O lado negro da pornografia

10.320 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
10.320
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.448
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
101
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O lado negro da pornografia

  1. 1. O lado negro da pornografiaVersão revisada, traduzida parcialmente e adaptada por Mirocles.Autoria desconhecida.Disponível em: http://pt.scribd.com/doc/59204149/O-Lado-Negro-Da-PornografiaFalamos muito ao longo destes últimos anos (e felizmente continuamos a falar)dos direitos humanos; simplesmente deixamos de falar de uma coisa muitosimples, que são os deveres humanos, que são sempre deveres em relaçãoaos outros, sobretudo. E é essa indiferença em relação ao outro, essa espéciede desprezo do outro, que eu me pergunto se tem algum sentido numasituação ou no quadro de existência de uma espécie que se diz racional. Isso,de facto, eu não posso entender, é uma das minhas grandes angústias.”Saramago PinheiroJamie trabalha na indústria do sexo. Trabalha de 12 a 16 horas diárias por apenasum dólar. E passa fome. Precisa do dinheiro para ajudar os pais.Parece PPP (papo padrão de puta), mas Jamie esta mandando a real e é uma entremilhares de mulheres que estão dentro do seu computador nesse exato momento.http://current.com/items/88844158_my-name-is-jamie.htm - Em InglêsEssas mulheres que vivem dentro do nosso computador estão espalhadas por todoo mundo, principalmente Estados Unidos, Canadá e Europa. E questão de tempopara que alguém apareça no Brasil para explorar o mesmo serviço (afinal, apenas25% ficam na mão da garota). Quando as palavras não são suficientes: A busca do efeito de pornografia em mulheres vítimas de abuso. O uso da pornografia (pelo agressor) aumenta significativamente as chances de uma mulher espancada é de ser abusada sexualmente. Uso de pornografia e álcool aumenta as chances de abuso sexual. Pornografia só aumenta as chances de um fator de quase 2 e a combinação de pornografia e álcool aumenta as chances de abuso sexual por um fator de 3. Fonte: Shope, J. (2004). When words are not enough: The search for the effect of pornography on abused women. Violence Against Women, 10, 1, 56- 72.A história de Jamie e apenas um pedacinho do universo que se revela napornografia. "Eu fui numa loja pornô, coloquei uma moeda e vi um filme pornô, numa máquina. Era apenas um cara vindo por trás de uma garota, a atacando e estuprando. Foi aí que eu comecei a ter fantasias de estuprar alguém. Quando eu estava vendo esse filme, foi como se ligasse um circuito,
  2. 2. desde a minha infância até virar um adulto... Eu apenas fui atrás do que queria, fui lá e estuprei." (Depoimento do livro "Men on Rape: What They Have to Say About Sexual Violence") "Segundo o artigo Função da exposição de fantasias de estupro para o estímulo de violência sexual, de Neil M. Malamuth, da Universidade de Manitoba, Canadá e publicado no Archives of Sexual Behavior, homens expostos a filmes com imagens de estupro, posteriormente, descreveram fantasias sexuais mais violentas que aqueles que foram expostos a filmes cujas relações sexuais são consentidas mutuamente." “Segundo o autor do estudo, “o possível papel desse tipo de fantasia provocada por essa mídia no desenvolvimento de atitudes e comportamento antisociais deve ser considerado””.Este e o primeiro artigo de uma série publicada com exclusividade no PdH sobreessa industria que supera as receitas da indústria fonográfica e esportivajuntas. A exposição a "pornografia em massa" (4 horas e 48 minutos) leva a mudanças de crenças e atitudes. Por exemplo, reduziu o apoio para o movimento de libertação das mulheres, a crença reduzida que a pornografia precisa ser restrito para menores de idade, reduziu sentenças de prisão recomendadas para estupradores, aumentou a insensibilidade para com mulher, e as crenças de aumento da frequência de sexo patológico (como o sexo com animais e sexo com violência). Fonte: Zillmann, D & J. Bryant. (1984). Effects of massive exposure to pornography. In Malamuth, N and Donnerstein, E. (Eds), Pornography and sexual aggression. San Diego, Academic Press.Antes de começarmos com a parte cabeluda, que uma coisa fique clara: não estoucondenando nem fazendo apologia da pornografia. Cada pessoa tem odiscernimento de fazer sua análise final, mandando bronca nos comentários. Sexo e violência: um efeito cascata. No Sul da Austrália eles liberaram as leis de pornografia e viram um aumento de 284% em estupro. Durante o mesmo período de tempo em Queensland, na Austrália, eles tinham as leis de pornografia conservadores e eles experimentaram um aumento de apenas 23% em estupro. No Havaí, as leis de pornografia foram liberalizados e depois tornou-se mais restritiva e, em seguida, foram liberadas novamente. A curva de estupro seguido o mesmo padrão de aumento, diminuindo quando a restrição sobre a pornografia ocorreu e depois aumentando novamente quando as restrições foram suspensas.
  3. 3. Fonte: Court, J. (1984). Sex and violence a ripple effect. In Malamuth, N & Donnerstein, E (Eds), Pornography and sexual aggression. San Diego, Academic Press.Uma informante: Jenna JamesonQuem revela os segredos podres da indústria do pornô é nada menos do que aqueridinha da América, Jenna Jameson. Junto com o jornalista Neil Strauss, elapublicou o bestseller How to make Love like a porn star: a cautionary tale (Comofazer amor como uma estrela pornô: um conto de advertência). Jenna Jameson Você provavelmente vai ter que fazer sexo com outras pessoas que você acha repugnante. "Enquanto eu estava esperando minha primeira cena de sexo, meu co- estrela, um cavalheiro que eu nunca tinha visto antes, chamado Arnold Biltmore, sentou-se ao meu lado. Ele tinha um corpo macio e pastoso; uma tez porosa e gorduroso, e um corte de cabelo jardim de infância, repartido ao meio e penteado para ambos os lados. Nada sobre Arnold Biltmore me excitou. E em 10 minutos eu deveria fazer sexo com ele. Quando a nossa cena começou, ele tentou me beijar. Virei a cabeça longe da câmera, de modo que ninguém pudesse me ver careta... Como a minha cabeça mantida esbarrar em seu estômago enquanto eu dei-lhe a cabeça, tudo que eu conseguia pensar era: Que diabos estou fazendo aqui? Isso é nojento. "Uma gota de suor na testa de Arnold... inchou e cresceu até se transformou em uma bolha, e depois, lentamente,
  4. 4. arrancou-se livre de sua testa... Quando ela me bateu entre o olho, ele jogou uma chave na minha cabeça. "Eu estou pronta", eu pensava. "Eu não posso mais fazer isso. " (Pág. 161-162). "Outros atores do sexo masculino foram arrepiantes, e olharam para mim como se eles queriam que eu fosse a sua esposa depois dali; ou tinham problemas de ereção e, pior ainda, problemas de higiene." (Pág. 376) Fonte: Jenna Jameson’s 25 Good Reasons Why No One Would Ever Want to Become a Porn Star (Jenna Jameson: 25 boas razões pelas quais ninguém nunca quer se tornar uma estrela de Pornô). Sobre isso, assisti a uma entrevista de outra atriz pornô, que declarou que quando isso acontecia (repulsa pelo parceiro) não havia jeito de haver penetração, pois a vagina “trancava”. As atrizes eram, então, obrigadas a tomar relaxante muscular e/ou analgésicos, pois mesmo usando lubrificante a penetração ficava difícil. Esse mesmo recurso era usado quando o pênis do parceiro era muito grande ou elas tinham que fazer muitas cenas. Outras maneiras de tornar a atuação suportável era usando álcool e drogas.Os maus produtores do gênero GonzoPornô gonzo e uma referencia ao jornalismo gonzo, no qual o repórter faz parte doevento. A pornografia gonzo tem um estilo realista que procura aproximar a câmeradas cenas, com poucos diálogos ou preparação.Como tudo na vida, existem os bons e maus profissionais. A pesquisa sobre mulheres e pornografia: As muitas faces do mal. 24% das mulheres inquiridas indicaram que ficaram chateadas por alguém tentando levá-las a fazer algo que tinha visto em pornografia. Aqueles que responderam "sim" eram mais propensos a ter sido vítimas de ameaça real ou agressão sexual. Fonte: Senn, C. (1993). The research on women and pornography: The many faces of harm. In D. E. H. Russell (Ed.), Making violence sexy. New York: Teachers College Press.John Stagliano, mais conhecido como Buttman, recebe créditos por ter popularizadoo gênero gonzo e rebate as críticas de que o gonzo é intrinsecamente mal feito. Para
  5. 5. ele, a idéia do gonzo e amplificar a sexualidade, usando muitos closes, cenas longase intensidade em todos os sentidos. Buttman diz que um bom produtor de gonzosabe trabalhar a sequência de ângulos, luminosidade e clímax.Porem, a percepção do gonzo muitas vezes vem dos maus produtores, que usam ogonzo como porta de entrada para o mundo do pornô. E mais barato e mais simples:basta uma câmera na mão e uma mulher disposta a abrir as pernas. Pornografia e agressão sexual: Associações de representações violentas e não-violentas de estupro e propensão ao estupro. Todos tipos de pornografia (soft core, hard core, violento e estupro) foram correlacionados com o uso de coerção verbal e uso de drogas e álcool para coagir sexualmente as mulheres. Todos os tipos de pornografia além do soft core foram correlacionados com estupro. Os relatórios de maior exposição ao uso de pornografia violenta tinham seis vezes mais probabilidade de relatar ter estuprado do que aqueles no grupo de baixa exposição a pornografia. Probabilidade de forçar uma mulher sexualmente foi correlacionada com o hard core (pornografia pesada), uso da pornografia violenta e estupro, mas não com o uso da pornografia leve (soft core). Probabilidade de estupro foi correlacionado com todos tipos de uso da pornografia. Fonte: Boeringer, S.B. (1994). Pornography and sexual aggression: Associations of violent and nonviolent depictions with rape and rape proclivity. Deviant Behavior, 15, 289-304. Sexo na van: a série Californication aborda sem moralismos o universo do pornô gonzoJenna Jameson conta como os maus profissionais podem desrespeitar suas atrizes,que passam por todo tipo possível de humilhação. Imagine uma novata chegandosozinha em um muquifo no subúrbio de Los Angeles, encontrando uma equipe de
  6. 6. pintos sem qualquer consideração pela mulher. É quando a linha entre asensualidade é cruzada e vem a degradação. A indústria de pornô e o sucesso dentro dela pode mudar você e os outros para o pior. "A primeira pessoa que eu conhecei foi o ator Lyle Danger, um obscuro, mal-humorado, bem-construído esloveno com os olhos fumegantes e um dia de restolho em seu queixo. Como eu também era nova no negócio... Eu gostava de manter distância dele. Claro, o negócio acabaria por transformá-lo em outra criatura totalmente. " (Pg. 317) Fonte: Jenna Jameson’s 25 Good Reasons Why No One Would Ever Want to Become a Porn Star (Jenna Jameson: 25 boas razões pelas quais ninguém nunca quer se tornar uma estrela de Pornô).Infelizmente é essa a experiência de milhares de meninas ludibriadas para fazer umfilme barato com produtores nada profissionais. O resultado é um traumairreversível, para nunca mais voltar para as câmeras e permanecer com marcaspsicológicas (e em alguns casos físicos) para sempre.ExploradoresNo começo da carreira, o nome “Jenna Jameson” não existia. Seus pedidos de usodesse nome artístico eram sumariamente ignorados pelos editores, que inventavamdiferentes nomes para ela, junto com entrevistas inventadas, sem a consultar.Depois de rodar em publicações de segunda categoria, Jenna começou a trabalharcom fotógrafos mais reputados, como Suze Randall. No livro, Jenna mete o pau emSuze, contando como foi explorada ate a ultima gota, fazendo infinitas sessões defotos que foram distribuídas por todos os cantos do planeta, já que Jenna haviaconcordado em ceder os direitos por meio de um contrato leonino. Suze Randallficou na lista negra de Jenna, que mantém distancia e rancor. Em uma entrevista à CNN. 27 de agosto de 2004. ANDERSON COOPER: E se sua filha um dia dissesse para você, se você tivesse uma filha, se ela fosse a você e dissesse que queria entrar nessa indústria? JAMESON: Eu iria amarrá-la no armário. Só porque esta é uma indústria tão difícil para uma mulher chegar à frente e obter o respeito que ela merece. Eu lutei com unhas e dentes para chegar onde eu estou, e não é algo que eu quero que minha filha passe. Não é algo que qualquer pai iria escolher para seu filho.
  7. 7. Apesar de imaginar como deve ser ter o sentimento de que alguém mais poderosoesta faturando em custas do trabalho pessoal, acho que uma parte intangível énegligenciada por Jenna: parte de seu sucesso como a rainha do pornô americano éjustamente pelo trabalho artístico de qualidade de Suze Randall. Nessas fotos, e naexplosão da Web na década de 90, e que Jenna se tornou presença universal emtodos os cantos e sonho de consumo de homens… e mulheres. Jenna teve umrelacionamento bissexual com Nikki Tyler e ate hoje são amiguinhas.Os cafetões engravatados são experts em ganhar a confiança das novatasinseguras e mesmo de atrizes experientes. Os piores não perdem tempo e logo noprimeiro encontro já dizem que para poder trabalhar eles precisam testar as meninase impõem o teste do sofá, apesar de ser uma prática desaconselhada. "Para as meninas que são penetraram em todos os buracos em seu primeiro filme, é uma sobrecarga física e mental." (Pág. 146). "Apesar de cada artista ser obrigado a fazer teste mensal abrangente para as doenças sexualmente transmissíveis, as DSTs ainda são uma preocupação válida .... Você nunca sabe que tipo de estilo de vida as pessoas estão levando além do estúdio. "(pág. 326-328).Outros usam de poder e sedução em um jogo continuado, namorando as meninas ese tornando seus “agentes”. Em muitos casos, as meninas acabam sem dinheiroalgum e no fim da carreira sem ter o que fazer ou para onde ir. Claro que elastambém têm responsabilidade nas escolhas tomadas, mas o ponto é que o ambienteé de ninho de cobra. ** Na introdução ao livro Jenna diz: "Por duas décadas, olhei os homens nos olhos e neguei tudo. E então, durante anos, em particular, eu lutava comigo mesmo. A verdade venceu. O que vem a seguir, então, é uma história verdadeira "(Uma história que inclui ter sido estuprada três vezes como uma adolescente:... 1- Por sua data de quando ela tinha 15 e perdeu sua virgindade, (págs. 284-286), 2- Por tio abusivo do seu namorado, (fls. 16-17), e 3. Por um grupo de meninos do ensino médio, que espancaram-na e depois a deixou para a morte. (Pág. 391-394.)). Pesquisas indicam que mulheres que sofreram violência sexual na infância ou adolescência, têm mais chances de serem cooptadas para a prostituição e pornografia, além é claro de necessidade financeira que é a regra para o ingresso das mulheres tanto em uma, quanto em outra.Framing: mesmos fatos, realidades diferentesNessas condições, até que ponto uma menina de dezoito anos tem experiênciae discernimento suficiente para saber o que está fazendo? Foi esse o ponto
  8. 8. principal das criticas de Tyra Banks, em sua entrevista com a jovem estrela SashaGrey, que já mereceu um post aqui no PdH.http://www.youtube.com/watch?v=BxUq_zzvAaA&feature=player_embeddedINGLÊS - use a tradução instantânea do youtube para melhor compreender o vídeoFraming é o processo usado pela mídia para influenciar a percepção do discurso,definindo a mensagem usando diferentes elementos calculadamente inseridos naretórica. A equipe de Tyra trabalhou para estabelecer o framing ideal para conquistara audiência: Sasha como uma menina imatura sendo explorada pelo seu “cafetão”, oagente Mark Spiegler. O jornalista e escritor Victor Malerak: "Hoje, as mulheres exploradas pela indústria do sexo são chamadas de profissionais liberais, a fim de esconder as condições em que trabalham, e não gozam de garantias suficientes de proteção". Diz claramente: "A indústria do sexo constitui a força mais destrutiva contra as mulheres em todo o Mundo".Para completar o cenário, a equipe de Tyra convidou uma menor de idade que seprostituia e uma ex-atriz pornô, fazendo comparações e julgando Sasha comoirresponsável e um péssimo exemplo para outras garotas. O namorado de SashaGrey também ficou sem resposta.Uma imagem completamente diferente de Sasha Grey e apresentada nodocumentario 9 to 5: Days in Porn. Fruto de um framing bastante diferente: Sashaaparece como a novata talentosa, que tem uma visão única sobre pornografia. FoiSasha quem enviou uma longa carta ao agente Mark Spiegler, contando como elagostaria de explorar a sexualidade na tela.A indústria pornô vai objetivar você e influenciá-lo a se ver como um objeto."Você é o produto. (Pág. 333)“Eu quero perversões, quero ver sujeira. Quero o fedor. Quero queseja criativo. Eu não quero… não quero a fórmula 1-2-3, sabe… boquete, buceta,dar o cu de quatro… não quero isso… e uma gozada na cara… Eu estou de sacocheio disso. É… é uma rotina.A pornografia deve ser sempre explorada com sexualidade em todas as suasformas” (tradução livre de Sasha Grey no documentário 9 to 5: Days in porn)
  9. 9. Aos 18, Sasha Grey tem corpo e rosto de uma menina ainda mais nova.Fantasia recorrente da pornografia adulta: realizar os desejos pedófilos dosconsumidores Sasha ganhou vários prêmios por suas atuações sexuais bizarras em que é submetida a tudo nos filmes. Está sendo aclamada por suas atuações pornográficas e passando uma mensagem bem clara: quanto mais a mulher é denegrida, mais sucesso tem na indústria pornô. É uma celebridade e fez um filme com Steven Sorderbergh. Ela diz em seu my space que não deseja influenciar mulheres a seguir o seu caminho. O problema é que tudo o que ela faz e diz pode influenciar outras garotas. E sim, pornografia bizarra e violenta influencia o comportamento sexual dos homens em relação às mulheres. E estimula a violência dos homens contra nós. E faz com que nós mulheres acreditemos que merecemos aquele tratamento, ou no mínimo nos deixa confusas a respeito disso. Estudos comprovam. Suas atuações não passam em branco. Tem consequências, embora ela goste de achar que não. Embora ela ache que está apenas fazendo sexo bizarro e tendo suas próprias escolhas. O problema é que outras mulheres que serão violadas e obrigadas a repetir o que ela faz, não terão a mesma sorte... Exposição dos adolescentes para um ambiente de mídia sexualizada e suas noções de mulheres como objetos sexuais
  10. 10. Exposição sexualmente explícita em filmes on-line foi significativamente relacionado a crenças sobre as mulheres como objetos sexuais para ambos, masculino e feminino, 13-18 anos de idade, adolescentes holandeses. Fonte: Peter, J. & Valkenburg, P. (2007). Adolescents’ exposure to a sexualized media environment and their notions of women as sex objects. Sex Roles, 56, 381–395. Atitudes das mulheres e fantasias sobre o estupro como uma função da exposição precoce à pornografia. Mulheres que foram expostas a pornografia quando crianças eram mais propensos a aceitar o mito de estupro e de ter fantasias sexuais que envolviam estupro. Fonte: Corne, S., Briere, J. & Esses, L. (1992). Women’s attitudes and fantasies about rape as a function of early exposure to pornography. Journal of Interpersonal Violence, 7, 4, 454-461.Pornô: uma festa estranha com gente esquisitaImpressionado com a declaração de Sasha? Então se prepare para sua filmografia:ela começa com tudo, filmando uma orgia com Rocco Siffredi no The Fashionistas 2.Entre outras serelepadas, ela faz outro vídeo transando com um sujeito vestindouma fantasia de ursinho de pelúcia. Cute.Não espere por gente coxinha na indústria do entretenimento adulto. A galeraradicaliza em todos os sentidos, inclusive na competição. As novatas que fazemsucesso também precisam lidar com as outras mulheres invejosas, que usam detodos os artifícios na competição.Um exemplo é o que aconteceu na serie de TV Porno Valley. Em um teste paradescobrir quem seria o novo talento da Vivid Entertainment, uma das meninas disseque sua concorrente estava cheirando mal e precisava lavar a buceta. O plano eraconstranger a concorrente diante das câmeras – coisa corriqueira. Desde que o dinheiro sozinho não o leva verdadeiro significado, você provavelmente ainda não vai ser feliz, mesmo quando chegar ao topo. "Suicídio, eu li uma vez que, é um mecanismo acionado comportamental, como vomitando. Tem a ver com não se sentir necessário, com a visão de sua existência na hierarquia social como supérfluo. É algo que certamente os animais fazem, evolutivamente, de modo que sua prole pode sobreviver em uma alimentação limitada. Tudo isto faz sentido intelectualmente, mas, olhando para trás, eu ainda não
  11. 11. sei por que eu ainda contemplava isso. Eu tinha ficado assinado para Wicked; que eu tinha tomado os primeiros passos difíceis em direção ao meu objetivo, eu tinha feito algo por mim pela primeira vez em minha vida. Mas eu ainda não estava feliz. "(Pág. 364) "Depois da cerimônia eu estava cansada demais para comemorar. Eu voltei para o meu quarto, fechou a porta, e chorou. "Minha vida está em um pico de merda , eu pensei. "Não há para onde ir a partir daqui, apenas para baixo." (Pág. 412) "Até então, eu tinha vivido no mundo protegido da indústria do sexo. E eu tinha chegado a acreditar que eu era uma estrela, especialmente depois de Cannes. Mas quando eu conheci todas essas pessoas, eu percebi que não era nada. Eu era apenas um ícone de nicho, não uma celebridade real. Eu tive sexo na tela, eu fiz algumas atuações superficiais. Essas pessoas moveram e inspiraram milhões de pessoas com sua música. Tudo que fiz foi contribuir para as vendas Kleenex. Deve haver mais alguma coisa que eu poderia fazer por mim mesmo. (Pág. 445)Jenna também conta que as pessoas do convívio geral na indístria constantementeusam drogas e insistem em oferecer aos novatos. A pressão do grupo e grande equem não tem uma solidez de realidade forte pode rapidamente se perder nosnarcóticos.Enquanto as más companhias podem ser fator de preocupação, muitos preferem acorrente de liberdade de escolha. O produtor Pierre Woodman conta que quandochegou a Paris com dezoito anos estava sem um tostão furado e dividiaapartamento com um homossexual que diariamente fazia propostas para comer suabunda. Você provavelmente vai estar na indústria apenas por dinheiro ou por outros motivos que não são os mais saudáveis. (E, portanto, não ser cumprida de forma alguma materialmente diferente.) "A outra tentação era dinheiro.. Por que aparece em um filme, eu poderia fazer em qualquer lugar a partir de dois mil dólares a seis mil dólares por apenas algumas horas de trabalho. Isso é um monte de bolsas novas. "(Pág. 131) "Passo Um: adolescente se torna um modelo. Razão - Como todos adolescentes, ela pensa que ela é especial. Passo Dois: Adolescente começa a namorar um tatuador e motociclista. Razão - Ele é mais velho, mais malvado, e supostamente mais sábio. Passo Três: Adolescente se torna uma stripper.
  12. 12. Razão - Trabalho, dinheiro, e aprovação do namorado. Passo Quatro: Adolescente começa a modelar nude. Razão - É como modelagem real, exceto com o descascamento adicionado dentro. Passo Cinco: Adolescente começa a agir em soft-core adulto só de mulheres. Razão - A Vingança "(pág. 126). "Muitos Strippers entram para o pornô apenas porque querem o seu pagamento. Além disso, a dança é muito mais fácil do que estar no estúdio, uma ótima maneira de construir a sua base de fãs e lista de discussão, e uma fuga conveniente dos problemas em casa. "(pág. 466) "A sexualidade tornou-se uma ferramenta para muitos mais do que apenas a conexão com um menino que eu estava atraído. Eu percebi que poderia servir a qualquer propósito que eu precisasse. Era uma arma que eu poderia explorar impiedosamente. "(Pg.287) "Você fica entediado, porque as horas são longas." (Pág. 329) "Há uma menina que ainda está dentro de mim, e essa menina receia de tudo que eu faço, mas eu sempre me forço a ir e fazer tudo - não importa o quão trivial - maior e melhor do que todo mundo faz, só para irritá-la. "(pág. 401)Pierre diz que nunca cedeu e ate hoje eles são colegas. Com essa Historia, Pierreafirma que as pessoas são responsáveis pelas suas próprias escolhas. Por tersido um policial antes de entrar para a indústria de entretenimento adulto, Pierre viveuma filosofia livre de drogas, incluindo Viagra – pelo menos até o dia em que seupinto não mais responder.Pornografia celebra violência contra mulher, diz sociólogaA internet, o crescimento da indústria pornográfica e o marketing que elapromove são, na opinião da socióloga americana Gail Dines, os responsáveispor boa parte dos episódios de violência contra mulheres.Em seu ultimo livro, "Pornland" (Pornolandia), lançado recentemente nos EUA, Gailafirma que a multiplicação de imagens pornográficas na internet aumentou o poderdessa indústria:- A indústria pornô tem capacidade de fazer lobby com políticos, de travarbatalhas legais e de usar relações públicas para influenciar o debate. (...) Suasofisticada e bem financiada máquina de marketing busca moldar a imagemdessa indústria como algo positivo.
  13. 13. Na avaliação da feminista e professora de sociologia e de gênero na FaculdadeWheelock, em Boston, é impossível ver as imagens pornográficas sem serinfluenciado, "especialmente imagens com as quais você se masturba".- Os garotos veem pornografia pela primeira vez aos 11 anos. Eles são introduzidosa esse mundo de brutalidade sexual e crueldade antes que sua sexualidade estejaplenamente desenvolvida.Ela ainda defende a necessidade de um "contra-ataque erótico à cultura pornô". "Oerotismo, ao contrario do pornô, celebra uma sexualidade igualitária e respeitadora,baseada em conexão e paixão", diferencia.Leia a entrevista completa abaixo.  Terra Magazine - Pornografia era tabu e até mesmo proibida até pouco tempo. Como isso mudou? Hoje a pornografia é aceita socialmente?Gail Dines - A introdução da internet mudou a indústria pornográfica. Ela atrouxe do submundo para a nossa casa e, uma vez que a pornografia se tornoutão acessível e barata, os homens passaram a usa-la em grandes quantidades.Conforme essa industria crescia em volume, ela evoluía para um negócio comconsiderável respaldo político e foi se tornando socialmente mais aceitável. Aindústria pornô tem capacidade de fazer lobby com políticos, de travar batalhaslegais e de usar relações publicas para influenciar o debate. Essa não é umasimples questão de escolha do consumidor, sua sofisticada e bem financiadamáquina de marketing busca moldar a imagem dessa indústria como algopositivo. Quanto mais positiva essa imagem, maior a chance de a indústria setornar parte do mainstream.  Que consequências isso traz?Conforme a pornografia se populariza, ela molda nossa sexualidade eidentidade sexual. Isso é muito problemático porque a maioria da pornografiaque circula na internet envolve sexo com punição ao corpo, onde as mulheressão humilhadas e desumanizadas. Os garotos veem pornografia pela primeira vezaos 11 anos. Eles são introduzidos a esse mundo de brutalidade sexual e crueldadeantes que sua sexualidade esteja plenamente desenvolvida. Quanto mais essesmeninos virem pornografia, mais suas ideias sobre sexo serão distorcidas. Hápoucas imagens alternativas de sexo. Como um garoto pode conhecer situaçõesonde a sexualidade e baseada em igualdade e respeito?  Por que você acredita que a pornografia estimula a violência contra as mulheres?A pornografia cria um mundo onde a brutalidade sexual é legitimada e atécelebrada. Nesse mundo, não importa quão cruelmente você trata uma mulher,ela ama e implora por mais. Em nenhum momento diz não. Ela está sempredisponível para qualquer homem e fará o que ele quiser. As mulheres existempara serem usadas e abusadas e depois jogadas fora porque há muito mais de
  14. 14. onde elas vieram. É um mundo sem empatia, compaixão, conexão ouintimidade. Ao invés de fazer amor, homens fazem ódio com os corpos dasmulheres – enquanto ele a penetra brutalmente, a chama de nomes vis edemonstra nada além de ódio, desprezo e nojo.  Como alguém que estuda mídia, eu sei o poder das imagens. Todos nós construímos nossas identidades a partir das normas e valores da cultura onde vivemos e as imagens pornográficas formam uma grande parte da cultura de hoje.É impossível ver essas imagens sem ser mudado, especialmente imagens comas quais você se masturba. Isso não significa que homens que assistem filmespornôs irão violentar uma mulher, mas significa que, em algum nível e dealguma maneira, essas imagens afetarão a maneira como eles pensam sobresexo, sexualidade e relacionamentos.Os homens que eu entrevistei acreditavam que sexo pornô era o que as mulheresqueriam e ficavam angustiados e nervosos quando sua parceira se recusava a separecer ou a se comportar como sua estrela pornô favorita. As mulheres comumenterecusam-se a praticar atos que os homens rotineiramente gostam de assistir e, pertodos orgasmos escandalosos e ginásticas sexuais do sexo pornô, sexo com mulheresreais começa a parecer tedioso e insosso. Esses homens se acostumaram tantocom a pornografia que começam a se desapontar com suas próprias performances.Quando eles se comparam com os atores pornôs, que mantém ereções fortificadascom Viagra por longos períodos de tempo, eles começam a se sentir perdedores emsua vida sexual e se perguntam se ha algo errado com eles.  As mulheres são as únicas afetadas pelos efeitos da pornografia?Homens e mulheres são afetados. Alguns homens desenvolvem um vicio empornografia que pode facilmente destruir suas vidas. Conversei com alguns viciadosque cursavam o ensino superior, eles corriam sérios riscos: negligenciaram seustrabalhos de faculdade, gastavam grandes quantidade de dinheiro que nãopossuíam, se isolavam dos outros e sofriam de depressão. Eles sabem que há algoerrado, se sentem descontrolados e não sabem como parar.Já as estudantes me contam que se sentem pressionadas a se conformar aagir e se parecer como uma estrela pornô. Um exemplo do poder dessa culturaé como os homens desejam que as suas namoradas depilem seus pelospubianos. Como os homens se masturbam com as imagens de mulheres sempelos, alguns sentem repulsa e até preferem não transar se suas namoradasnão depilarem.Algumas mulheres falam de ter que fazer sexo-pornô para manterem seusparceiros interessados e isso significa concordar com atos com os quais elasnão se sentem confortáveis. A pornografia dá às mulheres uma imagemdistorcida do sexo e elas acham que algo está errado com elas por nãoresponderem como as mulheres nos filmes. É claro que as estrelas pornôsestão sendo pagas para parecerem excitadas, mas muitas pessoas acham quea pornografia é uma reflexão da realidade ao invés de uma imagemcuidadosamente construída.
  15. 15. Algumas mulheres me dizem que quando seus parceiros veem pornografia sesentem deslocadas e traídas e se perguntam por que não são suficientes e porqueseu parceiro não está satisfeito com a vida sexual do casal.  Pode existir um tipo de pornografia "saudável"?A pornografia é baseada na degradação da mulher, então não. Eu não acreditoque possa haver qualquer imagem de uma mulher sendo degradada que possacontribuir para uma sexualidade saudável. No entanto, eu acho que há umanecessidade de um contra-ataque erótico à cultura pornô. O erotismo, ao contráriodo pornô, celebra uma sexualidade igualitária e respeitadora, baseada em conexãoe paixão.  A liberação sexual e social feminina não contribuiu para mudar essa situação?O grupo responsável pela cultura pornográfica de hoje são os pornógrafos.Eles são os que trouxeram isso e eles cooptaram os movimentos das mulherespor liberação sexual. As mulheres dos movimentos dos anos 60 e 70 lutaram paraerradicar a ideia sexista de que boas garotas não gostavam de sexo e não faziamsexo fora do casamento. O que nós queríamos era aproveitar o sexo nos nossostermos e o que nós tivemos foi uma sexualidade pornográfica, plastificada egenérica que foi criada por uma indústria predatória cujo objetivo é maximizarlucros, não nos liberar sexualmente.É um erro pensar que as feministas de 60 e 70 são responsáveis. O problema é queas feministas de hoje capitularam ao invés de resistir à cultura pornô.Nós precisamos construir um movimento feminista robusto que veja apornografia pelo que é realmente: propaganda odiosa às mulheres quelegitima e celebra sua posição subordinada. Nosso objetivo deveria sererradicar essa indústria, enquanto houver pornografia nós nunca teremoscompleta igualdade de gênero.  Fonte:http://terramagazine.terra.com.br/interna/0,,OI4614275-EI6594,00-Pornografia+celebra+violencia+contra+mulher+diz+sociologa.html  Algumas mulheres se colocaram atrás das câmeras e começaram a gravar filmes pornôs chamados “feministas“. Elas dizem mostrar a visão das mulheres sobre o sexo, sobre o que elas querem na cama. Qual é a sua opinião sobre esse tipo de produção?Dei uma olhada em alguns vídeos e não vi nada criativo ou diferente dapornografia convencional. Eu concordo que não há violência, mas ainda hámulheres servindo como objeto para os homens, o corpo feminino ainda é umobjeto sexual. O jeito como elas constroem as imagens e contam a história é
  16. 16. muito similar. Isso não subverte a maneira como se vê o corpo feminino napornografia.  Não há nenhum tipo de pornografia que seja saudável?Se há, eu ainda não vi. Pornografia por definição são imagens baseadas nadesigualdade, na humilhação, na desumanização. Eu não consigo aceitar quequalquer imagem desse tipo seja boa paras as pessoas.  Como controlar esses efeitos negativos da exposição à pornografia?Eu acho que a legislação deveria definir pornografia como uma violação dosdireitos civis das mulheres. Assim, elas poderiam processar os autores dessesprodutos por qualquer tipo de dano que físico que elas sofram. É claro que édifícil provar que esses danos foram estimulados pela pornografia. Mas,muitas vezes, é difícil provar violações de direitos previstos pela lei. Mas issonão os invalida.  Fonte:http://www.feminismo.org.br/portal/index.php?option=com_content&view=article&id=1684:pornografia-aumenta-violencia-sexual-contramulheres-e-criancas-diz-sociologa-americana&catid=52:opiniao-eanalises&Itemid=98Em nenhum momento se deu da pornografia se tornar uma bandeira para umanova maneira de relacionamento entre homens e mulheres, apenas tornou"obrigatório" e aceitável uma certa maneira de fazer sexo antes atribuídosomente ás prostitutas e onde estas eram sempre colocadas como mulheresem quem se podia "fazer de tudo" além de humilhar, exigir, praticar violênciasverbais e físicas. Fazer tudo aquilo que se tivesse vontade sempre tendo emmente a sua inferioridade como ser humano. Em nenhum momento, sequestionou se isso estava realmente contribuindo para a liberdade sexual ouvalorização das relações. A meu ver, o que a onda da pornografia faz éjustamente inibir qualquer movimento para uma nova forma de amar. Criou-seisso sim, a cultura do desempenho imitado dos filmes, revistas e livros, daquantidade e da obrigação por se fazer e consumir sexo. Onde ficou aespontaneidade, a criatividade, o jogo da descoberta se tudo já vempasteurizado em posições, gemidos, atos e penetrações esquematizadas?Qual o papel da mulher nesse esquema da pornografia? Objeto-oríficios esujeito de toda sorte de humilhações. E isso ajuda as pessoas a se amarem, ase relacionarem melhor uns com os outros? O filme Garganta Profunda e tudoque veio depois dele, foi o marco da maior e mais orquestrada exploração eaviltamento do corpo e da sexualidade da mulher. Nada além disso.Agradeçamos ao capitalismo.

×