Dts e métodos contracetivos

219 visualizações

Publicada em

Este trabalho foi feito no âmbito da disciplina de Ciências Naturais, no ano letivo 2013/2014.

É de destacar que estes trabalhos não estão de acordo com o novo acordo ortográfico e podem conter erros ortográficos, pois foram efetuados por alunos.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
219
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Dts e métodos contracetivos

  1. 1. Ano Letivo:2013/2014 Ciências Naturais Professora: Trabalho Realizado Por :
  2. 2.  Neste trabalho vamos abordar dois assuntos, a Gonorreira (uma doença sexualmente transmissível e Diu- cobre e diu como progestativo (método contracetivo). Iremos ficar a conhecer as suas características.
  3. 3. Gonorreira  O que é ?  Sintomas (Masculinos)  Sintomas (Femininos)  Como prevenir/evitar ?  Como tratar ? Diu- cobre e diu como progestativo O que é ? Como atua? Quem pode utilizar? Eficácia Vantagens Desvantagens
  4. 4.  A gonorreia é uma doença sexualmente transmissível, causada pela bactéria neisseria gonorrhoege, ou gonococo. É causada por uma bactéria que pode provocar inflamação na uretra, na próstata e no útero. O homem sente dor e ardência na região genital e elimina uma secreção branca ou amarelada ao urinar.
  5. 5.  Dor ou ardor ao urinar;  Corrimento branco-amarelado, semelhante ao pus;  Pode haver inflamação das glândulas de Bartholin;  Pode haver dor de garganta e comprometimento da voz;  Pode haver obstrução do canal anal, quando há relação íntima anal;  Aumento na frequência ou urgência urinária;  Vermelhidão ou inchaço na abertura do pénis (uretra);  Testículos doloridos ou inchados.
  6. 6.  Corrimento vaginal  Ardência e dor ao urinar  Aumento na frequência urinária  Dor de garganta  Dor durante o ato sexual  Dor aguda na parte inferior do abdómen (se a infecção se espalhar para as trompas de Falópio e a região abdominal)  Febre (se a infecção se espalhar para as trompas de Falópio e a região abdominal)
  7. 7.  Uso de preservativo em todas as relações sexuais.  Evitar ter muitos parceiros sexuais e parceiros desconhecidos.  Consultar um ginecologista periodicamente (no caso das mulheres) ou um urologista (no caso dos homens).  Controlar regular e sistematicamente em caso de relações sexuais com inúmeros parceiros, mesmo na ausência de sintomas.  Evite relações sexuais com pessoas que tenham sintomas de doenças venéreas ou algum outro sintoma desconhecido.
  8. 8.  É importante receber rapidamente o tratamento para a gonorreia. A infecção parte raramente sem tratamento. Aqueles que atrasam o aumento do tratamento seu risco de complicações e este podem conduzir a uns problemas de saúde mais sérios. Igualmente uma pessoa contaminada pode transmitir a infecção a outro.
  9. 9.  O dispositivo intra-uterino é um dispositivo anticoncepcional que é inserido no útero, por um médico.
  10. 10.  A ação do dispositivo intra-uterino consiste em criar um ambiente intra-uterino hostil aos espermatozóides, evitando a sua chegada até as trompas ou tendo efeito espermaticida.  Usa uma reaçao inflamatória para impedir a nidação do óvulo fecundado, interfere na migração, fertilização dos espermatozóides e no transporte do óvulo. Alguns desses dispositivos liberam hormônios para aumentar a sua eficácia.
  11. 11.  O DIU pode ser utilizado por qualquer mulher em idade fértil, desde que ela não esteja com problemas no útero.
  12. 12.  O médico coloca o DIU através do colo cervical (abrindo o útero);  Geralmente o dispositivo é colocado no período menstrual, quando o colo está levemente aberto e as chances da mulher estar grávida são muito menores;  O processo dura alguns minutos e pode causar um pouco de dor e desconforto. Para melhorar a situação pode ser usado um anestésico tópico;  Durante os primeiros meses após a colocação do DIU, principalmente após cada período menstrual, é necessário conferir se o fio continua preso a ele, assegurando que a gravidez seja evitada;  O mais indicado é que nos primeiros meses sejam utilizados outros métodos contraceptivos, para melhor segurança;  Geralmente os DIUs de progesterona devem ser trocados após 1 ano, enquanto que os de cobre podem ficar no útero por até 10 anos.
  13. 13.  É eficaz durante 3 a 5 anos (variável). Deve ser sempre vigiado pelo médico e embora não seja comum, pode ser aplicado a mulheres que nunca tenham tido filhos. É um método muito seguro, mas pode ter alguns efeitos secundários, pois pode agravar as dores menstruais, provocar períodos menstruais muito abundantes e pode, por vezes, facilitar o aparecimento de infecções intra- uterinas, pelo que se deve usar sempre o preservativo.
  14. 14.  É um método de longa duração.  É muito eficaz.  O DIU é removível a qualquer momento que a mulher deseje.  O DIU evita as reações secundárias causadas pelos hormônios.
  15. 15.  Pode aumentar as dores menstruais;  Aumento do fluxo menstrual;  Não protege das doenças sexualmente transmissíveis;  Pode causar dores ou doenças graves no ato sexual;  Pode causar cólicas durante o período menstrual;  Pode causar esterilidade na mulher.
  16. 16.  Neste trabalho, ficamos mais instruídas em relação as estes temas, pois eram assuntos que pela qual tínhamos pouco conhecimento.
  17. 17. FIM

×