SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 55
Baixar para ler offline
SOLDAGEM
SOLDAGEM 
Referências Bibliográficas 
•FREIRE, José de Mendonça. Processos de fabricação VII, Editora ao Livro Técnico; 
•CHIAVERINE, Vicente; 
•CALLISTER, Jr Willian D. Ciência e engenharia de materiais – Uma introdução. 
•Telecurso 2000; 
•ABNT; 
•Soldagem, Processos e Metalurgia; Autores: Emilio Wainer; Sérgio d. Brandi; Fábio D. homem de Melo Editora: Edgar Blucher, LTDA 
•Soldagem, Fundamentos e tecnologia; Autores: Paulo V. Marques; paulo J. Modenesi; Alexandre Queiroz Editora: UFMG 
•Ensaios Mecânicos dos Materiais Metálicos (Fund. Teóricos e práticos). Autor: sérgio Augusto de Souza Editora: Edgar Blucher, LTDA
Profº Villardo 4 
SOLDAGEM 
4 - Introdução aos Processos de Soldagem De uma forma geral os processos de soldagem podem ser divididos segundo diferentes padrões: 
Pela forma de atuação da fonte energética. 
-fusão ou pressão 
Por tipo de veículo energético. - corrente elétrica, gás, movimento, descarga elétrica, etc.
Profº Villardo 5 
SOLDAGEM 
4 - Introdução aos Processos de Soldagem(Cont.) 
Por tipo de união metálica. 
-por fusão, por resistência elétrica, união sólida, união líquido – sólido, adesivos, etc. 
Por grau de automação / tipo de operação. - manual, semiautomático, automático e robotizada.
Profº Villardo 6 
SOLDAGEM 
Para efeito de estudos, costumamos dividir os processos de soldagem tomando-se como referência, a forma de atuação da fonte de energia: 
Por fusão: onde a energia funde o material e a solubilização ocorre na fase líquida. 
Por pressão: onde a energia produz uma tensão no material e a solubilização ocorre na fase sólida.
Profº Villardo 7 
SOLDAGEM 
Existem três tipos de energia utilizados em soldagem: 
Soldagem por energia elétrica; 
Soldagem por energia termoquímica; 
Soldagem por energia mecânica.
Profº Villardo 8 
SOLDAGEM 
4.1 Soldagem por energia elétrica Caracteriza-se no uso de energia elétrica na geração do calor, necessário para fusão dos constituintes da solda. Existem vários processos de soldagem por energia elétrica, porém estudaremos apenas os de maior aplicação nas industrias, são eles: 
Soldagem a arco elétrico; 
Soldagem por resistência elétrica.
Profº Villardo 9 
SOLDAGEM 
I - Soldagem a arco elétrico Arco elétrico → Centelha (ou faísca) formada pela passagem de corrente elétrica no espaço existente entre dois materiais condutores, resultando em geração de grande quantidade de calor.
Profº Villardo 10 
SOLDAGEM
Profº Villardo 11 
SOLDAGEM 
Portanto, soldagem a arco elétrico, é o processo que utiliza o calor gerado por um arco elétrico, para fundir os materiais que constituirão a solda, divide-se em: 
Eletrodo revestido; 
Arco submerso; 
TIG; 
MIG/MAG; 
Eletrogás; 
Resistência; 
Eletroescória.
Profº Villardo 12 
SOLDAGEM 
4.1 - SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO É o processo de soldagem no qual um arco elétrico é estabelecido entre a extremidade de um eletrodo revestido consumível e o metal de base na junta que esta sendo soldada, sendo assim estabelecida a poça de fusão. O metal de adição é transferido para a poça de fusão através do arco, constituindo o metal de solda ao solidificar-se (diluição, entre o metal de base e metal depositado),
Profº Villardo 13 
SOLDAGEM
Profº Villardo 14 
SOLDAGEM
Profº Villardo 15 
SOLDAGEM 
Eletrodo é o componente utilizado como um dos condutores necessários para se obter o arco elétrico na soldagem, por energia elétrica. 
O outro condutor necessário para a abertura do arco é a própria peça.
Profº Villardo 16 
SOLDAGEM 
O eletrodo revestido, é constituído por uma alma metálica (vareta), coberta por um revestimento, que é o responsável pela adição de algumas propriedades à solda, tais como: 
a.Formação da “nata” ou escória; 
b.Poça de fusão; 
c.Manutenção do arco elétrico.
Profº Villardo 17 
SOLDAGEM 
a 
b 
c
Profº Villardo 18 
SOLDAGEM 
O processo é aplicado para a soldagem da maioria de materiais metálicos, em espessuras variando entre 2,0 e 200 mm, e em todas as posições de soldagem. 
Apresenta baixo custo de equipamento porém, exige considerável habilidade manual, por parte do soldador e resulta em uma produtividade, relativamente, baixa se comparado aos processos automáticos e semiautomáticos.
Profº Villardo 19 
SOLDAGEM
Profº Villardo 20 
SOLDAGEM 
Equipamentos
Profº Villardo 21 
SOLDAGEM 
Aplicações
Profº Villardo 22 
SOLDAGEM 
4.2 - SOLDAGEM A ARCO COM PROTEÇÃO POR GÁS E ELETRODO NÃO CONSUMÍVEL (TIG) Processo de soldagem no qual a união entre peças metálicas é produzida pelo aquecimento e fusão destas, por meio de um arco elétrico, estabelecido entre um eletrodo de tungstênio, não consumível, e as peças a unir. A poça de fusão e o arco elétrico, são protegidos contra a contaminação dos gases da atmosfera por um gás inerte, ou misturas de gases inertes, injetados através do bocal da pistola, ver figura 4.3.
Profº Villardo 23 
SOLDAGEM
Profº Villardo 24 
SOLDAGEM
Profº Villardo 25 
SOLDAGEM 
A soldagem TIG, usualmente manual, poderá ser feita com ou sem emprego de metal de adição sendo aplicada a maioria dos metais e suas ligas na soldagem em qualquer posição. Entretanto, dado ao custo relativamente alto do equipamento e a baixa velocidade de soldagem (manual), o processo resulta em pouca produtividade. Por essas razões, o seu principal emprego é na soldagem de metais não ferrosos e aços inoxidáveis, na soldagem de pequenas espessuras (da ordem de milímetros) e, no passe de raiz na soldagem de tubulações.
Profº Villardo 26 
SOLDAGEM 
O equipamento completo é apresentado na figura 4.4. As fontes de energia para o processo fornecem corrente mínima em torno de 5 a 10 A e corrente máxima de 200 a 500 Amperes.
Profº Villardo 27 
SOLDAGEM 
Equipamentos
Profº Villardo 28 
SOLDAGEM 
4.3 - SOLDAGEM A ARCO COM PROTEÇÃO POR GÁS E ELETRODO CONSUMÍVEL (MIG/MAG) 
O processo de soldagem MIG/MAG produz a união de peças metálicas pelo aquecimento e fusão destas, com um arco elétrico estabelecido entre um eletrodo nu (arame) consumível, e as referidas peças na junta de solda.
Profº Villardo 29 
SOLDAGEM 
O metal de adição é transferido para a poça de fusão através da coluna do arco, sendo o mesmo e a própria poça protegidos contra a contaminação dos gases da atmosfera por um gás ou mistura de gases que podem ser inertes ou ativos.
Profº Villardo 30 
SOLDAGEM
Profº Villardo 31 
SOLDAGEM 
TOCHA PARA MIG/MAG
Profº Villardo 32 
SOLDAGEM 
Equipamentos
Profº Villardo 33 
SOLDAGEM 
Aplicações
Profº Villardo 34 
SOLDAGEM 
A soldagem MIG/MAG é um processo normalmente semiautomático, em que a alimentação do arame eletrodo é feita mecanicamente e o soldador controla o movimento da pistola além da iniciação e interrupção do arco.
Profº Villardo 35 
SOLDAGEM 
TRANSF.POR SPRAY
Profº Villardo 36 
SOLDAGEM 
TRANSF.POR ARCO PULSANTE
Profº Villardo 37 
SOLDAGEM 
O processo é empregado na soldagem de materiais, numa ampla faixa de espessuras, tanto em ferrosos quanto em não ferrosos e em todas as posições de soldagem. O mesmo propicia uma alta taxa de deposição, aliada a elevado fator de trabalho.
Profº Villardo 38 
SOLDAGEM 
Como desvantagens pode-se considerar o ajuste rigoroso dos parâmetros para soldagem isenta de defeitos e também o custo do equipamento comparativamente ao do processo de soldagem com eletrodos revestidos.
Profº Villardo 39 
SOLDAGEM
Profº Villardo 40 
SOLDAGEM 
4.5 - SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO 
O processo consiste em um arame-eletrodo nu, continuamente alimentado, o qual produz arco elétrico com a peça, formando assim a poça de fusão, sendo ambos recobertos por uma camada de fluxo granular fusível, que protege o metal da contaminação atmosférica e possui outras funções metalúrgicas. O arco e a poça de fusão não são visível daí a denominação – “arco submerso”, ver detalhe na figura 4.7.
Profº Villardo 41 
SOLDAGEM 
4.5 - SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO
Profº Villardo 42 
SOLDAGEM 
O equipamento para soldagem a arco submerso, utiliza fonte de energia capaz da gerar altas correntes, até 2000A, com arames maciços de diâmetro variando entre 1,6 a 6,4mm. A taxa de deposição atinge valores altos, próximos a 20 kg/hora, com um único arame, podendo ser aumentada caso sejam utilizados múltiplos arames. 
Existe também a variação em que o consumível está na forma de fita.
Profº Villardo 43 
SOLDAGEM 
Quanto ao emprego, a grande penetração resultante das elevadas correntes não recomendam o processo para espessuras inferiores a 6,0mm. O processo é limitado as posições de soldagem plana e horizontal em ângulo, as quais oferecem sustentação para o fluxo. Os materiais soldados são praticamente todos os metais ferrosos e alguns não ferrosos incluindo ligas de níquel, cobre e outras.
Profº Villardo 44 
SOLDAGEM 
4.5 - SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO
Profº Villardo 45 
SOLDAGEM 
4.5 - SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO 
RECURSO PARA SUSTENTAÇÃO DO FLUXO
Profº Villardo 46 
SOLDAGEM 
4.5 - SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO
Profº Villardo 47 
SOLDAGEM 
4.5 - SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO 
Consumíveis
Profº Villardo 48 
SOLDAGEM 
4.6 - SOLDAGEM A GÁS 
É o processo no qual a união das partes é devida ao aquecimento produzido por uma chama, usando ou não metal de adição, com ou sem aplicação de pressão. 
A chama empregada no processo resulta da mistura entre um gás combustível, o gás comburente (oxigênio), na presença de ignição.
Profº Villardo 49 
SOLDAGEM 
4.6 - SOLDAGEM A GÁS 
Os gases mais usados são: Combustíveis: 
Acetileno; 
Propano; 
Hidrogênio. Comburente: 
Oxigênio.
Profº Villardo 50 
SOLDAGEM 
Entre os gases combustíveis, o gás acetileno é o que apresenta melhor desempenho para operação de soldagem. Esta característica se deve as propriedades físicas de sua chama, chama oxi-acetilênica, quanto a alta Temperatura (TMÁX.= 3120ºC) e elevado Poder Calorífico concentrado, junto ao cone interno. Estas propriedades são essenciais à soldagem por permitirem a fusão do metal de base e constituição da poça de fusão. Na figura 4.9, consta, respectivamente, o esquemático da chama e do equipamento completo para soldagem oxi-acetilênica
Profº Villardo 51 
SOLDAGEM
Profº Villardo 52 
SOLDAGEM
Profº Villardo 53 
SOLDAGEM
Profº Villardo 54 
SOLDAGEM 
O processo de soldagem oxigas apresenta vantagens sobre os demais assim como também algumas desvantagens. São elas: 
Vantagens: baixo custo, emprega equipamento portátil, não necessita de energia elétrica, é empregado para soldagem de diversos materiais em todas as posições de soldagem. 
Além destas, apresenta alta versatilidade pois, com pequena alteração do equipamento poderá ser utilizado para o corte, brasagem e aquecimento de metais.
Profº Villardo 55 
SOLDAGEM 
Desvantagens: requer grande habilidade manual do soldador, baixa taxa de deposição, promove grande aquecimento do metal de base (ZTA extensa)/ empenamento, apresenta riscos de acidente com cilindros de gases.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Terminologia usual de soldagem e símbolos de soldagem ufmg
Terminologia usual de soldagem e símbolos de soldagem    ufmgTerminologia usual de soldagem e símbolos de soldagem    ufmg
Terminologia usual de soldagem e símbolos de soldagem ufmg
jvando
 
Nbr 7165 sb 121 simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviario
Nbr 7165 sb 121   simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviarioNbr 7165 sb 121   simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviario
Nbr 7165 sb 121 simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviario
Bmarques Bruno
 
Apostilas senai - processo soldagem
Apostilas   senai - processo soldagemApostilas   senai - processo soldagem
Apostilas senai - processo soldagem
Paulo Cezar santos
 
Aula3 soldagem a arco elétrico
Aula3   soldagem a arco elétricoAula3   soldagem a arco elétrico
Aula3 soldagem a arco elétrico
João Paulo sousa
 

Mais procurados (20)

Soldagem com eletrodo revestido
Soldagem com eletrodo revestidoSoldagem com eletrodo revestido
Soldagem com eletrodo revestido
 
Soldagem pelo processo de Eletrodo Revestido
Soldagem pelo processo de Eletrodo RevestidoSoldagem pelo processo de Eletrodo Revestido
Soldagem pelo processo de Eletrodo Revestido
 
Terminologia usual de soldagem e símbolos de soldagem ufmg
Terminologia usual de soldagem e símbolos de soldagem    ufmgTerminologia usual de soldagem e símbolos de soldagem    ufmg
Terminologia usual de soldagem e símbolos de soldagem ufmg
 
Nbr 7165 sb 121 simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviario
Nbr 7165 sb 121   simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviarioNbr 7165 sb 121   simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviario
Nbr 7165 sb 121 simbolos graficos de solda para construcao naval e ferroviario
 
Processo de Usinagem - Torneamento
Processo de Usinagem - TorneamentoProcesso de Usinagem - Torneamento
Processo de Usinagem - Torneamento
 
Apostilas senai - processo soldagem
Apostilas   senai - processo soldagemApostilas   senai - processo soldagem
Apostilas senai - processo soldagem
 
Aula05 diagrama de fases ferro carbono
Aula05   diagrama de fases ferro carbonoAula05   diagrama de fases ferro carbono
Aula05 diagrama de fases ferro carbono
 
Apresentação do processo Mig Mag
Apresentação do processo Mig MagApresentação do processo Mig Mag
Apresentação do processo Mig Mag
 
Aula3 soldagem a arco elétrico
Aula3   soldagem a arco elétricoAula3   soldagem a arco elétrico
Aula3 soldagem a arco elétrico
 
Ajustagem mecânica
Ajustagem mecânicaAjustagem mecânica
Ajustagem mecânica
 
Curso basico de solda.pdf
Curso basico de solda.pdfCurso basico de solda.pdf
Curso basico de solda.pdf
 
Solda MAG
Solda MAGSolda MAG
Solda MAG
 
Apostila 1 para publicar
Apostila 1 para publicarApostila 1 para publicar
Apostila 1 para publicar
 
05 eletrodo revestido
05   eletrodo revestido05   eletrodo revestido
05 eletrodo revestido
 
Simbologia de soldagem (aws)
Simbologia de soldagem (aws)Simbologia de soldagem (aws)
Simbologia de soldagem (aws)
 
Apostila de solda
Apostila de soldaApostila de solda
Apostila de solda
 
Apresentação elementos de máquinas
Apresentação  elementos de máquinasApresentação  elementos de máquinas
Apresentação elementos de máquinas
 
Defeitos de Soldagem
Defeitos de Soldagem Defeitos de Soldagem
Defeitos de Soldagem
 
Trabalho processos de fabricação
Trabalho processos de fabricaçãoTrabalho processos de fabricação
Trabalho processos de fabricação
 
Exercícios solda
Exercícios soldaExercícios solda
Exercícios solda
 

Semelhante a Solda aula 3- processos

1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos
1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos
1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos
LukasSeize
 
1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos
1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos
1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos
LukasSeize
 
1901104rev0 Apostila Soldagem Migmag
1901104rev0 Apostila Soldagem Migmag1901104rev0 Apostila Soldagem Migmag
1901104rev0 Apostila Soldagem Migmag
GuiMBS2009
 
Soldagemmigmagapostila 100120064930-phpapp02
Soldagemmigmagapostila 100120064930-phpapp02Soldagemmigmagapostila 100120064930-phpapp02
Soldagemmigmagapostila 100120064930-phpapp02
Ginho_Neder
 
1901104rev0 apostila soldagemmigmag
1901104rev0 apostila soldagemmigmag1901104rev0 apostila soldagemmigmag
1901104rev0 apostila soldagemmigmag
LukasSeize
 
Apostila aço inox. soldagem
Apostila aço inox.   soldagemApostila aço inox.   soldagem
Apostila aço inox. soldagem
Verlaine Verlaine
 

Semelhante a Solda aula 3- processos (20)

Processos de soldagem 3
Processos de soldagem 3Processos de soldagem 3
Processos de soldagem 3
 
Tst aula 04
Tst   aula 04Tst   aula 04
Tst aula 04
 
elementos de maquina soldagem industrial
elementos de maquina soldagem industrialelementos de maquina soldagem industrial
elementos de maquina soldagem industrial
 
Soldas e-procedimentos
Soldas e-procedimentosSoldas e-procedimentos
Soldas e-procedimentos
 
Riscos e solucoes para fumos de solda
Riscos e solucoes para fumos de soldaRiscos e solucoes para fumos de solda
Riscos e solucoes para fumos de solda
 
Trabalho soldagem #05 26 09
Trabalho   soldagem #05      26 09Trabalho   soldagem #05      26 09
Trabalho soldagem #05 26 09
 
1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos
1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos
1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos
 
1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos
1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos
1901097rev0 apostila eletrodosrevestidos
 
Soldagem Mig Mag Apostila
Soldagem Mig Mag ApostilaSoldagem Mig Mag Apostila
Soldagem Mig Mag Apostila
 
1901104rev0 Apostila Soldagem Migmag
1901104rev0 Apostila Soldagem Migmag1901104rev0 Apostila Soldagem Migmag
1901104rev0 Apostila Soldagem Migmag
 
Soldagemmigmagapostila 100120064930-phpapp02
Soldagemmigmagapostila 100120064930-phpapp02Soldagemmigmagapostila 100120064930-phpapp02
Soldagemmigmagapostila 100120064930-phpapp02
 
1901104rev0 apostila soldagemmigmag
1901104rev0 apostila soldagemmigmag1901104rev0 apostila soldagemmigmag
1901104rev0 apostila soldagemmigmag
 
Apostila aco-inox-soldagem
Apostila aco-inox-soldagemApostila aco-inox-soldagem
Apostila aco-inox-soldagem
 
Apostila aco inox_soldagem
Apostila aco inox_soldagemApostila aco inox_soldagem
Apostila aco inox_soldagem
 
Apostila aço inox
Apostila aço inoxApostila aço inox
Apostila aço inox
 
Acesita apostila aço inox soldagem
Acesita apostila aço inox soldagemAcesita apostila aço inox soldagem
Acesita apostila aço inox soldagem
 
04 - PROCESSO MIG MAG.pdf
04 - PROCESSO MIG MAG.pdf04 - PROCESSO MIG MAG.pdf
04 - PROCESSO MIG MAG.pdf
 
Esab apostila eletrodosrevestidos
Esab apostila eletrodosrevestidosEsab apostila eletrodosrevestidos
Esab apostila eletrodosrevestidos
 
Apostila eletrodos revestidos
Apostila eletrodos revestidosApostila eletrodos revestidos
Apostila eletrodos revestidos
 
Apostila aço inox. soldagem
Apostila aço inox.   soldagemApostila aço inox.   soldagem
Apostila aço inox. soldagem
 

Mais de Roberto Villardo (13)

Aula 1 conjuntos
Aula 1   conjuntosAula 1   conjuntos
Aula 1 conjuntos
 
Aula 6 - trat térmico
Aula 6 - trat térmicoAula 6 - trat térmico
Aula 6 - trat térmico
 
Aula 2 estrutura cristalina
Aula 2   estrutura cristalinaAula 2   estrutura cristalina
Aula 2 estrutura cristalina
 
Aula 3 diagr das fases
Aula 3   diagr das fasesAula 3   diagr das fases
Aula 3 diagr das fases
 
Aula 4 ferro
Aula 4   ferroAula 4   ferro
Aula 4 ferro
 
Aula de desenho 3 escalas
Aula de desenho 3   escalasAula de desenho 3   escalas
Aula de desenho 3 escalas
 
Aula de desenho 2 vistas
Aula de desenho 2   vistasAula de desenho 2   vistas
Aula de desenho 2 vistas
 
Solda aula 2 - simbologia
Solda   aula 2 - simbologiaSolda   aula 2 - simbologia
Solda aula 2 - simbologia
 
Aula 2 estrutura cristalina
Aula 2   estrutura cristalinaAula 2   estrutura cristalina
Aula 2 estrutura cristalina
 
Aula 2 estrutura cristalina
Aula 2   estrutura cristalinaAula 2   estrutura cristalina
Aula 2 estrutura cristalina
 
Metalurgia - Aula 1 introdução-prop mecânicas
Metalurgia - Aula 1   introdução-prop mecânicasMetalurgia - Aula 1   introdução-prop mecânicas
Metalurgia - Aula 1 introdução-prop mecânicas
 
Minha aula metalografia
Minha aula   metalografiaMinha aula   metalografia
Minha aula metalografia
 
Aula de desenho 1
Aula de desenho 1Aula de desenho 1
Aula de desenho 1
 

Último

Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
LeandroLima265595
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
GisellySobral
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
azulassessoria9
 

Último (20)

Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestreFilosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
Filosofia - 1º ano - Ensino Médio do ensino médio para primeiro bimestre
 
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da CapivaraPré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
Pré-História do Brasil, Luzia e Serra da Capivara
 
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
Sopa de letras | Dia da Europa 2024 (nível 2)
 
Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja Poema - Maio Laranja
Poema - Maio Laranja
 
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União EuropeiaApresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
Apresentação | Símbolos e Valores da União Europeia
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autoresModelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
Modelos de Inteligencia Emocional segundo diversos autores
 
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptxSlides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
Slides Lição 06, Central Gospel, O Anticristo, 1Tr24.pptx
 
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdfHistória concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
História concisa da literatura brasileira- Alfredo Bosi..pdf
 
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
Apresentação | Dia da Europa 2024 - Celebremos a União Europeia!
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da provaESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
ESPANHOL PARA O ENEM (2).pdf questões da prova
 
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdfTema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
Tema de redação - A prática do catfish e seus perigos.pdf
 
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantilPower Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
Power Point sobre as etapas do Desenvolvimento infantil
 
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PEEdital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
Edital do processo seletivo para contratação de agentes de saúde em Floresta, PE
 
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
ATIVIDADE 3 - DESENVOLVIMENTO E APRENDIZAGEM MOTORA - 52_2024
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentesMaio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
Maio Laranja - Combate à violência sexual contra crianças e adolescentes
 

Solda aula 3- processos

  • 2. SOLDAGEM Referências Bibliográficas •FREIRE, José de Mendonça. Processos de fabricação VII, Editora ao Livro Técnico; •CHIAVERINE, Vicente; •CALLISTER, Jr Willian D. Ciência e engenharia de materiais – Uma introdução. •Telecurso 2000; •ABNT; •Soldagem, Processos e Metalurgia; Autores: Emilio Wainer; Sérgio d. Brandi; Fábio D. homem de Melo Editora: Edgar Blucher, LTDA •Soldagem, Fundamentos e tecnologia; Autores: Paulo V. Marques; paulo J. Modenesi; Alexandre Queiroz Editora: UFMG •Ensaios Mecânicos dos Materiais Metálicos (Fund. Teóricos e práticos). Autor: sérgio Augusto de Souza Editora: Edgar Blucher, LTDA
  • 3.
  • 4. Profº Villardo 4 SOLDAGEM 4 - Introdução aos Processos de Soldagem De uma forma geral os processos de soldagem podem ser divididos segundo diferentes padrões: Pela forma de atuação da fonte energética. -fusão ou pressão Por tipo de veículo energético. - corrente elétrica, gás, movimento, descarga elétrica, etc.
  • 5. Profº Villardo 5 SOLDAGEM 4 - Introdução aos Processos de Soldagem(Cont.) Por tipo de união metálica. -por fusão, por resistência elétrica, união sólida, união líquido – sólido, adesivos, etc. Por grau de automação / tipo de operação. - manual, semiautomático, automático e robotizada.
  • 6. Profº Villardo 6 SOLDAGEM Para efeito de estudos, costumamos dividir os processos de soldagem tomando-se como referência, a forma de atuação da fonte de energia: Por fusão: onde a energia funde o material e a solubilização ocorre na fase líquida. Por pressão: onde a energia produz uma tensão no material e a solubilização ocorre na fase sólida.
  • 7. Profº Villardo 7 SOLDAGEM Existem três tipos de energia utilizados em soldagem: Soldagem por energia elétrica; Soldagem por energia termoquímica; Soldagem por energia mecânica.
  • 8. Profº Villardo 8 SOLDAGEM 4.1 Soldagem por energia elétrica Caracteriza-se no uso de energia elétrica na geração do calor, necessário para fusão dos constituintes da solda. Existem vários processos de soldagem por energia elétrica, porém estudaremos apenas os de maior aplicação nas industrias, são eles: Soldagem a arco elétrico; Soldagem por resistência elétrica.
  • 9. Profº Villardo 9 SOLDAGEM I - Soldagem a arco elétrico Arco elétrico → Centelha (ou faísca) formada pela passagem de corrente elétrica no espaço existente entre dois materiais condutores, resultando em geração de grande quantidade de calor.
  • 10. Profº Villardo 10 SOLDAGEM
  • 11. Profº Villardo 11 SOLDAGEM Portanto, soldagem a arco elétrico, é o processo que utiliza o calor gerado por um arco elétrico, para fundir os materiais que constituirão a solda, divide-se em: Eletrodo revestido; Arco submerso; TIG; MIG/MAG; Eletrogás; Resistência; Eletroescória.
  • 12. Profº Villardo 12 SOLDAGEM 4.1 - SOLDAGEM A ARCO ELÉTRICO COM ELETRODO REVESTIDO É o processo de soldagem no qual um arco elétrico é estabelecido entre a extremidade de um eletrodo revestido consumível e o metal de base na junta que esta sendo soldada, sendo assim estabelecida a poça de fusão. O metal de adição é transferido para a poça de fusão através do arco, constituindo o metal de solda ao solidificar-se (diluição, entre o metal de base e metal depositado),
  • 13. Profº Villardo 13 SOLDAGEM
  • 14. Profº Villardo 14 SOLDAGEM
  • 15. Profº Villardo 15 SOLDAGEM Eletrodo é o componente utilizado como um dos condutores necessários para se obter o arco elétrico na soldagem, por energia elétrica. O outro condutor necessário para a abertura do arco é a própria peça.
  • 16. Profº Villardo 16 SOLDAGEM O eletrodo revestido, é constituído por uma alma metálica (vareta), coberta por um revestimento, que é o responsável pela adição de algumas propriedades à solda, tais como: a.Formação da “nata” ou escória; b.Poça de fusão; c.Manutenção do arco elétrico.
  • 17. Profº Villardo 17 SOLDAGEM a b c
  • 18. Profº Villardo 18 SOLDAGEM O processo é aplicado para a soldagem da maioria de materiais metálicos, em espessuras variando entre 2,0 e 200 mm, e em todas as posições de soldagem. Apresenta baixo custo de equipamento porém, exige considerável habilidade manual, por parte do soldador e resulta em uma produtividade, relativamente, baixa se comparado aos processos automáticos e semiautomáticos.
  • 19. Profº Villardo 19 SOLDAGEM
  • 20. Profº Villardo 20 SOLDAGEM Equipamentos
  • 21. Profº Villardo 21 SOLDAGEM Aplicações
  • 22. Profº Villardo 22 SOLDAGEM 4.2 - SOLDAGEM A ARCO COM PROTEÇÃO POR GÁS E ELETRODO NÃO CONSUMÍVEL (TIG) Processo de soldagem no qual a união entre peças metálicas é produzida pelo aquecimento e fusão destas, por meio de um arco elétrico, estabelecido entre um eletrodo de tungstênio, não consumível, e as peças a unir. A poça de fusão e o arco elétrico, são protegidos contra a contaminação dos gases da atmosfera por um gás inerte, ou misturas de gases inertes, injetados através do bocal da pistola, ver figura 4.3.
  • 23. Profº Villardo 23 SOLDAGEM
  • 24. Profº Villardo 24 SOLDAGEM
  • 25. Profº Villardo 25 SOLDAGEM A soldagem TIG, usualmente manual, poderá ser feita com ou sem emprego de metal de adição sendo aplicada a maioria dos metais e suas ligas na soldagem em qualquer posição. Entretanto, dado ao custo relativamente alto do equipamento e a baixa velocidade de soldagem (manual), o processo resulta em pouca produtividade. Por essas razões, o seu principal emprego é na soldagem de metais não ferrosos e aços inoxidáveis, na soldagem de pequenas espessuras (da ordem de milímetros) e, no passe de raiz na soldagem de tubulações.
  • 26. Profº Villardo 26 SOLDAGEM O equipamento completo é apresentado na figura 4.4. As fontes de energia para o processo fornecem corrente mínima em torno de 5 a 10 A e corrente máxima de 200 a 500 Amperes.
  • 27. Profº Villardo 27 SOLDAGEM Equipamentos
  • 28. Profº Villardo 28 SOLDAGEM 4.3 - SOLDAGEM A ARCO COM PROTEÇÃO POR GÁS E ELETRODO CONSUMÍVEL (MIG/MAG) O processo de soldagem MIG/MAG produz a união de peças metálicas pelo aquecimento e fusão destas, com um arco elétrico estabelecido entre um eletrodo nu (arame) consumível, e as referidas peças na junta de solda.
  • 29. Profº Villardo 29 SOLDAGEM O metal de adição é transferido para a poça de fusão através da coluna do arco, sendo o mesmo e a própria poça protegidos contra a contaminação dos gases da atmosfera por um gás ou mistura de gases que podem ser inertes ou ativos.
  • 30. Profº Villardo 30 SOLDAGEM
  • 31. Profº Villardo 31 SOLDAGEM TOCHA PARA MIG/MAG
  • 32. Profº Villardo 32 SOLDAGEM Equipamentos
  • 33. Profº Villardo 33 SOLDAGEM Aplicações
  • 34. Profº Villardo 34 SOLDAGEM A soldagem MIG/MAG é um processo normalmente semiautomático, em que a alimentação do arame eletrodo é feita mecanicamente e o soldador controla o movimento da pistola além da iniciação e interrupção do arco.
  • 35. Profº Villardo 35 SOLDAGEM TRANSF.POR SPRAY
  • 36. Profº Villardo 36 SOLDAGEM TRANSF.POR ARCO PULSANTE
  • 37. Profº Villardo 37 SOLDAGEM O processo é empregado na soldagem de materiais, numa ampla faixa de espessuras, tanto em ferrosos quanto em não ferrosos e em todas as posições de soldagem. O mesmo propicia uma alta taxa de deposição, aliada a elevado fator de trabalho.
  • 38. Profº Villardo 38 SOLDAGEM Como desvantagens pode-se considerar o ajuste rigoroso dos parâmetros para soldagem isenta de defeitos e também o custo do equipamento comparativamente ao do processo de soldagem com eletrodos revestidos.
  • 39. Profº Villardo 39 SOLDAGEM
  • 40. Profº Villardo 40 SOLDAGEM 4.5 - SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO O processo consiste em um arame-eletrodo nu, continuamente alimentado, o qual produz arco elétrico com a peça, formando assim a poça de fusão, sendo ambos recobertos por uma camada de fluxo granular fusível, que protege o metal da contaminação atmosférica e possui outras funções metalúrgicas. O arco e a poça de fusão não são visível daí a denominação – “arco submerso”, ver detalhe na figura 4.7.
  • 41. Profº Villardo 41 SOLDAGEM 4.5 - SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO
  • 42. Profº Villardo 42 SOLDAGEM O equipamento para soldagem a arco submerso, utiliza fonte de energia capaz da gerar altas correntes, até 2000A, com arames maciços de diâmetro variando entre 1,6 a 6,4mm. A taxa de deposição atinge valores altos, próximos a 20 kg/hora, com um único arame, podendo ser aumentada caso sejam utilizados múltiplos arames. Existe também a variação em que o consumível está na forma de fita.
  • 43. Profº Villardo 43 SOLDAGEM Quanto ao emprego, a grande penetração resultante das elevadas correntes não recomendam o processo para espessuras inferiores a 6,0mm. O processo é limitado as posições de soldagem plana e horizontal em ângulo, as quais oferecem sustentação para o fluxo. Os materiais soldados são praticamente todos os metais ferrosos e alguns não ferrosos incluindo ligas de níquel, cobre e outras.
  • 44. Profº Villardo 44 SOLDAGEM 4.5 - SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO
  • 45. Profº Villardo 45 SOLDAGEM 4.5 - SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO RECURSO PARA SUSTENTAÇÃO DO FLUXO
  • 46. Profº Villardo 46 SOLDAGEM 4.5 - SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO
  • 47. Profº Villardo 47 SOLDAGEM 4.5 - SOLDAGEM POR ARCO SUBMERSO Consumíveis
  • 48. Profº Villardo 48 SOLDAGEM 4.6 - SOLDAGEM A GÁS É o processo no qual a união das partes é devida ao aquecimento produzido por uma chama, usando ou não metal de adição, com ou sem aplicação de pressão. A chama empregada no processo resulta da mistura entre um gás combustível, o gás comburente (oxigênio), na presença de ignição.
  • 49. Profº Villardo 49 SOLDAGEM 4.6 - SOLDAGEM A GÁS Os gases mais usados são: Combustíveis: Acetileno; Propano; Hidrogênio. Comburente: Oxigênio.
  • 50. Profº Villardo 50 SOLDAGEM Entre os gases combustíveis, o gás acetileno é o que apresenta melhor desempenho para operação de soldagem. Esta característica se deve as propriedades físicas de sua chama, chama oxi-acetilênica, quanto a alta Temperatura (TMÁX.= 3120ºC) e elevado Poder Calorífico concentrado, junto ao cone interno. Estas propriedades são essenciais à soldagem por permitirem a fusão do metal de base e constituição da poça de fusão. Na figura 4.9, consta, respectivamente, o esquemático da chama e do equipamento completo para soldagem oxi-acetilênica
  • 51. Profº Villardo 51 SOLDAGEM
  • 52. Profº Villardo 52 SOLDAGEM
  • 53. Profº Villardo 53 SOLDAGEM
  • 54. Profº Villardo 54 SOLDAGEM O processo de soldagem oxigas apresenta vantagens sobre os demais assim como também algumas desvantagens. São elas: Vantagens: baixo custo, emprega equipamento portátil, não necessita de energia elétrica, é empregado para soldagem de diversos materiais em todas as posições de soldagem. Além destas, apresenta alta versatilidade pois, com pequena alteração do equipamento poderá ser utilizado para o corte, brasagem e aquecimento de metais.
  • 55. Profº Villardo 55 SOLDAGEM Desvantagens: requer grande habilidade manual do soldador, baixa taxa de deposição, promove grande aquecimento do metal de base (ZTA extensa)/ empenamento, apresenta riscos de acidente com cilindros de gases.