SlideShare uma empresa Scribd logo
Avaliação de
Interfaces:
Heurística e Teste
de Usabilidade
PROF. OZIEL NETO (OZIEL.NETO@GMAIL.COM)
TWITTER: @OZIELNETO
Roteiro
 Parte I
 Considerações Iniciais
 Classificação dos Métodos de Avaliação
 Parte II
 Avaliação Heurística
 Teste de Usabilidade
 Comparativo
 Referências Bibliográficas
2 - 57
Avaliação
 Coletar informações sobre um projeto ou
produto em relação a funcionalidade e
a interação;
 Estimativa do sucesso ou insucesso das
hipóteses do projetista sobre a solução
que está propondo;
 Envolve desde “o que você acha desta
idéia” até avaliações rigorosas
(experimentos em laboratório e
questionários em larga escala).
3 - 57
Avaliação
 Obtenção de interfaces com melhor
usabilidade;
 Garante melhores decisões de
projeto;
 Evita custos de fazer e distribuir
correções;
 Vantagens indiscutíveis: modificação
do projeto nas fases iniciais são
melhores que nas fases finais!
4 - 57
Por quê avaliar?
 Conhecer o que os usuários querem e
problemas que experimentam;
 Verificar se idéias estão de acordo
com as necessidades e os desejos dos
usuários;
 Responder dúvidas que surgem
durante o projeto e desenvolvimento.
5 - 57
Por quê avaliar?
 Verificar o sistema na situação real de
uso;
 Comparar alternativas de design;
 Marketing:
 comparação entre produtos (funcionalidade,
aceitação)
 Adequação a normas:
 produtos estão de acordo com padrões
específicos (exemplo ISO)?
6 - 57
O que avaliar?
 Funcionalidade do sistema
 qualidade da adequação aos problemas
do usuário;
 design permite que usuário efetue as
tarefas pretendidas de modo fácil e
eficiente;
 Usabilidade da interface
 qualidade da interação usuário/sistema;
 fácil aprender usar o sistema, uso
agradável e eficiente.
7 - 57
O que avaliar?
 Comunicabilidade
 qualidade da comunicação
projetista/usuário;
 interface expressa o modelo de
interação previsto pelos projetistas;
 Aprendizado do usuário
 conhecimento do usuário evolui
através da interação.
8 - 57
Quando?
 Deve ocorrer durante o ciclo de vida do sistema:
 resultados utilizados para melhorias gradativas da
interface.
 Nas primeiras fases:
 verificar compreensão dos projetistas sobre as
necessidades dos usuários (estudo de um sistema
existente);
 testar idéias (possibilidades de layout).
 Nas fases finais:
 identificar dificuldades do usuário;
 melhorar produto.
9 - 57
Tipos de Avaliação
 Formativa
 feita durante o processo de projeto e
desenvolvimento;
 permite identificar e consertar um problema de
interação antes que a aplicação seja
implementada ou terminada;
 uso de modelos, protótipos, storyboards.
 Somativa
 avaliar o produto já terminado;
 testar se produto está de acordo com o estilo
padrão da empresa.
10 -
57
Considerações
 Características dos usuários
 experiência, idade, gênero;
 Tipo de atividade a ser realizada
 atividades específicas controladas ou
livres, de acordo com a vontade do
usuário;
11 -
57
Considerações
Ambiente do estudo
laboratório, ambiente natural de trabalho
(estudo de campo);
Natureza do artefato
projeto gráfico não implementado, protótipo
em desenvolvimento, produto terminado.
12 -
57
Métodos e Técnicas de
Avaliação
 Envolvem:
 observação e monitoração das interações do
usuário;
 coleta de opiniões dos usuários;
 experimentos;
 interpretação de interações naturais;
 predição de usabilidade de um produto.
13 -
57
Métodos e Técnicas de
Avaliação
 Classificação (Rocha e Baranaukas, 2000)
 Inspeção de usabilidade
 Teste de usabilidade
 Experimento controlado
 Método interpretativo
14 -
57
Métodos e Técnicas de
Avaliação
 Classificação (Rocha e Baranaukas, 2000)
 Inspeção de usabilidade
 Teste de usabilidade
 Experimento controlado
 Método interpretativo
15 -
57
Inspeção de Usabilidade
 Conjunto de métodos baseados
em se ter avaliadores
inspecionando ou examinando
aspectos de usabilidade de uma
interface;
 Avaliadores:
 especialistas em usabilidade ou em
determinado padrão de interface,
consultores de software, usuários finais.
16 -
57
Inspeção de Usabilidade
 Visa encontrar problemas de
usabilidade no projeto de uma
interface e fazer recomendações
para eliminação destes problemas;
 Utiliza a habilidade e a experiência
de avaliadores;
 Pode ser aplicada em fases iniciais e
finais do projeto e desenvolvimento.
17 -
57
Inspeção de Usabilidade
 Métodos:
 Avaliação Heurística: uso de lista de heurísticas;
 Revisão de Guidelines: verificação da
conformidade com guidelines;
 Inspeção de Consistência: consistência dentro
de uma família de interfaces (terminologia, cores,
layout, formatos entrada/saída);
 Percurso Cognitivo (predição de uso):
análise do “caminho” percorrido na execução de
uma tarefa (modelagem psicológica); especialistas
revisam o sistema para predizer problemas que
usuários podem encontrar.
18 -
57
Métodos e Técnicas de
Avaliação
 Classificação (Rocha e Baranaukas, 2000)
 Inspeção de usabilidade
 Teste de usabilidade
 Experimento controlado
 Método interpretativo
19 -
57
Teste de Usabilidade
 Método centrado no usuário;
 Inclui
 Métodos experimentais ou empíricos;
 Métodos observacionais;
 Técnicas de questionamento.
 Necessária existência de uma
implementação real (simulação,
protótipo básico, cenário, implementação
completa).
20 -
57
Métodos e Técnicas de
Avaliação
 Classificação (Rocha e Baranaukas, 2000)
 Inspeção de usabilidade
 Teste de usabilidade
 Experimento controlado
 Método interpretativo
21 -
57
Experimento Controlado
 Envolve a execução de um bem
projetado experimento de
laboratório;
 Tem-se uma hipótese a ser testada e
variáveis de interesse devem ser
controladas;
 Uso de métodos estatísticos:
necessário conhecimento estatístico
para validação dos resultados.
22 -
57
Experimento Controlado
 Controle de variáveis em interações
complexas envolvendo humanos pode ser
difícil e de validade questionável;
 São feitos em laboratórios especialmente
construídos;
 Coleta de dados através de observação e
monitoramento;
 Avaliação rigorosa e dados coletados
analisados quantitativamente, de modo a
produzir métricas que guiem o projeto.
23 -
57
Experimento Controlado
 No planejamento, observar:
 propósito do experimento;
 o que se mantém constante, o que é alterado;
 hipótese (estabelecida de forma a ser testada);
 quais testes estatísticos e por que?
24 -
57
Experimento Controlado
 Exemplo:
 avaliação da eficiência relativa dos usuários utilizando teclas de
função ou menus num sistema de controle de processos
estabelecida em termos dos elementos comparados, constantes
(experiência dos usuários e tarefa de controle) e medidas de
performance (velocidade na execução dos comandos ou
percentual de erros).
25 -
57
Experimento Controlado
 Exemplo
 Hipótese possível
 Teclas de função são mais eficientes (produzem execução mais
rápida dos comandos);
 Grupos usarão duas interfaces;
 Significância estatística entre as diferenças serão determinadas.
26 -
57
Métodos e Técnicas de
Avaliação
 Classificação (Rocha e Baranauskas, 2000)
 Inspeção de usabilidade
 Teste de usabilidade
 Experimento controlado
 Método interpretativo
27 -
57
Método Interpretativo
 Objetiva proporcionar ao projetista um melhor
entendimento
 das condições naturais de trabalho do usuário;
 de como o uso do sistema se integra as outras
atividades do usuário.
28 -
57
Método Interpretativo
 Coleção de dados é informal
 deve causar pouca interferência ao
trabalho do usuário;
 participação do usuário na coleta,
análise e interpretação dos dados;
 formas de registro como vídeos e áudio
podem ser adotadas.
 Incluem avaliação participativa e
etnográfica (pesquisadores inseridos no
contexto de trabalho).
29 -
57
Qual método utilizar?
 Fatores determinantes:
 o que se deseja avaliar;
 etapa do desenvolvimento;
 disponibilidade de especialistas;
 ambiente e recursos necessários;
 tempo disponíveis para avaliação.
 Técnica ideal: misturar e adaptar
métodos.
30 -
57
Métodos e Técnicas de
Avaliação
Técnicas representativas:
Avaliação Heurística
Teste de Usabilidade
31 -
57
Avaliação Heurística
 Engenharia Econômica de Usabilidade proposta
por Nielsen (1989,1993);
 Envolve pequeno conjunto de avaliadores,
examinando a interface e julgando suas
características em face de reconhecidos
princípios de usabilidade (heurísticas).
32 -
57
Avaliação Heurística
 Heurística: regra geral que
descreve uma propriedade
comum em interfaces usáveis;
 Avaliadores, por experiência,
estudam e observam a interface;
 Não deve ser feita por um único
avaliador (3-5).
33 -
57
Avaliação Heurística
 Metodologia:
 feita, em primeiro momento,
individualmente;
 avaliadores percorrem a interface e
relatam problemas encontrados, junto
as heurísticas violadas;
 posteriormente, as listas de problemas
dos avaliadores são consolidadas;
 discussão final: equipe de
desenvolvimento e sugestões de re-
design.
34 -
57
Avaliação Heurística
 Avaliadores não estarão usando o
sistema de fato: interfaces não
implementadas;
 Resultado: lista de problemas de
usabilidade da interface com referências
aos princípios de usabilidade violados;
 Uso de heurísticas específicas:
derivadas da análise de produtos
similares e de resultados de uso (Ex.:
formulários).
35 -
57
Algumas Heurísticas (Nielsen,
1990/93)
 Diálogo simples e natural;
 Falar na linguagem do usuário;
 Minimizar a carga de memória do usuário;
 Ser consistente;
 Prover feedback;
 Saídas claras marcadas;
 Prover shortcuts;
 Mensagens de erro construtivas e precisas;
 Prevenir erros;
 Help e documentação.
36 -
57
Avaliação Heurística
 Diagnóstico de um problema associado
as heurísticas: possibilidades concretas
de re-design;
 Pode ser usada para avaliar a gravidade
de cada problema: atribuição de graus
de severidade;
 Método básico da engenharia da
usabilidade, relativamente fácil de ser
usado e aprendido.
37 -
57
Avaliação Heurística 38 -
57
Teste de Usabilidade
 Observação da interação de usuários no
mundo real ou sob condições controladas;
 Avaliadores coletam dados e verificam se a
interface suporta as tarefas do usuário;
 Importância do teste: impossibilidade do
projetista em prever o comportamento dos
usuários diante da interface;
 Ferramentas de registro: áudio, vídeo,
software para registro da interação, outras;
 Importante coleta da opinião do usuário.
39 -
57
Teste de Usabilidade
 Resultados práticos: testes têm acelerado
desenvolvimento e produzido redução de
custos;
 Vantagens (Matias, 1995):
 indicar reações dos usuários potenciais;
 mostrar os problemas e falhas no sistema;
 mostrar onde o sistema funciona bem;
 fornecer idéias ao projeto através das sugestões
dos usuários;
 fornecer meios para comparar múltiplos usuários;
 promover a participação do usuário.
40 -
57
Teste de Usabilidade
 Observação dos usuários:
 direta
 usuários podem ser observados diretamente em seu
local de trabalho;
 observador toma nota sobre o comportamento do
usuário, como seqüência de ações (escolher o que é
importante ser anotado);
 usuários podem alterar comportamento pelo fato de
estarem sendo observados;
41 -
57
Teste de Usabilidade
 Observação dos usuários:
 direta
 técnicas de anotação de dados podem ser utilizadas
ou desenvolvidas, do tipo checklist;
 para registro permanente, vídeo, áudio ou logging de
interação é necessário.
42 -
57
Teste de Usabilidade
 Observação dos usuários:
 indireta
 software logging:
coleta é automática e não
interfere no trabalho do usuário;
ferramentas disponíveis para
software logging;
tempo de digitação: grava
seqüência e os intervalos de
tempo.
43 -
57
Teste de Usabilidade
 Observação dos usuários:
 indireta
 vídeo:
 uso de diferentes câmeras;
 usuários têm noção de que estão
sendo filmados;
 reduzir impacto da presença da
câmera: coloca-la dias antes do início
das filmagens;
 análise é difícil e consome tempo;
 podem ser usados para convencer
gerentes e projetistas dos problemas no
sistema.
44 -
57
Teste de Usabilidade
 Coleta da opinião dos usuários:
 além da performance é importante saber
o que ele pensa sobre o uso que faz da
tecnologia;
 impressão dos usuários sobre o software;
 performance pode ser boa, mas usuário
não gostar do sistema;
 detalhes para os projetistas podem ser
desagradáveis ao usuário.
45 -
57
Teste de Usabilidade
 Coleta da opinião dos usuários:
 protocolo verbal: usuários “pensam
em voz alta”;
 usuários podem ver vídeos e
comentar sobre suas ações;
 dois usuários podem testar uma
interface e comentar;
 entrevistas e questionários podem ser
utilizados.
46 -
57
Teste de Usabilidade
 Entrevistas e questionários:
 dados de entrevistas: qualitativos;
 dados de questionários: quantitativos;
 questionários podem ser aplicados a um
grande número de pessoas, possibilitando a
obtenção de resultados estatisticamente
validados;
 questionário deve ser planejado de forma a
garantir que perguntas sejam relevantes às
questões analisadas.
47 -
57
Teste de Usabilidade
 Entrevistas e questionários:
 entrevistas flexíveis podem ser moldadas
se acordo com a reação dos
entrevistados (uso de um plano básico);
 entrevistado deve se sentir seguro e a
vontade: podem ter vergonha de criticar
o sistema;
 entrevistador responsável por criar um
clima agradável de conversação.
48 -
57
Teste de Usabilidade
 Entrevistas e questionários:
 questionários podem conter respostas
fechadas ou abertas;
 fechadas
 checklists (sim, não, não sei);
 escalas (muito útil ... Inútil; concordo
plenamente ... discordo plenamente);
 questionários devem ser breves;
 estudos pilotos: antes de distribuir um
questionário para 500 pessoas, distribuir
um rascunho para 20.
49 -
57
Teste de Usabilidade
 Testes realizados em laboratório;
 Problemas:
 limitações de tempo e de recursos;
 dificuldade em conseguir usuários representativos;
 contexto do trabalho dificilmente consegue ser
reproduzido;
 Saídas:
 testes remotos (tele-conferência);
 testes de campo: ambientes reais de uso (resposta do
usuário, logs, comandos usados, freqüência de acesso
ao help).
50 -
57
Teste de Usabilidade
 Plano detalhado de teste: objetivo, quando e
onde, duração, recursos necessários,
experimentadores, usuários, tarefas a serem
avaliadas;
 Etapas:
 Preparação dos recursos;
 Apresentação usuários as tarefas de teste;
 Teste (evitar auxiliar o usuário);
 Sessão final: usuários convidados a
comentar, sugerir e comentar ou
responder questionário;
51 -
57
Teste de Usabilidade
 Usuários:
 Representativos em relação aos usuários aos reais:
 se não forem usuário reais: características similares
(idade, conhecimento, experiência com sistema,
outras);
 evitar influências:
 Ex.: determinar um conjunto de ícones que é mais
rapidamente reconhecido por crianças entre 7 e 10
anos
 selecionar crianças que cubram todas as
idades;
 número igual de meninos e meninas;
 mesmo nível de experiência;
 notas escolares semelhantes.
52 -
57
Teste de Usabilidade
 Equipe experimentadores:
- conhecimento da aplicação e interface;
- saber lidar com problemas que afetem o teste;
- isenção na avaliação.
53 -
57
Teste de Usabilidade
 Comentar com usuário:
 importância do teste: melhorias na
interface;
 sistema é confidencial e resultados não
serão colocados publicamente;
 participação é voluntária (usuários tem
outras coisas para fazer);
 explicar gravações de vídeo ou áudio;
 informa-los dos objetivos do teste, tarefas
a serem realizadas e que podem ser livres
para abandonar o teste se assim
desejarem.
54 -
57
Comparativo
 Testes de laboratório são caros;
 Abordagem heurística proposta para
oferecer informação de usabilidade de
modo mais rápido e barato
 não substituem os testes: uso em conjunto;
 Avaliação heurística melhor quando
aplicada por especialistas em avaliação;
 permite avaliação global da interface, menor
custo, detecção de erros;
55 -
57
Comparativo
 Testes são mais eficazes, mas caros (50x);
 Avaliação heurística detectou mais
problemas ao custo mais baixo, mas
necessita de pessoas com conhecimento
e experiência para aplica-la (Jeffries);
 Não se pode afirmar qual o melhor
método: cada situação de projeto irá
requerer uma forma de avaliação.
56 -
57
Referências
 Rocha, Heloísa; Baranauskas, Maria. Design e
avaliação de interfaces humano-computador. São
Paulo, IME-USP, 2000 (Escola de Computação, 2000),
242 p.
 Matias, Márcio. Checklist: Uma ferramenta de
suporte à avaliação ergonômica de interfaces.
Florianópolis, 1995 (dissertação de mestrado).
 Souza, Clarisse; Leite, Jair; Prates, Raquel; Barbosa,
Simone. Projeto de Interfaces de Usuário:
Perspectivas Cognitivas e Semióticas. In: XIX
Congresso Nacional da Sociedade Brasileira de
Computação, 1999, Rio de Janeiro. Anais do XIX
Congresso Nacional da Sociedade Brasileira de
Computação;
 Material disponibilizado pela Profª Renata Vieira.
57 -
57
Avaliação de
Interfaces:
Heurística e Teste
de Usabilidade
PROF. OZIEL NETO (OZIEL.NETO@GMAIL.COM)
TWITTER: @OZIELNETO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Testes de Caixa Branca e Métricas de Código
Testes de Caixa Branca e Métricas de CódigoTestes de Caixa Branca e Métricas de Código
Testes de Caixa Branca e Métricas de Código
Aricelio Souza
 
Testes de software
Testes de softwareTestes de software
Testes de software
Fernando Palma
 
Introdução ao RUP
Introdução ao RUPIntrodução ao RUP
Introdução ao RUP
Igor Takenami
 
Capitulo 02 sommerville
Capitulo 02 sommervilleCapitulo 02 sommerville
Capitulo 02 sommerville
Fabricio Schlag
 
Eng.ª do Software - 4. Processos de software
Eng.ª do Software - 4. Processos de softwareEng.ª do Software - 4. Processos de software
Eng.ª do Software - 4. Processos de software
Manuel Menezes de Sequeira
 
Aplicação de Testes Caixa Branca / Preta. Métodos dos caminhos básicos ou cri...
Aplicação de Testes Caixa Branca / Preta. Métodos dos caminhos básicos ou cri...Aplicação de Testes Caixa Branca / Preta. Métodos dos caminhos básicos ou cri...
Aplicação de Testes Caixa Branca / Preta. Métodos dos caminhos básicos ou cri...
Stanley Araújo
 
Testes de software
Testes de softwareTestes de software
Testes de software
teste
 
Aula 6 - Prototipação de telas
Aula 6 - Prototipação de telasAula 6 - Prototipação de telas
Aula 6 - Prototipação de telas
Janynne Gomes
 
Rup e metodos ágies
Rup e metodos ágiesRup e metodos ágies
Rup e metodos ágies
Márcia Capellari
 
A disciplina Teste no RUP
A disciplina Teste no RUPA disciplina Teste no RUP
A disciplina Teste no RUP
tecprog2010
 
4 engenharia de software
4   engenharia de software4   engenharia de software
4 engenharia de software
Felipe Bugov
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Roberto Nunes
 
Processo Unificado(RUP)
Processo Unificado(RUP)Processo Unificado(RUP)
Processo Unificado(RUP)
elliando dias
 
Testes De Software - Uma Visão Geral
Testes De Software - Uma Visão GeralTestes De Software - Uma Visão Geral
Testes De Software - Uma Visão Geral
paulo peres
 
Scrum - conceitos iniciais
Scrum - conceitos iniciaisScrum - conceitos iniciais
Scrum - conceitos iniciais
Joeldson Costa Damasceno
 
Engenharia de Testes
Engenharia de TestesEngenharia de Testes
Engenharia de Testes
UFPA
 
[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software
[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software
[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software
Universidade Federal de Minas Gerais
 
Planejamento de Testes
Planejamento de TestesPlanejamento de Testes
Planejamento de Testes
elliando dias
 
Desenvolvimento Iterativo-Incremental
Desenvolvimento Iterativo-IncrementalDesenvolvimento Iterativo-Incremental
Desenvolvimento Iterativo-Incremental
Ruan Carvalho
 
Engenharia de software - Prototipo
Engenharia de software - PrototipoEngenharia de software - Prototipo
Engenharia de software - Prototipo
Danielle Alves Gonçalves
 

Mais procurados (20)

Testes de Caixa Branca e Métricas de Código
Testes de Caixa Branca e Métricas de CódigoTestes de Caixa Branca e Métricas de Código
Testes de Caixa Branca e Métricas de Código
 
Testes de software
Testes de softwareTestes de software
Testes de software
 
Introdução ao RUP
Introdução ao RUPIntrodução ao RUP
Introdução ao RUP
 
Capitulo 02 sommerville
Capitulo 02 sommervilleCapitulo 02 sommerville
Capitulo 02 sommerville
 
Eng.ª do Software - 4. Processos de software
Eng.ª do Software - 4. Processos de softwareEng.ª do Software - 4. Processos de software
Eng.ª do Software - 4. Processos de software
 
Aplicação de Testes Caixa Branca / Preta. Métodos dos caminhos básicos ou cri...
Aplicação de Testes Caixa Branca / Preta. Métodos dos caminhos básicos ou cri...Aplicação de Testes Caixa Branca / Preta. Métodos dos caminhos básicos ou cri...
Aplicação de Testes Caixa Branca / Preta. Métodos dos caminhos básicos ou cri...
 
Testes de software
Testes de softwareTestes de software
Testes de software
 
Aula 6 - Prototipação de telas
Aula 6 - Prototipação de telasAula 6 - Prototipação de telas
Aula 6 - Prototipação de telas
 
Rup e metodos ágies
Rup e metodos ágiesRup e metodos ágies
Rup e metodos ágies
 
A disciplina Teste no RUP
A disciplina Teste no RUPA disciplina Teste no RUP
A disciplina Teste no RUP
 
4 engenharia de software
4   engenharia de software4   engenharia de software
4 engenharia de software
 
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptxGerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
Gerenciamento da Qualidade de Software 4.pptx
 
Processo Unificado(RUP)
Processo Unificado(RUP)Processo Unificado(RUP)
Processo Unificado(RUP)
 
Testes De Software - Uma Visão Geral
Testes De Software - Uma Visão GeralTestes De Software - Uma Visão Geral
Testes De Software - Uma Visão Geral
 
Scrum - conceitos iniciais
Scrum - conceitos iniciaisScrum - conceitos iniciais
Scrum - conceitos iniciais
 
Engenharia de Testes
Engenharia de TestesEngenharia de Testes
Engenharia de Testes
 
[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software
[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software
[CEFETMG][ESw] Aula 2 - Processos de software
 
Planejamento de Testes
Planejamento de TestesPlanejamento de Testes
Planejamento de Testes
 
Desenvolvimento Iterativo-Incremental
Desenvolvimento Iterativo-IncrementalDesenvolvimento Iterativo-Incremental
Desenvolvimento Iterativo-Incremental
 
Engenharia de software - Prototipo
Engenharia de software - PrototipoEngenharia de software - Prototipo
Engenharia de software - Prototipo
 

Destaque

Metodo interpretativo
Metodo   interpretativoMetodo   interpretativo
Metodo interpretativo
Arnold Godinez Gamboa
 
Pré-Projeto de Pesquisa
Pré-Projeto de PesquisaPré-Projeto de Pesquisa
Pré-Projeto de Pesquisa
Vinícius Silva de Andrade
 
Usabilidade de Interfaces - Parte 1
Usabilidade de Interfaces - Parte 1Usabilidade de Interfaces - Parte 1
Usabilidade de Interfaces - Parte 1
Oziel Moreira Neto
 
Tecnicas publicitarias
Tecnicas publicitariasTecnicas publicitarias
Tecnicas publicitarias
vanesilva23
 
E:\métodos interpretativos
E:\métodos interpretativosE:\métodos interpretativos
E:\métodos interpretativos
lili76aburto
 
Metodologias e métodos de investigação
Metodologias e métodos de investigaçãoMetodologias e métodos de investigação
Metodologias e métodos de investigação
David Lamas
 
Aula - Interfaces e Estilos de Interação
Aula - Interfaces e Estilos de InteraçãoAula - Interfaces e Estilos de Interação
Aula - Interfaces e Estilos de Interação
Fabio Moura Pereira
 
Avaliação de Interface
Avaliação de InterfaceAvaliação de Interface
Avaliação de Interface
Claudio Diniz - Designer Gráfico
 
Metodologia da pesquisa em educação
Metodologia da pesquisa em educaçãoMetodologia da pesquisa em educação
Metodologia da pesquisa em educação
Magno Oliveira
 
Metodologias de investigação
Metodologias de investigaçãoMetodologias de investigação
Metodologias de investigação
Luis Pedro
 
Paradigmas interpretativo y sociocrítico
Paradigmas interpretativo y sociocríticoParadigmas interpretativo y sociocrítico
Paradigmas interpretativo y sociocrítico
rociogarciarr
 

Destaque (11)

Metodo interpretativo
Metodo   interpretativoMetodo   interpretativo
Metodo interpretativo
 
Pré-Projeto de Pesquisa
Pré-Projeto de PesquisaPré-Projeto de Pesquisa
Pré-Projeto de Pesquisa
 
Usabilidade de Interfaces - Parte 1
Usabilidade de Interfaces - Parte 1Usabilidade de Interfaces - Parte 1
Usabilidade de Interfaces - Parte 1
 
Tecnicas publicitarias
Tecnicas publicitariasTecnicas publicitarias
Tecnicas publicitarias
 
E:\métodos interpretativos
E:\métodos interpretativosE:\métodos interpretativos
E:\métodos interpretativos
 
Metodologias e métodos de investigação
Metodologias e métodos de investigaçãoMetodologias e métodos de investigação
Metodologias e métodos de investigação
 
Aula - Interfaces e Estilos de Interação
Aula - Interfaces e Estilos de InteraçãoAula - Interfaces e Estilos de Interação
Aula - Interfaces e Estilos de Interação
 
Avaliação de Interface
Avaliação de InterfaceAvaliação de Interface
Avaliação de Interface
 
Metodologia da pesquisa em educação
Metodologia da pesquisa em educaçãoMetodologia da pesquisa em educação
Metodologia da pesquisa em educação
 
Metodologias de investigação
Metodologias de investigaçãoMetodologias de investigação
Metodologias de investigação
 
Paradigmas interpretativo y sociocrítico
Paradigmas interpretativo y sociocríticoParadigmas interpretativo y sociocrítico
Paradigmas interpretativo y sociocrítico
 

Semelhante a Usabilidade de Interfaces - Parte 2

Avaliacao de Interfaces
Avaliacao de InterfacesAvaliacao de Interfaces
Avaliacao de Interfaces
aiadufmg
 
Unidade4
Unidade4Unidade4
Unidade4
Ricborges1
 
Palestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de UsabilidadePalestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de Usabilidade
Luiz Agner
 
Palestra - Heurísticas e Usabilidade
Palestra - Heurísticas e UsabilidadePalestra - Heurísticas e Usabilidade
Palestra - Heurísticas e Usabilidade
Luiz Agner
 
IHM - INTERFACE HOMEM MÁQUINA TESTE DE USABILIDADE
IHM - INTERFACE HOMEM MÁQUINA TESTE DE USABILIDADEIHM - INTERFACE HOMEM MÁQUINA TESTE DE USABILIDADE
IHM - INTERFACE HOMEM MÁQUINA TESTE DE USABILIDADE
FernandaRodriguesMac4
 
127290035 12-usabilidade-mai-2007
127290035 12-usabilidade-mai-2007127290035 12-usabilidade-mai-2007
127290035 12-usabilidade-mai-2007
Marco Guimarães
 
USABILIDADE
USABILIDADEUSABILIDADE
USABILIDADE
Andrea Dalforno
 
Case estágio - Proposta de interface para um módulo de estratégia do sistema ...
Case estágio - Proposta de interface para um módulo de estratégia do sistema ...Case estágio - Proposta de interface para um módulo de estratégia do sistema ...
Case estágio - Proposta de interface para um módulo de estratégia do sistema ...
Guilherme Ponce
 
Qual aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidade
Qual  aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidadeQual  aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidade
Qual aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidade
Rafael Lima
 
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuáriosAula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
André Constantino da Silva
 
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADE
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADEMÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADE
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADE
Andrea Dalforno
 
Visão de Testes de Software segundo o SWEBOK
Visão de Testes de Software segundo o SWEBOKVisão de Testes de Software segundo o SWEBOK
Visão de Testes de Software segundo o SWEBOK
Mário Pravato Junior
 
Aula 4 - Avaliação de Interface - Parte 1
Aula 4 -  Avaliação de Interface - Parte 1Aula 4 -  Avaliação de Interface - Parte 1
Aula 4 - Avaliação de Interface - Parte 1
André Constantino da Silva
 
Aula 01.ppt
Aula 01.pptAula 01.ppt
IHC - Abordagem geral, processos ou metodologia
IHC - Abordagem geral, processos ou metodologiaIHC - Abordagem geral, processos ou metodologia
IHC - Abordagem geral, processos ou metodologia
Ros Galabo, PhD
 
Técnicas de Análise Contextual - Livro de Walter Cybis
Técnicas de Análise Contextual - Livro de Walter CybisTécnicas de Análise Contextual - Livro de Walter Cybis
Técnicas de Análise Contextual - Livro de Walter Cybis
Luiz Agner
 
Testes de usabilidade
Testes de usabilidade Testes de usabilidade
Testes de usabilidade
Laís Berlatto
 
Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)
Carlos Henrique Martins da Silva
 
Teste de usabilidade
Teste de usabilidadeTeste de usabilidade
Teste de usabilidade
Eron Rodrigues Alves
 
Aula_4_e_5_-_RUP_Rapid_Unified_Process_Software_Engineering
Aula_4_e_5_-_RUP_Rapid_Unified_Process_Software_EngineeringAula_4_e_5_-_RUP_Rapid_Unified_Process_Software_Engineering
Aula_4_e_5_-_RUP_Rapid_Unified_Process_Software_Engineering
baitolakaike
 

Semelhante a Usabilidade de Interfaces - Parte 2 (20)

Avaliacao de Interfaces
Avaliacao de InterfacesAvaliacao de Interfaces
Avaliacao de Interfaces
 
Unidade4
Unidade4Unidade4
Unidade4
 
Palestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de UsabilidadePalestra - Testes de Usabilidade
Palestra - Testes de Usabilidade
 
Palestra - Heurísticas e Usabilidade
Palestra - Heurísticas e UsabilidadePalestra - Heurísticas e Usabilidade
Palestra - Heurísticas e Usabilidade
 
IHM - INTERFACE HOMEM MÁQUINA TESTE DE USABILIDADE
IHM - INTERFACE HOMEM MÁQUINA TESTE DE USABILIDADEIHM - INTERFACE HOMEM MÁQUINA TESTE DE USABILIDADE
IHM - INTERFACE HOMEM MÁQUINA TESTE DE USABILIDADE
 
127290035 12-usabilidade-mai-2007
127290035 12-usabilidade-mai-2007127290035 12-usabilidade-mai-2007
127290035 12-usabilidade-mai-2007
 
USABILIDADE
USABILIDADEUSABILIDADE
USABILIDADE
 
Case estágio - Proposta de interface para um módulo de estratégia do sistema ...
Case estágio - Proposta de interface para um módulo de estratégia do sistema ...Case estágio - Proposta de interface para um módulo de estratégia do sistema ...
Case estágio - Proposta de interface para um módulo de estratégia do sistema ...
 
Qual aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidade
Qual  aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidadeQual  aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidade
Qual aula_04__teste_e_inspecao_de_usabilidade
 
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuáriosAula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
Aula 5 -Avaliação de interfaces de usuário - testes com usuários
 
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADE
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADEMÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADE
MÉTODOS DE AVALIAÇÃO DA USABILIDADE
 
Visão de Testes de Software segundo o SWEBOK
Visão de Testes de Software segundo o SWEBOKVisão de Testes de Software segundo o SWEBOK
Visão de Testes de Software segundo o SWEBOK
 
Aula 4 - Avaliação de Interface - Parte 1
Aula 4 -  Avaliação de Interface - Parte 1Aula 4 -  Avaliação de Interface - Parte 1
Aula 4 - Avaliação de Interface - Parte 1
 
Aula 01.ppt
Aula 01.pptAula 01.ppt
Aula 01.ppt
 
IHC - Abordagem geral, processos ou metodologia
IHC - Abordagem geral, processos ou metodologiaIHC - Abordagem geral, processos ou metodologia
IHC - Abordagem geral, processos ou metodologia
 
Técnicas de Análise Contextual - Livro de Walter Cybis
Técnicas de Análise Contextual - Livro de Walter CybisTécnicas de Análise Contextual - Livro de Walter Cybis
Técnicas de Análise Contextual - Livro de Walter Cybis
 
Testes de usabilidade
Testes de usabilidade Testes de usabilidade
Testes de usabilidade
 
Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)Rational Unified Process (RUP)
Rational Unified Process (RUP)
 
Teste de usabilidade
Teste de usabilidadeTeste de usabilidade
Teste de usabilidade
 
Aula_4_e_5_-_RUP_Rapid_Unified_Process_Software_Engineering
Aula_4_e_5_-_RUP_Rapid_Unified_Process_Software_EngineeringAula_4_e_5_-_RUP_Rapid_Unified_Process_Software_Engineering
Aula_4_e_5_-_RUP_Rapid_Unified_Process_Software_Engineering
 

Mais de Oziel Moreira Neto

Linguagem de Programação Java para Iniciantes
Linguagem de Programação Java para IniciantesLinguagem de Programação Java para Iniciantes
Linguagem de Programação Java para Iniciantes
Oziel Moreira Neto
 
Usabilidade de Interfaces - Parte 3
Usabilidade de Interfaces - Parte 3Usabilidade de Interfaces - Parte 3
Usabilidade de Interfaces - Parte 3
Oziel Moreira Neto
 
Introdução aos Métodos Ágeis - Parte II
Introdução aos Métodos Ágeis - Parte IIIntrodução aos Métodos Ágeis - Parte II
Introdução aos Métodos Ágeis - Parte II
Oziel Moreira Neto
 
Trabalhando com Centro de Custo e Receita no FIT Business Suite (ADempiere)
Trabalhando com Centro de Custo e Receita no FIT Business Suite (ADempiere)Trabalhando com Centro de Custo e Receita no FIT Business Suite (ADempiere)
Trabalhando com Centro de Custo e Receita no FIT Business Suite (ADempiere)
Oziel Moreira Neto
 
Gestão Empresarial Integrada
Gestão Empresarial IntegradaGestão Empresarial Integrada
Gestão Empresarial Integrada
Oziel Moreira Neto
 
Boa Práticas no Desenvolvimento Java Enterprise
Boa Práticas no Desenvolvimento Java EnterpriseBoa Práticas no Desenvolvimento Java Enterprise
Boa Práticas no Desenvolvimento Java Enterprise
Oziel Moreira Neto
 
A Evolução da Arquitetura de Sistemas Corporativos
A Evolução da Arquitetura de Sistemas CorporativosA Evolução da Arquitetura de Sistemas Corporativos
A Evolução da Arquitetura de Sistemas Corporativos
Oziel Moreira Neto
 
The Evolution Of Enterprise Application Architecture
The Evolution Of Enterprise Application ArchitectureThe Evolution Of Enterprise Application Architecture
The Evolution Of Enterprise Application Architecture
Oziel Moreira Neto
 
Lpj i ads2_apresentacao_aulas
Lpj i ads2_apresentacao_aulasLpj i ads2_apresentacao_aulas
Lpj i ads2_apresentacao_aulas
Oziel Moreira Neto
 

Mais de Oziel Moreira Neto (9)

Linguagem de Programação Java para Iniciantes
Linguagem de Programação Java para IniciantesLinguagem de Programação Java para Iniciantes
Linguagem de Programação Java para Iniciantes
 
Usabilidade de Interfaces - Parte 3
Usabilidade de Interfaces - Parte 3Usabilidade de Interfaces - Parte 3
Usabilidade de Interfaces - Parte 3
 
Introdução aos Métodos Ágeis - Parte II
Introdução aos Métodos Ágeis - Parte IIIntrodução aos Métodos Ágeis - Parte II
Introdução aos Métodos Ágeis - Parte II
 
Trabalhando com Centro de Custo e Receita no FIT Business Suite (ADempiere)
Trabalhando com Centro de Custo e Receita no FIT Business Suite (ADempiere)Trabalhando com Centro de Custo e Receita no FIT Business Suite (ADempiere)
Trabalhando com Centro de Custo e Receita no FIT Business Suite (ADempiere)
 
Gestão Empresarial Integrada
Gestão Empresarial IntegradaGestão Empresarial Integrada
Gestão Empresarial Integrada
 
Boa Práticas no Desenvolvimento Java Enterprise
Boa Práticas no Desenvolvimento Java EnterpriseBoa Práticas no Desenvolvimento Java Enterprise
Boa Práticas no Desenvolvimento Java Enterprise
 
A Evolução da Arquitetura de Sistemas Corporativos
A Evolução da Arquitetura de Sistemas CorporativosA Evolução da Arquitetura de Sistemas Corporativos
A Evolução da Arquitetura de Sistemas Corporativos
 
The Evolution Of Enterprise Application Architecture
The Evolution Of Enterprise Application ArchitectureThe Evolution Of Enterprise Application Architecture
The Evolution Of Enterprise Application Architecture
 
Lpj i ads2_apresentacao_aulas
Lpj i ads2_apresentacao_aulasLpj i ads2_apresentacao_aulas
Lpj i ads2_apresentacao_aulas
 

Último

História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
TomasSousa7
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
joaovmp3
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
Faga1939
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
Momento da Informática
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
WELITONNOGUEIRA3
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Momento da Informática
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Danilo Pinotti
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
Momento da Informática
 

Último (8)

História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptxHistória da Rádio- 1936-1970 século XIX   .2.pptx
História da Rádio- 1936-1970 século XIX .2.pptx
 
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdfCertificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
Certificado Jornada Python Da Hashtag.pdf
 
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
PRODUÇÃO E CONSUMO DE ENERGIA DA PRÉ-HISTÓRIA À ERA CONTEMPORÂNEA E SUA EVOLU...
 
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdfTOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
TOO - TÉCNICAS DE ORIENTAÇÃO A OBJETOS aula 1.pdf
 
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdfManual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
Manual-de-Credenciamento ANATER 2023.pdf
 
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptxLogica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
Logica de Progamacao - Aula (1) (1).pptx
 
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas PráticasSegurança Digital Pessoal e Boas Práticas
Segurança Digital Pessoal e Boas Práticas
 
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdfDESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
DESENVOLVIMENTO DE SOFTWARE I_aula1-2.pdf
 

Usabilidade de Interfaces - Parte 2

  • 1. Avaliação de Interfaces: Heurística e Teste de Usabilidade PROF. OZIEL NETO (OZIEL.NETO@GMAIL.COM) TWITTER: @OZIELNETO
  • 2. Roteiro  Parte I  Considerações Iniciais  Classificação dos Métodos de Avaliação  Parte II  Avaliação Heurística  Teste de Usabilidade  Comparativo  Referências Bibliográficas 2 - 57
  • 3. Avaliação  Coletar informações sobre um projeto ou produto em relação a funcionalidade e a interação;  Estimativa do sucesso ou insucesso das hipóteses do projetista sobre a solução que está propondo;  Envolve desde “o que você acha desta idéia” até avaliações rigorosas (experimentos em laboratório e questionários em larga escala). 3 - 57
  • 4. Avaliação  Obtenção de interfaces com melhor usabilidade;  Garante melhores decisões de projeto;  Evita custos de fazer e distribuir correções;  Vantagens indiscutíveis: modificação do projeto nas fases iniciais são melhores que nas fases finais! 4 - 57
  • 5. Por quê avaliar?  Conhecer o que os usuários querem e problemas que experimentam;  Verificar se idéias estão de acordo com as necessidades e os desejos dos usuários;  Responder dúvidas que surgem durante o projeto e desenvolvimento. 5 - 57
  • 6. Por quê avaliar?  Verificar o sistema na situação real de uso;  Comparar alternativas de design;  Marketing:  comparação entre produtos (funcionalidade, aceitação)  Adequação a normas:  produtos estão de acordo com padrões específicos (exemplo ISO)? 6 - 57
  • 7. O que avaliar?  Funcionalidade do sistema  qualidade da adequação aos problemas do usuário;  design permite que usuário efetue as tarefas pretendidas de modo fácil e eficiente;  Usabilidade da interface  qualidade da interação usuário/sistema;  fácil aprender usar o sistema, uso agradável e eficiente. 7 - 57
  • 8. O que avaliar?  Comunicabilidade  qualidade da comunicação projetista/usuário;  interface expressa o modelo de interação previsto pelos projetistas;  Aprendizado do usuário  conhecimento do usuário evolui através da interação. 8 - 57
  • 9. Quando?  Deve ocorrer durante o ciclo de vida do sistema:  resultados utilizados para melhorias gradativas da interface.  Nas primeiras fases:  verificar compreensão dos projetistas sobre as necessidades dos usuários (estudo de um sistema existente);  testar idéias (possibilidades de layout).  Nas fases finais:  identificar dificuldades do usuário;  melhorar produto. 9 - 57
  • 10. Tipos de Avaliação  Formativa  feita durante o processo de projeto e desenvolvimento;  permite identificar e consertar um problema de interação antes que a aplicação seja implementada ou terminada;  uso de modelos, protótipos, storyboards.  Somativa  avaliar o produto já terminado;  testar se produto está de acordo com o estilo padrão da empresa. 10 - 57
  • 11. Considerações  Características dos usuários  experiência, idade, gênero;  Tipo de atividade a ser realizada  atividades específicas controladas ou livres, de acordo com a vontade do usuário; 11 - 57
  • 12. Considerações Ambiente do estudo laboratório, ambiente natural de trabalho (estudo de campo); Natureza do artefato projeto gráfico não implementado, protótipo em desenvolvimento, produto terminado. 12 - 57
  • 13. Métodos e Técnicas de Avaliação  Envolvem:  observação e monitoração das interações do usuário;  coleta de opiniões dos usuários;  experimentos;  interpretação de interações naturais;  predição de usabilidade de um produto. 13 - 57
  • 14. Métodos e Técnicas de Avaliação  Classificação (Rocha e Baranaukas, 2000)  Inspeção de usabilidade  Teste de usabilidade  Experimento controlado  Método interpretativo 14 - 57
  • 15. Métodos e Técnicas de Avaliação  Classificação (Rocha e Baranaukas, 2000)  Inspeção de usabilidade  Teste de usabilidade  Experimento controlado  Método interpretativo 15 - 57
  • 16. Inspeção de Usabilidade  Conjunto de métodos baseados em se ter avaliadores inspecionando ou examinando aspectos de usabilidade de uma interface;  Avaliadores:  especialistas em usabilidade ou em determinado padrão de interface, consultores de software, usuários finais. 16 - 57
  • 17. Inspeção de Usabilidade  Visa encontrar problemas de usabilidade no projeto de uma interface e fazer recomendações para eliminação destes problemas;  Utiliza a habilidade e a experiência de avaliadores;  Pode ser aplicada em fases iniciais e finais do projeto e desenvolvimento. 17 - 57
  • 18. Inspeção de Usabilidade  Métodos:  Avaliação Heurística: uso de lista de heurísticas;  Revisão de Guidelines: verificação da conformidade com guidelines;  Inspeção de Consistência: consistência dentro de uma família de interfaces (terminologia, cores, layout, formatos entrada/saída);  Percurso Cognitivo (predição de uso): análise do “caminho” percorrido na execução de uma tarefa (modelagem psicológica); especialistas revisam o sistema para predizer problemas que usuários podem encontrar. 18 - 57
  • 19. Métodos e Técnicas de Avaliação  Classificação (Rocha e Baranaukas, 2000)  Inspeção de usabilidade  Teste de usabilidade  Experimento controlado  Método interpretativo 19 - 57
  • 20. Teste de Usabilidade  Método centrado no usuário;  Inclui  Métodos experimentais ou empíricos;  Métodos observacionais;  Técnicas de questionamento.  Necessária existência de uma implementação real (simulação, protótipo básico, cenário, implementação completa). 20 - 57
  • 21. Métodos e Técnicas de Avaliação  Classificação (Rocha e Baranaukas, 2000)  Inspeção de usabilidade  Teste de usabilidade  Experimento controlado  Método interpretativo 21 - 57
  • 22. Experimento Controlado  Envolve a execução de um bem projetado experimento de laboratório;  Tem-se uma hipótese a ser testada e variáveis de interesse devem ser controladas;  Uso de métodos estatísticos: necessário conhecimento estatístico para validação dos resultados. 22 - 57
  • 23. Experimento Controlado  Controle de variáveis em interações complexas envolvendo humanos pode ser difícil e de validade questionável;  São feitos em laboratórios especialmente construídos;  Coleta de dados através de observação e monitoramento;  Avaliação rigorosa e dados coletados analisados quantitativamente, de modo a produzir métricas que guiem o projeto. 23 - 57
  • 24. Experimento Controlado  No planejamento, observar:  propósito do experimento;  o que se mantém constante, o que é alterado;  hipótese (estabelecida de forma a ser testada);  quais testes estatísticos e por que? 24 - 57
  • 25. Experimento Controlado  Exemplo:  avaliação da eficiência relativa dos usuários utilizando teclas de função ou menus num sistema de controle de processos estabelecida em termos dos elementos comparados, constantes (experiência dos usuários e tarefa de controle) e medidas de performance (velocidade na execução dos comandos ou percentual de erros). 25 - 57
  • 26. Experimento Controlado  Exemplo  Hipótese possível  Teclas de função são mais eficientes (produzem execução mais rápida dos comandos);  Grupos usarão duas interfaces;  Significância estatística entre as diferenças serão determinadas. 26 - 57
  • 27. Métodos e Técnicas de Avaliação  Classificação (Rocha e Baranauskas, 2000)  Inspeção de usabilidade  Teste de usabilidade  Experimento controlado  Método interpretativo 27 - 57
  • 28. Método Interpretativo  Objetiva proporcionar ao projetista um melhor entendimento  das condições naturais de trabalho do usuário;  de como o uso do sistema se integra as outras atividades do usuário. 28 - 57
  • 29. Método Interpretativo  Coleção de dados é informal  deve causar pouca interferência ao trabalho do usuário;  participação do usuário na coleta, análise e interpretação dos dados;  formas de registro como vídeos e áudio podem ser adotadas.  Incluem avaliação participativa e etnográfica (pesquisadores inseridos no contexto de trabalho). 29 - 57
  • 30. Qual método utilizar?  Fatores determinantes:  o que se deseja avaliar;  etapa do desenvolvimento;  disponibilidade de especialistas;  ambiente e recursos necessários;  tempo disponíveis para avaliação.  Técnica ideal: misturar e adaptar métodos. 30 - 57
  • 31. Métodos e Técnicas de Avaliação Técnicas representativas: Avaliação Heurística Teste de Usabilidade 31 - 57
  • 32. Avaliação Heurística  Engenharia Econômica de Usabilidade proposta por Nielsen (1989,1993);  Envolve pequeno conjunto de avaliadores, examinando a interface e julgando suas características em face de reconhecidos princípios de usabilidade (heurísticas). 32 - 57
  • 33. Avaliação Heurística  Heurística: regra geral que descreve uma propriedade comum em interfaces usáveis;  Avaliadores, por experiência, estudam e observam a interface;  Não deve ser feita por um único avaliador (3-5). 33 - 57
  • 34. Avaliação Heurística  Metodologia:  feita, em primeiro momento, individualmente;  avaliadores percorrem a interface e relatam problemas encontrados, junto as heurísticas violadas;  posteriormente, as listas de problemas dos avaliadores são consolidadas;  discussão final: equipe de desenvolvimento e sugestões de re- design. 34 - 57
  • 35. Avaliação Heurística  Avaliadores não estarão usando o sistema de fato: interfaces não implementadas;  Resultado: lista de problemas de usabilidade da interface com referências aos princípios de usabilidade violados;  Uso de heurísticas específicas: derivadas da análise de produtos similares e de resultados de uso (Ex.: formulários). 35 - 57
  • 36. Algumas Heurísticas (Nielsen, 1990/93)  Diálogo simples e natural;  Falar na linguagem do usuário;  Minimizar a carga de memória do usuário;  Ser consistente;  Prover feedback;  Saídas claras marcadas;  Prover shortcuts;  Mensagens de erro construtivas e precisas;  Prevenir erros;  Help e documentação. 36 - 57
  • 37. Avaliação Heurística  Diagnóstico de um problema associado as heurísticas: possibilidades concretas de re-design;  Pode ser usada para avaliar a gravidade de cada problema: atribuição de graus de severidade;  Método básico da engenharia da usabilidade, relativamente fácil de ser usado e aprendido. 37 - 57
  • 39. Teste de Usabilidade  Observação da interação de usuários no mundo real ou sob condições controladas;  Avaliadores coletam dados e verificam se a interface suporta as tarefas do usuário;  Importância do teste: impossibilidade do projetista em prever o comportamento dos usuários diante da interface;  Ferramentas de registro: áudio, vídeo, software para registro da interação, outras;  Importante coleta da opinião do usuário. 39 - 57
  • 40. Teste de Usabilidade  Resultados práticos: testes têm acelerado desenvolvimento e produzido redução de custos;  Vantagens (Matias, 1995):  indicar reações dos usuários potenciais;  mostrar os problemas e falhas no sistema;  mostrar onde o sistema funciona bem;  fornecer idéias ao projeto através das sugestões dos usuários;  fornecer meios para comparar múltiplos usuários;  promover a participação do usuário. 40 - 57
  • 41. Teste de Usabilidade  Observação dos usuários:  direta  usuários podem ser observados diretamente em seu local de trabalho;  observador toma nota sobre o comportamento do usuário, como seqüência de ações (escolher o que é importante ser anotado);  usuários podem alterar comportamento pelo fato de estarem sendo observados; 41 - 57
  • 42. Teste de Usabilidade  Observação dos usuários:  direta  técnicas de anotação de dados podem ser utilizadas ou desenvolvidas, do tipo checklist;  para registro permanente, vídeo, áudio ou logging de interação é necessário. 42 - 57
  • 43. Teste de Usabilidade  Observação dos usuários:  indireta  software logging: coleta é automática e não interfere no trabalho do usuário; ferramentas disponíveis para software logging; tempo de digitação: grava seqüência e os intervalos de tempo. 43 - 57
  • 44. Teste de Usabilidade  Observação dos usuários:  indireta  vídeo:  uso de diferentes câmeras;  usuários têm noção de que estão sendo filmados;  reduzir impacto da presença da câmera: coloca-la dias antes do início das filmagens;  análise é difícil e consome tempo;  podem ser usados para convencer gerentes e projetistas dos problemas no sistema. 44 - 57
  • 45. Teste de Usabilidade  Coleta da opinião dos usuários:  além da performance é importante saber o que ele pensa sobre o uso que faz da tecnologia;  impressão dos usuários sobre o software;  performance pode ser boa, mas usuário não gostar do sistema;  detalhes para os projetistas podem ser desagradáveis ao usuário. 45 - 57
  • 46. Teste de Usabilidade  Coleta da opinião dos usuários:  protocolo verbal: usuários “pensam em voz alta”;  usuários podem ver vídeos e comentar sobre suas ações;  dois usuários podem testar uma interface e comentar;  entrevistas e questionários podem ser utilizados. 46 - 57
  • 47. Teste de Usabilidade  Entrevistas e questionários:  dados de entrevistas: qualitativos;  dados de questionários: quantitativos;  questionários podem ser aplicados a um grande número de pessoas, possibilitando a obtenção de resultados estatisticamente validados;  questionário deve ser planejado de forma a garantir que perguntas sejam relevantes às questões analisadas. 47 - 57
  • 48. Teste de Usabilidade  Entrevistas e questionários:  entrevistas flexíveis podem ser moldadas se acordo com a reação dos entrevistados (uso de um plano básico);  entrevistado deve se sentir seguro e a vontade: podem ter vergonha de criticar o sistema;  entrevistador responsável por criar um clima agradável de conversação. 48 - 57
  • 49. Teste de Usabilidade  Entrevistas e questionários:  questionários podem conter respostas fechadas ou abertas;  fechadas  checklists (sim, não, não sei);  escalas (muito útil ... Inútil; concordo plenamente ... discordo plenamente);  questionários devem ser breves;  estudos pilotos: antes de distribuir um questionário para 500 pessoas, distribuir um rascunho para 20. 49 - 57
  • 50. Teste de Usabilidade  Testes realizados em laboratório;  Problemas:  limitações de tempo e de recursos;  dificuldade em conseguir usuários representativos;  contexto do trabalho dificilmente consegue ser reproduzido;  Saídas:  testes remotos (tele-conferência);  testes de campo: ambientes reais de uso (resposta do usuário, logs, comandos usados, freqüência de acesso ao help). 50 - 57
  • 51. Teste de Usabilidade  Plano detalhado de teste: objetivo, quando e onde, duração, recursos necessários, experimentadores, usuários, tarefas a serem avaliadas;  Etapas:  Preparação dos recursos;  Apresentação usuários as tarefas de teste;  Teste (evitar auxiliar o usuário);  Sessão final: usuários convidados a comentar, sugerir e comentar ou responder questionário; 51 - 57
  • 52. Teste de Usabilidade  Usuários:  Representativos em relação aos usuários aos reais:  se não forem usuário reais: características similares (idade, conhecimento, experiência com sistema, outras);  evitar influências:  Ex.: determinar um conjunto de ícones que é mais rapidamente reconhecido por crianças entre 7 e 10 anos  selecionar crianças que cubram todas as idades;  número igual de meninos e meninas;  mesmo nível de experiência;  notas escolares semelhantes. 52 - 57
  • 53. Teste de Usabilidade  Equipe experimentadores: - conhecimento da aplicação e interface; - saber lidar com problemas que afetem o teste; - isenção na avaliação. 53 - 57
  • 54. Teste de Usabilidade  Comentar com usuário:  importância do teste: melhorias na interface;  sistema é confidencial e resultados não serão colocados publicamente;  participação é voluntária (usuários tem outras coisas para fazer);  explicar gravações de vídeo ou áudio;  informa-los dos objetivos do teste, tarefas a serem realizadas e que podem ser livres para abandonar o teste se assim desejarem. 54 - 57
  • 55. Comparativo  Testes de laboratório são caros;  Abordagem heurística proposta para oferecer informação de usabilidade de modo mais rápido e barato  não substituem os testes: uso em conjunto;  Avaliação heurística melhor quando aplicada por especialistas em avaliação;  permite avaliação global da interface, menor custo, detecção de erros; 55 - 57
  • 56. Comparativo  Testes são mais eficazes, mas caros (50x);  Avaliação heurística detectou mais problemas ao custo mais baixo, mas necessita de pessoas com conhecimento e experiência para aplica-la (Jeffries);  Não se pode afirmar qual o melhor método: cada situação de projeto irá requerer uma forma de avaliação. 56 - 57
  • 57. Referências  Rocha, Heloísa; Baranauskas, Maria. Design e avaliação de interfaces humano-computador. São Paulo, IME-USP, 2000 (Escola de Computação, 2000), 242 p.  Matias, Márcio. Checklist: Uma ferramenta de suporte à avaliação ergonômica de interfaces. Florianópolis, 1995 (dissertação de mestrado).  Souza, Clarisse; Leite, Jair; Prates, Raquel; Barbosa, Simone. Projeto de Interfaces de Usuário: Perspectivas Cognitivas e Semióticas. In: XIX Congresso Nacional da Sociedade Brasileira de Computação, 1999, Rio de Janeiro. Anais do XIX Congresso Nacional da Sociedade Brasileira de Computação;  Material disponibilizado pela Profª Renata Vieira. 57 - 57
  • 58. Avaliação de Interfaces: Heurística e Teste de Usabilidade PROF. OZIEL NETO (OZIEL.NETO@GMAIL.COM) TWITTER: @OZIELNETO