Trabalho

56 visualizações

Publicada em

Violencia contra mulher

Publicada em: Direito
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
56
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
0
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
3
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Trabalho

  1. 1.  Alicy, Evelin, Flavia, Mirelly, Stephany e Tayna.
  2. 2.  A violência contra mulher, não escolhe raça, idade ou condição social. As mulheres muitas vezes acabam se calando contra a violência recebida por eles, talvez por medo, vergonha ou até mesmo por dependência financeira.
  3. 3.  É qualquer ação ou conduta, baseada no gênero, que cause morte, dano ou sofrimento físico, sexual ou psicológico à mulher, tanto no âmbito público como no privado.
  4. 4.  Violência doméstica – acontece dentro de casa, entre pessoas com algum tipo de ligação permanente, seja familiar ou não.  Violência familiar – ocorre quando a mulher é agredida por parentes, companheiros ou ex- companheiros afetivos, mesmo que não tenham morado juntos.
  5. 5.  A Lei Maria da Penha apresenta, entre outras, cinco modalidades de violência doméstica e familiar contra a mulher - art. 5º:
  6. 6.  Qualquer forma de ofensa à integridade ou à saúde corporal da mulher. Exemplos: tapas, murros, beliscões, chutes, queimaduras, cárcere privado, mordida, torção, rasteira, empurrões, etc.
  7. 7.  Qualquer comportamento que cause dano emocional e diminuição da autoestima, que prejudique seu desenvolvimento como cidadã, que vise degradar ou controlar suas ações, seu comportamento, suas crenças e decisões, seja por uso de ameaça, constrangimento, humilhação, manipulação, isolamento, vigilância constante, perseguição, insulto, chantagem e outras formas de coação. Exemplos: xingamentos, ofensas, intimidação, desqualificação, utilização de filhos para chantagem, proibição de manter determinada amizade, de telefonar, isolamento de amigos e parentes, vigilância constante, criticas ao corpo ou desempenho sexual da parceira, chantagem, ameaças, discriminação, criação de situações constrangedoras no ambiente de trabalho da vítima, maus
  8. 8.  Qualquer atitude que obrigue a mulher a estar presente, manter ou participar de relação sexual não desejada, através de intimidação, ameaça, coação ou uso da força, ou, ainda, que a induza ou obrigue a utilizar sua sexualidade para fins comerciais contra sua vontade, ou a impeça de utilizar métodos contraceptivos; que a force ao casamento, ao aborto ou à prostituição.
  9. 9.  Qualquer comportamento que configure retenção indevida, subtração, destruição parcial ou total de seus pertences (objetos, instrumentos de trabalho, documentos pessoais, bens e dinheiro), para satisfação do desejo dos praticantes.
  10. 10.  Qualquer conduta que exponha a mulher à calúnia, difamação ou injúria. Espalhar mentiras humilhantes, publicar fotos eróticas na internet.
  11. 11.  Todos podem colaborar: amigos, parentes, vizinhos, professores, enfermeiros, agentes de saúde e religiosos. Se souber ou presenciar uma situação de violência, interfira positivamente: converse com a mulher ou denuncie à polícia. Se desejar, a denúncia será mantida no anonimato.
  12. 12.  A situação de violência envolve diversas pessoas, e cada uma delas pode ser ajudada de uma forma diferenciada.  A mulher vítima da violência – esclareça sobre as consequências da conduta do agressor, que até podem ser fatais. Exponha que esta situação pode prejudicar também a sua família, em especial seus filhos. Encoraje-a a denunciar o crime, lembrando que eventuais marcas pelo corpo deverão ser registradas pela perícia como prova do crime. Se necessário, acompanhe-a até um abrigo indicado pela autoridade ou oferecido por parentes e amigos.  Os filhos – É importante que as crianças e os adolescentes se sintam apoiados e seguros. Se você tiver acesso à professora, a um membro do Conselho Tutelar ou aos agentes da Ação Social do seu município, comunique o fato para que seja dada a assistência profissional necessária aos filhos.  O agressor – Mostre o mal que suas ações tem causado à educação dos filhos e à relação do casal. Tente descobrir a causa do problema, e se preciso, faça o encaminhamento a uma entidade de apoio psicológico, social ou de
  13. 13. Quando suas tentativas de apoio não dão certo, ou se você conhece o fato, mas não tem como ajudar diretamente, recolha os dados necessários e denuncie.  Ligue para o DISQUE 180 (específico para denúncias de violência contra a mulher) ou ainda o  DISQUE 190, quando o crime está acontecendo (flagrante). Para denunciar na Delegacia da Mulher, você precisará dos seguintes dados:  Nome completo dos envolvidos (agressor e vítima)  Endereço  Circunstâncias (dia, local e hora)  Descrição da conduta (conte com detalhes o que aconteceu)
  14. 14.  Aprovada por unanimidade pelo Congresso Nacional e assinada em 7 de agosto de 2006 pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva, a Lei nº 11.340/2006 – popularmente conhecida como Lei Maria da Penha – tornou-se o principal instrumento legal para coibir e punir a violência doméstica praticada contra mulheres no Brasil.  Em 2012, foi considerada pela Organização das Nações Unidas (ONU), a terceira melhor lei do mundo no combate à violência doméstica, perdendo apenas para Espanha e Chile.  Hoje 98% da população conhece a Lei Maria da Penha, segundo Pesquisa Data Popular/Instituto Patrícia Galvão, realizada pela Campanha Compromisso e Atitude com apoio da Secretaria de Políticas para as Mulheres da Presidência.
  15. 15. Obrigado pela atenção !!!

×