SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 54
EXAMINANDO O FENÔMENO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER E
RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA SUA PROTEÇÃO
Sônia Maria Dall’Igna - Mestranda
Programa de Pós-Graduação em Tecnologias da Informação e Comunicação
Violência Doméstica
Qualquer mulher pode ser vítima da violência doméstica. Não
importa se ela é rica, pobre, branca ou negra; se vive no campo ou
na cidade, se é moderna ou antiquada; católica, evangélica, ateia
ou umbandista.
A única diferença é que as mulheres mais ricas conseguem esconder
melhor sua situação e têm mais recursos para tentar escapar da
violência.
A Invisibilidade da Violência Doméstica
 Cultura Religiosa
 Cultura Científica = Conhecimento Científico
 Filosofia Aristóteles: “ A mulher é um homem imperfeito”
 Historicidade da mulher enquanto propriedade privada
 O ciúmes e a mulher como propriedade privada
 Os homens não são naturalmente violentos, aprendem a ser!
 Cultura Popular
“Em problema de marido e mulher, ninguém mete a colher”
“Roupa suja se lava em casa”
A Luta das Mulheres
Os estereótipos
A luta pela igualdade de direito
As conquistas
O Direito ao voto (Constituição Federal de 1934)
Criação das Delegacias de Polícia de Defesa da Mulher (Lei
5.467/86)
Brasil: 407 DDM
RS: 22 DEAM’s
Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06)
Visibilidade do problema da violência doméstica
Conceito de Violência
Violência é um termo que deriva do latim violentia
significando vis, força e vigor, e em sentido amplo, é
qualquer comportamento ou conjunto de
comportamentos que visem causar dano a outra
pessoa, ser vivo ou objeto. Nega-se autonomia,
integridade física ou psicológica e mesmo a vida do
outro. É o uso excessivo da força, além do necessário
ou esperado.
Definições de Violência
 Violência contra a Mulher: é qualquer conduta – ação ou omissão – de
discriminação, agressão ou coerção, ocasionada pelo simples fato de vítima ser
mulher e que cause dano, morte, constrangimento, limitação, sofrimento físico,
sexual, moral, psicológico, social, político ou econômico ou perda patrimonial.
Essa violência pode acontecer tanto em espaços públicos como privados.
 Violência de Gênero: violência sofrida pelo fato de ser mulher, sem distinção de
raça, classe social, religião, idade ou qualquer outra condição, produto de um
sistema social que subordina o sexo feminino.
 Violência Doméstica – Art. 5º: quando ocorre em casa, no ambiente doméstico,
ou em uma relação de familiaridade, afetividade ou coabitação.
 Violência Familiar – Art. 5º: violência que ocorre dentro da família, ou seja, nas
relações entre os membros da comunidade familiar, formada por vínculos de
parentesco natural ou civil, por afinidade ou afetividade.
TIPOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER
VIOLÊNCIA FÍSICA: quando o agressor bate na mulher,
deixando marcas, hematomas, cortes, arranhões, manchas,
fraturas ou ainda a impede de sair de casa.
VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA: quando insinua a existência de
amantes, ofende a mulher ou seus familiares com
freqüência, desrespeita o seu trabalho, critica sua atuação
como mãe, fala mal do seu corpo, como também não deixa
se maquiar, cortar o cabelo e usar a roupa que gosta.
TIPOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER
VIOLÊNCIA SEXUAL: quando força relações sexuais com a
parceira, obrigando-a a praticar atos sexuais que não lhe
agradam, critica seu desempenho sexual e pratica sexo com
sadismo.
VIOLÊNCIA PATRIMONIAL: quando o agressor quebra
utensílios pessoais, rasga suas roupas, destrói ou esconde
seus documentos pessoais, profissionais ou mesmo fotos e
objeto de valor sentimental.
VIOLÊNCIA MORAL: entendida como qualquer conduta que
configure calúnia, injúria ou difamação
Ciclos da Violência
I. Tensão
Essa fase se caracteriza por agressões verbais, crise de ciúmes, destruição de
objetos e ameaças. A mulher procura acalmar o agressor, evitando
discussões, assim a mulher vai tornando-se mais submissa e
amedrontada. Em diversos momentos a mulher sente culpa e se acha
responsável pela situação de violência em que vive, quando não
procura relacionar a atitude violenta do parceiro com o cansaço, uso
de drogas e álcool.
II. Explosão
Essa fase é marcada por agressões verbais e físicas graves e constantes,
provocando ansiedade e medo crescente. Essa etapa é mais aguda e
costuma ser mais rápida que a primeira etapa.
III. Lua de Mel
Depois da violência física, o agressor costuma se mostrar arrependido,
sentindo culpa e remorso. O agressor jura nunca mais agir de forma
violenta e se mostra muito apaixonado, fazendo a mulher acreditar que
aquilo não vai mais acontecer.
Mitos sobre a violência doméstica
 A violência só acontece entre famílias de baixa renda e
pouca instrução;
 As mulheres provocam ou gostam da violência;
 Os agressores não conseguem controlar suas emoções;
 A violência doméstica vem de problemas com o álcool,
drogas ou doenças mentais;
 Para acabar com a violência basta proteger as vítimas e
punir os agressores;
Delegacias Especializadas
“... é um fato inegável que para boa parte da população
brasileira – principalmente a mais carente – a polícia é a face
mais exposta, ou melhor, tangível da institucionalidade
pública.
É a essa instituição que se recorre em razão de problemas
de naturezas diversas, quando se procura conhecer a lei e
encontrar um respaldo legal para a resolução de conflitos.”
Debert, Guita G.; Gregori, Maria Filomena, “As Delegacias Especiais de Polícia e o
Projeto Gênero e Cidadania”, in Correa, Mariza (org), Gênero e Cidadania, 2002.
p.10
Delegacias de Atendimento à
Mulher – DEAM’s
Em 2006 foi elaborada a Normatização Nacional para
funcionamento das Delegacias da Mulher
“As DEAMs são unidades especializadas da Polícia Civil para
atendimento especializado à mulher em situação de violência de
gênero.”
“As atividades das DEAMs têm caráter preventivo e repressivo,
devendo realizar ações de prevenção, apuração, investigação e
enquadramento legal, as quais devem ser pautadas no respeito
aos direitos humanos e nos princípios do Estado Democrático de
Direito.”
DEAM’s
“As mulheres devem ser as beneficiárias diretas das DEAMs,
tendo em vista a especialização dos serviços de segurança
pública prestados por esses equipamentos da Polícia Civil.
. Os policiais envolvidos no atendimento a essas mulheres devem
ter escuta atenta, profissional e observadora, de forma a propiciar
o rompimento do silêncio, do isolamento destas mulheres e, em
especial, dos atos de violência, aos quais estão submetidas.”
NORMA TÉCNICA DE PADRONIZAÇÃO DELEGACIAS ESPECIALIZADAS DE ATENDIMENTO
À MULHER – DEAMS
SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA
ESPECIAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília -
Violência é questão de saúde pública
Resolução da Organização Mundial de Saúde e da Organização
Pan-americana da Saúde de 29 de junho de 1993:
Considera a violência como uma questão de saúde
pública e recomenda aos governos que
estabeleçam política e planos nacionais de
prevenção controle da violência”.
Resolução da 49.a Assembléia Mundial de Saúde de maio de
1996:
Declara a violência uma prioridade de Saúde
Pública.
Dados da violência no Brasil
• A cada uma hora e meia uma mulher é vítima
de feminicídio no Brasil. Violência contra a
mulher: feminicídios no Brasil - Instituto de
Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) – 2013;
• 54% da população conhece uma mulher que já
foi agredida pelo parceiro! Violência contra a
mulher: Pesquisa Data Popular e Instituto
Patrícia Galvão;
• Em 68,8% dos atendimentos a mulheres
vítimas de violência, a agressão aconteceu na
residência da vítima.
Lei Maria da Penha
OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER
DIVISÃO DE ESTATÍSTICA
DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ESTRATÉGIA OPERACIONAL
Perfil dos femicídios
estudo 1º semestre 2015
Departamento de Gestão e Estratégia
Operacional
Divisão de Estatística
2015
Série Histórica Femicídio
Redução de 18,4% nos femicídios nesta série histórica
Dados do Fato
Femicídio 1º semestre de 2015
Dados do Fato
Femicídio 1º semestre de 2015
Dados do Fato
Local (%)
Femicídio 1º semestre de 2015
Dados da Vítima
Femicídio 1º semestre de 2015
Distribuição da população feminina do RS
Dados da Vítima
Femicídio 1º semestre de 2015
Dados da Vítima
relacionamento atual: companheiro, marido, noivo,
namorado, relação extra conjugal
relacionamento anterior: ex-companheiro, ex-marido
relacionamento familiar: mãe, padrasto, filho, primo
Femicídio 1º semestre de 2015
Dados da Vítima
Femicídio 1º semestre de 2015
Morte com Medidas Protetivas de Urgência solicitadas
Dados do Agressor
cor/raça autores (%)
Femicídio 1º semestre de 2015
Distribuição da população masculina do RS
Dados do Agressor
Femicídio 1º semestre de 2015
Femicídio 1º semestre de 2015 Dados do Agressor
Dados do Agressor
Femicídio 1º semestre de 2015
Aplicativos de prevenção à
violência existentes
• Dados da Organização das Nações Unidas
(ONU) apontam que uma em cada três
mulheres no mundo é vítima de violência. As
tecnologias digitais, como meios de acesso à
informação, podem ajudar essas vítimas a se
protegerem.
• 6 aplicativos e sites que contribuem para o
combate à violência contra a mulher:
APLICATIVO DA ANISTIA
INTERNACIONAL
 APLICATIVO TRANSFORMA O
SMARTPHONE EM UM BOTÃO DO
PÂNICO
 Pensando na segurança de ativistas e
jornalistas que frequentemente se encontram
em situações de vulnerabilidade, a Anistia
Internacional criou um aplicativo que funciona
como um alarme discreto. Ele também serve
para cidadãos comuns que se vejam em uma
situação de perigo ou violência.
Botão do Pânico - SOS
 COMO FUNCIONA?
 A grande vantagem é que basta ter o aplicativo
instalado, ele não precisa ser ativado. Basta que o
usuário aperte rapidamente o botão de liga-desliga
para que um alerta seja disparado para três contatos
selecionados, tornando o pedido de ajuda bastante
discreto.
 OBJETIVOS
 Este aplicativo da Anistia Internacional nasceu com o
objetivo de garantir a segurança de ativistas e
jornalistas, mas também serve para outros indivíduos
em situação de vulnerabilidade denunciarem sua
localização e pedir ajuda.
QUEM PODE USAR?
 QUEM PODE PARTICIPAR?
 Qualquer pessoa que possua um celular com
sistema operacional Android.
 COMO POSSO ME ENGAJAR?
 Baixando o aplicativo no Google Play e/ou
compartilhando com amigos e familiares que
possam se interessar pela iniciativa.
 IDEALIZADOR
 Anistia Internacional
Clique 180
Agentto
• O aplicativo Agentto é um sistema de alarme
conectado a uma rede de confiança formada
por 12 pessoas selecionadas pela usuária. O
aplicativo permite informar quando algo de
errado está acontecendo. Há espaço para a
criação de comunidades reunindo grupos
específicos. Está disponível para Android e
IOS.
Lei Maria da Penha
Circle of 6
• Com o slogan “um aplicativo que previne a violência
antes que aconteça,” o Circle of 6 permite escolher
seis pessoas em seu círculo de amigos. Se você
estiver perdida e precisa de uma carona ou não sabe
onde está, você toca no ícone do aplicativo e ele envia
um texto para o seu círculo com a sua localização
GPS. Caso você esteja em um encontro
desconfortável: o aplicativo pode enviar uma
mensagem para o seu círculo e alertá-las para ligar
para você, te salvando da roubada. Este aplicativo
está disponível para dispositivos da Apple.
Chega de fiu-fiu
• O mapa Chega de fiu-fiu é uma plataforma
colaborativa que permite mapear os pontos de
risco para mulheres de todo o Brasil. Lá é
possível compartilhar anonimamente pontos
onde se sofreu violência. O aplicativo conta
com as seguintes categorias: assédio verbal,
assédio físico, ameaça, intimidação (stalking),
atentado ao pudor, estupro, violência
doméstica e exploração sexual.
Chega de fiu-fiu
SOS Mulher
• Para denunciar a violência doméstica, o
Estado da Paraíba desenvolveu o aplicativo
SOS Mulher, para que mulheres em situação
de risco tenham um mecanismo de denúncia.
Quando acionado, o aplicativo manda um sinal
para o Centro Integrado de Operações
Policiais (Ciop), que envia uma viatura para
verificar a situação. No estado, o aplicativo
'S.O.S Mulher' se soma aos atendimentos
psicossocial, acompanhamento jurídico e casa
abrigo.
SOS Mulher (2)
• O segundo aplicativo de nome SOS Mulher
(Espírito Santo) tem o objetivo de facilitar o
acesso á informação sobre os mecanismos de
defesa contra a violência contra a mulher. A
ferramenta tem um geolocalizador, que permite
detectar onde a usuária se encontra e mostra
os serviços de apoio disponíveis ao redor. O
aplicativo também conta com instruções para
encaminhar a mulher aos órgãos de apoio,
onde ela poderá fazer denúncias de violências
por ela sofridas.
PLP 2.0
• O aplicativo PLP 2.0 tem o objetivo de facilitar
o socorro a mulheres de todo o Brasil. A
ferramenta está conectada a uma rede de
cinco contatos da usuária e a entidades
públicas e privadas. O projeto é a extensão do
programa Promotoras Legais Populares, que
já funciona no Rio Grande do Sul, em parceria
com o Tribunal de Justiça do Estado. A
ferramenta foi desenvolvida pelas ONGs
brasileiras Instituto Géledes e THEMIS
Gênero, Justiça e Direitos Humanos.
Como diminuir as mortes por
violência doméstica
• PLP 2.0 - Plataforma de auxílio ao
enfrentamento a violência doméstica;
• Instrumento de acesso fácil à rede de serviços
e à informação sobre violência doméstica;
• Disponível a todas as mulheres, possibilitando
àquelas que possuem medida protetiva
expedida pela justiça um rápido atendimento
em caso de necessidade.
Como funcionará:
• O aplicativo estará disponível no Google Play para download:
• A usuária poderá cadastrar cinco pessoas para serem avisadas,
além da autoridade policial, em casos de emergência;
• Em tentativas de agressões, o alerta do aplicativo deverá ser
acionado;
• A partir da ativação, o PLP 2.0 funciona em quatro frentes:
1 - Aciona a autoridade policial sobre o fato;
2 - Envia um SMS às outras cinco pessoas cadastradas no
aplicativo;
3 - Fornece, tanto à rede policial quanto à social, a geolocalização
da vítima;
4 - Aciona os dispositivos de vídeo e áudio para gravar o ocorrido.
• O aplicativo também terá informações sobre a Lei Maria da Penha.
Operacionalidade:
• Tecnologia Social (Promotoras Legais
Populares - PLPs) + Tecnologia Digital
(aplicativo) = Rede de proteção mais forte e
eficiente;
• Quem são as PLPs?
Lideranças comunitárias femininas capacitadas
em noções dos Direitos básicos de cidadania e
dos direitos humanos das mulheres.
“A violência, seja qual for a maneira como ela
se manifesta, é sempre uma derrota.”
Jean-Paul Sartre
Del. Sônia Maria Dall’Igna Mestranda em Tecnologias da Informação e Comunicação
Programa de Pós-Graduação em Tecnologias da Informação e Comunicação

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a Recursos tecnológicos para proteção de mulheres contra violência

Slide SI - Violência Contra A Mulher.pptx
Slide SI - Violência Contra A Mulher.pptxSlide SI - Violência Contra A Mulher.pptx
Slide SI - Violência Contra A Mulher.pptxsamuel7gonsalvestele
 
Slides_violência/monarquia
Slides_violência/monarquiaSlides_violência/monarquia
Slides_violência/monarquiaGIFTEVERYWHERE
 
TCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulherTCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulherMarcia Oliveira
 
TCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulher TCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulher Marcia Oliveira
 
Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02
Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02
Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02Crislaine Matozinhos
 
Diversidade, cultura e direitos
Diversidade, cultura e direitosDiversidade, cultura e direitos
Diversidade, cultura e direitosAndréa Kochhann
 
Violência conjugal - formação
Violência conjugal - formaçãoViolência conjugal - formação
Violência conjugal - formaçãoHelena Rocha
 
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIVDireitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIVMovimentoMulher360
 
Segundo Power Point
Segundo Power PointSegundo Power Point
Segundo Power Pointguest0b5b5e
 
Slides-Campanha-16-Dias-de-Ativismo-2022.pptx
Slides-Campanha-16-Dias-de-Ativismo-2022.pptxSlides-Campanha-16-Dias-de-Ativismo-2022.pptx
Slides-Campanha-16-Dias-de-Ativismo-2022.pptxQuintoDiogenes1
 
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptxViolencia contra mulher e recursos tecnologias.pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptxRuanPinheiro6
 

Semelhante a Recursos tecnológicos para proteção de mulheres contra violência (20)

Slide SI - Violência Contra A Mulher.pptx
Slide SI - Violência Contra A Mulher.pptxSlide SI - Violência Contra A Mulher.pptx
Slide SI - Violência Contra A Mulher.pptx
 
Slides_violência/monarquia
Slides_violência/monarquiaSlides_violência/monarquia
Slides_violência/monarquia
 
Trabalho
TrabalhoTrabalho
Trabalho
 
Violência contra mulher -
Violência contra mulher - Violência contra mulher -
Violência contra mulher -
 
TCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulherTCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulher
 
TCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulher TCF sobre Violência contra a mulher
TCF sobre Violência contra a mulher
 
Violência contra mulher
Violência contra mulherViolência contra mulher
Violência contra mulher
 
Cartilha Mulheres vocês têm direitos
Cartilha Mulheres vocês têm direitosCartilha Mulheres vocês têm direitos
Cartilha Mulheres vocês têm direitos
 
Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02
Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02
Violnciadomstica anagmeasandraalline-111213233321-phpapp02
 
Agosto Lilás.pptx
Agosto Lilás.pptxAgosto Lilás.pptx
Agosto Lilás.pptx
 
Diversidade, cultura e direitos
Diversidade, cultura e direitosDiversidade, cultura e direitos
Diversidade, cultura e direitos
 
Violência conjugal - formação
Violência conjugal - formaçãoViolência conjugal - formação
Violência conjugal - formação
 
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIVDireitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
Direitos da mulher - Prevenção à violência e ao HIV
 
DiadaMulher.pptx
DiadaMulher.pptxDiadaMulher.pptx
DiadaMulher.pptx
 
Segundo Power Point
Segundo Power PointSegundo Power Point
Segundo Power Point
 
Palestra femicídio guarapuava_2014
Palestra femicídio guarapuava_2014Palestra femicídio guarapuava_2014
Palestra femicídio guarapuava_2014
 
Slides-Campanha-16-Dias-de-Ativismo-2022.pptx
Slides-Campanha-16-Dias-de-Ativismo-2022.pptxSlides-Campanha-16-Dias-de-Ativismo-2022.pptx
Slides-Campanha-16-Dias-de-Ativismo-2022.pptx
 
Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!
Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!
Cartilha Violência Doméstica - Não se Cale!
 
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptxViolencia contra mulher e recursos tecnologias.pptx
Violencia contra mulher e recursos tecnologias.pptx
 
APRESENTAÇÃO SAÚDE
APRESENTAÇÃO SAÚDEAPRESENTAÇÃO SAÚDE
APRESENTAÇÃO SAÚDE
 

Mais de tatianesouza923757

interdisciplinar_2o_ano_de_14.06_a_30.06.21.pdf
interdisciplinar_2o_ano_de_14.06_a_30.06.21.pdfinterdisciplinar_2o_ano_de_14.06_a_30.06.21.pdf
interdisciplinar_2o_ano_de_14.06_a_30.06.21.pdftatianesouza923757
 
11_ Compreensão x Interpretação.pdf
11_ Compreensão x Interpretação.pdf11_ Compreensão x Interpretação.pdf
11_ Compreensão x Interpretação.pdftatianesouza923757
 
8_ Aula de advérbios (1).pptx
8_ Aula de advérbios (1).pptx8_ Aula de advérbios (1).pptx
8_ Aula de advérbios (1).pptxtatianesouza923757
 
10_noções de interpretação de texto.ppt
10_noções de interpretação de texto.ppt10_noções de interpretação de texto.ppt
10_noções de interpretação de texto.ppttatianesouza923757
 
16_ carta de reclamação.pptx
16_ carta de reclamação.pptx16_ carta de reclamação.pptx
16_ carta de reclamação.pptxtatianesouza923757
 
7-advrbios-150323211638-conversion-gate01.pdf
7-advrbios-150323211638-conversion-gate01.pdf7-advrbios-150323211638-conversion-gate01.pdf
7-advrbios-150323211638-conversion-gate01.pdftatianesouza923757
 
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdffunesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdftatianesouza923757
 
planopedaggicoroteirodeaula-140911095912-phpapp01.pdf
planopedaggicoroteirodeaula-140911095912-phpapp01.pdfplanopedaggicoroteirodeaula-140911095912-phpapp01.pdf
planopedaggicoroteirodeaula-140911095912-phpapp01.pdftatianesouza923757
 
attachment-121022192836-phpapp01.pdf
attachment-121022192836-phpapp01.pdfattachment-121022192836-phpapp01.pdf
attachment-121022192836-phpapp01.pdftatianesouza923757
 
tipologiatextual6-120613165325-phpapp01.pdf
tipologiatextual6-120613165325-phpapp01.pdftipologiatextual6-120613165325-phpapp01.pdf
tipologiatextual6-120613165325-phpapp01.pdftatianesouza923757
 
3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppt3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppttatianesouza923757
 
2_Aula frase-oracao-periodo.pptx
2_Aula frase-oracao-periodo.pptx2_Aula frase-oracao-periodo.pptx
2_Aula frase-oracao-periodo.pptxtatianesouza923757
 
4_Concordância_nominal e verbal.pptx
4_Concordância_nominal e verbal.pptx4_Concordância_nominal e verbal.pptx
4_Concordância_nominal e verbal.pptxtatianesouza923757
 

Mais de tatianesouza923757 (20)

interdisciplinar_2o_ano_de_14.06_a_30.06.21.pdf
interdisciplinar_2o_ano_de_14.06_a_30.06.21.pdfinterdisciplinar_2o_ano_de_14.06_a_30.06.21.pdf
interdisciplinar_2o_ano_de_14.06_a_30.06.21.pdf
 
11_ Compreensão x Interpretação.pdf
11_ Compreensão x Interpretação.pdf11_ Compreensão x Interpretação.pdf
11_ Compreensão x Interpretação.pdf
 
8_ Aula de advérbios (1).pptx
8_ Aula de advérbios (1).pptx8_ Aula de advérbios (1).pptx
8_ Aula de advérbios (1).pptx
 
10_noções de interpretação de texto.ppt
10_noções de interpretação de texto.ppt10_noções de interpretação de texto.ppt
10_noções de interpretação de texto.ppt
 
16_ carta de reclamação.pptx
16_ carta de reclamação.pptx16_ carta de reclamação.pptx
16_ carta de reclamação.pptx
 
15_ Aula email.pptx
15_ Aula email.pptx15_ Aula email.pptx
15_ Aula email.pptx
 
11_ Aula de Literatura.ppt
11_ Aula de Literatura.ppt11_ Aula de Literatura.ppt
11_ Aula de Literatura.ppt
 
Cumprimentos- Saudações.pdf
Cumprimentos- Saudações.pdfCumprimentos- Saudações.pdf
Cumprimentos- Saudações.pdf
 
7-advrbios-150323211638-conversion-gate01.pdf
7-advrbios-150323211638-conversion-gate01.pdf7-advrbios-150323211638-conversion-gate01.pdf
7-advrbios-150323211638-conversion-gate01.pdf
 
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdffunesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
funesdalinguagem-profbauru-140122181935-phpapp01.pdf
 
planopedaggicoroteirodeaula-140911095912-phpapp01.pdf
planopedaggicoroteirodeaula-140911095912-phpapp01.pdfplanopedaggicoroteirodeaula-140911095912-phpapp01.pdf
planopedaggicoroteirodeaula-140911095912-phpapp01.pdf
 
attachment-121022192836-phpapp01.pdf
attachment-121022192836-phpapp01.pdfattachment-121022192836-phpapp01.pdf
attachment-121022192836-phpapp01.pdf
 
tipologiatextual6-120613165325-phpapp01.pdf
tipologiatextual6-120613165325-phpapp01.pdftipologiatextual6-120613165325-phpapp01.pdf
tipologiatextual6-120613165325-phpapp01.pdf
 
3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppt3_Aula Coordenação e Período.ppt
3_Aula Coordenação e Período.ppt
 
2_Aula frase-oracao-periodo.pptx
2_Aula frase-oracao-periodo.pptx2_Aula frase-oracao-periodo.pptx
2_Aula frase-oracao-periodo.pptx
 
5_ Aula de pontuacao.ppt
5_ Aula de pontuacao.ppt5_ Aula de pontuacao.ppt
5_ Aula de pontuacao.ppt
 
4_Concordância_nominal e verbal.pptx
4_Concordância_nominal e verbal.pptx4_Concordância_nominal e verbal.pptx
4_Concordância_nominal e verbal.pptx
 
5_ Aula de vírgula.ppt
5_ Aula de vírgula.ppt5_ Aula de vírgula.ppt
5_ Aula de vírgula.ppt
 
4_Aula_Verbo.pptx
4_Aula_Verbo.pptx4_Aula_Verbo.pptx
4_Aula_Verbo.pptx
 
1_Aula de conto.pptx
1_Aula de conto.pptx1_Aula de conto.pptx
1_Aula de conto.pptx
 

Último

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveaulasgege
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalJacqueline Cerqueira
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 anoandrealeitetorres
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoMary Alvarenga
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxBiancaNogueira42
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfErasmo Portavoz
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxThye Oliver
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxIsabelaRafael2
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOMarcosViniciusLemesL
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduraAdryan Luiz
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 

Último (20)

Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chaveAula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
Aula - 2º Ano - Cultura e Sociedade - Conceitos-chave
 
Em tempo de Quaresma .
Em tempo de Quaresma                            .Em tempo de Quaresma                            .
Em tempo de Quaresma .
 
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem OrganizacionalGerenciando a Aprendizagem Organizacional
Gerenciando a Aprendizagem Organizacional
 
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A  galinha ruiva sequencia didatica 3 anoA  galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
A galinha ruiva sequencia didatica 3 ano
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu AbrigoAtividade com a letra da música Meu Abrigo
Atividade com a letra da música Meu Abrigo
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptxSlides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
Slides Lição 4, CPAD, Como se Conduzir na Caminhada, 2Tr24.pptx
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptxSlides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
Slides Lição 03, Central Gospel, O Arrebatamento, 1Tr24.pptx
 
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptxAula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
Aula 13 8º Ano Cap.04 Revolução Francesa.pptx
 
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdfO guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
O guia definitivo para conquistar a aprovação em concurso público.pdf
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO3_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptxDoutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
Doutrina Deus filho e Espírito Santo.pptx
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptxApostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
Apostila da CONQUISTA_ para o 6ANO_LP_UNI1.pptx
 
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANOInvestimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
Investimentos. EDUCAÇÃO FINANCEIRA 8º ANO
 
trabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditaduratrabalho wanda rocha ditadura
trabalho wanda rocha ditadura
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 

Recursos tecnológicos para proteção de mulheres contra violência

  • 1. EXAMINANDO O FENÔMENO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER E RECURSOS TECNOLÓGICOS PARA SUA PROTEÇÃO Sônia Maria Dall’Igna - Mestranda Programa de Pós-Graduação em Tecnologias da Informação e Comunicação
  • 2. Violência Doméstica Qualquer mulher pode ser vítima da violência doméstica. Não importa se ela é rica, pobre, branca ou negra; se vive no campo ou na cidade, se é moderna ou antiquada; católica, evangélica, ateia ou umbandista. A única diferença é que as mulheres mais ricas conseguem esconder melhor sua situação e têm mais recursos para tentar escapar da violência.
  • 3. A Invisibilidade da Violência Doméstica  Cultura Religiosa  Cultura Científica = Conhecimento Científico  Filosofia Aristóteles: “ A mulher é um homem imperfeito”  Historicidade da mulher enquanto propriedade privada  O ciúmes e a mulher como propriedade privada  Os homens não são naturalmente violentos, aprendem a ser!  Cultura Popular “Em problema de marido e mulher, ninguém mete a colher” “Roupa suja se lava em casa”
  • 4. A Luta das Mulheres Os estereótipos A luta pela igualdade de direito As conquistas O Direito ao voto (Constituição Federal de 1934) Criação das Delegacias de Polícia de Defesa da Mulher (Lei 5.467/86) Brasil: 407 DDM RS: 22 DEAM’s Lei Maria da Penha (Lei 11.340/06) Visibilidade do problema da violência doméstica
  • 5. Conceito de Violência Violência é um termo que deriva do latim violentia significando vis, força e vigor, e em sentido amplo, é qualquer comportamento ou conjunto de comportamentos que visem causar dano a outra pessoa, ser vivo ou objeto. Nega-se autonomia, integridade física ou psicológica e mesmo a vida do outro. É o uso excessivo da força, além do necessário ou esperado.
  • 6. Definições de Violência  Violência contra a Mulher: é qualquer conduta – ação ou omissão – de discriminação, agressão ou coerção, ocasionada pelo simples fato de vítima ser mulher e que cause dano, morte, constrangimento, limitação, sofrimento físico, sexual, moral, psicológico, social, político ou econômico ou perda patrimonial. Essa violência pode acontecer tanto em espaços públicos como privados.  Violência de Gênero: violência sofrida pelo fato de ser mulher, sem distinção de raça, classe social, religião, idade ou qualquer outra condição, produto de um sistema social que subordina o sexo feminino.  Violência Doméstica – Art. 5º: quando ocorre em casa, no ambiente doméstico, ou em uma relação de familiaridade, afetividade ou coabitação.  Violência Familiar – Art. 5º: violência que ocorre dentro da família, ou seja, nas relações entre os membros da comunidade familiar, formada por vínculos de parentesco natural ou civil, por afinidade ou afetividade.
  • 7. TIPOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA FÍSICA: quando o agressor bate na mulher, deixando marcas, hematomas, cortes, arranhões, manchas, fraturas ou ainda a impede de sair de casa. VIOLÊNCIA PSICOLÓGICA: quando insinua a existência de amantes, ofende a mulher ou seus familiares com freqüência, desrespeita o seu trabalho, critica sua atuação como mãe, fala mal do seu corpo, como também não deixa se maquiar, cortar o cabelo e usar a roupa que gosta.
  • 8. TIPOS DE VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER VIOLÊNCIA SEXUAL: quando força relações sexuais com a parceira, obrigando-a a praticar atos sexuais que não lhe agradam, critica seu desempenho sexual e pratica sexo com sadismo. VIOLÊNCIA PATRIMONIAL: quando o agressor quebra utensílios pessoais, rasga suas roupas, destrói ou esconde seus documentos pessoais, profissionais ou mesmo fotos e objeto de valor sentimental. VIOLÊNCIA MORAL: entendida como qualquer conduta que configure calúnia, injúria ou difamação
  • 9. Ciclos da Violência I. Tensão Essa fase se caracteriza por agressões verbais, crise de ciúmes, destruição de objetos e ameaças. A mulher procura acalmar o agressor, evitando discussões, assim a mulher vai tornando-se mais submissa e amedrontada. Em diversos momentos a mulher sente culpa e se acha responsável pela situação de violência em que vive, quando não procura relacionar a atitude violenta do parceiro com o cansaço, uso de drogas e álcool. II. Explosão Essa fase é marcada por agressões verbais e físicas graves e constantes, provocando ansiedade e medo crescente. Essa etapa é mais aguda e costuma ser mais rápida que a primeira etapa. III. Lua de Mel Depois da violência física, o agressor costuma se mostrar arrependido, sentindo culpa e remorso. O agressor jura nunca mais agir de forma violenta e se mostra muito apaixonado, fazendo a mulher acreditar que aquilo não vai mais acontecer.
  • 10. Mitos sobre a violência doméstica  A violência só acontece entre famílias de baixa renda e pouca instrução;  As mulheres provocam ou gostam da violência;  Os agressores não conseguem controlar suas emoções;  A violência doméstica vem de problemas com o álcool, drogas ou doenças mentais;  Para acabar com a violência basta proteger as vítimas e punir os agressores;
  • 11. Delegacias Especializadas “... é um fato inegável que para boa parte da população brasileira – principalmente a mais carente – a polícia é a face mais exposta, ou melhor, tangível da institucionalidade pública. É a essa instituição que se recorre em razão de problemas de naturezas diversas, quando se procura conhecer a lei e encontrar um respaldo legal para a resolução de conflitos.” Debert, Guita G.; Gregori, Maria Filomena, “As Delegacias Especiais de Polícia e o Projeto Gênero e Cidadania”, in Correa, Mariza (org), Gênero e Cidadania, 2002. p.10
  • 12. Delegacias de Atendimento à Mulher – DEAM’s Em 2006 foi elaborada a Normatização Nacional para funcionamento das Delegacias da Mulher “As DEAMs são unidades especializadas da Polícia Civil para atendimento especializado à mulher em situação de violência de gênero.” “As atividades das DEAMs têm caráter preventivo e repressivo, devendo realizar ações de prevenção, apuração, investigação e enquadramento legal, as quais devem ser pautadas no respeito aos direitos humanos e nos princípios do Estado Democrático de Direito.”
  • 13. DEAM’s “As mulheres devem ser as beneficiárias diretas das DEAMs, tendo em vista a especialização dos serviços de segurança pública prestados por esses equipamentos da Polícia Civil. . Os policiais envolvidos no atendimento a essas mulheres devem ter escuta atenta, profissional e observadora, de forma a propiciar o rompimento do silêncio, do isolamento destas mulheres e, em especial, dos atos de violência, aos quais estão submetidas.” NORMA TÉCNICA DE PADRONIZAÇÃO DELEGACIAS ESPECIALIZADAS DE ATENDIMENTO À MULHER – DEAMS SECRETARIA NACIONAL DE SEGURANÇA PÚBLICA MINISTÉRIO DA JUSTIÇA SECRETARIA ESPECIAL DE POLÍTICAS PARA AS MULHERES PRESIDÊNCIA DA REPÚBLICA Brasília -
  • 14. Violência é questão de saúde pública Resolução da Organização Mundial de Saúde e da Organização Pan-americana da Saúde de 29 de junho de 1993: Considera a violência como uma questão de saúde pública e recomenda aos governos que estabeleçam política e planos nacionais de prevenção controle da violência”. Resolução da 49.a Assembléia Mundial de Saúde de maio de 1996: Declara a violência uma prioridade de Saúde Pública.
  • 15. Dados da violência no Brasil • A cada uma hora e meia uma mulher é vítima de feminicídio no Brasil. Violência contra a mulher: feminicídios no Brasil - Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (Ipea) – 2013; • 54% da população conhece uma mulher que já foi agredida pelo parceiro! Violência contra a mulher: Pesquisa Data Popular e Instituto Patrícia Galvão; • Em 68,8% dos atendimentos a mulheres vítimas de violência, a agressão aconteceu na residência da vítima.
  • 16. Lei Maria da Penha OBSERVATÓRIO DA VIOLÊNCIA CONTRA A MULHER DIVISÃO DE ESTATÍSTICA DEPARTAMENTO DE GESTÃO E ESTRATÉGIA OPERACIONAL Perfil dos femicídios estudo 1º semestre 2015
  • 17. Departamento de Gestão e Estratégia Operacional Divisão de Estatística 2015
  • 18. Série Histórica Femicídio Redução de 18,4% nos femicídios nesta série histórica
  • 19. Dados do Fato Femicídio 1º semestre de 2015
  • 20. Dados do Fato Femicídio 1º semestre de 2015
  • 21. Dados do Fato Local (%) Femicídio 1º semestre de 2015
  • 22. Dados da Vítima Femicídio 1º semestre de 2015
  • 23. Distribuição da população feminina do RS Dados da Vítima Femicídio 1º semestre de 2015
  • 24. Dados da Vítima relacionamento atual: companheiro, marido, noivo, namorado, relação extra conjugal relacionamento anterior: ex-companheiro, ex-marido relacionamento familiar: mãe, padrasto, filho, primo Femicídio 1º semestre de 2015
  • 25. Dados da Vítima Femicídio 1º semestre de 2015 Morte com Medidas Protetivas de Urgência solicitadas
  • 26. Dados do Agressor cor/raça autores (%) Femicídio 1º semestre de 2015 Distribuição da população masculina do RS
  • 27. Dados do Agressor Femicídio 1º semestre de 2015
  • 28. Femicídio 1º semestre de 2015 Dados do Agressor
  • 29. Dados do Agressor Femicídio 1º semestre de 2015
  • 30. Aplicativos de prevenção à violência existentes • Dados da Organização das Nações Unidas (ONU) apontam que uma em cada três mulheres no mundo é vítima de violência. As tecnologias digitais, como meios de acesso à informação, podem ajudar essas vítimas a se protegerem. • 6 aplicativos e sites que contribuem para o combate à violência contra a mulher:
  • 31. APLICATIVO DA ANISTIA INTERNACIONAL  APLICATIVO TRANSFORMA O SMARTPHONE EM UM BOTÃO DO PÂNICO  Pensando na segurança de ativistas e jornalistas que frequentemente se encontram em situações de vulnerabilidade, a Anistia Internacional criou um aplicativo que funciona como um alarme discreto. Ele também serve para cidadãos comuns que se vejam em uma situação de perigo ou violência.
  • 32. Botão do Pânico - SOS  COMO FUNCIONA?  A grande vantagem é que basta ter o aplicativo instalado, ele não precisa ser ativado. Basta que o usuário aperte rapidamente o botão de liga-desliga para que um alerta seja disparado para três contatos selecionados, tornando o pedido de ajuda bastante discreto.  OBJETIVOS  Este aplicativo da Anistia Internacional nasceu com o objetivo de garantir a segurança de ativistas e jornalistas, mas também serve para outros indivíduos em situação de vulnerabilidade denunciarem sua localização e pedir ajuda.
  • 33.
  • 34. QUEM PODE USAR?  QUEM PODE PARTICIPAR?  Qualquer pessoa que possua um celular com sistema operacional Android.  COMO POSSO ME ENGAJAR?  Baixando o aplicativo no Google Play e/ou compartilhando com amigos e familiares que possam se interessar pela iniciativa.  IDEALIZADOR  Anistia Internacional
  • 36. Agentto • O aplicativo Agentto é um sistema de alarme conectado a uma rede de confiança formada por 12 pessoas selecionadas pela usuária. O aplicativo permite informar quando algo de errado está acontecendo. Há espaço para a criação de comunidades reunindo grupos específicos. Está disponível para Android e IOS.
  • 37.
  • 38. Lei Maria da Penha
  • 39. Circle of 6 • Com o slogan “um aplicativo que previne a violência antes que aconteça,” o Circle of 6 permite escolher seis pessoas em seu círculo de amigos. Se você estiver perdida e precisa de uma carona ou não sabe onde está, você toca no ícone do aplicativo e ele envia um texto para o seu círculo com a sua localização GPS. Caso você esteja em um encontro desconfortável: o aplicativo pode enviar uma mensagem para o seu círculo e alertá-las para ligar para você, te salvando da roubada. Este aplicativo está disponível para dispositivos da Apple.
  • 40.
  • 41. Chega de fiu-fiu • O mapa Chega de fiu-fiu é uma plataforma colaborativa que permite mapear os pontos de risco para mulheres de todo o Brasil. Lá é possível compartilhar anonimamente pontos onde se sofreu violência. O aplicativo conta com as seguintes categorias: assédio verbal, assédio físico, ameaça, intimidação (stalking), atentado ao pudor, estupro, violência doméstica e exploração sexual.
  • 43. SOS Mulher • Para denunciar a violência doméstica, o Estado da Paraíba desenvolveu o aplicativo SOS Mulher, para que mulheres em situação de risco tenham um mecanismo de denúncia. Quando acionado, o aplicativo manda um sinal para o Centro Integrado de Operações Policiais (Ciop), que envia uma viatura para verificar a situação. No estado, o aplicativo 'S.O.S Mulher' se soma aos atendimentos psicossocial, acompanhamento jurídico e casa abrigo.
  • 44.
  • 45.
  • 46. SOS Mulher (2) • O segundo aplicativo de nome SOS Mulher (Espírito Santo) tem o objetivo de facilitar o acesso á informação sobre os mecanismos de defesa contra a violência contra a mulher. A ferramenta tem um geolocalizador, que permite detectar onde a usuária se encontra e mostra os serviços de apoio disponíveis ao redor. O aplicativo também conta com instruções para encaminhar a mulher aos órgãos de apoio, onde ela poderá fazer denúncias de violências por ela sofridas.
  • 47.
  • 48. PLP 2.0 • O aplicativo PLP 2.0 tem o objetivo de facilitar o socorro a mulheres de todo o Brasil. A ferramenta está conectada a uma rede de cinco contatos da usuária e a entidades públicas e privadas. O projeto é a extensão do programa Promotoras Legais Populares, que já funciona no Rio Grande do Sul, em parceria com o Tribunal de Justiça do Estado. A ferramenta foi desenvolvida pelas ONGs brasileiras Instituto Géledes e THEMIS Gênero, Justiça e Direitos Humanos.
  • 49.
  • 50. Como diminuir as mortes por violência doméstica • PLP 2.0 - Plataforma de auxílio ao enfrentamento a violência doméstica; • Instrumento de acesso fácil à rede de serviços e à informação sobre violência doméstica; • Disponível a todas as mulheres, possibilitando àquelas que possuem medida protetiva expedida pela justiça um rápido atendimento em caso de necessidade.
  • 51. Como funcionará: • O aplicativo estará disponível no Google Play para download: • A usuária poderá cadastrar cinco pessoas para serem avisadas, além da autoridade policial, em casos de emergência; • Em tentativas de agressões, o alerta do aplicativo deverá ser acionado; • A partir da ativação, o PLP 2.0 funciona em quatro frentes: 1 - Aciona a autoridade policial sobre o fato; 2 - Envia um SMS às outras cinco pessoas cadastradas no aplicativo; 3 - Fornece, tanto à rede policial quanto à social, a geolocalização da vítima; 4 - Aciona os dispositivos de vídeo e áudio para gravar o ocorrido. • O aplicativo também terá informações sobre a Lei Maria da Penha.
  • 52. Operacionalidade: • Tecnologia Social (Promotoras Legais Populares - PLPs) + Tecnologia Digital (aplicativo) = Rede de proteção mais forte e eficiente; • Quem são as PLPs? Lideranças comunitárias femininas capacitadas em noções dos Direitos básicos de cidadania e dos direitos humanos das mulheres.
  • 53.
  • 54. “A violência, seja qual for a maneira como ela se manifesta, é sempre uma derrota.” Jean-Paul Sartre Del. Sônia Maria Dall’Igna Mestranda em Tecnologias da Informação e Comunicação Programa de Pós-Graduação em Tecnologias da Informação e Comunicação