Helena Rocha
   Definir o conceito de Violência Conjugal   Principais factores que levam á Violência conjugal   Identificar os tipos...
“Por esta se entende toda a agressão (verbal,física e/ou sexual) exercida contra o/a cônjuge oucompanheiro/a com o intuito...
Factores de Risco:                         Más condições habitacionais                         Encarar a mulher como obj...
   Criticar negativamente atributos físicos ou    comportamentos;   Humilhar em público ou privado;   Difamar a vítima ...
   Empurrar, puxar o cabelo;   Estalos, murros, pontapés;   Apertar o pescoço;   Queimar a vítima;   Bater com a cabe...
   Forçar relações sexuais contra a vontade da vítima;   Forçar actos sexuais não desejados;   Obrigar a vítima a prati...
   Retirar o dinheiro (ordenado, subsídios e pensões);   Esconder a situação financeira do casal, negar o acesso    à co...
A violência doméstica funciona como um sistema circular – o chamado ciclo daviolência doméstica – que apresenta, regra ger...
Fase de Aumento de Tensão: A tensão do agressor aumentapor diversas razões e o seu comportamento torna-se bastanteagressiv...
   Baixa auto-estima   Vergonha, culpa   Ansiedade, angústia, raiva   Fobias/ataques de pânico   Depressão   Disfunç...
   Traumatismos resultantes das agressões   Dores crónicas   Cansaço crónico   Problemas ao nível da saúde reprodutiva...
Mitos                               Facto                               A violência doméstica ocorre em famílias          ...
Mitos                                   Facto                                Existem muitos factores que contribuem       ...
Mitos                          Facto                              Os maus tratos conjugais são                            ...
VÍTIMA:                            AGRESSOR:• Maioritariamente do sexo         • Essencialmente do sexofeminino           ...
Diagrama 1: factores que contribuem para a aceitação de uma relação violenta
III Plano Nacional Contra a Violência Doméstica                       2007-2010      O III Plano contra a Violência Domés...
III Plano Nacional Contra a Violência Doméstica                          2007-2010Prioridades e Orientações Estratégicas:I...
Autoridades regulares que recebem as queixas e asdenúncias:   • PSP – Polícia de Segurança Pública   • GNR – Guarda Nacion...
São estruturas de acolhimento residencial:             Temporário;             Prestam serviço gratuito;             Di...
CasasAbrigo
Violência conjugal - formação
Violência conjugal - formação
Violência conjugal - formação
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Violência conjugal - formação

886 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
886
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Violência conjugal - formação

  1. 1. Helena Rocha
  2. 2.  Definir o conceito de Violência Conjugal Principais factores que levam á Violência conjugal Identificar os tipos de violência Conjugal Identificar os principais mitos da violência Conjugal Identificar as principais Políticas Sociais para a prevenção e protecção da violência Conjugal
  3. 3. “Por esta se entende toda a agressão (verbal,física e/ou sexual) exercida contra o/a cônjuge oucompanheiro/a com o intuito de obter poder econtrolo sobre o mesmo.”
  4. 4. Factores de Risco: Más condições habitacionais Encarar a mulher como objecto GLOBALIZAÇÃO Desemprego Baixos rendimentos Alcoolismo Toxicodependência etc. FAMÍLIA MODERNA VIOLÊNCIASOCIEDADE DE CONJUGAL RISCO
  5. 5.  Criticar negativamente atributos físicos ou comportamentos; Humilhar em público ou privado; Difamar a vítima acusando-a de ser infiel; Insultar a vítima; Gritar de forma a meter medo á vítima; Perseguir a vítima na rua e ou trabalho; Destruir objectos de valor da vítima; Ameaçar ou maltratar familiares ou amigos da vítima; etc.
  6. 6.  Empurrar, puxar o cabelo; Estalos, murros, pontapés; Apertar o pescoço; Queimar a vítima; Bater com a cabeça da vítima na parede; Bofetadas; Cuspir; Bater com um objecto; Agredir com armas ou objectos (pau, régua, cinto, chicote, faca, etc.) Tentativas de homicídio…
  7. 7.  Forçar relações sexuais contra a vontade da vítima; Forçar actos sexuais não desejados; Obrigar a vítima a praticar ou assistir a actos sexuais com terceiros; Torturas sexuais; etc.
  8. 8.  Retirar o dinheiro (ordenado, subsídios e pensões); Esconder a situação financeira do casal, negar o acesso à conta bancária; Obrigar a pedir dinheiro e a prestar contas; Controlar as despesas (o que comprou, quanto gastou, o uso do carro, o uso do telefone); etc.
  9. 9. A violência doméstica funciona como um sistema circular – o chamado ciclo daviolência doméstica – que apresenta, regra geral, três fases:
  10. 10. Fase de Aumento de Tensão: A tensão do agressor aumentapor diversas razões e o seu comportamento torna-se bastanteagressivo e indiferente ao esforço da vítima em acalmá-lo. Narelação violenta o aumento de tensão leva quase sempre ao usode violência física e psicológica.Fase de Explosão: A violenta explosão ocorre no seguimento deum ataque de raiva, ou durante uma discussão. Estas explosõestendem a aumentar a intensidade com o passar dos anos.Fase de “Lua-de-mel”: Se a reconciliação ocorre o casal podepassar por momentos muito íntimos, onde nenhuma das partesrecordará a violência passada. O agressor pode sercomunicativo e responder às necessidades da vítima,acreditando na mudança deste. Infelizmente nas relaçõesviolentas o ciclo decisivamente continua, reaparecendo asrelações de controlo, aumentando a tensão dentro do casal einevitavelmente recrudesce a violência.
  11. 11.  Baixa auto-estima Vergonha, culpa Ansiedade, angústia, raiva Fobias/ataques de pânico Depressão Disfunções sexuais Confusão mental/dificuldade de concentração Perturbação do sono/alimentares Pensamentos suicidas
  12. 12.  Traumatismos resultantes das agressões Dores crónicas Cansaço crónico Problemas ao nível da saúde reprodutiva Lesões e doenças do foro ginecológico (doenças sexualmente transmissíveis) Suicídio, homicídio
  13. 13. Mitos Facto A violência doméstica ocorre em famílias de todos os meios sociais - com muitos”Os maus tratos só ou poucos recursos económicos, comacontecem em meios sociais níveis de escolaridade elevados oumais desfavorecidos.” baixos, etc. A violência conjugal não é um acto isolado de descontrolo, nem o álcool é”Ele no fundo não é mau… por si só um factor que a explique.quando bebe uns copitos fica Porque é que o agressor, regra geral,transtornado.” mesmo sendo alcoólico, só agride a mulher em vez de outras pessoas? O marido não tem o direito de maltratar a mulher quando discorda de alguma”Há mulheres que provocam atitude ou conduta desta. Nada justificaos maridos, não admira que os maus-tratos, os quais constituemeles se descontrolem.” crime nos termos da lei penal portuguesa.
  14. 14. Mitos Facto Existem muitos factores que contribuem para a permanência das mulheres em“A mulher sofre porque quer, se relações maltratantes – receio denão já o tinha deixado” represálias, desconhecimento dos seus direitos, falta de apoio, preocupação em relação ao futuro dos filhos. A violência conjugal causa sofrimento”Quanto mais me bates mais físico e psicológico, com impacto negativogosto de ti” para o bem-estar e a saúde das vítimas conduzindo no limite à sua morte. A violência conjugal também afecta os filhos/as. Estes, como vítimas directas ou como”A mulher maltratada nunca testemunhas das cenas de violência, tendem a desenvolver problemáticas físicas, emocionais,deve deixar o lar quando tem comportamentais e sociais. Para além destefilhos. É preciso aguentar para facto, uma mulher que seja vítima de violênciabem deles!” pode sempre sair de casa, dado este acto não ser considerado abandono de lar.
  15. 15. Mitos Facto Os maus tratos conjugais são um problema social e criminal“Entre marido e mulher não se que não pode se tolerado, constituindo um crime público.mete a colher ” Somos todos/as responsáveis e devemos denunciar tais situações.
  16. 16. VÍTIMA: AGRESSOR:• Maioritariamente do sexo • Essencialmente do sexofeminino masculino• Idades entre 26 e 45 anos • Idades entre 26 e 45 anos• Casada • Casado• Desempregada/empregada • Empregado nas indústriasem serviços domésticos extractivas e na construção• Cursos secundários ou • Sem dependências ousuperiores quando muito dependência do• Sem dependências álcool
  17. 17. Diagrama 1: factores que contribuem para a aceitação de uma relação violenta
  18. 18. III Plano Nacional Contra a Violência Doméstica 2007-2010 O III Plano contra a Violência Doméstica, tal como é definido no Programa do XVII Governo Constitucional (2005-2009), aponta claramente para uma consolidação de uma política de prevenção e combate à violência doméstica, através da promoção de uma cultura para a cidadania e para a igualdade, do reforço de campanhas de informação e de formação, e do apoio e acolhimento das vítimas numa lógica de reinserção e autonomia.
  19. 19. III Plano Nacional Contra a Violência Doméstica 2007-2010Prioridades e Orientações Estratégicas:I. Informar, Sensibilizar e Educar;II. Proteger as Vítimas e Prevenir a Revitimação;III. Capacitar e Reinserir as Vítimas de Violência Doméstica;IV. Qualificar os Profissionais;V. Aprofundar o conhecimento sobre o fenómeno da Violência Doméstica.
  20. 20. Autoridades regulares que recebem as queixas e asdenúncias: • PSP – Polícia de Segurança Pública • GNR – Guarda Nacional Republicana • PJ – Polícia Judiciária • Ministério Público • APAV- Associação Portuguesa de Apoio à Vítima • UMAR - União das Mulheres Alternativa e Resposta • AMCV – Associação de Mulheres Contra a Violência
  21. 21. São estruturas de acolhimento residencial: Temporário; Prestam serviço gratuito; Disponibilizam apoio social, psicológico e jurídico.A sua Existem perto de 30localização é Casas casas abrigo em Portugal.confidencial. Abrigo Surgem com a Lei nº 107/99 de 3 de Agosto.
  22. 22. CasasAbrigo

×