SlideShare uma empresa Scribd logo
Parto
 Eliminação do feto e placenta do organismo.
 Mudanças ligamentos pélvicos
 Glândula mamária
 Edema vulvar
 Preparo do ninho
 Isolamento
Parto
Útero Cérvix
Relaxado GESTAÇÃO Fechada
Contrátil TRABALHO DE
PARTO
Dilatada
Parto
 Elevação cortisol fetal
Síntese de estrógeno
Prostaglandina – contração uterina e luteólise
Receptores para ocitocina
Ocitocina – hipotálamo – contração uterina e dos alvéolos
mamários
 Declínio da progesterona
Parto
Útero Fase Cérvix Hormônios
Relaxado GESTAÇÃO Fechada Progesterona
Contrátil TRABALHO
DE PARTO
Dilatada Cortisol Fetal
Prostaglandina
Estrógeno
Ocitocina
Puerpério
 Tempo para organismo materno voltar a condição normal
 Involução uterina – restauração do útero ao seu tamanho
normal
Fisiologia
Ciclo estral – 18 a 24 dias – média 21 dias
Duração estro – 4 a 24 horas– média 12 horas
Ovulação – 30 horas após o início do cio
Fertilização no oviduto
Blastocisto no útero – 5º dia
Gestação – 279 a 295 dias
2, 3 ou 4 ondas de crescimento folicular
CONSUMO DE NUTRIENTES
Partição de nutrientes dentro do organismo:
1- metabolismo basal
2- atividades ou trabalho
3- crescimento
4- reserva de E básica
5- gestação
6- lactação
7- reserva de E adicional
8- ciclo estral e início de gestação
9-reserva de E em excesso
Categorias das fêmeas
 Novilha
 Primípara
 Multípara
Objetivo de todas as fazendas;
Intervalo Entre Partos
corte: + bezerros
leite: + leite
4
3,4
3
2,6 2,4
0
1
2
3
4
12 14 16 18 20 Intervalo
entre
partos
(meses)
Num. de bezerros paridos por vaca em diferentes IEP
durante 4 anos
Num. Bezerros
“um bezerro por vaca por ano”
365 dias
85 dias 280 dias
45 dias 40 dias
Período médio de gestação
Involução prenhez
- rápida
- sem complicações
- entrar em cio
- cio tem que ser detectado
- IA ocorrer no momento correto
- concepção
Problemas:
- retenção de placenta
- endometrite aguda / crônica
- anestro
PRINCIPAIS LIMITAÇÕES PARA OBTER 1
BEZERRO POR VACA ANO
Anestro pós-parto
Falhas na detecção de cios
ANESTRO
 Período entre parição e 1o cio pós parto: 15 a
100 dias ou mais
 Determina a eficiência reprodutiva dos animais
e depende de vários fatores entre eles a
nutrição e amamentação
Involução uterina +
retomada da ciclicidade ovariana
Retomada do crescimento folicular e ovulação
ocorrem em função do FSH e LH, que por
sua vez dependem do GnRH
 consumo de nutrientes
Amamentação
GnRH  LH
ausência de ovulação
ANESTRO
Infertilidade pós parto: anestro; involução
uterina e infertilidade.
CONSUMO DE NUTRIENTES
Partição de nutrientes dentro do organismo:
1- metabolismo basal
2- atividades ou trabalho
3- crescimento
4- reserva de E básica
5- gestação
6- lactação
7- reserva de E adicional
8- ciclo estral e início de gestação
9-reserva de E em excesso
ÍNDICE DE CONDIÇÃO CORPORAL
 Vacas de corte devem estar com ICC entre 5 e
7 na época do parto, se < 5 problemas
reprodutivos
ICC 4 – 60% Prenhez
ICC 5 – 70 - 80% Prenhez
ICC 6 – 80 – 90% Prenhez
Rice (1991)
Estado nutricional antes e depois do parto
influencia a eficiência reprodutiva
ÍNDICE DE CONDIÇÃO CORPORAL
ICC =2 ICC=8
NUTRIÇÃO E REPRODUÇÃO
Falta de energia
 Fêmeas: atraso na puberdade, pobre
desempenho reprodutivo, maior período de
anestro, baixa concepção
 Machos: atraso na puberdade, redução da
libido e queda na produção de
espermatozóides
“um bezerro por vaca por ano”
365 dias
85 dias 280 dias
45 dias 40 dias
Período médio de gestação
Involução prenhez
Boa Nutrição – Anestro curto
Estratégias Reprodutivas
 TOURO ANO TODO COM VACAS
Vantagens?
Desvantagens?
Consequências?
Estratégias Reprodutivas
 TOURO ANO TODO COM VACAS
Nascimentos em épocas inadequadas
Maior incidência de doenças e parasitas
Menor disponibilidade de pastagem para as
matrizes durante a lactação
Dificuldade do controle zootécnico e sanitário do
rebanho, devido à falta de uniformidade (idade e
peso) dos animais.
Dificuldade de Manejo
Estratégias Reprodutivas
“ Como, no sistema de criação extensivo de
bovinos de corte, a fertilidade do rebanho
apresenta variações vinculadas às condições
climáticas, o estabelecimento de uma estação
de monta limitada é uma decisão importante e
de grande impacto na fertilidade.”
Embrapa
Estação de Monta
Como fazer ?? Por que??
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Estação Monta
Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
Estação Monta
Nascimentos
Desmama
Estação de Monta
VACA
 Maior exigência nutricional da vaca (lactação), no fim da
estação seca e início das águas.
 Vacas estão sem bezerro ao pé na seca, melhor
recuperação.
 Diagnóstico de gestação
antes da seca
BEZERRO
 Concentração dos nascimentos na época mais adequada do
ano
 Diminuir problemas de parasitas
 Maior disponibilidade de forragem para o bezerro.
 Desmame mais pesado.
 Grupo de contemporâneos
Estação de Monta
Estação de Monta
MANEJO
 Concentração das atividades
 Otimização da mão-de-obra
 Esquemas de vacinação, vermifugação, castração,
desmama e pesagem ocorrerão nas idades e épocas
corretas.
 Facilita a suplementação dos bezerros, a sincronização dos
cios e a inseminação das matrizes.
 Facilidade de venda dos bezerros
 REPRODUTOR
 Um período longo de descanso garante a recuperação do
touro
 Menos desgaste e melhores condições para a manutenção
da atividade reprodutiva.
 Machos inférteis podem ser identificados e substituídos,
por meio de exames andrológicos
completos.
Estação de Monta
Custo para o produtor??
Estação de Monta
R$ 0,00
Estação de Monta
Peso médio ao desmame de bezerros de acordo com o mês de nascimento
Estratégias Reprodutivas
 Seleção dos reprodutores
 Como deve ser feita?
• Exame Andrológico
• Características Raciais
• Características zootécnicas
• Bom libido
• Pernas e Pés fortes
• Baixa consanguinidade
Estratégias Reprodutivas
Monta Natural
Vantagens e Desvantagens
Proporção touros: vacas – Estação de Monta
1:25
 Inseminação Artificial
Vantagens e desvantagens
Estratégias Reprodutivas

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Fisiologia e bovinos de leite e corte.pdf

Produção in vivo de embrioes de peq ruminantes
Produção in vivo de embrioes de peq ruminantesProdução in vivo de embrioes de peq ruminantes
Produção in vivo de embrioes de peq ruminantes
Gláucia Luna
 
Iatf gado de leite
Iatf gado de leiteIatf gado de leite
Iatf gado de leite
Fabiane Frota
 
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase críticaPeríodo de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
AgriPoint
 
Incidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadas
Incidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadasIncidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadas
Incidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadas
unipampagepa
 
Gestante I.pdf
Gestante I.pdfGestante I.pdf
Gestante I.pdf
nutrithaynayanemkt
 
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínosAnatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Marília Gomes
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Pbsmal
 
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptxManejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
helidaleao
 
Interação e eficiência reprodutiva de fêmeas bovinas
Interação e eficiência reprodutiva de fêmeas bovinasInteração e eficiência reprodutiva de fêmeas bovinas
Interação e eficiência reprodutiva de fêmeas bovinas
Lucas Maciel Gomes Olini
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
FranciscoFlorencio6
 
Gestação Normal.ppt
Gestação Normal.pptGestação Normal.ppt
Gestação Normal.ppt
GrazieleMenzani
 
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
AgriPoint
 
Manejo reprodutivo da fêmea leiteira
Manejo reprodutivo da fêmea leiteiraManejo reprodutivo da fêmea leiteira
Manejo reprodutivo da fêmea leiteira
Gilson Antonio Pessoa
 
Criação de bezerras em sistemas leiteiros
Criação de bezerras em sistemas leiteirosCriação de bezerras em sistemas leiteiros
Criação de bezerras em sistemas leiteiros
Marília Gomes
 
curva de lactação.pptx
curva de lactação.pptxcurva de lactação.pptx
curva de lactação.pptx
helidaleao
 
1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf
EdileideJesus1
 
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Cristian Carla de Campos
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
Cleidenisia Daiana
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
Cleidenisia Daiana
 
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRASMANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
AgriPoint
 

Semelhante a Fisiologia e bovinos de leite e corte.pdf (20)

Produção in vivo de embrioes de peq ruminantes
Produção in vivo de embrioes de peq ruminantesProdução in vivo de embrioes de peq ruminantes
Produção in vivo de embrioes de peq ruminantes
 
Iatf gado de leite
Iatf gado de leiteIatf gado de leite
Iatf gado de leite
 
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase críticaPeríodo de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
Período de Transição – Conceitos essenciais para entender esta fase crítica
 
Incidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadas
Incidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadasIncidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadas
Incidência de doenças no pós parto de primíparas da raça holandesa alimentadas
 
Gestante I.pdf
Gestante I.pdfGestante I.pdf
Gestante I.pdf
 
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínosAnatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos pbsm [modo de compatibilidade]
 
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptxManejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
 
Interação e eficiência reprodutiva de fêmeas bovinas
Interação e eficiência reprodutiva de fêmeas bovinasInteração e eficiência reprodutiva de fêmeas bovinas
Interação e eficiência reprodutiva de fêmeas bovinas
 
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptxALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
ALIMENTACAO.E.ALEITAMENTO.MATERNO.pptx
 
Gestação Normal.ppt
Gestação Normal.pptGestação Normal.ppt
Gestação Normal.ppt
 
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
O que a impede de ter uma lactação bem sucedida?
 
Manejo reprodutivo da fêmea leiteira
Manejo reprodutivo da fêmea leiteiraManejo reprodutivo da fêmea leiteira
Manejo reprodutivo da fêmea leiteira
 
Criação de bezerras em sistemas leiteiros
Criação de bezerras em sistemas leiteirosCriação de bezerras em sistemas leiteiros
Criação de bezerras em sistemas leiteiros
 
curva de lactação.pptx
curva de lactação.pptxcurva de lactação.pptx
curva de lactação.pptx
 
1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf1 anatomia sist reprodutor.pdf
1 anatomia sist reprodutor.pdf
 
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
Manejo reprodutivo na pecuária de leite e corte prof. hugo 2016 2
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
Puerpério
PuerpérioPuerpério
Puerpério
 
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRASMANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
MANEJO NUTRICIONAL PARA A MÁXIMA EFICIÊNCIA NA RECRIA DE NOVILHAS LEITEIRAS
 

Mais de natanael lopes da trindade

Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptxAula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
natanael lopes da trindade
 
AULA 14_BIOTECNICA REPRODUCAO - TRANSFERENCIA EMBRIOES.pdf
AULA 14_BIOTECNICA REPRODUCAO - TRANSFERENCIA EMBRIOES.pdfAULA 14_BIOTECNICA REPRODUCAO - TRANSFERENCIA EMBRIOES.pdf
AULA 14_BIOTECNICA REPRODUCAO - TRANSFERENCIA EMBRIOES.pdf
natanael lopes da trindade
 
Aula 1_Introducao a QAN.ppt
Aula 1_Introducao a QAN.pptAula 1_Introducao a QAN.ppt
Aula 1_Introducao a QAN.ppt
natanael lopes da trindade
 
Pedologia do Brasil.ppt
Pedologia do Brasil.pptPedologia do Brasil.ppt
Pedologia do Brasil.ppt
natanael lopes da trindade
 
Capítulo 4.ppt
Capítulo 4.pptCapítulo 4.ppt
arquivo_120911124456.ppt
arquivo_120911124456.pptarquivo_120911124456.ppt
arquivo_120911124456.ppt
natanael lopes da trindade
 
Aula 07 -Instalacoes_e_ambiencia_suinos.pdf
Aula 07 -Instalacoes_e_ambiencia_suinos.pdfAula 07 -Instalacoes_e_ambiencia_suinos.pdf
Aula 07 -Instalacoes_e_ambiencia_suinos.pdf
natanael lopes da trindade
 

Mais de natanael lopes da trindade (7)

Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptxAula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
Aula 9. Fisiologia da Reprodução anjmal.pptx
 
AULA 14_BIOTECNICA REPRODUCAO - TRANSFERENCIA EMBRIOES.pdf
AULA 14_BIOTECNICA REPRODUCAO - TRANSFERENCIA EMBRIOES.pdfAULA 14_BIOTECNICA REPRODUCAO - TRANSFERENCIA EMBRIOES.pdf
AULA 14_BIOTECNICA REPRODUCAO - TRANSFERENCIA EMBRIOES.pdf
 
Aula 1_Introducao a QAN.ppt
Aula 1_Introducao a QAN.pptAula 1_Introducao a QAN.ppt
Aula 1_Introducao a QAN.ppt
 
Pedologia do Brasil.ppt
Pedologia do Brasil.pptPedologia do Brasil.ppt
Pedologia do Brasil.ppt
 
Capítulo 4.ppt
Capítulo 4.pptCapítulo 4.ppt
Capítulo 4.ppt
 
arquivo_120911124456.ppt
arquivo_120911124456.pptarquivo_120911124456.ppt
arquivo_120911124456.ppt
 
Aula 07 -Instalacoes_e_ambiencia_suinos.pdf
Aula 07 -Instalacoes_e_ambiencia_suinos.pdfAula 07 -Instalacoes_e_ambiencia_suinos.pdf
Aula 07 -Instalacoes_e_ambiencia_suinos.pdf
 

Último

Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço BrasilOrientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
EliakimArajo2
 
Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
anpproferick
 
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Annelise Gripp
 
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product ownerPRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
anpproferick
 
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptxComo fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
tnrlucas
 
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdfPor que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Ian Oliveira
 
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefíciosGestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Rafael Santos
 

Último (7)

Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço BrasilOrientações para utilizar Drone no espaço Brasil
Orientações para utilizar Drone no espaço Brasil
 
Teoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .docTeoria de redes de computadores redes .doc
Teoria de redes de computadores redes .doc
 
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
Ferramentas e Técnicas para aplicar no seu dia a dia numa Transformação Digital!
 
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product ownerPRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
PRATICANDO O SCRUM Scrum team, product owner
 
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptxComo fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
Como fui de 0 a lead na gringa em 3 anos.pptx
 
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdfPor que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
Por que escolhi o Flutter - Campus Party Piauí.pdf
 
Gestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefíciosGestão de dados: sua importância e benefícios
Gestão de dados: sua importância e benefícios
 

Fisiologia e bovinos de leite e corte.pdf

  • 1.
  • 2. Parto  Eliminação do feto e placenta do organismo.  Mudanças ligamentos pélvicos  Glândula mamária  Edema vulvar  Preparo do ninho  Isolamento
  • 3.
  • 4. Parto Útero Cérvix Relaxado GESTAÇÃO Fechada Contrátil TRABALHO DE PARTO Dilatada
  • 5. Parto  Elevação cortisol fetal Síntese de estrógeno Prostaglandina – contração uterina e luteólise Receptores para ocitocina Ocitocina – hipotálamo – contração uterina e dos alvéolos mamários  Declínio da progesterona
  • 6. Parto Útero Fase Cérvix Hormônios Relaxado GESTAÇÃO Fechada Progesterona Contrátil TRABALHO DE PARTO Dilatada Cortisol Fetal Prostaglandina Estrógeno Ocitocina
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10. Puerpério  Tempo para organismo materno voltar a condição normal  Involução uterina – restauração do útero ao seu tamanho normal
  • 11.
  • 12. Fisiologia Ciclo estral – 18 a 24 dias – média 21 dias Duração estro – 4 a 24 horas– média 12 horas Ovulação – 30 horas após o início do cio Fertilização no oviduto Blastocisto no útero – 5º dia Gestação – 279 a 295 dias 2, 3 ou 4 ondas de crescimento folicular
  • 13. CONSUMO DE NUTRIENTES Partição de nutrientes dentro do organismo: 1- metabolismo basal 2- atividades ou trabalho 3- crescimento 4- reserva de E básica 5- gestação 6- lactação 7- reserva de E adicional 8- ciclo estral e início de gestação 9-reserva de E em excesso
  • 14. Categorias das fêmeas  Novilha  Primípara  Multípara
  • 15.
  • 16.
  • 17. Objetivo de todas as fazendas; Intervalo Entre Partos corte: + bezerros leite: + leite
  • 18. 4 3,4 3 2,6 2,4 0 1 2 3 4 12 14 16 18 20 Intervalo entre partos (meses) Num. de bezerros paridos por vaca em diferentes IEP durante 4 anos Num. Bezerros
  • 19. “um bezerro por vaca por ano” 365 dias 85 dias 280 dias 45 dias 40 dias Período médio de gestação Involução prenhez - rápida - sem complicações - entrar em cio - cio tem que ser detectado - IA ocorrer no momento correto - concepção Problemas: - retenção de placenta - endometrite aguda / crônica - anestro
  • 20. PRINCIPAIS LIMITAÇÕES PARA OBTER 1 BEZERRO POR VACA ANO Anestro pós-parto Falhas na detecção de cios
  • 21. ANESTRO  Período entre parição e 1o cio pós parto: 15 a 100 dias ou mais  Determina a eficiência reprodutiva dos animais e depende de vários fatores entre eles a nutrição e amamentação Involução uterina + retomada da ciclicidade ovariana
  • 22. Retomada do crescimento folicular e ovulação ocorrem em função do FSH e LH, que por sua vez dependem do GnRH  consumo de nutrientes Amamentação GnRH  LH ausência de ovulação ANESTRO Infertilidade pós parto: anestro; involução uterina e infertilidade.
  • 23. CONSUMO DE NUTRIENTES Partição de nutrientes dentro do organismo: 1- metabolismo basal 2- atividades ou trabalho 3- crescimento 4- reserva de E básica 5- gestação 6- lactação 7- reserva de E adicional 8- ciclo estral e início de gestação 9-reserva de E em excesso
  • 24. ÍNDICE DE CONDIÇÃO CORPORAL  Vacas de corte devem estar com ICC entre 5 e 7 na época do parto, se < 5 problemas reprodutivos ICC 4 – 60% Prenhez ICC 5 – 70 - 80% Prenhez ICC 6 – 80 – 90% Prenhez Rice (1991) Estado nutricional antes e depois do parto influencia a eficiência reprodutiva
  • 25. ÍNDICE DE CONDIÇÃO CORPORAL ICC =2 ICC=8
  • 26.
  • 27.
  • 28. NUTRIÇÃO E REPRODUÇÃO Falta de energia  Fêmeas: atraso na puberdade, pobre desempenho reprodutivo, maior período de anestro, baixa concepção  Machos: atraso na puberdade, redução da libido e queda na produção de espermatozóides
  • 29. “um bezerro por vaca por ano” 365 dias 85 dias 280 dias 45 dias 40 dias Período médio de gestação Involução prenhez Boa Nutrição – Anestro curto
  • 30.
  • 31. Estratégias Reprodutivas  TOURO ANO TODO COM VACAS Vantagens? Desvantagens? Consequências?
  • 32. Estratégias Reprodutivas  TOURO ANO TODO COM VACAS Nascimentos em épocas inadequadas Maior incidência de doenças e parasitas Menor disponibilidade de pastagem para as matrizes durante a lactação Dificuldade do controle zootécnico e sanitário do rebanho, devido à falta de uniformidade (idade e peso) dos animais. Dificuldade de Manejo
  • 33. Estratégias Reprodutivas “ Como, no sistema de criação extensivo de bovinos de corte, a fertilidade do rebanho apresenta variações vinculadas às condições climáticas, o estabelecimento de uma estação de monta limitada é uma decisão importante e de grande impacto na fertilidade.” Embrapa
  • 34. Estação de Monta Como fazer ?? Por que?? Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez
  • 35. Estação Monta Jan Fev Mar Abr Mai Jun Jul Ago Set Out Nov Dez Estação Monta Nascimentos Desmama
  • 36. Estação de Monta VACA  Maior exigência nutricional da vaca (lactação), no fim da estação seca e início das águas.  Vacas estão sem bezerro ao pé na seca, melhor recuperação.  Diagnóstico de gestação antes da seca
  • 37.
  • 38. BEZERRO  Concentração dos nascimentos na época mais adequada do ano  Diminuir problemas de parasitas  Maior disponibilidade de forragem para o bezerro.  Desmame mais pesado.  Grupo de contemporâneos Estação de Monta
  • 39.
  • 40. Estação de Monta MANEJO  Concentração das atividades  Otimização da mão-de-obra  Esquemas de vacinação, vermifugação, castração, desmama e pesagem ocorrerão nas idades e épocas corretas.  Facilita a suplementação dos bezerros, a sincronização dos cios e a inseminação das matrizes.  Facilidade de venda dos bezerros
  • 41.  REPRODUTOR  Um período longo de descanso garante a recuperação do touro  Menos desgaste e melhores condições para a manutenção da atividade reprodutiva.  Machos inférteis podem ser identificados e substituídos, por meio de exames andrológicos completos. Estação de Monta
  • 42. Custo para o produtor?? Estação de Monta R$ 0,00
  • 43. Estação de Monta Peso médio ao desmame de bezerros de acordo com o mês de nascimento
  • 44. Estratégias Reprodutivas  Seleção dos reprodutores  Como deve ser feita? • Exame Andrológico • Características Raciais • Características zootécnicas • Bom libido • Pernas e Pés fortes • Baixa consanguinidade
  • 45. Estratégias Reprodutivas Monta Natural Vantagens e Desvantagens Proporção touros: vacas – Estação de Monta 1:25
  • 46.  Inseminação Artificial Vantagens e desvantagens Estratégias Reprodutivas