Fatores de saude de uma populacao

444 visualizações

Publicada em

saude coletiva

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
444
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
6
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
9
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Fatores de saude de uma populacao

  1. 1. 1. SAÚDE INDIVIDUAL E COMUNITÁRIA 1.1. Indicadores do estado de saúde de uma população
  2. 2. SAÚDE  Segundo a Organização Mundial de Saúde (OMS), saúde é o estado de completo bem-estar físico, mental e social e não apenas a ausência de doenças ou enfermidades.  Atualmente o conceito de saúde está relacionado com os conceitos de qualidade de vida, fatores de risco e esperança de vida.
  3. 3. QUALIDADE DE VIDA  O conceito qualidade de vida encontra-se directamente relacionado com cada indivíduo, dependendo do seu carácter, sexo, idade, profissão, padrões culturais e religiosos.
  4. 4. FATORES DE RISCO  Fatores de risco são comportamentos ou situações que podem comprometer a saúde de um indivíduo.
  5. 5. INDICADORES DO ESTADO DE SAÚDE DE UMA POPULAÇÃO  Taxa de mortalidade infantil;  Esperança de vida à nascença;  Taxa de doenças infecciosas;  Percentagem de doenças cardiovasculares;  Percentagem de obesos;  Percentagem de diabéticos tipo 2  Percentagem de gravidez na adolescência;  Percentagem de grávidas vigiadas.
  6. 6. TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL  A taxa de mortalidade infantil (TMI) é a relação existente entre o número de mortes ocorridas no primeiro ano de vida de um ser humano e o número de nascimentos, no mesmo intervalo de tempo.  A taxa de mortalidade infantil diminui com o desenvolvimento das populações.
  7. 7. TAXA DE MORTALIDADE INFANTIL  É o número de crianças que morrem no primeiro ano de vida, por cada mil que nascem vivas (nados - vivos)  Diminui com o desenvolvimento das populações
  8. 8. ESPERANÇA DE VIDA  A esperança de vida à nascença é o número de anos que um ser humano tem probabilidade de viver, no momento do nascimento.  A esperança de vida à nascença aumenta com o grau de desenvolvimento das populações.
  9. 9. ESPERANÇA DE VIDA  A esperança de vida é o número de anos que um ser humano tem probabilidade de viver a partir do momento que nasce.  É maior nos países desenvolvidos e nas mulheres do que nos homens.
  10. 10. TAXA DE DOENÇAS INFECCIOSAS  A taxa de doenças infecciosas calcula-se relacionando o número de ocorrências de doenças infecciosas, com o efectivo da população em estudo, no decurso de um ano.  Neste indicador, consideram-se dois grupos de doenças: Doenças que se podem prevenir através da vacinação Doenças para as quais não existem vacinas  Designam-se por infecciosas as doenças de causa microbiana, transmissíveis através de qualquer forma de contágio. Na sua prevenção, são fundamentais as vacinas(quando existem) e a higiene.
  11. 11. TAXA DE DOENÇAS INFECCIOSAS  É o numero de indivíduos com doenças infecciosas numa população, no decurso de um ano.  Doenças infecciosas – são doenças de causa microbiana (provocadas por vírus, bactérias e outros agentes infecciosos), transmissíveis por qualquer forma de contágio.  Prevenção de doenças infecciosas – vacinação (quando existente), higiene, alimentação saudável,…
  12. 12. PERCENTAGEM DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES  A percentagem de doenças cardiovasculares calcula-se relacionando o número de ocorrências de doenças cardiovasculares com o efectivo da população em estudo. As doenças cardiovasculares afectam o coração e/ou os vasos sanguíneos e são a primeira causa de morte nos países desenvolvidos.  O consumo de gorduras e bebidas alcoólicas, a hipertensão arterial, o tabagismo, o stress físico e emocional, a obesidade e a diabetes são fatores de risco destas doenças.
  13. 13. FATORES DE RISCO DE DOENÇAS CARDIOVASCULARES:  Obesidade;  Abuso de bebidas alcoólicas;  Diabetes;  Hipertensão;  Vida sedentária;  Falta de exercício físico;  Colesterol elevado;  Tabagismo;  Stress;  Abuso de consumo de gorduras saturadas;  Consumo de sal.
  14. 14. PERCENTAGEM DE OBESOS  A obesidade, isto é, o excesso de peso, é uma doença característica dos países desenvolvidos.  A percentagem de obesos acompanha o desenvolvimento económico dos países. Mas, dentro dos países desenvolvidos, a obesidade é um indicador de pobreza, o que se explica pelo facto de os alimentos pobres em vitaminas, sais minerais e fibras, mais ricos em sal gorduras e açúcar serem baratos e, portanto, de fácil acesso.
  15. 15. PERCENTAGEM DE DIABÉTICOS TIPO 2 Insulina – substância hormonal produzida pelo pâncreas que regula os níveis de açúcar no sangue. Glicemia – é o nível de açúcar no sangue.  Diabetes – é uma doença crónica caracterizada pelo aumento dos níveis de açúcar (glicose) no sangue devido a uma insuficiência de produção de insulina pelo pâncreas. Diabetes tipo 1 – existe dependência de insulina. Diabetes tipo 2 – o organismo produz insulina em quantidade insuficiente ou que não é eficaz.
  16. 16. PERCENTAGEM DE GRÁVIDAS ADOLESCENTES E GRÁVIDAS VIGIADAS  A percentagem de gravidezes na adolescência (isto é, entre os 10 e os 19 anos) e de grávidas vigiadas são indicadores que apenas têm expressão nos países europeus, EUA e Canadá, já que, nos restantes povos do Mundo a gravidez, por nós considerada precoce, é um acontecimento habitual, sendo a vigilância das mulheres grávidas de um privilégio de alguns estratos mais favorecidos da população.  Nos países desenvolvidos, a percentagem de gravidezes na adolescência e de grávidas não vigiadas aumenta em função da pobreza e da falta de informação.
  17. 17. PERCENTAGEM DE GRÁVIDAS ADOLESCENTES  Portugal é o segundo país da Europa com maior número de mães adolescentes (logo a seguir ao Reino Unido).  Em 2007 registaram-se 7000 mães adolescentes  Nos países desenvolvidos a percentagem de gravidez na adolescência aumenta coma pobreza e a falta de informação.  Existem métodos de prevenção:  Informação  Consultas de planeamento familiar  Diálogo com os pais.
  18. 18. CAUSAS DE MORTE EM PORTUGAL  1ª - Doenças cardiovasculares (40%) – 40000 mortes por ano – AVC (36%)  2ª - Cancro (20-25%)
  19. 19. FATORES DE RISCO DO CANCRO  Envelhecimento  Tabaco  Luz solar  Radiação ionizante  Determinados químicos e outras substancias  Alguns vírus e bactérias  Determinadas hormonas  Álcool  Dieta pobre  Falta de actividade física  Excesso de peso
  20. 20. FATORES QUE INFLUENCIAM A SAÚDE INDIVIDUAL E COMUNITÁRIA  Assistência médica  Vacinação  Rastreios  Combate ao stress  Ordenamento do território  etc.
  21. 21. VACINAÇÃO  Vacinas – são substâncias preparadas a partir de microrganismos patogénicos (tornados inofensivos em laboratório) que desencadeiam imunidade quando introduzidas no organismo.  Imunidade – é o conjunto de processos que permitem ao organismo reconhecer certos agentes, estranhos ou arnomais, neutralizá-los e destruí-los.
  22. 22. PROGRAMA NACIONAL DE VACINAÇÃO (PNV)  Implementado desde 1965;  Principal medida de prevenção do Plano Nacional de Saúde;  É universal e gratuito  Tem como principal objetivo obter a melhor proteção na idade mais adequada e o mais precocemente possíveis.
  23. 23. O PNV ABRANGE 12 DOENÇAS:  Tuberculose  Tosse convulsa  Diftenia  Tétano  Sarampo  Paratidite (papeira)  Rubéde  Hepatite B  Menigite C  Haemophilas influnzae B (bactéria)  Papiloma humano (cancro do colo do útero)  Poliomiclita (paralisia infantil)
  24. 24. RASTREIOS  São estudos de saúde normalmente gratuitos, de carácter voluntários, promovidos por instituições de saúde, que incidem sobre determinado grupo de uma população e têm como objetivo a prevenção ou o diagnóstico precoce de doenças.
  25. 25. STRESSE  Fatores de risco:  Execução repetitiva de tarefa/excesso de trabalho  Falta de horas de sono e repouso  Faltas de exercício físico  Falta de férias  Ver televisão ou jogar computador ou consolas por longos tempos  Alimentação desequilibrada
  26. 26. ORDENAMENTO DO TERRITÓRIO  Os fatores a considerar são inúmeros:  Distribuição de água potável  Saneamento básico  Recolha de lixo  Indústrias  Habitação  Vias de acesso  Zonas de lazer  outros

×