ser capitalizados por maior tempo afim de cobrir
um plano de previdência ou seguro de vida. Ou seja, são contratos longos. Já as
seguradoras de ramos elementares devem ser menos afetadas por terem contratos
curtos, de um ano no máximo.


        Assim, algumas alternativas para compensar os baixos índices de retorno
provocados pela redução das taxas de juros são o aumento do preço dos seguros,
aumento do portfólio, aumento da área de abrangência e redução dos custos. Ainda,
uma outra solução, embora empenha maior risco às Seguradoras é aplicar os
recursos garantidores em ativos de maior risco, ou seja, no mercado de ações,
visando aumentar o retorno dessa carteira de investimentos.


        Quando falamos dos Fundos de Pensão, ou seja, a Previdência Fechada, nos
referimos aos fundos que garantem um benefício ao seu participante quando da sua
                                                                                 4
aposentadoria, ou a pensão aos seus dependentes. Desta forma, por ser um fundo
ligado a uma Patrocinadora e não visar lucros (apenas cobra taxa de administração
para fazer frente aos compromissos administrativos) toda a rentabilidade auferida
pelo fundo se reverte para os participantes e patrocinadora, no sentido de reduzir
contribuições normais futuras e/ou aumentar benefícios.


         Assim, o fundo tem que capitalizar os valores pagos de contribuição, tanto
de participante quanto de patrocinadoras (em alguns casos os assistidos também
participam do custeio normal do Plano) afim de garantir que os ativos cubram o
passivo que garante todos os benefícios que falamos anteriormente.


        Para avaliar o quando de recursos financeiro o Plano precisará para pagar os
compromissos e calculado e, para comparar com o Ativo do Plano, que é posicionado
na data presente, é necessário calcular esses compromissos também na data de
hoje. Assim, é utilizada a taxa de desconto atuarial para descapitalizar o
compromisso até a data que o ativo está posicionado. Desta forma, procura-se
investimentos que capitalizem os ativos do Plano a taxas superiores as utilizadas
para avaliar os compromisso à data presente, fazendo com que o ganho financeiro
sobre os ativos gerem superávit ao Plano e este permaneça solvente.


        Entretanto, a redução das taxas de juros fizeram com que os ativos dos
Planos não atingissem mais os níveis superiores às taxas de avaliação dos
compromissos, fazendo com que essas taxas fossem reduzidas às taxas de retorno
dos Ativos. Isso impactou no aumento significativo dos Passivos atuariais, ou seja,
das Provisões Matemáticas, pois se o Plano aplica a uma taxa menor, logo, deve ter
mais dinheiro hoje para se chegar ao mesmo patamar do compromisso no futuro.
Cabe destacar que a taxa de retorno é a premissa atuarial de maior impacto quando
de uma alteração.




                                                                                  5
4      CONCLUSÃO

        Por fim, cabe uma discussão sobre a manutenção da taxa SELIC a patamares
tão reduzidos, pois acaba por afugentar os investimentos externos, fazendo com que
os investidor, mesmo tendo retorno nulo ou até negativo, prefira investir em títulos
de seu país de origem a arriscar seu patrimônio investindo em títulos brasileiros que
darão retorno real, desconsiderando a inflação, no máximo 4%a.a.


        Por curiosidade, fazendo uma conta considerando a taxa de juros real de
1991 até 1998 (aproximadamente 22% ao ano), em uma aplicação em um fundo de
renda fixa atrelado ao DI, grosso modo, o patrimônio em termos reais dobrava em
menos de 4 anos (3,5 anos para ser mais exatos).


        Com a taxa de juros real média de 2003 a 2006 (11,3% ao ano), uma
aplicação de renda fixa DI dobraria o patrimônio em um prazo de 6,5 anos.


         Já hoje, com a perspectiva de uma taxa de juros real de no máximo 4%
acima da inflação, em investimentos de papéis de longo prazo do Tesouro, o esforço
de acumulação tem que ser significativamente maior, pois essas aplicações em
títulos pós-fixados levam 18 anos para dobrar o patrimônio.


        Assim, as Seguradoras e Fundos de Pensão terão que se desdobrar afim de
continuar a ter o lucro operacional, em se tratando de Seguradora, e para garantir a
solvência dos Planos, em face da redução dos juros e manutenção dos níveis de
benefício garantido dos participantes.




                     Rio de Janeiro, 16 de novembro de 2012.


                                                  Pier Domenico Rodrigues Ietto


                                      MBA Executivo em Seguros e Resseguros
                                                             Cenários Econômicos
                                                          Professor Gustavo Melo
                                                      Escola Nacional de Seguros




                                                                                   6
5      FONTES DE PESQUISA

       Busca do material sobre impacto da redução da Taxa Selic no Mercado de
Seguros:


      Jornal do Comércio
      Portal de Notícias –   CNSeg
      Portal de Notícias –   SEGS
      Portal de Notícias –   Gente & Mercado
      Portal de Notícias –   Blog Favre
      Portal de Notícias –   Monitor Mercantil
      Portal de Notícias –   O Globo
      Portal de Notícias –   Icatu Seguros




                                                                                7

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Como Investir no Tesouro Direto
Como Investir no Tesouro DiretoComo Investir no Tesouro Direto
Como Investir no Tesouro DiretoRafaelPSilva
 
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosAula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosMilton Henrique do Couto Neto
 
Gestão financeira introdução e matemática financeira - juros simples e comp...
Gestão financeira   introdução e matemática financeira - juros simples e comp...Gestão financeira   introdução e matemática financeira - juros simples e comp...
Gestão financeira introdução e matemática financeira - juros simples e comp...Ueliton da Costa Leonidio
 
(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro josé robert...
(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro   josé robert...(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro   josé robert...
(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro josé robert...conseplansp
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aulaThassi
 
O cálculo da poupança precisa mudar para o bem do Brasil, 20/03/2012 - Estudo...
O cálculo da poupança precisa mudar para o bem do Brasil, 20/03/2012 - Estudo...O cálculo da poupança precisa mudar para o bem do Brasil, 20/03/2012 - Estudo...
O cálculo da poupança precisa mudar para o bem do Brasil, 20/03/2012 - Estudo...FecomercioSP
 
Modulo1 tesouro direto (2017)
Modulo1 tesouro direto (2017)Modulo1 tesouro direto (2017)
Modulo1 tesouro direto (2017)Marcos E Silva
 
TLP e os impactos nos financiamentos do BNDES
TLP e os impactos nos financiamentos do BNDESTLP e os impactos nos financiamentos do BNDES
TLP e os impactos nos financiamentos do BNDESBNDES
 
Banco Pine - Apresentação Institucional 1T12
Banco Pine - Apresentação Institucional 1T12Banco Pine - Apresentação Institucional 1T12
Banco Pine - Apresentação Institucional 1T12Banco Pine
 
Educação Financeira - 6 pontos para o sucesso
Educação Financeira - 6 pontos para o sucessoEducação Financeira - 6 pontos para o sucesso
Educação Financeira - 6 pontos para o sucessoKenneth Corrêa
 
Apresentação Institucional 2T13
Apresentação Institucional 2T13Apresentação Institucional 2T13
Apresentação Institucional 2T13Kianne Paganini
 
Gesfin 01 - conceitos gerais de finanças e juros simples
Gesfin   01 - conceitos gerais de finanças e juros simplesGesfin   01 - conceitos gerais de finanças e juros simples
Gesfin 01 - conceitos gerais de finanças e juros simplesFabio Lima
 

Mais procurados (20)

Calculo Financeiro Mi
Calculo Financeiro MiCalculo Financeiro Mi
Calculo Financeiro Mi
 
O valor do dinheito e o tempo
O valor do dinheito e o tempoO valor do dinheito e o tempo
O valor do dinheito e o tempo
 
Pós - Matemática Financeira
Pós - Matemática FinanceiraPós - Matemática Financeira
Pós - Matemática Financeira
 
Como Investir no Tesouro Direto
Como Investir no Tesouro DiretoComo Investir no Tesouro Direto
Como Investir no Tesouro Direto
 
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e DerivativosAula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
Aula Pós - Instrumentos de Renda Fixa, Variável e Derivativos
 
Gestão financeira introdução e matemática financeira - juros simples e comp...
Gestão financeira   introdução e matemática financeira - juros simples e comp...Gestão financeira   introdução e matemática financeira - juros simples e comp...
Gestão financeira introdução e matemática financeira - juros simples e comp...
 
(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro josé robert...
(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro   josé robert...(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro   josé robert...
(Alguns) dilemas da política fiscal e do federalismo brasileiro josé robert...
 
Plano de aula
Plano de aulaPlano de aula
Plano de aula
 
O que saber? Renda Fixa
O que saber? Renda FixaO que saber? Renda Fixa
O que saber? Renda Fixa
 
O cálculo da poupança precisa mudar para o bem do Brasil, 20/03/2012 - Estudo...
O cálculo da poupança precisa mudar para o bem do Brasil, 20/03/2012 - Estudo...O cálculo da poupança precisa mudar para o bem do Brasil, 20/03/2012 - Estudo...
O cálculo da poupança precisa mudar para o bem do Brasil, 20/03/2012 - Estudo...
 
Renda fixa
Renda fixaRenda fixa
Renda fixa
 
Modulo1 tesouro direto (2017)
Modulo1 tesouro direto (2017)Modulo1 tesouro direto (2017)
Modulo1 tesouro direto (2017)
 
7 - 2014 taxas de juros
7  - 2014 taxas de juros7  - 2014 taxas de juros
7 - 2014 taxas de juros
 
Matemática
MatemáticaMatemática
Matemática
 
TLP e os impactos nos financiamentos do BNDES
TLP e os impactos nos financiamentos do BNDESTLP e os impactos nos financiamentos do BNDES
TLP e os impactos nos financiamentos do BNDES
 
Fundos de Investimento
Fundos de InvestimentoFundos de Investimento
Fundos de Investimento
 
Banco Pine - Apresentação Institucional 1T12
Banco Pine - Apresentação Institucional 1T12Banco Pine - Apresentação Institucional 1T12
Banco Pine - Apresentação Institucional 1T12
 
Educação Financeira - 6 pontos para o sucesso
Educação Financeira - 6 pontos para o sucessoEducação Financeira - 6 pontos para o sucesso
Educação Financeira - 6 pontos para o sucesso
 
Apresentação Institucional 2T13
Apresentação Institucional 2T13Apresentação Institucional 2T13
Apresentação Institucional 2T13
 
Gesfin 01 - conceitos gerais de finanças e juros simples
Gesfin   01 - conceitos gerais de finanças e juros simplesGesfin   01 - conceitos gerais de finanças e juros simples
Gesfin 01 - conceitos gerais de finanças e juros simples
 

Destaque

Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015
Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015
Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015Alex Araujo
 
Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016Wagner Gonsalez
 
O caminho do existir
O caminho do existirO caminho do existir
O caminho do existirTácito Silva
 
Análise das modificações lei de inovação
Análise das modificações lei de inovação  Análise das modificações lei de inovação
Análise das modificações lei de inovação Rede Inova São Paulo
 
QUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPAL
QUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPALQUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPAL
QUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPALDaniel Veras, PhD
 
Inovação - Tripulantes: Élcio, Ralf, Sam, Suely, Taísa e Theresa
Inovação - Tripulantes: Élcio, Ralf, Sam, Suely, Taísa e Theresa Inovação - Tripulantes: Élcio, Ralf, Sam, Suely, Taísa e Theresa
Inovação - Tripulantes: Élcio, Ralf, Sam, Suely, Taísa e Theresa Turbulências Grupo C
 
Makerspaces e hubs de inovação
Makerspaces e hubs de inovaçãoMakerspaces e hubs de inovação
Makerspaces e hubs de inovaçãoGabriela Agustini
 
Tomada de decisão nas organizações
Tomada de decisão nas organizaçõesTomada de decisão nas organizações
Tomada de decisão nas organizaçõesRicardo Rodrigues
 
Micro serviços como ferramenta de inovação
Micro serviços como ferramenta de inovaçãoMicro serviços como ferramenta de inovação
Micro serviços como ferramenta de inovaçãoPedro Henrique
 
Análise de Cenário
Análise de CenárioAnálise de Cenário
Análise de CenárioGlobal Map
 
"Neurociência do Consumidor" - Palestra de Pedro Camargo - Seminário: "O Negó...
"Neurociência do Consumidor" - Palestra de Pedro Camargo - Seminário: "O Negó..."Neurociência do Consumidor" - Palestra de Pedro Camargo - Seminário: "O Negó...
"Neurociência do Consumidor" - Palestra de Pedro Camargo - Seminário: "O Negó...O Negócio do Varejo
 
As Cidades na Era da Inovação Continuada
As Cidades na Era da Inovação ContinuadaAs Cidades na Era da Inovação Continuada
As Cidades na Era da Inovação ContinuadaCESAR
 
Tecnologia e Inovação na Educação Profissional: Construindo Ambientes de apre...
Tecnologia e Inovação na Educação Profissional: Construindo Ambientes de apre...Tecnologia e Inovação na Educação Profissional: Construindo Ambientes de apre...
Tecnologia e Inovação na Educação Profissional: Construindo Ambientes de apre...MAIKON.biz
 
Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...
Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...
Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...MAIKON.biz
 
Tomada de Decisão e Cenários - Módulo 5
Tomada de Decisão e Cenários - Módulo 5Tomada de Decisão e Cenários - Módulo 5
Tomada de Decisão e Cenários - Módulo 5Dafne Morais
 
Tomada de Decisão - 1 e 2
Tomada de Decisão - 1 e 2 Tomada de Decisão - 1 e 2
Tomada de Decisão - 1 e 2 Dafne Morais
 
Análise de cenários econômicos
Análise de cenários econômicosAnálise de cenários econômicos
Análise de cenários econômicosMauri1969
 

Destaque (20)

Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015
Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015
Conjuntura e análise de cenário para o primeiro semestre de 2015
 
Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016Cenários econômicos Brasil 2016
Cenários econômicos Brasil 2016
 
O caminho do existir
O caminho do existirO caminho do existir
O caminho do existir
 
Análise das modificações lei de inovação
Análise das modificações lei de inovação  Análise das modificações lei de inovação
Análise das modificações lei de inovação
 
QUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPAL
QUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPALQUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPAL
QUADRO_CONJUNTURAL_NO_ÂMBITO_MUNICIPAL
 
Inovação - Tripulantes: Élcio, Ralf, Sam, Suely, Taísa e Theresa
Inovação - Tripulantes: Élcio, Ralf, Sam, Suely, Taísa e Theresa Inovação - Tripulantes: Élcio, Ralf, Sam, Suely, Taísa e Theresa
Inovação - Tripulantes: Élcio, Ralf, Sam, Suely, Taísa e Theresa
 
Makerspaces e hubs de inovação
Makerspaces e hubs de inovaçãoMakerspaces e hubs de inovação
Makerspaces e hubs de inovação
 
Tomada de decisão nas organizações
Tomada de decisão nas organizaçõesTomada de decisão nas organizações
Tomada de decisão nas organizações
 
Micro serviços como ferramenta de inovação
Micro serviços como ferramenta de inovaçãoMicro serviços como ferramenta de inovação
Micro serviços como ferramenta de inovação
 
Valoração e exploração da PI
Valoração e exploração da PIValoração e exploração da PI
Valoração e exploração da PI
 
Valoração de Ativos Intangíveis
Valoração de Ativos IntangíveisValoração de Ativos Intangíveis
Valoração de Ativos Intangíveis
 
Análise de Cenário
Análise de CenárioAnálise de Cenário
Análise de Cenário
 
"Neurociência do Consumidor" - Palestra de Pedro Camargo - Seminário: "O Negó...
"Neurociência do Consumidor" - Palestra de Pedro Camargo - Seminário: "O Negó..."Neurociência do Consumidor" - Palestra de Pedro Camargo - Seminário: "O Negó...
"Neurociência do Consumidor" - Palestra de Pedro Camargo - Seminário: "O Negó...
 
As Cidades na Era da Inovação Continuada
As Cidades na Era da Inovação ContinuadaAs Cidades na Era da Inovação Continuada
As Cidades na Era da Inovação Continuada
 
Tecnologia e Inovação na Educação Profissional: Construindo Ambientes de apre...
Tecnologia e Inovação na Educação Profissional: Construindo Ambientes de apre...Tecnologia e Inovação na Educação Profissional: Construindo Ambientes de apre...
Tecnologia e Inovação na Educação Profissional: Construindo Ambientes de apre...
 
Planejamento de cenários I
Planejamento de cenários IPlanejamento de cenários I
Planejamento de cenários I
 
Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...
Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...
Permanência e êxito na educação profissional e tecnológica: A experiência do ...
 
Tomada de Decisão e Cenários - Módulo 5
Tomada de Decisão e Cenários - Módulo 5Tomada de Decisão e Cenários - Módulo 5
Tomada de Decisão e Cenários - Módulo 5
 
Tomada de Decisão - 1 e 2
Tomada de Decisão - 1 e 2 Tomada de Decisão - 1 e 2
Tomada de Decisão - 1 e 2
 
Análise de cenários econômicos
Análise de cenários econômicosAnálise de cenários econômicos
Análise de cenários econômicos
 

Semelhante a Trabalho cenários econ pier ietto

Como aplicar seu dinheiro: fatores, princípios e informações
Como aplicar seu dinheiro: fatores, princípios e informaçõesComo aplicar seu dinheiro: fatores, princípios e informações
Como aplicar seu dinheiro: fatores, princípios e informaçõesEdno Santos
 
12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO Anual
12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO Anual12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO Anual
12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO AnualFasup
 
Leitura investimentos
Leitura investimentosLeitura investimentos
Leitura investimentosDione Sousa
 
Finanças - Poupanças e Fundos
Finanças - Poupanças e FundosFinanças - Poupanças e Fundos
Finanças - Poupanças e Fundosdiogopublio
 
O que você deve saber antes de financiar imóvel?
O que você deve saber antes de financiar imóvel?O que você deve saber antes de financiar imóvel?
O que você deve saber antes de financiar imóvel?Gilberto Melo
 
PP 9822 tm Poupança conceitos Básicos.pptx
PP 9822 tm Poupança conceitos Básicos.pptxPP 9822 tm Poupança conceitos Básicos.pptx
PP 9822 tm Poupança conceitos Básicos.pptxScribd917701
 
10 copias modulo 2 - sistema juro composto.pptx
10 copias modulo 2 - sistema juro composto.pptx10 copias modulo 2 - sistema juro composto.pptx
10 copias modulo 2 - sistema juro composto.pptxalcides265514
 
Mecanismos de gestão de ativos e passivos dos fundos de pensão
Mecanismos de gestão de ativos e passivos dos fundos de pensãoMecanismos de gestão de ativos e passivos dos fundos de pensão
Mecanismos de gestão de ativos e passivos dos fundos de pensãoEditora Roncarati
 
Cartilha credito imobiliario
Cartilha credito imobiliarioCartilha credito imobiliario
Cartilha credito imobiliarioanselmo333
 
Tudo o que você sempre quis saber sobre Investimentos
Tudo o que você sempre quis saber sobre InvestimentosTudo o que você sempre quis saber sobre Investimentos
Tudo o que você sempre quis saber sobre InvestimentosYupee
 
Matemática financeira exercicios
Matemática financeira exerciciosMatemática financeira exercicios
Matemática financeira exerciciosBerenice Vinhedo
 

Semelhante a Trabalho cenários econ pier ietto (20)

Materialeconomia2
Materialeconomia2Materialeconomia2
Materialeconomia2
 
Como aplicar seu dinheiro: fatores, princípios e informações
Como aplicar seu dinheiro: fatores, princípios e informaçõesComo aplicar seu dinheiro: fatores, princípios e informações
Como aplicar seu dinheiro: fatores, princípios e informações
 
Investimentos.ppt
Investimentos.pptInvestimentos.ppt
Investimentos.ppt
 
Administração financeira
Administração financeiraAdministração financeira
Administração financeira
 
12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO Anual
12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO Anual12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO Anual
12 3 CapíTulo 03 OrçEmpr PreparaçãO Anual
 
12
1212
12
 
Mercado%20 financeiro
Mercado%20 financeiroMercado%20 financeiro
Mercado%20 financeiro
 
A.f.o
A.f.oA.f.o
A.f.o
 
Leitura investimentos
Leitura investimentosLeitura investimentos
Leitura investimentos
 
Finanças - Poupanças e Fundos
Finanças - Poupanças e FundosFinanças - Poupanças e Fundos
Finanças - Poupanças e Fundos
 
Slides taxa SELIC
Slides taxa SELICSlides taxa SELIC
Slides taxa SELIC
 
Como investir em Títulos Públicos
Como investir em Títulos PúblicosComo investir em Títulos Públicos
Como investir em Títulos Públicos
 
Onde investir em 2012
Onde investir em 2012Onde investir em 2012
Onde investir em 2012
 
O que você deve saber antes de financiar imóvel?
O que você deve saber antes de financiar imóvel?O que você deve saber antes de financiar imóvel?
O que você deve saber antes de financiar imóvel?
 
PP 9822 tm Poupança conceitos Básicos.pptx
PP 9822 tm Poupança conceitos Básicos.pptxPP 9822 tm Poupança conceitos Básicos.pptx
PP 9822 tm Poupança conceitos Básicos.pptx
 
10 copias modulo 2 - sistema juro composto.pptx
10 copias modulo 2 - sistema juro composto.pptx10 copias modulo 2 - sistema juro composto.pptx
10 copias modulo 2 - sistema juro composto.pptx
 
Mecanismos de gestão de ativos e passivos dos fundos de pensão
Mecanismos de gestão de ativos e passivos dos fundos de pensãoMecanismos de gestão de ativos e passivos dos fundos de pensão
Mecanismos de gestão de ativos e passivos dos fundos de pensão
 
Cartilha credito imobiliario
Cartilha credito imobiliarioCartilha credito imobiliario
Cartilha credito imobiliario
 
Tudo o que você sempre quis saber sobre Investimentos
Tudo o que você sempre quis saber sobre InvestimentosTudo o que você sempre quis saber sobre Investimentos
Tudo o que você sempre quis saber sobre Investimentos
 
Matemática financeira exercicios
Matemática financeira exerciciosMatemática financeira exercicios
Matemática financeira exercicios
 

Trabalho cenários econ pier ietto

  • 1. Escola Nacional de Seguros MBA Executivo em Seguros e Resseguros CENÁRIOS ECONÔMICOS Professor Gustavo Melo A INFLUÊNCIA DA TAXA DE JUROS NO MERCADO DE SEGUROS E FUNDOS DE PENSÃO Pier Domenico Rodrigues Ietto
  • 2. ÍNDICE 1 INTRODUÇÃO .......................................................................................................... 2 2 TAXA SELIC E A ECONOMIA .................................................................................. 3 3 IMPACTOS NAS SEGURADORAS E FUNDOS DE PENSÃO................................... 4 4 CONCLUSÃO ............................................................................................................. 6 5 FONTES DE PESQUISA............................................................................................ 7 1
  • 3. 1 INTRODUÇÃO Quando se fala em taxa de juros, podemos recorrer à definição do dicionário Houaiss, como "quantia que remunera um credor pelo uso de seu dinheiro por parte de um devedor durante um período determinado, ger. uma percentagem sobre o que foi emprestado; soma cobrada de outrem, pelo seu uso, por quem empresta o dinheiro". De uma forma mais simples, é a remuneração que o detentor do dinheiro cobra para conceder um empréstimo. No caso da ação do Governo na economia, este determina uma taxa básica de juros que norteia a economia brasileira e a negociação dos títulos públicos registrados no Banco Central. Assim, podemos dizer que a taxa de juros tem um papel estratégico nas decisões dos mais variados agentes econômicos. Por exemplo, nas empresas as taxas de juros norteiam as decisões quando a compra de equipamentos, insumos, montante de capital de giro, entre outros. Já na vida das pessoas comuns, os consumidores, essas taxas nortearão seu poder de compra também em função de sua volatilidade. Essas decisões se baseiam no patamar da taxa de juros, pois este influencia o volume do consumo de bens pelos consumidores e o nível de financiamento desses bens. Em se tratando do mercado internacional, que também é afetado pelas taxas de juros determinadas por cada país, a fixação de uma taxa de juros local está relacionado com a demanda de crédito nos mercados financeiros internacionais. Assim, podemos afirmar que um país detentor de uma taxa de juros local alta, considerando seu risco de crédito dentro dos padrões aceitáveis, atrairá muitos recursos estrangeiros que visam o retorno financeiro oferecido por essas taxas de juros, ou seja, o movimento de capitais financeiros internacionais estará condicionado aos diferentes níveis de taxas de juros locais entre os países. No Brasil essa taxa local é chamada de taxa SELIC (Sistema Especial de Liquidação e Custódia) e a responsabilidade pela sua divulgação periódica é o Comitê de Política Monetária (COPOM). A taxa SELIC é o índice pelo qual as taxas de juros cobradas no mercado são balizadas no Brasil, ou seja, é chamada de taxa básica de referência, em face de sua utilização pela política monetária do governo, a fim de embasar o cálculo das demais taxas de juros de todo o crédito na economia. Ainda, é utilizada pelo Governo com intuito de controlar a inflação. 2
  • 4. 2 TAXA SELIC E A ECONOMIA Sendo a taxa Selic o instrumento utilizado pelo Governo para controlar a inflação. A redução dessa taxa implica na redução das aplicações nos títulos da dívida pública e uma busca por investimento que tenham retorno melhor que o pago pelo Governo naqueles títulos. Assim, como há redução desses investimentos em títulos públicos, há uma maior circulação de dinheiro no mercado, aumentando o crédito. Esse aumento da demanda de produtos e serviços aquece a economia, o que pode ocasionar aumento dos preços e, consequentemente, da inflação. Em geral, se percebe uma migração de recursos que, antes eram investidos nos títulos do Governo, de Renda Fixa, para a Bolsa de Valores, ou seja, o mercado de ações. Ainda, se percebe também a redução dos recursos externos investidos nos títulos públicos brasileiros, pois, enquanto a taxa SELIC é alta, os países estrangeiros mantêm seus recursos investidos nesses títulos visando o retorno financeiro, mesmo o Brasil apresentando maior risco de solvência. Entretanto, a redução dessa taxa faz com que o risco de deixar os recursos investidos nos títulos brasileiros não compense o baixo retorno financeiro e o Governo fica com menos recursos, pois é por meio da emissão e venda desses títulos que o Governo toma empréstimos para financiar a dívida pública no país e outras atividades como educação, saúde e infraestrutura. Por outro lado, havendo o aumento da taxa básica de juros, a SELIC, o Governo inibe o consumo e os investimentos. Por consequência, há uma desaceleração da economia o que evita o aumento dos preços, ou seja, é um mecanismo de inibição de inflação. O movimento de recursos financeiros é o oposto, já que a remuneração para pelos títulos de Renda Fixa aumenta e, em função do menor risco quando comparados aos investimentos no mercado financeiro, os investidores na hora de diversificar seus recursos, optam por alocar uma grande parte nos títulos do Governo. 3
  • 5. 3 IMPACTOS NAS SEGURADORAS E FUNDOS DE PENSÃO Desde o ano passado, mais precisamente desde 31/08/2012, o Banco Central iniciou o atual ciclo de corte básica de juros (a Selic) com uma redução de 0,5 da Selic, e assim, até a última reunião, a qual definiu a taxa de 7,25%a.a., estamos acompanhando um processo de redução gradativa nessa taxa, fato este que surpreendeu tanto os investidores quanto os analistas do mercado. Entretanto, pelo que já expusemos anteriormente sobre a redução da taxa SELIC, quando analisamos mais especificamente o mercado de seguros e as Seguradoras, observamos que o recuo da taxa básica de juros vai afetar os ganhos financeiros em função das aplicações mantidas observados os limites determinados pela SUSEP, podendo fazer com que haja reajuste nos preços dos seguros, pois muitas Seguradoras contavam com os resultados das aplicações para manter prêmios sem realidade tarifária. Entretanto, a redução da Selic pode provocar uma retomada do crescimento, pois mencionamos essa redução implica no aumento do volume de dinheiro em circulação no mercado, o que aliado à estabilidade econômica, aumenta o poder de compra do consumidor, o que pode aumentar o consumo no mercado segurador, aumentando os resultados operacionais, o que implicaria na redução da dependência dos ganhos financeiros por parte das Seguradoras. Assim, percebe-se que as Seguradoras estão fazendo ajustes significativos nas suas estruturas, afim de conviver com esse cenário de taxas de juros baixas sem deixar de trazer o retorno dos acionistas. Uma diferença entre os impactos dessa redução é quando isolamos diferentes ramos. Ou seja, seguradoras com foco em vida devem ser mais afetas, haja vista que seus ativos devem ser capitalizados por maior tempo afim de cobrir um plano de previdência ou seguro de vida. Ou seja, são contratos longos. Já as seguradoras de ramos elementares devem ser menos afetadas por terem contratos curtos, de um ano no máximo. Assim, algumas alternativas para compensar os baixos índices de retorno provocados pela redução das taxas de juros são o aumento do preço dos seguros, aumento do portfólio, aumento da área de abrangência e redução dos custos. Ainda, uma outra solução, embora empenha maior risco às Seguradoras é aplicar os recursos garantidores em ativos de maior risco, ou seja, no mercado de ações, visando aumentar o retorno dessa carteira de investimentos. Quando falamos dos Fundos de Pensão, ou seja, a Previdência Fechada, nos referimos aos fundos que garantem um benefício ao seu participante quando da sua 4
  • 6. aposentadoria, ou a pensão aos seus dependentes. Desta forma, por ser um fundo ligado a uma Patrocinadora e não visar lucros (apenas cobra taxa de administração para fazer frente aos compromissos administrativos) toda a rentabilidade auferida pelo fundo se reverte para os participantes e patrocinadora, no sentido de reduzir contribuições normais futuras e/ou aumentar benefícios. Assim, o fundo tem que capitalizar os valores pagos de contribuição, tanto de participante quanto de patrocinadoras (em alguns casos os assistidos também participam do custeio normal do Plano) afim de garantir que os ativos cubram o passivo que garante todos os benefícios que falamos anteriormente. Para avaliar o quando de recursos financeiro o Plano precisará para pagar os compromissos e calculado e, para comparar com o Ativo do Plano, que é posicionado na data presente, é necessário calcular esses compromissos também na data de hoje. Assim, é utilizada a taxa de desconto atuarial para descapitalizar o compromisso até a data que o ativo está posicionado. Desta forma, procura-se investimentos que capitalizem os ativos do Plano a taxas superiores as utilizadas para avaliar os compromisso à data presente, fazendo com que o ganho financeiro sobre os ativos gerem superávit ao Plano e este permaneça solvente. Entretanto, a redução das taxas de juros fizeram com que os ativos dos Planos não atingissem mais os níveis superiores às taxas de avaliação dos compromissos, fazendo com que essas taxas fossem reduzidas às taxas de retorno dos Ativos. Isso impactou no aumento significativo dos Passivos atuariais, ou seja, das Provisões Matemáticas, pois se o Plano aplica a uma taxa menor, logo, deve ter mais dinheiro hoje para se chegar ao mesmo patamar do compromisso no futuro. Cabe destacar que a taxa de retorno é a premissa atuarial de maior impacto quando de uma alteração. 5
  • 7. 4 CONCLUSÃO Por fim, cabe uma discussão sobre a manutenção da taxa SELIC a patamares tão reduzidos, pois acaba por afugentar os investimentos externos, fazendo com que os investidor, mesmo tendo retorno nulo ou até negativo, prefira investir em títulos de seu país de origem a arriscar seu patrimônio investindo em títulos brasileiros que darão retorno real, desconsiderando a inflação, no máximo 4%a.a. Por curiosidade, fazendo uma conta considerando a taxa de juros real de 1991 até 1998 (aproximadamente 22% ao ano), em uma aplicação em um fundo de renda fixa atrelado ao DI, grosso modo, o patrimônio em termos reais dobrava em menos de 4 anos (3,5 anos para ser mais exatos). Com a taxa de juros real média de 2003 a 2006 (11,3% ao ano), uma aplicação de renda fixa DI dobraria o patrimônio em um prazo de 6,5 anos. Já hoje, com a perspectiva de uma taxa de juros real de no máximo 4% acima da inflação, em investimentos de papéis de longo prazo do Tesouro, o esforço de acumulação tem que ser significativamente maior, pois essas aplicações em títulos pós-fixados levam 18 anos para dobrar o patrimônio. Assim, as Seguradoras e Fundos de Pensão terão que se desdobrar afim de continuar a ter o lucro operacional, em se tratando de Seguradora, e para garantir a solvência dos Planos, em face da redução dos juros e manutenção dos níveis de benefício garantido dos participantes. Rio de Janeiro, 16 de novembro de 2012. Pier Domenico Rodrigues Ietto MBA Executivo em Seguros e Resseguros Cenários Econômicos Professor Gustavo Melo Escola Nacional de Seguros 6
  • 8. 5 FONTES DE PESQUISA Busca do material sobre impacto da redução da Taxa Selic no Mercado de Seguros: Jornal do Comércio Portal de Notícias – CNSeg Portal de Notícias – SEGS Portal de Notícias – Gente & Mercado Portal de Notícias – Blog Favre Portal de Notícias – Monitor Mercantil Portal de Notícias – O Globo Portal de Notícias – Icatu Seguros 7