O slideshow foi denunciado.
Seu SlideShare está sendo baixado. ×
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Anúncio
Próximos SlideShares
Zoologia invertebrados
Zoologia invertebrados
Carregando em…3
×

Confira estes a seguir

1 de 27 Anúncio

Mais Conteúdo rRelacionado

Diapositivos para si (20)

Semelhante a Répteis (20)

Anúncio

Mais recentes (20)

Anúncio

Répteis

  1. 1. OS RÉPTEIS
  2. 2. OS RÉPTEIS
  3. 3. OS RÉPTEIS
  4. 4. OS RÉPTEIS
  5. 5. OS RÉPTEIS
  6. 6. OS RÉPTEIS
  7. 7. Corre! E olha o que tem nessa aula! Características Gerais Reprodução Anatomia Circulação Classificação Evolução Os Dinossauros
  8. 8. • Que características tornam os répteis bem adaptados à vida terrestre? • Quantos exemplos de répteis você conhece? BUDDY MAYS / CORBIS / LATINSTOCK CARACTERÍSTICAS GERAIS
  9. 9. A pele dos répteis Assim como os anfíbios e peixes, os répteis são ectotérmicos. Por isso, não ocorrem trocas gasosas por meio dela e os pulmões dos répteis são mais desenvolvidos que os dos anfíbios. A pele dos répteis é grossa, seca e impermeável, com uma camada de células ricas em queratina. pulmão pulmão de réptil ILUSTRAÇÕES: INGEBORG ASBACH / ARQUIVO DA EDITORA pulmão de anfíbio
  10. 10. A circulação dos répteis é semelhante à dos anfíbios: o coração possui dois átrios e um ventrículo parcialmente dividido e impulsiona sangue para os os pulmões e para o corpo. A excreção dos répteis é uma adaptação ao ambiente terrestre. Répteis usam menos água para eliminar toxinas do corpo, o que torna sua urina pastosa. Sangue com gás carbônico vai para os pulmões. Sangue com oxigênio vai do pulmão para o coração. Sangue com gás carbônico vai para o coração. Sangue com maior teor de oxigênio vai para o corpo. INGEBORG ASBACH / ARQUIVO DA EDITORA CARACTERÍSTICAS GERAIS
  11. 11. A reprodução dos répteis Dentro do ovo, o embrião fica protegido contra a desidratação. Há reservas de alimento – a gema e a clara – e o embrião fica mergulhado em uma bolsa de água, chamada de âmnio. A fecundação interna e o desenvolvimento do embrião dentro de um ovo com casca favoreceram a conquista do ambiente terrestre. âmnio casca clara gema córion INGEBORG ASBACH / ARQUIVO DA EDITORA
  12. 12. A maioria dos répteis é ovípara. Mesmo as espécies que vivem na água vão para a terra e aí botam seus ovos. Entre as serpentes e os lagartos há espécies ovovivíparas e vivíparas, como as serpentes marinhas, que nunca vão à terra. FABIO COLOMBINI / ACERVO DO FOTÓGRAFO
  13. 13. Anatomia
  14. 14. Anatomia – Sistema cardiovascular Não crocodilianos Não Crocodilianos Crocodilianos
  15. 15. Classificação dos répteis A maioria das espécies é herbívora e tem um casco que protege seu corpo. Os jabutis têm hábitos terrestres e os cágados geralmente vivem em água doce. Quelônios Grupo das tartarugas, jabutis e cágados. FOTOS: FABIO COLOMBINI / ACERVO DO FOTÓGRAFO
  16. 16. O litoral brasileiro é visitado por várias espécies de tartarugas marinhas, que desovam nas praias. Algumas delas estão ameaçadas de extinção pela pesca, pela coleta de seus ovos e pela destruição do seu ambiente natural. FABIO COLOMBINI / ACERVO DO FOTÓGRAFO 16
  17. 17. Crocodilianos O corpo deles é coberto por escamas e placas ósseas. São carnívoros e passam boa parte do tempo dentro da água ou na beira dos rios. Pertencem a esse grupo os crocodilos e jacarés. FABIO COLOMBINI / ACERVO DO FOTÓGRAFO
  18. 18. Escamados Grupo formado pelos lacertílios (lagartos, lagartixas e camaleões), ofídios (serpentes) e anfisbenídios (cobras-de-duas-cabeças). FOTOS: FABIO COLOMBINI / ACERVO DO FOTÓGRAFO
  19. 19. Por que as serpentes não têm pernas? Por seleção natural, os animais mutantes com pernas curtas ou sem pernas teriam aumentado de número ao longo das gerações e essa característica teria persistido. Acredita-se que elas tenham evoluído de lagartos que se enterravam no solo para se proteger de predadores. O corpo alongado e sem pernas seria uma adaptação a esse modo de vida. FABIO COLOMBINI / ACERVO DO FOTÓGRAFO 19
  20. 20. Algumas serpentes possuem glândulas produtoras de peçonha, que é inoculada pelos dentes. Não se deve amarrar a região da picada para isolar a peçonha nem sugar o local da picada. Também não se deve fazer cortes ou ter contato direto com o sangue da vítima. Em caso de picada, deve-se buscar socorro médico para que a vítima seja tratada com soro antiofídico. FABIO COLOMBINI / ACERVO DO FOTÓGRAFO
  21. 21. Conheça algumas serpentes peçonhentas: Jararaca. Cascavel. FABIO COLOMBINI / ACERVO DO FOTÓGRAFO FABIO COLOMBINI / ACERVO DO FOTÓGRAFO Coral-verdadeira. IVAN SAZIMA / REFLEXO
  22. 22. Você Sabia? Que as cobras colocam a língua pra fora para captar o odor do ambiente. Créditos: BBC
  23. 23. A evolução dos répteis Esses répteis ancestrais deram origem aos répteis atuais, às aves e aos mamíferos, e a formas que não existem mais, como os pterossauros. Os primeiros répteis surgiram há cerca de 360 milhões de anos, quando o clima da Terra ficou mais seco. Eles evoluíram dos anfíbios que existiam naquela época. ROGER HARRIS / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK
  24. 24. Alguns répteis, como os plesiossauros e as tartarugas marinhas, voltaram a viver no meio aquático. Porém, mantiveram algumas adaptações à vida terrestre, como a respiração pulmonar. CHRIS BUTLER / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK
  25. 25. Os dinossauros ‘Dino’ = terrível; ‘Saurios’ = lagarto Compsognato, com 60 cm a 90 cm de comprimento e cerca de 3 kg. Os dinossauros eram répteis que habitavam o ambiente terrestre no período entre 248 milhões e 65 milhões de anos atrás, muito antes do aparecimento do homem no planeta. Os primeiros dinossauros, como o Compsognato, eram pequenos, se comparados com os gigantes que viriam depois. JOE TUCCIARONE / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK 25
  26. 26. Veja alguns exemplos dos grandes dinossauros: Braquiossauro, com 22 m de comprimento e 12 m de altura. Tiranossauro, com 15 m de comprimento e 6 m de altura. Velocirraptor, com 3 m de comprimento e 1 m de altura. Triceratope, com 9 m de comprimento e 4 m de altura. Estegossauro, com 7 m de comprimento e 5 m de altura. JOE TUCCIARONE / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK DORLING KINDERSLEY / CORBIS / LATINSTOCK JOHANN BRANDSTETTER / AKG / ALBUM / LATINSTOCK ROGER HARRIS / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK JOE TUCCIARONE / SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK 26
  27. 27. Ao longo da história da Terra ocorreram várias extinções em massa. A hipótese mais aceita é a de que a extinção foi provocada pela queda de um asteroide na Terra. A poeira levantada pelo impacto teria escurecido o céu e esfriado o planeta por vários anos. Há 65 milhões de anos ocorreu uma extinção em que várias espécies de plantas, invertebrados e répteis, incluindo os dinossauros, deixaram de existir. SCIENCE PHOTO LIBRARY / LATINSTOCK 27

×