SlideShare uma empresa Scribd logo
ACONSTRUÇÃO DO SUS
MEDICINA SOCIAL I
SUS - Aula MS1- 2023.pptx
SUS - Aula MS1- 2023.pptx
SUS - Aula MS1- 2023.pptx
No Rio de Janeiro, em 1789, só existiam
quatro médicos exercendo a profissão”
• “Criação da primeira escola médica do Brasil- Bahia”
SUS - Aula MS1- 2023.pptx
 os navios estrangeiros não
mais queriam atracar no
porto do Rio de Janeiro
 Oswaldo Cruz é nomeado
diretor do Departamento
Federal de Saúde Pública:
erradicar a epidemia de
febre-amarela na cidade do
Rio de Janeiro
 1904: obrigatoriedade da
vacinação contra varíola:
revolta da vacina
 Modelo “campanhista”
• Peste
No Início...
◦ O atendimento à saúde no começo era por ações de
filantropia.
◦ As pessoas eram atendidas pelas instituições e médicos
filantropos.
Como as pessoas viviam...
◦ Além dos eventos epidêmicos;
◦ Os problemas individuais de saúde aumentaram;
◦ Enfermidades graves e menores;
◦ Doenças congênitas;
◦ Acidentes variados modificavam-se;
Essas situações requeriam um atendimento com uma
solução que tivesse ações de caráter coletivo;
O Estado fazia algumas ações de saúde diante de
epidemias;
Vacinação
CAPS
(Caixas de
Aposentadoria e
Pensões)
1923-1933
IAPs
(Instituto de
Aposentadorias e
Pensões)
1933-1966
INPS
(Instituto Nacional
Da Previdência
Social)
1966- 1977
(Instituto
Nacional de
Assistência
Médica da
Previdência
Social)
SUS – 1988 até
o dias atuais
INAMPS 1977-
1993
Ocaminhopercorridopara chegarmosaté oSUS...
A maior presença do Estado na saúde pública
ocorreu principalmente após a criação, em
1953, do Ministério da Saúde;
Maior organização dos serviços
Foram criados departamentos específicos
para cada finalidade.
O Ministério da Saúde era responsável pela
formulação de políticas nacionais de saúde, de
alimentação e de nutrição, assim como pelas
ações de atenção à saúde de interesse coletivo
Conferência de ALMA-ATA
◦Cazaquistão 1978
Conferência de ALMA-ATA
▶“Os governos têm pela saúde de seus povos uma responsabilidade
que só pode ser realizada mediante adequadas medidas sanitárias e
sociais.
▶Uma das principais metas sociais dos governos, das organizações
internacionais e de toda a comunidade mundial na próxima década
deve ser a de que todos os povos do mundo, até o ano 2000,
atinjam um nível de saúde que lhes permita levar uma vida social e
economicamente produtiva.
▶OS CUIDADOS PRIMÁRIOS DE SAÚDE constituem a
chave para que essa meta seja atingida, como parte do
desenvolvimento, no espírito da justiça social.”
Fonte: http://www.opas.org.br/declaracao-de-alma-ata/
8ª Conferência Nacional de Saúde- Brasil
A 8ª Conferência Nacional de Saúde
- realizada entre 17 e 21 de março de 1986 em Brasília
- foi um dos momentos mais importantes na definição do
Sistema Único de Saúde (SUS) e
- debateu três temas principais: 'A saúde como dever do
Estado e direito do cidadão', 'A reformulação do
Sistema Nacional de Saúde' e 'O financiamento setorial'
Ampliação do conceito de saúde
8° Conferência Nacional de Saúde:
“...saúde é a resultante das condições de alimentação,
habitação, educação, renda, meio ambiente, trabalho,
transporte, emprego, lazer, liberdade, acesso e posse da terra
e o acesso a serviços de saúde. É assim, antes de tudo, o
resultado das formas de organização social da produção, as
quais podem gerar grandes desigualdades nos níveis de vida...”
Antes do SUS...
O sistema público de saúde atendia a quem contribuía para a Previdência Social.
Quem não tinha dinheiro dependia da caridade e da filantropia.
Centralizado e de responsabilidade federal, sem a participação dos usuários.
Assistência médico-hospitalar.
Saúde é ausência de doenças.
SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS
“É uma nova formulação política e organizacional para o
reordenamento dos serviços e ações de saúde
estabelecida pela Constituição de 1988.
“Art. 196 CF: A saúde é direito de todos e dever do Estado,
garantido mediante políticas sociais e econômicas que
visem à redução do risco de doença e de outros agravos e
ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para
sua promoção, proteção e recuperação.
SUS
Municípios
Ministério
da Saúde
Estados
Composição do SUS
Por que é um sistema único?
Segue a mesma doutrina e os mesmos princípios organizativos
em todo o território nacional, sob a responsabilidade das três
esferas autônomas de governo federal, estadual e municipal.
SUS não é um serviço ou uma instituição
SUS é um sistema que significa um conjunto de unidades, de
serviços e ações que interagem para um fim comum. Esses
elementos integrantes do sistema, referem-se ao mesmo tempo,
às atividades de promoção, proteção e recuperação da saúde.
Princípios
do SUS
Organizacionais
Ideológicos
ou
Doutrinários
Universalidade
Integralidade
Equidade
Descentralização
Regionalização
Hierarquização
Controle social
Princípios Doutrinários
◦Universalidade;
◦Integralidade;
◦Equidade.
 Esses princípios dizem respeito à ideologia do Sistema Único de
Saúde, à base doutrinária desse sistema.
Princípios Doutrinários
UNIVERSALIDADE – É a garantia de atenção à
saúde por parte do sistema, a todo e qualquer
cidadão.
◦ Com a universalidade, o indivíduo passa a ter direito de
acesso a todos os serviços públicos de saúde, assim como
àqueles contratados pelo poder público.
◦ Todos têm direito, independentemente de renda, sexo,
idade, classe social, religião e cor.
EQUIDADE
◦ É assegurar ações e serviços de todos os níveis de acordo com
a complexidade que cada caso requeira, more o cidadão onde
morar, sem privilégios e sem barreiras.
◦ Todo cidadão é igual perante o SUS e será atendido conforme
suas necessidades até o limite do que o sistema puder oferecer
para todos.
INTEGRALIDADE
oCada pessoa é um todo indivisível e integrante de uma
comunidade;
oConsidera também o indivíduo nas suas características
biopsicossociais e espirituais, ou seja, considerando todas as
necessidades de saúde desse indivíduo.
oÉ um princípio que diz respeito à totalidade da atenção
dentro Sistema de Saúde, considerando os três níveis de
atenção: Primária, Secundária e Terciária.
oAs unidades prestadoras de serviço, com seus diversos
graus de formam também
indivisível
complexidade,
configurando um sistema capaz
um todo
de prestar
assistência integral.
Princípios Organizativos
Descentralização (tirar do centro) e Comando Único
• A gestão da saúde, que anteriormente era centrada no
Governo Federal, hoje, com o Sistema Único de Saúde, foi
descentralizada para Estados e Municípios.
• Comando único, onde cada esfera de governo é autônoma e
soberana nas suas decisões e atividades,
Regionalização
• É organizar a rede de atenção à saúde considerando as
características semelhantes, e também considerando a rede
de atenção à saúde, características populacionais, situação de
saúde, indicadores e outros fatores.
• Articulação entre os serviços
Hierarquização
Aminha rede de atenção à saúde deve ser organizada em
serviços de níveis de complexidade diferenciados:
Atenção
Terciária
Atenção
Secundária
Atenção Primária
LEI 8.080 de 1990
Lei Orgânica de Saúde
 Dispõe sobre as condições de promoção, proteção e recuperação
da saúde;
 Da organização e funcionamento dos serviços.
 Ela diz respeito à regulamentação e à organização e
funcionamento do Sistema Único de Saúde.
Art. 2º A saúde é um direito fundamental do ser
humano, devendo o Estado prover as condições
indispensáveis ao seu pleno exercício.
Principais temas da Lei 8080/90
Determinantes sociais em saúde
Vigilância em saúde
Princípios e diretrizes do SUS
Políticas para populações específicas
Responsabilidade das três esferas de governo
Estrutura de governança do SUS
Política de recursos humanos
Participação complementar do setor privado
Lei 8.142 de 28 de dezembro de 1990
◦ Lei 8.080 sofreu vetos e por isso foi necessário que, no finalzinho do
ano de 1990, fosse criada uma lei para a Participação da
Comunidade e as Transferências de Recursos Financeiros para os
entes Federados.
◦ Essa lei também trata a questão do Financiamento do Sistema Único
de Saúde. Diz respeito à transferência regular e automática de
recursos do Governo Federal para Estados e Municípios e Distrito
Federal.
Lei 8.142/ 90
◦ Cada esfera de governo deve contar com instâncias colegiadas com
participação da comunidade. Quais são elas: Conferências de
Saúde e Conselhos de Saúde.
◦ Conselho de Saúde é o órgão que vai fiscalizar a implementação
e utilização dos recursos de forma geral.
◦ Conferências de Saúde é responsável pela formulação de novas
propostas para o Sistema Único de Saúde, que acontece a cada 4
anos.
◦ Transferências de recursos financeiros entre os governos
Conferência de Saúde Conselho de Saúde
• Reunião a cada 4 anos • Caráter Permanente
• Representação de vários
segmentos sociais
• Representantes do governo
• Prestadores de Serviço
• Profissionais de Saúde e
usuários
• Avaliar a situação de saúde
• Propor diretrizes para a
formulação de política de
saúde
• Formulação de estratégias
• Controle de execução de
políticas públicas
• Convocada pelo Poder
Executivo ou pela
Conferência de Saúde ou
pelo Conselho de Saúde
• Decisões homologadas pelo
chefe executivo de cada
esfera de governo
Controle Social
◦ Está relacionado à participação da comunidade no Sistema
Único de Saúde, na formulação das políticas e na fiscalização
e implementação dessas políticas.
◦ O controle social para alguns autores é considerado um
Princípio Doutrinário, para outros autores ele é um princípio
Organizacional
Participação Popular:
◦ A sociedade deve participar no dia-a-dia do sistema.
Para isto, devem ser criados os Conselhos e as
Conferências de Saúde, que visam formular
estratégias, controlar e avaliar a execução da política
de saúde
Composição
dos Conselhos
de Saúde
25% de entidades
de trabalhadores de
saúde
50% de
entidades de
usuários
25%de representantes
de governo,
prestadores de
serviços privados
conveniados ou sem
fins lucrativos
RESOLUÇÃO Nº 453,
DE 10 DE MAIO DE
2012
◦O direito à saúde é o valor central da cobertura de saúde
universal, a ser promovido e protegido, sem distinção de
idade, grupo étnico, raça, sexo, gênero, orientação sexual,
idioma, religião, opiniões políticas ou outras, origem
nacional ou social, posição econômica, nascimento ou
qualquer outro status.
◦ (OPAS, 2020)
Referências:
◦BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Lei nº 8.080,
de 19 de setembro de 1990. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 set.
1990, Seção 1, p 1.
◦BRASIL. Ministério da Saúde. ABC do SUS: doutrinas e princípios.
Ministério da Saúde - Secretaria Nacional de Assistência à Saúde,
Brasília, DF, 1990.
◦BRASIL. Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. Resolução no
453, de 10 de maio de 2012. Brasília: Ministério da Saúde, 2012.
◦Organização Pan-Americana da Saúde. Relatório 30 anos de SUS, que
SUS para 2030? Brasília, D.F.:; 2020. Disponível
em:<https://iris.paho.org/handle/10665.2/52517>
Referências:
◦ Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Subsecretaria de
Assuntos Administrativos. SUS: a saúde do Brasil / Ministério da Saúde,
Secretaria-Executiva, Subsecretaria de Assuntos Administrativos. – Brasília
: Editora do Ministério da Saúde, 2011. Disponível em:
<http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/sus_saude_brasil_3ed.pdf>.
Acesso em 03 março 2018.
◦ MENDES, IsabelAmélia Costa. Desenvolvimento e saúde: a declaração de
Alma-Ata e movimentos posteriores. Rev. Latino-Am.
Enfermagem, Ribeirão Preto , v. 12, n. 3, p. 447-448, June 2004
. Available from
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
11692004000300001&lng=en&nrm=iso>. access
on 11 Aug. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692004000300001.
◦ SANGLARD, G.; FERREIRA, L. O. Médicos e filantropos: a
institucionalização do ensino da pediatria e da assistência à infância no
Rio de Janeiro da Primeira República. Varia hist., Belo Horizonte , v.
26, n. 44, p. 437-459, Dec. 2010 . Available from
<http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104-
87752010000200006&lng=en&nrm=iso>.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúdeModelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde
Fisioterapia/ Gerencia em Saúde
 
SUS para Concursos
SUS para ConcursosSUS para Concursos
SUS para Concursos
Marcio Pinto da Silva
 
Evolução histórica das políticas de saúde no brasil
Evolução histórica das políticas de saúde no brasilEvolução histórica das políticas de saúde no brasil
Evolução histórica das políticas de saúde no brasil
Fisioterapeuta
 
PACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDEPACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDE
Fernanda Marinho
 
Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...
Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...
Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...
John Paul John Paul
 
Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015 Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015
Jamessonjr Leite Junior
 
sus - cf, princípios, leis orgânicas.
sus - cf, princípios, leis orgânicas.sus - cf, princípios, leis orgânicas.
sus - cf, princípios, leis orgânicas.
Liz Cavalcante
 
Lista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsória
Lista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsóriaLista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsória
Lista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsória
Karynne Alves do Nascimento
 
Sus
SusSus
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de SaúdeAs origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
Karynne Alves do Nascimento
 
2. sistema único de saúde (SUS)
2. sistema único de saúde (SUS)2. sistema único de saúde (SUS)
2. sistema único de saúde (SUS)
Leonardo Savassi
 
Sistema único de saúde
Sistema único de saúdeSistema único de saúde
Sistema único de saúde
Thayline Cardoso
 
Lei 8142 e controle social
Lei 8142 e controle socialLei 8142 e controle social
Lei 8142 e controle social
Aprova Saúde
 
A Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária BrasileiraA Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária Brasileira
Bianca Lazarini Forreque Poli
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Ghiordanno Bruno
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Mario Gandra
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
Ghiordanno Bruno
 
Política Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básicaPolítica Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básica
Renata Cadidé
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
Flávio Rocha
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
Faculdade União das Américas
 

Mais procurados (20)

Modelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúdeModelo de atenção à saúde
Modelo de atenção à saúde
 
SUS para Concursos
SUS para ConcursosSUS para Concursos
SUS para Concursos
 
Evolução histórica das políticas de saúde no brasil
Evolução histórica das políticas de saúde no brasilEvolução histórica das políticas de saúde no brasil
Evolução histórica das políticas de saúde no brasil
 
PACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDEPACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDE
 
Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...
Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...
Evolução histórica da organização do sistema de saúde no brasil e a construçã...
 
Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015 Políticas da atenção básica redes aula 2015
Políticas da atenção básica redes aula 2015
 
sus - cf, princípios, leis orgânicas.
sus - cf, princípios, leis orgânicas.sus - cf, princípios, leis orgânicas.
sus - cf, princípios, leis orgânicas.
 
Lista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsória
Lista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsóriaLista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsória
Lista de doenças, agravos e eventos em saúde pública - notificação compulsória
 
Sus
SusSus
Sus
 
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de SaúdeAs origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
As origens da reforma sanitária e do Sistema Único de Saúde
 
2. sistema único de saúde (SUS)
2. sistema único de saúde (SUS)2. sistema único de saúde (SUS)
2. sistema único de saúde (SUS)
 
Sistema único de saúde
Sistema único de saúdeSistema único de saúde
Sistema único de saúde
 
Lei 8142 e controle social
Lei 8142 e controle socialLei 8142 e controle social
Lei 8142 e controle social
 
A Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária BrasileiraA Reforma Sanitária Brasileira
A Reforma Sanitária Brasileira
 
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUSAula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
Aula 01 - Sistemas de informação em saúde para gestão do SUS
 
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológicaSaúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
Saúde Coletica - 5. vigilância epidemiológica
 
Aula 3 - SUS
Aula 3 - SUSAula 3 - SUS
Aula 3 - SUS
 
Política Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básicaPolítica Nacional de Atenção básica
Política Nacional de Atenção básica
 
Lei 8080.90
Lei 8080.90Lei 8080.90
Lei 8080.90
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 

Semelhante a SUS - Aula MS1- 2023.pptx

Sus
SusSus
Aapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectiva
Aapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectivaAapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectiva
Aapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectiva
KarinaMartins88
 
Slides sus
Slides susSlides sus
RESUMO EM SLIDE SUS
RESUMO EM SLIDE SUS RESUMO EM SLIDE SUS
RESUMO EM SLIDE SUS
marinhokel
 
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.pptHISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
ssuser1b1803
 
AULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptx
AULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptxAULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptx
AULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptx
CarlaAlves362153
 
Sus sistema unico de saude
Sus   sistema unico de saudeSus   sistema unico de saude
Sus sistema unico de saude
ivone guedes borges
 
AULA 01 SAÚDE COLETIVA (1).pptx
AULA 01 SAÚDE COLETIVA (1).pptxAULA 01 SAÚDE COLETIVA (1).pptx
AULA 01 SAÚDE COLETIVA (1).pptx
LucieneCapone1
 
Aula-Sistema-Único-de-Saúde (1).pptx
Aula-Sistema-Único-de-Saúde (1).pptxAula-Sistema-Único-de-Saúde (1).pptx
Aula-Sistema-Único-de-Saúde (1).pptx
AndreyLima16
 
Sus pas-2013
Sus pas-2013Sus pas-2013
Sus pas-2013
Fabio Junqueira
 
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdfAula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
UNEMAT
 
Apostila sus para concursos
Apostila   sus para concursosApostila   sus para concursos
Apostila sus para concursos
Barbara Duarte
 
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
klenio2
 
Controle social
Controle socialControle social
Controle social
Saúde Hervalense
 
Cartilha orientacao
Cartilha orientacaoCartilha orientacao
Cartilha orientacao
Rodrigo Gonçalves
 
Cartilha de Orientação para Conselheiros de Saúde
Cartilha de Orientação para Conselheiros de SaúdeCartilha de Orientação para Conselheiros de Saúde
Cartilha de Orientação para Conselheiros de Saúde
Cínthia Lima
 
Slides sus [salvo automaticamente]
Slides sus [salvo automaticamente]Slides sus [salvo automaticamente]
Slides sus [salvo automaticamente]
Fisioterapeuta
 
Sistema Único de Saúde
Sistema Único de SaúdeSistema Único de Saúde
Sistema Único de Saúde
feraps
 
Aula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptx
Aula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptxAula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptx
Aula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptx
profwilberthlincoln1
 
Conselhos e Conferências de Saúde
Conselhos e Conferências de SaúdeConselhos e Conferências de Saúde
Conselhos e Conferências de Saúde
Evilene Bolos
 

Semelhante a SUS - Aula MS1- 2023.pptx (20)

Sus
SusSus
Sus
 
Aapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectiva
Aapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectivaAapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectiva
Aapostila de saúde publica no Brasil: breve restrospectiva
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
RESUMO EM SLIDE SUS
RESUMO EM SLIDE SUS RESUMO EM SLIDE SUS
RESUMO EM SLIDE SUS
 
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.pptHISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
HISTÓRIA DA SAÚDE PÚBLICA NO BRASIL AULA 01.ppt
 
AULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptx
AULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptxAULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptx
AULA 2 - POLÍTICAS PUBLICAS.pptx
 
Sus sistema unico de saude
Sus   sistema unico de saudeSus   sistema unico de saude
Sus sistema unico de saude
 
AULA 01 SAÚDE COLETIVA (1).pptx
AULA 01 SAÚDE COLETIVA (1).pptxAULA 01 SAÚDE COLETIVA (1).pptx
AULA 01 SAÚDE COLETIVA (1).pptx
 
Aula-Sistema-Único-de-Saúde (1).pptx
Aula-Sistema-Único-de-Saúde (1).pptxAula-Sistema-Único-de-Saúde (1).pptx
Aula-Sistema-Único-de-Saúde (1).pptx
 
Sus pas-2013
Sus pas-2013Sus pas-2013
Sus pas-2013
 
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdfAula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
Aula-1-História-da-Saúde-Pública-no-Brasil.pdf
 
Apostila sus para concursos
Apostila   sus para concursosApostila   sus para concursos
Apostila sus para concursos
 
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
1 Noções de saúde coletiva - Copia.pptx
 
Controle social
Controle socialControle social
Controle social
 
Cartilha orientacao
Cartilha orientacaoCartilha orientacao
Cartilha orientacao
 
Cartilha de Orientação para Conselheiros de Saúde
Cartilha de Orientação para Conselheiros de SaúdeCartilha de Orientação para Conselheiros de Saúde
Cartilha de Orientação para Conselheiros de Saúde
 
Slides sus [salvo automaticamente]
Slides sus [salvo automaticamente]Slides sus [salvo automaticamente]
Slides sus [salvo automaticamente]
 
Sistema Único de Saúde
Sistema Único de SaúdeSistema Único de Saúde
Sistema Único de Saúde
 
Aula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptx
Aula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptxAula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptx
Aula sobreo Sistema Único de Saúde slides_SUS.pptx
 
Conselhos e Conferências de Saúde
Conselhos e Conferências de SaúdeConselhos e Conferências de Saúde
Conselhos e Conferências de Saúde
 

Último

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
Manuais Formação
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
SheylaAlves6
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Luiz C. da Silva
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Centro Jacques Delors
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Falcão Brasil
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
Falcão Brasil
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
portaladministradores
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Luzia Gabriele
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
Marcelo Botura
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 

Último (20)

Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
UFCD_7224_Prevenção de acidentes em contexto domiciliário e institucional_índ...
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
28 - Agente de Endemias (40 mapas mentais) - Amostra.pdf
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da TerraUma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
Uma Breve História da Origem, Formação e Evolução da Terra
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
Slide | Eurodeputados Portugueses (2024-2029) - Parlamento Europeu (atualiz. ...
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdfSistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
Sistema Integrado de Monitoramento de Fronteiras - SISFRON.pdf
 
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdfA Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
A Industria Brasileira de Defesa - Situação Atual e Perspectivas de Evolução.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdfAPRESENTAÇÃO  CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
APRESENTAÇÃO CURSO FORMAÇÃO EXPERT EM MODERAÇÃO DE FOCUS GROUP.pdf
 
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsxQue Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
Que Pena Amor! Eugénio de Sá - Soneto.ppsx
 
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptxSlides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
Slides Lição 3, CPAD, Rute e Noemi, Entrelaçadas pelo Amor.pptx
 
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?O que é  o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
O que é o programa nacional de alimentação escolar (PNAE)?
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 

SUS - Aula MS1- 2023.pptx

  • 5. No Rio de Janeiro, em 1789, só existiam quatro médicos exercendo a profissão”
  • 6. • “Criação da primeira escola médica do Brasil- Bahia”
  • 8.  os navios estrangeiros não mais queriam atracar no porto do Rio de Janeiro  Oswaldo Cruz é nomeado diretor do Departamento Federal de Saúde Pública: erradicar a epidemia de febre-amarela na cidade do Rio de Janeiro  1904: obrigatoriedade da vacinação contra varíola: revolta da vacina  Modelo “campanhista” • Peste
  • 9. No Início... ◦ O atendimento à saúde no começo era por ações de filantropia. ◦ As pessoas eram atendidas pelas instituições e médicos filantropos.
  • 10. Como as pessoas viviam...
  • 11. ◦ Além dos eventos epidêmicos; ◦ Os problemas individuais de saúde aumentaram; ◦ Enfermidades graves e menores; ◦ Doenças congênitas; ◦ Acidentes variados modificavam-se; Essas situações requeriam um atendimento com uma solução que tivesse ações de caráter coletivo; O Estado fazia algumas ações de saúde diante de epidemias;
  • 13. CAPS (Caixas de Aposentadoria e Pensões) 1923-1933 IAPs (Instituto de Aposentadorias e Pensões) 1933-1966 INPS (Instituto Nacional Da Previdência Social) 1966- 1977 (Instituto Nacional de Assistência Médica da Previdência Social) SUS – 1988 até o dias atuais INAMPS 1977- 1993 Ocaminhopercorridopara chegarmosaté oSUS...
  • 14. A maior presença do Estado na saúde pública ocorreu principalmente após a criação, em 1953, do Ministério da Saúde; Maior organização dos serviços Foram criados departamentos específicos para cada finalidade. O Ministério da Saúde era responsável pela formulação de políticas nacionais de saúde, de alimentação e de nutrição, assim como pelas ações de atenção à saúde de interesse coletivo
  • 16. Conferência de ALMA-ATA ▶“Os governos têm pela saúde de seus povos uma responsabilidade que só pode ser realizada mediante adequadas medidas sanitárias e sociais. ▶Uma das principais metas sociais dos governos, das organizações internacionais e de toda a comunidade mundial na próxima década deve ser a de que todos os povos do mundo, até o ano 2000, atinjam um nível de saúde que lhes permita levar uma vida social e economicamente produtiva. ▶OS CUIDADOS PRIMÁRIOS DE SAÚDE constituem a chave para que essa meta seja atingida, como parte do desenvolvimento, no espírito da justiça social.” Fonte: http://www.opas.org.br/declaracao-de-alma-ata/
  • 17. 8ª Conferência Nacional de Saúde- Brasil
  • 18. A 8ª Conferência Nacional de Saúde - realizada entre 17 e 21 de março de 1986 em Brasília - foi um dos momentos mais importantes na definição do Sistema Único de Saúde (SUS) e - debateu três temas principais: 'A saúde como dever do Estado e direito do cidadão', 'A reformulação do Sistema Nacional de Saúde' e 'O financiamento setorial'
  • 19. Ampliação do conceito de saúde 8° Conferência Nacional de Saúde: “...saúde é a resultante das condições de alimentação, habitação, educação, renda, meio ambiente, trabalho, transporte, emprego, lazer, liberdade, acesso e posse da terra e o acesso a serviços de saúde. É assim, antes de tudo, o resultado das formas de organização social da produção, as quais podem gerar grandes desigualdades nos níveis de vida...”
  • 20. Antes do SUS... O sistema público de saúde atendia a quem contribuía para a Previdência Social. Quem não tinha dinheiro dependia da caridade e da filantropia. Centralizado e de responsabilidade federal, sem a participação dos usuários. Assistência médico-hospitalar. Saúde é ausência de doenças.
  • 21. SISTEMA ÚNICO DE SAÚDE - SUS “É uma nova formulação política e organizacional para o reordenamento dos serviços e ações de saúde estabelecida pela Constituição de 1988. “Art. 196 CF: A saúde é direito de todos e dever do Estado, garantido mediante políticas sociais e econômicas que visem à redução do risco de doença e de outros agravos e ao acesso universal e igualitário às ações e serviços para sua promoção, proteção e recuperação.
  • 23. Por que é um sistema único? Segue a mesma doutrina e os mesmos princípios organizativos em todo o território nacional, sob a responsabilidade das três esferas autônomas de governo federal, estadual e municipal. SUS não é um serviço ou uma instituição SUS é um sistema que significa um conjunto de unidades, de serviços e ações que interagem para um fim comum. Esses elementos integrantes do sistema, referem-se ao mesmo tempo, às atividades de promoção, proteção e recuperação da saúde.
  • 25. Princípios Doutrinários ◦Universalidade; ◦Integralidade; ◦Equidade.  Esses princípios dizem respeito à ideologia do Sistema Único de Saúde, à base doutrinária desse sistema.
  • 26. Princípios Doutrinários UNIVERSALIDADE – É a garantia de atenção à saúde por parte do sistema, a todo e qualquer cidadão. ◦ Com a universalidade, o indivíduo passa a ter direito de acesso a todos os serviços públicos de saúde, assim como àqueles contratados pelo poder público. ◦ Todos têm direito, independentemente de renda, sexo, idade, classe social, religião e cor.
  • 27. EQUIDADE ◦ É assegurar ações e serviços de todos os níveis de acordo com a complexidade que cada caso requeira, more o cidadão onde morar, sem privilégios e sem barreiras. ◦ Todo cidadão é igual perante o SUS e será atendido conforme suas necessidades até o limite do que o sistema puder oferecer para todos.
  • 28. INTEGRALIDADE oCada pessoa é um todo indivisível e integrante de uma comunidade; oConsidera também o indivíduo nas suas características biopsicossociais e espirituais, ou seja, considerando todas as necessidades de saúde desse indivíduo. oÉ um princípio que diz respeito à totalidade da atenção dentro Sistema de Saúde, considerando os três níveis de atenção: Primária, Secundária e Terciária. oAs unidades prestadoras de serviço, com seus diversos graus de formam também indivisível complexidade, configurando um sistema capaz um todo de prestar assistência integral.
  • 29. Princípios Organizativos Descentralização (tirar do centro) e Comando Único • A gestão da saúde, que anteriormente era centrada no Governo Federal, hoje, com o Sistema Único de Saúde, foi descentralizada para Estados e Municípios. • Comando único, onde cada esfera de governo é autônoma e soberana nas suas decisões e atividades,
  • 30. Regionalização • É organizar a rede de atenção à saúde considerando as características semelhantes, e também considerando a rede de atenção à saúde, características populacionais, situação de saúde, indicadores e outros fatores. • Articulação entre os serviços
  • 31. Hierarquização Aminha rede de atenção à saúde deve ser organizada em serviços de níveis de complexidade diferenciados: Atenção Terciária Atenção Secundária Atenção Primária
  • 32. LEI 8.080 de 1990 Lei Orgânica de Saúde  Dispõe sobre as condições de promoção, proteção e recuperação da saúde;  Da organização e funcionamento dos serviços.  Ela diz respeito à regulamentação e à organização e funcionamento do Sistema Único de Saúde. Art. 2º A saúde é um direito fundamental do ser humano, devendo o Estado prover as condições indispensáveis ao seu pleno exercício.
  • 33. Principais temas da Lei 8080/90 Determinantes sociais em saúde Vigilância em saúde Princípios e diretrizes do SUS Políticas para populações específicas Responsabilidade das três esferas de governo Estrutura de governança do SUS Política de recursos humanos Participação complementar do setor privado
  • 34. Lei 8.142 de 28 de dezembro de 1990 ◦ Lei 8.080 sofreu vetos e por isso foi necessário que, no finalzinho do ano de 1990, fosse criada uma lei para a Participação da Comunidade e as Transferências de Recursos Financeiros para os entes Federados. ◦ Essa lei também trata a questão do Financiamento do Sistema Único de Saúde. Diz respeito à transferência regular e automática de recursos do Governo Federal para Estados e Municípios e Distrito Federal.
  • 35. Lei 8.142/ 90 ◦ Cada esfera de governo deve contar com instâncias colegiadas com participação da comunidade. Quais são elas: Conferências de Saúde e Conselhos de Saúde. ◦ Conselho de Saúde é o órgão que vai fiscalizar a implementação e utilização dos recursos de forma geral. ◦ Conferências de Saúde é responsável pela formulação de novas propostas para o Sistema Único de Saúde, que acontece a cada 4 anos. ◦ Transferências de recursos financeiros entre os governos
  • 36. Conferência de Saúde Conselho de Saúde • Reunião a cada 4 anos • Caráter Permanente • Representação de vários segmentos sociais • Representantes do governo • Prestadores de Serviço • Profissionais de Saúde e usuários • Avaliar a situação de saúde • Propor diretrizes para a formulação de política de saúde • Formulação de estratégias • Controle de execução de políticas públicas • Convocada pelo Poder Executivo ou pela Conferência de Saúde ou pelo Conselho de Saúde • Decisões homologadas pelo chefe executivo de cada esfera de governo
  • 37. Controle Social ◦ Está relacionado à participação da comunidade no Sistema Único de Saúde, na formulação das políticas e na fiscalização e implementação dessas políticas. ◦ O controle social para alguns autores é considerado um Princípio Doutrinário, para outros autores ele é um princípio Organizacional
  • 38. Participação Popular: ◦ A sociedade deve participar no dia-a-dia do sistema. Para isto, devem ser criados os Conselhos e as Conferências de Saúde, que visam formular estratégias, controlar e avaliar a execução da política de saúde
  • 39. Composição dos Conselhos de Saúde 25% de entidades de trabalhadores de saúde 50% de entidades de usuários 25%de representantes de governo, prestadores de serviços privados conveniados ou sem fins lucrativos RESOLUÇÃO Nº 453, DE 10 DE MAIO DE 2012
  • 40. ◦O direito à saúde é o valor central da cobertura de saúde universal, a ser promovido e protegido, sem distinção de idade, grupo étnico, raça, sexo, gênero, orientação sexual, idioma, religião, opiniões políticas ou outras, origem nacional ou social, posição econômica, nascimento ou qualquer outro status. ◦ (OPAS, 2020)
  • 41. Referências: ◦BRASIL. Ministério da Saúde. Conselho Nacional de Saúde. Lei nº 8.080, de 19 de setembro de 1990. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 20 set. 1990, Seção 1, p 1. ◦BRASIL. Ministério da Saúde. ABC do SUS: doutrinas e princípios. Ministério da Saúde - Secretaria Nacional de Assistência à Saúde, Brasília, DF, 1990. ◦BRASIL. Ministério da Saúde, Conselho Nacional de Saúde. Resolução no 453, de 10 de maio de 2012. Brasília: Ministério da Saúde, 2012. ◦Organização Pan-Americana da Saúde. Relatório 30 anos de SUS, que SUS para 2030? Brasília, D.F.:; 2020. Disponível em:<https://iris.paho.org/handle/10665.2/52517>
  • 42. Referências: ◦ Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria-Executiva. Subsecretaria de Assuntos Administrativos. SUS: a saúde do Brasil / Ministério da Saúde, Secretaria-Executiva, Subsecretaria de Assuntos Administrativos. – Brasília : Editora do Ministério da Saúde, 2011. Disponível em: <http://bvsms.saude.gov.br/bvs/publicacoes/sus_saude_brasil_3ed.pdf>. Acesso em 03 março 2018. ◦ MENDES, IsabelAmélia Costa. Desenvolvimento e saúde: a declaração de Alma-Ata e movimentos posteriores. Rev. Latino-Am. Enfermagem, Ribeirão Preto , v. 12, n. 3, p. 447-448, June 2004 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 11692004000300001&lng=en&nrm=iso>. access on 11 Aug. 2015. http://dx.doi.org/10.1590/S0104-11692004000300001.
  • 43. ◦ SANGLARD, G.; FERREIRA, L. O. Médicos e filantropos: a institucionalização do ensino da pediatria e da assistência à infância no Rio de Janeiro da Primeira República. Varia hist., Belo Horizonte , v. 26, n. 44, p. 437-459, Dec. 2010 . Available from <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0104- 87752010000200006&lng=en&nrm=iso>.