POEMA Fixação material da poesia… … . as palavras, os versos e as estrofes … . o "estado-lírico" do Eu poético
FERRAMENTAS BÁSICAS DE VERSIFICAÇÃO   <ul><li>ESTROFES  </li></ul><ul><li>grupos de versos, que usualmente se repetem de f...
Versos  <ul><li>2 versos=dísticos;  </li></ul><ul><li>3 versos=terceto;  </li></ul><ul><li>4 versos=quadra ou quarteto;  <...
Rima <ul><li>Usam-se as letras do alfabeto para denominar a rima. </li></ul><ul><li>letras iguais=versos com terminação ig...
<ul><li>Intertextualidade </li></ul><ul><li>Relação /”diálogo” entre textos expressos por diferentes linguagens; </li></ul...
Rómulo de Carvalho    (1906 - 1997)   como poeta usa o pseudónimo de  António Gedeão  (ver p.225 do Manual de L. Portugues...
<ul><li>homem da ciência, Rómulo de Carvalho, é um grande poeta.  </li></ul><ul><li>Sob o pseudónimo de António Gedeão enr...
Pedra Filosofal   pedra filosofal  é a  substância mágica  da  alquimia  que permite  a  transmutação dos metais , a  cura...
<ul><li>Eles não sabem que o sonho é vinho, é espuma. é fermento, bichinho alacre e sedento. de focinho pontiagudo, que fo...
<ul><li>Eles não sabem que o sonho é tela, é cor, é pincel, base, fuste, capitel. arco em ogiva, vitral, pináculo de cated...
<ul><li>Eles não sabem, nem sonham, que o sonho comanda a vida. Que sempre que um homem sonha o mundo pula e avança como b...
Sebastião da Gama <ul><li>Pelo sonho é que vamos, comovidos e mudos. Chegamos? Não chegamos? Haja ou não haja frutos, pelo...
HISTÓRIA DO TEATRO <ul><li>http:// www.eps-pedro-santarem.rcts.pt /ESC/ ap / teatro.swf </li></ul>
Sonho  <ul><li>Polissemia </li></ul><ul><li>poli = vários. </li></ul><ul><li>semia = significado </li></ul><ul><li>polisse...
Categorias do texto dramático “Leandro, Rei da Helíria”  de Alice Vieira <ul><li>Personagens </li></ul><ul><li>A través da...
<ul><li>Personagens </li></ul><ul><li>Hortênsia   </li></ul><ul><li>Características:  </li></ul><ul><li>Processo de Caract...
<ul><li>Personagens </li></ul><ul><li>Príncipe Reginaldo   </li></ul><ul><li>Características:  </li></ul><ul><li>Processo ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Intertextualidades Sonho

4.548 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Espiritual
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.548
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
17
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
29
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Intertextualidades Sonho

  1. 1. POEMA Fixação material da poesia… … . as palavras, os versos e as estrofes … . o &quot;estado-lírico&quot; do Eu poético
  2. 2. FERRAMENTAS BÁSICAS DE VERSIFICAÇÃO <ul><li>ESTROFES </li></ul><ul><li>grupos de versos, que usualmente se repetem de forma simétrica no poema. São denominadas conforme o número de versos. </li></ul>
  3. 3. Versos <ul><li>2 versos=dísticos; </li></ul><ul><li>3 versos=terceto; </li></ul><ul><li>4 versos=quadra ou quarteto; </li></ul><ul><li>5 versos=quintilha ou quinteto; </li></ul><ul><li>6 versos=sextilha; </li></ul><ul><li>7 versos=septilha; </li></ul><ul><li>8 versos=oitava; </li></ul><ul><li>9 versos=novena; </li></ul><ul><li>10 versos=décima. </li></ul>
  4. 4. Rima <ul><li>Usam-se as letras do alfabeto para denominar a rima. </li></ul><ul><li>letras iguais=versos com terminação igual </li></ul><ul><li>ABAB = rima cruzada; </li></ul><ul><li>ABBA = rima emparelhada (BB) e interpolada (AA) </li></ul>
  5. 5. <ul><li>Intertextualidade </li></ul><ul><li>Relação /”diálogo” entre textos expressos por diferentes linguagens; </li></ul><ul><li>Ver a capacidade de relacionar textos quanto: </li></ul><ul><li>- ao tema; </li></ul><ul><li>- à forma; </li></ul><ul><li>-às personagens (…) </li></ul><ul><li>INTERTEXTUALIDADE </li></ul><ul><li>Entre as cenas I, II e X do Acto I do texto dramático “Leandro, Rei da Helíria” </li></ul><ul><li>e </li></ul><ul><li>o poema de António Gedeão “Pedra Filosofal” </li></ul>
  6. 6. Rómulo de Carvalho  (1906 - 1997) como poeta usa o pseudónimo de António Gedeão (ver p.225 do Manual de L. Portuguesa ) <ul><li>Nasceu em Lisboa em 1906 e licenciou-se em Ciências Físico-Químicas pela universidade do Porto em 1931. </li></ul><ul><li>Foi professor, pedagogo, cientista e investigador de História das ciências. </li></ul>
  7. 7. <ul><li>homem da ciência, Rómulo de Carvalho, é um grande poeta. </li></ul><ul><li>Sob o pseudónimo de António Gedeão enriqueceu de forma decisiva a literatura portuguesa do século XX. </li></ul><ul><li>Gedeão é autor de inúmeros belos poemas, “A Pedra Filosofal” ou “Lágrima de Preta” são dois exemplos bem conhecidos </li></ul>
  8. 8. Pedra Filosofal pedra filosofal é a substância mágica da alquimia que permite a transmutação dos metais , a cura de todas as doenças e a  imortalidade . Infelizmente, como muitas outras maravilhas sonhadas pelos alquimistas, substância só existe na imaginação <ul><li>http://www.youtube.com/watch?v=J3ireFJ_SII </li></ul><ul><li>Eles não sabem que o sonho é uma constante da vida tão concreta e definida como outra coisa qualquer, como esta pedra cinzenta em que me sento e descanso, como este ribeiro manso, em serenos sobressaltos como estes pinheiros altos que em verde e ouro se agitam como estas aves que gritam em bebedeiras de azul. </li></ul>
  9. 9. <ul><li>Eles não sabem que o sonho é vinho, é espuma. é fermento, bichinho alacre e sedento. de focinho pontiagudo, que fossa através de tudo num perpétuo movimento. </li></ul>
  10. 10. <ul><li>Eles não sabem que o sonho é tela, é cor, é pincel, base, fuste, capitel. arco em ogiva, vitral, pináculo de catedral, contraponto, sinfonia, máscara grega, magia, que é retorta de alquimista, mapa do mundo distante, rosa dos ventos, Infante, caravela quinhentista, que é Cabo da Boa Esperança, ouro, canela, marfim, florete de espadachim, bastidor, passo de dança., Colombina e Arlequim, passarola voadora, para-raios, locomotiva, barco de proa festiva, alto-forno, geradora, cisão do átomo, radar, ultra som televisão desembarque em foguetão na superfície lunar. </li></ul>
  11. 11. <ul><li>Eles não sabem, nem sonham, que o sonho comanda a vida. Que sempre que um homem sonha o mundo pula e avança como bola colorida entre a mãos de uma criança </li></ul><ul><li>In Movimento Perpétuo, 1956 </li></ul>
  12. 12. Sebastião da Gama <ul><li>Pelo sonho é que vamos, comovidos e mudos. Chegamos? Não chegamos? Haja ou não haja frutos, pelo sonho é que vamos. Basta a fé no que temos. Basta a esperança naquilo que talvez não teremos. Basta que a alma demos, com a mesma alegria, ao que desconhecemos e ao que é do dia a dia. Chegamos? Não chegamos? - Partimos. Vamos. Somos. </li></ul>
  13. 13. HISTÓRIA DO TEATRO <ul><li>http:// www.eps-pedro-santarem.rcts.pt /ESC/ ap / teatro.swf </li></ul>
  14. 14. Sonho <ul><li>Polissemia </li></ul><ul><li>poli = vários. </li></ul><ul><li>semia = significado </li></ul><ul><li>polissemia: vários significados para uma mesma palavra </li></ul><ul><li>- fantasia, ficção (“Não se pode viver de sonhos”); </li></ul><ul><li>imagens vistas e imaginadas durante o sono (“sonho bom ou mau”); </li></ul><ul><li>coisa ou pessoa muito bonita; espécie de bolo fofo; </li></ul><ul><li>aspiração ou ambição (“sonho dourado) </li></ul><ul><li>Inacreditável (“parece um sonho”) </li></ul><ul><li>(…) </li></ul><ul><li>http://www.estudiantes.info/sonhos/sonhos_q_r.htm </li></ul>
  15. 15. Categorias do texto dramático “Leandro, Rei da Helíria” de Alice Vieira <ul><li>Personagens </li></ul><ul><li>A través da linguagem e estabelece-se uma primeira oposição entre o rei e o seu bobo, </li></ul><ul><li>revelando posições ideológicas distintas , </li></ul><ul><li>Rei Leandro </li></ul><ul><li>Características: </li></ul><ul><li>Processo de Caracterização: </li></ul><ul><li>Bobo </li></ul><ul><li>Características: </li></ul><ul><li>Processo de Caracterização: </li></ul>
  16. 16. <ul><li>Personagens </li></ul><ul><li>Hortênsia </li></ul><ul><li>Características: </li></ul><ul><li>Processo de Caracterização: </li></ul><ul><li>Amarilis </li></ul><ul><li>Características: </li></ul><ul><li>Processo de Caracterização: </li></ul><ul><li>Violeta </li></ul><ul><li>Características: </li></ul><ul><li>Processo de Caracterização: </li></ul>
  17. 17. <ul><li>Personagens </li></ul><ul><li>Príncipe Reginaldo </li></ul><ul><li>Características: </li></ul><ul><li>Processo de Caracterização: </li></ul><ul><li>Príncipe Felizardo </li></ul><ul><li>Características: </li></ul><ul><li>Processo de Caracterização: </li></ul><ul><li>Príncipe Simplício </li></ul><ul><li>Características: </li></ul><ul><li>Processo de Caracterização: </li></ul>

×