SlideShare uma empresa Scribd logo
UNIVERSIDADE PRIVADA DE ANGOLA
FACULDADE DE CIÊNCIA DA SAÚDE
MEDICINA
CICLO OVARIANO
SUMÁRIO
• PROBLEMÁTICA
• JUSTIFICATIVA
• 1- OBJECTIVOS
• 1.1 INTRODUÇÃO
• 2- FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
• 2.1- OOCITAÇÃO
• 2.2- CORPO LÚTEO
• 2.3- TRANSPORTE DO OÓCITO
• 2.4- CORPO ALBICANS
• 3-CONCLUSÃO
PROBLEMÁTICA
 O ciclo ovariano é um processo fundamental no corpo feminino que envolve uma série de eventos
coordenados nos ovários. Esse ciclo é geralmente dividido em três fases principais: A fase Folicular, A
ovulação e a Fase Lútea. No entanto surge a seguinte pergunta de partida.
 De que forma o ciclo Ovariano pode influenciar na saúde da mulher e no desenvolvimento da ovulação e do
zigoto?
JUSTIFICATIVA
 O ciclo ovariano é um processo complexo e crucial no corpo da mulher, envolvendo a maturação e liberação
de óvulos, além de mudanças hormonais que prepara o útero para uma possível gravidez. Essas flutuações
hormonais regulam o ciclo menstrual e são essenciais para a fertilidade e saúde reprodutiva da mulher.
Compreender o ciclo ovariano é fundamental para entender a fertilidade, contracepção e muitos aspetos da
saúde feminina.
 A falta de conhecimento e informações credíveis sobre o ciclo ovariano e uma das principais causas de uma
gravidez indesejadas e outros problemas ligado a saúde da mulher, dai a escolha da temática.
1- OBJECTIVOS
 Geral: Compreender os mecanismos regulatórios do ciclo ovariano em mulheres saudáveis
e em mulheres com condições médicas relacionadas.
 Específicos:
 1. Identificar e descrever as fases do ciclo ovariano.
 2. Analisar os principais hormônios envolvidos no ciclo ovariano.
 3. Investigar os fatores que podem afetar a regularidade do ciclo ovariano.
 4. Avaliar o impacto de distúrbios do ciclo ovariano.
1.1INTRODUÇÃO
 O Ciclo ovariano é um processo complexo que ocorre nos ovários das mulheres e está intimamente
relacionado ao ciclo menstrual. Ele é dividido em várias fases e envolve diferentes eventos hormonais e
estruturais.
 Este ciclo é regulado por uma complexa interação entre hormônios como estrogênio, progesterona, FSH
e LH, que são produzidos pela hipófise e pelos ovários. Alterações nos níveis desses hormônios ao
longo do ciclo controlam o desenvolvimento dos folículos ovarianos, a ovulação e a preparação do útero
para uma possível gravidez. O entendimento do ciclo ovariano é fundamental para compreender a
fertilidade, contracepção, saúde reprodutiva e tratamentos relacionados à reprodução.
2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA
 1 -Definição:
 O ciclo ovariano é o processo que ocorre nos ovários de uma mulher, onde os folículos ovarianos se
desenvolvem e liberam um óvulo maduro em um ciclo aproximado de 28 dias.
 Na puberdade, a mulher começa a ter ciclos mensais regulares. Esses ciclos sexuais são controlados pelo
hipotálamo. O hormônio liberador de gonadotrofinas (GnRH, do inglês gonadotropinreleasing hormone),
produzido pelo hipotálamo, age nas células do lobo anterior da adeno-hipofise,que, por sua vez, secreta
gonadotrofinas. Esses hormônios, o hormônio foliculoestimulante (FSH,do inglês follicule-stimulating
hormone) e o hormônio luteinizante (LH, do inglês luteinizing hormone), estimulam as alterações cíclicas
dos ovários.
2.1-Oocitação
2.2-Corpo Lúteo
2.3- TRANSPORTE DO OÓCITO
 O transporte começa com a ovulação, onde o oócito é liberado do folículo
ovariano. Após a liberação , Este oócito é capturado pelas fímbrias das
trompas de Falópio ,que são estruturas semelhantes a franjas na abertura da
trompa próxima ao ovário.
 Uma vez que o oócito é transportado em direção ao útero. Este movimento é
facilitado pelos cílios (pequenas estruturas parecidas com pelos) que
revestem ás trompas e por contrações musculares suaves das próprias
trompas, que ajudam a mover o oócito em direção ao útero. Durante sua
jornada pelas trompas de Falópio elas tem um período que pode durar vários
dias. É nesta parte do sistema reprodutor que o oócito pode encontrar
espermatozoides e ser fertilizado formando um zigoto, contundo uma vez
que é fertilizado, agora embrião continua a se mover em direção ao útero,
onde pode se implantar na parede uterina e começar o desenvolvimento
fetal.
2.4-Corpo Albicans
A fertilização não ocorrer, o corpo lúteo alcança o máximo de desenvolvimento aproximadamente 9 dias
após a oocitação. Ele pode ser facilmente reconhecido como uma projeção amarelada na superfície do
ovário. Subsequentemente, o corpo lúteo encolhe por causa da degeneração das células lúteas (luteólise) e
forma uma massa de tecido cicatricial fibrótico, o corpo albicans. Simultaneamente, a produção de
progesterona diminui, causando o sangramento menstrual. Se o oócito for fertilizado, a degeneração do
corpo lúteo é evitada pela gonadotrofina coriônica humana, um hormônio secretado pelo sinciciotrofoblasto
do embrião em desenvolvimento. O corpo lúteo continua a crescer e forma o corpo lúteo gravídico . Por
volta do final do terceiro mês, essa estrutura pode ter de um terço até metade do tamanho total do ovário. As
células lúteas amareladas continuam a secretar progesterona até o final do quarto mês; desse ponto em
diante, elas regridem lentamente, conforme a secreção de progesterona pelo componente trofoblástico da
placenta se torna adequada para a manutenção da gravidez. A remoção do corpo lúteo gravídico antes do
quarto mês, desse ponto em diante, elas regridem lentamente, conforme a secreção de progesterona pelo
componente trofoblástico da placenta se torna adequada para manutenção da gravidez.
3-Fase proliferativa
 O desenvolvimento de um novo folículo ovárico, ocorre um aumento de estrogénio, que promove a proliferação
do endométrio, com crescimento rápido das suas glândulas e vasos sanguíneos. Nesta fase, as glândulas
produzem um muco fino e pegajoso que se alinha no canal cervical, e que tem por função guiar os
espermatozoides até ao útero.
3.1-Fase secretora
 Após a ovulação, o corpo lúteo produz estrogénios e progesterona em grandes quantidades.
 O estrogénio promove o crescimento adicional do endométrio, enquanto a progesterona promove o
desenvolvimento das glândulas secretoras e do tecido conjuntivo, transformando o endométrio num órgão
secretor rico em nutrientes, capaz de nutrir precocemente o embrião e de permitir a sua fixação. Uma semana
após a ovulação, o endométrico mede 5 a 6 mm de espessura.
 Se não ocorrer a fixação do embrião na parede uterina e consequente gravidez, o corpo lúteo degenera, há
quebra dos níveis de estrogénio e progesterona, e aparece a menstruação, iniciando-se um novo ciclo.
3.2-Fase Menstrual
4-CONCLUSÃO
 A cada ciclo ovariano, alguns folículos primários começam a crescer, mas, em geral, somente um alcança a
maturidade plena e apenas um oócito é liberado na oocitação. Na oocitação, o oócito está em metáfase na
segunda divisão meiótica e está cercado pela zona pelúcida e por algumas células granulosas. O movimento das
fímbrias tubais carrega o oócito para a tuba uterina.

Mais conteúdo relacionado

Semelhante a TRABALHO DE EMBRIOLOGIA23.pdf ciclo ovariano

Ciclo menstrual ana c; andreia ...
Ciclo menstrual   ana c; andreia ...Ciclo menstrual   ana c; andreia ...
Ciclo menstrual ana c; andreia ...
anacarreira2
 
Sistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor femininoSistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor feminino
Rita Pereira
 
fisiologia dos animais liberdade de expressão
fisiologia dos animais liberdade de expressãofisiologia dos animais liberdade de expressão
fisiologia dos animais liberdade de expressão
Salvador830120
 
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdfAula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
lucianatorresdemelo
 
Reprodução humana 2
Reprodução humana 2Reprodução humana 2
Reprodução humana 2
Roberto Bagatini
 
Reprodução humana 2
Reprodução humana 2Reprodução humana 2
Reprodução humana 2
Roberto Bagatini
 
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia HumanaGametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Governo do Estado do Rio Grande do Sul
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
Zé Luís
 
Reprodução humana 2
Reprodução humana 2Reprodução humana 2
Reprodução humana 2
Roberto Bagatini
 
03 ciclos sexuais
03 ciclos sexuais03 ciclos sexuais
03 ciclos sexuais
ruiricardobg
 
Resumão biologia
Resumão biologiaResumão biologia
Resumão biologia
Deborah Bonfim
 
Fisiologia reprodutiva feminina
Fisiologia reprodutiva femininaFisiologia reprodutiva feminina
Fisiologia reprodutiva feminina
Daniela R Silva
 
Sistema genital feminino - TERCEIRÃO
Sistema genital feminino - TERCEIRÃOSistema genital feminino - TERCEIRÃO
Sistema genital feminino - TERCEIRÃO
andreepinto
 
02 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 0809
02 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 080902 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 0809
02 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 0809
Teresa Monteiro
 
Reprodução%20 humana[1]
Reprodução%20 humana[1]Reprodução%20 humana[1]
Reprodução%20 humana[1]
Joao Ferreira
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
Cristina Jesus
 
Biologia slidesshare
Biologia slidesshareBiologia slidesshare
Biologia slidesshare
Joseane Macena
 
EMBRIOLOGIA HUMANA-Aula
EMBRIOLOGIA HUMANA-Aula EMBRIOLOGIA HUMANA-Aula
EMBRIOLOGIA HUMANA-Aula
stefaneTancredo1
 
A formação de um ser humano
A formação de um ser humanoA formação de um ser humano
A formação de um ser humano
Eli Masc
 
Aparelho Reprodutor Feminino
Aparelho Reprodutor FemininoAparelho Reprodutor Feminino
Aparelho Reprodutor Feminino
Roberto Rosmaninho
 

Semelhante a TRABALHO DE EMBRIOLOGIA23.pdf ciclo ovariano (20)

Ciclo menstrual ana c; andreia ...
Ciclo menstrual   ana c; andreia ...Ciclo menstrual   ana c; andreia ...
Ciclo menstrual ana c; andreia ...
 
Sistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor femininoSistema reprodutor feminino
Sistema reprodutor feminino
 
fisiologia dos animais liberdade de expressão
fisiologia dos animais liberdade de expressãofisiologia dos animais liberdade de expressão
fisiologia dos animais liberdade de expressão
 
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdfAula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
Aula teórica 2 - Gametogênese feminina.pdf
 
Reprodução humana 2
Reprodução humana 2Reprodução humana 2
Reprodução humana 2
 
Reprodução humana 2
Reprodução humana 2Reprodução humana 2
Reprodução humana 2
 
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia HumanaGametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
Gametogênese, Fecundação e Embriologia Humana
 
Reprodução
ReproduçãoReprodução
Reprodução
 
Reprodução humana 2
Reprodução humana 2Reprodução humana 2
Reprodução humana 2
 
03 ciclos sexuais
03 ciclos sexuais03 ciclos sexuais
03 ciclos sexuais
 
Resumão biologia
Resumão biologiaResumão biologia
Resumão biologia
 
Fisiologia reprodutiva feminina
Fisiologia reprodutiva femininaFisiologia reprodutiva feminina
Fisiologia reprodutiva feminina
 
Sistema genital feminino - TERCEIRÃO
Sistema genital feminino - TERCEIRÃOSistema genital feminino - TERCEIRÃO
Sistema genital feminino - TERCEIRÃO
 
02 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 0809
02 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 080902 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 0809
02 - Aparelho Reprodutor Feminino Tc 0809
 
Reprodução%20 humana[1]
Reprodução%20 humana[1]Reprodução%20 humana[1]
Reprodução%20 humana[1]
 
Reprodução humana
Reprodução humanaReprodução humana
Reprodução humana
 
Biologia slidesshare
Biologia slidesshareBiologia slidesshare
Biologia slidesshare
 
EMBRIOLOGIA HUMANA-Aula
EMBRIOLOGIA HUMANA-Aula EMBRIOLOGIA HUMANA-Aula
EMBRIOLOGIA HUMANA-Aula
 
A formação de um ser humano
A formação de um ser humanoA formação de um ser humano
A formação de um ser humano
 
Aparelho Reprodutor Feminino
Aparelho Reprodutor FemininoAparelho Reprodutor Feminino
Aparelho Reprodutor Feminino
 

Mais de amaroalmeida74

CANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR
CANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULARCANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR
CANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR
amaroalmeida74
 
Clase 6 Prevenção de Acidentes.papoioptx
Clase 6 Prevenção de Acidentes.papoioptxClase 6 Prevenção de Acidentes.papoioptx
Clase 6 Prevenção de Acidentes.papoioptx
amaroalmeida74
 
hipersensibilidade.pptx biologia de gouveia
hipersensibilidade.pptx biologia de gouveiahipersensibilidade.pptx biologia de gouveia
hipersensibilidade.pptx biologia de gouveia
amaroalmeida74
 
Sistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULAR
Sistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULARSistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULAR
Sistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULAR
amaroalmeida74
 
4. ORGAOS DOS SENTIDOS.pptx APOIO ESCOLAR
4. ORGAOS DOS SENTIDOS.pptx APOIO ESCOLAR4. ORGAOS DOS SENTIDOS.pptx APOIO ESCOLAR
4. ORGAOS DOS SENTIDOS.pptx APOIO ESCOLAR
amaroalmeida74
 
Apresentação1 e2 embriolohgias.pptx humana
Apresentação1 e2 embriolohgias.pptx humanaApresentação1 e2 embriolohgias.pptx humana
Apresentação1 e2 embriolohgias.pptx humana
amaroalmeida74
 
sline síndrome de Turner.pptx embriologia Humana
sline síndrome de Turner.pptx embriologia Humanasline síndrome de Turner.pptx embriologia Humana
sline síndrome de Turner.pptx embriologia Humana
amaroalmeida74
 
Ppoint I. Anormal.pptx implantção anormal
Ppoint I. Anormal.pptx implantção anormalPpoint I. Anormal.pptx implantção anormal
Ppoint I. Anormal.pptx implantção anormal
amaroalmeida74
 
slide zigotos anormais.pptx embriologia human
slide zigotos anormais.pptx embriologia humanslide zigotos anormais.pptx embriologia human
slide zigotos anormais.pptx embriologia human
amaroalmeida74
 
Clase 4 parte 2 Nutrição.pptsaude na melhor
Clase 4 parte 2 Nutrição.pptsaude na melhorClase 4 parte 2 Nutrição.pptsaude na melhor
Clase 4 parte 2 Nutrição.pptsaude na melhor
amaroalmeida74
 
SLIDE feITOt.ppt ESTUDE FUTURO PROFISSIONAL
SLIDE feITOt.ppt ESTUDE FUTURO PROFISSIONALSLIDE feITOt.ppt ESTUDE FUTURO PROFISSIONAL
SLIDE feITOt.ppt ESTUDE FUTURO PROFISSIONAL
amaroalmeida74
 
DIVISÃO.pptx bioestatistica aplicada a saúde
DIVISÃO.pptx bioestatistica aplicada a saúdeDIVISÃO.pptx bioestatistica aplicada a saúde
DIVISÃO.pptx bioestatistica aplicada a saúde
amaroalmeida74
 
Clase 2 aula puericultura.pptxcompletooo
Clase 2 aula puericultura.pptxcompletoooClase 2 aula puericultura.pptxcompletooo
Clase 2 aula puericultura.pptxcompletooo
amaroalmeida74
 
Clase 3.1 desenvolvimento -.ppt para vida
Clase 3.1 desenvolvimento -.ppt para vidaClase 3.1 desenvolvimento -.ppt para vida
Clase 3.1 desenvolvimento -.ppt para vida
amaroalmeida74
 
2.Estrutura e função de compostos biológicos da célula - 2.pptx
2.Estrutura e função de compostos biológicos da célula - 2.pptx2.Estrutura e função de compostos biológicos da célula - 2.pptx
2.Estrutura e função de compostos biológicos da célula - 2.pptx
amaroalmeida74
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
amaroalmeida74
 
Dr. Francisco Tchivikua-1.pdf para um futuro
Dr. Francisco  Tchivikua-1.pdf para um futuroDr. Francisco  Tchivikua-1.pdf para um futuro
Dr. Francisco Tchivikua-1.pdf para um futuro
amaroalmeida74
 
Universidade Privada de Angola bioestatistica.pdf
Universidade Privada de Angola bioestatistica.pdfUniversidade Privada de Angola bioestatistica.pdf
Universidade Privada de Angola bioestatistica.pdf
amaroalmeida74
 
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saudeBIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
amaroalmeida74
 

Mais de amaroalmeida74 (19)

CANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR
CANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULARCANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR
CANCER1.pptx BIOLOGIA CELULAR E MOLECULAR
 
Clase 6 Prevenção de Acidentes.papoioptx
Clase 6 Prevenção de Acidentes.papoioptxClase 6 Prevenção de Acidentes.papoioptx
Clase 6 Prevenção de Acidentes.papoioptx
 
hipersensibilidade.pptx biologia de gouveia
hipersensibilidade.pptx biologia de gouveiahipersensibilidade.pptx biologia de gouveia
hipersensibilidade.pptx biologia de gouveia
 
Sistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULAR
Sistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULARSistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULAR
Sistema Imunologico.ppt BIOLOGIA MOLECULAR
 
4. ORGAOS DOS SENTIDOS.pptx APOIO ESCOLAR
4. ORGAOS DOS SENTIDOS.pptx APOIO ESCOLAR4. ORGAOS DOS SENTIDOS.pptx APOIO ESCOLAR
4. ORGAOS DOS SENTIDOS.pptx APOIO ESCOLAR
 
Apresentação1 e2 embriolohgias.pptx humana
Apresentação1 e2 embriolohgias.pptx humanaApresentação1 e2 embriolohgias.pptx humana
Apresentação1 e2 embriolohgias.pptx humana
 
sline síndrome de Turner.pptx embriologia Humana
sline síndrome de Turner.pptx embriologia Humanasline síndrome de Turner.pptx embriologia Humana
sline síndrome de Turner.pptx embriologia Humana
 
Ppoint I. Anormal.pptx implantção anormal
Ppoint I. Anormal.pptx implantção anormalPpoint I. Anormal.pptx implantção anormal
Ppoint I. Anormal.pptx implantção anormal
 
slide zigotos anormais.pptx embriologia human
slide zigotos anormais.pptx embriologia humanslide zigotos anormais.pptx embriologia human
slide zigotos anormais.pptx embriologia human
 
Clase 4 parte 2 Nutrição.pptsaude na melhor
Clase 4 parte 2 Nutrição.pptsaude na melhorClase 4 parte 2 Nutrição.pptsaude na melhor
Clase 4 parte 2 Nutrição.pptsaude na melhor
 
SLIDE feITOt.ppt ESTUDE FUTURO PROFISSIONAL
SLIDE feITOt.ppt ESTUDE FUTURO PROFISSIONALSLIDE feITOt.ppt ESTUDE FUTURO PROFISSIONAL
SLIDE feITOt.ppt ESTUDE FUTURO PROFISSIONAL
 
DIVISÃO.pptx bioestatistica aplicada a saúde
DIVISÃO.pptx bioestatistica aplicada a saúdeDIVISÃO.pptx bioestatistica aplicada a saúde
DIVISÃO.pptx bioestatistica aplicada a saúde
 
Clase 2 aula puericultura.pptxcompletooo
Clase 2 aula puericultura.pptxcompletoooClase 2 aula puericultura.pptxcompletooo
Clase 2 aula puericultura.pptxcompletooo
 
Clase 3.1 desenvolvimento -.ppt para vida
Clase 3.1 desenvolvimento -.ppt para vidaClase 3.1 desenvolvimento -.ppt para vida
Clase 3.1 desenvolvimento -.ppt para vida
 
2.Estrutura e função de compostos biológicos da célula - 2.pptx
2.Estrutura e função de compostos biológicos da célula - 2.pptx2.Estrutura e função de compostos biológicos da célula - 2.pptx
2.Estrutura e função de compostos biológicos da célula - 2.pptx
 
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdfGlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
GlicolÃ_se -MEDICINA GERAL PIAGET-2023-2024 - AULA 2 -ESTUDANTE.pdf
 
Dr. Francisco Tchivikua-1.pdf para um futuro
Dr. Francisco  Tchivikua-1.pdf para um futuroDr. Francisco  Tchivikua-1.pdf para um futuro
Dr. Francisco Tchivikua-1.pdf para um futuro
 
Universidade Privada de Angola bioestatistica.pdf
Universidade Privada de Angola bioestatistica.pdfUniversidade Privada de Angola bioestatistica.pdf
Universidade Privada de Angola bioestatistica.pdf
 
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saudeBIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
BIOESTATISTICA.pptx para iniciantes de saude
 

Último

9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
KauFelipo
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
BrunaNeves80
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
paathizinhya
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
OttomGonalvesDaSilva
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
Anderson1783
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
GleenseCartonilho
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
guilhermefontenele8
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
dantemalca
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
maripinkmarianne
 

Último (9)

9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
9 - Nutrição e Longevidade - apóstila.pdf
 
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdfCirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
Cirurgia Bucomaxilofacial - Roberto Prado _ OCR.pdf
 
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RXPosicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
Posicionamento dos ombros para avalizaçao por RX
 
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024mini curso de suturas para enfermeiros 2024
mini curso de suturas para enfermeiros 2024
 
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das MãosTREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
TREINAMENTO PROTEÇÃO DAS MÃOS.ppt Proteção das Mãos
 
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptxMini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
Mini curso Análise de LCR Liquorologia.pptx
 
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdfNR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
NR 12 - OPERADOR DE CESTO AÉREO elet.pdf
 
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARMElectrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
Electrocardiografia - Manual AMIR - ENARM
 
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdfRelação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
Relação de Médicos e Prestadores 2023.pdf
 

TRABALHO DE EMBRIOLOGIA23.pdf ciclo ovariano

  • 1. UNIVERSIDADE PRIVADA DE ANGOLA FACULDADE DE CIÊNCIA DA SAÚDE MEDICINA CICLO OVARIANO
  • 2. SUMÁRIO • PROBLEMÁTICA • JUSTIFICATIVA • 1- OBJECTIVOS • 1.1 INTRODUÇÃO • 2- FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA • 2.1- OOCITAÇÃO • 2.2- CORPO LÚTEO • 2.3- TRANSPORTE DO OÓCITO • 2.4- CORPO ALBICANS • 3-CONCLUSÃO
  • 3. PROBLEMÁTICA  O ciclo ovariano é um processo fundamental no corpo feminino que envolve uma série de eventos coordenados nos ovários. Esse ciclo é geralmente dividido em três fases principais: A fase Folicular, A ovulação e a Fase Lútea. No entanto surge a seguinte pergunta de partida.  De que forma o ciclo Ovariano pode influenciar na saúde da mulher e no desenvolvimento da ovulação e do zigoto?
  • 4. JUSTIFICATIVA  O ciclo ovariano é um processo complexo e crucial no corpo da mulher, envolvendo a maturação e liberação de óvulos, além de mudanças hormonais que prepara o útero para uma possível gravidez. Essas flutuações hormonais regulam o ciclo menstrual e são essenciais para a fertilidade e saúde reprodutiva da mulher. Compreender o ciclo ovariano é fundamental para entender a fertilidade, contracepção e muitos aspetos da saúde feminina.  A falta de conhecimento e informações credíveis sobre o ciclo ovariano e uma das principais causas de uma gravidez indesejadas e outros problemas ligado a saúde da mulher, dai a escolha da temática.
  • 5. 1- OBJECTIVOS  Geral: Compreender os mecanismos regulatórios do ciclo ovariano em mulheres saudáveis e em mulheres com condições médicas relacionadas.  Específicos:  1. Identificar e descrever as fases do ciclo ovariano.  2. Analisar os principais hormônios envolvidos no ciclo ovariano.  3. Investigar os fatores que podem afetar a regularidade do ciclo ovariano.  4. Avaliar o impacto de distúrbios do ciclo ovariano.
  • 6. 1.1INTRODUÇÃO  O Ciclo ovariano é um processo complexo que ocorre nos ovários das mulheres e está intimamente relacionado ao ciclo menstrual. Ele é dividido em várias fases e envolve diferentes eventos hormonais e estruturais.  Este ciclo é regulado por uma complexa interação entre hormônios como estrogênio, progesterona, FSH e LH, que são produzidos pela hipófise e pelos ovários. Alterações nos níveis desses hormônios ao longo do ciclo controlam o desenvolvimento dos folículos ovarianos, a ovulação e a preparação do útero para uma possível gravidez. O entendimento do ciclo ovariano é fundamental para compreender a fertilidade, contracepção, saúde reprodutiva e tratamentos relacionados à reprodução.
  • 7. 2. FUNDAMENTAÇÃO TEÓRICA  1 -Definição:  O ciclo ovariano é o processo que ocorre nos ovários de uma mulher, onde os folículos ovarianos se desenvolvem e liberam um óvulo maduro em um ciclo aproximado de 28 dias.  Na puberdade, a mulher começa a ter ciclos mensais regulares. Esses ciclos sexuais são controlados pelo hipotálamo. O hormônio liberador de gonadotrofinas (GnRH, do inglês gonadotropinreleasing hormone), produzido pelo hipotálamo, age nas células do lobo anterior da adeno-hipofise,que, por sua vez, secreta gonadotrofinas. Esses hormônios, o hormônio foliculoestimulante (FSH,do inglês follicule-stimulating hormone) e o hormônio luteinizante (LH, do inglês luteinizing hormone), estimulam as alterações cíclicas dos ovários.
  • 10. 2.3- TRANSPORTE DO OÓCITO  O transporte começa com a ovulação, onde o oócito é liberado do folículo ovariano. Após a liberação , Este oócito é capturado pelas fímbrias das trompas de Falópio ,que são estruturas semelhantes a franjas na abertura da trompa próxima ao ovário.  Uma vez que o oócito é transportado em direção ao útero. Este movimento é facilitado pelos cílios (pequenas estruturas parecidas com pelos) que revestem ás trompas e por contrações musculares suaves das próprias trompas, que ajudam a mover o oócito em direção ao útero. Durante sua jornada pelas trompas de Falópio elas tem um período que pode durar vários dias. É nesta parte do sistema reprodutor que o oócito pode encontrar espermatozoides e ser fertilizado formando um zigoto, contundo uma vez que é fertilizado, agora embrião continua a se mover em direção ao útero, onde pode se implantar na parede uterina e começar o desenvolvimento fetal.
  • 11. 2.4-Corpo Albicans A fertilização não ocorrer, o corpo lúteo alcança o máximo de desenvolvimento aproximadamente 9 dias após a oocitação. Ele pode ser facilmente reconhecido como uma projeção amarelada na superfície do ovário. Subsequentemente, o corpo lúteo encolhe por causa da degeneração das células lúteas (luteólise) e forma uma massa de tecido cicatricial fibrótico, o corpo albicans. Simultaneamente, a produção de progesterona diminui, causando o sangramento menstrual. Se o oócito for fertilizado, a degeneração do corpo lúteo é evitada pela gonadotrofina coriônica humana, um hormônio secretado pelo sinciciotrofoblasto do embrião em desenvolvimento. O corpo lúteo continua a crescer e forma o corpo lúteo gravídico . Por volta do final do terceiro mês, essa estrutura pode ter de um terço até metade do tamanho total do ovário. As células lúteas amareladas continuam a secretar progesterona até o final do quarto mês; desse ponto em diante, elas regridem lentamente, conforme a secreção de progesterona pelo componente trofoblástico da placenta se torna adequada para a manutenção da gravidez. A remoção do corpo lúteo gravídico antes do quarto mês, desse ponto em diante, elas regridem lentamente, conforme a secreção de progesterona pelo componente trofoblástico da placenta se torna adequada para manutenção da gravidez.
  • 12. 3-Fase proliferativa  O desenvolvimento de um novo folículo ovárico, ocorre um aumento de estrogénio, que promove a proliferação do endométrio, com crescimento rápido das suas glândulas e vasos sanguíneos. Nesta fase, as glândulas produzem um muco fino e pegajoso que se alinha no canal cervical, e que tem por função guiar os espermatozoides até ao útero.
  • 13. 3.1-Fase secretora  Após a ovulação, o corpo lúteo produz estrogénios e progesterona em grandes quantidades.  O estrogénio promove o crescimento adicional do endométrio, enquanto a progesterona promove o desenvolvimento das glândulas secretoras e do tecido conjuntivo, transformando o endométrio num órgão secretor rico em nutrientes, capaz de nutrir precocemente o embrião e de permitir a sua fixação. Uma semana após a ovulação, o endométrico mede 5 a 6 mm de espessura.  Se não ocorrer a fixação do embrião na parede uterina e consequente gravidez, o corpo lúteo degenera, há quebra dos níveis de estrogénio e progesterona, e aparece a menstruação, iniciando-se um novo ciclo.
  • 15. 4-CONCLUSÃO  A cada ciclo ovariano, alguns folículos primários começam a crescer, mas, em geral, somente um alcança a maturidade plena e apenas um oócito é liberado na oocitação. Na oocitação, o oócito está em metáfase na segunda divisão meiótica e está cercado pela zona pelúcida e por algumas células granulosas. O movimento das fímbrias tubais carrega o oócito para a tuba uterina.