SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 41
Introdução.
 Sem dúvida, a Páscoa era uma das
festas mais importantes do judaísmo, e
a sua celebração era carregada de valor
simbólico. O seu ritual era metódico e
meticuloso, pois lembrava um dos
momentos mais importantes da história
do povo de Deus da Antiga Aliança - a
libertação do cativeiro egípcio! A sua
celebração anual mobilizava toda a
nação judaica.
Quando instituiu a Santa Ceia, por
ocasião da celebração da última Páscoa,
Jesus tinha em mente esses fatos.
Sabedor de que a Páscoa era apenas um
tipo do qual Ele era o antítipo (ou uma
figura da qual Ele era o cumprimento),
Ele demostrou alegria e satisfação por
poder celebrá-la na companhia de seus
discípulos. Apenas algumas horas
depois, o Filho do Homem estaria
libertando o seu povo, não mais de um
cativeiro humano, mas do cativeiro do
pecado!
 1. A instituição da páscoa judaica.
A festa da Páscoa era uma das celebrações
que ocorria na primavera. A palavra é
derivada do verbo hebraico pasah, com o
sentido de "passar por cima". Essa festa
tem sua origem nos dias que antecedem o
êxodo dos israelitas do Egito, conforme
narrado em Êxodo 12. Até esse momento,
Faraó relutava em deixar os israelitas
partirem conforme a determinação do
Senhor.
A consequência dessa obstinação do
governante egípcio foi o julgamento
divino que veio na forma de uma grande
mortandade nos lares egípcios. Somente
os primogênitos das famílias egípcias
seriam atingidos, pois os hebreus
estavam protegidos com o sangue do
cordeiro pascal (Êx 12.13). O sangue do
cordeiro era um tipo do sangue de
Cristo, o cordeiro de Deus que tira o
pecado do mundo (Jo 1.29; 1 Co 5.7).
 2. O ritual da páscoa judaica.
A páscoa judaica obedecia a um ritual
detalhado (Dt 16.1-4). Todavia, de acordo
com Êxodo 12.3-12, os preparativos
teriam início aos dez do mês com a
escolha de um cordeiro, ou cabrito, para
cada família. A família, sendo pequena
poderia então convidar o vizinho. O
cordeiro, que seria guardado até ao
décimo quarto dia, deveria ser de um
ano e sem defeito. No final do décimo
quarto dia era imolado.
O sangue era posto sobre as ombreiras
e vergas das portas das casas judaicas.
O cordeiro deveria ser comido assado e
com pães asmos e ervas amargas. O
resto que sobrasse deveria ser
queimado. Os participantes da Páscoa
deveriam ter os lombos cingidos,
sandálias nos pés e cajado na mão. Era
a Páscoa do Senhor.
 1. A preparação.
Ao responder à pergunta dos discípulos
sobre onde se daria os preparativos da
Páscoa, Jesus encaminha-os a um
homem com um cântaro de água (Lc
22.10). Lucas deixa claro que Cristo,
como filho de Deus e capacitado pelo
Espírito Santo, possuía conhecimento
prévio dos fatos. O expositor bíblico
Anthony Lee Ash, observa que o homem
com um cântaro de água seria facilmente
notado, pois esse era um trabalho de
mulher.
Os hospedeiros costumavam
oferecer suas casas durante a
festa, em troca das peles de
animais e utensílios usados
para a refeição. O preparo da
Páscoa incluiria a busca de
fermento na casa e o preparo
dos vários elementos da
refeição.
 2. A celebração e substituição.
Jesus possuía consciência de que a sua
morte na cruz se aproximava e que Ele era
o Cordeiro de Deus do qual o cordeiro da
Páscoa era apenas um tipo (Jo 1.29). Com
certeza milhares de cordeiros foram
sacrificados em Jerusalém nessa data,
mas somente Jesus era o "Cordeiro de
Deus que tiraria o pecado do mundo" (Jo
1.29). Se a Páscoa judaica marcou a
libertação do sofrimento do cativeiro
egípcio, agora Jesus, através do seu
sofrimento, libertaria a humanidade da
Pedro e João fazem os
preparativos exigidos sobre a
última Páscoa (Lc 22.7-20) e é
durante a celebração da última
Páscoa que Jesus instituiu a
Ceia do Senhor (Lc 22.19,20). No
contexto da Nova Aliança a Ceia
do Senhor substituiu a Páscoa
judaica (1 Co 11.20,23).
1. O vinho.
O terceiro Evangelho faz referência ao
uso do cálice por duas vezes, a primeira
delas antes de mencionar o pão (Lc
22.17,20). Mas essa reversão da ordem
dos elementos não modifica em nada o
significado da Ceia. Nesse particular, a
liturgia cristã segue o modelo dos outros
evangelistas e de Paulo, onde o uso do
vinho é precedido pelo pão (Mc 14.22-26;
Mt 26.26-30; 1 Co 11.23-25).
Tomando o cálice, Jesus falou: "Este
cálice é o Novo Testamento no meu
sangue, que é derramado por vós" (Lc
22.20). O sentido desse texto é que o
vinho é um símbolo da Nova Aliança
que foi selada com o sangue de Jesus,
o Cordeiro de Deus (Êx 12.6,7,13; 24.8;
Zc 9.11; Is 53.12).
 2. O pão. Após tomar o pão, dar graças e
partir, Jesus disse: "Isto é o meu corpo, que por
vós é dado; fazei isso em memória de mim" (Lc
22.19). Jesus usa a expressão: "isto é o meu
corpo" com sentido metafórico, da mesma
forma que Ele disse: "Eu sou a porta" (Jo 10.9).
O pão era um símbolo do corpo de Jesus da
mesma forma que o vinho era do seu sangue. A
palavra "oferecido" traduz o verbo grego
didomi, que também possui o sentido de
entregar. Esse mesmo verbo é usado nos textos
de Isaías 53.6,10,12, onde há uma clara
referência a um sacrifício (cf. Êx 30.14; Lv
22.14). O corpo de Jesus seria oferecido
vicariamente em favor dos pecadores.
Conclusão.

Participar da Ceia do Senhor é um
privilégio do qual todo cristão deve se
alegrar. Não se trata de um ritual vazio,
mas de uma celebração carregada de
significado, porque aponta para o
sacrifício do calvário. A Ceia celebra a
vitória de Cristo, o Cordeiro de Deus,
sobre o pecado e suas consequências.
Ao participarmos da Ceia, devemos
manter uma atitude de eterna gratidão
ao Senhor por nos haver dado vida
quando nos encontrávamos mortos em
nossos delitos. Assim como os antigos
judeus não deveriam celebrá-la com
fermento em seus lares, da mesma
forma não devemos comemorar a Ceia
com o velho fermento do pecado.
Celebremos a Ceia com os asmos da
sinceridade.
A última Ceia
A última Ceia

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Aula 02 a ceia do senhor para o site
Aula 02   a ceia do senhor para o siteAula 02   a ceia do senhor para o site
Aula 02 a ceia do senhor para o sitepbmarcelo
 
Ebook ceia senhor_ryle
Ebook ceia senhor_ryleEbook ceia senhor_ryle
Ebook ceia senhor_rylePaulo Costa
 
2° trimestre 2015 lição 11
2° trimestre 2015   lição 112° trimestre 2015   lição 11
2° trimestre 2015 lição 11Joel Silva
 
23 09 2012 lição 6 batismo nas águas parte 2
23 09 2012 lição 6 batismo nas águas parte 223 09 2012 lição 6 batismo nas águas parte 2
23 09 2012 lição 6 batismo nas águas parte 2Rômulo Martins
 
PÁSCOA... uma breve História... vitória da vida sobre a morte
PÁSCOA... uma breve História... vitória da vida sobre a mortePÁSCOA... uma breve História... vitória da vida sobre a morte
PÁSCOA... uma breve História... vitória da vida sobre a mortePaulo Dias Nogueira
 
Páscoa uma experiência revitalizadora
Páscoa uma experiência revitalizadoraPáscoa uma experiência revitalizadora
Páscoa uma experiência revitalizadoraPaulo Dias Nogueira
 
17 sabados cerimoniais
17 sabados cerimoniais17 sabados cerimoniais
17 sabados cerimoniaisHezir Henrique
 
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceiaEade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceiaJoyAlbanez
 
Aceiadosenhor
AceiadosenhorAceiadosenhor
AceiadosenhorVidelk
 
Três festas e uma missão a cumprir
Três festas e uma missão a cumprirTrês festas e uma missão a cumprir
Três festas e uma missão a cumprirHerisson Gonçalves
 
LIÇÃO 4 - A CELEBRAÇÃO DA PRIMEIRA PASCOA_EX 12:1-12
LIÇÃO 4 - A CELEBRAÇÃO DA PRIMEIRA PASCOA_EX 12:1-12 LIÇÃO 4 - A CELEBRAÇÃO DA PRIMEIRA PASCOA_EX 12:1-12
LIÇÃO 4 - A CELEBRAÇÃO DA PRIMEIRA PASCOA_EX 12:1-12 Natalino das Neves Neves
 
Lição 4 A Celebração da Primeira Páscoa
Lição 4   A Celebração da Primeira PáscoaLição 4   A Celebração da Primeira Páscoa
Lição 4 A Celebração da Primeira PáscoaPr. Andre Luiz
 
Aula qual é o verdadeiro significado da páscoa
Aula qual é o verdadeiro significado da páscoaAula qual é o verdadeiro significado da páscoa
Aula qual é o verdadeiro significado da páscoaMetodista_Barreto
 
A verdadeira páscoa'
A verdadeira páscoa'A verdadeira páscoa'
A verdadeira páscoa'Marly Brito
 

Mais procurados (20)

Aula 02 a ceia do senhor para o site
Aula 02   a ceia do senhor para o siteAula 02   a ceia do senhor para o site
Aula 02 a ceia do senhor para o site
 
05 A Páscoa e a Ceia do Senhor
05   A Páscoa e a Ceia do Senhor05   A Páscoa e a Ceia do Senhor
05 A Páscoa e a Ceia do Senhor
 
A última ceia
A última ceia A última ceia
A última ceia
 
Ebook ceia senhor_ryle
Ebook ceia senhor_ryleEbook ceia senhor_ryle
Ebook ceia senhor_ryle
 
2° trimestre 2015 lição 11
2° trimestre 2015   lição 112° trimestre 2015   lição 11
2° trimestre 2015 lição 11
 
A Ceia do Senhor
A Ceia do SenhorA Ceia do Senhor
A Ceia do Senhor
 
23 09 2012 lição 6 batismo nas águas parte 2
23 09 2012 lição 6 batismo nas águas parte 223 09 2012 lição 6 batismo nas águas parte 2
23 09 2012 lição 6 batismo nas águas parte 2
 
PÁSCOA... uma breve História... vitória da vida sobre a morte
PÁSCOA... uma breve História... vitória da vida sobre a mortePÁSCOA... uma breve História... vitória da vida sobre a morte
PÁSCOA... uma breve História... vitória da vida sobre a morte
 
Ceia do Senhor
Ceia do SenhorCeia do Senhor
Ceia do Senhor
 
Páscoa uma experiência revitalizadora
Páscoa uma experiência revitalizadoraPáscoa uma experiência revitalizadora
Páscoa uma experiência revitalizadora
 
17 sabados cerimoniais
17 sabados cerimoniais17 sabados cerimoniais
17 sabados cerimoniais
 
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceiaEade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
Eade i-ii-9-o-cristianismo-a-última-ceia
 
Aceiadosenhor
AceiadosenhorAceiadosenhor
Aceiadosenhor
 
Três festas e uma missão a cumprir
Três festas e uma missão a cumprirTrês festas e uma missão a cumprir
Três festas e uma missão a cumprir
 
A verdade sobre a ceia
A verdade sobre a ceiaA verdade sobre a ceia
A verdade sobre a ceia
 
LIÇÃO 4 - A CELEBRAÇÃO DA PRIMEIRA PASCOA_EX 12:1-12
LIÇÃO 4 - A CELEBRAÇÃO DA PRIMEIRA PASCOA_EX 12:1-12 LIÇÃO 4 - A CELEBRAÇÃO DA PRIMEIRA PASCOA_EX 12:1-12
LIÇÃO 4 - A CELEBRAÇÃO DA PRIMEIRA PASCOA_EX 12:1-12
 
Lição 4 A Celebração da Primeira Páscoa
Lição 4   A Celebração da Primeira PáscoaLição 4   A Celebração da Primeira Páscoa
Lição 4 A Celebração da Primeira Páscoa
 
Páscoa
PáscoaPáscoa
Páscoa
 
Aula qual é o verdadeiro significado da páscoa
Aula qual é o verdadeiro significado da páscoaAula qual é o verdadeiro significado da páscoa
Aula qual é o verdadeiro significado da páscoa
 
A verdadeira páscoa'
A verdadeira páscoa'A verdadeira páscoa'
A verdadeira páscoa'
 

Destaque

José a realidade de um sonho
José a realidade de um sonhoJosé a realidade de um sonho
José a realidade de um sonhoPr. Gerson Eller
 
Lição 07 eu sei em quem tenho crido
Lição 07    eu sei em quem tenho cridoLição 07    eu sei em quem tenho crido
Lição 07 eu sei em quem tenho cridoPr. Gerson Eller
 
Consumismo x cristianismo
Consumismo x cristianismoConsumismo x cristianismo
Consumismo x cristianismoMichel Plattiny
 
Vencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidadeVencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidadeMichel Plattiny
 
Recebendo os cuidados do bom pastor - ansiedade
Recebendo os cuidados do bom pastor - ansiedadeRecebendo os cuidados do bom pastor - ansiedade
Recebendo os cuidados do bom pastor - ansiedadeMichel Plattiny
 
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisasLição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisasPr. Gerson Eller
 
Vencendo as obras da carne - Pecados de excesso
Vencendo as obras da carne - Pecados de excessoVencendo as obras da carne - Pecados de excesso
Vencendo as obras da carne - Pecados de excessoMichel Plattiny
 
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.Pr. Gerson Eller
 
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionais
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionaisVencendo as obras da carne - Pecados relacionais
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionaisMichel Plattiny
 
Resolvendo áreas de conflito no casamento
Resolvendo áreas de conflito no casamentoResolvendo áreas de conflito no casamento
Resolvendo áreas de conflito no casamentoMichel Plattiny
 
Confronto histórico
Confronto históricoConfronto histórico
Confronto históricoTiago Vieira
 
Vencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidadeVencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidadeMichel Plattiny
 
Intr. Fruto do Espírito
Intr.   Fruto do EspíritoIntr.   Fruto do Espírito
Intr. Fruto do EspíritoCarlos Oliveira
 
Quem é quem dentro da igrja
Quem é quem dentro da igrjaQuem é quem dentro da igrja
Quem é quem dentro da igrjaPr. Gerson Eller
 
O fruto do espírito a essencia do carater cristão
O fruto do espírito a essencia do carater cristãoO fruto do espírito a essencia do carater cristão
O fruto do espírito a essencia do carater cristãoEduardo Sousa Gomes
 
Combate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da Verdade
Combate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da VerdadeCombate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da Verdade
Combate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da VerdadeMichel Plattiny
 
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do EspiritoAs Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do EspiritoMárcio Martins
 

Destaque (20)

José a realidade de um sonho
José a realidade de um sonhoJosé a realidade de um sonho
José a realidade de um sonho
 
Lição 07 eu sei em quem tenho crido
Lição 07    eu sei em quem tenho cridoLição 07    eu sei em quem tenho crido
Lição 07 eu sei em quem tenho crido
 
Mídia x evangelho
Mídia x evangelhoMídia x evangelho
Mídia x evangelho
 
Consumismo x cristianismo
Consumismo x cristianismoConsumismo x cristianismo
Consumismo x cristianismo
 
Vencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidadeVencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de religiosidade
 
Recebendo os cuidados do bom pastor - ansiedade
Recebendo os cuidados do bom pastor - ansiedadeRecebendo os cuidados do bom pastor - ansiedade
Recebendo os cuidados do bom pastor - ansiedade
 
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisasLição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
Lição 01 escatologia, o estudo das últimas coisas
 
Vencendo as obras da carne - Pecados de excesso
Vencendo as obras da carne - Pecados de excessoVencendo as obras da carne - Pecados de excesso
Vencendo as obras da carne - Pecados de excesso
 
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
Os 5 princípios biblicos para a leitura da Biblia.
 
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionais
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionaisVencendo as obras da carne - Pecados relacionais
Vencendo as obras da carne - Pecados relacionais
 
Resolvendo áreas de conflito no casamento
Resolvendo áreas de conflito no casamentoResolvendo áreas de conflito no casamento
Resolvendo áreas de conflito no casamento
 
Confronto histórico
Confronto históricoConfronto histórico
Confronto histórico
 
Vencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidadeVencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidade
Vencendo as obras da Carne - Pecados de imoralidade
 
Intr. Fruto do Espírito
Intr.   Fruto do EspíritoIntr.   Fruto do Espírito
Intr. Fruto do Espírito
 
O fruto do espírito
O fruto do espíritoO fruto do espírito
O fruto do espírito
 
Quem é quem dentro da igrja
Quem é quem dentro da igrjaQuem é quem dentro da igrja
Quem é quem dentro da igrja
 
Fruto do espirito
Fruto do espiritoFruto do espirito
Fruto do espirito
 
O fruto do espírito a essencia do carater cristão
O fruto do espírito a essencia do carater cristãoO fruto do espírito a essencia do carater cristão
O fruto do espírito a essencia do carater cristão
 
Combate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da Verdade
Combate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da VerdadeCombate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da Verdade
Combate Espiritual, Armadura de Deus - Cinto da Verdade
 
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do EspiritoAs Obras da Carne e o Fruto do Espirito
As Obras da Carne e o Fruto do Espirito
 

Semelhante a A última Ceia

A páscoa de jesus
A páscoa de jesusA páscoa de jesus
A páscoa de jesusSamuel Wall
 
Historia de israel aula 11 pães asmos e primícias
Historia de israel aula 11 pães asmos e primíciasHistoria de israel aula 11 pães asmos e primícias
Historia de israel aula 11 pães asmos e primíciasRICARDO CARDOSO
 
A ultima-pascoa macarthur
A ultima-pascoa macarthurA ultima-pascoa macarthur
A ultima-pascoa macarthurDaladier Lima
 
A Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentidoA Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentidoiev.comunidade
 
A Salvação na Páscoa Judaica.
A Salvação na Páscoa Judaica.A Salvação na Páscoa Judaica.
A Salvação na Páscoa Judaica.Márcio Martins
 
2° Trimestre 2015 Lição 11 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 11 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 11 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 11 AdultosJoel Silva
 
Festas_bíblicas.pptx
Festas_bíblicas.pptxFestas_bíblicas.pptx
Festas_bíblicas.pptxbenjamin35767
 
A data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de JesusA data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de JesusJosé Santos
 
Verdadeiro significado da páscoa.pdf
Verdadeiro significado da páscoa.pdfVerdadeiro significado da páscoa.pdf
Verdadeiro significado da páscoa.pdfMichelleAlmeida82
 
Lição 11 - A Páscoa Desejada
Lição 11 - A Páscoa DesejadaLição 11 - A Páscoa Desejada
Lição 11 - A Páscoa DesejadaÉder Tomé
 
Lição 02 - A Salvação na Páscoa Judaíca
Lição 02 - A Salvação na Páscoa JudaícaLição 02 - A Salvação na Páscoa Judaíca
Lição 02 - A Salvação na Páscoa JudaícaÉder Tomé
 
Historia de israel aula 10 páscoa
Historia de israel aula 10 páscoaHistoria de israel aula 10 páscoa
Historia de israel aula 10 páscoaRICARDO CARDOSO
 
PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)
PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)
PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)Luís Carvalho
 

Semelhante a A última Ceia (20)

LIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIA
LIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIALIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIA
LIÇÃO 11 - A ÚLTIMA CEIA
 
A salvação judaica
A salvação judaicaA salvação judaica
A salvação judaica
 
A páscoa de jesus
A páscoa de jesusA páscoa de jesus
A páscoa de jesus
 
Historia de israel aula 11 pães asmos e primícias
Historia de israel aula 11 pães asmos e primíciasHistoria de israel aula 11 pães asmos e primícias
Historia de israel aula 11 pães asmos e primícias
 
A ultima-pascoa macarthur
A ultima-pascoa macarthurA ultima-pascoa macarthur
A ultima-pascoa macarthur
 
A Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentidoA Páscoa e seu verdadeiro sentido
A Páscoa e seu verdadeiro sentido
 
A Salvação na Páscoa Judaica.
A Salvação na Páscoa Judaica.A Salvação na Páscoa Judaica.
A Salvação na Páscoa Judaica.
 
Slide A Pascoa
Slide A PascoaSlide A Pascoa
Slide A Pascoa
 
Lição 11 2 Trimestre 2015
Lição 11 2 Trimestre 2015Lição 11 2 Trimestre 2015
Lição 11 2 Trimestre 2015
 
2° Trimestre 2015 Lição 11 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 11 Adultos2° Trimestre 2015 Lição 11 Adultos
2° Trimestre 2015 Lição 11 Adultos
 
Festas_bíblicas.pptx
Festas_bíblicas.pptxFestas_bíblicas.pptx
Festas_bíblicas.pptx
 
A data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de JesusA data judaica da morte de Jesus
A data judaica da morte de Jesus
 
Verdadeiro significado da páscoa.pdf
Verdadeiro significado da páscoa.pdfVerdadeiro significado da páscoa.pdf
Verdadeiro significado da páscoa.pdf
 
Lição 11 - A Páscoa Desejada
Lição 11 - A Páscoa DesejadaLição 11 - A Páscoa Desejada
Lição 11 - A Páscoa Desejada
 
Lição 02 - A Salvação na Páscoa Judaíca
Lição 02 - A Salvação na Páscoa JudaícaLição 02 - A Salvação na Páscoa Judaíca
Lição 02 - A Salvação na Páscoa Judaíca
 
Historia de israel aula 10 páscoa
Historia de israel aula 10 páscoaHistoria de israel aula 10 páscoa
Historia de israel aula 10 páscoa
 
A páscoa verdadeira
A páscoa verdadeiraA páscoa verdadeira
A páscoa verdadeira
 
Lição 2 - A Salvação na Páscoa Judaica
Lição 2 - A Salvação na Páscoa JudaicaLição 2 - A Salvação na Páscoa Judaica
Lição 2 - A Salvação na Páscoa Judaica
 
PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)
PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)
PÁSCOA 2014 ..... A páscoa de Jesus Cristo (3/4)
 
A verdadeira pascoa
A verdadeira pascoaA verdadeira pascoa
A verdadeira pascoa
 

Mais de Pr. Gerson Eller

O destino final dos mortos.
O destino final dos mortos.O destino final dos mortos.
O destino final dos mortos.Pr. Gerson Eller
 
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUSLIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUSPr. Gerson Eller
 
Lição 6 conselhos gerais
Lição 6    conselhos geraisLição 6    conselhos gerais
Lição 6 conselhos geraisPr. Gerson Eller
 
Lição 5 a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
Lição 5    a apostasia, fidelidade e diligência no ministérioLição 5    a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
Lição 5 a apostasia, fidelidade e diligência no ministérioPr. Gerson Eller
 
Lição 4 pastores e diaconos
Lição 4   pastores e diaconosLição 4   pastores e diaconos
Lição 4 pastores e diaconosPr. Gerson Eller
 
Lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãs
Lição 3   oração e recomendação às mulheres cristãsLição 3   oração e recomendação às mulheres cristãs
Lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãsPr. Gerson Eller
 
Uma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderançaUma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderançaPr. Gerson Eller
 
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUSLição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUSPr. Gerson Eller
 
As Limitações dos Discipulos
As Limitações dos DiscipulosAs Limitações dos Discipulos
As Limitações dos DiscipulosPr. Gerson Eller
 
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demoniosO poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demoniosPr. Gerson Eller
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePr. Gerson Eller
 
Mulheres que ajudara, Jesus
Mulheres que ajudara, JesusMulheres que ajudara, Jesus
Mulheres que ajudara, JesusPr. Gerson Eller
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusPr. Gerson Eller
 
Jesus escolhe seus dicipulos
Jesus escolhe seus dicipulosJesus escolhe seus dicipulos
Jesus escolhe seus dicipulosPr. Gerson Eller
 
EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?
EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?
EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?Pr. Gerson Eller
 

Mais de Pr. Gerson Eller (20)

Familia
FamiliaFamilia
Familia
 
O destino final dos mortos.
O destino final dos mortos.O destino final dos mortos.
O destino final dos mortos.
 
O tribunal de cristo
O tribunal de cristoO tribunal de cristo
O tribunal de cristo
 
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUSLIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
LIÇÃO 08 - APROVADOS POR DEUS EM CRISTO JESUS
 
Lição 6 conselhos gerais
Lição 6    conselhos geraisLição 6    conselhos gerais
Lição 6 conselhos gerais
 
Lição 5 a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
Lição 5    a apostasia, fidelidade e diligência no ministérioLição 5    a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
Lição 5 a apostasia, fidelidade e diligência no ministério
 
Lição 4 pastores e diaconos
Lição 4   pastores e diaconosLição 4   pastores e diaconos
Lição 4 pastores e diaconos
 
Lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãs
Lição 3   oração e recomendação às mulheres cristãsLição 3   oração e recomendação às mulheres cristãs
Lição 3 oração e recomendação às mulheres cristãs
 
Uma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderançaUma mensagem à igreja local e à liderança
Uma mensagem à igreja local e à liderança
 
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUSLição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
Lição 13 A RESSURREIÇÃO DE JESUS
 
JESUS E O DINHEIRO
JESUS E O DINHEIROJESUS E O DINHEIRO
JESUS E O DINHEIRO
 
As Limitações dos Discipulos
As Limitações dos DiscipulosAs Limitações dos Discipulos
As Limitações dos Discipulos
 
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demoniosO poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
O poder de Jesus sobre a Natureza e os demonios
 
Poder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e mortePoder sobre as doenças e morte
Poder sobre as doenças e morte
 
Mulheres que ajudara, Jesus
Mulheres que ajudara, JesusMulheres que ajudara, Jesus
Mulheres que ajudara, Jesus
 
Mulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram JesusMulheres que ajudaram Jesus
Mulheres que ajudaram Jesus
 
Jesus escolhe seus dicipulos
Jesus escolhe seus dicipulosJesus escolhe seus dicipulos
Jesus escolhe seus dicipulos
 
EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?
EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?
EU VIVO NA LUZ OU NAS TREVAS ?
 
A TENTAÇÃO DE JESUS
A TENTAÇÃO DE JESUSA TENTAÇÃO DE JESUS
A TENTAÇÃO DE JESUS
 
A TENTAÇÃO DE JESUS
A TENTAÇÃO DE JESUSA TENTAÇÃO DE JESUS
A TENTAÇÃO DE JESUS
 

Último

Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...azulassessoria9
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...azulassessoria9
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdfCarinaSofiaDiasBoteq
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfManuais Formação
 
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Cabiamar
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024azulassessoria9
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfprofesfrancleite
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................mariagrave
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresAna Isabel Correia
 
Aula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaAula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaJulianeNassaralla1
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSPedroMatos469278
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSPedro Luis Moraes
 
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...azulassessoria9
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Centro Jacques Delors
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaCentro Jacques Delors
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do séculoSistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do séculoBiblioteca UCS
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)Centro Jacques Delors
 
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptxM0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptxJustinoTeixeira1
 

Último (20)

Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
 
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
Considerando as pesquisas de Gallahue, Ozmun e Goodway (2013) os bebês até an...
 
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
425416820-Testes-7º-Ano-Leandro-Rei-Da-Heliria-Com-Solucoes.pdf
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
Historia de Portugal - Quarto Ano - 2024
 
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 2 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdfMESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
MESTRES DA CULTURA DE ASSARÉ Prof. Francisco Leite.pdf
 
13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................13_mch9_hormonal.pptx............................
13_mch9_hormonal.pptx............................
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Aula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemáticaAula de ampliação e redução - matemática
Aula de ampliação e redução - matemática
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOSINTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
INTRODUÇÃO DE METODOLOGIA PARA TRABALHIOS CIENTIFICOS
 
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
O desenvolvimento é um conceito mais amplo, pode ter um contexto biológico ou...
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 1)
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do séculoSistema de Bibliotecas UCS  - Cantos do fim do século
Sistema de Bibliotecas UCS - Cantos do fim do século
 
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)Quiz | Dia da Europa 2024  (comemoração)
Quiz | Dia da Europa 2024 (comemoração)
 
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptxM0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
M0 Atendimento – Definição, Importância .pptx
 

A última Ceia

  • 1.
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10. Introdução.  Sem dúvida, a Páscoa era uma das festas mais importantes do judaísmo, e a sua celebração era carregada de valor simbólico. O seu ritual era metódico e meticuloso, pois lembrava um dos momentos mais importantes da história do povo de Deus da Antiga Aliança - a libertação do cativeiro egípcio! A sua celebração anual mobilizava toda a nação judaica.
  • 11. Quando instituiu a Santa Ceia, por ocasião da celebração da última Páscoa, Jesus tinha em mente esses fatos. Sabedor de que a Páscoa era apenas um tipo do qual Ele era o antítipo (ou uma figura da qual Ele era o cumprimento), Ele demostrou alegria e satisfação por poder celebrá-la na companhia de seus discípulos. Apenas algumas horas depois, o Filho do Homem estaria libertando o seu povo, não mais de um cativeiro humano, mas do cativeiro do pecado!
  • 12.
  • 13.
  • 14.  1. A instituição da páscoa judaica. A festa da Páscoa era uma das celebrações que ocorria na primavera. A palavra é derivada do verbo hebraico pasah, com o sentido de "passar por cima". Essa festa tem sua origem nos dias que antecedem o êxodo dos israelitas do Egito, conforme narrado em Êxodo 12. Até esse momento, Faraó relutava em deixar os israelitas partirem conforme a determinação do Senhor.
  • 15. A consequência dessa obstinação do governante egípcio foi o julgamento divino que veio na forma de uma grande mortandade nos lares egípcios. Somente os primogênitos das famílias egípcias seriam atingidos, pois os hebreus estavam protegidos com o sangue do cordeiro pascal (Êx 12.13). O sangue do cordeiro era um tipo do sangue de Cristo, o cordeiro de Deus que tira o pecado do mundo (Jo 1.29; 1 Co 5.7).
  • 16.
  • 17.
  • 18.  2. O ritual da páscoa judaica. A páscoa judaica obedecia a um ritual detalhado (Dt 16.1-4). Todavia, de acordo com Êxodo 12.3-12, os preparativos teriam início aos dez do mês com a escolha de um cordeiro, ou cabrito, para cada família. A família, sendo pequena poderia então convidar o vizinho. O cordeiro, que seria guardado até ao décimo quarto dia, deveria ser de um ano e sem defeito. No final do décimo quarto dia era imolado.
  • 19. O sangue era posto sobre as ombreiras e vergas das portas das casas judaicas. O cordeiro deveria ser comido assado e com pães asmos e ervas amargas. O resto que sobrasse deveria ser queimado. Os participantes da Páscoa deveriam ter os lombos cingidos, sandálias nos pés e cajado na mão. Era a Páscoa do Senhor.
  • 20.
  • 21.
  • 22.
  • 23.  1. A preparação. Ao responder à pergunta dos discípulos sobre onde se daria os preparativos da Páscoa, Jesus encaminha-os a um homem com um cântaro de água (Lc 22.10). Lucas deixa claro que Cristo, como filho de Deus e capacitado pelo Espírito Santo, possuía conhecimento prévio dos fatos. O expositor bíblico Anthony Lee Ash, observa que o homem com um cântaro de água seria facilmente notado, pois esse era um trabalho de mulher.
  • 24. Os hospedeiros costumavam oferecer suas casas durante a festa, em troca das peles de animais e utensílios usados para a refeição. O preparo da Páscoa incluiria a busca de fermento na casa e o preparo dos vários elementos da refeição.
  • 25.
  • 26.  2. A celebração e substituição. Jesus possuía consciência de que a sua morte na cruz se aproximava e que Ele era o Cordeiro de Deus do qual o cordeiro da Páscoa era apenas um tipo (Jo 1.29). Com certeza milhares de cordeiros foram sacrificados em Jerusalém nessa data, mas somente Jesus era o "Cordeiro de Deus que tiraria o pecado do mundo" (Jo 1.29). Se a Páscoa judaica marcou a libertação do sofrimento do cativeiro egípcio, agora Jesus, através do seu sofrimento, libertaria a humanidade da
  • 27. Pedro e João fazem os preparativos exigidos sobre a última Páscoa (Lc 22.7-20) e é durante a celebração da última Páscoa que Jesus instituiu a Ceia do Senhor (Lc 22.19,20). No contexto da Nova Aliança a Ceia do Senhor substituiu a Páscoa judaica (1 Co 11.20,23).
  • 28.
  • 29.
  • 30. 1. O vinho. O terceiro Evangelho faz referência ao uso do cálice por duas vezes, a primeira delas antes de mencionar o pão (Lc 22.17,20). Mas essa reversão da ordem dos elementos não modifica em nada o significado da Ceia. Nesse particular, a liturgia cristã segue o modelo dos outros evangelistas e de Paulo, onde o uso do vinho é precedido pelo pão (Mc 14.22-26; Mt 26.26-30; 1 Co 11.23-25).
  • 31. Tomando o cálice, Jesus falou: "Este cálice é o Novo Testamento no meu sangue, que é derramado por vós" (Lc 22.20). O sentido desse texto é que o vinho é um símbolo da Nova Aliança que foi selada com o sangue de Jesus, o Cordeiro de Deus (Êx 12.6,7,13; 24.8; Zc 9.11; Is 53.12).
  • 32.
  • 33.  2. O pão. Após tomar o pão, dar graças e partir, Jesus disse: "Isto é o meu corpo, que por vós é dado; fazei isso em memória de mim" (Lc 22.19). Jesus usa a expressão: "isto é o meu corpo" com sentido metafórico, da mesma forma que Ele disse: "Eu sou a porta" (Jo 10.9). O pão era um símbolo do corpo de Jesus da mesma forma que o vinho era do seu sangue. A palavra "oferecido" traduz o verbo grego didomi, que também possui o sentido de entregar. Esse mesmo verbo é usado nos textos de Isaías 53.6,10,12, onde há uma clara referência a um sacrifício (cf. Êx 30.14; Lv 22.14). O corpo de Jesus seria oferecido vicariamente em favor dos pecadores.
  • 34.
  • 35.
  • 36.
  • 37.
  • 38. Conclusão.  Participar da Ceia do Senhor é um privilégio do qual todo cristão deve se alegrar. Não se trata de um ritual vazio, mas de uma celebração carregada de significado, porque aponta para o sacrifício do calvário. A Ceia celebra a vitória de Cristo, o Cordeiro de Deus, sobre o pecado e suas consequências.
  • 39. Ao participarmos da Ceia, devemos manter uma atitude de eterna gratidão ao Senhor por nos haver dado vida quando nos encontrávamos mortos em nossos delitos. Assim como os antigos judeus não deveriam celebrá-la com fermento em seus lares, da mesma forma não devemos comemorar a Ceia com o velho fermento do pecado. Celebremos a Ceia com os asmos da sinceridade.