Processo de Independência do Brasil

548 visualizações

Publicada em

História do Brasil

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
548
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
152
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Processo de Independência do Brasil

  1. 1. Processo de Independência do Brasil Imagem: A Proclamação da Independência/ Francisco Renato Moreaux, 1844/ Museu Imperial/ Public Domain Professor Mauricio da Silva
  2. 2. Transferência da Família Real Portuguesa O príncipe regente (D. João) tentou manter Portugal “em cima do muro” Napoleão Bonaparte invadiu Portugal 1808: A família real e a corte portuguesa desembarcam no Brasil Professor Mauricio da Silva
  3. 3. • D. João desembarcou em Salvador, depois Rio de Janeiro onde assinou a abertura dos portos às nações amigas (Inglaterra) • Isso significou o fim do exclusivo colonial Professor Mauricio da Silva
  4. 4. D. João e a Política Externa:  Medidas que favoreceram a Inglaterra:  Logo da Abertura dos Portos, as taxas sobre os produtos estrangeiros eram fixadas em 24% sobre o valor.  Portugueses, as taxas para os seus produtos foi reduzida pra 16%.  1810 Tratados de Navegação e Comércio com a Inglaterra, as taxas sobre os produtos ingleses foram reduzidas para 15%.  Anexação em 1821 Província Cisplatina. Professor Mauricio da Silva
  5. 5. Investimentos na Estrutura: • Realizações de D. João: – Permissão para a produção de manufaturas (revogação do Alvará de D. Maria I – 1763 – frustrado pela concorrência inglesa). – Academia militar. – Banco do Brasil. – Imprensa Régia. Professor Mauricio da Silva
  6. 6. Jardim Botânico (RJ). Professor Mauricio da Silva
  7. 7. A Gazeta era usada como Jornal Oficial do Governo, lá eram publicadas nomeações e diversos atos do Estado. A Gazeta era usada como Jornal Oficial do Governo, lá eram publicadas nomeações e diversos atos do Estado. Com a derrota de Napoleão, os artistas que serviam na sua Corte pediram asilo a D. João. Era a hora de embelezar a Corte. Com a derrota de Napoleão, os artistas que serviam na sua Corte pediram asilo a D. João. Era a hora de embelezar a Corte. Imagem: Gazeta do Rio de Janeiro, 1808/ Imprensa Régia,/ Public Domain Imagem: Interior de uma casa cigana/ Jean- Baptiste Debret, 1820/ Public Domain Professor Mauricio da Silva
  8. 8. 1815 - Brasil: Reino Unido a Portugal e Algarves  Após o fim das guerras napoleônicas, D. João deveria retornar a Portugal  Muitos portugueses relutavam em retornar.  D. João eleva o Brasil à condição de Reino Unido  Após o fim das guerras napoleônicas, D. João deveria retornar a Portugal  Muitos portugueses relutavam em retornar.  D. João eleva o Brasil à condição de Reino Unido Professor Mauricio da Silva
  9. 9. A INSURREIÇÃO PERNAMBUCANA DE 1817 Situação em Pernambuco Comerciantes × portugueses Proprietários rurais... Participação política e liberdade econômica ...e homens livres não proprietários Monopólio português encarece os produtos de primeira necessidade. * As lojas maçônicas: influência das ideias francesas. Igreja, apesar de atrelada à Coroa, não seria totalmente subordinada a ela. Em 1817: Professor Mauricio da Silva
  10. 10. * Governo revolucionário em Pernambuco. De março a maio de 1817 Um grupo de revolucionários assumiu o poder na província de Pernambuco Declararam uma república separada do Brasil Professor Mauricio da Silva
  11. 11.  A escravidão não fora discutida pelos revoltosos naquele momento.  A Revolução Pernambucana espalhou-se rapidamente para Paraíba, Rio Grande do Norte, Alagoas, Piauí, Ceará. Com a repressão do governo central, em 19 de maio de 1817 caiu o governo revolucionário de Pernambuco.  A escravidão não fora discutida pelos revoltosos naquele momento.  A Revolução Pernambucana espalhou-se rapidamente para Paraíba, Rio Grande do Norte, Alagoas, Piauí, Ceará. Com a repressão do governo central, em 19 de maio de 1817 caiu o governo revolucionário de Pernambuco.
  12. 12. Revolução Liberal do Porto (1820) Revolta das tropas portuguesas sediadas na cidade do Porto; Principais Motivos: Revolta das tropas portuguesas sediadas na cidade do Porto; Principais Motivos: Insatisfação dos portugueses com o Domínio Inglês em Portugal; Empobrecimento do país devido às sucessivas guerras e ocupações; Sentimento de abandono em relação à Corte que estava no Brasil. Insatisfação dos portugueses com o Domínio Inglês em Portugal; Empobrecimento do país devido às sucessivas guerras e ocupações; Sentimento de abandono em relação à Corte que estava no Brasil.
  13. 13. Retorno de D. João VI para Portugal Pressionado pelos portugueses, D. João VI teve que aceitar as exigências feitas e voltou para Portugal, em abril de 1821. Deixou em seu lugar, no Brasil, o filho D. Pedro como príncipe regente Antes de voltar para Portugal, D. João esvaziou os cofres do Banco do Brasil. Professor Mauricio da Silva
  14. 14. José Bonifácio de Andrada e Silva, Patriarca da Independência do Brasil, foi um dos grandes construtores do projeto de independência. D. Maria Leopoldina foi umas das incentivadoras dos planos de independência levados à diante pelo marido. Imagem: José Bonifácio de Andrada e Silva/ Benedito Calixto, 1902/ Museu Paulista/ Public Domain Imagem: Imperatriz Maria Leopoldina, então regente do Império Brasileiro/ Georgina de Albuquerque, 1922/ Public Domain Professor Mauricio da Silva
  15. 15. • JAN/1822: “Dia do Fico”. – Elites coloniais brasileiras aproximam-se de D. Pedro. – D. Pedro anuncia permanência no Brasil. D. Pedro respondeu negativamente aos chamados de Portugal e proferiu : “Como é para o bem de todos e felicidade geral da nação, diga ao povo que fico." As Cortes de Lisboa exigiam o retorno imediato de D. Pedro e volta do Brasil ao estado de Colônia. Imagem: Cortes de Lisboa/ Oscar Pereira da Silva, 1920/ Museu Paulista/ Public Domain • JAN/1822: “Dia do Fico”. – Elites coloniais brasileiras aproximam-se de D. Pedro. – D. Pedro anuncia permanência no Brasil. Professor Mauricio da Silva
  16. 16. A Declaração de Independência 7 de Setembro, ao voltar de Santos, parado às margens do riacho Ipiranga, D. Pedro recebeu uma carta com ordens de seu pai para que voltasse para Portugal, submetendo-se ao rei e às Cortes. 12 de Outubro de 1822, o Príncipe foi aclamado Imperador com o título de D. Pedro I, sendo coroado em 1° de Dezembro na Catedral da Sé, no Rio de Janeiro. 7 de Setembro, ao voltar de Santos, parado às margens do riacho Ipiranga, D. Pedro recebeu uma carta com ordens de seu pai para que voltasse para Portugal, submetendo-se ao rei e às Cortes. 12 de Outubro de 1822, o Príncipe foi aclamado Imperador com o título de D. Pedro I, sendo coroado em 1° de Dezembro na Catedral da Sé, no Rio de Janeiro. Imagem: A Proclamação da Independência/ Francisco Renato Moreaux, 1844/ Museu Imperial/ Public Domain Professor Mauricio da Silva
  17. 17. A Coroação de D. Pedro, como Imperador do Brasil, era a consagração do projeto de independência preparado pelas elites, sem a participação do povo. Imagem: Coroação de D. Pedro I, Como Imperador do Brasil/ Jean-Baptiste Debret, 1822/ Public Domain
  18. 18. Pedro Américo (1888) Professor Mauricio da Silva

×