SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 72
Baixar para ler offline
Design Expansivo: pensar o
possível para fazer o impossível
Frederick van Amstel @usabilidoido
DADIN - UTFPR
www.usabilidoido.com.br
Muita gente diz por aí que
criatividade é o mesmo que
pensar fora da caixa
ou
fazer mais com menos.
E se a caixa for o capitalismo
e o material for o recurso
humano? Seria possível pensar
fora do capitalismo e fazer
mais com ainda menos
recursos humanos?
Para pensar o fim do capitalismo e
adiar o fim do mundo, é preciso
produzir alter/nativas ao
capitalismo.
Designers são bons em produzir
alter/nativas, mas às vezes, devido à
colonialidade do fazer, acabam
produzindo alter/gringas.
Alter/gringas
Midjourney: imagine/ sociedade utópica de design socialista brasileiro baseada em economia solidária,
autogestão, desenvolvimento autônomo, agroecologia, tecnologia livre, educação popular, pessoas diversas
Midjourney: imagine/ Brazilian socialist design utopic society based on solidarity
economy, self-management, autonomous development, agroecology, libre technology,
popular education, diverse people
Alter/nativas
Transformar alter/gringas em
alter/nativas requer a curadoria e o
improviso de uma inteligência
artificial de carne e osso.
Isso não é pensar fora da caixa
e nem fazer mais com menos.
Isso é metacriatividade.
O realismo capitalista bloqueia o
desenvolvimento da metacriatividade.
Cria-atividade
Cria-corpos
Cria-espaço
Pensar fora da caixa significa
pensar fora do cria-espaço, ou seja,
fora do que é considerado possível.
Provável
Possível
Improvável
Impossível
Impensável
Por outro lado, fazer mais com
menos significa restringir-se a algo
menor do que é possível.
Provável
Possível
Improvável
Impossível
Impensável
Medíocre
O possível é uma construção
histórica, por isso, é possível
pensar o impossível para
repensar o possível.
Provável
Possível
Improvável
Impossível
Impensável
Provável
Pensar fora da caixa significa
também pensar fora do cria-corpo,
fora de hábitos, fora de posições
sociais, fora de lugar.
O mito da caverna de Platão visava educar o cidadão sobre a
possibilidade de pensar fora da prisão do seu cria-corpo.
Quem é que tem o privilégio de
pensar fora do cria-corpo, de forma
abstrata e universal, tal como
Platão sugere?
O próprio Platão é claro! Platão acreditava que só os filósofos
tinham liberdade suficiente para guiar a sociedade.
O problema é que os
desprivilegiados não conseguem
sair da caverna apenas pensando.
Eles precisam fazer uma saída
pra poder sair.
Os trabalhadores tiveram que fazer uma guerra para se livrar da
alienação capitalista na Comuna de Paris, em 1871.
De que adianta pensar fora da
caixa se só é possível fazer algo
dentro da caixa?
Uma vez que um projeto dá certo, ele deixa um trajeto que
condiciona os projetos subsequentes.
Para desenvolver projetos alter/
nativos, é preciso considerar
também trajetos alter/nativos, ou
seja, as histórias de projetos
cancelados e/ou esquecidos.
O Brasil tem trajetos deixados por projetos anti-capitalistas,
anti-racistas e anti-sexistas, como o Quilombo dos Palmares.
Design especulativo no estilo futrô:
recuperar os trajetos necessários
para libertar os projetos oprimidos.
Possível sem tensões
Impossível devido a tensões
Possível com tensões Ficção Projetual
Ficção Científica
Realidade
Exemplo: Mockumentário especulativo A Crise do Tempo (2017)
sobre as inteligências artificiais imperialistas que interferiram na
política brasileira para provocar o golpe de Dilma Rousseff.
O estilo futrô pensa dentro da
caixa algo que está fora da caixa.
Teatro-Fórum com estudantes de Design e Cultura na UTFPR
(2019).
Escrotiã é um projeto especulativo sobre igualdade de gênero
na moda (Maceira et al 2019).
Especular é interessante, mas para
transformar a realidade é preciso
nao só pensar diferente mas
também fazer diferente.
Exemplo: SURU’BA é um sistema de móveis modulares de código
aberto para fazeres distribuídos (Dembinski & Tarran, 2022).
O fazer dentro da caixa pode ser
uma oportunidade para repensar a
própria caixa. O fazer menos com
mais pode ser uma oportunidade
para repensar o capital.
A Economia Solidária coloca o capitalismo contra a si próprio ao
estabelecer limites de acumulação e de endividamento.
O bem-viver (sumak kawsay), princípio básico da Economia
Solidária, tem sua origem na economia indígena andina.
O bem-viver se baseia em uma lógica de abundância e não de
escassez de recursos (Jatobá, 2017).
Repensar a caixa é o primeiro
passo para refazer a caixa.
Fazer menos com mais é o primeiro
passo para repensar o capital.
Pergunta norteadora suleadora do
design expansivo: como expandir as
caixas e os fazeres do design?
Investigação da história da caixa: Onde a caixa do design de
sobrancelhas surgiu? Quem construiu? Com que propósito?
Revelando as caixas dentro da caixa: Quais são os padrões de
beleza impostos pelo design de sobrancelhas?
Identificando tensões nos limites da caixa: Porque isso pode e
isso não pode? Porque isso desperta emoções fortes?
Especulando mudanças qualitativas: E se olharmos para o que
fazemos todo dia por uma outra perspectiva?
A caixa começa a ser refeita e o
fazer começa a ser
desencaixotado a partir do
tensionamento de seus limites.
Frida Kahlo (1943) tensionou os limites da caixa do design de
sobrancelhas junto com a caixa do comportamento da mulher.
Mais recentemente, Sophia Hadjipanteli tensionou essa caixa
com seu visual unibrow, pelo qual recebeu ameaças de morte.
O design de sobrancelhas, junto com
outros movimentos, expandiu a
caixa e os fazeres do design.
Alguns livros que discutem essa expansão. Os brasileiros
estavam na frente dos gringos.
2012 2013 2014
A caixa do design deixou de ser
uma caixa preta e passou a ser
uma caixa transparente para quem
quisesse participar.
A utilização de diversas caixas de ferramentas é uma das
estratégias inclusivas do design expansivo.
Cada caixa contém em si um cria-espaço em potencial.
A sobreposição de cria-espaços já mapeados cria a oportunidade
para produzir cria-espaços ainda não mapeados.
A produção consciente de cria-espaços é fundamental para
expandir a metacriatividade (Zukowski & Kosake, 2023).
Nem todo projeto de fronteira é
expansivo. "É preciso estar atento e
forte", como diriam Caetano
Veloso e Gal Costa, pois lá estão
também projetos redutivos.
Máquinas de projetar automáticas reduzem drasticamente o que
pode ser design (Benefit Brow Genie App, 2015)
A automação capitalista do trabalho de design faz o designer se
tornar menos valioso e, portanto, passível de precarização.
Refazer a caixa e repensar o
capital requer coragem para
enfrentar suas contradições
internas e externas.
Na práxis do design expansivo,
o pensar é um meio para o fazer
(fazer pelo pensar) e o fazer é
um meio para o pensar (pensar
pelo fazer). Nenhum deles é
um fim em si mesmo.
Como é possível que pessoas negras defendam um líder racista?
Só fazendo uma teoria para pensar essa prática!
O fim da práxis transformadora é
transformar a realidade, ainda que
isso pareça impossível.
O Laboratório de Design contra Opressões (LADO) conduz
experimentos de transformação da realidade através do design.
Lá estão disponíveis abordagens, métodos e ferramentas para
fazer Design Expansivo.
Com essas ferramentas, é possível criar pontes entre o que é
possível e o que é impossível.
Design expansivo é pensar o
possível para fazer o impossível,
assumindo todas as contradições
que isso implica.
Obrigado e até breve!
Frederick van Amstel @usabilidoido
DADIN - UTFPR
www.usabilidoido.com.br

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Design expansivo: pensar o possível para fazer o impossível

Um projeto popular para o brasil
Um projeto popular para o brasilUm projeto popular para o brasil
Um projeto popular para o brasil
Igor Bulhões
 
Lala deheinzelin site 1806
Lala deheinzelin site 1806Lala deheinzelin site 1806
Lala deheinzelin site 1806
Lala Deheinzelin
 
Lala deheinzelin site 190710
Lala deheinzelin site 190710Lala deheinzelin site 190710
Lala deheinzelin site 190710
Lala Deheinzelin
 
Autogestão e Casas Colaborativas
Autogestão e Casas ColaborativasAutogestão e Casas Colaborativas
Autogestão e Casas Colaborativas
Rafael Perez
 

Semelhante a Design expansivo: pensar o possível para fazer o impossível (20)

Design Ontológico Crítico
Design Ontológico CríticoDesign Ontológico Crítico
Design Ontológico Crítico
 
Design for Good | Design & Pensamento Sistêmico
Design for Good | Design & Pensamento SistêmicoDesign for Good | Design & Pensamento Sistêmico
Design for Good | Design & Pensamento Sistêmico
 
Entrevista Catarse - Diego Teeberg
Entrevista Catarse - Diego TeebergEntrevista Catarse - Diego Teeberg
Entrevista Catarse - Diego Teeberg
 
Economia Criativa3.pptx
Economia Criativa3.pptxEconomia Criativa3.pptx
Economia Criativa3.pptx
 
A Guerra dos Conceitos
A Guerra dos ConceitosA Guerra dos Conceitos
A Guerra dos Conceitos
 
O que o desenho industrial pode fazer pelo país? (8a13)
O que o desenho industrial pode fazer pelo país? (8a13)O que o desenho industrial pode fazer pelo país? (8a13)
O que o desenho industrial pode fazer pelo país? (8a13)
 
Um projeto popular para o brasil
Um projeto popular para o brasilUm projeto popular para o brasil
Um projeto popular para o brasil
 
Criatividade Para O Sucesso
Criatividade Para O SucessoCriatividade Para O Sucesso
Criatividade Para O Sucesso
 
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumidaVest 2012 redação padrão fuvest resumida
Vest 2012 redação padrão fuvest resumida
 
Fight Gravity Book
Fight Gravity BookFight Gravity Book
Fight Gravity Book
 
Lala deheinzelin site 1806
Lala deheinzelin site 1806Lala deheinzelin site 1806
Lala deheinzelin site 1806
 
Lala deheinzelin site 190710
Lala deheinzelin site 190710Lala deheinzelin site 190710
Lala deheinzelin site 190710
 
Fluzz pilulas 58
Fluzz pilulas 58Fluzz pilulas 58
Fluzz pilulas 58
 
Frases Nepô 2015
Frases Nepô 2015Frases Nepô 2015
Frases Nepô 2015
 
Para entender a cocriação interativa
Para entender a cocriação interativaPara entender a cocriação interativa
Para entender a cocriação interativa
 
Texto Sobre a Cultura Maker - Fonte Internet.pdf
Texto Sobre a Cultura Maker - Fonte Internet.pdfTexto Sobre a Cultura Maker - Fonte Internet.pdf
Texto Sobre a Cultura Maker - Fonte Internet.pdf
 
2 utilização da retórica na publicidade
2 utilização da retórica na publicidade2 utilização da retórica na publicidade
2 utilização da retórica na publicidade
 
Os princípios da cocriação
Os princípios da cocriaçãoOs princípios da cocriação
Os princípios da cocriação
 
Slides de Aula III.pdf
Slides de Aula III.pdfSlides de Aula III.pdf
Slides de Aula III.pdf
 
Autogestão e Casas Colaborativas
Autogestão e Casas ColaborativasAutogestão e Casas Colaborativas
Autogestão e Casas Colaborativas
 

Mais de UTFPR

Diseño y la colonialidad del hacer
Diseño y la colonialidad del hacerDiseño y la colonialidad del hacer
Diseño y la colonialidad del hacer
UTFPR
 

Mais de UTFPR (20)

Cascading oppression in design
Cascading oppression in designCascading oppression in design
Cascading oppression in design
 
Inteligência artificial e o trabalho de design
Inteligência artificial e o trabalho de designInteligência artificial e o trabalho de design
Inteligência artificial e o trabalho de design
 
Expanding the design object
Expanding the design objectExpanding the design object
Expanding the design object
 
Creating possibilities for service design innovation
Creating possibilities for service design innovationCreating possibilities for service design innovation
Creating possibilities for service design innovation
 
Contradiction-driven design
Contradiction-driven designContradiction-driven design
Contradiction-driven design
 
Metacriatividade: criatividade sobre criatividade
Metacriatividade: criatividade sobre criatividadeMetacriatividade: criatividade sobre criatividade
Metacriatividade: criatividade sobre criatividade
 
Gestão do conhecimento na pesquisa de experiências
Gestão do conhecimento na pesquisa de experiênciasGestão do conhecimento na pesquisa de experiências
Gestão do conhecimento na pesquisa de experiências
 
Jogos Surrealistas e Inteligência Artificial
Jogos Surrealistas e Inteligência ArtificialJogos Surrealistas e Inteligência Artificial
Jogos Surrealistas e Inteligência Artificial
 
El hacer como quehacer: notas para un diseño libre
El hacer como quehacer: notas para un diseño libreEl hacer como quehacer: notas para un diseño libre
El hacer como quehacer: notas para un diseño libre
 
Expressando a posicionalidade do cria-corpo
Expressando a posicionalidade do cria-corpoExpressando a posicionalidade do cria-corpo
Expressando a posicionalidade do cria-corpo
 
Pensamento visual expansivo
Pensamento visual expansivoPensamento visual expansivo
Pensamento visual expansivo
 
O segredo da criatividade no design
O segredo da criatividade no designO segredo da criatividade no design
O segredo da criatividade no design
 
Making work visible in the theater of service design
Making work visible in the theater of service designMaking work visible in the theater of service design
Making work visible in the theater of service design
 
Can designers change systemic oppression?
Can designers change systemic oppression?Can designers change systemic oppression?
Can designers change systemic oppression?
 
Design contra opressão
Design contra opressãoDesign contra opressão
Design contra opressão
 
O papel da teoria na pesquisa de experiências
O papel da teoria na pesquisa de experiênciasO papel da teoria na pesquisa de experiências
O papel da teoria na pesquisa de experiências
 
Diseño y la colonialidad del hacer
Diseño y la colonialidad del hacerDiseño y la colonialidad del hacer
Diseño y la colonialidad del hacer
 
Problematizando a experiência do usuário (ExU)
Problematizando a experiência do usuário (ExU)Problematizando a experiência do usuário (ExU)
Problematizando a experiência do usuário (ExU)
 
Pesquisa bibliográfica de experiências (desk research)
Pesquisa bibliográfica de experiências (desk research)Pesquisa bibliográfica de experiências (desk research)
Pesquisa bibliográfica de experiências (desk research)
 
Ética Latino-Americana no Design de Serviços
Ética Latino-Americana no Design de ServiçosÉtica Latino-Americana no Design de Serviços
Ética Latino-Americana no Design de Serviços
 

Design expansivo: pensar o possível para fazer o impossível

  • 1. Design Expansivo: pensar o possível para fazer o impossível Frederick van Amstel @usabilidoido DADIN - UTFPR www.usabilidoido.com.br
  • 2. Muita gente diz por aí que criatividade é o mesmo que pensar fora da caixa ou fazer mais com menos.
  • 3. E se a caixa for o capitalismo e o material for o recurso humano? Seria possível pensar fora do capitalismo e fazer mais com ainda menos recursos humanos?
  • 4.
  • 5.
  • 6. Para pensar o fim do capitalismo e adiar o fim do mundo, é preciso produzir alter/nativas ao capitalismo.
  • 7. Designers são bons em produzir alter/nativas, mas às vezes, devido à colonialidade do fazer, acabam produzindo alter/gringas.
  • 8. Alter/gringas Midjourney: imagine/ sociedade utópica de design socialista brasileiro baseada em economia solidária, autogestão, desenvolvimento autônomo, agroecologia, tecnologia livre, educação popular, pessoas diversas
  • 9. Midjourney: imagine/ Brazilian socialist design utopic society based on solidarity economy, self-management, autonomous development, agroecology, libre technology, popular education, diverse people Alter/nativas
  • 10. Transformar alter/gringas em alter/nativas requer a curadoria e o improviso de uma inteligência artificial de carne e osso.
  • 11. Isso não é pensar fora da caixa e nem fazer mais com menos. Isso é metacriatividade.
  • 12. O realismo capitalista bloqueia o desenvolvimento da metacriatividade.
  • 14. Pensar fora da caixa significa pensar fora do cria-espaço, ou seja, fora do que é considerado possível.
  • 16. Por outro lado, fazer mais com menos significa restringir-se a algo menor do que é possível.
  • 18. O possível é uma construção histórica, por isso, é possível pensar o impossível para repensar o possível.
  • 20. Pensar fora da caixa significa também pensar fora do cria-corpo, fora de hábitos, fora de posições sociais, fora de lugar.
  • 21. O mito da caverna de Platão visava educar o cidadão sobre a possibilidade de pensar fora da prisão do seu cria-corpo.
  • 22. Quem é que tem o privilégio de pensar fora do cria-corpo, de forma abstrata e universal, tal como Platão sugere?
  • 23. O próprio Platão é claro! Platão acreditava que só os filósofos tinham liberdade suficiente para guiar a sociedade.
  • 24. O problema é que os desprivilegiados não conseguem sair da caverna apenas pensando. Eles precisam fazer uma saída pra poder sair.
  • 25. Os trabalhadores tiveram que fazer uma guerra para se livrar da alienação capitalista na Comuna de Paris, em 1871.
  • 26. De que adianta pensar fora da caixa se só é possível fazer algo dentro da caixa?
  • 27. Uma vez que um projeto dá certo, ele deixa um trajeto que condiciona os projetos subsequentes.
  • 28. Para desenvolver projetos alter/ nativos, é preciso considerar também trajetos alter/nativos, ou seja, as histórias de projetos cancelados e/ou esquecidos.
  • 29. O Brasil tem trajetos deixados por projetos anti-capitalistas, anti-racistas e anti-sexistas, como o Quilombo dos Palmares.
  • 30. Design especulativo no estilo futrô: recuperar os trajetos necessários para libertar os projetos oprimidos.
  • 31. Possível sem tensões Impossível devido a tensões Possível com tensões Ficção Projetual Ficção Científica Realidade
  • 32. Exemplo: Mockumentário especulativo A Crise do Tempo (2017) sobre as inteligências artificiais imperialistas que interferiram na política brasileira para provocar o golpe de Dilma Rousseff.
  • 33. O estilo futrô pensa dentro da caixa algo que está fora da caixa.
  • 34. Teatro-Fórum com estudantes de Design e Cultura na UTFPR (2019).
  • 35. Escrotiã é um projeto especulativo sobre igualdade de gênero na moda (Maceira et al 2019).
  • 36. Especular é interessante, mas para transformar a realidade é preciso nao só pensar diferente mas também fazer diferente.
  • 37. Exemplo: SURU’BA é um sistema de móveis modulares de código aberto para fazeres distribuídos (Dembinski & Tarran, 2022).
  • 38. O fazer dentro da caixa pode ser uma oportunidade para repensar a própria caixa. O fazer menos com mais pode ser uma oportunidade para repensar o capital.
  • 39. A Economia Solidária coloca o capitalismo contra a si próprio ao estabelecer limites de acumulação e de endividamento.
  • 40. O bem-viver (sumak kawsay), princípio básico da Economia Solidária, tem sua origem na economia indígena andina.
  • 41. O bem-viver se baseia em uma lógica de abundância e não de escassez de recursos (Jatobá, 2017).
  • 42. Repensar a caixa é o primeiro passo para refazer a caixa. Fazer menos com mais é o primeiro passo para repensar o capital.
  • 43. Pergunta norteadora suleadora do design expansivo: como expandir as caixas e os fazeres do design?
  • 44. Investigação da história da caixa: Onde a caixa do design de sobrancelhas surgiu? Quem construiu? Com que propósito?
  • 45. Revelando as caixas dentro da caixa: Quais são os padrões de beleza impostos pelo design de sobrancelhas?
  • 46. Identificando tensões nos limites da caixa: Porque isso pode e isso não pode? Porque isso desperta emoções fortes?
  • 47. Especulando mudanças qualitativas: E se olharmos para o que fazemos todo dia por uma outra perspectiva?
  • 48. A caixa começa a ser refeita e o fazer começa a ser desencaixotado a partir do tensionamento de seus limites.
  • 49. Frida Kahlo (1943) tensionou os limites da caixa do design de sobrancelhas junto com a caixa do comportamento da mulher.
  • 50. Mais recentemente, Sophia Hadjipanteli tensionou essa caixa com seu visual unibrow, pelo qual recebeu ameaças de morte.
  • 51. O design de sobrancelhas, junto com outros movimentos, expandiu a caixa e os fazeres do design.
  • 52. Alguns livros que discutem essa expansão. Os brasileiros estavam na frente dos gringos. 2012 2013 2014
  • 53. A caixa do design deixou de ser uma caixa preta e passou a ser uma caixa transparente para quem quisesse participar.
  • 54. A utilização de diversas caixas de ferramentas é uma das estratégias inclusivas do design expansivo.
  • 55. Cada caixa contém em si um cria-espaço em potencial.
  • 56. A sobreposição de cria-espaços já mapeados cria a oportunidade para produzir cria-espaços ainda não mapeados.
  • 57. A produção consciente de cria-espaços é fundamental para expandir a metacriatividade (Zukowski & Kosake, 2023).
  • 58. Nem todo projeto de fronteira é expansivo. "É preciso estar atento e forte", como diriam Caetano Veloso e Gal Costa, pois lá estão também projetos redutivos.
  • 59. Máquinas de projetar automáticas reduzem drasticamente o que pode ser design (Benefit Brow Genie App, 2015)
  • 60. A automação capitalista do trabalho de design faz o designer se tornar menos valioso e, portanto, passível de precarização.
  • 61. Refazer a caixa e repensar o capital requer coragem para enfrentar suas contradições internas e externas.
  • 62.
  • 63.
  • 64.
  • 65. Na práxis do design expansivo, o pensar é um meio para o fazer (fazer pelo pensar) e o fazer é um meio para o pensar (pensar pelo fazer). Nenhum deles é um fim em si mesmo.
  • 66. Como é possível que pessoas negras defendam um líder racista? Só fazendo uma teoria para pensar essa prática!
  • 67. O fim da práxis transformadora é transformar a realidade, ainda que isso pareça impossível.
  • 68. O Laboratório de Design contra Opressões (LADO) conduz experimentos de transformação da realidade através do design.
  • 69. Lá estão disponíveis abordagens, métodos e ferramentas para fazer Design Expansivo.
  • 70. Com essas ferramentas, é possível criar pontes entre o que é possível e o que é impossível.
  • 71. Design expansivo é pensar o possível para fazer o impossível, assumindo todas as contradições que isso implica.
  • 72. Obrigado e até breve! Frederick van Amstel @usabilidoido DADIN - UTFPR www.usabilidoido.com.br