SlideShare uma empresa Scribd logo
08 Design na América Design...Pós-Guerra,  1930 - 1950
Walter Gropius ...postulando  “ Arte e técnica – uma nova unidade”  provocava uma mudança nos conceitos da industria moderna e colocava as bases da mudança na prática profissional do tradicional artesão ao designer tal como o entendemos hoje. Design pós-guerra...estórias da história e do design A  Bauhaus  deixou repercussões conceituais significativas. Gropius ...em 1926 ... ” ... um objeto vem determinado por sua essência  . Para projetá-lo e que funcione corretamente, um recipiente, uma cadeira...”  a informação, o cartaz, a revista...  ” ...se deve investigar em primeiro lugar esta essência, para que posteriormente cumpra sua finalidade...satisfaça na prática suas funções e seja bonito, duradouro e barato”
Design pós-guerra...estórias da história e do design A combinação do trabalho e da experimentação, ...dos conhecimentos teóricos, permitiu sedimentar na  Bauhaus  os fundamentos do  Design , válidos até hoje em muitos campos.  Destaca-se a orientação claramente social na atividade projetual ...distinto dos  “caprichos de uma elite social no centro dos interesses artísticos”  ,  ...comum aos movimentos modernos, fossem de  Reforma  ou de  Vanguarda.   (ver BÜRDEK,2002)
Design pós-guerra...estórias da história e do design A extinção da  Bauhaus   (1933, Berlin) ...leva um contingente de personagens e conhecimentos daquela escola para o  Estados Unidos da América . 1933 –  Joseph Albers  foi convidado para o  Black Mountain College  na  Carolina do Norte , lecionando até 1949; 1937 – é fundada a  New Bauhaus de Chicago , com   Moholy-Nagy   (diretor) 1937 – na  Harvard Graduate School of Design ,  Gropius  torna-se diretor do departamento de arquitetura, ao lado do companheiro  Marcel Breuer  que leciona ali até 1946;
Design pós-guerra...estórias da história e do design 1938 – no  Armour Institute of Tchnology-  Chicago ,  Mies van der Rohe  assume a direção do departamento de arquitetura.  Em 1940 estaria se fundindo e convetendo-se no  Illinois Institute  of Tchnology . 1939 –  Nagy , em Chicago, cria a  School of Design  uma escola livre  (em 1944  Institute of Design , como escola superior) ; 1949 – o  Illinois Institute  of Tchnology  incorpora o  Institute of Design  sob a direção de  Serge Chermayeff , criando departamentos de Design Visual, Design de Produto, Arquitetura e Fotografia...uma estrutura adotada posteriormente por um grande número de organizações de ensino de Design. http://www.id.iit.edu/
Berlin .... O  Portão de Brandemburgo  resistiu ao rastro de destruição da guerra Soldado, após a guerra, protege a fronteira. Mais ao fundo, a estrutura ainda rudimentar do  Muro de Berlim .  Aviso indica:  "Cuidado, você está deixando Berlim Ocidental" ...depois de restaurado, volta a dar brilho a  Pariser Platz . A agonia dos momentos de guerra na Europa Design pós-guerra...estórias da história e do design
A avenida  Unter den Linden  fotografada do alto do  Portão de Brandemburgo  em maio de 1950.  Os suntuosos edifícios foram praticamente destruídos.  À esquerda, detalhe de um dos cavalos da escultura que adorna o portão Unter den Linden  em 15 de abril de 1997, um dia antes de seu 350º aniversário.  A avenida liga o  Portão de Brandemburgo  ao  Palácio da República  (ao fundo). Mais além, a torre de televisão da praça  Alexanderplatz , a cúpula da  Catedral de Berlim  e a torre da prefeitura Design pós-guerra...estórias da história e do design
Design pós-guerra...estórias da história e do design A avenida  Frankfurter Allee , destruída após bombardeio em abril de 1945 Os prédios da avenida Frankurter Allee, de forte influência da arquitetura soviética, foram construídos nas décadas de 50 e 60, quando a avenida ainda se chamava  Stalinallee , em homenagem ao ditador soviético  A agonia dos momentos de guerra na Europa
Design pós-guerra...estórias da história e do design Churchill ,  Roosevelt  e  Stalin  decidiram as fronteiras pós-guerra. Realizada na Criméia entre 4 e 11 de fevereiro de 1945,  ...a  Conferência de Ialta  foi o primeiro encontro dos líderes aliados   A  Polônia  foi o tema mais controvertido da conferência na  Criméia , em fevereiro de 1945, com  Varsóvia  totalmente destruída.   A agonia dos momentos de guerra na Europa
Os  europeus  que chegavam...admiravam o dinamismo da atividade comercial americana. E...os  norte americanos , buscavam uma cultura moderna e a sofisticação do velho continente. O grafismo americano, de revistas e anúncios, outdoors se assemelhavam, dadas as interdependências econômicas ...o mesmo tipo de ilustração. A reprodução e layout das peças gráficas está sob o comando do  “Diretor de Arte” ...um cargo que veio naquele contexto, antes do profissional  “Designer Gráfico”. 1920  – já teria sido criado o   Clube de Diretores de Arte de Nova York ,  alavancando o reconhecimento dos   designers   que demonstram outras faces no exercício profissional, ainda nem tanto ligado ao aspecto comercial e de vendas; a criação de logos, a montagem de exposições... Design pós-guerra...estórias da história e do design
As revistas de grande circulação absorvem, integram e divulgam o trabalho dos estrangeiros. O editor da  VOGUE   traz da Alemanha o russo  Agha,  e que atuará também em  HOUSE & GARDEN  e  VANITY FAIR Design pós-guerra...estórias da história e do design Para  M.F.Agha ,  “..o diretor de arte planeja, coordena e ensaia, mas não atua; pelo menos não em público.”   As atuações eram deixadas para outros  designers  ou fotógrafos como  H.Matter  ou ilustradores como  Norman Rockwell  que teve seu trabalho difundido no  Saturday Evening Post
As revistas concorrentes como a  BAZAAR  também tratavam de contratar seus  Diretores de Arte  europeus,  designers  e fotógrafos.   Alex Brodovitch , outro russo chegado de Paris, em 1930, para lecionar na  Filadélfia, assume a direção da  Harper`s Bazaar   em 1934, trabalhando com alguns fotógrafos europeus contratados por  Agha ;  Bill Brandt, Cartier-Bresson  entre outros e o  designer  e professor da  Bauhaus   Herbert Beyer Design pós-guerra...estórias da história e do design
Tanto  Agha  como  Brodovitch  vão influenciar de maneira significativa o  design gráfico americano , mas... “  A direção de arte foi  uma contribuição especificamente americana ao design gráfico”  ( HOLLIS, 2001) Design pós-guerra...estórias da história e do design Chermayeff e Thomas Geismar Brodovitch L.Sutnar H.Matter
Exemplos de  Brodovitch  e George Nelson Design pós-guerra...estórias da história e do design
O design americano contou ainda com outros designers e arquitetos como, Marcel  Breuer , L.  Feininger , R.  Loewy , A. M.  Cassandre , Will  Burtin  e Gyorgy  Kepes , entre outros os quais, ao lado de nativos como L.  Beall , A.  Lustig   e Paul  Rand , construiram um fazer gráfico, o design – de forma mais ampla, naquele país com características próprias. Design pós-guerra...estórias da história e do design http://www.aiga.org/content.cfm?ContentAlias= ladislavsutnar   http://www.aiga.org/content.cfm?contentalias= herbertmatter   http://www.aiga.org/content.cfm?ContentAlias= alexeybrodovitch   http://www.aiga.org/content.cfm?ContentAlias= ivanchermayeff andtomgeismar   http://www.aiga.org/content.cfm?ContentAlias= georgenelson

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

História do Design - Conceitos - Hd01
  História do Design - Conceitos - Hd01  História do Design - Conceitos - Hd01
História do Design - Conceitos - Hd01
Valdir Soares
 
Linha do tempo história do design
Linha do tempo   história do designLinha do tempo   história do design
Linha do tempo história do design
Luciana Lopes
 
História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00
Valdir Soares
 
Deutscher Werkbund
Deutscher WerkbundDeutscher Werkbund
Deutscher Werkbund
Hely Costa Júnior
 
História do Design Impresso
História do Design ImpressoHistória do Design Impresso
História do Design Impresso
Érica Rigo
 
Secessao Vienense
Secessao VienenseSecessao Vienense
Secessao Vienense
Hely Costa Júnior
 
Art Decó
Art DecóArt Decó
História do Design (2016)
História do Design (2016)História do Design (2016)
História do Design (2016)
Marcio Duarte
 
De Stijl
De StijlDe Stijl
Art DéCo
Art DéCoArt DéCo
Art DéCo
De Graffi
 
Art Nouveau
Art NouveauArt Nouveau
Art Nouveau
Hely Costa Júnior
 
Primórdios da teoria do Design
Primórdios da teoria do DesignPrimórdios da teoria do Design
Primórdios da teoria do Design
Nanda Roberto
 
Arts and Crafts
Arts and CraftsArts and Crafts
Arts and Crafts
Hely Costa Júnior
 
A bauhaus
A bauhausA bauhaus
A bauhaus
joaoluzia
 
Construtivismo Russo
Construtivismo RussoConstrutivismo Russo
Construtivismo Russo
Hely Costa Júnior
 
História do Design - Pós Guerra.HfG-Ulm - Hd09
História do Design - Pós Guerra.HfG-Ulm - Hd09História do Design - Pós Guerra.HfG-Ulm - Hd09
História do Design - Pós Guerra.HfG-Ulm - Hd09
Valdir Soares
 
Hd 2016.1 aula.14 - art deco e streamline
Hd 2016.1 aula.14 - art deco e streamlineHd 2016.1 aula.14 - art deco e streamline
Hd 2016.1 aula.14 - art deco e streamline
Ticianne Darin
 
História do Design Gráfico
História do Design GráficoHistória do Design Gráfico
História do Design Gráfico
Hely Costa Júnior
 
História do Design
História do DesignHistória do Design
História do Design
Luciana Lopes
 
OP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ARTOP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ART
Cristiane Seibt
 

Mais procurados (20)

História do Design - Conceitos - Hd01
  História do Design - Conceitos - Hd01  História do Design - Conceitos - Hd01
História do Design - Conceitos - Hd01
 
Linha do tempo história do design
Linha do tempo   história do designLinha do tempo   história do design
Linha do tempo história do design
 
História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00História do Design - Apresentação - Hd00
História do Design - Apresentação - Hd00
 
Deutscher Werkbund
Deutscher WerkbundDeutscher Werkbund
Deutscher Werkbund
 
História do Design Impresso
História do Design ImpressoHistória do Design Impresso
História do Design Impresso
 
Secessao Vienense
Secessao VienenseSecessao Vienense
Secessao Vienense
 
Art Decó
Art DecóArt Decó
Art Decó
 
História do Design (2016)
História do Design (2016)História do Design (2016)
História do Design (2016)
 
De Stijl
De StijlDe Stijl
De Stijl
 
Art DéCo
Art DéCoArt DéCo
Art DéCo
 
Art Nouveau
Art NouveauArt Nouveau
Art Nouveau
 
Primórdios da teoria do Design
Primórdios da teoria do DesignPrimórdios da teoria do Design
Primórdios da teoria do Design
 
Arts and Crafts
Arts and CraftsArts and Crafts
Arts and Crafts
 
A bauhaus
A bauhausA bauhaus
A bauhaus
 
Construtivismo Russo
Construtivismo RussoConstrutivismo Russo
Construtivismo Russo
 
História do Design - Pós Guerra.HfG-Ulm - Hd09
História do Design - Pós Guerra.HfG-Ulm - Hd09História do Design - Pós Guerra.HfG-Ulm - Hd09
História do Design - Pós Guerra.HfG-Ulm - Hd09
 
Hd 2016.1 aula.14 - art deco e streamline
Hd 2016.1 aula.14 - art deco e streamlineHd 2016.1 aula.14 - art deco e streamline
Hd 2016.1 aula.14 - art deco e streamline
 
História do Design Gráfico
História do Design GráficoHistória do Design Gráfico
História do Design Gráfico
 
História do Design
História do DesignHistória do Design
História do Design
 
OP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ARTOP - ART e POP - ART
OP - ART e POP - ART
 

Semelhante a História do Design - Pós Guerra - Hd08

A10_HTECDES
A10_HTECDESA10_HTECDES
A10_HTECDES
Camila
 
(Breve) Introdução ao Design
(Breve) Introdução ao Design(Breve) Introdução ao Design
(Breve) Introdução ao Design
Marcio Duarte
 
Design
DesignDesign
Design
brshrs
 
A9_HTECDES
A9_HTECDESA9_HTECDES
A9_HTECDES
Camila
 
A9 para envio
A9 para envioA9 para envio
A9 para envio
guestf7402f6
 
07:. Reconstrução de Berlim
07:. Reconstrução de Berlim07:. Reconstrução de Berlim
07:. Reconstrução de Berlim
ARQ210AN
 
06 arte e função
06 arte  e função06 arte  e função
06 arte e função
Vítor Santos
 
O estilo internacional silvio colin
O estilo internacional silvio colinO estilo internacional silvio colin
O estilo internacional silvio colin
Mayara Virgulino de Oliveira
 
Catalogo werkbund 100 anos de design na alemanha
Catalogo werkbund 100 anos de design na alemanhaCatalogo werkbund 100 anos de design na alemanha
Catalogo werkbund 100 anos de design na alemanha
Roberson Alex
 
Arquitectura do Séc.XX
Arquitectura do Séc.XXArquitectura do Séc.XX
Arquitectura do Séc.XX
Michele Pó
 
Estilo internacional 2013
Estilo internacional 2013Estilo internacional 2013
Estilo internacional 2013
Mayara Virgulino de Oliveira
 
História do Design - Design no Brasil - Hd10
História do Design - Design no Brasil - Hd10História do Design - Design no Brasil - Hd10
História do Design - Design no Brasil - Hd10
Valdir Soares
 
Os primórdios do Design - João Victor P. Thomaz
Os primórdios do Design - João Victor P. Thomaz Os primórdios do Design - João Victor P. Thomaz
Os primórdios do Design - João Victor P. Thomaz
jvthomaz
 
Estilo internacional
Estilo internacionalEstilo internacional
Estilo internacional
Esc Sec Caneças
 
Oscar
OscarOscar
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
Joaquim Moreira
 
LAYOUT MAGAZINE
LAYOUT MAGAZINELAYOUT MAGAZINE
LAYOUT MAGAZINE
bethuotero
 
Bauhaus
BauhausBauhaus
Bauhaus
guest132e0e
 
Mies van der Rohe
Mies van der RoheMies van der Rohe
Mies van der Rohe
Vanessa Soares
 
Bauhaus
BauhausBauhaus
Bauhaus
guest87df5c5
 

Semelhante a História do Design - Pós Guerra - Hd08 (20)

A10_HTECDES
A10_HTECDESA10_HTECDES
A10_HTECDES
 
(Breve) Introdução ao Design
(Breve) Introdução ao Design(Breve) Introdução ao Design
(Breve) Introdução ao Design
 
Design
DesignDesign
Design
 
A9_HTECDES
A9_HTECDESA9_HTECDES
A9_HTECDES
 
A9 para envio
A9 para envioA9 para envio
A9 para envio
 
07:. Reconstrução de Berlim
07:. Reconstrução de Berlim07:. Reconstrução de Berlim
07:. Reconstrução de Berlim
 
06 arte e função
06 arte  e função06 arte  e função
06 arte e função
 
O estilo internacional silvio colin
O estilo internacional silvio colinO estilo internacional silvio colin
O estilo internacional silvio colin
 
Catalogo werkbund 100 anos de design na alemanha
Catalogo werkbund 100 anos de design na alemanhaCatalogo werkbund 100 anos de design na alemanha
Catalogo werkbund 100 anos de design na alemanha
 
Arquitectura do Séc.XX
Arquitectura do Séc.XXArquitectura do Séc.XX
Arquitectura do Séc.XX
 
Estilo internacional 2013
Estilo internacional 2013Estilo internacional 2013
Estilo internacional 2013
 
História do Design - Design no Brasil - Hd10
História do Design - Design no Brasil - Hd10História do Design - Design no Brasil - Hd10
História do Design - Design no Brasil - Hd10
 
Os primórdios do Design - João Victor P. Thomaz
Os primórdios do Design - João Victor P. Thomaz Os primórdios do Design - João Victor P. Thomaz
Os primórdios do Design - João Victor P. Thomaz
 
Estilo internacional
Estilo internacionalEstilo internacional
Estilo internacional
 
Oscar
OscarOscar
Oscar
 
Surrealismo
SurrealismoSurrealismo
Surrealismo
 
LAYOUT MAGAZINE
LAYOUT MAGAZINELAYOUT MAGAZINE
LAYOUT MAGAZINE
 
Bauhaus
BauhausBauhaus
Bauhaus
 
Mies van der Rohe
Mies van der RoheMies van der Rohe
Mies van der Rohe
 
Bauhaus
BauhausBauhaus
Bauhaus
 

Último

Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Centro Jacques Delors
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
pattyhsilva271204
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
shirleisousa9166
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Luzia Gabriele
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
felipescherner
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
marcos oliveira
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Mary Alvarenga
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Mary Alvarenga
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
beathrizalves131
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
marcos oliveira
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
arodatos81
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
Sandra Pratas
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
Ligia Galvão
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Luzia Gabriele
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Falcão Brasil
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
SupervisoEMAC
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
LuizHenriquedeAlmeid6
 

Último (20)

RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _RECORDANDO BONS MOMENTOS!               _
RECORDANDO BONS MOMENTOS! _
 
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UEInfografia | Presidência húngara do Conselho da UE
Infografia | Presidência húngara do Conselho da UE
 
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdfApostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
Apostila em LIBRAS - Curso Básico ENAP 2019.pdf
 
escrita criativa utilizada na arteterapia
escrita criativa   utilizada na arteterapiaescrita criativa   utilizada na arteterapia
escrita criativa utilizada na arteterapia
 
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsxOceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
Oceano, Fonte de Vida e Beleza Maria Inês Aroeira Braga.ppsx
 
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docxreconquista sobre a guerra de ibérica.docx
reconquista sobre a guerra de ibérica.docx
 
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdfPainel  para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
Painel para comemerorar odia dos avós grátis.pdf
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.Texto e atividade -  O que fazemos com a água que usamos.
Texto e atividade - O que fazemos com a água que usamos.
 
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.Caça-palavras e cruzadinha -  Encontros consonantais.
Caça-palavras e cruzadinha - Encontros consonantais.
 
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdfOficina de bases de dados - Dimensions.pdf
Oficina de bases de dados - Dimensions.pdf
 
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
Folha de Atividades (Virei Super-Herói! Projeto de Edição de Fotos) com Grade...
 
Alfabetização de adultos.pdf
Alfabetização de             adultos.pdfAlfabetização de             adultos.pdf
Alfabetização de adultos.pdf
 
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2016 CENSIPAM.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_O MONSTRO DAS CORES_ANGELINA & MÓNICA_22_23
 
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptxIV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
IV Jornada Nacional Tableau - Apresentações.pptx
 
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsxNoite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
Noite Alva! José Ernesto Ferraresso.ppsx
 
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdfRelatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
Relatório de Atividades 2019 CENSIPAM.pdf
 
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdfCaderno 1 -  Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
Caderno 1 - Módulo Água JMS 2024 (1).pdf
 
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
Slides Lição 2, Betel, A Igreja e a relevância, para a adoração verdadeira no...
 

História do Design - Pós Guerra - Hd08

  • 1. 08 Design na América Design...Pós-Guerra, 1930 - 1950
  • 2. Walter Gropius ...postulando “ Arte e técnica – uma nova unidade” provocava uma mudança nos conceitos da industria moderna e colocava as bases da mudança na prática profissional do tradicional artesão ao designer tal como o entendemos hoje. Design pós-guerra...estórias da história e do design A Bauhaus deixou repercussões conceituais significativas. Gropius ...em 1926 ... ” ... um objeto vem determinado por sua essência . Para projetá-lo e que funcione corretamente, um recipiente, uma cadeira...” a informação, o cartaz, a revista... ” ...se deve investigar em primeiro lugar esta essência, para que posteriormente cumpra sua finalidade...satisfaça na prática suas funções e seja bonito, duradouro e barato”
  • 3. Design pós-guerra...estórias da história e do design A combinação do trabalho e da experimentação, ...dos conhecimentos teóricos, permitiu sedimentar na Bauhaus os fundamentos do Design , válidos até hoje em muitos campos. Destaca-se a orientação claramente social na atividade projetual ...distinto dos “caprichos de uma elite social no centro dos interesses artísticos” , ...comum aos movimentos modernos, fossem de Reforma ou de Vanguarda. (ver BÜRDEK,2002)
  • 4. Design pós-guerra...estórias da história e do design A extinção da Bauhaus (1933, Berlin) ...leva um contingente de personagens e conhecimentos daquela escola para o Estados Unidos da América . 1933 – Joseph Albers foi convidado para o Black Mountain College na Carolina do Norte , lecionando até 1949; 1937 – é fundada a New Bauhaus de Chicago , com Moholy-Nagy (diretor) 1937 – na Harvard Graduate School of Design , Gropius torna-se diretor do departamento de arquitetura, ao lado do companheiro Marcel Breuer que leciona ali até 1946;
  • 5. Design pós-guerra...estórias da história e do design 1938 – no Armour Institute of Tchnology- Chicago , Mies van der Rohe assume a direção do departamento de arquitetura. Em 1940 estaria se fundindo e convetendo-se no Illinois Institute of Tchnology . 1939 – Nagy , em Chicago, cria a School of Design uma escola livre (em 1944 Institute of Design , como escola superior) ; 1949 – o Illinois Institute of Tchnology incorpora o Institute of Design sob a direção de Serge Chermayeff , criando departamentos de Design Visual, Design de Produto, Arquitetura e Fotografia...uma estrutura adotada posteriormente por um grande número de organizações de ensino de Design. http://www.id.iit.edu/
  • 6. Berlin .... O Portão de Brandemburgo resistiu ao rastro de destruição da guerra Soldado, após a guerra, protege a fronteira. Mais ao fundo, a estrutura ainda rudimentar do Muro de Berlim . Aviso indica: "Cuidado, você está deixando Berlim Ocidental" ...depois de restaurado, volta a dar brilho a Pariser Platz . A agonia dos momentos de guerra na Europa Design pós-guerra...estórias da história e do design
  • 7. A avenida Unter den Linden fotografada do alto do Portão de Brandemburgo em maio de 1950. Os suntuosos edifícios foram praticamente destruídos. À esquerda, detalhe de um dos cavalos da escultura que adorna o portão Unter den Linden em 15 de abril de 1997, um dia antes de seu 350º aniversário. A avenida liga o Portão de Brandemburgo ao Palácio da República (ao fundo). Mais além, a torre de televisão da praça Alexanderplatz , a cúpula da Catedral de Berlim e a torre da prefeitura Design pós-guerra...estórias da história e do design
  • 8. Design pós-guerra...estórias da história e do design A avenida Frankfurter Allee , destruída após bombardeio em abril de 1945 Os prédios da avenida Frankurter Allee, de forte influência da arquitetura soviética, foram construídos nas décadas de 50 e 60, quando a avenida ainda se chamava Stalinallee , em homenagem ao ditador soviético A agonia dos momentos de guerra na Europa
  • 9. Design pós-guerra...estórias da história e do design Churchill , Roosevelt e Stalin decidiram as fronteiras pós-guerra. Realizada na Criméia entre 4 e 11 de fevereiro de 1945, ...a Conferência de Ialta foi o primeiro encontro dos líderes aliados A Polônia foi o tema mais controvertido da conferência na Criméia , em fevereiro de 1945, com Varsóvia totalmente destruída. A agonia dos momentos de guerra na Europa
  • 10. Os europeus que chegavam...admiravam o dinamismo da atividade comercial americana. E...os norte americanos , buscavam uma cultura moderna e a sofisticação do velho continente. O grafismo americano, de revistas e anúncios, outdoors se assemelhavam, dadas as interdependências econômicas ...o mesmo tipo de ilustração. A reprodução e layout das peças gráficas está sob o comando do “Diretor de Arte” ...um cargo que veio naquele contexto, antes do profissional “Designer Gráfico”. 1920 – já teria sido criado o Clube de Diretores de Arte de Nova York , alavancando o reconhecimento dos designers que demonstram outras faces no exercício profissional, ainda nem tanto ligado ao aspecto comercial e de vendas; a criação de logos, a montagem de exposições... Design pós-guerra...estórias da história e do design
  • 11. As revistas de grande circulação absorvem, integram e divulgam o trabalho dos estrangeiros. O editor da VOGUE traz da Alemanha o russo Agha, e que atuará também em HOUSE & GARDEN e VANITY FAIR Design pós-guerra...estórias da história e do design Para M.F.Agha , “..o diretor de arte planeja, coordena e ensaia, mas não atua; pelo menos não em público.” As atuações eram deixadas para outros designers ou fotógrafos como H.Matter ou ilustradores como Norman Rockwell que teve seu trabalho difundido no Saturday Evening Post
  • 12. As revistas concorrentes como a BAZAAR também tratavam de contratar seus Diretores de Arte europeus, designers e fotógrafos. Alex Brodovitch , outro russo chegado de Paris, em 1930, para lecionar na Filadélfia, assume a direção da Harper`s Bazaar em 1934, trabalhando com alguns fotógrafos europeus contratados por Agha ; Bill Brandt, Cartier-Bresson entre outros e o designer e professor da Bauhaus Herbert Beyer Design pós-guerra...estórias da história e do design
  • 13. Tanto Agha como Brodovitch vão influenciar de maneira significativa o design gráfico americano , mas... “ A direção de arte foi uma contribuição especificamente americana ao design gráfico” ( HOLLIS, 2001) Design pós-guerra...estórias da história e do design Chermayeff e Thomas Geismar Brodovitch L.Sutnar H.Matter
  • 14. Exemplos de Brodovitch e George Nelson Design pós-guerra...estórias da história e do design
  • 15. O design americano contou ainda com outros designers e arquitetos como, Marcel Breuer , L. Feininger , R. Loewy , A. M. Cassandre , Will Burtin e Gyorgy Kepes , entre outros os quais, ao lado de nativos como L. Beall , A. Lustig e Paul Rand , construiram um fazer gráfico, o design – de forma mais ampla, naquele país com características próprias. Design pós-guerra...estórias da história e do design http://www.aiga.org/content.cfm?ContentAlias= ladislavsutnar http://www.aiga.org/content.cfm?contentalias= herbertmatter http://www.aiga.org/content.cfm?ContentAlias= alexeybrodovitch http://www.aiga.org/content.cfm?ContentAlias= ivanchermayeff andtomgeismar http://www.aiga.org/content.cfm?ContentAlias= georgenelson

Notas do Editor

  1. ANOTAÇÕES 01A LEITURAS RECOMENDADAS: 01ª DESIGN...CONCEITOS TEXTOS DE APOIO ESPM RJ Design Gráfico HISTÓRIA DO DESIGN -  DSGS1A Prof. Valdir Soares DESIGN ...CONCEITOS O Design , ...sua prática nos últimos anos, passa a exigir que a qualificação profissional, antes com o foco no patamar estritamente operacional do projeto, desenvolva ações também no nível estratégico de uma organização. O " fazer " do Design para bens e serviços, de produtos à programação visual dos elementos constituintes da identidade visual de um empreendimento, do tratamento visual da informação dos serviços de uma empresa, produtos, impressos e imagens virtuais , segue como conteúdo do perfil profissional do Designer mas, outras exigências, vão sendo apontadas como: « ...elemento dinamizador para administradores; elemento diferenciador entre concorrentes; peça chave no incremento das vendas para o pessoal de marketing e parte fundamental do motor  do avanço tecnológico... » (PUERTO, H.B. Design e Inovação Tecnológica , Salvador, IEL-Prog. Bahia Design, 1999.) ¨O " IDEO " um dos maiores escritórios de Design , no Estados Unidos, pesquisando sobre a busca de empresas que, mesmo possuindo seus setores de Design , buscavam externamente a contratação desses serviços apontou que: « ...condensamos as respostas em quatro razões principais: ...capacidade, ...velocidade, ...especializações fora de suas atividades principais. E a quarta era inovação. » ( KELLEY, T. A Arte da Inovação , São Paulo, Futura, 2001) ¨Para definir Design , o que é  ...enfrenta-se dificuldades variadas e contraditórias. Contudo, o serviço que se espera que o Designer cumpra, na maioria das vezes, é mais objetivo exigindo competência profissional ( capacidade e a devida especialização ), tempos exíguos para apresentação e um diferencial das soluções ( velocidade e inovação ).  Daí, um dos compromisso pedagógico com a formação dos futuros profissionais transita na esfera de discutir e procurar denominadores comuns, que forneçam a devida segurança de, no futuro, marcarem sua posição no mercado de trabalho, sem levarem questões dúbias para as negociações, provavelmente preexistentes, no repertório dos clientes. « ..Design ?  É...design ! » ( STRUNCK, G., Viver de Design , Rio, 2AB,1999) ¨« ..Designer gráfico é um termo relativamente novo para designar um profissional. Usava-se artista gráfico até alguém falar que o trabalho de desenhar logotipos, cartazes, folhetos, embalagens, livros é design e que design não é arte.  Daí, designer gráfico. ...afinal quais os limites do design gráfico ? » ( OHTAKE, R. O que é ser designer gráfico hoje ?  in: Revista ADG - Revista da Assoc. dos Designers GráficosBrasil, São Paulo, n º 27, Fevereiro, 2003, p. 78-79 .  ver também:  ESCOREL, A. L. O Efeito Multiplicador do Design , São Paulo, Ed.SENAC, 2000 ).¨ « ...Num mercado globalizado, são fatores decisivos para o sucesso de uma empresa a credibilidade de sua imagem e a qualidade de seus produtos e serviços que ela oferece ...nos últimos anos os investimentos voltados para a área de design deixaram de ser uma questão de estética e se tornaram uma questão estratégica para sobrevivência das organizações....Entende-se por design a melhoria dos aspectos funcionais, ergonômicos e visuais dos produtos, de modo a atender às necessidades do consumidor, melhorando o conforto, a segurança e a satisfação dos usuários. » ( CNI - Bahiana,C., A Importância do Design para sua Empresa , Brasília -DF, 1998. Ver também: BAXTER, M. Projeto de Produto , São Paulo, Ed.E.Blucher, 1998  e  LOBACH, B. Design Industrial , São Paulo, Ed.E.Blucher, 2000, do qual, parte do texto foi aqui anexado.) ¨O Desenho industrial Design , em seus dois grandes blocos de habilitação Programação Visual Design Gráfico   e  o Projeto de Produto Design Industrial , vão encontrar posicionamentos conceituais sobre o que é Design na literatura que, hoje, vai do campo da Arte ao das Engenharias, passando pela Comunicação, Antropologia, Economia, Sociologia e Direito, cada qual emprestando suas reflexões de forma positiva, ou não,  à aqueles que estarão no  " front ", disputando seu espaço no mercado de trabalho.¨ « ...A Ciência do Designer encontra-se definida em função produtiva, tecnológica como no caso do tecnólogo.  Mas, a Tecnologia do Designer encontra-se definida em função estética, o que faz que essa ação estética seja também tecnológico-científica.  A Ciência, a Tecnologia e a Arte integradas unitária, orgânica e sinergeticamente no ato produtor do Design, permitem denominar este com o neologismo: O PROJETAR ou  ATO ´POIETICO`. Querer fazer do Design uma atividade exclusivamente tecnológica ou artística é não compreender seu sentido.   O Design é um ato distinto, próprio, integrado, científico-tecnológico-estético: Uma tecnologia-estética-opera-cional ou uma operação-estético-tecnológica ´sui generis`. »  ( apud. PUERTO, 1999   DUSSEL, E.  La Filosofia de la Producción , México, UNAM, 1984 ato poiético , do gr. Poiesis é a atividade produtiva fabricativa, que é dirigida ao trabalho da natureza, como produção dos homens livres, dos artesãos ou dos escravos; relacionada à arte, à semiótica e ao Design .). Os textos, em anexo, vão nos remeter à algumas reflexões como -  Por que? e Para que ? - estudar a História do Design bem como, o que é produzir e como organizar o conhecimento acumulado, no sentido de estimular e subsidiar a práxis do Design.  DENIS, Rafael C. UMA INTRODUÇÃO À HISTÓRIA DO DESIGN . São Paulo, E Blücher, 2000 / História e design, p. 12 a 15 / A natureza do design, p. 16 – 18 SOUZA, Pedro Luiz Pereira de. NOTAS PARA UMA HISTÓRIA DO DESIGN . Rio de Janeiro, 2AB, 1998 / Introdução, p. 09 a 12 HÜHNE, L. M.(org.) METODOLOGIA CIENTÍFICA – Cadernos de Textos e Técnicas . Rio de Janeiro, Agir, 6a. ed. 1995 / Apresentação, p. 11 e 12 / O Ato de Estudar, p. 13 – 20 / A Organização do Trabalho Acadêmico p. 21, 44 - 54, 64 e 65.