ANO XVII - Nº 213 - AGOSTO DE 2014 DISTRIBUIÇÃO GRATUITA
“A Palavra de Deus é Viva e Eficaz.” Hb 4,12
Editorial
2
Enfoque Pastoral
FD | Agosto de 2014
	 No mês de agosto a Igreja celebra a Assun-
ção de Maria.
	 No céu abert...
3FD | Agosto de 2014
Voz do PastorMÊS DE AGOSTO
	 Irmãs e irmãos no Senhor, paz!
	 Pastoralmente, em nossa diocese, o mês
...
4 FD | Agosto de 2014
Bíblia
Liturgia
	 Adedicação da Capela N. Sra. Apareci-
da do Jd Bela Vista, paróquia da Vila Fátima...
55FD | Agosto de 2014
Educação
Falando da Vida
	 Mais uma vez estamos diante de um
quadro eleitoral em todo o país. Desta ...
66 FD | Agosto de 2014
Aconteceu DEDICAÇÃO DA IGREJA
DE N. SRA. APARECIDA – BELA VISTA
No Ano Jubilar dos 50 anos da Paróq...
57FD | Agosto de 2014
Aconteceu
	 O Conselho Municipal de Saúde de
Guarulhos vem junto à Diocese de Guarulhos es-
clarecer...
68 FD | Agosto de 2014
Vai Acontecer
59FD | Agosto de 2014
Vai Acontecer
	 Écom grande alegria que anunciamos o
retorno das atividades da pastoral universitári...
610
ATENÇÃO COLABORADORES: Enviem suas matérias até o dia 15 de cada
mês, contendo no máximo 30 linhas, com corpo 14. Caso...
511FD | Agosto de 2014
Vida Religiosa
Vida Presbiteral
“A alegria do Evangelho enche o coração
e a vida inteira daqueles e...
IMPRESSO
ESPECIAL
7220993744 - DR/SPM
MITRA DIOCESANA
CORREIOS
Responsáveis: Pe. Francisco G. Veloso Jr. - coordenacao@dio...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Fd agosto 2014_baixa

381 visualizações

Publicada em

:)

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
381
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
54
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fd agosto 2014_baixa

  1. 1. ANO XVII - Nº 213 - AGOSTO DE 2014 DISTRIBUIÇÃO GRATUITA “A Palavra de Deus é Viva e Eficaz.” Hb 4,12
  2. 2. Editorial 2 Enfoque Pastoral FD | Agosto de 2014 No mês de agosto a Igreja celebra a Assun- ção de Maria. No céu aberto, foi visto o templo de Deus e a arca da aliança. Um grande sinal então apareceu : uma mulher vestida de sol, com a lua debaixo dos pés e uma coroa de doze estrelas na cabeça; estava grávida, pres- tes a dar a luz e seu filho foi arrebatado para junto de Deus – diz o Apocalipse, o livro que visa apontar a vitó- ria de Cristo Ressuscitado aos primeiros cristãos, para que fossem perseverantes em meio às cruéis persegui- ções que se precipitavam sobre a Igreja nascente. A tradição cristã mais autêntica viu aí um símbolo de Maria e da Igreja, da qual a Virgem é o modelo e mem- bro proeminente. O filho é Jesus. O sol é a ressurreição do Senhor, luz do mundo, que fortifica e vivifica seu pequeno rebanho. Aquele que fez dos céus o seu templo quis habi- tar no seio de Maria, fazendo-se homem para nos elevar até ele. Terminado o caminho de sua vida terrestre, a Virgem Maria foi levada ao céu em toda a sua huma- nidade. Este grande mistério de fé, correlato à Res- surreição de Cristo, tem grandes conseqüências: o ser humano, criado à imagem e semelhança do Senhor, ha- bitação do Altíssimo, não pode ser submetido à escravi- dão, à tortura, à fome, à humilhação, pois seu destino é brilhar como o sol no reino de Deus. Jesus é o templo de Deus; por meio dele, cami- nho, verdade e vida, é que se adora ao Pai em Espírito e verdade. Pela graça, Maria se tornou habitação viva do Senhor. Pela graça, cada cristão se torna também tem- plo de Deus, por isso se esforça por viver na justiça e na santidade. O Senhor quis viver na humildade e na sim- plicidade de uma família humana partilhando de suas alegrias e dores, ensinando que todos os povos são cha- mados a fazer parte de sua família através da prática da vontade do Pai no quotidiano de suas vidas. Como templo vivo do Espírito, cada cristão é convidado, a exemplo de Maria, a acolher e semear a Palavra da vida. A vida pastoral da Igreja deve ser expressão e conseqüência de sua mais íntima pertença ao Senhor, pois decorre da acolhida ao chamado comum a todo cristão: a vocação à santidade. Deus quis habitar em sua Igreja, a tal ponto que o Apóstolo Paulo a chama corpo do Senhor. Assim, pois, o templo cristão é antes de tudo espiritual: “...já não sois hóspedes nem peregrinos, mas sois concida- dãos dos santos e membros da família de Deus, edifica- dos sobre o fundamento dos apóstolos e profetas, ten- do por pedra angular o próprio Cristo Jesus. É nele que todo edifício, harmonicamente disposto, se levanta até formar um templo santo no Senhor. É nele que também vós entrais conjuntamente, pelo Espírito, na estrutura do edifício que se torna a habitação de Deus.” (Efésios 2, 19-22) Estamos restaurando aos poucos nossa Cate- dral de Guarulhos, expressão de amor dos que viveram aqui antes de nós e se esforçaram admiravelmente para erguer um templo visível que fosse expressão da Igre- ja, esposa de Cristo. Tudo começou em 1560, quando os jesuítas e os índios fizeram uma tosca capelinha. Em 1685, foi criada a Paróquia de Nossa Senhora da Con- ceição dos Guarulhos, uma das mais antigas do Brasil. Com a criação da Diocese, em 1981, foi designada Cate- dral, a Igreja Mãe. A história da Igreja e da própria cidade de Guarulhos passam por nossa Catedral. Dedicada à Mãe de Deus, seja símbolo da Igreja viva que aí se reúne e aponte humildemente a Jerusalém celestial, onde não haverá templo, nem lâmpada, pois seu templo e sua luz é o Cordeiro. Padre Antônio Bosco Vigário Geral O TEMPLO DE DEUS O mês de agosto é um tempo especial, onde na nossa Igreja refletimos sobre as vocações e bem sabemos que todas as vocações nascem na família. Todas as famílias são por Deus chamadas a se- rem o que por essência são. Pode parecer estranha a afirmação, pois todos nascemos em uma família, sendo ou não aceitos nela. Na verdade, por uma percepção re- finada, apresentamos algo mais profundo. Mesmo que sejamos famílias desde o nascimento, podemos admitir que, aos nascermos, ainda não somos em plenitude, pois, não temos uma identidade. Somos apenas seres abertos ao vir-a-ser família. Um conselho: construa sua identidade, ou seja, torna-te de fato o que já és como possibilidade. O fenômeno da família, no qual se insere o ho- mem, decorre do fato de que o ser humano surge para a vida numa situação de desamparo e, por isso, está necessariamente referido a outro. Existem seres vivos que são autônomos desde os primeiros momentos de sua existência, o que pode ser observado fartamente na natureza animal. Ao contrário, um ser humano recém- -nascido demanda uma série de cuidados para poder sobreviver e levar adiante seu próprio desenvolvimento até a maturidade. Surge assim uma relação entre uma nova vida, que ainda não tem a consciência de sua própria existência, e uma outra em andamento, representada pelos pais, cuja função é a de facilitar o advento das capacidades que resultem necessárias das circunstân- cias vitais e históricas, as quais estão delimitadas por um arco de tempo que, normalmente, encerra-se no momento em que aquela nova vida alcança sua inde- pendência existencial. Essa independência costuma surgir com a conquista de uma profissão. Mesmo assim, o processo familiar não cessa, porque o elemento de potencialida- de interior no ser humano é essencialmente maior do que nos animais irracionais: nestes seres, os limites de possibilidade e de realidade alcançam rapidamente sua descoberta, causando a impressão de já estarem pre- dispostos em sua própria natureza. No ser humano, a situação é completamente diversa. Como resultante da importância dessa dimen- são familiar, nós, como homens e mulheres, devemos nos debruçar sobre o estado da arte familiar nos dias atuais. Há algumas décadas, pudemos escutar dos lá- bios do saudoso Papa João Paulo II, que havia chega- do para toda civilização ocidental a “hora da família”. Mais do que assinalar as respostas que a ideia contem- porânea de família — na maioria das vezes, endossada normativamente pelo Direito — nos propõe como solu- ção para o período de transição da modernidade para a pós-modernidade em que vivemos, é imprescindível demonstrar como a família pode ser uma primordial e insubstituível protagonista das mudanças radicais que nossa sociedade reclama no alvorecer do século XXI. Ao analisarmos as relações entre a família, como ente social, e seu atual entorno histórico-existen- cial, esboça-se uma atitude defensiva, porque a insti- tuição familiar vem sendo submetida a um progressivo processo de deterioração de suas bases ontológicas a partir de vários campos do saber. A família está cerca- da em seus últimos redutos, por todos os lados, com pouca munição, pessoal e moral abalados. Entretanto, agora, é a hora da família. É a vez de sair de sua postura defensiva para um protagonismo amavelmente ofensi- vo, em virtude, justamente, dos bens e deveres em jogo para o futuro da humanidade. Os pais de família estão abertos ao mundo de seus filhos. Só eles sofrem pela prole e esgotam o sofri- mento temporal. Aqueles que nunca tiveram um filho enfermo não sabem o que é a enfermidade. Aqueles que nunca perderam um filho não sabem o que é a dor. E tampouco sabem o que é a morte. A família é como nos ensina Paulo VI, a fonte da civilização do amor. A família é o motor de uma ver- dadeira e fecunda revolução. Afinal, como já lembrava João Paulo II, “tal é a família, tal é a nação, porque tais são seus membros”. O amor é o que dá sentido à vida, o que dá sentido à família. A maior garantia para que o amor das famílias não desapareça mas ainda se torne mais profundo, mais verdadeiro através dos anos é estar a família constantemente em busca da sintonia entre seu projeto fundamental de vida e o projeto de Deus, fonte de toda a vida para nós. Padre Francisco Gonçalves Veloso Júnior Coordenador Diocesano de Pastoral FAMÍLIA: BERÇO DAS VOCAÇÕES
  3. 3. 3FD | Agosto de 2014 Voz do PastorMÊS DE AGOSTO Irmãs e irmãos no Senhor, paz! Pastoralmente, em nossa diocese, o mês de agosto nos envolve num movimento pastoral considerável. Quero tecer algumas considera- ções sobre estes acontecimentos. Começamos a “digerir” e amadurecer o conteúdo da “Semana diocesana de Formação”. É prioritário pensar na conversão pastoral como renovação indispensável para as nossas paró- quias. Toda atitude de conversão nos coloca a ca- minho. Portanto, ninguém se iluda que as coisas se transformem de um momento para o outro. O importante agora é colocar-se a caminho. Acre- dito que um primeiro passo importante é que os grupos de rua, grupos de base, grupos de evan- gelização ou qualquer nome que queiram dar, sejam revitalizados. Seja feito todo esforço para que não sejam mais somente grupos de novena do Natal ou Campanha da Fraternidade. Os gru- pos devem se encontrar todas as semanas ao re- dor da Palavra e do ensinamento da Igreja. Antes de pensarmos em mudanças estruturais, temos que aprender a nos deixar guiar pelo Espírito. A propósito dos grupos de rua, o mês de agosto traz duas atividades. A primeira atividade são as reuniões em torno da “Semana Nacional da Família” de 10 a 16 de agosto. Neste ano esta atividade tem um caráter muito especial, pois será um momento de reflexão e de oração para o III Sínodo Extraordinário dos Bispos, no próximo mês de outubro, que tratará sobre a evangeliza- ção da família. A segunda atividade, que pode também ocupar o mês de setembro, é a reflexão, em 04 encontros sobre Fé e política, preparando o nos- so povo católico para uma participação ativa nas próximas eleições. Visto que a CNBB publicou a declaração “Pensando o Brasil”, em vista das pró- ximas eleições, sugiro, quem quiser, que adquira a mesma através das Edições CNBB, através do site www.cnbb.org.br Para muitos estas duas atividades podem ser um momento propício para revitalização dos grupos. A Coordenação Diocesana de Pastoral irá pensar em outros temas para a continuação se- manal dos encontros até o início da Novena do Natal. Os Conselhos Forâneos de Pastoral do mês de agosto está destinado especialmente aos agentes de pastoral das Pastorais Sociais. Os Con- selhos do mês de outubro também. Serão dois momentos formativos que, espero, possam aju- dar a articulação das pastorais sociais nas paró- quias e em nossa diocese. O mês de agosto, mês vocacional, seja para todos nós uma oportunidade de renovação em Cristo da própria vocação. Não murmuremos diante do número de atividades, mas vamos dar graças ao Deus que nos proporciona tantos mo- mentos de renovação. +Edmilson Amador Caetano, O.Cist. Bispo diocesano de Guarulhos AGENDA DO BISPO 01 14-21h - Visita Pastoral Paróquia Sto. Antonio - Gopoúva 02 17h - Formação para coordenadores de círculos ECC - Tranquilidade 03 11h - Missa Catedral 04-08 Retiro do Clero Diocesano 09 15h - Encontro com coordenadores da Past. do Batismo - Capela S. José 18h - Iniciação cristã de adultos - paró- quia Sto. Antonio (Pq Sto. Antonio) 10 08h - Missa Capela São Geraldo Paróquia N. Sra do Bonsucesso 11 07h - Missa Stella Maris 14h30 - Atendimento Cúria 20h - Missa Semana da Família Santuário São Judas Tadeu 12 09h30 - Atendimento Cúria 14h30 - Economato 13 09h30 - CODIPA e 14h - Atendimento 14 07-09h - Propedêutico 09h30 - Conselho de presbíteros 19h30 - Novena de São Roque em São José do Rio Pardo - SP 15 15-19h - Seminário Diocesano 16 10h - Presença no Encontro Mundial Matrimonial - Ponte Grande 19h30 - Missa Par. São Roque - CECAP 17 11h - Crisma Paróquia Sto. Antônio Vila Augusta 18 12h - Missa Catedral 19 20h - Conselho Forâneo de Pastoral - Forania Fátima 20 09h30 - Reunião do clero 15h - Atendimento Cúria 21 20h - Conselho Forâneo de Pastoral - Forania Aparecida 22 14-21h - Visita Pastoral Sant. S. Judas 23 15h30 - Palestra ECC - 2a. etapa - For. Bonsucesso - Par. Sta Cruz - Pres. Dutra 19h30 - Crisma - Sta. Luzia - Alvorada 24 10h - Profissão Religiosa Ir. Josinete - Com. NS Guadalupe - Jd. Fortaleza 15h - Crisma Par. NS Aparecida - Cocaia 25 12h - Missa Catedral 14h30 - Atendimento Cúria 26 20h - Conselho Forâneo de Pastoral - Forania Bonsucesso 27 09h30 - Atendimento Cúria 14-21h - Visita Pastoral NS do Rosário 28 09h30 - Colégio de Consultores 17-21h - Visita Pastoral na paróquia Sta. Rita de Cássia - Jardim Palmira 29 14h30 - atendimento Cúria 20h - Conselho Forâneo de Pastoral - Forania Imaculada - S. Judas 30 15h30 - Palestra ECC 2a. etapa - Fora- nia Aparecida - São Roque - CECAP 19h - Crisma Par. NS Aparecida - Cocaia 31 09h - Missa Encontro “Viva a vida” 18h - Missa na Festa NS do Bonsucesso
  4. 4. 4 FD | Agosto de 2014 Bíblia Liturgia Adedicação da Capela N. Sra. Apareci- da do Jd Bela Vista, paróquia da Vila Fátima, em 09 de julho deste ano, foi uma celebração muito especial. A acolhida da comunidade local, a par- ticipação das demais comunidades, a beleza da igreja, a presença de nosso bispo D. Edmilson, do pároco Pe Tarcísio e dos padres da diocese, a par- ticipação do povo nos cantos e ritos, tudo isso con- firma a alegria de sermos Igreja Viva, que caminha para o Reino do Pai. Na liturgia, a palavra tem verdade, ou seja, tem a propriedade de realizar aquilo que significa. É algo muito belo e profundo, quando se cria sin- tonia entre a palavra e a comunidade que celebra, através dos símbolos, cantos e ritos, mas neces- sita de nossa abertura e sensibilidade. No Ritual de Dedicação da Igreja, realizado na missa daquele dia, esta dimensão da palavra criadora na liturgia se tornou bastante evidente e comprometedora. Vejamos alguns momentos da celebração, para perceber como isso aconteceu. No início da celebração, o povo reuniu-se em frente à porta lateral da igreja. O bispo saudou o povo reunido e disse: “Com grande alegria esta- mos aqui reunidos, meus irmãos, com o intuito de dedicar a nova igreja pela celebração do sacrifício do Senhor. Participemos destas santas cerimônias com todo o fervor, ouvindo com fé a palavra de Deus, para que a nossa comunidade, renascida da mesma fonte batismal e alimentada na mesa comum, cresça e forme um templo espiritual...”. E com grande alegria o povo respondeu, cantando o salmo 15(16) “Senhor, quem entrará no santu- ário pra te louvar? Quem tem as mãos limpas e o coração puro...”. E em procissão nos dirigimos à porta principal. D. Edmilson entregou as chaves ao Pe. Tarcísio, e depois de aberta a porta, convidou o povo com as palavras do salmo 100(99) “Entrai pelas portas do Senhor, dando graças, e nos seus átrios com hinos de louvor”. Várias vezes neste ritual se torna evidente que a consagração não é para o templo, mas para o povo que o habita, para que se torne Templo do Espírito Santo. Na oração de bênção da água, o bispo pediu: ó Deus, “Por vossa bênção, santificai esta água, vossa criatura. Aspergida sobre nós e as paredes deste templo, seja lembrança de nos- so batismo, pelo qual, lavados em Cristo, nos tor- namos templo do vosso Espírito...”. E com alegria o povo respondeu: “Banhados em Cristo, somos uma nova criatura...” Antes da liturgia da Palavra, em oração o bispo pediu: “Eterno, onipotente Deus, inun- dai este lugar com vossa graça, e a todos os que vos invocam prestai vosso socorro; que aqui o poder de vossa palavra e de vossos sacra- mentos confirme o coração de todos os fiéis”. Na Liturgia da Palavra, o livro das leituras foi apresentado pelos leitores e salmista ao bispo, e o bispo o mostrou à comunidade. E disse: “A palavra de Deus ressoe sempre neste templo; que ela vos revele o mistério de Cristo e opere na Igreja a vossa salvação”. É pela palavra que Deus vai construindo a vida nova em nós. Depois da Liturgia da Palavra, na prece de dedicação do altar o bispo rezou: “... Senhor: dignai-vos inundar esta igreja e este altar com san- tidade celeste; que sejam sempre lugar santo e mesa perenemente preparada para o sacrifício de Cristo... Aqui, os pobres encontrem misericórdia, os oprimidos alcancem a verdadeira liberdade e todos sintam a dignidade de ser vossos filhos e fi- lhas, até que, exultantes, cheguem à Jerusalém ce- leste.”. O altar e as cruzes da Igreja foram ungidos, e o povo cantou: nós fomos “batizados, confirma- dos, evangelizados no Senhor! Ungidos com seu óleo santo, nós seremos testemunhas do amor”. O compositor Vitor Chaves, num recente sucesso sertanejo, dizia: “Preciso dizer que preciso sentir verdade no que você diz e faz...”. Na litur- gia, necessitamos de ter verdade nas relações, nas palavras, cantos, gestos e símbolos, ou seremos contratestemunho do que proclamamos e faze- mos. Vamos educar nossos sentidos para captar o chamado de Deus, nas palavras, gestos e cantos da Liturgia. Mas também eduquemos nossos ouvidos para ouvi-lo nas pessoas da comunidade, no povo celebrante e nos ministros servidores, para que nossas relações humanas sejam reflexos do amor transbordante da Santíssima Trindade. Pe Jair Costa Assessor diocesano de Liturgia A VERDADE DAS PALAVRAS Tanto a prática de Jesus como a dos discípulos vai encontrar resistência. No evan- gelho de Mateus a missão dos discípulos, é simples e, como a de Jesus, implica em ensi- namento: ler a Bíblia na perspectiva da justiça; anúncio: o Reino de Deus é a justiça que liber- ta; e cura: a justiça é prática que liberta o povo. Para uma sociedade governada por critérios contrários aos do Reino de Deus, há um enor- me choque, especialmente para as pessoas ou grupo de pessoas interessados em riqueza e poder, que se dispõem a fabricar desigualdades e a injustiça em todos os níveis da sociedade. Os que decidem seguir Jesus serão per- seguidos, e nesta hora o que fazer? Abandonar tudo? Jesus diz para não ter medo (10,26), con- fiar no Pai, estar atento no seu compromisso com Jesus, com a palavra e a ação dele. Surgi- rão conflitos (10,34-39), e o verdadeiro discípu- lo missionário é capaz de dar tudo para que a verdade seja conhecida e a justiça traga liber- dade e vida para todos: “Quem procura conser- var a própria vida, vai perdê-la. E quem perde a sua vida por causa de mim, vai encontrá-la” (10,39). Metanóia é uma expressão grega que remete a uma profunda mudança do jeito de viver, e está em perfeita sintonia com o evan- gelho de Mateus que chama doutores da Lei, sacerdotes e todos da alta sociedade do seu tempo a uma mudança de atitude. No sermão da montanha (Mt 5) Jesus disse para a multi- dão (pobre) que eles são o “sal da terra e luz do mundo” e em Mateus 11,25-30 um dos pontos mais altos do evangelho, Jesus louva o Pai por- que ele revela o seu projeto aos pobres e o es- conde aos “sábios, inteligentes” e “poderosos”. São os sinais do Reino de Deus aconte- cendo no meio do seu povo. Jesus revela seu messianismo por meio de sua ação, de sua mis- são libertadora, não com palavras, mas com fa- tos, com uma vida de amor incondicional, par- cial (preferência pelos pobres) e universal. Jesus quer que aceitemos a Ele e seu Projeto de vida e nos chama para deixarmos aquilo que nos escraviza: mentalidade consu- mista, ideias religiosas opressoras, relações in- justas, um estilo de vida que não nos dignifica como seres humanos. Todos nós somos chama- dos a superar as dificuldades e animar-nos para a missão. Como você tem feito isso? Celia Soares de Sousa Teóloga Leiga A MISSÃO DA COMUNIDADE
  5. 5. 55FD | Agosto de 2014 Educação Falando da Vida Mais uma vez estamos diante de um quadro eleitoral em todo o país. Desta vez, um pouco mais difícil diante da apatia, desmotivação e descontentamento do nosso povo com o pode- rio econômico, a força da grande im- prensa, da mídia (considerada no país o quarto poder) contra um projeto democrático popular cuja força se en- contra na coragem e disponibilidade de uns poucos na luta da sociedade orga- nizada. A disparidade do tempo no rá- dio e televisão, a lavagem cerebral feita pelos meios de comunicação, o uso pe- sado da máquina política, a overdose de discursos enganosos fazem das elei- ções um embate desigual. Que rumo queremos para nosso País e nosso Estado? Queremos que o projeto neoliberal vigente continue ar- rasando como um rolo compressor nos- sas riquezas e nossa gente? Queremos deixar às novas gerações uma Pátria de- sesperançada, sem perspectivas? Com nosso voto podemos escolher uma proposta que torne nosso país mais humano para todos nós, a partir daqueles que são excluídos. Não é só com o voto que podemos mudar a situa- ção, mas também com trabalho de esclarecimento aos nossos alunos, colegas, pais e todos os que nos são próximos. Com nosso engajamento na batalha da conscientização do povo, na coleta de assinaturas por uma reforma política que se faz necessária e urgente, podemos construir um novo Brasil. Acre- dite. Nosso País ainda tem jeito, apesar do pouco que para isso temos feito. Convictos do nosso papel social, por não aceitarmos como definitivo o caminho da exclu- são e injustiça, vamos ampliar nosso processo de organização e mobilização por uma escola pública comprometida com a justiça, a igualdade e a paz. É imprescindível lutar! Todos somos convidados a fazê-lo e o fa- remos seguindo a Jesus que veio habitar entre nós “para que todos tenham vida e vida em abundância”. Izabel Gonçalves Arpa Gimeno Membro da Comissão Diocesana da Pastoral da Educação e Comissão do Curso de Fé e Política LUTAR PARA MUDAR No mês de julho comemorou-se o dia do amigo. As redes sociais ficaram repletas de men- sagens e frases valorizando a amizade. Segundo Aristóteles o ser humano é um ser social e, por- tanto, não consegue viver sozinho, mas será que é possível acreditar em amizades verdadeiras? Schopenhauer um dos maiores pensado- res do século XIX acreditava que a amizade ver- dadeira não existe, pois exigiria uma participação intensa e desinteressada que o ser humano não é capaz de dar, devido ao egoísmo que é próprio da sua natureza. Já Aristóteles acreditava que é pos- sível existir amizade genuína e verdadeira já que o ser humano também possui virtudes. A palavra “amigo” é derivada do verbo amar que sugere uma ligação mais profunda en- tre as pessoas e para construir uma ligação desse gênero é preciso sair um pouco de si e conhecer o outro, tarefa nem sempre fácil. Todavia se deci- díssemos ou tentássemos viver sem amigos, sería- mos pessoas isoladas e infelizes como foi o próprio Schopenhauer. Mas filosofia à parte, existem vínculos de puro interesse que não podem ser confundidos com amizade porque são vínculos fisiológicos no sentido de que cumprem apenas uma função que interessa a uma das partes ou a ambas. Como são vínculos funcionais, terminada a sua função a amizade também termina. Esse tipo de vínculo infelizmente tornou-se a base de mui- tos relacionamentos como namoros, casamentos, relações profissionais, políticas, etc. Talvez isso ex- plique porque os vínculos sociais estão fragilizados. De fato, a sociedade como um todo, repre- sentada pelas suas instituições em todas as esferas, perdeu parte da sua credibilidade e o resultado é que as pessoas desconfiam de tudo e de todos. Fal- tam lastros de lealdade, sinceridade e companhei- rismo. Em outras palavras, falta amizade sincera. Ao contrário do que existe numa amizade sincera, na amizade fisiológica o centro não é o “nós” e sim o “eu mesmo” caracterizando uma ati- tude egoísta que visa satisfazer apenas o interesse individual. Vivemos atualmente a era do descartável onde os objetos têm uma função reduzida e está relacionada ao conceito que eu chamo de aprovei- tabilidade. Sendo assim fica-se com o que é apro- veitável da relação e descarta-se o resto. Talvez esse conceito explique algumas for- mas de amizade muito conhecidas, mas que no fundo, não são verdadeiras. Exemplo: amizade co- lorida em que o que importa são as cores do pra- zer, amizade gasolina em que o objetivo principal é a carona, amizade virtual em que os encontros são pela internet, amizade hospital para se queixar de dores ou amizade Santa Edwiges que busca o outro quando está endividado. Não é possível pensar em amizade verda- deira que não tenha por base o amor ao próximo. A vida de Jesus e os seus exemplos apontam para esse caminho que é a base ideal para a construção de relacionamentos duradouros em todas as esfe- ras sociais. Concluindo, construir amizades verdadei- ras é uma tarefa difícil mas vale a pena. Termino com uma frase tirada do livro Eclesiático 6, 14-17: Um amigo bom e fiel vale mais que um tesouro. Romildo R.Almeida Psicólogo clínico EXISTE AMIZADE VERDADEIRA?
  6. 6. 66 FD | Agosto de 2014 Aconteceu DEDICAÇÃO DA IGREJA DE N. SRA. APARECIDA – BELA VISTA No Ano Jubilar dos 50 anos da Paróquia Nossa Senhora de Fátima, a Igreja Nossa Senho- ra Aparecida, no Jardim Bela Vista, foi dedicada a Deus e abençoada, no dia 09/07, em Celebração Eucarística presidida por D. Edmilson, nosso Bispo Diocesano, e concelebrada pelo nosso Pároco Pa- dre Tarcísio, mais alguns Padres presentes e uma multidão de fiéis das Comunidades que compõem a Paróquia. Deus seja louvado por mais essa conquista de nossa paróquia, fruto da generosidade de tantas pessoas de nossas comunidades. Onde há partilha, comunhão e solidariedade, o milagre acontece. Em um ano e seis meses conseguimos construir mais um templo em nossa Paróquia, que se tornou mo- rada de Deus e casa de irmãos e irmãs. O templo de pedras (material) aponta para o verdadeiro templo de Deus, que somos to- dos nós, e deve nos motivar a formar comunida- des vivas, acolhedoras e missionárias, que sejam casa do pão, da palavra e da caridade. E também casa e escola de comunhão. Agradecemos de coração a todos e a to- das que ajudaram nessa construção, que de uma forma ou de outra colocaram seu tijolinho nessa obra, os nossos sinceros agradecimentos. Deus seja louvado pela caminhada da Paróquia Nossa Senhora de Fátima. São 50 anos de Evangelização. É uma linda história de fé e de amor. O Senhor fez em nós maravilhas. A Obra está concluída, mas os gastos ainda não. Ainda temos despesas com a construção até dezembro. Por isso queremos continuar contando com o apoio de todos por meio dos envelopes com a contribuição mensal, ou avulsa, com a participa- ção em promoções, como o bingo que teremos dia 30 de agosto, e uma rifa com sorteio de prêmios para o dia 20 de dezembro. Continuemos unidos e generosos nesse empreendimento que é de interesse de toda a Paróquia. Unidos somos mais, e fazemos proezas. Vale a pena ajudar nossa Igreja no trabalho da Evangelização. Quem ajuda com amor e generosidade re- cebe o cêntuplo de Deus. Padre Tarcísio Anatólio de Almeida No dia 20 de julho, foi realizada em nossa Dio- cese a 20ª Romaria Estadual da Juventude. Reuni- dos no Paço Municipal, os quase 8 mil jovens das diversas Dioceses do Estado de São Paulo se con- centraram para a vigília e para a Santa Missa de abertura com Dom Edmilson Amador Caetano. Após a Missa, os jovens caminharam até a Praça Getúlio Vargas para o show de encerramento do evento. Que a Imaculada Conceição interceda por todos os jovens de nossa Diocese e de todos os lugares de nosso país. 20ª ROMARIA ESTADUAL DA JUVENTUDE
  7. 7. 57FD | Agosto de 2014 Aconteceu O Conselho Municipal de Saúde de Guarulhos vem junto à Diocese de Guarulhos es- clarecer o seguinte: A oferta da carreta na UBS - Cecap para fazer mamografia “ Demanda Espontânea” foi do Governo do Estado de São Paulo. A Secretaria de Saúde de Guarulhos apenas cedeu o espaço com toda a infraestrutura, confiantes na oferta do Estado, este conselho usou todos os meios ao seu alcance para informar a população. Infelizmente o Estado não cumpriu o que havia prometido e este Conselho vem pedir des- culpas à Diocese e à população em geral, salien- tando que não nos cabe qualquer culpa, nem ao Secretário de Saúde, bem como ao Sr. Prefeito; conforme ofício 353/2014. Informamos que estamos cobrando o Estado para que cumpra o que prometeu o mais breve possível. Sem mais para o momento, despedimo- -nos apresentando os protestos de estima e con- sideração. Atenciosamente, Amália de Jesus Esteves Conselho Municipal de Saúde ERRATA Conselho Municipal de Saúde ACapela Sagrada Família, da Paróquia Nossa Senhora do Bonsucesso celebrou os seus 25 anos de registro na Diocese de Guarulhos Celebramos esta data com o Tríduo que aconteceu nos seguintes dias: - Dia 26/07, presença do Padre Vinicius - Dia 27/07, presença do Padre Renato - Dia 28/07, presença do Diácono Rodrigo Burim - Dia 29/07, presença do Padre Carlos V. de Lima Louvamos e agradecemos a Deus, por todos e todas que colaboraram com o cresci- mento da igreja em nosso bairro e encerramos este momento com muitas bênçãos e uma bela confraternização. Pascom Santuário Nossa Senhora de Bonsucesso JUBILEU DA CAPELA SAGRADA FAMÍLIA - BONSUCESSO Nos dias 24 a 27 de julho aconteceu o 4º Encontro Nacional da Pastoral da Comunicação (Pascom) e 2º Seminário Nacional de Jovens Co- municadores que debateu por meio de palestras, plenárias e seminários as novas ideias e os desa- fios que a comunicação atual apresenta para a Igreja. Durante os quatro dias de evento, cerca de 900 pessoas aprofundaram o tema “Comunicação, desafios e possibilidades para evangelizar na era da cultura digital”. Com uma vasta programação, debatemos temas como comunicação e mudanças socioculturais produzidas pelas tecnologias digi- tais; discípulos Missionários na cultura digital; o Diretório Nacional de Comunicação; evangelização e espiritualidade na Web, entre outros. Entre os palestrantes presentes, padre An- tonio Spadaro, doutor em teologia e consultor do Pontifício Conselho para as Comunicações Sociais do Vaticano, foi o destaque do encontro, explanan- do em seus seminários a presença e o testemunho da Igreja nos novos meios digitais, no que no que ficou conheci- do como Cyberteologia. O Papa Francisco enviou uma mensagem aos participantes do even- to trazendo palavras de esperança em relação à comunicação digital. “É ne- cessário que no mundo digital o anún- cio do Evangelho seja seguido pela oferta de um encontro pessoal com Cristo, um encontro real e transforma- dor”, diz no texto. O evento contou também com o 2º Semi- nário Nacional de Jovens Comunicadores, momen- to onde os participantes puderam partilhar as ex- periências e projetos de evangelização que estão sendo desenvolvidos a nível diocesano, nacional e internacional. A Diocese de Guarulhos esteve presente no evento com 25 membros das Pascoms das Pa- róquias de São Francisco - Uirapuru; Nossa Senho- ra Aparecida - Cocaia; Santa Mena; Santa Rosa de Lima; Nossa Senhora de Fátima - Vila Fátima; San- tuário Nossa Senhora de Bonsucesso; São Vicente de Paulo; e Santo Antônio - Gopoúva, juntamente com o Vigário Episcopal de nossa Diocese, Padre Marcos Vinícius. Texto: Erika Garcia Pascom Paróquia Santo Antônio de Gopoúva Foto: Manoel Nascimento Paróquia São Vicente de Paulo IV ENCONTRO NACIONAL DA PASCOM
  8. 8. 68 FD | Agosto de 2014 Vai Acontecer
  9. 9. 59FD | Agosto de 2014 Vai Acontecer Écom grande alegria que anunciamos o retorno das atividades da pastoral universitária da diocese de Guarulhos. Nosso objetivo é desenvolver atividades de evangelização visando atingir os universitários que estudam em instituições de ensino superior em Guarulhos, os universitários que moram em Guarulhos mas que estudam em outras cidades, além dos jovens pré-universitários que estão pre- sentes em nossas paróquias e comunidades. Para tanto, a pastoral pretende desenvol- ver diversas atividades no âmbito da espirituali- dade, formação e ação social, reunindo pessoas e grupos das mais diversas experiências eclesiais que estejam presentes em nossa diocese e que re- alizem algum trabalho de evangelização universi- tária, a fim de incentivar e promover as iniciativas específicas que já existam, bem como promover, com a participação de todos, atividades que serão organizadas pela pastoral. Nosso primeiro encontro acontecerá no dia 30 de agosto, no Seminário Diocesano de Guarulhos, às 15hs, para os universitários e pré- -universitários da Forania Bonsucesso. Em breve, também na sua Forania! Marcos Gregório Borges Coordenador Diocesano A comunidade da Paróquia São Roque já se prepara para a 36ª edição da festa em lou- vor a seu padroeiro, que começa em 2 de agosto, a partir das 19h, no estacionamento da Igreja. Este ano o evento terá como atração a cantora católica Celina Borges. Celina Borges, que se apresenta na fes- ta no dia 3 de agosto, está há 25 anos servindo a Igreja Católica por meio da música católica. Ela se destaca pelas letras, voz forte e interpretação úni- ca nos palcos. Entre as canções interpretadas por Celina estão: “Tudo Posso”, “Derrama o teu Amor Aqui”, “Diamante Lapidado”, entre outros. A festa, que ocorre nos três primeiros fi- nais de semana de agosto, contará ainda com ou- tras atrações como a Banda Vip Music e o Carna- Cristo, além de uma diversidade de barracas com comidas típicas deste tipo de evento. Novena - Além da festa, a comunidade celebrará seu padroeiro por meio da “Novena de São Ro- que”, que neste ano resgatará a forma tradicional de realização de novena, com a realização de um momento de oração e adoração ao Santíssimo. A novena começa no dia 7 de agosto, às 19h30. Dia de São Roque No dia 16 de agosto, o bispo Dom Edmilson Ama- dor Caetano celebra a partir das 18h, a missa de encerramento da novena. Serviço: Festa e Novena em louvor a São Roque Dias 2 e3, 9 e 10, 16 e 17, a partir das 19h, na Paró- quia São Roque - Avenida Monteiro Lobato, 3184 Informações: 11 2440-7683 PASTORAL UNIVERSITÁRIA 36ª FESTA EM LOUVOR A SÃO ROQUE MATERNIDADE E SAÚDE “Para promover a saúde precisamos mudar o jeito de nascer.” Palestrante: Enf. Kelly Cristina Máxima Ve- nâncio -Mestre em Saúde Pública e Professo- ra de Obstetrícia pela USP. Domingo, 17 de Agosto das 14H30 às 17 No salão da Paróquia S. Roque – Pq. CECAP O convite é para todos os interessados principalmente para membros das Pastorais da Saúde, da Criança e Familiar XXXIV CONGRESSO BRASILEIRO DA PASTORAL DA SAÚDE A fé desperta a ação: Como enfrentar os obstáculos na Pastoral da Saúde Sábado 06 e Domingo 07 de Setembro Centro Universitário S. Camilo, Av. Nazaré, 1501 – Ipiranga – S. Paulo Taxa para inscrição: até 26/08 - R$ 28,00 - Após 26/08 - R$ 40,00 Informações: D. Leônia: 2458 1616; 980.236.918 (0i) D. Jailsa : 2422 3089; 994.264.462 (claro) D. Yone : 2408 3338 e Geraldo : 954.300.745 (tim); 960.272.061(Oi)
  10. 10. 610 ATENÇÃO COLABORADORES: Enviem suas matérias até o dia 15 de cada mês, contendo no máximo 30 linhas, com corpo 14. Caso venha com um número maior de linhas, faremos a redução proporcional do conteúdo. Programe-se ANIVERSARIANTES FD | Agosto de 2014 CALENDÁRIO AGOSTO 2014 Nascimento 01 (1973) Pe. José Alexandre 14 (1950) Pe. José Ferreira Borges 15 (1951) Pe. Aparecido Gonçalves 17 (1959) Pe. Edivaldo Medeiros 19 (1945) Pe. René Lima 28 (1962) Pe. Renato B. Duarte 29 (1982) Pe. Fabrício B. Lopes 29 (1969) Pe. Francisco Veloso Ordenação 03 (2002) Pe. Marcos Vinicius 04 (2012) Pe. Vinícius M. Sampaio 06 (1977) Pe. Lázaro Nunes 15 (1982) Pe. Jorge Apró DIA HORÁRIO ORGANIZAÇÃO ATIVIDADE LOCAL 01-03 19:30 ECC 1ª Etapa Cumbica 19:30 ECC 1ª Etapa Jd. Adriana 02 14:30 ECC Form. coordenadores Tranquilidade 09:30 Pastoral Fé e Política Reunião Coordenação Elizabeth Bruyere 15:00 Sobriedade Reunião FOMAD Adamastor 9:00 Fé e Politica Enc. Forania Fátima Alvorada 15:30 Pastoral Operária Reunião Coordenação CentroSocial Taboão 14:30 IAM/JM/COMIDI Reunião assessores A definir 14:00 Dizimo Enc. For. Imaculada A definir 03 09:00 PJ Escola Bíblica For.Fátima 04 Bonsucesso Festa da Carpição Bonsucesso 04-10 PJ Semana do estudante Foranias 04-08 CP RETIRO DO CLERO Ir.Paulinas 05 19:30 Escola da Palavra Escola da Palavra Alvorada 06 Festa do Bom Jesus Santuário Bom Jesus 20:00 Past. Educação Reunião coordenação Catedral 09 15:00 Batismo Coord. paroquiais A definir 14:00 Carcerária Reunião mensal Catedral 14:00 SAV - PV Reunião mensal Catedral PASCOM Reunião Equipe A definir 10-16 Semana Nacional da Família Paróquias 10 08:00 RCC Forania Bonsucesso Avivamento dos servos Sede RCC PASCOM Peregrinação Nossa Sra. da Comunicação Cocaia 12/19 27 19:30 RCC Formação consagração Sede RCC 12 19:30 Esc. da Palavra Escola da Palavra Alvorada 13 19:30 RCC Oficina pregadores Foranias: Imaculada e Aparecida Sede RCC 09:00 Pessoa Idosa Reunião PPI Sede PPI 9:30 CODIPA Coord. Diocesana Cúria 14 Past. Criança Enc. de Líderes A4 9:30 CP Cons. de Presbíteros Cúria 15-17 19:30 ECC 1ª Etapa Uirapuru 16 14:30 Dizimo Reunião mensal Cecap 15:00 Sobriedade Reunião Diocesana N.Sra. Pureza 14:30 ECC Formação coord. de equipes Capela Gopoúva 14:30 Catequese Missa dos catequistas Capela São José 09:00 Vicentinos Conselho central Cumbica 17 08 - 13 RCC EPA Sede RCC 17-20 SHALOM ACAMPS Sitio Terra do Saber 17 A definir Sobriedade Missa Diocesana Pres. Dutra 14:30 Past. da Saúde Encontro de agenteshospitais 19 19:30 Esc. da Palavra Escola da Palavra Alvorada 19:30 CFP Forania Fátima Nações Past. Criança Reunião Diocesana 20 9:30 CP REUNIÃO DO CLERO Seminário 21 20:00 CFP Forania Imaculada Santuário S. Judas 22-24 19:30 ECC 1ª Etapa Santa Mena 19:30 ECC Forania Bonsucesso 2ª Etapa Bonsucesso 19:30 ECC 1ª Etapa Itapegica 19:30 ECC 1ª Etapa Santuário São Judas 23 14:30 ECC Formação para palestrantes 14:30 Familiar Coordenadores Paroquiais 24 09:00 Vicentinos Avivamento Vicentino Santo André PASCOM Per. N. Sra. da Comunicação S.J.Batista 09 - 16 RCC Querigma com crianças Sede RCC 26 19:30 Esc. da Palavra Escola da Palavra Alvorada 19:00 RCC Formação para intercessores Sede RCC 19:30 CFP Forania Bonsucesso Soberana 28 9:30 CP Colégio de Consultores Cúria 29 19:30 CFP Forania Aparecida 29-31 19:30 ECC Forania Aparecida 2ª Etapa 19:30 ECC 1ª Etapa Pimentas 19:30 ECC 1ª Etapa Tranquilidade IAM/JM/COMIDI Encontro Estadual COMIRE A definir 30 8:30 Catequese Escola da Catequese Foranias 15:30 Past. Operária Reunião Coordenação Centro Social Taboão 31 Enc. Festa da Carpição Bonsucesso 10-16 Liturgia Encontrão – Tempo comum 08:00 RCC Formação pregadores Sede RCC Festa da Carpição Encerramento Santuário Bonsu- cesso 8 - 17 SAV - PV Viva a Vida
  11. 11. 511FD | Agosto de 2014 Vida Religiosa Vida Presbiteral “A alegria do Evangelho enche o coração e a vida inteira daqueles e daquelas que se encontram com Jesus. Com Jesus Cristo sempre nasce e renasce a alegria!” Com o tema ALEGRAI-VOS, o Papa Fran- cisco nos convida a refletir no ano de 2015 sobre a vida consagrada. “É um convite que nos encoraja a mover o espírito para dar razão ao Verbo que habita em nós, ao Espírito que cria e que constan- temente renova a sua Igreja”. Na carta circular aos consagrados e consa- gradas o Papa lembra que a radicalidade evangéli- ca não é somente para os religiosos e religiosas, é exigência para todos os cristãos. Mas os religiosos e religiosas seguem o Senhor de maneira especial, de modo profético e devem testemunhar a alegria e a fidelidade no cotidiano da vida. O Ano da Vida Consagrada também quer ajudar os consagrados e consagradas a resgatar a alegria do convite que Jesus fez para segui-lo. A renovar o encontro pessoal com Ele que disse “Não fostes vós que me escolhestes, fui Eu que vos escolhi” ( Jo, 15,16). Trata-se de renascer para a vocação. O chamado de Deus é misterioso, é um chamado pessoal e gratuito, é um dom. “Deixar- -se conquistar por Cristo significa tender sempre para aquilo que está na minha frente, para meta que é Jesus Cristo” (Fl. 3,14). A fé é a resposta ao chamado. O Papa pede-nos que façamos uma re- leitura da nossa história e confirmemos a iniciati- va e o grande amor de Deus que nos chamou para seguir Jesus. No mês de agosto celebramos o mês vo- cacional e no terceiro domingo celebramos a As- sunção de Nossa Senhora e a vocação dos consa- grados e consagradas. Se você jovem sente a inquietação no co- ração que leva a uma busca de compreender o que Deus espera de ti, procure a Pastoral Voca- cional de sua paróquia para ter uma orientação. O Papa Francisco nos lembra que quem encontrou o Senhor e o segue com fidelidade é um mensagei- ro da alegria do Evangelho. Ir. Ivani Costa Congregação das Irmãs da Caridade de Ottawa ANO DA VIDA CONSAGRADA “Em verdade vos digo que não há ninguém, que tenha deixado casa, irmãos, irmãs, mãe, pai, filhos, ou terras, por minha causa e por causa do evangelho, que não receba cem vezes mais, já neste tempo”. (Mc 10:29-30) Agradeçamos a Deus por nossa vocação, por termos recebido este chamado e deixado tudo por causa do evangelho; não é uma decisão tão fá- cil, mas, aqueles que deixaram guiar-se pelo Espírito Santo, receberão a graça “já neste tempo”. Há um mês coloquei todo meu empenho na XX Romaria da Juventude; dividi as atividades da paróquia com reuniões na prefeitura, na minha casa com a equipe organizadora, com equipe de trabalho dos grupos de base, confissões, atendimentos, reu- niões do clero, vários e-mails e telefonemas. Normal para um evento tão grande. Contudo, como ser pa- dre e não um fazedor de coisas? Como realizar to- dos esses momentos sem perder o primeiro amor? Ter convicção na vocação, ser fiel a oração, ser prudente na hora de ter que dizer: - hoje não posso, tenho a paróquia, tenho doentes para visitar, velórios para fazer, pessoas para atender. Celebrar diariamente a Sagrada Eucaristia e anunciar o Santo Evangelho são elementos necessários para termos forças para ficarmos firmes e testemunhar o Cristo que tanto anunciamos. A resposta a tudo isto, como diz o evange- lho acontece “já neste tempo”, agora!!! Diante de mais de 5.000 mil jovens na missa da XX Romaria da Juventude, pude receber toda gratidão do meu cha- mado a servir ao próximo. Estar dias e dias envol- vido junto aos jovens, estar ao lado de nosso bispo na Santa Missa, caminhar, celebrar a vida junto aos jovens, reacendeu minha vocação de PRESBÍTERO, PASTOR e SERVO. Irmãos que em cada encontro, reunião, ro- maria, visita a doentes, velórios, bodas, sacramen- tos que tivermos que ir, possamos nos entregar ver- dadeiramente, e, na alegria do encontro com nossos irmãos, possamos reafirmar nosso chamado de “Ide por todo o mundo, e proclamai o evangelho a toda criatura” (Mc 16:15), pois, vale a pena deixar tudo por Cristo e pelo evangelho. Padre Paulo Leandro Representante dos presbíteros PRESBÍTERO, PASTOR E SERVO
  12. 12. IMPRESSO ESPECIAL 7220993744 - DR/SPM MITRA DIOCESANA CORREIOS Responsáveis: Pe. Francisco G. Veloso Jr. - coordenacao@diocesedeguarulhos.org.br Jornalista Resp.: Rodrigo M. Lovatel - MTB. 46.412 - SP Secretária: Caetana Cecília Filha | Revisão: Pe. Antônio Zafani Editoração Eletrônica: Luiz Marcelo Gonçalves - Foto da Capa: Maurício Oliveira Impressão: NEO GRAF - Indústria Gráfica e Editora Ltda - Fone: 11 3333-2474 Cúria Diocesana - Av. Gilberto Dini, 519 - Bom Clima - Cep: 07122-210 Contato: 11 2408-0403 - Email: folhadiocesana@diocesedeguarulhos.org.br Tiragem: 28.000 exemplares - www.diocesedeguarulhos.org.br 612 FD | Agosto de 2014 Especial IMAGENS DA SEMANA DIOCESANA FORMAÇÃO FORANIA APARECIDA FORANIA IMACULADA FORANIA IMACULADA FORANIA APARECIDA FORANIA BONSUCESSO FORANIA BONSUCESSO FORANIA BONSUCESSOFORANIA FÁTIMA FORANIA FÁTIMA

×