MANEJO DE CRIAS NAOVINOCAPINOCULTURASamuel Figueirêdo de SouzaMédico Veterinário, DSc - Produção AnimalTransferência de Te...
Importância• Momento em que define-se o “futuro” dos animais:- Futura produtora de leite;- Futura matriz;- Futuro reprodut...
DificuldadesCabritos são...FRÁGEIS, SUSCEPTÍVEIS, DEPENDENTES
Instalações• Influenciam na saúde e no manejo, devendo proporcionar:♦ conforto aos animais (bem-estar na produção animal)♦...
As crias serão resultado da qualidade de manejo das cabras...Terço final da gestação: (70% do desenvolvimento do feto)Meno...
• Fêmea em sobrecarga fisiológica (formação do fetal)
Nutrição inadequada:- Nascimento de crias pequenas- Aumento da mortalidade pós-natal- Diminuição do instinto materno- Tran...
• Nível nutricional adequado:- Maior peso ao nascer e ao desmame- Maior taxa de sobrevivência- Ausência de transtornos met...
Um mês antes da parição:- Casqueamento cuidadoso- Exame do úbere- Vermifugação (anti-helmíntico)- Vacinação (Clostridioses...
• Limpeza e desinfecção 1 mês antes do período de parições
Parto
• Fenômeno fisiológico que ocorrerá nomomento correto e não necessita deauxílio para acontecer.• Momentos antes, algumas a...
• Sinais do parto- vulva e o úbere ficarão inchados- Ocorrem em momentos calmos- animal fica inquieto até queencontre um l...
- liberação de leite pressionando os tetos horas antes do parto- úbere inchado inicia liberação de alguns jatos de leite
• Posições normais do feto:
- após encontrar um “ninho”, deita-se e iniciam contrações- Antes, durante e após o parto, a fêmea berra muito
• Posições anormais do feto:
• Auxiliar “somente se necessário”, em caso de dificuldades chamar umprofissional com experiência
• Manobra obstétrica
• Cirurgia Cesariana
• Cirurgia Cesariana
•Tipos de parto x Peso ao nascimento (média = 1,5 cria/parto)3,403,453,103,153,203,253,303,353,40Simples Duplo
•Peso ao nascimento x Sexo da cria (média = 3,350 Kg)3,403,453,503,153,203,253,303,353,40Machos Fêmeas♀♂♂♂♂♂♂♂♂ ♂♂♂♂♂♂♂♂♀
CriasCuidados especiais...• Nascem desprotegidas contra agressõesfísicas e biológicas• Quase que totalmente dependentes da...
Observar...Mamou o colostro?Volume do abdômen?Vitalidade do cabrito?Tamanho do cabrito?Movimentos respiratórios?Movimentos...
Limpeza da cria- Deve-se enxugar e limpar a cria (preferência por papel toalha)- A evaporação do líquido amniótico... FRIO!
Corte e cura do umbigo- O cordão umbilical é a mais importante ligação- Nutrição, respiração, excreção- Porta de entrada p...
Corte e cura do umbigo (porta de entrada)
Cura do umbigo (usar solução iodada)* Não é necessário repelente; basta solução iodada!!!
Identificação Individual (Controle Zootécnico!!!)
Pesagem inicial:- Deve ser feita imediatamente após a cura do umbigo- Antes que seja administrado o colostro- Melhor acomp...
Pesagem periódica: acompanhamento do desenvolvimento.(Perda de peso = indicativo de alterações de saúde)- Perdas leves (ca...
Colostro: “formado no final da gestação e 1as horas pós-parto”.- Imunidade passiva- Resistência a infecções- Valor nutrici...
INTESTINOIMUNOGLOBULINASIg IgIgIgIgIgIgIgIgGLÂNDULAIgIgIgIgIgIg0 – 4 horasIgIgINTESTINOIMUNOGLOBULINASIgIgMAMÁRIAIgIgApós ...
Mecônio: primeiras fezes das crias- Coloração enegrecida, não fétido- Morfologia e funcionalidade intestinal
Limpeza dos comedouros e bebedouros
Desaleitamento: de forma gradativa, de acordo com a idade.* Animal com apenas 5 dias!!!
CastraçãoNecessário ???Quando fazer???Quando fazer???Qual método???
RECRIARECRIARECRIARECRIA
Novas instalações:- Gaiolas não comportam o animal- Berçário torna-se estressante aos animais
• Separação por sexo (ingressando na puberdade)• Diferente manejo alimentar (volumoso e concentrado)
AssistênciaTécnicaNutriçãoInstalaçõesManejoDESEMPENHODESEMPENHOMão-de-obraEfeitosde ambienteManejoSanidadeGenéticaDESEMPEN...
Assistência técnica não é luxo, e sim, insumo básico àprodução;Considerações finaisConsiderações finaisOs caprinocultores ...
MUITOMUITOOBRIGADO!OBRIGADO!
Samuel Figueirêdo de Souzasamuel.souza@embrapa.br(79) 4009-1395 - SIPT
Manejo de crias pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo de crias pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo de crias pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo de crias pbsm [modo de compatibilidade]
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Manejo de crias pbsm [modo de compatibilidade]

1.216 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.216
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
171
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
94
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Manejo de crias pbsm [modo de compatibilidade]

  1. 1. MANEJO DE CRIAS NAOVINOCAPINOCULTURASamuel Figueirêdo de SouzaMédico Veterinário, DSc - Produção AnimalTransferência de Tecnologias / EMBRAPA Tabuleiros Costeiros
  2. 2. Importância• Momento em que define-se o “futuro” dos animais:- Futura produtora de leite;- Futura matriz;- Futuro reprodutor;- Futuro produtor de carne...
  3. 3. DificuldadesCabritos são...FRÁGEIS, SUSCEPTÍVEIS, DEPENDENTES
  4. 4. Instalações• Influenciam na saúde e no manejo, devendo proporcionar:♦ conforto aos animais (bem-estar na produção animal)♦ praticidade na execução das atividades♦ praticidade na execução das atividades♦ serem economicamente viáveis“FUNCIONAL E DE BAIXO CUSTO”
  5. 5. As crias serão resultado da qualidade de manejo das cabras...Terço final da gestação: (70% do desenvolvimento do feto)Menor aproveitamento da energia dos alimentosRedução do volume do rúmenInibição do apetite (estrógenos circulantes)Inibição do apetite (estrógenos circulantes)“FORNECER ALIMENTOS DE BOA QUALIDADE”
  6. 6. • Fêmea em sobrecarga fisiológica (formação do fetal)
  7. 7. Nutrição inadequada:- Nascimento de crias pequenas- Aumento da mortalidade pós-natal- Diminuição do instinto materno- Transtornos metabólicos- Diminuição da lactação
  8. 8. • Nível nutricional adequado:- Maior peso ao nascer e ao desmame- Maior taxa de sobrevivência- Ausência de transtornos metabólicos- Maior ganho durante a recria
  9. 9. Um mês antes da parição:- Casqueamento cuidadoso- Exame do úbere- Vermifugação (anti-helmíntico)- Vacinação (Clostridioses)- Piquete ou baia maternidade
  10. 10. • Limpeza e desinfecção 1 mês antes do período de parições
  11. 11. Parto
  12. 12. • Fenômeno fisiológico que ocorrerá nomomento correto e não necessita deauxílio para acontecer.• Momentos antes, algumas alteraçõesfísicas e no comportamento da fêmeapoderão ser observadas.
  13. 13. • Sinais do parto- vulva e o úbere ficarão inchados- Ocorrem em momentos calmos- animal fica inquieto até queencontre um local para o parto
  14. 14. - liberação de leite pressionando os tetos horas antes do parto- úbere inchado inicia liberação de alguns jatos de leite
  15. 15. • Posições normais do feto:
  16. 16. - após encontrar um “ninho”, deita-se e iniciam contrações- Antes, durante e após o parto, a fêmea berra muito
  17. 17. • Posições anormais do feto:
  18. 18. • Auxiliar “somente se necessário”, em caso de dificuldades chamar umprofissional com experiência
  19. 19. • Manobra obstétrica
  20. 20. • Cirurgia Cesariana
  21. 21. • Cirurgia Cesariana
  22. 22. •Tipos de parto x Peso ao nascimento (média = 1,5 cria/parto)3,403,453,103,153,203,253,303,353,40Simples Duplo
  23. 23. •Peso ao nascimento x Sexo da cria (média = 3,350 Kg)3,403,453,503,153,203,253,303,353,40Machos Fêmeas♀♂♂♂♂♂♂♂♂ ♂♂♂♂♂♂♂♂♀
  24. 24. CriasCuidados especiais...• Nascem desprotegidas contra agressõesfísicas e biológicas• Quase que totalmente dependentes da mãee/ou do tratador
  25. 25. Observar...Mamou o colostro?Volume do abdômen?Vitalidade do cabrito?Tamanho do cabrito?Movimentos respiratórios?Movimentos respiratórios?Coordenação motora?
  26. 26. Limpeza da cria- Deve-se enxugar e limpar a cria (preferência por papel toalha)- A evaporação do líquido amniótico... FRIO!
  27. 27. Corte e cura do umbigo- O cordão umbilical é a mais importante ligação- Nutrição, respiração, excreção- Porta de entrada para agentes infecciosos- (Ex: onfaloflebites, poliartrites, septicemias)
  28. 28. Corte e cura do umbigo (porta de entrada)
  29. 29. Cura do umbigo (usar solução iodada)* Não é necessário repelente; basta solução iodada!!!
  30. 30. Identificação Individual (Controle Zootécnico!!!)
  31. 31. Pesagem inicial:- Deve ser feita imediatamente após a cura do umbigo- Antes que seja administrado o colostro- Melhor acompanhamento do desenvolvimento
  32. 32. Pesagem periódica: acompanhamento do desenvolvimento.(Perda de peso = indicativo de alterações de saúde)- Perdas leves (calor, frio, briga entre animais)- Perdas graves (diarréias, intoxicações, enfermidades)
  33. 33. Colostro: “formado no final da gestação e 1as horas pós-parto”.- Imunidade passiva- Resistência a infecções- Valor nutricional (evita a hipotermia)- Valor nutricional (evita a hipotermia)- Auxilia a evacuação do mecôneo
  34. 34. INTESTINOIMUNOGLOBULINASIg IgIgIgIgIgIgIgIgGLÂNDULAIgIgIgIgIgIg0 – 4 horasIgIgINTESTINOIMUNOGLOBULINASIgIgMAMÁRIAIgIgApós 4 horasIgIg
  35. 35. Mecônio: primeiras fezes das crias- Coloração enegrecida, não fétido- Morfologia e funcionalidade intestinal
  36. 36. Limpeza dos comedouros e bebedouros
  37. 37. Desaleitamento: de forma gradativa, de acordo com a idade.* Animal com apenas 5 dias!!!
  38. 38. CastraçãoNecessário ???Quando fazer???Quando fazer???Qual método???
  39. 39. RECRIARECRIARECRIARECRIA
  40. 40. Novas instalações:- Gaiolas não comportam o animal- Berçário torna-se estressante aos animais
  41. 41. • Separação por sexo (ingressando na puberdade)• Diferente manejo alimentar (volumoso e concentrado)
  42. 42. AssistênciaTécnicaNutriçãoInstalaçõesManejoDESEMPENHODESEMPENHOMão-de-obraEfeitosde ambienteManejoSanidadeGenéticaDESEMPENHOPRODUTIVODESEMPENHOPRODUTIVO
  43. 43. Assistência técnica não é luxo, e sim, insumo básico àprodução;Considerações finaisConsiderações finaisOs caprinocultores precisam buscar orientações paracorrigir possíveis “enganos”;É obrigação dos profissionais do campo, estarempreparados para melhor orientar.
  44. 44. MUITOMUITOOBRIGADO!OBRIGADO!
  45. 45. Samuel Figueirêdo de Souzasamuel.souza@embrapa.br(79) 4009-1395 - SIPT

×