SlideShare uma empresa Scribd logo
Assunto
de
Família
SUELI OLIVEIRA
Vimos vários comerciais de margarinas na TV que
retratavam famílias lindas, sorridentes e felizes.
Apesar de essa magia ser possível – porque é
possível ter uma família feliz –, o que a sociedade
atual tem produzido é um grande número de
lares infelizes.
Em família, destaca o especialista, eu sou um sujeito pleno,
com todas as minhas possibilidades e todas as minhas
dificuldades. Dentro da minha relação familiar, eu me
apresento com tudo aquilo que eu posso desenvolver, mas
ao mesmo tempo também apresento meu lado mais
perverso, muitas vezes. Exponho minhas maiores
fragilidades, minhas maiores dificuldades, inclusive as
minhas patologias. Em família, a gente se sente à vontade
para ser o melhor e o pior, para colocar à mostra o lado
ruim que temos.
É dentro da família que estamos na nossa totalidade, ou seja,
ninguém é parcial em casa.
Vinícius Farani, psicólogo e doutor em Família na Sociedade Contemporânea.
Na escola, no trabalho,
as relações são
momentâneas, parciais.
Em família, as relações
são plenas.
É por isso que, em família, pode
acontecer atitudes nobres, como
cuidado, carinho e acolhimento
mas, ao mesmo tempo, podem
acontecer grandes tragédias,
como crimes passionais e
abandono de filhos.
O núcleo familiar
deve ser o
ambiente de maior
proteção para a
pessoa.
Onde está
o problema?
Todos querem pertencer a
uma família feliz, da qual
seja agradável participar.
O que é preciso então para
se ter bons e satisfatórios
relacionamentos familiares?
unb-assunto-familia.pptx
Um fala, outro escuta; outro fala, um escuta.
Procurem tirar os olhos da tela do
celular para dialogar; e isso não
deve ser feito apenas quando
precisam discutir desafios, mas
também em momentos
descontraídos.
1 Praticar a comunicação e a escuta
É necessário que os
membros trabalhem juntos
para o bem do todo.
A valorização e o respeito
entre os membros da
família trazem mais amor e
satisfação para o lar.
2 Apoio mútuo
Comemore a promoção no trabalho ou as notas
altas na escola;
Arrume a cama sem que seja solicitado;
Lave a louça ou o carro voluntariamente;
Essas pequenas ações são fáceis de
serem executadas e ajudam a melhorar
o ambiente em casa.
Todo ser humano tem seu valor e é digno do
nosso respeito.
É necessário nutrir um estilo de vida que
leve em conta os direitos dos outros.
3
Exercitar o respeito
Mas isso não significa ser conivente com os
erros. As pessoas que cometem erros
precisam saber que alguém se preocupa
com elas, e que são amadas.
Permitem-se
momentos de
descontração.
Por isso, é importante
planejar viagens e
momentos de lazer em
família.
4
Momentos de lazer
Passem tempo
juntos.
É constrangedor
constatar que os
integrantes de muitas
famílias não se
conhecem direito.
Essas oportunidades são
como sementes de boas
memórias, principalmente
para as crianças.
Para que a família tenha harmonia e todos possam
desfrutar de momentos de descanso e lazer, cada
membro deve saber que precisa contribuir com algum
trabalho a fim de manter a ordem no ambiente familiar.
5 Responsabilidades compartilhadas
Ainda que uma criança não possa receber grandes
responsabilidades, ela tem condições de organizar seu
espaço, os brinquedos, o quarto.
Não se incomode se as tarefas não forem executadas impecavelmente no início; elas deverão melhorar
com o tempo.
Cada membro da família deve ser incentivado a ser responsável mesmo nas pequenas coisas: nos
gastos, no cuidado com o lar, no bem-estar mútuo. Isso também ajudará os mais novos a se prepararem
para a vida adulta
A família desempenha um
papel essencial na
orientação moral do
indivíduo.
É na família que aprendemos
que o mundo é um ambiente
de recompensas e punições
com base em nosso
comportamento.
6 Interesse na formação moral dos filhos
A criança deve ser ensinada,
sobretudo por meio do exemplo
de seus pais, a diferenciar o
certo do errado, de acordo com
os valores daquela família.
As tradições familiares são capazes
de unir o passado, o presente e o
futuro.
Comemorações que reúnem a família
e promovem a interação de seus
membros são muito importantes e
devem ser valorizadas. O respeito
pelo outro deve ser visto tanto no
trato com os idosos quanto no lidar
com os recém-nascidos.
7
Laços afetivos
Quando os membros da família não
têm os mesmos interesses nem
compartilham as mesmas crenças, é
mais fácil surgir desavenças por
questões religiosas.
Por outro lado, quando uma família
é bem ajustada e compartilha da
mesma fé, ela tende a lidar melhor
com os períodos de crise.
8
Valorizar a religião
Os pais devem ter responsabilidade total pelos filhos pequenos mas, conforme eles crescem, os filhos
devem ser motivados a ser autônomos, assumindo a direção da própria vida.
Para muitos pais é doloroso permitir
que os filhos tomem as próprias
decisões, mas a esperança é que os
filhos tenham interiorizado os valores
que lhes foram ensinados.
9 Incentivo à autonomia
Há crises que só encontram solução se forem intermediadas por profissionais.
Muitas famílias não resolvem seus problemas, conformam-se com a ideia de que as coisas são assim
mesmo e acabam acumulando questões que ficam em aberto. Esse acúmulo pode ter consequências
sérias. Porém, a família pode optar por outro caminho, construindo uma rede de apoio.
10 Admitir dificuldades e buscar ajuda
O importante é reconhecer o problema em seu início, quando é mais fácil tratá-lo.
Por isso, é necessário
estar atento a indícios de
abuso, maus-tratos,
violência, dificuldades de
aprendizado, tentativas
de suicídio e de
assassinato,
comportamento de risco
na adolescência,
dependência de álcool e
outras drogas.
E, identificado o
problema, deve-se buscar
ajuda imediatamente.
Quer uma família
feliz e bem
estruturada?
O que você está
fazendo para tornar
isso uma realidade?
Saiba que essa mudança
começa por você.
Se cada um fizer o seu melhor
para atender às necessidades da
família, mostrando consideração
por aqueles que estão mais
próximos, então será mais fácil
vencer as adversidades.
unb-assunto-familia.pptx

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a unb-assunto-familia.pptx

Ong pro mundo
Ong pro mundoOng pro mundo
Ong pro mundo
Welci José Tomazella
 
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
Kássia Quadros Ferreira
 
Pequenos descuidos grandes problemas américo canhoto
Pequenos descuidos grandes problemas   américo canhotoPequenos descuidos grandes problemas   américo canhoto
Pequenos descuidos grandes problemas américo canhoto
Helio Cruz
 
Modelo ludico e os pais
Modelo ludico   e os paisModelo ludico   e os pais
Modelo ludico e os pais
Marciane Missio
 
Img033
Img033Img033
Img033
Vila Salete
 
TCF sobre Gravidez na adolescência
TCF sobre Gravidez na adolescência TCF sobre Gravidez na adolescência
TCF sobre Gravidez na adolescência
Marcia Oliveira
 
Como lidar com situações difíceis - Durante e após o divórcio
Como lidar com situações difíceis - Durante e após o divórcioComo lidar com situações difíceis - Durante e após o divórcio
Como lidar com situações difíceis - Durante e após o divórcio
Bruna Engelmann
 
Familia_Escola
Familia_EscolaFamilia_Escola
Familia_Escola
simpala
 
Relação familiar
Relação familiarRelação familiar
Relação familiar
Angel Rosa
 
O que é amor exigente.ppt
O que é amor exigente.pptO que é amor exigente.ppt
O que é amor exigente.ppt
CassianaSousa1
 
LiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
LiçãO 07 Educando Os Filhos IiLiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
LiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
guest06a00c
 
A MEDIAÇÃO DE CONFLITOS RESGATANDO VALORES FAMILIARES
A MEDIAÇÃO DE CONFLITOS RESGATANDO VALORES FAMILIARESA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS RESGATANDO VALORES FAMILIARES
A MEDIAÇÃO DE CONFLITOS RESGATANDO VALORES FAMILIARES
Adriana Ferreira
 
Uma reflexão para_pais_e_responsáveis
Uma reflexão para_pais_e_responsáveisUma reflexão para_pais_e_responsáveis
Uma reflexão para_pais_e_responsáveis
Patricia Storch
 
Educação bíblica Infantil
Educação bíblica  InfantilEducação bíblica  Infantil
Educação bíblica Infantil
Graça Silva
 
As familias e as finanças
As familias e as finançasAs familias e as finanças
As familias e as finanças
sucessocomfernando
 
Ser professor na educação infantil
Ser professor na educação infantilSer professor na educação infantil
Ser professor na educação infantil
VIROUCLIPTAQ
 
familia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtx
familia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtxfamilia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtx
familia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtx
AuriceliaRosa
 
Mariasilva_catarina_joaobatista
Mariasilva_catarina_joaobatistaMariasilva_catarina_joaobatista
Mariasilva_catarina_joaobatista
fcivic
 
Convivência Familiar!
Convivência Familiar!Convivência Familiar!
Convivência Familiar!
Marta Oliveira
 
12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem
Fatima Sarno Rodrigues
 

Semelhante a unb-assunto-familia.pptx (20)

Ong pro mundo
Ong pro mundoOng pro mundo
Ong pro mundo
 
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
Família e escola: A união como solução da educação no mundo.
 
Pequenos descuidos grandes problemas américo canhoto
Pequenos descuidos grandes problemas   américo canhotoPequenos descuidos grandes problemas   américo canhoto
Pequenos descuidos grandes problemas américo canhoto
 
Modelo ludico e os pais
Modelo ludico   e os paisModelo ludico   e os pais
Modelo ludico e os pais
 
Img033
Img033Img033
Img033
 
TCF sobre Gravidez na adolescência
TCF sobre Gravidez na adolescência TCF sobre Gravidez na adolescência
TCF sobre Gravidez na adolescência
 
Como lidar com situações difíceis - Durante e após o divórcio
Como lidar com situações difíceis - Durante e após o divórcioComo lidar com situações difíceis - Durante e após o divórcio
Como lidar com situações difíceis - Durante e após o divórcio
 
Familia_Escola
Familia_EscolaFamilia_Escola
Familia_Escola
 
Relação familiar
Relação familiarRelação familiar
Relação familiar
 
O que é amor exigente.ppt
O que é amor exigente.pptO que é amor exigente.ppt
O que é amor exigente.ppt
 
LiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
LiçãO 07 Educando Os Filhos IiLiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
LiçãO 07 Educando Os Filhos Ii
 
A MEDIAÇÃO DE CONFLITOS RESGATANDO VALORES FAMILIARES
A MEDIAÇÃO DE CONFLITOS RESGATANDO VALORES FAMILIARESA MEDIAÇÃO DE CONFLITOS RESGATANDO VALORES FAMILIARES
A MEDIAÇÃO DE CONFLITOS RESGATANDO VALORES FAMILIARES
 
Uma reflexão para_pais_e_responsáveis
Uma reflexão para_pais_e_responsáveisUma reflexão para_pais_e_responsáveis
Uma reflexão para_pais_e_responsáveis
 
Educação bíblica Infantil
Educação bíblica  InfantilEducação bíblica  Infantil
Educação bíblica Infantil
 
As familias e as finanças
As familias e as finançasAs familias e as finanças
As familias e as finanças
 
Ser professor na educação infantil
Ser professor na educação infantilSer professor na educação infantil
Ser professor na educação infantil
 
familia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtx
familia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtxfamilia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtx
familia afetiva.ppx mxnm.x,m,axmsmx sx smtx
 
Mariasilva_catarina_joaobatista
Mariasilva_catarina_joaobatistaMariasilva_catarina_joaobatista
Mariasilva_catarina_joaobatista
 
Convivência Familiar!
Convivência Familiar!Convivência Familiar!
Convivência Familiar!
 
12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem12 erros que os pais cometem
12 erros que os pais cometem
 

Último

AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
ThiagoTavares52632
 
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
danieloliveiracruz00
 
Hipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptxHipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptx
PaulaAndrade240290
 
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=gethttps://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
Beatriz Meneses
 
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICAPSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
MeryliseSouza
 
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
flbroering
 

Último (6)

AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
AULA CENTRO DE ATENÇÃO PSICOSSOCIAL (CAPS)
 
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
Aula 08 Higienização das mãos.pdf aulão1
 
Hipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptxHipoglicemia........................pptx
Hipoglicemia........................pptx
 
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=gethttps://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
https://eadetesb.fepecs.edu.br/mod/simplecertificate/view.php?id=1292&action=get
 
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICAPSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
PSIQUIÁTRIA E SAUDE MENTAL, ENFERMAGEM PSIQUIATRICA
 
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf1 ano orientações para a pratica (2).pdf
1 ano orientações para a pratica (2).pdf
 

unb-assunto-familia.pptx

  • 2. Vimos vários comerciais de margarinas na TV que retratavam famílias lindas, sorridentes e felizes. Apesar de essa magia ser possível – porque é possível ter uma família feliz –, o que a sociedade atual tem produzido é um grande número de lares infelizes.
  • 3. Em família, destaca o especialista, eu sou um sujeito pleno, com todas as minhas possibilidades e todas as minhas dificuldades. Dentro da minha relação familiar, eu me apresento com tudo aquilo que eu posso desenvolver, mas ao mesmo tempo também apresento meu lado mais perverso, muitas vezes. Exponho minhas maiores fragilidades, minhas maiores dificuldades, inclusive as minhas patologias. Em família, a gente se sente à vontade para ser o melhor e o pior, para colocar à mostra o lado ruim que temos. É dentro da família que estamos na nossa totalidade, ou seja, ninguém é parcial em casa. Vinícius Farani, psicólogo e doutor em Família na Sociedade Contemporânea.
  • 4. Na escola, no trabalho, as relações são momentâneas, parciais. Em família, as relações são plenas.
  • 5. É por isso que, em família, pode acontecer atitudes nobres, como cuidado, carinho e acolhimento mas, ao mesmo tempo, podem acontecer grandes tragédias, como crimes passionais e abandono de filhos.
  • 6. O núcleo familiar deve ser o ambiente de maior proteção para a pessoa.
  • 8. Todos querem pertencer a uma família feliz, da qual seja agradável participar. O que é preciso então para se ter bons e satisfatórios relacionamentos familiares?
  • 10. Um fala, outro escuta; outro fala, um escuta. Procurem tirar os olhos da tela do celular para dialogar; e isso não deve ser feito apenas quando precisam discutir desafios, mas também em momentos descontraídos. 1 Praticar a comunicação e a escuta
  • 11. É necessário que os membros trabalhem juntos para o bem do todo. A valorização e o respeito entre os membros da família trazem mais amor e satisfação para o lar. 2 Apoio mútuo
  • 12. Comemore a promoção no trabalho ou as notas altas na escola; Arrume a cama sem que seja solicitado; Lave a louça ou o carro voluntariamente; Essas pequenas ações são fáceis de serem executadas e ajudam a melhorar o ambiente em casa.
  • 13. Todo ser humano tem seu valor e é digno do nosso respeito. É necessário nutrir um estilo de vida que leve em conta os direitos dos outros. 3 Exercitar o respeito Mas isso não significa ser conivente com os erros. As pessoas que cometem erros precisam saber que alguém se preocupa com elas, e que são amadas.
  • 14. Permitem-se momentos de descontração. Por isso, é importante planejar viagens e momentos de lazer em família. 4 Momentos de lazer Passem tempo juntos. É constrangedor constatar que os integrantes de muitas famílias não se conhecem direito. Essas oportunidades são como sementes de boas memórias, principalmente para as crianças.
  • 15. Para que a família tenha harmonia e todos possam desfrutar de momentos de descanso e lazer, cada membro deve saber que precisa contribuir com algum trabalho a fim de manter a ordem no ambiente familiar. 5 Responsabilidades compartilhadas Ainda que uma criança não possa receber grandes responsabilidades, ela tem condições de organizar seu espaço, os brinquedos, o quarto.
  • 16. Não se incomode se as tarefas não forem executadas impecavelmente no início; elas deverão melhorar com o tempo. Cada membro da família deve ser incentivado a ser responsável mesmo nas pequenas coisas: nos gastos, no cuidado com o lar, no bem-estar mútuo. Isso também ajudará os mais novos a se prepararem para a vida adulta
  • 17. A família desempenha um papel essencial na orientação moral do indivíduo. É na família que aprendemos que o mundo é um ambiente de recompensas e punições com base em nosso comportamento. 6 Interesse na formação moral dos filhos A criança deve ser ensinada, sobretudo por meio do exemplo de seus pais, a diferenciar o certo do errado, de acordo com os valores daquela família.
  • 18. As tradições familiares são capazes de unir o passado, o presente e o futuro. Comemorações que reúnem a família e promovem a interação de seus membros são muito importantes e devem ser valorizadas. O respeito pelo outro deve ser visto tanto no trato com os idosos quanto no lidar com os recém-nascidos. 7 Laços afetivos
  • 19. Quando os membros da família não têm os mesmos interesses nem compartilham as mesmas crenças, é mais fácil surgir desavenças por questões religiosas. Por outro lado, quando uma família é bem ajustada e compartilha da mesma fé, ela tende a lidar melhor com os períodos de crise. 8 Valorizar a religião
  • 20. Os pais devem ter responsabilidade total pelos filhos pequenos mas, conforme eles crescem, os filhos devem ser motivados a ser autônomos, assumindo a direção da própria vida. Para muitos pais é doloroso permitir que os filhos tomem as próprias decisões, mas a esperança é que os filhos tenham interiorizado os valores que lhes foram ensinados. 9 Incentivo à autonomia
  • 21. Há crises que só encontram solução se forem intermediadas por profissionais. Muitas famílias não resolvem seus problemas, conformam-se com a ideia de que as coisas são assim mesmo e acabam acumulando questões que ficam em aberto. Esse acúmulo pode ter consequências sérias. Porém, a família pode optar por outro caminho, construindo uma rede de apoio. 10 Admitir dificuldades e buscar ajuda O importante é reconhecer o problema em seu início, quando é mais fácil tratá-lo.
  • 22. Por isso, é necessário estar atento a indícios de abuso, maus-tratos, violência, dificuldades de aprendizado, tentativas de suicídio e de assassinato, comportamento de risco na adolescência, dependência de álcool e outras drogas. E, identificado o problema, deve-se buscar ajuda imediatamente.
  • 23. Quer uma família feliz e bem estruturada?
  • 24. O que você está fazendo para tornar isso uma realidade?
  • 25. Saiba que essa mudança começa por você. Se cada um fizer o seu melhor para atender às necessidades da família, mostrando consideração por aqueles que estão mais próximos, então será mais fácil vencer as adversidades.