Lições Adultos O evangelho de Lucas
Lição 8 - A missão de Jesus 16 a 23 de maio
Sábado à tarde Ano Bíblico: 2Cr 21–23
VERS...
No mundo que aparentemente não se importa conosco e é indiferente a nós, essa parábola revela uma
surpreendente verdade: D...
se-lhe ao pescoço e o beijou. 21 E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e perante ti, e já não sou digno de
ser cha...
perdão de nosso Pai celestial.
Em segundo lugar, há confissão: o que o pródigo fez não foi um erro de discernimento, mas u...
passar para cá. 27 E disse ele: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai 28 Pois tenho cinco
irmãos; para que ...
4. Leia Lucas 19:1-10. Quem era o “cego” nessa história?
Lc 19:1-10, (ACF); 1 E, tendo Jesus entrado em Jericó, ia passand...
anteriormente, tenhamos tido sentimentos antagônicos – por causa de política, cultura, etnia, ou qualquer outra
coisa? Por...
Focalizando as Escrituras: Lucas 15:18, 19
Conceito-chave para o crescimento espiritual: “Levante-se e vá ter com seu Pai....
“Dê-me. Eu quero ser eu mesmo.” Toda vez que o eu exige ser seu próprio início, centro e destino, ele escolhe
rejeitar o l...
Lucas é um escritor bondoso e não sugere isso; apenas diz que ele era de baixa estatura e que procurou a ajuda
de um sicôm...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A missão de Jesus_Lição_original com textos_822015

222 visualizações

Publicada em

A lição original com os textos bíblicos tem como finalidade; facilitar a leitura ou mesmo o estudo, os versos estão na sequência correta, evitando a necessidade de procurá-los, o que agiliza, para os que tem o tempo limitado, vc pode levá-la no ipad, no pendrive, celular e etc, ler a qualquer momento e em qualquer lugar que desejar, até sem a necessidade de estar conectado na internet.

Também facilita se for imprimir por usar bem menos tinta que a lição convencional.

Que... “Deus tenha misericórdia de nós e nós abençoe; e faça resplandecer o seu rosto sobre nós. Para que se conheça na terra o teu caminho, e em todas as nações a tua salvação”. Sal. 67:1-2.

Bom Estudo!

Publicada em: Espiritual
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
222
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
2
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

A missão de Jesus_Lição_original com textos_822015

  1. 1. Lições Adultos O evangelho de Lucas Lição 8 - A missão de Jesus 16 a 23 de maio Sábado à tarde Ano Bíblico: 2Cr 21–23 VERSO PARA MEMORIZAR: “Porque o Filho do Homem veio buscar e salvar o perdido.” Lc 19:10. Leituras da Semana: Lc 15:4-7, 11-32; 16:19-31; 18:35-43; 19:1-10. Se fôssemos escrever uma declaração de missão para Jesus, o melhor que poderíamos fazer seria repetir Suas próprias palavras: “Buscar e salvar o perdido”. O que estava perdido? Era a própria humanidade, que estava alienada de Deus, sujeita à morte e cheia de medo, desapontamento e desespero. Se nada fosse feito em nosso favor, todos estaríamos perdidos. Graças a Jesus, porém, todos temos grandes razões para ter esperança. “Apostatando, o homem alienou-se de Deus. A Terra foi separada do Céu. Através do abismo existente entre eles, não podia haver comunicação. Mas por Cristo a Terra foi de novo ligada ao Céu. Com Seus próprios méritos, Cristo lançou uma ponte através do abismo que o pecado cavara. […] O homem caído, em sua fraqueza e desamparo, Cristo uniu à Fonte de infinito poder” (Ellen G. White, Caminho a Cristo, p. 20). De Gênesis ao Apocalipse, a Bíblia é a história de Deus à procura da humanidade perdida. Lucas ilustrou essa verdade usando três importantes parábolas: a da ovelha perdida (Lc 15:4-7), a da moeda perdida (v. 8-10) e a do filho perdido (v. 11-32). A Revista Adventista é um material indispensável para sua família, pois traz notícias sobre a igreja, teologia e reflexão. Faça sua assinatura e divulgue aos seus amigos. Participe do projeto “Reavivados por Sua Palavra”: acesse o site http://reavivadosporsuapalavra.org/ Domingo - A ovelha perdida e a moeda perdida Ano Bíblico: 2Cr 24, 25 1. Leia Lucas 15:4-7. O que o texto nos diz sobre o amor de Deus por nós? Por que é tão importante entender que o pastor foi procurar a ovelha perdida? Lc 15:4-7, (ACF); 4 Que homem dentre vós, tendo cem ovelhas, e perdendo uma delas, não deixa no deserto as noventa e nove, e não vai após a perdida até que venha a achá-la? 5 E achando-a, a põe sobre os seus ombros, gostoso; 6 E, chegando a casa, convoca os amigos e vizinhos, dizendo-lhes: Alegrai-vos comigo, porque já achei a minha ovelha perdida. 7 Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  2. 2. No mundo que aparentemente não se importa conosco e é indiferente a nós, essa parábola revela uma surpreendente verdade: Deus nos ama tanto que Ele mesmo virá nos procurar e nos levar consigo. Frequentemente falamos sobre pessoas buscarem a Deus; na verdade, Deus é que está nos buscando. “A pessoa que se entregou a Cristo é mais preciosa a Seus olhos do que todo o mundo. O Salvador teria passado pela agonia do Calvário para que uma única pessoa fosse salva no Seu reino. Jamais abandonará uma pessoa por quem morreu. A menos que Seus seguidores O queiram deixar, Ele os há de segurar firmemente” (Ellen G. White, O Desejado de Todas as Nações, p. 483). Leia Lucas 15:8, 9. Essa parábola é encontrada apenas em Lucas. A moeda perdida poderia ter um destes dois significados: Primeiro, a Judeia na época de Jesus era cheia de pessoas pobres, e na maioria das casas uma moeda (dracma) poderia representar mais de um dia de trabalho, e ser o suficiente para evitar que a família morresse de fome. Segundo: como um sinal de que eram casadas, algumas mulheres usavam um enfeite na cabeça formado por dez moedas – uma enorme quantia, economizada durante longo tempo no caso de famílias pobres. Lc 15:7-8, (ACF); 7 Digo-vos que assim haverá alegria no céu por um pecador que se arrepende, mais do que por noventa e nove justos que não necessitam de arrependimento. 8 Ou qual a mulher que, tendo dez dracmas, se perder uma dracma, não acende a candeia, e varre a casa, e busca com diligência até a achar? Em qualquer dos dois casos, a perda era um assunto sério. Assim, a mulher, em completa tristeza e profunda dor, acendeu uma lâmpada (a casa talvez não tivesse janelas, ou então tivesse apenas uma janela pequena), pegou uma vassoura e revirou a casa até encontrar a moeda. Sua alma estava transbordando de alegria, e esse transbordamento atingiu todas as suas amigas. “Embora esteja sob pó e lixo, a moeda é ainda de prata. O possuidor a procura porque é de valor. Assim todo ser humano, embora degradado pelo pecado, é precioso aos olhos de Deus. Como a moeda traz a imagem e a inscrição do poder reinante, igualmente, quando foi criado, o homem trazia a imagem e a inscrição de Deus. E conquanto agora esteja manchada e desfigurada pela influência do pecado, permanecem em toda pessoa os traços dessa inscrição” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 194). A moderna ciência e a moderna filosofia nos dizem que não passamos de criações ao acaso num universo sem sentido que não se importa com nosso destino nem conosco. Que visão de mundo completamente diferente é apresentada nessas duas parábolas? Segunda - A parábola do filho perdido – parte 1 Ano Bíblico: 2Cr 26–28 Aclamada na História como a mais bela narrativa contada sobre a natureza perdoadora do amor, a parábola do filho pródigo (Lc 15:11-32), narrada apenas por Lucas, pode, com razão, ser chamada de a parábola do pai amoroso e de dois filhos perdidos. Um filho preferiu a vida desordenada numa terra distante em vez do amor do pai. O outro filho escolheu ficar em casa, mas não conhecia plenamente o amor do pai nem o significado de ter um irmão. A parábola pode ser estudada em sete partes, sendo que quatro delas tratam do pródigo, duas do pai e uma do irmão mais velho. Lc 15:11-32, (ACF); 11 E disse: Um certo homem tinha dois filhos; 12 E o mais moço deles disse ao pai: Pai, dá-me a parte dos bens que me pertence. E ele repartiu por eles a fazenda. 13 E, poucos dias depois, o filho mais novo, ajuntando tudo, partiu para uma terra longínqua, e ali desperdiçou os seus bens, vivendo dissolutamente. 14 E, havendo ele gastado tudo, houve naquela terra uma grande fome, e começou a padecer necessidades. 15 E foi, e chegou-se a um dos cidadãos daquela terra, o qual o mandou para os seus campos, a apascentar porcos. 16 E desejava encher o seu estômago com as bolotas que os porcos comiam, e ninguém lhe dava nada. 17 E, tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! 18 Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti; 19 Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros. 20 E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou- Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  3. 3. se-lhe ao pescoço e o beijou. 21 E o filho lhe disse: Pai, pequei contra o céu e perante ti, e já não sou digno de ser chamado teu filho. 22 Mas o pai disse aos seus servos: Trazei depressa a melhor roupa; e vesti-lho, e ponde-lhe um anel na mão, e alparcas nos pés; 23 E trazei o bezerro cevado, e matai-o; e comamos, e alegremo-nos; 24 Porque este meu filho estava morto, e reviveu, tinha-se perdido, e foi achado. E começaram a alegrar-se. 25 E o seu filho mais velho estava no campo; e quando veio, e chegou perto de casa, ouviu a música e as danças. 26 E, chamando um dos servos, perguntou-lhe que era aquilo. 27 E ele lhe disse: Veio teu irmão; e teu pai matou o bezerro cevado, porque o recebeu são e salvo. 28 Mas ele se indignou, e não queria entrar. 29 E saindo o pai, instava com ele. Mas, respondendo ele, disse ao pai: Eis que te sirvo há tantos anos, sem nunca transgredir o teu mandamento, e nunca me deste um cabrito para alegrar-me com os meus amigos; 30 Vindo, porém, este teu filho, que desperdiçou os teus bens com as meretrizes, mataste-lhe o bezerro cevado. 31 E ele lhe disse: Filho, tu sempre estás comigo, e todas as minhas coisas são tuas; 32 Mas era justo alegrarmo-nos e folgarmos, porque este teu irmão estava morto, e reviveu; e tinha-se perdido, e achou-se. 1. “Dá-me” (Lc 15:12). A decisão do filho mais novo de requerer do pai sua parte na propriedade não foi uma atitude repentina, impulsiva. Frequentemente, o pecado ocorre após um longo tempo de concentração da mente em prioridades errôneas. O filho mais novo deve ter ouvido amigos falarem sobre o brilho e o glamour de terras distantes. A vida no lar era muito rígida. Ali havia amor, mas o amor impunha limites; a terra distante lhe oferecia uma vida sem restrições. O pai era demasiadamente protetor, e seu amor cerceava muito. O filho desejava liberdade e, na busca pela liberdade irrestrita estava a semente da rebelião. 2. “Por que eu?” (Lc 15:13-16). O filho pegou toda a sua parte em dinheiro e partiu para uma “terra distante”. A terra distante é um lugar longe da casa do pai. Os olhos solícitos do amor, a cerca protetora da lei e a graça, sempre presente, a envolver, são estranhos à terra distante. A terra distante é de vida dissoluta (Lc 15:13). A palavra grega traduzida como “dissolutamente” (asotos) aparece outras três vezes no Novo Testamento como substantivo, traduzida como “dissolução” relacionada à embriaguez (Ef 5:18), “dissolução” associada à rebelião (Tt 1:6) e como “devassidão”, que inclui libertinagem, sensualidade, bebedeiras, orgias e farras, e idolatria repugnante (1Pe 4:3, 4). Esses prazeres da vida imoral acabaram com a saúde e com a riqueza do filho, e logo ele ficou sem dinheiro, sem amigos e sem comida. Sua vida brilhante terminou na sarjeta. Sem comida, ao ponto de viver em perpétua penúria, ele achou emprego para cuidar de porcos, um destino cruel para um judeu. 3. “Faze-me” (Lc 15:17-19, ARC). Mas até o pródigo ainda é filho, e tem o poder de escolher dar meia-volta. Assim, o filho, “caindo em si”, lembrou-se de um lugar chamado lar, de uma pessoa conhecida como pai, de um laço de relacionamento chamado amor. Ele voltou a pé para casa, com um discurso preparado, para suplicar ao pai: “Faze-me”. Isto é, faça de mim o que o senhor quiser, mas deixe-me estar diante de seus olhos vigilantes, dentro do cuidado de seu amor. Que melhor lar existe do que o coração do pai? Por quais coisas do mundo você se vê particularmente tentado, e se vê pensando: “Oh, isso não é tão ruim”, quando, no íntimo, você sabe que é? Terça - A parábola do filho perdido – parte 2 Ano Bíblico: 2Cr 29–31 4. A volta para casa (Lc 15:17-20) foi uma viagem de arrependimento. A viagem começou quando ele caiu em si. O reconhecimento de onde ele estava, em comparação com o que era o lar do pai, o levou a decidir: “Levantar-me-ei, e irei ter com o meu pai.” O filho pródigo voltou para casa com um discurso de quatro partes que define o verdadeiro significado do arrependimento. Lc 15:17-20, (ACF); 17 E, tornando em si, disse: Quantos jornaleiros de meu pai têm abundância de pão, e eu aqui pereço de fome! 18 Levantar-me-ei, e irei ter com meu pai, e dir-lhe-ei: Pai, pequei contra o céu e perante ti; 19 Já não sou digno de ser chamado teu filho; faze-me como um dos teus jornaleiros. 20 E, levantando-se, foi para seu pai; e, quando ainda estava longe, viu-o seu pai, e se moveu de íntima compaixão e, correndo, lançou-se-lhe ao pescoço e o beijou. Em primeiro lugar, há um reconhecimento do pai como “meu pai” (v. 18). O filho pródigo então precisa apoiar-se e confiar no amor e no perdão de seu pai, assim como precisamos aprender a confiar no amor e no Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  4. 4. perdão de nosso Pai celestial. Em segundo lugar, há confissão: o que o pródigo fez não foi um erro de discernimento, mas um pecado contra Deus e o pai (v. 18). Em terceiro lugar, há contrição: “Já não sou digno” (v. 19). O reconhecimento da própria indignidade, em contraste com a dignidade de Deus, é essencial para que o verdadeiro arrependimento ocorra. Em quarto lugar, há petição: “Faze-me” (v. 19, ARC). O alvo do arrependimento é submissão à vontade de Deus, qualquer que seja ela. O filho voltou ao lar. 5. O pai expectante (Lc 15:20, 21). A espera e a vigília, a dor e a esperança, começaram no momento em que o pródigo pôs os pés fora de casa. A espera terminou quando o pai o viu “ainda longe”, e então, “compadecido dele, correndo, o abraçou e beijou” (v. 20). Nenhuma outra imagem captura o caráter de Deus como essa de um pai expectante. 6. A família regozijante (Lc 15:22-25). O pai abraçou o filho, vestiu-o com uma nova roupa, colocou-lhe um anel no dedo e sapatos nos pés, e mandou dar uma festa. A família estava comemorando. Se sair de casa foi a morte, a volta foi uma ressurreição e, como tal, digna de ser comemorada. O filho era, de fato, um pródigo, mas, apesar disso, um filho, e por todo filho arrependido há alegria no Céu (v. 7). 7. O filho mais velho (Lc 15:25-32). O filho mais novo estava perdido quando saiu de casa para ir a uma terra distante; o filho mais velho estava perdido porque, embora estivesse fisicamente em casa, seu coração estava numa terra distante. Um coração assim é irado (v. 28), queixoso, cheio de justiça própria (v. 29), e se recusa a reconhecer um irmão. Em vez disso, reconhece apenas “esse teu filho”, um desperdiçador sem caráter (v. 30). A atitude do filho mais velho para com o pai é a mesma dos fariseus que acusaram Jesus: “Este recebe pecadores e come com eles” (v. 2). A palavra final do pai para o filho mais velho reflete a atitude do Céu para com todos os pecadores arrependidos: “Era preciso que nos regozijássemos e nos alegrássemos, porque esse teu irmão estava morto e reviveu, estava perdido e foi achado” (v. 32). Ponha-se no lugar do filho mais velho. Por mais errada que seja sua maneira de pensar, por que faz tanto “sentido” que nos sintamos dessa forma? Como essa história revela maneiras pelas quais o evangelho vai além do que “faz sentido”? Quarta - Oportunidades perdidas Ano Bíblico: 2Cr 32, 33 Embora Jesus tenha vindo buscar e salvar os que estavam perdidos no pecado, Ele nunca força ninguém a aceitar a salvação que nos oferece. A salvação é gratuita e está à disposição de todos, mas é preciso aceitar a oferta gratuita pela fé, o que resulta numa vida em conformidade com a vontade de Deus. O único tempo que temos para essa experiência é enquanto vivemos na Terra. Não existe nenhuma outra oportunidade. 2. Leia Lucas 16:19-31. Qual é a principal mensagem dessa parábola? Lc 16:19-31, (ACF); 19 Ora, havia um homem rico, e vestia-se de púrpura e de linho finíssimo, e vivia todos os dias regalada e esplendidamente. 20 Havia também um certo mendigo, chamado Lázaro, que jazia cheio de chagas à porta daquele; 21 E desejava alimentar-se com as migalhas que caíam da mesa do rico; e os próprios cães vinham lamber-lhe as chagas. 22 E aconteceu que o mendigo morreu, e foi levado pelos anjos para o seio de Abraão; e morreu também o rico, e foi sepultado. 23 E no inferno, ergueu os olhos, estando em tormentos, e viu ao longe Abraão, e Lázaro no seu seio. 24 E, clamando, disse: Pai Abraão, tem misericórdia de mim, e manda a Lázaro, que molhe na água a ponta do seu dedo e me refresque a língua, porque estou atormentado nesta chama. 25 Disse, porém, Abraão: Filho, lembra-te de que recebeste os teus bens em tua vida, e Lázaro somente males; e agora este é consolado e tu atormentado. 26 E, além disso, está posto um grande abismo entre nós e vós, de sorte que os que quisessem passar daqui para vós não poderiam, nem tampouco os de lá Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  5. 5. passar para cá. 27 E disse ele: Rogo-te, pois, ó pai, que o mandes à casa de meu pai 28 Pois tenho cinco irmãos; para que lhes dê testemunho, a fim de que não venham também para este lugar de tormento. 29 Disse- lhe Abraão: Têm Moisés e os profetas; ouçam-nos. 30 E disse ele: Não, pai Abraão; mas, se algum dentre os mortos fosse ter com eles, arrepender-se-iam. 31 Porém, Abraão lhe disse: Se não ouvem a Moisés e aos profetas, tampouco acreditarão, ainda que algum dos mortos ressuscite. A parábola está registrada somente em Lucas e ensina duas grandes verdades com respeito à salvação: a importância do “hoje” no processo da salvação e a ausência de outra oportunidade após a morte. Hoje é o dia da salvação. A parábola não ensina que há algo inerentemente mau nas riquezas ou algo inevitavelmente bom em ser pobre. O que ela ensina é que a oportunidade de ser salvo e de viver salvo não deve ser perdida enquanto estamos na Terra. Ricos ou pobres, cultos ou iletrados, poderosos ou indefesos, não temos uma segunda chance. Todos são salvos e julgados por sua atitude hoje, agora, para com Jesus. “Eis, agora, o tempo sobremodo oportuno, eis, agora, o dia da salvação” (2Co 6:2). A parábola também ensina que a recompensa eterna não tem nada que diz respeito às posses materiais. O rico “se vestia de púrpura e de linho finíssimo e […] todos os dias, se regalava esplendidamente” (Lc 16:19), mas não tinha o essencial na vida: Deus. Onde Deus não é reconhecido, o próximo não é notado. O pecado do homem rico não estava em sua riqueza, mas no fato de ele não reconhecer que a família de Deus é mais ampla do que ele estava preparado para aceitar. Não há uma segunda chance de salvação após a morte. A segunda verdade inevitável que Jesus ensinou na parábola é que não há uma segunda chance de salvação após a morte. “Aos homens está ordenado morrerem uma só vez, vindo, depois disto, o juízo” (Hb 9:27). Outro objetivo dessa parábola é mostrar às pessoas que são dadas a nós suficientes evidências agora, nesta vida, para que façamos uma escolha consciente em favor de Deus ou contra Ele. Qualquer teologia que ensine algum tipo de “segunda chance” após a morte é um grande engano. O que essa parábola nos ensina sobre o perigo de negligenciarmos o amor de Deus e a oferta de salvação? Quinta - Eu era cego e agora vejo Ano Bíblico: 2Cr 34–36 A declaração da missão de Jesus de que Ele veio para buscar e salvar o que se havia perdido é a afirmação de um ministério holístico. Ele veio para tornar completos os homens e as mulheres, para transformá-los física, mental, espiritual e socialmente. Lucas nos dá dois exemplos que ilustram a maneira pela qual Jesus restaurou dois homens incompletos a uma vida integral. Um era cego fisicamente e o outro, espiritualmente; ambos eram marginalizados: um era mendigo e o outro, coletor de impostos. Mas os dois eram candidatos à missão salvadora de Cristo, e nenhum deles estava fora de Seu coração ou de Seu alcance. 3. Leia Lucas 18:35-43. O que essa passagem ensina sobre a completa dependência de Deus? Quem entre nós já não clamou, às vezes: “Tem misericórdia de mim”? Lc 18:35-43, (ACF); 35 E aconteceu que chegando ele perto de Jericó, estava um cego assentado junto do caminho, mendigando. 36 E, ouvindo passar a multidão, perguntou que era aquilo. 37 E disseram-lhe que Jesus Nazareno passava. 38 Então clamou, dizendo: Jesus, Filho de Davi, tem misericórdia de mim. 39 E os que iam passando repreendiam-no para que se calasse; mas ele clamava ainda mais: Filho de Davi, tem misericórdia de mim! 40 Então Jesus, parando, mandou que lho trouxessem; e, chegando ele, perguntou-lhe, 41 Dizendo: Que queres que te faça? E ele disse: Senhor, que eu veja. 42 E Jesus lhe disse: Vê; a tua fé te salvou. 43 E logo viu, e seguia-o, glorificando a Deus. E todo o povo, vendo isto, dava louvores a Deus. Marcos diz que o nome do homem era Bartimeu (Mc 10:46). Ele era um pedinte que ficava do lado de fora de Jericó. Possuidor de uma deficiência física, destituído de reconhecimento social e afligido pela pobreza, ele de repente se viu dentro do alcance de um milagre do Céu: “Passava Jesus, o Nazareno” (Lc 18:37), e sua fé emergiu de tal forma que ele clamou: “Filho de Davi, tem misericórdia de mim!” (v. 39). A fé não requer olhos nem ouvidos, pés nem mãos, mas apenas um coração que se conecte ao Criador do mundo. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  6. 6. 4. Leia Lucas 19:1-10. Quem era o “cego” nessa história? Lc 19:1-10, (ACF); 1 E, tendo Jesus entrado em Jericó, ia passando. 2 E eis que havia ali um homem chamado Zaqueu; e era este um chefe dos publicanos, e era rico. 3 E procurava ver quem era Jesus, e não podia, por causa da multidão, pois era de pequena estatura. 4 E, correndo adiante, subiu a um sicômoro brava para o ver; porque havia de passar por ali. 5 E quando Jesus chegou àquele lugar, olhando para cima, viu-o e disse-lhe: Zaqueu, desce depressa, porque hoje me convém pousar em tua casa. 6 E, apressando-se, desceu, e recebeu-o alegremente. 7 E, vendo todos isto, murmuravam, dizendo que entrara para ser hóspede de um homem pecador. 8 E, levantando-se Zaqueu, disse ao Senhor: Senhor, eis que eu dou aos pobres metade dos meus bens; e, se nalguma coisa tenho defraudado alguém, o restituo quadruplicado. 9 E disse-lhe Jesus: Hoje veio a salvação a esta casa, pois também este é filho de Abraão. 10 Porque o Filho do homem veio buscar e salvar o que se havia perdido. Somente Lucas registrou a história de Zaqueu, o último dos muitos encontros de Jesus com pessoas marginalizadas. A missão de Cristo de buscar e salvar o perdido foi gloriosamente cumprida no encontro com Zaqueu. Ele era o principal coletor de impostos de Jericó, um grande pecador na opinião dos fariseus da cidade, mas um grande pecador que foi alcançado e salvo por Jesus Cristo. Que estranhos lugares e métodos Jesus usou para realizar Sua missão! Um sicômoro, um homem curioso procurando ver quem era Jesus, e um Senhor amoroso ordenando ao homem que descesse, pois Ele tinha com esse homem um compromisso de uma refeição para a qual Ele mesmo Se convidou. Porém, o que é mais importante, Jesus fez um anúncio: “Hoje, houve salvação nesta casa” (Lc 19:9), mas somente depois que Zaqueu acertou as coisas (v. 8). Quais são algumas áreas de sua vida em que você precisa encarar coisas que tem adiado por muito tempo, confessá-las, e obter a vitória sobre elas? Sexta - Estudo adicional Ano Bíblico: Ed 1–3 “Pela ovelha perdida, Cristo representava não somente o pecador individual, mas o mundo que apostatou e se arruinou pelo pecado” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 190). “Quem pode calcular o valor de uma pessoa? Se quisermos conhecê-lo, vamos ao Getsêmani, e vigiemos lá com Cristo durante aquelas horas de angústia, quando Ele suava grandes gotas de sangue. Contemplemos o Salvador crucificado! […] Meditando junto à cruz, que Cristo teria dado Sua vida por um único pecador, podemos apreciar o valor de uma pessoa” (Ibid., p. 196). Perguntas para reflexão 1. Ao passo que todas as religiões retratam o ser humano em busca de Deus, o cristianismo apresenta Deus como Aquele que busca: Adão, “onde estás?” (Gn 3:9); Caim, “Onde está Abel, teu irmão?” (Gn 4:9); “Que fazes aqui, Elias?” (1Rs 19:9); “Zaqueu, desce depressa” (Lc 19:5). Qual tem sido sua experiência no sentido de Deus buscá-lo? 2. Dê novamente uma olhada na pergunta que está no final da lição de terça-feira. Qual foi o erro fatal que o filho mais velho cometeu? Que defeitos espirituais se revelaram em sua atitude? Por que é mais fácil do que pensamos ter esse tipo de atitude? Veja também Mateus 20:1-16. 3. Na história do rico e Lázaro, Jesus disse que mesmo que alguém ressuscitasse dos mortos, havia aqueles que não creriam. De que maneira a parábola prediz a reação de alguns à ressurreição de Jesus, no sentido de que alguns ainda não creram apesar das poderosas evidências de Sua ressurreição? 4. Um dos aspectos mais impressionantes do ministério salvador de Jesus é a igualdade com que Ele tratava todas as pessoas, como no caso do mendigo cego e de Zaqueu, ou de Nicodemos e da mulher samaritana. Mais do que qualquer outra coisa, a cruz mostra a igualdade de todas as pessoas perante Deus. De que forma essa importante verdade deve afetar nossa maneira de tratar os outros, mesmo aqueles com relação a quem, Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  7. 7. anteriormente, tenhamos tido sentimentos antagônicos – por causa de política, cultura, etnia, ou qualquer outra coisa? Por que essa atitude é tão contrária a Jesus? 5. Compare a história do filho pródigo com a história do rico e Lázaro. Como as duas se contrabalançam? Respostas sugestivas: 1. O texto nos diz que Deus nos ama tanto que vem em nossa procura para nos salvar. É importante entender que o pastor é que foi procurar a ovelha perdida porque precisamos compreender que a iniciativa é sempre de Deus, e não nossa. Jamais iríamos até Deus se Ele não viesse nos procurar. 2. Que o dia da salvação é hoje, e que após a morte não haverá outra oportunidade. 3. Não temos meios para curar a nós mesmos; temos que depender inteiramente da misericórdia de Deus. 4. O cego era Zaqueu, pois ele era incapaz de ver a enormidade de seu pecado; mas sua visão espiritual foi restaurada por Jesus, e isso o levou ao arrependimento e à transformação. Auxiliar - Resumo Texto-chave: Lucas 11:9-11 O aluno deverá: Saber: O que significa buscar e salvar. Sentir: Como essa busca e salvação o afetam. Fazer: Cumprir o papel que Deus nos designou no processo de busca e salvação. Esboço I. Saber: O significado de buscar e salvar A. Antes de conhecermos o significado de “buscar e salvar”, deveríamos saber a resposta das seguintes perguntas: Quem está perdido? De onde caímos? Quão profunda é a queda? Quão impossível é nos recuperarmos dessa queda por nós mesmos? B. Por meio das parábolas da ovelha perdida, da moeda perdida e do filho perdido, o que podemos aprender sobre nossa condição? C. Como é realizada a restauração de cada condição perdida? De que forma cada restauração simboliza a missão de Jesus em buscar e salvar? II. Sentir: Como essa busca e salvação nos afetam? A. Com relação a Jesus, Aquele que busca e salva, que princípio é ilustrado em cada uma das três parábolas? B. Que emoções são retratadas na parábola do filho perdido quando o filho e o pai se unem, e que lições podemos aprender sobre o amor de Deus? C. Perdido e achado são duas condições opostas na vida de uma pessoa. Como você descreveria o estado mental, emocional e espiritual em cada uma dessas condições, e que papel Satanás e Cristo desempenham? III. Fazer: O que devemos fazer no processo de busca empreendido por Deus? A. Damos alguma contribuição nessa missão salvadora de Deus? Há algum custo para nós? Explique. B. Em vista das atrações do mundo, como devemos responder à missão de Jesus, que veio nos procurar e nos salvar? Resumo: A missão de Jesus é resultado do amor e da graça de Deus. “Onde abundou o pecado, superabundou a graça” (Rm 5:20); e, por meio dessa graça, estamos salvos. Ciclo do Aprendizado Motivação Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  8. 8. Focalizando as Escrituras: Lucas 15:18, 19 Conceito-chave para o crescimento espiritual: “Levante-se e vá ter com seu Pai. Ele irá ao seu encontro quando ainda estiver longe. Se aproximar-se um passo que seja, em arrependimento, Ele se apressará para cingi-lo com os braços de infinito amor. [...] Jamais é proferida uma oração, por vacilante que seja, jamais uma lágrima vertida, por mais secreta, e jamais alimentado um sincero anelo de Deus, embora débil, que o Espírito de Deus não saia a satisfazê-lo. Antes mesmo de ser pronunciada a oração, ou expresso o desejo do coração, sai graça de Cristo para juntar-se à graça que opera na pessoa” (Ellen G. White, Parábolas de Jesus, p. 206). Para o professor: “Perdido”. Essa palavra descreve o drama da vida e da história humana. Uma vagueação para longe do aprisco, uma negligência da parte do proprietário, uma escolha rebelde para se autoafirmar: qualquer que seja a razão para essa condição de estar perdido, ela pronunciará seu veredito de total miséria e condenação, a menos que o perdido se renda voluntariamente Àquele que busca – o Bom Pastor, o edificador da casa, o Pai de amor eterno. Os perdidos descobrem seu propósito e sua alegria quando se rendem ao poder da “permanência”. Permanecer em quem? Uma boa pergunta para iniciar uma discussão. Discussão de abertura A moeda perdida, a ovelha perdida, o filho perdido. Quais são as diferenças entre a maneira como cada um está perdido? Qual é o tipo mais digno de pena? Por que as duas primeiras parábolas falam de alguém que busca o perdido, mas a última não o faz? Compreensão Para o professor: “Oh, graça excelsa de Jesus! Perdido, me encontrou! Estando cego, me fez ver.” Quantas vezes cantamos essas palavras como parte daquele grande hino, “Graça Excelsa” (HASD, 208). “Perdido” é a palavra que descreve a tragédia de todo ser humano, porque “todos pecaram” (Rm 3:23). “Encontrou” é a palavra que descreve um privilégio igualmente universal, mas é preciso que tomemos posse dele pela fé e que nos apeguemos a ele, abraçando Aquele que nos encontrou. Nossa lição esta semana fala de vários tipos de condição perdida, mas comentaremos a respeito de três: o filho perdido, as oportunidades perdidas e os dois cegos. Comentário Bíblico I. O filho perdido (Recapitule com a classe Lc 15:11-32.) “Perdido” é o termo que descreve o patético drama do ser humano, uma doença letal causada pela entronização do eu em lugar de Deus. Essa condição não é, e nunca foi, parte do plano de Deus. O termo “perdido” envolve aqueles que escolhem abandonar o amor do Pai e ir para a terra distante, onde o desejo de fama, o encanto dos prazeres pecaminosos, o estranho prazer da busca egoísta e o abandono do bom senso e da responsabilidade se combinam para reduzir ao mínimo a diferença entre os seres humanos e os porcos. Note, contudo, o quadro que a parábola pinta do divino Pai. Primeiro, Ele espera. Não pode forçar o filho a retornar. O amor do Pai é para aqueles que escolhem aceitá-lo. Deus nunca força a vontade: ninguém pode ser redimido ao ser roubado daquilo que define o livre-arbítrio humano. Em segundo lugar, o Pai restaura o pródigo sem impor nenhuma condição: não são solicitadas reparações, nenhuma quarentena é imposta, nenhum juízo é pronunciado. O perdão, a restauração, a aceitação, o regozijo, o anel, as sandálias, o manto – um após outro levam ao transbordamento da alegria de Deus pelo retorno do pródigo. Em terceiro lugar, o Pai o viu quando “vinha [...] ainda longe” (Lc 15:20). Nem a distância nem a terra distante podem manter o filho pródigo longe dos olhos do Pai, pois a volta para casa leva em conta que uma “rude cruz se erigiu”. A cruz assegura que nenhum filho que volta continua perdido. Pense nisto: A rebelião é governada pela gramática do “eu” (ver Is 14:12-14). “Eu” é o sujeito, é o verbo e é o objeto – em suma, o “eu” é a máxima da vida. Assim, o filho mais novo, rebelde, aproxima-se do pai e exige: Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  9. 9. “Dê-me. Eu quero ser eu mesmo.” Toda vez que o eu exige ser seu próprio início, centro e destino, ele escolhe rejeitar o lar do pai e se torna uma criatura da terra distante. II. As oportunidades perdidas (Recapitule com a classe Lc 16:19-31.) A parábola do rico e Lázaro não é teologia abstrata. É um poderoso testemunho sobre o viver responsável em uma sociedade irresponsável; sobre a falta de sentido do luxo em meio à pobreza abjeta; sobre o fato de que o Céu humilha o orgulhoso e de que Deus abraça a alma rejeitada, solitária e marginalizada chamada Lázaro (que significa “Deus é meu ajudador”). Se Deus for o ajudador de uma pessoa, nem os banquetes do rico nem os cães que lambem as feridas dessa pessoa podem impedi-la de ser envolvida pelo grande abraço de Deus. O cômputo final da eternidade não leva em conta o tamanho da conta bancária que a pessoa teve, quão grande era a casa onde ela morava, quantos servos a pessoa tinha ao seu comando e ao seu dispor. Todas as medidas mundanas de sucesso se desvanecem, e a balança divina do verdadeiro valor pesa cada alma em termos das palavras eternas do vocabulário de Deus: amor, graça, solicitude para com os mais pequeninos dentre nós, a semeadura com lágrimas que produz a ceifa da alegria. Isso é teologia – o amor que abraça os Lázaros da vida e os leva ao seio de Abraão. Essa teologia tem um segundo aspecto: hoje é o dia da salvação; e, depois disso, a morte. Não há segunda chance. Portanto, decida agora. Decida em favor de Deus. Perguntas para discussão 1. O rico clamou por misericórdia (Lc 16:24), mas não foi possível obtê-la. Por quê? 2. O que o grande abismo de Lucas 16:26 significa? 3. Por que ouvir “Moisés e os profetas” (Lc 16:31) é tão decisivo para se obter a recompensa da vida eterna? (Compare com João 5:38-40.) III. Os dois cegos (Recapitule com a classe Lc 18:35-19:8.) Na semana anterior à cruz, Jesus encontrou dois cegos – um do lado de fora de Jericó, vestido em farrapos, com um colchão gasto como cama e uma vasilha para mendigar. Cego e indefeso, Bartimeu (Mc 10:46) aguardava o dia em que a libertação o aliviaria de sua aflição e desespero. A libertação realmente veio, mas não na forma da morte, pela qual tantos esperam quando a vida alcança seu ponto mais baixo; ela veio por meio da boa notícia que ele ouviu da multidão que transitava: Jesus estava passando por ali. Bartimeu conhecia Jesus. Havia ouvido falar de Seus milagres. Conhecia Seu poder. Sabia quem Ele era e como Se importava com as pessoas. De repente, Bartimeu irrompeu em uma confissão messiânica, o único clamor de uma alma perdida: “Jesus, Filho de Davi, tem compaixão de mim” (Lc 18:38). Embora fosse cego, sua visão espiritual estava em sintonia com as realidades celestiais. Sua descoberta messiânica foi suficiente para lhe abrir os olhos a fim de que contemplasse a maior maravilha do Céu: Jesus. Por qual descoberta você está esperando? O segundo era cego espiritualmente e morava dentro de Jericó: o chefe dos coletores de impostos. Ele levava a vida ignorando a diferença entre o bem e o mal, entre cobrar impostos e saquear, entre os impulsos da carne e as obrigações do espírito, entre as pilhagens de hoje e a prestação de contas do amanhã. Para ele a eternidade não tinha significado, a justiça não tinha importância e Deus havia tirado férias de sua vida. Ele também tinha ouvido falar de Jesus e estava ansioso para ver como era esse Homem que operava maravilhas. Poderia ter visto Jesus facilmente – face a face – na cabine de arrecadação que ficava na entrada de Jericó. No entanto, será que não o fez porque estava com medo de seus fracassos morais? Medo da exploração social dos outros para ganho próprio e de sua falência espiritual? Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com
  10. 10. Lucas é um escritor bondoso e não sugere isso; apenas diz que ele era de baixa estatura e que procurou a ajuda de um sicômoro para compensar isso. Contudo, os penetrantes olhos de Cristo podem encontrar o pecador em qualquer lugar, e o Salvador viu a necessidade de Zaqueu. Imediatamente, ofereceu-Se para preencher o vazio do seu coração e disse-lhe que descesse da condição perdida, no alto da árvore, para a intimidade de seu lar. Ali, o Hóspede que se autoconvidara deu ao anfitrião a melhor refeição que alguém poderia esperar: o pão da vida. Jesus fez com que o espiritualmente cego visse. Ter Jesus em casa e no coração é melhor do que ser o homem mais rico de Jericó ou de qualquer outro lugar. Zaqueu encontrou a salvação. Um encontro com o Cristo vivo abre nossos olhos, cura nosso coração ferido, traz-nos paz à alma e nos assegura a vida eterna. Perguntas para discussão 1. Lucas 18:40-43 mostra uma progressão da cegueira para o discipulado: perceber a própria necessidade, entender o poder da oração, reconhecer Jesus, experimentar a fé, alegrar-se, e seguir a Jesus. Por que esses passos são importantes? 2. Recapitule como Zaqueu deu significado ao próprio arrependimento (Lc 19:8). Você se recorda de algum momento em sua vida em que talvez tenha tido de dar meia-volta como Zaqueu? Por que a salvação nunca está completa até que tenha havido arrependimento e restituição? Aplicação Para o professor: Lucas deu a razão pela qual Jesus contou as três parábolas de perdidos e achados: elas foram uma resposta à crítica dos fariseus de que Jesus comia e Se associava com cobradores de impostos e pecadores (Lc 15:1-3). As parábolas afirmam Sua missão, mostrando que salvar o perdido vale qualquer sacrifício, e que fazer isso traz a maior alegria a Deus. Com isso em mente, leia Lucas 15:4-7 (a ovelha perdida) e considere o seguinte: Perguntas para reflexão 1. Noventa e nove versus uma. Por que uma é importante para Deus? 2. “Ovelha perdida” – Como a ovelha se perdeu? 3. “Vai em busca” – Quão voltado para a busca é o amor de Deus? 4. “Até” – Aquele que procura vai em busca de quê? 5. “Alegrai-vos” – Por que salvar nem que seja uma só pessoa é um acontecimento tão alegre? Criatividade e atividades práticas Para o professor: Jesus perguntou a Bartimeu: “Que queres que Eu te faça” (Lc 18:41)? Que pergunta solícita, convidativa, típica do Salvador! Ele é nosso Criador. Ele é nosso Redentor. Ele é nosso capacitador. Todas as coisas são possíveis nEle e por meio dEle. Pergunta de aplicação Pergunte à classe: O que você pediria a Jesus para fazer por você hoje? Encoraje cada aluno a fazer uma curta lista de três ou quatro necessidades importantes que ele tem e a partilhá-las com a classe. Planejando atividades: O que sua classe pode fazer, na próxima semana, como resposta ao estudo da lição? É proibida a reprodução, total ou parcial, do conteúdo sem prévia autorização da Casa Publicadora Brasileira. Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões:Pedidos, Dúvidas, Críticas, Sugestões: Gerson G. Ramos.Gerson G. Ramos. e-mail:e-mail: ramos@advir.comramos@advir.com

×