SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 18
Baixar para ler offline
14/10/2016
1
Manejo Reprodutivo na pecuária
de Leite e Corte
Prof. Hugo Shisei Toma
Produção de Ruminantes I
Manejo Reprodutivo na
pecuária de Corte
• avanços tecnológicos
• novos conhecimentos científicos
• aprimoramento das técnicas de
criação animal
• gerenciamento inadequado
• falta de organização administrativa
das propriedades
• ineficiência operacional
O que se pretende por intermédio do maior e
melhor conhecimento é a aplicação das
técnicas pecuárias avançadas e intensificar as
parições, de forma que cada vaca, em idade
reprodutiva, produza um bezerro por ano e
este deva ser criado de forma sadia e
desmamado com bom peso.
Quais seriam as práticas de manejo para aumentar a
eficiência reprodutiva de um rebanho de corte?
• PRÁTICAS DE MANEJO:
· Identificação dos animais e registro de ocorrências
· Escolha do período de monta
· Escolha do sistema de acasalamento
· Preparo de novilhas para reposição
· Diagnóstico de gestação e descarte
· Determinação da idade à desmama
· Atendimento às exigências nutricionais
· Controle Sanitário do rebanho
Registro de ocorrências
• Marcação individual dos animais
• Abortos
• Diagnóstico de gestação
• Peso da cria, ano de nascimento
• Peso a desmama
• Outros
14/10/2016
2
Aspectos gerais da reprodução
• Puberdade: -machos – espermatozóides viáveis
(utilização acima de 18-24 meses)
-fêmeas – primeiro cio
• Puberdade mais relacionada a peso que a idade (300
a 350kg na primeira cobertura - fêmeas)
• Fêmeas com fraca ossatura e baixo desenvolvimento
não devem ser cobertas cedo
• Ciclo estral
– poliéstrica anual (primavera – verão – maior
número de cios)
– Inverno – falta de pastagem (anestro fisiológico)
• Ciclo de 21 dias
• Estro ou cio – 18 - 24 horas (período para a cobertura)
– Européias – até 30 horas
– Zebuínas – 18-24 horas
• Ovulação: depois do estro (cobertura no final do cio)
• Regrinha: cio de manhã – insemina à tarde
cio à tarde – insemina na manhã seguinte
• Idade à primeira cobertura: 70 a 75% peso adulto
– 300-350 kg
• Gestação: média de 283 dias
• Intervalo entre partos: ideal 365 dias (1 parto/ano)
• IP = 365 dias
• Gest = 283 dias
• Sobram 82 dias (período de serviço e cobertura)
• Idade a primeira cria – quanto mais nova, melhor*
Escolha do período de monta
• Sistema de Monta Contínuo – Desvantagens:
· Nascimento ao longo do ano – épocas
inadequadas;
· Desenvolvimento prejudicado dos bezerros;
· Baixa fertilidade das matrizes – aumento do
intervalo entre partos
· Dificuldade no controle zootécnico e sanitário
14/10/2016
3
“Estação de monta” ou “Período de monta”
• Vantagens:
– Identificar animais inférteis
– Concentração dos partos
– Melhor adequação do calendário sanitário
– Melhor planejamento nutricional do rebanho
– Desmamar animais mais pesados
SAZONALIDADE DA PRODUÇÃO FORRAGEIRA
• Época e duração da estação de monta
75 – 90% Produção Forrageira /Primavera e Verão – 6 – 7 meses/ano
Produção de forragem X exigência nutricional Estação de Monta para Novilhas
• Início: mínimo de 30 dias antes da EM de vacas.
• Duração: 45 - 60 dias
Mais tempo para recuperação após a 1º cria
• Vacas adultas: 60 a 90 dias
• Essa antecipação visa, principalmente, a proporcionar às
novilhas, por estarem ainda em crescimento e lactação,
tempo suficiente para a recuperação do seu estado
fisiológico e iniciar o segundo período de monta, junto
com as demais categorias de fêmeas
Estação de Monta para Novilhas
• O peso ideal novilhas Nelores: 290-300 kg/vivo,
(criações extensivas = 26-30 meses)
• Pastagens melhoradas = 28-24 meses
• Novilhas com sangue europeu = 300-320kg/vivo
• Idade: apartir dos 14-18 meses
14/10/2016
4
Limitações da E.M.
• Aumento do número de touros – pode utilizar também a
I.A. (qualidade maior)
• Concentração nascimentos (corte só uma época do ano)
– divisão em lotes com tratamentos diferentes:
a) animal a pasto
b) pasto + suplementação inverno
c) pasto + suplementação + confinamento
Limitações da E.M.
• Dificulta o manejo inicial da cria pela concentração de
nascimentos
• Mudança no estabelecimento é lenta e causa transtornos
(reduz bezerros no ano seguinte)
Períodos da E.M.
• Verão – outubro, novembro e dezembro
– Nascimento em julho, agosto e setembro
– Desmame em fevereiro, março e abril
• Inverno – abril, maio e junho
– Nascimento em janeiro, fevereiro e março
– Desmame em agosto, setembro e outubro
JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ
DESMAMA NASCIMENTO ESTAÇÃO MONTA
JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ
NASCIMENTO ESTAÇÃO MONTA DESMAMA
ESTAÇÃO DE MONTA DE VERÃO
ESTAÇÃO DE MONTA DE INVERNO
E.M. de verão
• Vacas bem alimentadas – ciclos regulares, boa fertilidade
• Nascimento em período com baixa incidência de miíase e
doenças
• No nascimento, o bezerro depende mais do leite do que
forragem – cuidado com a vaca (escore corporal)
• Na desmama, é mas fácil suplementar bezerro do que a
vaca
E.M. de inverno
• Maior peso ao nascer (pouco considerável)
• Desmame no verão – melhor qualidade pastos
• DESVANTAGEM:
– suplementação para a vaca para não reduzir a
fertilidade do rebanho
– Lactação no inverno
– Aumenta incidência de doenças – miíases, etc
14/10/2016
5
Estabelecimento da E.M.
• Deve-se definir:
• Meses da E.M. – verão ou inverno
• Providenciar divisão pasto
• Aumentar número touros
• 2 maneiras diferentes:
Estabelecimento da E.M.
• Primeira maneira – gradativamente
– Inicialmente com seis meses
– Nos outros anos retira um mês, ou dois, até chegar a 3
meses
Estabelecimento da E.M.
• Segunda maneira – gradualmente
– Primeiro ano: E.M. de nove meses (retira 3 meses –
inverno)
– Segundo ano: E.M. de seis meses
– Terceiro ano: estação de monta de três meses
Fertilidade dos Touros:
- Exame Andrológico completo;
- Exame Físico: defeitos de aprumos, cond.corporal,
incidência de doenças, problemas respiratórios e
dentição;
- Exame do Trato Reprodutivo: anormalidades dos
órgãos genitais;
- Avaliação das características do sêmen;
- Avaliação da libido;
- Capacidade de Monta e relação touro/vaca
Exame andrológico
• Avaliação geral
• Desempenho reprodutivo
• Sistema locomotor
• Órgãos genitais
• Aspectos físicos e morfológicos do sêmen
• Comportamento sexual
Circunferência escrotal
• Correlação negativa com idade à puberdade
• Parâmetro reprodutivo fácil de ser mensurado
• Correlaciona-se com o peso testicular
14/10/2016
6
Circunferência escrotal
• Bom indicador do potencial de produção
espermática
• Correlações genéticas para esta característica
• Utilizada no processo de seleção de reprodutores
bovinos
Mensuração da circunferência escrotal
Avaliação do epidídimo
Avaliação dos cordões espermáticos
e mobilidade testicular
Classificação andrológica de touros zebu,
baseada no perímetro escrotal (cm)
Parâmetros
Classificação
Excelente Muito bom Bom Questionável
Motilidade espermática
Vigor 5 4<5 3<4 <3
Motilidade progressiva 75 60<75 30<60 <30
Morfologia espermática
Defeitos maiores 5 >5-10 10>20 >20
Defeitos totais 10 >10-15 >15-30 >30
Perímetro escrotal (idade em meses)
7 a <12 21,0 19,5<21,0 17,5<19,5 <17,5
12 a <18 26,0 24,0<26,0 21,5<24,0 <21,5
18 a <24 31,5 28,5<31,5 26,0<28,5 <26,0
24 a <36 35,0 32,0<35,0 29,0<32,0 <29,0
36 a <48 37,0 33,5<37,0 30,5<33,5 <30,5
>48 39,0 36,0<39,0 33,0<36,0 <33,0
Relação touro/vaca:
Capacidade de monta
Idade
Estado nutricional e sanitário dos touros
Tamanho e topografia das pastagens
Aproximadamente 20 - 25 Vacas/ Touro
Animal apto > 40 Vacas/ Touro
• A inseminação artificial é uma das técnicas mais simples
e de baixo custo empregada na área de reprodução
animal e a que apresenta melhor resultado, quando se
pretende realizar a seleção e o melhoramento genético
de um rebanho como um todo (Vale, 2002).
INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL
14/10/2016
7
• O melhoramento genético é realizado por meio do uso
de sêmen de reprodutores de comprovado valor
zootécnico e da sua utilização em rebanhos
selecionados, pelo processo de inseminação artificial.
• Apesar de sua simplicidade, a inseminação artificial
requer um criterioso e rígido controle de suas diferentes
etapas, que vai desde a seleção do reprodutor doador
de sêmen, passando pelo processamento tecnológico
deste, seleção e controle do rebanho, chegando até o
treinamento do inseminador (Ohashi, 2002).
INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL
• VANTAGENS:
– Facilitar a seleção e variabilidade genética do
rebanho, possibilitando ao criador trabalhar
com várias linhagens de reprodutores.
– Maior controle reprodutivo dos animais
– Permitir maior aproveitamento de reprodutores que
apresentam características melhoradoras. Em
condições de monta natural, um touro produz até 50
bezerros/ano, enquanto que com a inseminação
artificial, pode produzir 5.000 ou mais bezerros/ano.
INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL
• VANTAGENS:
– Diminuir a quantidade de touros na fazenda,
facilitando o manejo e evitando brigas, reduzindo
também os gastos com a aquisição e a manutenção
de reprodutores.
– Assegurar ao proprietário a possibilidade de estocar
e utilizar o sêmen de um reprodutor, mesmo depois
de morto.
– Contribuir para um maior controle sanitário e
reprodutivo do rebanho, eliminando as doenças da
reprodução como campilobacteriose, brucelose e
outras.
INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL
• DESVANTAGEM:
–Manejo mais intensivo e trabalhoso
–Custo (questionável)
–Exige pessoal habilitado, para realizar a
correta observação do cio, além de
equipamentos especiais.
–Necessita de um inseminador capacitado,
honesto e responsável.
INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL
• DESVANTAGEM:
– Pode disseminar rapidamente características
indesejáveis quando não se conhece o reprodutor
utilizado.
– Pode propagar algumas doenças, causar lesões e
infecções no aparelho reprodutivo da fêmea
quando o método não é utilizado corretamente.
– É necessário um manejo adequado, com boa
alimentação, mineralização correta, assistência
médica veterinária e responsabilidade.
INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL
• Necessidade de touro de repasse – I.A.
comum
• IATF – inseminação artificial em tempo fixo
INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL
14/10/2016
8
Sincronização estro
• Indução de estro e ovulação
• Planejamento prévio
• Boa alimentação e sanidade no rebanho
• Inseminadores bem treinados e sêmen de boa
qualidade
• Vários protocolos hormonais disponíveis no mercado
Escore Condição Corporal (ECC) da Vaca ao Parto
• Porque avaliar?
R: Interfere no retorno a atividade reprodutiva e
na eficiência reprodutiva do rebanho
Não seria melhor pesar os animais?
Comparação entre a condição corporal
e a prenhês na IATF
Classificação do ECC
• A condição corporal dos animais são avaliados
em escores. São usadas duas escalas que
podem variar:
• 1 até 5
• 1 até 9.
1 - Caquético
2 - Magro
14/10/2016
9
3 - Média ou ideal 4- Gordo
5 - Obeso
14/10/2016
10
Percentagem de vacas em cio aos 40, 50 e 60
dias após o parto, de acordo com o estado
corporal ao parto
Estado
corporal
ao parto
Percentagem de cio
40 dias 50 dias 60 dias
Magra 19 34 46
Moderada 21 45 61
Boa 31 42 91
Quando determinar a condição corporal da vaca visando
ajustes de manejo e avaliação do animal
• Estádio 1 – Pico da Lactação e Involução Uterina
• Estádio 2 – Lactação e Estação de Monta (Início da Gestação)
• Estádio 3 – Desmama e Terço Médio da Gestação
• Estádio 4 – Terço Final da Gestação
Fatores que levam a baixa eficiência reprodutiva
• Reflexo de distúrbios que afetam negativamente
a função fisiológica das fêmeas e dos machos
bovinos:
anestro
repetição de cio
mortalidade embrionária precoce ou tardia
aborto
retenção de placenta
retardamento da puberdade e maturidade sexual.
14/10/2016
11
Conseqüências
• o aumento do período de serviço
• a elevação do número de serviço/concepção
• o aumento do intervalo entre partos
• a redução da vida útil da fêmea
• descartes precoces de reprodutores
Eficiência Reprodutiva
A baixa produtividade do rebanho deve-se,
essencialmente, aos seguintes fatores:
• Baixo desempenho reprodutivo
• Potencial genético inferior dos animais
• Alimentação inadequada
• Longo intervalo entre partos (acima de 18 meses)
• Caracteriza a baixa eficiência reprodutiva dos
sistemas de criação tradicional
• Além do baixo potencial genético, o longo
intervalo entre partos não permite que esse
potencial seja totalmente explorado
Eficiência Produtiva
DESMAMA
· Separação definitiva bezerro – mãe: interrupção da
amamentação
· Bezerros com 6 – 8 meses de idade
· Reduz o estresse da amamentação e Anestro Pós –
Parto
· Tipos: Tradicional, Precoce, Temporária e
Amamentação Controlada
Desmama temporária ou
interrompida (Shang)
• Separar o bezerro da mãe por 48 a 72 horas
• Estimular a liberação de LH (restabelecimento dos ciclos estrais)
Restrição de
alimento
Sem
restrição de
alimento
Amamentação Controlada:
· Objetivo: controlar o acesso do bezerro à amamentação;
· A partir de 30 dias de idade – bezerros são apartados da vaca;
· Amamentação – 2 períodos: 6 – 8 horas e 16-18 horas;
· Uso limitado – manejo intensivo (1ª semana de aparte).
14/10/2016
12
Habilidade materna
• A habilidade materna (capacidade de criar bezerros sadios e
desmamá-los pesados), embora muitas vezes não levadas em
consideração, traz grandes prejuízos.
• Matrizes que não desmamam bezerros pesados apresentam
baixa habilidade materna, não sendo consideradas boas
mães.
Baixa Habilidade materna
• Defeitos de úbere (tetos muito grossos)
• Peitos secos por inúmeras causas
• Não produzir leite suficiente
• Diminuição de produção de leite pela idade
avançada
• Mães que enjeitam (rejeitam) bezerros
• Dentre outras causas
Cuidados com as doenças da
reprodução
Além da estacionalidade da oferta de pastagem, a ocorrência de doenças da
esfera reprodutiva, tais como:
• Brucelose
• Tricomonose
• Campilobacteriose
• Leptospirose
• rinotraqueíte infecciosa (IBR)
• diarréia viral bovina (BVD)
Importante!
Programa de controle sanitário do rebanho
Estratégias para Melhorar a Eficiência
Reprodutiva de Bovinos Leiteiros
• Melhoria na Produtividade depende:
Melhoramento Genético
Racionalização de manejo
Melhoramento Genético:
• IA
• TE
• Indução/sincronização de cio
• Monta natural controlada
• FIV
• Clonagem
• Programas de reposição (novilhas/touros da
cria/recria; aquisição de matrizes/reprodutores)
14/10/2016
13
Racionalização de Manejo
• Programas Nutricional (ECC) e Sanitário (doenças
específicas e inespecíficas)
• Controle reprodutivo
• Otimização de recursos (financeiros, equipamentos,
instalações)
Controle Reprodutivo
• Bom desempenho reprodutivo:
Redução de IEP (Intervalo entre partos):
Intervalos entre partos curtos aumentam a produção
de leite por dia de vida útil da vaca e resultam em
maior número de bezerros nascidos.
• Resultado: Gestação mais cedo possível após o
período voluntário de espera (PVE) no pós-parto.
Prolongamento do IEP:
• Detecção de cio
• Queda na Taxa de
Concepção (TC)
• Problemas
reprodutivos
Alterações na expressão de estro da
vaca leiteira
• A duração e intensidade
de estro em bovinos
leiteiros estão
diretamente
relacionadas à categoria
dos animais (novilha ou
vaca lactante) e ao nível
de produção leiteira
Novilhas (das raças Holandesa e Jersey) aceitaram
mais montas por estro comparadas às vacas
lactantes e tiveram maior duração de estro
Animais mantidos em confinamento (alta produção)
apresentam menos montas por estro e curta duração
de estro em vacas lactantes
Vacas de alta produção possuem menores níveis de
progesterona em função da maior ingestão de
matéria seca de dieta com alta densidade nutricional
Vacas Mantidas a pasto (Mestiças)
• Anestro pós-parto
• Ondas de crescimento folicular curtas
• Ovulação antes do segundo estimulo hormonal dos
protocolos de sincronização
• Procura-se aumentar a taxa de sincronização e induzir à
ciclicidade
• Solução → Utilizar o implante de P4:
Mantém o desenvolvimentofolicular
Inibe ovulações antes da aplicação do segundo estimulo
hormonal
14/10/2016
14
Vacas Confinadas (Holandesas de Alta Produção)
• Anestro
• Baixa taxa de detecção de estro
• Baixa taxa de ovulação ao primeiro estimulo
hormonal
• Solução → Aumentar a taxa de sincronização
Essas diferenças de comportamento estral
estão relacionadas à quantidade de
estrógeno:
– Vacas lactantes e de alta produção possuem
menores níveis circulantes de E2 que novilhas e
vacas de baixa produção.
Estratégias de manejo reprodutivo
Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF):
é uma técnica que induz a ovulação da vaca, através da
sincronização do cio do rebanho com a aplicação de
hormônios, diferente da outra técnica que consiste na
observação do cio.
A ferramenta da IATF, por si só, não vai funcionar. Os
animais têm que estar bem alimentados e apresentar
condição corporal para receber a técnica. Ou seja, nutrição
e sanidade precisam estar em dia.
A IA é realizada em todos os animais, em momento pré-
determinado e sem observação de cio.
• Vantagens do uso de IATF:
Viabilidade da I.A.
Melhoramentogenético.
Aumento da taxa de prenhez.
Redução do I.E.P.
Antecipação de 30 dias na concepção.
Redução de 30 a 40% no número de touros de repasse.
Racionalização da mão de Obra.
• Animal ideal para IATF:
Precisa estar ganhando;
apresentar balanço
energético positivo.
Na escala ECC, de 1 a 9, o
ideal é que esteja com
escore 5.
Não deve ter idade muito
avançada.
Transferência de Embriões (TE):
Está baseada no princípio da multiplicação da progênie, de
forma acelerada, de fêmeas (doadoras) consideradas
superiores.
Pode ser usada como técnica que substitui a IA:
Estudos demonstraram que vacas leiteiras com
produtividade elevada têm desenvolvimentoembrionário
inicial pobre.
A fase peri-ovulatória (entre alguns dias antes e alguns dias
depois da inseminação e ovulação) é o período mais crítico
relacionado com a fertilização.
Portanto, a TE pode ser uma solução para este período
mais crítico que a IA enfrenta.
14/10/2016
15
Fertilização in vitro:
A técnica de FIV consiste basicamente em realizar a
fecundação:
União do gameta masculino (espermatozóide) e o
gameta feminino (óvulo ou ovócito) em um
ambiente de laboratório.
Objetivo: produzir embriões em larga escala e
mais baratos.
Manejo reprodutivo de novilhas
• Puberdade:
O peso, e não a idade, deve ser o fator a ser
observado na reprodução de novilhas leiteiras.
Raças leiteiras os animais são precoces.
O crescimento das bezerras depende basicamente
da nutrição.
O volumoso pode se tornar um fator limitante ao
processo de crescimento, se sua composição não
for favorável.
• Opções de manejo (novilhas taurinas/mestiças):
Acasalamento com touros
Observação diária do cio e IA;
Sincronização de cio e IA
após detecção de cio;
Sincronização de ovulação
e IATF;
• Acasalamento com touros → menos recomendado
aumentar o risco de acidentes com esses animais
pode ter índices reprodutivos insatisfatórios, caso haja
problema de fertilidade no reprodutor.
as novilhas são as fêmeas com maior potencial genético da
propriedade e, portanto, devem ser acasaladas com
reprodutores de elevado mérito genético.
• Observação diária de cio e IA → alta
freqüência em granjas leiteiras
Recomendação: checar cio 2x ao dia com intervalo de 12
horas. Após detecção do cio: Inseminar segundo a regra am-
pm (cio na manhã, IA a tarde; cio a tarde, IA de manhã).
O produtor também pode lançar mão de ferramentas
auxiliares à detecção de cio, tais como o uso de rufiões com
buçal marcador.
• Sincronização de ovulação e IATF:
Sincronizar a onda folicular, para que haja regressão de CL e
indução da ovulação de um folículo maduro.
A IA é realizada em todos os animais, em momento pré-
determinado e sem observação de cio.
14/10/2016
16
Manejo reprodutivo de vacas em lactação
• Dificuldade da obtenção de um baixo IEP:
Vacas leiteiras geralmente têm baixa eficiência
reprodutiva.
• Dentre as principais razões para IEP
prolongados:
Baixa taxa de detecção de cio
Baixa taxa de serviço
Baixa taxa de prenhez
Baixa taxa de concepção
Vacas taurinas:
Baixa taxa de detecção de cio
Taxa de concepção muito baixa - menor eficiência reprodutiva
que mestiças.
Vacas mestiças:
Taxa de concepção aceitáveis
Baixa taxa de prenhez
Limitação na expressão e detecção do cio
Maior atraso no retorno à ciclicidade pós-parto.
Eficiência na detecção do cio
• Em vacas leiteiras, a manifestação de cio é pouco
evidente e podem diminuir mais devido a :
Fatores ambientais (especialmente estresse térmico)
Vacas em piso de concreto demonstram menos
comportamento de cio que as de pasto
Pastagens altas dificultam visualização do comportamento
Vacas acíclicas ou anovulatórias, após período voluntário de
espera, tendem a não manifestar cio
Falhas dos funcionários que manejam as vacas em observar e
detectar
Taxa de prenhez de vacas leiteiras
Fatores que influenciam:
• Escore de Condição Corporal
• Infecções
• Retorno a ciclicidade
• Estresse térmico
• Eficiência na detecção do cio
• Manipulação hormonal do ciclo estral
ECC: Escore de Condição Corporal
• O ECC tem o objetivo de mostrar o escorre ideal em cada fase
para a máxima produção de leite,
• Estabelecer o correto ECC para prevenir os problemas ao
parto, tanto distocias como problemas metabólicos.
• No BEN, a vaca possui um nível maior de GH, o qual mobiliza
os nutrientes da dieta para a produção de leite.
• Deve-se ter atenção especial com a nutrição das vacas no pré
e no pós-parto, para que estejam com CC adequada ao parto
e percam pouca condição durante a lactação.
Avaliar o escore de condição corporal
é uma técnica simples de ser
aprendida e pode ser realizada até
mesmo com os animais no pasto.
Escore de condição corporal recomendado para cada
fase produtiva das fêmeas bovinas:
14/10/2016
17
Como modificar o ECC?
• O ECC não pode ser alterado rapidamente.
• A dieta deve ser balanceada para que a recuperação
seja lenta, sem comprometer a saúde da vaca.
• As vacas gordas devem ser mantidas em pasto de
baixa qualidade, mas com fibra suficiente para
garantir a funcionalidade do rúmen. Esses animais
devem ser monitorados constantemente, pois a
perda de peso pode causar problemas metabólicos,
principalmente no pré-parto.
Sistema de índice de condição corporal segundo
Edmonson et al, (1989).
ECC = 2,0 ECC = 4,0
• Os estímulos metabólicos e endócrinos associados ao BEN
comprometem a retomada dos ciclos ovulatórios, a qualidade
do oócito do embrião, o estabelecimentoe a manutenção da
gestação em bovinos de leite.
• Perda de ECC nas primeiras semanas de lactação em
holandesas: pior eficiência reprodutiva.
• Parto com baixo ECC em vacas mestiças: menor porcentagem
de retorno ao cio e menor fertilidade no pós-parto.
• Como pode ser observado na figura abaixo, cada 0,5
ponto a mais no Escore de Condição Corporal (ECC,
escala de 0 - 5), a taxa de ciclicidade aumenta 22,4%:
0,0%
20,0%
40,0%
60,0%
80,0%
100,0%
1,75 2 2,25 2,5 2,75 3 3,25
Primíparas
41,0%
Multíparas
73,,2%
0,0%
20,0%
40,0%
60,0%
80,0%
100,0%
1,75 2 2,25 2,5 2,75 3 3,25
Primíparas
41,0%
Multíparas
73,,2%
14/10/2016
18
• Fatores que afetam início do ciclo:
perda de escore corporal nas primeiras semanas de
lactação em holandesas
parto com baixo ECC, reduzindo a % de retorno ao
cio e queda na fertilidade pós- parto
Estímulos endócrinos e metabólicos do BEN afetam
vários pontos da reprodução
Cuidados com as doenças da
reprodução
Além da estacionalidade da oferta de pastagem, a ocorrência de doenças da
esfera reprodutiva, tais como:
• Brucelose
• Tricomonose
• Campilobacteriose
• Leptospirose
• rinotraqueíte infecciosa (IBR)
• diarréia viral bovina (BVD)
Importante!
Programa de controle sanitário do rebanho
Estresse
• Seu aumento está relacionado com o aumento na
incidência de doenças pós-parto como:
Retenção de placenta
Atraso na involução uterina
Infecções uterinas pós-parto
Resultado: aumento do IEP
Conclusão
• A obtenção da máxima eficiência só é possível
por meio de planejamento e execução de um
bom programa de reprodução e melhoramento
genético utilizando as biotécnicas com eficácia,
além de treinamento e valorização do homem.
Fim!!

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosKiller Max
 
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)Luis Deleprane
 
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012Universidade de São Paulo
 
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Rômulo Alexandrino Silva
 
Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...
Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...
Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...André Ferreira
 
AULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdf
AULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdfAULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdf
AULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdfAldrin83
 
Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Raquel Jóia
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosKiller Max
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Aviculturamatheush
 

Mais procurados (20)

Bovinocultura
BovinoculturaBovinocultura
Bovinocultura
 
Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte Bovinocultura de Corte
Bovinocultura de Corte
 
Raças bovinas 01
Raças bovinas 01Raças bovinas 01
Raças bovinas 01
 
Guia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinosGuia de raças de bovinos
Guia de raças de bovinos
 
Aula3 bov
Aula3 bovAula3 bov
Aula3 bov
 
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
projeto de suinocultura (trabalho do curso de técnico agrícola)
 
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012Introdução zootecnia   bovinocultura de corte - 2012
Introdução zootecnia bovinocultura de corte - 2012
 
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]Aula1  -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
Aula1 -suinocultura_[modo_de_compatibilidade]
 
Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...
Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...
Origem, Características Morfológicas, produtivas e indesejáveis das Raças Lar...
 
Inst gado leit_bio_digest_apres
Inst gado leit_bio_digest_apresInst gado leit_bio_digest_apres
Inst gado leit_bio_digest_apres
 
Coturnicultura
Coturnicultura Coturnicultura
Coturnicultura
 
Poedeiras
PoedeirasPoedeiras
Poedeiras
 
Suínocultura
SuínoculturaSuínocultura
Suínocultura
 
AULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdf
AULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdfAULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdf
AULA 2 - BEM-ESTAR ANIMAL.pdf
 
Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!Abate humanitário de suínos!
Abate humanitário de suínos!
 
Manejo de leitões 2
Manejo de leitões 2Manejo de leitões 2
Manejo de leitões 2
 
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinosSistemas de criação para ovinos e caprinos
Sistemas de criação para ovinos e caprinos
 
Avicultura
AviculturaAvicultura
Avicultura
 
Raças de suínos
Raças de suínosRaças de suínos
Raças de suínos
 
Slide suínos
Slide suínosSlide suínos
Slide suínos
 

Semelhante a Aumentar eficiência reprodutiva de rebanho de corte com práticas de manejo

22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino
22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino
22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrinofabianomarin1
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxhelidaleao
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxhelidaleao
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxhelidaleao
 
Apostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basicaApostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basicaLenildo Araujo
 
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhosICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhosRicardo Portela
 
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaiasICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaiasRicardo Portela
 
Manejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraManejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraMarília Gomes
 
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptxManejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptxhelidaleao
 
Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...
Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...
Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...ANCP Ribeirão Preto
 
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptxManejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptxGabrielMirandaMacamb
 
Saúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animalSaúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animalLarissaFerreira258
 
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínosAnatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínosMarília Gomes
 
Desempenho Reprodutivo do Nelore Bacuri
Desempenho Reprodutivo do Nelore BacuriDesempenho Reprodutivo do Nelore Bacuri
Desempenho Reprodutivo do Nelore BacuriANCP Ribeirão Preto
 
Características e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteiraCaracterísticas e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteiraCristovão Filho
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosKiller Max
 
Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015
Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015
Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015Neltton Yglesias
 
Estacao de-monta-pecuaria-de-corte
Estacao de-monta-pecuaria-de-corteEstacao de-monta-pecuaria-de-corte
Estacao de-monta-pecuaria-de-corteExagro
 

Semelhante a Aumentar eficiência reprodutiva de rebanho de corte com práticas de manejo (20)

22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino
22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino
22692estrategias reprodutivas carlos_augusto_gontijo_pellegrino
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptxAula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
Aula3 - introdução e linhagens de suínos.pptx
 
Apostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basicaApostila sunicultura basica
Apostila sunicultura basica
 
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhosICSC48 - Criação e manejo de coelhos
ICSC48 - Criação e manejo de coelhos
 
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaiasICSC48 - Criação e manejo de cobaias
ICSC48 - Criação e manejo de cobaias
 
Bovinos2008 2009
Bovinos2008 2009Bovinos2008 2009
Bovinos2008 2009
 
Manejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteiraManejo de recria leiteira
Manejo de recria leiteira
 
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptxManejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
Manejo-e-alimentação-da-vaca-em-lactação.pptx
 
Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...
Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...
Ensino Online: Stayability - Qual é sua importância para o rebanho e como aum...
 
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptxManejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
Manejo de Cabras em Lactaçãoxxxxxxxx.pptx
 
Saúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animalSaúde, nutrição e bem estar animal
Saúde, nutrição e bem estar animal
 
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínosAnatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
Anatomofisiologia da reprodução e manejo reprodutivo de suínos
 
Desempenho Reprodutivo do Nelore Bacuri
Desempenho Reprodutivo do Nelore BacuriDesempenho Reprodutivo do Nelore Bacuri
Desempenho Reprodutivo do Nelore Bacuri
 
Fisiologia e bovinos de leite e corte.pdf
Fisiologia e bovinos de leite e corte.pdfFisiologia e bovinos de leite e corte.pdf
Fisiologia e bovinos de leite e corte.pdf
 
Características e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteiraCaracterísticas e exigências da vaca leiteira
Características e exigências da vaca leiteira
 
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinosManejo reprodutivo de caprinos e ovinos
Manejo reprodutivo de caprinos e ovinos
 
Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015
Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015
Manejo de um rebanho de cria. dr jose galdino 2015
 
Estacao de-monta-pecuaria-de-corte
Estacao de-monta-pecuaria-de-corteEstacao de-monta-pecuaria-de-corte
Estacao de-monta-pecuaria-de-corte
 

Aumentar eficiência reprodutiva de rebanho de corte com práticas de manejo

  • 1. 14/10/2016 1 Manejo Reprodutivo na pecuária de Leite e Corte Prof. Hugo Shisei Toma Produção de Ruminantes I Manejo Reprodutivo na pecuária de Corte • avanços tecnológicos • novos conhecimentos científicos • aprimoramento das técnicas de criação animal • gerenciamento inadequado • falta de organização administrativa das propriedades • ineficiência operacional O que se pretende por intermédio do maior e melhor conhecimento é a aplicação das técnicas pecuárias avançadas e intensificar as parições, de forma que cada vaca, em idade reprodutiva, produza um bezerro por ano e este deva ser criado de forma sadia e desmamado com bom peso. Quais seriam as práticas de manejo para aumentar a eficiência reprodutiva de um rebanho de corte? • PRÁTICAS DE MANEJO: · Identificação dos animais e registro de ocorrências · Escolha do período de monta · Escolha do sistema de acasalamento · Preparo de novilhas para reposição · Diagnóstico de gestação e descarte · Determinação da idade à desmama · Atendimento às exigências nutricionais · Controle Sanitário do rebanho Registro de ocorrências • Marcação individual dos animais • Abortos • Diagnóstico de gestação • Peso da cria, ano de nascimento • Peso a desmama • Outros
  • 2. 14/10/2016 2 Aspectos gerais da reprodução • Puberdade: -machos – espermatozóides viáveis (utilização acima de 18-24 meses) -fêmeas – primeiro cio • Puberdade mais relacionada a peso que a idade (300 a 350kg na primeira cobertura - fêmeas) • Fêmeas com fraca ossatura e baixo desenvolvimento não devem ser cobertas cedo • Ciclo estral – poliéstrica anual (primavera – verão – maior número de cios) – Inverno – falta de pastagem (anestro fisiológico) • Ciclo de 21 dias • Estro ou cio – 18 - 24 horas (período para a cobertura) – Européias – até 30 horas – Zebuínas – 18-24 horas • Ovulação: depois do estro (cobertura no final do cio) • Regrinha: cio de manhã – insemina à tarde cio à tarde – insemina na manhã seguinte • Idade à primeira cobertura: 70 a 75% peso adulto – 300-350 kg • Gestação: média de 283 dias • Intervalo entre partos: ideal 365 dias (1 parto/ano) • IP = 365 dias • Gest = 283 dias • Sobram 82 dias (período de serviço e cobertura) • Idade a primeira cria – quanto mais nova, melhor* Escolha do período de monta • Sistema de Monta Contínuo – Desvantagens: · Nascimento ao longo do ano – épocas inadequadas; · Desenvolvimento prejudicado dos bezerros; · Baixa fertilidade das matrizes – aumento do intervalo entre partos · Dificuldade no controle zootécnico e sanitário
  • 3. 14/10/2016 3 “Estação de monta” ou “Período de monta” • Vantagens: – Identificar animais inférteis – Concentração dos partos – Melhor adequação do calendário sanitário – Melhor planejamento nutricional do rebanho – Desmamar animais mais pesados SAZONALIDADE DA PRODUÇÃO FORRAGEIRA • Época e duração da estação de monta 75 – 90% Produção Forrageira /Primavera e Verão – 6 – 7 meses/ano Produção de forragem X exigência nutricional Estação de Monta para Novilhas • Início: mínimo de 30 dias antes da EM de vacas. • Duração: 45 - 60 dias Mais tempo para recuperação após a 1º cria • Vacas adultas: 60 a 90 dias • Essa antecipação visa, principalmente, a proporcionar às novilhas, por estarem ainda em crescimento e lactação, tempo suficiente para a recuperação do seu estado fisiológico e iniciar o segundo período de monta, junto com as demais categorias de fêmeas Estação de Monta para Novilhas • O peso ideal novilhas Nelores: 290-300 kg/vivo, (criações extensivas = 26-30 meses) • Pastagens melhoradas = 28-24 meses • Novilhas com sangue europeu = 300-320kg/vivo • Idade: apartir dos 14-18 meses
  • 4. 14/10/2016 4 Limitações da E.M. • Aumento do número de touros – pode utilizar também a I.A. (qualidade maior) • Concentração nascimentos (corte só uma época do ano) – divisão em lotes com tratamentos diferentes: a) animal a pasto b) pasto + suplementação inverno c) pasto + suplementação + confinamento Limitações da E.M. • Dificulta o manejo inicial da cria pela concentração de nascimentos • Mudança no estabelecimento é lenta e causa transtornos (reduz bezerros no ano seguinte) Períodos da E.M. • Verão – outubro, novembro e dezembro – Nascimento em julho, agosto e setembro – Desmame em fevereiro, março e abril • Inverno – abril, maio e junho – Nascimento em janeiro, fevereiro e março – Desmame em agosto, setembro e outubro JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ DESMAMA NASCIMENTO ESTAÇÃO MONTA JAN FEV MAR ABR MAI JUN JUL AGO SET OUT NOV DEZ NASCIMENTO ESTAÇÃO MONTA DESMAMA ESTAÇÃO DE MONTA DE VERÃO ESTAÇÃO DE MONTA DE INVERNO E.M. de verão • Vacas bem alimentadas – ciclos regulares, boa fertilidade • Nascimento em período com baixa incidência de miíase e doenças • No nascimento, o bezerro depende mais do leite do que forragem – cuidado com a vaca (escore corporal) • Na desmama, é mas fácil suplementar bezerro do que a vaca E.M. de inverno • Maior peso ao nascer (pouco considerável) • Desmame no verão – melhor qualidade pastos • DESVANTAGEM: – suplementação para a vaca para não reduzir a fertilidade do rebanho – Lactação no inverno – Aumenta incidência de doenças – miíases, etc
  • 5. 14/10/2016 5 Estabelecimento da E.M. • Deve-se definir: • Meses da E.M. – verão ou inverno • Providenciar divisão pasto • Aumentar número touros • 2 maneiras diferentes: Estabelecimento da E.M. • Primeira maneira – gradativamente – Inicialmente com seis meses – Nos outros anos retira um mês, ou dois, até chegar a 3 meses Estabelecimento da E.M. • Segunda maneira – gradualmente – Primeiro ano: E.M. de nove meses (retira 3 meses – inverno) – Segundo ano: E.M. de seis meses – Terceiro ano: estação de monta de três meses Fertilidade dos Touros: - Exame Andrológico completo; - Exame Físico: defeitos de aprumos, cond.corporal, incidência de doenças, problemas respiratórios e dentição; - Exame do Trato Reprodutivo: anormalidades dos órgãos genitais; - Avaliação das características do sêmen; - Avaliação da libido; - Capacidade de Monta e relação touro/vaca Exame andrológico • Avaliação geral • Desempenho reprodutivo • Sistema locomotor • Órgãos genitais • Aspectos físicos e morfológicos do sêmen • Comportamento sexual Circunferência escrotal • Correlação negativa com idade à puberdade • Parâmetro reprodutivo fácil de ser mensurado • Correlaciona-se com o peso testicular
  • 6. 14/10/2016 6 Circunferência escrotal • Bom indicador do potencial de produção espermática • Correlações genéticas para esta característica • Utilizada no processo de seleção de reprodutores bovinos Mensuração da circunferência escrotal Avaliação do epidídimo Avaliação dos cordões espermáticos e mobilidade testicular Classificação andrológica de touros zebu, baseada no perímetro escrotal (cm) Parâmetros Classificação Excelente Muito bom Bom Questionável Motilidade espermática Vigor 5 4<5 3<4 <3 Motilidade progressiva 75 60<75 30<60 <30 Morfologia espermática Defeitos maiores 5 >5-10 10>20 >20 Defeitos totais 10 >10-15 >15-30 >30 Perímetro escrotal (idade em meses) 7 a <12 21,0 19,5<21,0 17,5<19,5 <17,5 12 a <18 26,0 24,0<26,0 21,5<24,0 <21,5 18 a <24 31,5 28,5<31,5 26,0<28,5 <26,0 24 a <36 35,0 32,0<35,0 29,0<32,0 <29,0 36 a <48 37,0 33,5<37,0 30,5<33,5 <30,5 >48 39,0 36,0<39,0 33,0<36,0 <33,0 Relação touro/vaca: Capacidade de monta Idade Estado nutricional e sanitário dos touros Tamanho e topografia das pastagens Aproximadamente 20 - 25 Vacas/ Touro Animal apto > 40 Vacas/ Touro • A inseminação artificial é uma das técnicas mais simples e de baixo custo empregada na área de reprodução animal e a que apresenta melhor resultado, quando se pretende realizar a seleção e o melhoramento genético de um rebanho como um todo (Vale, 2002). INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL
  • 7. 14/10/2016 7 • O melhoramento genético é realizado por meio do uso de sêmen de reprodutores de comprovado valor zootécnico e da sua utilização em rebanhos selecionados, pelo processo de inseminação artificial. • Apesar de sua simplicidade, a inseminação artificial requer um criterioso e rígido controle de suas diferentes etapas, que vai desde a seleção do reprodutor doador de sêmen, passando pelo processamento tecnológico deste, seleção e controle do rebanho, chegando até o treinamento do inseminador (Ohashi, 2002). INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL • VANTAGENS: – Facilitar a seleção e variabilidade genética do rebanho, possibilitando ao criador trabalhar com várias linhagens de reprodutores. – Maior controle reprodutivo dos animais – Permitir maior aproveitamento de reprodutores que apresentam características melhoradoras. Em condições de monta natural, um touro produz até 50 bezerros/ano, enquanto que com a inseminação artificial, pode produzir 5.000 ou mais bezerros/ano. INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL • VANTAGENS: – Diminuir a quantidade de touros na fazenda, facilitando o manejo e evitando brigas, reduzindo também os gastos com a aquisição e a manutenção de reprodutores. – Assegurar ao proprietário a possibilidade de estocar e utilizar o sêmen de um reprodutor, mesmo depois de morto. – Contribuir para um maior controle sanitário e reprodutivo do rebanho, eliminando as doenças da reprodução como campilobacteriose, brucelose e outras. INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL • DESVANTAGEM: –Manejo mais intensivo e trabalhoso –Custo (questionável) –Exige pessoal habilitado, para realizar a correta observação do cio, além de equipamentos especiais. –Necessita de um inseminador capacitado, honesto e responsável. INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL • DESVANTAGEM: – Pode disseminar rapidamente características indesejáveis quando não se conhece o reprodutor utilizado. – Pode propagar algumas doenças, causar lesões e infecções no aparelho reprodutivo da fêmea quando o método não é utilizado corretamente. – É necessário um manejo adequado, com boa alimentação, mineralização correta, assistência médica veterinária e responsabilidade. INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL • Necessidade de touro de repasse – I.A. comum • IATF – inseminação artificial em tempo fixo INSEMINAÇÃO ARTIFICIAL
  • 8. 14/10/2016 8 Sincronização estro • Indução de estro e ovulação • Planejamento prévio • Boa alimentação e sanidade no rebanho • Inseminadores bem treinados e sêmen de boa qualidade • Vários protocolos hormonais disponíveis no mercado Escore Condição Corporal (ECC) da Vaca ao Parto • Porque avaliar? R: Interfere no retorno a atividade reprodutiva e na eficiência reprodutiva do rebanho Não seria melhor pesar os animais? Comparação entre a condição corporal e a prenhês na IATF Classificação do ECC • A condição corporal dos animais são avaliados em escores. São usadas duas escalas que podem variar: • 1 até 5 • 1 até 9. 1 - Caquético 2 - Magro
  • 9. 14/10/2016 9 3 - Média ou ideal 4- Gordo 5 - Obeso
  • 10. 14/10/2016 10 Percentagem de vacas em cio aos 40, 50 e 60 dias após o parto, de acordo com o estado corporal ao parto Estado corporal ao parto Percentagem de cio 40 dias 50 dias 60 dias Magra 19 34 46 Moderada 21 45 61 Boa 31 42 91 Quando determinar a condição corporal da vaca visando ajustes de manejo e avaliação do animal • Estádio 1 – Pico da Lactação e Involução Uterina • Estádio 2 – Lactação e Estação de Monta (Início da Gestação) • Estádio 3 – Desmama e Terço Médio da Gestação • Estádio 4 – Terço Final da Gestação Fatores que levam a baixa eficiência reprodutiva • Reflexo de distúrbios que afetam negativamente a função fisiológica das fêmeas e dos machos bovinos: anestro repetição de cio mortalidade embrionária precoce ou tardia aborto retenção de placenta retardamento da puberdade e maturidade sexual.
  • 11. 14/10/2016 11 Conseqüências • o aumento do período de serviço • a elevação do número de serviço/concepção • o aumento do intervalo entre partos • a redução da vida útil da fêmea • descartes precoces de reprodutores Eficiência Reprodutiva A baixa produtividade do rebanho deve-se, essencialmente, aos seguintes fatores: • Baixo desempenho reprodutivo • Potencial genético inferior dos animais • Alimentação inadequada • Longo intervalo entre partos (acima de 18 meses) • Caracteriza a baixa eficiência reprodutiva dos sistemas de criação tradicional • Além do baixo potencial genético, o longo intervalo entre partos não permite que esse potencial seja totalmente explorado Eficiência Produtiva DESMAMA · Separação definitiva bezerro – mãe: interrupção da amamentação · Bezerros com 6 – 8 meses de idade · Reduz o estresse da amamentação e Anestro Pós – Parto · Tipos: Tradicional, Precoce, Temporária e Amamentação Controlada Desmama temporária ou interrompida (Shang) • Separar o bezerro da mãe por 48 a 72 horas • Estimular a liberação de LH (restabelecimento dos ciclos estrais) Restrição de alimento Sem restrição de alimento Amamentação Controlada: · Objetivo: controlar o acesso do bezerro à amamentação; · A partir de 30 dias de idade – bezerros são apartados da vaca; · Amamentação – 2 períodos: 6 – 8 horas e 16-18 horas; · Uso limitado – manejo intensivo (1ª semana de aparte).
  • 12. 14/10/2016 12 Habilidade materna • A habilidade materna (capacidade de criar bezerros sadios e desmamá-los pesados), embora muitas vezes não levadas em consideração, traz grandes prejuízos. • Matrizes que não desmamam bezerros pesados apresentam baixa habilidade materna, não sendo consideradas boas mães. Baixa Habilidade materna • Defeitos de úbere (tetos muito grossos) • Peitos secos por inúmeras causas • Não produzir leite suficiente • Diminuição de produção de leite pela idade avançada • Mães que enjeitam (rejeitam) bezerros • Dentre outras causas Cuidados com as doenças da reprodução Além da estacionalidade da oferta de pastagem, a ocorrência de doenças da esfera reprodutiva, tais como: • Brucelose • Tricomonose • Campilobacteriose • Leptospirose • rinotraqueíte infecciosa (IBR) • diarréia viral bovina (BVD) Importante! Programa de controle sanitário do rebanho Estratégias para Melhorar a Eficiência Reprodutiva de Bovinos Leiteiros • Melhoria na Produtividade depende: Melhoramento Genético Racionalização de manejo Melhoramento Genético: • IA • TE • Indução/sincronização de cio • Monta natural controlada • FIV • Clonagem • Programas de reposição (novilhas/touros da cria/recria; aquisição de matrizes/reprodutores)
  • 13. 14/10/2016 13 Racionalização de Manejo • Programas Nutricional (ECC) e Sanitário (doenças específicas e inespecíficas) • Controle reprodutivo • Otimização de recursos (financeiros, equipamentos, instalações) Controle Reprodutivo • Bom desempenho reprodutivo: Redução de IEP (Intervalo entre partos): Intervalos entre partos curtos aumentam a produção de leite por dia de vida útil da vaca e resultam em maior número de bezerros nascidos. • Resultado: Gestação mais cedo possível após o período voluntário de espera (PVE) no pós-parto. Prolongamento do IEP: • Detecção de cio • Queda na Taxa de Concepção (TC) • Problemas reprodutivos Alterações na expressão de estro da vaca leiteira • A duração e intensidade de estro em bovinos leiteiros estão diretamente relacionadas à categoria dos animais (novilha ou vaca lactante) e ao nível de produção leiteira Novilhas (das raças Holandesa e Jersey) aceitaram mais montas por estro comparadas às vacas lactantes e tiveram maior duração de estro Animais mantidos em confinamento (alta produção) apresentam menos montas por estro e curta duração de estro em vacas lactantes Vacas de alta produção possuem menores níveis de progesterona em função da maior ingestão de matéria seca de dieta com alta densidade nutricional Vacas Mantidas a pasto (Mestiças) • Anestro pós-parto • Ondas de crescimento folicular curtas • Ovulação antes do segundo estimulo hormonal dos protocolos de sincronização • Procura-se aumentar a taxa de sincronização e induzir à ciclicidade • Solução → Utilizar o implante de P4: Mantém o desenvolvimentofolicular Inibe ovulações antes da aplicação do segundo estimulo hormonal
  • 14. 14/10/2016 14 Vacas Confinadas (Holandesas de Alta Produção) • Anestro • Baixa taxa de detecção de estro • Baixa taxa de ovulação ao primeiro estimulo hormonal • Solução → Aumentar a taxa de sincronização Essas diferenças de comportamento estral estão relacionadas à quantidade de estrógeno: – Vacas lactantes e de alta produção possuem menores níveis circulantes de E2 que novilhas e vacas de baixa produção. Estratégias de manejo reprodutivo Inseminação Artificial em Tempo Fixo (IATF): é uma técnica que induz a ovulação da vaca, através da sincronização do cio do rebanho com a aplicação de hormônios, diferente da outra técnica que consiste na observação do cio. A ferramenta da IATF, por si só, não vai funcionar. Os animais têm que estar bem alimentados e apresentar condição corporal para receber a técnica. Ou seja, nutrição e sanidade precisam estar em dia. A IA é realizada em todos os animais, em momento pré- determinado e sem observação de cio. • Vantagens do uso de IATF: Viabilidade da I.A. Melhoramentogenético. Aumento da taxa de prenhez. Redução do I.E.P. Antecipação de 30 dias na concepção. Redução de 30 a 40% no número de touros de repasse. Racionalização da mão de Obra. • Animal ideal para IATF: Precisa estar ganhando; apresentar balanço energético positivo. Na escala ECC, de 1 a 9, o ideal é que esteja com escore 5. Não deve ter idade muito avançada. Transferência de Embriões (TE): Está baseada no princípio da multiplicação da progênie, de forma acelerada, de fêmeas (doadoras) consideradas superiores. Pode ser usada como técnica que substitui a IA: Estudos demonstraram que vacas leiteiras com produtividade elevada têm desenvolvimentoembrionário inicial pobre. A fase peri-ovulatória (entre alguns dias antes e alguns dias depois da inseminação e ovulação) é o período mais crítico relacionado com a fertilização. Portanto, a TE pode ser uma solução para este período mais crítico que a IA enfrenta.
  • 15. 14/10/2016 15 Fertilização in vitro: A técnica de FIV consiste basicamente em realizar a fecundação: União do gameta masculino (espermatozóide) e o gameta feminino (óvulo ou ovócito) em um ambiente de laboratório. Objetivo: produzir embriões em larga escala e mais baratos. Manejo reprodutivo de novilhas • Puberdade: O peso, e não a idade, deve ser o fator a ser observado na reprodução de novilhas leiteiras. Raças leiteiras os animais são precoces. O crescimento das bezerras depende basicamente da nutrição. O volumoso pode se tornar um fator limitante ao processo de crescimento, se sua composição não for favorável. • Opções de manejo (novilhas taurinas/mestiças): Acasalamento com touros Observação diária do cio e IA; Sincronização de cio e IA após detecção de cio; Sincronização de ovulação e IATF; • Acasalamento com touros → menos recomendado aumentar o risco de acidentes com esses animais pode ter índices reprodutivos insatisfatórios, caso haja problema de fertilidade no reprodutor. as novilhas são as fêmeas com maior potencial genético da propriedade e, portanto, devem ser acasaladas com reprodutores de elevado mérito genético. • Observação diária de cio e IA → alta freqüência em granjas leiteiras Recomendação: checar cio 2x ao dia com intervalo de 12 horas. Após detecção do cio: Inseminar segundo a regra am- pm (cio na manhã, IA a tarde; cio a tarde, IA de manhã). O produtor também pode lançar mão de ferramentas auxiliares à detecção de cio, tais como o uso de rufiões com buçal marcador. • Sincronização de ovulação e IATF: Sincronizar a onda folicular, para que haja regressão de CL e indução da ovulação de um folículo maduro. A IA é realizada em todos os animais, em momento pré- determinado e sem observação de cio.
  • 16. 14/10/2016 16 Manejo reprodutivo de vacas em lactação • Dificuldade da obtenção de um baixo IEP: Vacas leiteiras geralmente têm baixa eficiência reprodutiva. • Dentre as principais razões para IEP prolongados: Baixa taxa de detecção de cio Baixa taxa de serviço Baixa taxa de prenhez Baixa taxa de concepção Vacas taurinas: Baixa taxa de detecção de cio Taxa de concepção muito baixa - menor eficiência reprodutiva que mestiças. Vacas mestiças: Taxa de concepção aceitáveis Baixa taxa de prenhez Limitação na expressão e detecção do cio Maior atraso no retorno à ciclicidade pós-parto. Eficiência na detecção do cio • Em vacas leiteiras, a manifestação de cio é pouco evidente e podem diminuir mais devido a : Fatores ambientais (especialmente estresse térmico) Vacas em piso de concreto demonstram menos comportamento de cio que as de pasto Pastagens altas dificultam visualização do comportamento Vacas acíclicas ou anovulatórias, após período voluntário de espera, tendem a não manifestar cio Falhas dos funcionários que manejam as vacas em observar e detectar Taxa de prenhez de vacas leiteiras Fatores que influenciam: • Escore de Condição Corporal • Infecções • Retorno a ciclicidade • Estresse térmico • Eficiência na detecção do cio • Manipulação hormonal do ciclo estral ECC: Escore de Condição Corporal • O ECC tem o objetivo de mostrar o escorre ideal em cada fase para a máxima produção de leite, • Estabelecer o correto ECC para prevenir os problemas ao parto, tanto distocias como problemas metabólicos. • No BEN, a vaca possui um nível maior de GH, o qual mobiliza os nutrientes da dieta para a produção de leite. • Deve-se ter atenção especial com a nutrição das vacas no pré e no pós-parto, para que estejam com CC adequada ao parto e percam pouca condição durante a lactação. Avaliar o escore de condição corporal é uma técnica simples de ser aprendida e pode ser realizada até mesmo com os animais no pasto. Escore de condição corporal recomendado para cada fase produtiva das fêmeas bovinas:
  • 17. 14/10/2016 17 Como modificar o ECC? • O ECC não pode ser alterado rapidamente. • A dieta deve ser balanceada para que a recuperação seja lenta, sem comprometer a saúde da vaca. • As vacas gordas devem ser mantidas em pasto de baixa qualidade, mas com fibra suficiente para garantir a funcionalidade do rúmen. Esses animais devem ser monitorados constantemente, pois a perda de peso pode causar problemas metabólicos, principalmente no pré-parto. Sistema de índice de condição corporal segundo Edmonson et al, (1989). ECC = 2,0 ECC = 4,0 • Os estímulos metabólicos e endócrinos associados ao BEN comprometem a retomada dos ciclos ovulatórios, a qualidade do oócito do embrião, o estabelecimentoe a manutenção da gestação em bovinos de leite. • Perda de ECC nas primeiras semanas de lactação em holandesas: pior eficiência reprodutiva. • Parto com baixo ECC em vacas mestiças: menor porcentagem de retorno ao cio e menor fertilidade no pós-parto. • Como pode ser observado na figura abaixo, cada 0,5 ponto a mais no Escore de Condição Corporal (ECC, escala de 0 - 5), a taxa de ciclicidade aumenta 22,4%: 0,0% 20,0% 40,0% 60,0% 80,0% 100,0% 1,75 2 2,25 2,5 2,75 3 3,25 Primíparas 41,0% Multíparas 73,,2% 0,0% 20,0% 40,0% 60,0% 80,0% 100,0% 1,75 2 2,25 2,5 2,75 3 3,25 Primíparas 41,0% Multíparas 73,,2%
  • 18. 14/10/2016 18 • Fatores que afetam início do ciclo: perda de escore corporal nas primeiras semanas de lactação em holandesas parto com baixo ECC, reduzindo a % de retorno ao cio e queda na fertilidade pós- parto Estímulos endócrinos e metabólicos do BEN afetam vários pontos da reprodução Cuidados com as doenças da reprodução Além da estacionalidade da oferta de pastagem, a ocorrência de doenças da esfera reprodutiva, tais como: • Brucelose • Tricomonose • Campilobacteriose • Leptospirose • rinotraqueíte infecciosa (IBR) • diarréia viral bovina (BVD) Importante! Programa de controle sanitário do rebanho Estresse • Seu aumento está relacionado com o aumento na incidência de doenças pós-parto como: Retenção de placenta Atraso na involução uterina Infecções uterinas pós-parto Resultado: aumento do IEP Conclusão • A obtenção da máxima eficiência só é possível por meio de planejamento e execução de um bom programa de reprodução e melhoramento genético utilizando as biotécnicas com eficácia, além de treinamento e valorização do homem. Fim!!