Trabalho administração RP 2015

219 visualizações

Publicada em

Trabalho atendendo às exigências da disciplina Introdução à Administração do curso de Relações Públicas. Turma 2015,1

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
219
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho administração RP 2015

  1. 1. ESPECIALIDADES DA ADMINISTRAÇÃO Trabalho baseado no capítulo do livro Relações Públicas e Marketing - Convergências Entre Comunicação e Administração Machado Neto, Manoel Marcondes
  2. 2. O QUE É ADMINISTRAÇÃO? Administração é a ciência social que estuda e sistematiza as práticas usadas para administrar, Ou seja, é o ato de administrar ou gerenciar negócios, pessoas ou recursos, com o objetivo de alcançar metas definidas.¹ Do ponto de vista acadêmico, a administração divide-se em cinco grandes áreas: gestão, contabilidade e finanças, recursos humanos, sistemas de informações gerenciais e marketing. 1.Universidade de São Paulo. O que é Administração. GESTÃO GERAL
  3. 3. Recursos (inputs) • Humanos • Financeiros • Físicos • Tecnológicos • Informativos Gestão • Processo administrativo: • Planejar • Organizar • Dirigir • Controlar Objetivos (outputs) • Produtos • Serviços É um processo que consiste na coordenação do trabalho dos membros da organização e na alocação dos recursos organizacionais para alcançar os objetivos estabelecidos de uma forma eficaz e eficiente. Gestão Geral GESTÃO GERAL
  4. 4. Eficácia: Determina o quanto uma organização realiza seus objetivos. Quanto mais alto o grau de realização dos objetivos, mais a organização é eficaz. Eficiência: Determina o quanto uma organização usa corretamente seus recursos. Significa a realização de atividades ou tarefas com o mínimo de esforço e com máximo aproveitamento de recursos. disponíveis Gestão Geral GESTÃO GERAL
  5. 5. A tarefa da administração é a de interpretar os objetivos propostos pela organização e transforma-los em ação organizacional por meio de planejamento, organização, direção e controle de todos os esforços realizados em todas as áreas e em todos os níveis da organização. Processo Administrativo GESTÃO GERAL
  6. 6. Processo Administrativo GESTÃO GERAL Planejamento • Definir a missão • Formular objetivos • Definir os planos para alcançar os objetivos • Programar as atividades Organização • Dividir o trabalho • Designar as atividades • Agrupar as atividades em departamento s e cargos • Alocar recursos • Definir autoridade e responsabilida de Direção • Designar as pessoas • Coordenar os esforços • Comunicar • Motivar • Liderar • Orientar Controle • Definir os padrões • Monitorar o desempenho • Avaliar o desempenho • Ação corretiva
  7. 7. As organizações são normalmente divididas em áreas funcionais as quais representam atividades ou tarefas especializadas que são desempenhadas por departamentos ou unidades da organização. A coordenação e a integração de cada uma dessas áreas funcionais são algumas das principais responsabilidades da administração geral. Áreas Funcionais GESTÃO GERAL
  8. 8. Áreas Funcionais Gestão Geral Recursos Humanos A função de Recursos Humanos, ou de gestão de pessoas, tem como objetivos atrair e manter as pessoas na organização Sistemas de Informações Gerenciais São sistemas ou processos que fornecem as informações necessárias que apoiam muitas necessidades de tomada de decisão. Marketing O objetivo Básico da função de marketing é estabelecer e manter a ligação entre a organização e seus clientes, consumidore s, usuários ou público- alvo Produção e operações O objetivo básico da função de produção é fornecer os produtos ou serviços da organização Contabilidade e Finanças O objetivo básico da função de Finanças é a proteção e a utilização eficaz dos recursos financeiros GESTÃO GERAL
  9. 9. É uma ciência social que tem como objeto de estudo o PATRIMÔNIO. A contabilidade estuda, interpreta, registra e controla os fenômenos que afetam o patrimônio (Conjunto de bens, direitos e obrigações). Não se sabe quem criou a contabilidade mas a sua história se confunde com a história da humanidade. Os estudos dos primeiros registros nos mostram que conforme o homem enriquecia, surgia a necessidade do estabelecimento de técnicas de controle e preservação do seu patrimônio desde a fase empírica (Rebanhos, alimentos, instrumentos de caça, etc.) até a sua fase moderna. O QUE É CONTABILIDADE? CONTABILIDADE E FINANÇAS
  10. 10. Lei nº 4.320/64 Art. 83. A contabilidade evidenciará perante a Fazenda Pública a situação de todos quantos, de qualquer modo, arrecadem receitas, efetuem despesas, administrem ou guardem bens a ela pertencentes ou confiados. (Salvo o que diz o art. 84, ex: TC) CONTABILIDADE E FINANÇAS
  11. 11. LEI 6.404, DE 15 DE DEZEMBRO DE 1976 Art. 1º A companhia ou sociedade ANÔNIMA terá o capital DIVIDIDO em AÇÕES, e a responsabilidade dos sócios ou acionistas será LIMITADA ao preço de emissão das ações subscritas ou adquiridas. Companhia Aberta e Fechada Art. 4º Para os efeitos desta Lei, a companhia é aberta ou fechada conforme os valores mobiliários de sua emissão estejam ou não admitidos à negociação no MERCADO DE VALORES MOBILIÁRIOS. (Redação dada pela Lei nº 10.303, de 2001) Novo Código Civil Art. 1.088. Na sociedade anônima ou companhia, o capital divide-se em ações, obrigando-se cada sócio ou acionista somente pelo preço de emissão das ações que subscrever ou adquirir. (LEI No 10.406, DE 10 DE JANEIRO DE 2002) Art. 1.089. A sociedade anônima rege-se por lei especial, aplicando-se-lhe, nos casos omissos, as disposições deste Código. CONTABILIDADE E FINANÇAS
  12. 12. “Art. 175. O exercício social terá duração de 1 (um) ano e a data do término será fixada no estatuto. (Lei 6.404/76) Parágrafo único. Na constituição da companhia e nos casos de alteração estatutária o exercício social poderá ter duração diversa.” Demonstração de resultado (DRE) – É uma SÍNTESE financeira dos resultados das atividades operacionais e não operacionais de uma empresa num determinado PERÍODO. LUCRO ou PREJUÍZO de um determinado período: MÊS, TRIMESTRE, SEMESTRE, ANO. As companhias abertas são obrigadas por lei a divulgar o DRE. “Art. 176. Ao fim de cada exercício social, a diretoria fará elaborar, com base na escrituração mercantil da companhia, as seguintes demonstrações financeiras, que deverão exprimir com clareza a situação do patrimônio da companhia e as mutações ocorridas no exercício: I - balanço patrimonial; II - demonstração dos lucros ou prejuízos acumulados; III - demonstração do resultado do exercício...” CONTABILIDADE E FINANÇAS A demonstração de resultados focaliza um período. O balanço patrimonial focaliza um momento. (Pág. 53)
  13. 13. CONTABILIDADE E FINANÇAS Plano de Contas: Contas Patrimoniais e de Resultado As transações feitas pelas empresas são registradas como lançamento de contas, que obedecem a um plano de contas: Patrimoniais e de Resultado. A maioria das empresas usa o sistema ou método de partidas dobradas porque este método mostra automaticamente os ativos e passivos. Para cada operação deverão existir os lançamentos a DÉBITO, tendo como contrapartida lançamentos a CRÉDITO correspondentes, no mesmo valor.
  14. 14. CONTABILIDADE E FINANÇAS Plano de Contas Patrimoniais São aquelas cujos saldos refletem fatos que perduram no tempo. Por exemplo: a situação do caixa, a situação de imóveis, equipamentos, dívidas, quotistas ou acionistas. Abrange tudo aquilo que a pessoa tem (bens e direitos) e tudo aquilo que a pessoa deve (obrigações). Do ponto de vista contábil, são considerados apenas os bens, direitos e obrigações que podem ser avaliados em moeda. Sua concepção é acumulativa ao longo dos anos. .
  15. 15. Plano de Contas de Resultados São aquelas que refletem as operações de uma organização em um determinado período (ano fiscal). Ao contrário das contas patrimoniais, as contas de resultados não acumula saldo ao longo dos anos. Ao final do ano fiscal, as contas são zeradas para que se possa medir os resultados da empresa. Quando positivo, obteve-se lucro, quando negativo obteve-se prejuízo. No começo de cada ano fiscal, as contas de resultado iniciam-se novamente do zero. CONTABILIDADE E FINANÇAS
  16. 16. Balanço Patrimonial O Balanço Patrimonial é a principal demonstração financeira existente (relatório contábil obrigatório por Lei). Ele mostra como está o Patrimônio da empresa, refletindo sua posição financeira em um determinado momento (no fim do ano fiscal ou em qualquer data predeterminada). CONTABILIDADE E FINANÇAS
  17. 17. Balanço Patrimonial Faz-se uma balança com os bens e direitos, com as obrigações e as participações dos acionistas, apresentando cada item do patrimônio. Ativo = Passivo + Patrimônio líquido. Aplicações = Origens Bens + Direitos = Obrigações. Patrimônio Líquido: DIFERENÇA entre os valores do ATIVO (bens e direitos) e do PASSIVO (OBRIGAÇÕES) CONTABILIDADE E FINANÇAS “Art. 178. No balanço, as contas serão classificadas segundo os elementos do patrimônio que registrem, e agrupadas de modo a facilitar o conhecimento e a análise da situação financeira da companhia.” (ATIVO e PASSIVO)
  18. 18. Demonstrativo de Resultados Mostra o fluxo de atividades de uma empresa em um período determinado de tempo. Também chamado de demonstrativo de lucros-e-perdas, o documento é uma síntese financeira das atividades de uma empresa, demonstrando claramente se há lucro ou prejuízo. Mede também o efeito que tal período causará à situação patrimonial da organização – fruto da acumulação anual desde a sua criação. CONTABILIDADE E FINANÇAS
  19. 19. Demonstrativo de Resultados x Balanço Patrimonial “A demonstração de resultados focaliza um período. Balanço patrimonial focaliza um momento.” CONTABILIDADE E FINANÇAS
  20. 20. Lei 11.638/07 Principais Objetivos e Mudanças Transparência ● Atualização Aperfeiçoamento ● Convergência Principais objetivos: Reduzir barreiras que impediam a inserção das companhias no processo de convergência contábil internacional e aumentar o grau de transparência nas informações. (Fonte: Livro Mudanças Contábeis na Lei Societária) CONTABILIDADE E FINANÇAS
  21. 21. Lei 11.638/07 Em 1990 o presidente da CVM criou três comissões de especialistas para revisar e propor alterações nas Leis 6.385 e 6.604 de dezembro de 1976. Principais objetivos (Proj. Lei 3.741/2000): Reduzir barreiras que impediam a inserção das companhias no processo de convergência contábil internacional e aumentar o grau de transparência nas informações. CVM criou outra comissão com especialistas convidados indicados por entidades para tratar da atualização e aperfeiçoamento das normas visando uma futura convergência com os padrões internacionais de contabilidade editados pelo IASB. (Fonte: Livro Mudanças Contábeis na Lei Societária) CONTABILIDADE E FINANÇAS
  22. 22. IFRS International Financial Reporting Standards (Normas Internacionais de Relatório Financeiro) Conjunto de pronunciamento de normas contábeis internacionais, revisado, atualizado e publicado pelo IASB*. *IASB, Internacional Accounting Standars Board (Comitê de Normas Internacionais de Contabilidade) ISAR - Grupo Intergovernamental de Trabalho de Peritos em Padrões Internacionais de Contabilidade e Divulgação de Informações”, cujas sessões são promovidas pelo ECOSOC (N.Y. / USA) e UNCTAD (Genebra, Suíça), órgãos das Nações Unidas (ONU). SEC - Securities and Exchange Commission (Comissão de Valores Mobiliários - Agência federal dos Estados Unidos) CONTABILIDADE E FINANÇAS
  23. 23. Relatório Anual (Lei 6.404/76 - Dispõe sobre as Sociedades por Ações) Art. 163. Compete ao conselho fiscal: II - Opinar sobre o relatório anual da administração, fazendo constar do seu parecer as informações complementares que julgar necessárias ou úteis à deliberação da assembleia geral; Informações no Relatório da Administração Art. 243. O relatório anual da administração deve relacionar os investimentos da companhia em sociedades coligadas e controladas e mencionar as modificações ocorridas durante o exercício. CONTABILIDADE E FINANÇAS
  24. 24. CVM Autarquia, com sede do Rio de Janeiro, vinculada ao MINISTÉRIO da FAZENDA criada em 07/12/1976 pela Lei 6.385/76; A CVM é o órgão REGULADOR dos mercados de bolsa e de balcão, especificamente voltada para o DESENVOLVIMENTO, a DISCIPLINA e a FISCALIZAÇÃO desses mercados; Objetivos Fiscalizar ● Normatizar ● Disciplinar ● Desenvolver O mercado de valores mobiliários no Brasil. CONTABILIDADE E FINANÇAS
  25. 25. CONTABILIDADE E FINANÇAS Organograma
  26. 26. Colegiado: 1 presidente, 4 diretores - Definem as políticas e estabelecem as praticas. (nomeados pelo presidente da república) O COLEGIADO tem poder pra JULGAR e PUNIR: Advertência, multa ou perda da habilitação para as atividades. Contam com o suporte direto da chefia de gabinete, assessoria de comunicação, assessoria de econômica e auditoria interna. Executivo: Superintendentes - Implantam e desenvolvem. CONTABILIDADE E FINANÇAS
  27. 27. Objetivos da CVM  Assegurar o funcionamento eficiente e regular dos mercados de bolsa e de balcão.  Proteger os titulares de valores mobiliários contra emissões irregulares e atos ilegais de administradores e acionistas controladores de companhias ou administradores de carteiras de valores mobiliários.  Evitar ou coibir modalidades de fraude ou manipulação destinadas a criar condições artificiais de demanda, oferta ou preço de valores mobiliários negociados no mercado. CONTABILIDADE E FINANÇAS
  28. 28. Objetivos da CVM  Assegurar o acesso do publico à informações sobre valores mobiliários negociados e às companhias que os tenham emitido;  Assegurar a observância de práticas comerciais qualitativas no mercado de valores mobiliários.  Estimular a formação de poupança e sua aplicação em valores mobiliários  Promover a expansão e o funcionamento eficiente e regular do mercado de ações e estimular as aplicações permanentes em ações do capital social das companhias abertas. CONTABILIDADE E FINANÇAS Obs.: São valores mobiliários sujeitos a esta lei, por exemplo, ações, debêntures, cotas de fundos de investimento em valores mobiliários ou de clubes de investimento, etc.
  29. 29. Atribuições da CVM A CVM, junto com a Lei das Sociedades por ações, disciplinam o funcionamento do mercado de valores mobiliários e a atuação de seus protagonistas, companhias abertas, intermediários financeiros e os investidores, entre outros cuja atividade tenha a ver com este universo. Algumas das ATRIBUIÇÕES da CVM:  Normatização: Todas as matérias referentes ao mercado de valores mobiliários. CONTABILIDADE E FINANÇAS
  30. 30. Atribuições da CVM  Disciplina: Registro de companhias abertas; Credenciamento de auditores independentes e administradores de carteiras de valores mobiliários; Organização, funcionamento e operações das bolsas de valores; Negociação e intermediação no mercado de valores mobiliários; Suspensão ou cancelamentos de emissão de registros, credenciamentos ou autorização; Suspensão de distribuição ou negociação de determinado valor mobiliário ou decretar recesso de bolsa de valores; CONTABILIDADE E FINANÇAS
  31. 31. A CVM não exerce julgamento em relação a qualquer informação divulgada pelas companhias, entretanto, ZELA pela sua regularidade, confiabilidade e busca padronização.  Tem poder para apurar, julgar e punir irregularidades cometidas no mercado.  Presta orientação aos investidores e recebe denuncias e sugestões.  Pode atuar em processo judicial que envolva o mercado quando for solicitada. Oferecendo provas e pareceres. "Amicus Curiae" = "Amigo da Corte“  Não é parte do processo, apenas se manifesta nos autos sobre questão de direito pertinente ao descumprimento da lei. Atua apenas como interessado na causa. CONTABILIDADE E FINANÇAS
  32. 32. Auditores independentes São profissionais de nível superior, cuja atribuição é exclusiva de bacharel em Ciências Contábeis com registro no Conselho Regional de Contabilidade - CRC de sua região e devem estar registrados na CVM. Exercem a auditoria independente que é um conjunto de procedimentos técnicos com o objetivo de emitir parecer a posição patrimonial e financeira, o resultado das operações, as mutações do patrimônio líquido e as origens e aplicações de recursos da entidade auditada, de acordo com as Normas de Contabilidade e a legislação específica no que for pertinente. CONTABILIDADE E FINANÇAS
  33. 33. Parecer Documento com o qual o auditor emite sua opinião de forma clara e objetiva sobre as demonstrações contábeis e identifica também as responsabilidades da administração, e dos auditores, verificando a sua adequação e entendimento destacando fatos relevantes CONTABILIDADE E FINANÇAS
  34. 34. Débito e Crédito Em contabilidade, débito está relacionado com contas do Ativo que representa bens e direitos (aplicações, equipamentos,imóveis, automóveis, valores a receber, estoque). Crédito está relacionado com contas do Passivo que representa suas obrigações com terceiros (empréstimos, financiamentos, contas a pagar, impostos, fornecedores, salários a pagar). CONTABILIDADE E FINANÇAS
  35. 35. Débito e Crédito Em cada lançamento, o valor total lançado nas contas a débito deve ser sempre igual ao total do valor lançado nas contas a crédito. Ou seja, não há devedor sem credor correspondente. A todo débito corresponde um crédito de igual valor e vice-versa. Se aumentar de um lado, deve consequentemente aumentar do outro lado também.Como é mais comum uma transação conter somente duas entradas, sendo uma entrada de crédito em uma conta e uma entrada de débito em outra conta, daí a origem do nome "dobrado". CONTABILIDADE E FINANÇAS
  36. 36. Débito e Crédito É errado associar o débito e o crédito da contabilidade, com “subtração” e “adição” do financeiro. O correto é associá-los aos termos Destino e Origem, respectivamente. Debitar significa anotar na coluna do Débito de uma conta, para aumentar o seu valor (se a conta representa um Bem ou um Direito), ou para diminuir seu valor (se a conta representa uma obrigação). Creditar significa registrar uma importância na coluna de Crédito de uma conta, para aumentar seu valor (se a conta representa uma obrigação), ou para diminuir seu valor (se a conta representa um Bem ou Direito). CONTABILIDADE E FINANÇAS
  37. 37. Débito e Crédito Exemplo: Uma empresa comprou um terreno do valor de $60.000,00. Para pagar à vista, foi usado o dinheiro disponível no caixa da empresa. Lançamos o registro destas duas contas da seguinte forma: Débito - Imóveis (O terreno teve destino na conta em questão, já que faz parte dos imóveis da empresa.) Crédito - Caixa (O lançamento teve origem na conta Caixa, já que foi pago à vista com o dinheiro da empresa.) Se uma conta recebe algo ou assume o compromisso de entregar algo, é debitada. Se uma conta entrega algo ou adquire o direito de receber algo, é creditada. CONTABILIDADE E FINANÇAS
  38. 38. A Contabilidade é a linguagem financeira das organizações A contabilidade é indispensável para a gestão porque registra, mensura e informa e transmite a história financeira, fundamental para a tomada de decisões. CONTABILIDADE E FINANÇAS
  39. 39. As Bases das Informações Financeiras Os registros de todas as atividades e transações de uma empresa geram trocas que são registradas e contabilizadas. O profissional de contabilidade faz a depuração desses fatos que refletem a história financeira e situação financeira da empresa que se baseiam nas informações registradas cronologicamente e levando em consideração as suas variações. CONTABILIDADE E FINANÇAS
  40. 40. Como se dá a Contabilização? A contabilização se dá através dos registros em livros e sistemas contábeis alimentados por informações diárias e arquivados. Livro Diário – O livro diário é obrigatório por lei, Cronológico e Fundamental para o processo contábil. Nele são lançadas as operações DIÁRIAS de uma empresa e são registrados os fatos contábeis em partidas dobradas, ou seja, lançamentos contábeis onde a cada débito há um correspondente crédito do mesmo valor. CONTABILIDADE E FINANÇAS
  41. 41. Como se dá a Contabilização? É necessário na escritura manual: Entre outras formalidades, tais como idioma nacional e moeda corrente, as datas das operações (transação), os títulos da conta débito e da conta crédito, bem como seus valores e históricos (dados fundamentais sobre a operação em registro. Exemplo: Número da nota fiscal). CONTABILIDADE E FINANÇAS
  42. 42. A contabilidade deve refletir as operações da organização ? Todas as operações e transações (administrativas e operacionais) da empresa devem ser devidamente refletidas e registradas na sua contabilidade. Incorporando ao patrimônio os lucros ou perdas que eu tenho naquele período (ano). Tanto no que se refere aos bens tangíveis quanto aos intangíveis (imaterial). Balanço Financeiro e Balanço social. O resultado é apurado anualmente. Ao final de cada ano, esse resultado é incorporado ao patrimônio líquido da empresa e constam no BALANÇO. O balanço é o retrato de todos os anos de resultados acumulados e que são incorporados ao patrimônio da empresa CONTABILIDADE E FINANÇAS
  43. 43. Recursos Humanos  Departamento de Pessoal O Departamento de Pessoal é um setor dentro de uma organização responsável por cuidar, organizar e administrar toda rotina relacionada à relação de emprego existente entre empregado e empregador como: sua contratação, pagamento de salários, transporte, férias, licença médica, 13º salário, organização dos horários e outros.  Recursos Humanos É uma associação de habilidades e métodos, políticas, técnicas e práticas definidas com objetivo de administrar os comportamentos internos e potencializar o capital humano. Tem por finalidade selecionar, gerir e nortear os colaboradores na direção dos objetivos e metas da empresa. RECURSOS HUMANOS
  44. 44. DP versus RH RECURSOS HUMANOS  Recrutamento e Seleção  Política e Gestão de RH  Treinamento e desenvolvimento  Avaliação e melhorias  Admissão  Compensação  Desligamento
  45. 45. Sistemas de Informações Gerenciais  Anos 70 e 80: Boom da Informática  Anos 90: Sistemas Redes SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS
  46. 46. Sistemas de Informações Gerenciais: O que são? Sistemas de informação é uma série de elementos ou componentes inter-relacionados que coletam (entrada), manipulam e armazenam (processo), disseminam (saída) os dados e informações e fornecem um mecanismo de feedback. SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS
  47. 47.  Tecnologias de apoio EDI, Telecomunicações e Satélites, Leitores óticos...  Subsistemas e Formatos ERP, CRM... SISTEMAS DE INFORMAÇÕES GERENCIAIS
  48. 48. Marketing é uma função organizacional e um conjunto de processos que envolvem a criação, a comunicação e a entrega de valor para os clientes, bem como a administração do relacionamento com eles, de modo que beneficie a organização e seu público interessado.” American Marketing Association (AMA) “Pode-se considerar que sempre haverá a necessidade de vender. Mas o objetivo do marketing é tornar supérfluo o esforço de venda. O objetivo do marketing é conhecer e entender tão bem o cliente que o produto ou serviço seja adequado a ele e se venda sozinho. Idealmente, o marketing deveria resultar em um cliente disposto a comprar. A única coisa necessária então seria tornar o produto ou serviço disponível. Peter Drucker In: Kotler – Administração de Marketing 12ª Edição – pg. 12 MARKETING O que é Marketing?
  49. 49. Porque compramos? A forma de se fazer marketing muda de acordo com a transação: vender para consumidores (B2C) é diferente de vender para empresas (B2B). Material de limpeza industrial é diferente de material de limpeza doméstico. O perfil do consumo muda conforme o tipo de transação. O fator emocional da marca sempre estará presente, mas a razão que leva à compra é diferente. MARKETING Razão x Emoção
  50. 50. MARKETING Tipos de Transação B2B • produtos ou serviços vendidos de empresas para empresas, para a fabricação de outros produtos ou o desenvolvimento de serviços (papel para imprimir jornal, borracha para fabricar pneus, sabão para lavar carros, farinha para fazer pão, aço para construir) B2C • produtos ou serviços vendidos para consumidores finais: tênis, celulares, material de limpeza, alimentos, eletrodomésticos
  51. 51. MARKETING Mix de Marketing Mix de marketing (ou composto de marketing) é o conjunto de ferramentas de marketing que a empresa utiliza para perseguir seus objetivos de marketing no mercado-alvo. McCarthy classificou essas ferramentas em quatro grupos amplos que denominou os 4Ps do marketing, a saber:
  52. 52. MARKETING Mix de Marketing Produto variedade de produtos qualidade design características embalagem serviços Praça canais cobertura variedades locais estoque transporte Preço preço de lista descontos concessões prazo de pagamento condições de financiamento Promoção promoção de vendas publicidade força de vendas relações públicas marketing direto
  53. 53. GRUPO Ana Braga Carolina Rodrigues Marina Reis Patrick Correa

×