SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 90
Baixar para ler offline
1
Informações sobre o instrutor:
Formação Acadêmica
• Licenciado em Matemática;
• Técnico Industrial em Mecânica
Outros Cursos
• Desenho Industrial
• AutoCad
• END
• Hidráulica e Pneumática
• Refrigeração
• Eletricidade Básica
Experiência profissional
• Professor da ETAM
• Professor do SENAI
• Professor da FBTS
• Inspetor da Qualidade do AMRJ
• Inspetor de Soldagem SETAL
• Metrologista CAAOC/FI
2
Profº Roberto Villardo
3
Desenho Técnico
Profº Villardo
Objetivo
Proporcionar aos alunos do Curso
Técnico ETAM, conhecimentos
teóricos e práticos, sobre desenho
técnico e suas aplicações nas
industrias mecânica e naval, em
conformidade com a ABNT.
4
Profº Villardo
Desenho Técnico
EMENTA – xx Horas
1. Generalidades;
2. Normas técnicas;
3. Linhas; Hachuras; Simbologia;
4. Esboços;
5. Vistas;
6. Escalas;
7. Cotagem;
8. Projeções Ortogonais;
9. Perspectivas;
10. Cortes
5
Profº Villardo
Desenho Técnico
Material (USO OBRIGATÓRIO)
1. Lápis (HB e 2B);
2. Borracha;
3. Bloco liso para rascunho;
4. Bloco para desenho A4, com legenda;
5. Par de Esquadros;
6. Transferidor;
7. Compasso;
8. Escalímetro;
9. Papel Reticulado ( Isométrico);
10. Pasta PRETA com plásticos para organização
6
Profº Villardo
Desenho Técnico
ETAM
Projeto Curso Técnico em
Mecânica
DisciplinaTurma
Escala Nome / Nº
Nº Desenho Profº Visto Data
1- Esboço
2- Vistas
Des. Bás. Mec - 025
S/E
00 Villardo xx/xx/14
Zé das Coves - 000
Tarefa Nº/Valor
== X ==
Preenchimento da legenda
7
Profº Villardo
Desenho Técnico
8
Profº Villardo
Desenho Técnico
ESCOLA TÉCNICA DO ARSENAL DE MARINHA – ETAM
Nome: ________________ Nº: _____ Turma: ________
Desenho Nº: ____ Data: ___/___/___ Visto: ______
Zé das Coves 000 Mec 025
01 xx xx 2014
9
Profº Villardo
Desenho Técnico
Desenho 01
Peça 1 Peça 2
Desenhe a MÃO LIVRE
10
Profº Villardo
Desenho Técnico
Peça 3
Desenho 02
11
Profº Villardo
Desenho Técnico
Peça 5
Desenhe a MÃO LIVRE
Desenho 02(cont.)
Peça 4
12
Profº Villardo
Como é elaborado um desenho técnico
Às vezes, a elaboração do desenho
técnico mecânico envolve o trabalho de
vários profissionais. O profissional que
planeja a peça é o engenheiro ou o
projetista. Primeiro ele imagina como a peça
deve ser. Depois representa suas idéias por
meio de um esboço, isto é, um desenho
técnico à mão livre.
O esboço serve de base para a
elaboração do desenho preliminar. O
desenho preliminar corresponde a uma etapa
intermediária do processo de elaboração do
projeto, que ainda pode sofrer alterações.
Desenho Técnico
13
Profº Villardo
Desenho Técnico
Como é elaborado um desenho técnico (cont.)
Depois de aprovado, o desenho que
corresponde à solução final do projeto
será executado pelo desenhista técnico.
O desenho técnico definitivo,
também chamado de desenho para
execução, contém todos os elementos
necessários a sua compreensão.
O desenho para execução, que
tanto pode ser feito na prancheta como
no computador, deve atender
rigorosamente a todas as normas que
dispõem sobre o assunto.
14
Profº Villardo
Desenho Técnico
O que é visão espacial?
A visão espacial permite a percepção
(o entendimento) de formas espaciais, sem
estar vendo fisicamente os objetos.
Apesar de a visão espacial ser um dom que
todos têm, algumas pessoas têm mais
facilidade para entender as formas
espaciais a partir das figuras planas. A
habilidade de percepção das formas
espaciais a partir das figuras planas pode
ser desenvolvidos a partir de exercícios
progressivos e sistematizados.
15
Profº Villardo
Desenho Técnico
Papel reticulado
Você já sabe que o traçado da perspectiva é feito, em
geral, por meio de esboços à mão livre.
Para facilitar o traçado da perspectiva isométrica à
mão livre, usaremos um tipo de papel reticulado que apresenta
uma rede de linhas que formam entre si ângulos de 120º.
Essas linhas servem como guia para orientar o traçado do
ângulo correto da perspectiva isométrica.
16
Profº Villardo
Desenho Técnico
Traçando a perspectiva isométrica do prisma
Para aprender o traçado da perspectiva isométrica
você vai partir de um sólido geométrico simples: o prisma
retangular. No início do aprendizado é interessante manter à
mão um modelo real para analisar e comparar com o resultado
obtido no desenho. Neste caso, você pode usar o modelo de
plástico nº 31 ou uma caixa de fósforos fechada
17
Profº Villardo
Desenho Técnico
Lápis HB
18
Profº Villardo
Desenho Técnico
Lápis HB
Lápis HB
19
Profº Villardo
Desenho Técnico
Lápis HB Lápis 2B
20
Profº Villardo
Desenho Técnico
21
Profº Villardo
Desenho Técnico
22
Profº Villardo
Desenho Técnico
A visão espacial permite a percepção (o
entendimento) de formas espaciais, sem estar
vendo fisicamente os objetos. Apesar de a
visão espacial ser um dom que todos têm,
algumas pessoas têm mais facilidade para
entender as formas espaciais a partir das
figuras planas. A habilidade de percepção das
formas espaciais a partir das figuras planas
pode ser desenvolvidos a partir de exercícios
progressivos e sistematizados.
Tipos de Desenho Técnico
O desenho técnico é dividido em dois grandes
grupos:
• Desenho projetivo – são os desenhos
resultantes de projeções do objeto em um ou
mais planos de projeção e correspondem às
vistas ortográficas e às perspectivas.
• Desenho não-projetivo – na maioria dos
casos corresponde a desenhos resultantes dos
cálculos algébricos e compreendem os
desenhos de gráficos, diagramas etc.
Os desenhos projetivos compreendem a
maior parte dos desenhos
23
Profº Villardo
Desenho Técnico
A visão espacial permite a percepção (o
entendimento) de formas espaciais, sem estar
vendo fisicamente os objetos. Apesar de a
visão espacial ser um dom que todos têm,
algumas pessoas têm mais facilidade para
entender as formas espaciais a partir das
figuras planas. A habilidade de percepção das
formas espaciais a partir das figuras planas
pode ser desenvolvidos a partir de exercícios
progressivos e sistematizados.
Pelos exemplos apresentados pode-se
concluir que o desenho projetivo é utilizado em
todas as modalidades da engenharia e pela
arquitetura. Como resultado das especificidades
das diferentes modalidades de engenharia, o
desenho projetivo aparece com vários nomes
que correspondem a alguma utilização
específica:
• Desenho Mecânico
• Desenho de Máquinas
• Desenho de Estruturas
• Desenho Arquitetônico
• Desenho Elétrico/Eletrônico
• Desenho de Tubulações
24
Profº Villardo
Desenho Técnico
A visão espacial permite a percepção (o
entendimento) de formas espaciais, sem estar
vendo fisicamente os objetos. Apesar de a
visão espacial ser um dom que todos têm,
algumas pessoas têm mais facilidade para
entender as formas espaciais a partir das
figuras planas. A habilidade de percepção das
formas espaciais a partir das figuras planas
pode ser desenvolvidos a partir de exercícios
progressivos e sistematizados.
Mesmo com nomes diferentes, as
diversas formas de apresentação do
desenho projetivo têm uma mesma base
e todas seguem normas de execução,
que permitem suas interpretações sem
dificuldades e sem mal-entendidos.
Os desenhos não-projetivos são
utilizados para representação das
diversas formas de gráficos, diagramas,
esquemas, ábacos, fluxogramas,
organogramas, etc.
25
Profº Villardo
Desenho Técnico
A visão espacial permite a percepção (o
entendimento) de formas espaciais, sem estar
vendo fisicamente os objetos. Apesar de a
visão espacial ser um dom que todos têm,
algumas pessoas têm mais facilidade para
entender as formas espaciais a partir das
figuras planas. A habilidade de percepção das
formas espaciais a partir das figuras planas
pode ser desenvolvidos a partir de exercícios
progressivos e sistematizados.
A Padronização dos Desenhos Técnicos
No Brasil as normas são aprovadas e
editadas pela Associação Brasileira de
Normas Técnicas – ABNT, fundada em 1940.
Para favorecer o desenvolvimento da
padronização internacional e facilitar o
intercâmbio de produtos e serviços entre as
nações, os órgãos responsáveis pela
normalização em cada país, reunidos em
Londres, criaram em 1947 a Organização
Internacional de Normalização (International
Organization for Standardization – ISO).
26
Profº Villardo
Desenho Técnico
A visão espacial permite a percepção (o
entendimento) de formas espaciais, sem estar
vendo fisicamente os objetos. Apesar de a
visão espacial ser um dom que todos têm,
algumas pessoas têm mais facilidade para
entender as formas espaciais a partir das
figuras planas. A habilidade de percepção das
formas espaciais a partir das figuras planas
pode ser desenvolvidos a partir de exercícios
progressivos e sistematizados.
Quando uma norma técnica proposta
por qualquer país membro, é aprovada por
todos os países que compõem a ISO, essa
norma é organizada e editada como norma
internacional.
As normas técnicas que regulam o
desenho técnico são normas editadas pela
ABNT, registradas pelo INMETRO (Instituto
Nacional de Metrologia, Normalização e
Qualidade Industrial) como normas
brasileiras - NBR e estão em consonância
com as normas internacionais aprovadas
pela ISO.
27
Profº Villardo
Desenho Técnico
A visão espacial permite a percepção (o
entendimento) de formas espaciais, sem estar
vendo fisicamente os objetos. Apesar de a
visão espacial ser um dom que todos têm,
algumas pessoas têm mais facilidade para
entender as formas espaciais a partir das
figuras planas. A habilidade de percepção das
formas espaciais a partir das figuras planas
pode ser desenvolvidos a partir de exercícios
progressivos e sistematizados.
Normas da ABNT
A execução de desenhos técnicos é
inteiramente normalizada pela ABNT.
Os procedimentos para execução de
desenhos técnicos aparecem em normas gerais
que abordam desde a denominação e
classificação dos desenhos até as formas de
representação gráfica, basta para isso consultar
os catálogos da ABNT
• NBR 5984 – NORMA GERAL DE DESENHO
TÉCNICO (Antiga NB 8) e da NBR 6402 –
EXECUÇÃO DE DESENHOS TÉCNICOS DE
MÁQUINAS E ESTRUTURAS METÁLICAS (Antiga
NB 13).
28
Profº Villardo
Desenho Técnico
A visão espacial permite a percepção (o
entendimento) de formas espaciais, sem estar
vendo fisicamente os objetos. Apesar de a
visão espacial ser um dom que todos têm,
algumas pessoas têm mais facilidade para
entender as formas espaciais a partir das
figuras planas. A habilidade de percepção das
formas espaciais a partir das figuras planas
pode ser desenvolvidos a partir de exercícios
progressivos e sistematizados.
• NBR 10647 – DESENHO TÉCNICO – NORMA
GERAL, cujo objetivo é definir os termos
empregados em desenho técnico.
A norma define os tipos de desenho
quanto aos seus aspectos geométricos
(Desenho Projetivo e Não-Projetivo), quanto ao
grau de elaboração (Esboço, Desenho
Preliminar e Definitivo), quanto ao grau de
pormenorização (Desenho de Detalhes e
Conjuntos) e quanto à técnica de execução (À
mão livre ou utilizando computador).
29
Profº Villardo
Desenho Técnico
NBR 10068 – FOLHA DE DESENHO LAY-OUT E DIMENSÕES
Os formatos da série “A” têm como base o formato
A0, cujas dimensões guardam entre si a mesma
relação que existe entre o lado de um quadrado e
sua diagonal (841 2 =1189), e que corresponde a um
retângulo de área igual a 1 m2.
30
Profº Villardo
Desenho Técnico
• NBR 10582 – APRESENTAÇÃO DA FOLHA PARA DESENHO
TÉCNICO
• NBR 13142 – DESENHO TÉCNICO – DOBRAMENTO DE CÓPIAS
• NBR 8402 – EXECUÇÃO DE CARACTERES PARA ESCRITA EM
DESENHOS TÉCNICOS
• NBR 8403 – APLICAÇÃO DE LINHAS EM DESENHOS – TIPOS DE
LINHAS – LARGURAS DAS LINHAS
• NBR 10067 – PRINCÍPIOS GERAIS DE REPRESENTAÇÃO EM
DESENHO TÉCNICO
• NBR 8196 – DESENHO TÉCNICO – EMPREGO DE ESCALAS
• NBR 12298 – REPRESENTAÇÃO DE ÁREA DE CORTE POR MEIO
DE HACHURAS EM DESENHO TÉCNICO
• NBR 10126 – COTAGEM EM DESENHO TÉCNICO
• NBR 8404 – INDICAÇÃO DO ESTADO DE SUPERFÍCIE EM
DESENHOS TÉCNICOS
• NBR 6158 – SISTEMA DE TOLERÂNCIAS E AJUSTES
• NBR 8993 – REPRESENTAÇÃO CONVENCIONAL DE PARTES
ROSCADAS EM DESENHO TÉCNICO
31
Profº Villardo
Desenho Técnico
Desenho de Tubulação
32
Profº Villardo
Desenho Técnico
ESBOÇOS/CROQUIS
(Desenho a mão livre)
33
Profº Villardo
Desenho Técnico
Traçado de Retas
1. Para traçar um segmento de reta que une dois
pontos, deve-se colocar o lápis em um dos pontos e
manter o olhar sobre o outro ponto (para onde se
dirige o traço). Não se deve acompanhar com a
vista o movimento do lápis.
2. Inicialmente desenha-se uma linha leve para, em
seguida, reforçar o traço corrigindo,
eventualmente, a linha traçada.
3. Não se pode pretender que um segmento reto
traçado à mão livre seja absolutamente reto, sem
qualquer sinuosidade. Como já foi destacada, muito
mais importante que a perfeição do traçado é a
exatidão e as proporções do desenho.
34
Profº Villardo
Desenho TécnicoO antebraço não estando apoiado acarretará um
maior esforço muscular, e, em conseqüência, imperfeição no
desenho.
Os traços verticais, inclinados ou não, são geralmente
desenhados de cima para baixo e os traços horizontais são
feitos da esquerda para a direita.
35
Profº Villardo
Desenho Técnico
Lápis HB Lápis 2B
36
Profº Villardo
Desenho Técnico
Traçado de Arcos
O melhor caminho para desenhar circunferências
(arcos) é marcar previamente, sobre linhas
perpendiculares entre si, às distâncias radiais, e a
partir daí fazer o traçado do arco, conforme mostra a
Figura 2.20.
37
Profº Villardo
Desenho Técnico
Métodos de projeções ortográficas
Imagine a peça envolvida por um cubo, no qual
cada face corresponderá a uma vista, ou seja, o que
você estaria enxergando da peça se você estivesse
olhando esta face de frente. Este cubo de vistas é
então “planificado”, desdobrado. Desta forma é
possível visualizar todos os lados da peça em uma
folha de papel.
A projeção ortográfica, na prática, pode ser
feita de duas formas:
- no primeiro diedro: imagine vendo a peça a partir
de um dos lados do cubo.
O desenho da vista será feito no lado
oposta em que você se “localiza”
38
Profº Villardo
Desenho Técnico
39
Profº Villardo
Desenho Técnico
40
Profº Villardo
Desenho Técnico
41
Profº Villardo
Desenho Técnico
42
Profº Villardo
Desenho Técnico
43
Profº Villardo
Desenho Técnico
44
Profº Villardo
Desenho Técnico
45
Profº Villardo
Desenho Técnico
46
Profº Villardo
Desenho Técnico
47
Profº Villardo
Desenho Técnico
48
Profº Villardo
Desenho Técnico
No terceiro diedro: imagine-se vendo a
peça a partir de um dos lados do cubo.
O desenho da vista será feito no
mesmo lado em que você se “localiza”.
49
Profº Villardo
Desenho Técnico
Projeção das vistas no terceiro diedro
50
Profº Villardo
Desenho Técnico
O conceito de vistas é aplicado para
todos os seis lados possíveis do “cubo”.
A diferença entre a representação no
primeiro diedro e no terceiro diedro é
simplesmente a inversão das posições das
vistas no papel.
51
Profº Villardo
Desenho Técnico
52
Profº Villardo
Desenho Técnico
Traçado das Projeções (VISTAS)
Para desenhar à mão livre as projeções ortogonais
de qualquer objeto, é conveniente seguir as
recomendações seguintes:
• Analisar previamente qual a melhor combinação de
vistas que representa a peça, de modo que não apareça
ou que apareça o menor número possível de linhas
tracejadas.
• Esboçar, com traço muito leve e fino (Lápis HB) o lugar
de cada projeção, observando que as distâncias entre as
vistas devem ser visualmente iguais.
53
Profº Villardo
Desenho Técnico
Traçado das Projeções (VISTAS)
• A escolha da distância entre as vistas é importante
porque, vistas excessivamente próximas ou
excessivamente afastadas umas das outras, tiram a
clareza e dificultam a interpretação do desenho.
• Desenhar os detalhes resultantes das projeções
ortogonais, trabalhando simultaneamente nas três vistas.
• Apagar as linhas de guia feitas no início do desenho.
54
Profº Villardo
Desenho Técnico
Traçado das Projeções (VISTAS)...Continuação
• Com o mesmo traço (contínuo e forte) acentuar
em cada vista os detalhes visíveis.
• Reforçar com traço definitivo (traço contínuo e
forte) os contornos de cada vista.
• Desenhar em cada vista, com traço médio, as
linhas tracejadas correspondentes às arestas
invisíveis.
• Conferir cuidadosamente o desenho resultante.
55
Profº Villardo
Desenho Técnico
Traçado das Projeções (VISTAS)...Continuação
A Figura abaixo mostra as sucessivas fases
para elaboração de um desenho à mão livre.
Assim sendo, as vistas devem preservar:
•Os mesmos comprimentos nas vistas de frente
e superior.
•As mesmas alturas nas vistas de frente e
lateral.
•As mesmas larguras nas vistas laterais e
superiores
56
Profº Villardo
Desenho Técnico
57
Profº Villardo
Desenho Técnico
Modelo
58
Profº Villardo
Desenho Técnico
Modelo
59
Profº Villardo
Desenho Técnico
Peça 1
60
Profº Villardo
Desenho Técnico
Exercício em sala
Peça 1
=Vistas=
61
Profº Villardo
Desenho Técnico
62
Profº Villardo
Desenho Técnico
Exercício em sala
Peça 2
=Vistas=
63
Profº Villardo
Desenho Técnico
Representação de Arestas Ocultas
Como as representações de objetos tridimensionais,
por meio de projeções ortogonais, são feitas por vistas
tomadas por lados diferentes, dependendo da forma
espacial do objeto, algumas de suas superfícies poderão
ficar ocultas em relação ao sentido de observação.
Observando a Figura 2.16 vê-se que a superfície “A”
está oculta quando a peça é vista lateralmente (direção 3),
enquanto a superfície “B” está oculta quando a peça é vista
por cima (direção 2). Nestes casos, as arestas que estão
ocultas em um determinado sentido de observação são
representadas por linhas tracejadas.
As linhas tracejadas são constituídas de pequenos
traços de comprimento uniforme, espaçados de um terço de
seu comprimento e levemente mais finas que as linhas
cheias.
64
Profº Villardo
Desenho Técnico
65
Profº Villardo
Desenho Técnico
66
Profº Villardo
Desenho Técnico
67
Profº Villardo
Desenho Técnico
68
Profº Villardo
Desenho Técnico
Peça 3
69
Profº Villardo
Desenho Técnico
Exercício em sala
Peça 3
=Vistas=
70
Profº Villardo
Desenho Técnico
Peça 4
71
Profº Villardo
Desenho Técnico
Peça 4
=Vistas=
72
Profº Villardo
Desenho Técnico
Peça 5
73
Profº Villardo
Desenho Técnico
Peça 5
=Vistas=
74
Profº Villardo
Desenho Técnico
Representação de Superfícies Inclinadas
A representação de superfícies inclinadas
pode ser dividida em dois casos distintos:
1 – Quando a superfície é perpendicular a um
dos planos de projeção e inclinada em relação aos
outros planos de projeção
75
Profº Villardo
Desenho Técnico
76
Profº Villardo
Desenho Técnico
A projeção resultante no plano que é perpendicular
à superfície inclinada será um segmento de reta que
corresponde à verdadeira grandeza da dimensão
representada.
Nos outros dois planos a superfície inclinada
mantém a sua forma, mas sofre alteração da
verdadeira grandeza em uma das direções da projeção
resultante.
A representação mantendo a forma e a verdadeira
grandeza de qualquer superfície inclinada só será
possível se o plano de projeção for paralelo à
superfície.
As Figuras 2.23, 2.24 e 2.25 mostram exemplos de
representação de peças com superfícies inclinadas,
porém, perpendiculares a um dos planos de projeção.
77
Profº Villardo
Desenho Técnico
78
Profº Villardo
Desenho Técnico
79
Profº Villardo
Desenho Técnico
80
Profº Villardo
Desenho Técnico
81
Profº Villardo
Desenho Técnico
82
Profº Villardo
Desenho Técnico
83
Profº Villardo
Desenho Técnico
84
Profº Villardo
Desenho Técnico
Exercícios Propostos
Nos desenhos abaixo, faça a identificação dos planos que compõem as
formas espaciais das peças dadas e analise seus rebatimentos nas
vistas correspondentes.
85
Profº Villardo
Desenho Técnico
Exercícios Propostos
Nos desenhos abaixo, faça a identificação dos planos que compõem as
formas espaciais das peças dadas e analise seus rebatimentos nas
vistas correspondentes.
86
Profº Villardo
Desenho Técnico
Exercícios Propostos
Aplicando as recomendações do item anterior desenhe as três
vistas das peças mostradas abaixo tomando o cuidado para que tenham
o menor número de linhas tracejadas possíveis.
87
Profº Villardo
Desenho Técnico
Dadas as peças abaixo, desenhe a vista que falta
88
Profº Villardo
Desenho Técnico
Dadas as peças abaixo, desenhe a vista que falta
89
Profº Villardo
Desenho Técnico
Dadas as peças abaixo, assinale os nos correspondentes
90
Profº Villardo
Desenho Técnico
Dadas as peças abaixo, assinale os nos correspondentes

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Ilustração é...
Ilustração é...Ilustração é...
Ilustração é...
anaritamor
 
Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)
Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)
Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)
Rita Godinho
 
Perspectiva Isométrica
Perspectiva IsométricaPerspectiva Isométrica
Perspectiva Isométrica
Ellen Assad
 
Linguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensionalLinguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensional
Kadu Sp
 
Aula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções OrtogonaisAula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções Ortogonais
Gutierry Prates
 
Ficha de trabalho 7º ano estudo dos arcos
Ficha de trabalho 7º ano   estudo dos arcosFicha de trabalho 7º ano   estudo dos arcos
Ficha de trabalho 7º ano estudo dos arcos
ruiseixas
 
Aula desenho de projeto de edificações
Aula desenho de projeto de edificaçõesAula desenho de projeto de edificações
Aula desenho de projeto de edificações
Tuane Paixão
 

Mais procurados (20)

Apostila completa desenho tecnico telecurso 2000
Apostila completa desenho tecnico telecurso 2000Apostila completa desenho tecnico telecurso 2000
Apostila completa desenho tecnico telecurso 2000
 
Ilustração é...
Ilustração é...Ilustração é...
Ilustração é...
 
Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)
Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)
Educação visual e tecnológica ( o ponto e a linha)
 
Comunicação Visual - Logotipo (Design Gráfico)
Comunicação Visual - Logotipo (Design Gráfico) Comunicação Visual - Logotipo (Design Gráfico)
Comunicação Visual - Logotipo (Design Gráfico)
 
A linha 7ºano
A linha 7ºanoA linha 7ºano
A linha 7ºano
 
Gd vol 1 - cap 1 - estudo do ponto
Gd   vol 1 - cap 1 - estudo do pontoGd   vol 1 - cap 1 - estudo do ponto
Gd vol 1 - cap 1 - estudo do ponto
 
NBR 6492 94 - Representão de Projeto Arquitetônico
NBR 6492 94 - Representão de Projeto ArquitetônicoNBR 6492 94 - Representão de Projeto Arquitetônico
NBR 6492 94 - Representão de Projeto Arquitetônico
 
GD_Aula 06_relações de pertinência_ Ponto e Reta
GD_Aula 06_relações de pertinência_ Ponto e RetaGD_Aula 06_relações de pertinência_ Ponto e Reta
GD_Aula 06_relações de pertinência_ Ponto e Reta
 
O Cartaz
O CartazO Cartaz
O Cartaz
 
Projecção
ProjecçãoProjecção
Projecção
 
Perspectiva Isométrica
Perspectiva IsométricaPerspectiva Isométrica
Perspectiva Isométrica
 
Linguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensionalLinguagem bidimensional e tridimensional
Linguagem bidimensional e tridimensional
 
Equaçoes literais
Equaçoes literaisEquaçoes literais
Equaçoes literais
 
Aula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções OrtogonaisAula 5 - Projeções Ortogonais
Aula 5 - Projeções Ortogonais
 
Materiais de Desenho Ed. Visual 5º ano
Materiais de Desenho   Ed. Visual 5º anoMateriais de Desenho   Ed. Visual 5º ano
Materiais de Desenho Ed. Visual 5º ano
 
Estudo de luz e sombra em desenhos
Estudo de luz e sombra em desenhosEstudo de luz e sombra em desenhos
Estudo de luz e sombra em desenhos
 
Desenho arquitetônico
Desenho arquitetônicoDesenho arquitetônico
Desenho arquitetônico
 
Ficha de trabalho 7º ano estudo dos arcos
Ficha de trabalho 7º ano   estudo dos arcosFicha de trabalho 7º ano   estudo dos arcos
Ficha de trabalho 7º ano estudo dos arcos
 
Forma e Estrutura
Forma e EstruturaForma e Estrutura
Forma e Estrutura
 
Aula desenho de projeto de edificações
Aula desenho de projeto de edificaçõesAula desenho de projeto de edificações
Aula desenho de projeto de edificações
 

Destaque

O desenho
O desenhoO desenho
O desenho
PTAI
 
Exercicios em sala projeto e arquitetura de veiculos motor á combustão
Exercicios em sala projeto e arquitetura de veiculos motor á combustãoExercicios em sala projeto e arquitetura de veiculos motor á combustão
Exercicios em sala projeto e arquitetura de veiculos motor á combustão
Thiego Tarante
 
Apostila simbologia-de-soldagem-parte-01
Apostila simbologia-de-soldagem-parte-01Apostila simbologia-de-soldagem-parte-01
Apostila simbologia-de-soldagem-parte-01
Rafael Albuquerque
 
Mat retas exercicios resolvidos
Mat retas exercicios resolvidosMat retas exercicios resolvidos
Mat retas exercicios resolvidos
trigono_metrico
 
Teoria Das Cores
Teoria Das CoresTeoria Das Cores
Teoria Das Cores
martha
 

Destaque (20)

O desenho
O desenhoO desenho
O desenho
 
Solda aula 1 - term e simb
Solda   aula 1 - term e simbSolda   aula 1 - term e simb
Solda aula 1 - term e simb
 
1 lista 3bim
1 lista 3bim1 lista 3bim
1 lista 3bim
 
Exercicios em sala projeto e arquitetura de veiculos motor á combustão
Exercicios em sala projeto e arquitetura de veiculos motor á combustãoExercicios em sala projeto e arquitetura de veiculos motor á combustão
Exercicios em sala projeto e arquitetura de veiculos motor á combustão
 
Aula de desenho 3 escalas
Aula de desenho 3   escalasAula de desenho 3   escalas
Aula de desenho 3 escalas
 
Exercicios desenho geometrico_9_ano
Exercicios desenho geometrico_9_anoExercicios desenho geometrico_9_ano
Exercicios desenho geometrico_9_ano
 
CG1 - Primeira Aula
CG1 - Primeira AulaCG1 - Primeira Aula
CG1 - Primeira Aula
 
Apostila simbologia-de-soldagem-parte-01
Apostila simbologia-de-soldagem-parte-01Apostila simbologia-de-soldagem-parte-01
Apostila simbologia-de-soldagem-parte-01
 
Desenho: o sonho da linha
Desenho: o sonho da linhaDesenho: o sonho da linha
Desenho: o sonho da linha
 
Dtm aula 1
Dtm aula 1Dtm aula 1
Dtm aula 1
 
Atps 1 desenho_tecnico
Atps 1 desenho_tecnicoAtps 1 desenho_tecnico
Atps 1 desenho_tecnico
 
Perspectiva Linear Exercícios
Perspectiva Linear ExercíciosPerspectiva Linear Exercícios
Perspectiva Linear Exercícios
 
Sombra Calculada: Exercícios Gramaticais de Arquitetura Paisagística
Sombra Calculada: Exercícios Gramaticais de Arquitetura PaisagísticaSombra Calculada: Exercícios Gramaticais de Arquitetura Paisagística
Sombra Calculada: Exercícios Gramaticais de Arquitetura Paisagística
 
Mat retas exercicios resolvidos
Mat retas exercicios resolvidosMat retas exercicios resolvidos
Mat retas exercicios resolvidos
 
Perspectiva
PerspectivaPerspectiva
Perspectiva
 
Solda aula 2 - simbologia
Solda   aula 2 - simbologiaSolda   aula 2 - simbologia
Solda aula 2 - simbologia
 
Aula de desenho 2 vistas
Aula de desenho 2   vistasAula de desenho 2   vistas
Aula de desenho 2 vistas
 
Juntas e simbolos
Juntas e simbolosJuntas e simbolos
Juntas e simbolos
 
Teoria Das Cores
Teoria Das CoresTeoria Das Cores
Teoria Das Cores
 
Dte aula 03sombra-cor
Dte aula 03sombra-corDte aula 03sombra-cor
Dte aula 03sombra-cor
 

Semelhante a Aula de desenho 1

Introdução ao desenho_técnico_parte_1
Introdução ao desenho_técnico_parte_1Introdução ao desenho_técnico_parte_1
Introdução ao desenho_técnico_parte_1
Rafinha Pereira
 
Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...
Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...
Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...
excellenceeducaciona
 
Fundamentos do desenho técnico
Fundamentos do desenho técnicoFundamentos do desenho técnico
Fundamentos do desenho técnico
leobispo28
 
Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...
Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...
Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...
excellenceeducaciona
 
A IMPORTÂNCIA DO DESENHO NA ENGENHARIA Antes de iniciarmos a jornada do desen...
A IMPORTÂNCIA DO DESENHO NA ENGENHARIA Antes de iniciarmos a jornada do desen...A IMPORTÂNCIA DO DESENHO NA ENGENHARIA Antes de iniciarmos a jornada do desen...
A IMPORTÂNCIA DO DESENHO NA ENGENHARIA Antes de iniciarmos a jornada do desen...
excellenceeducaciona
 
ETAPA 3 A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico No desenho técnico, a...
ETAPA 3 A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico No desenho técnico, a...ETAPA 3 A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico No desenho técnico, a...
ETAPA 3 A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico No desenho técnico, a...
excellenceeducaciona
 
ETAPA 1: Iniciando no Desenho Técnico O desenho técnico serve como uma lingua...
ETAPA 1: Iniciando no Desenho Técnico O desenho técnico serve como uma lingua...ETAPA 1: Iniciando no Desenho Técnico O desenho técnico serve como uma lingua...
ETAPA 1: Iniciando no Desenho Técnico O desenho técnico serve como uma lingua...
excellenceeducaciona
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
excellenceeducaciona
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
excellenceeducaciona
 
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabal...
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho   Quando estamos trabal...Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho   Quando estamos trabal...
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabal...
excellenceeducaciona
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
excellenceeducaciona
 
ETAPA 3: A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico No desenho téc...
ETAPA 3: A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico       No desenho téc...ETAPA 3: A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico       No desenho téc...
ETAPA 3: A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico No desenho téc...
excellenceeducaciona
 
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabal...
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho   Quando estamos trabal...Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho   Quando estamos trabal...
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabal...
excellenceeducaciona
 

Semelhante a Aula de desenho 1 (20)

Apostila desenho-tecnico ifc
Apostila desenho-tecnico ifcApostila desenho-tecnico ifc
Apostila desenho-tecnico ifc
 
Capitulo1
Capitulo1Capitulo1
Capitulo1
 
Introdução ao estudo do desenho técnico
Introdução ao estudo do desenho técnicoIntrodução ao estudo do desenho técnico
Introdução ao estudo do desenho técnico
 
Cap1 introdução ao estudo do desenho técnico
Cap1 introdução ao estudo do desenho técnicoCap1 introdução ao estudo do desenho técnico
Cap1 introdução ao estudo do desenho técnico
 
Intro. ao desenho_técnico_parte_1
Intro. ao desenho_técnico_parte_1Intro. ao desenho_técnico_parte_1
Intro. ao desenho_técnico_parte_1
 
Apostila desenho
Apostila desenhoApostila desenho
Apostila desenho
 
Introdução ao desenho_técnico_parte_1
Introdução ao desenho_técnico_parte_1Introdução ao desenho_técnico_parte_1
Introdução ao desenho_técnico_parte_1
 
Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...
Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...
Atividade da ETAPA 1 Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabalhan...
 
Fundamentos do desenho técnico
Fundamentos do desenho técnicoFundamentos do desenho técnico
Fundamentos do desenho técnico
 
Aula01 - Introdução.pdf
Aula01 - Introdução.pdfAula01 - Introdução.pdf
Aula01 - Introdução.pdf
 
Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...
Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...
Atividade da ETAPA 3 A Descoberta da Projeção Isométrica Agora, você está dia...
 
A IMPORTÂNCIA DO DESENHO NA ENGENHARIA Antes de iniciarmos a jornada do desen...
A IMPORTÂNCIA DO DESENHO NA ENGENHARIA Antes de iniciarmos a jornada do desen...A IMPORTÂNCIA DO DESENHO NA ENGENHARIA Antes de iniciarmos a jornada do desen...
A IMPORTÂNCIA DO DESENHO NA ENGENHARIA Antes de iniciarmos a jornada do desen...
 
ETAPA 3 A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico No desenho técnico, a...
ETAPA 3 A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico No desenho técnico, a...ETAPA 3 A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico No desenho técnico, a...
ETAPA 3 A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico No desenho técnico, a...
 
ETAPA 1: Iniciando no Desenho Técnico O desenho técnico serve como uma lingua...
ETAPA 1: Iniciando no Desenho Técnico O desenho técnico serve como uma lingua...ETAPA 1: Iniciando no Desenho Técnico O desenho técnico serve como uma lingua...
ETAPA 1: Iniciando no Desenho Técnico O desenho técnico serve como uma lingua...
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024MAPA   –   DESENHO TÉCNICO  –  51 / 2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51 / 2024
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
 
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabal...
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho   Quando estamos trabal...Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho   Quando estamos trabal...
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabal...
 
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024MAPA – DESENHO TÉCNICO –         51/2024
MAPA – DESENHO TÉCNICO – 51/2024
 
ETAPA 3: A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico No desenho téc...
ETAPA 3: A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico       No desenho téc...ETAPA 3: A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico       No desenho téc...
ETAPA 3: A Importância da Perspectiva no Desenho Técnico No desenho téc...
 
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabal...
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho   Quando estamos trabal...Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho   Quando estamos trabal...
Atividade da ETAPA 1: Montando as Pranchas de Desenho Quando estamos trabal...
 

Mais de Roberto Villardo (11)

Aula 1 conjuntos
Aula 1   conjuntosAula 1   conjuntos
Aula 1 conjuntos
 
Aula 6 - trat térmico
Aula 6 - trat térmicoAula 6 - trat térmico
Aula 6 - trat térmico
 
Aula 2 estrutura cristalina
Aula 2   estrutura cristalinaAula 2   estrutura cristalina
Aula 2 estrutura cristalina
 
Aula 3 diagr das fases
Aula 3   diagr das fasesAula 3   diagr das fases
Aula 3 diagr das fases
 
Aula 4 ferro
Aula 4   ferroAula 4   ferro
Aula 4 ferro
 
Solda aula 3- processos
Solda   aula 3- processosSolda   aula 3- processos
Solda aula 3- processos
 
Solda aula 1 - term e simb
Solda   aula 1 - term e simbSolda   aula 1 - term e simb
Solda aula 1 - term e simb
 
Aula 2 estrutura cristalina
Aula 2   estrutura cristalinaAula 2   estrutura cristalina
Aula 2 estrutura cristalina
 
Aula 2 estrutura cristalina
Aula 2   estrutura cristalinaAula 2   estrutura cristalina
Aula 2 estrutura cristalina
 
Metalurgia - Aula 1 introdução-prop mecânicas
Metalurgia - Aula 1   introdução-prop mecânicasMetalurgia - Aula 1   introdução-prop mecânicas
Metalurgia - Aula 1 introdução-prop mecânicas
 
Minha aula metalografia
Minha aula   metalografiaMinha aula   metalografia
Minha aula metalografia
 

Último

atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
WelitaDiaz1
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Eró Cunha
 

Último (20)

Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptxSlides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
Slides Lição 7, CPAD, O Perigo Da Murmuração, 2Tr24.pptx
 
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVASAPRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
APRENDA COMO USAR CONJUNÇÕES COORDENATIVAS
 
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º anoNós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
Nós Propomos! Sertã 2024 - Geografia C - 12º ano
 
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
Proposta de redação Soneto de texto do gênero poema para a,usos do 9 ano do e...
 
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdfTestes de avaliação português 6º ano .pdf
Testes de avaliação português 6º ano .pdf
 
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptxQuímica-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
Química-ensino médio ESTEQUIOMETRIA.pptx
 
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdfUFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
UFCD_10659_Ficheiros de recursos educativos_índice .pdf
 
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco LeiteReligiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
Religiosidade de Assaré - Prof. Francisco Leite
 
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
[2.3.3] 100%_CN7_CAP_[FichaAvaliacao3].docx
 
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos AnimaisNós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
Nós Propomos! Canil/Gatil na Sertã - Amigos dos Animais
 
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
atividade para 3ª serie do ensino medi sobrw biotecnologia( transgenicos, clo...
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdfUFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
UFCD_8291_Preparação e confeção de peixes e mariscos_índice.pdf
 
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSSFormação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
Formação T.2 do Modulo I da Formação HTML & CSS
 
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigasPeça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
Peça de teatro infantil: A cigarra e as formigas
 
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...Regulamento do Festival de Teatro Negro -  FESTIAFRO 2024 - 10ª edição -  CEI...
Regulamento do Festival de Teatro Negro - FESTIAFRO 2024 - 10ª edição - CEI...
 
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...QUESTÃO 4   Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
QUESTÃO 4 Os estudos das competências pessoais é de extrema importância, pr...
 
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
Slides Lição 7, Betel, Ordenança para uma vida de fidelidade e lealdade, 2Tr2...
 

Aula de desenho 1

  • 1. 1 Informações sobre o instrutor: Formação Acadêmica • Licenciado em Matemática; • Técnico Industrial em Mecânica Outros Cursos • Desenho Industrial • AutoCad • END • Hidráulica e Pneumática • Refrigeração • Eletricidade Básica Experiência profissional • Professor da ETAM • Professor do SENAI • Professor da FBTS • Inspetor da Qualidade do AMRJ • Inspetor de Soldagem SETAL • Metrologista CAAOC/FI
  • 3. 3 Desenho Técnico Profº Villardo Objetivo Proporcionar aos alunos do Curso Técnico ETAM, conhecimentos teóricos e práticos, sobre desenho técnico e suas aplicações nas industrias mecânica e naval, em conformidade com a ABNT.
  • 4. 4 Profº Villardo Desenho Técnico EMENTA – xx Horas 1. Generalidades; 2. Normas técnicas; 3. Linhas; Hachuras; Simbologia; 4. Esboços; 5. Vistas; 6. Escalas; 7. Cotagem; 8. Projeções Ortogonais; 9. Perspectivas; 10. Cortes
  • 5. 5 Profº Villardo Desenho Técnico Material (USO OBRIGATÓRIO) 1. Lápis (HB e 2B); 2. Borracha; 3. Bloco liso para rascunho; 4. Bloco para desenho A4, com legenda; 5. Par de Esquadros; 6. Transferidor; 7. Compasso; 8. Escalímetro; 9. Papel Reticulado ( Isométrico); 10. Pasta PRETA com plásticos para organização
  • 6. 6 Profº Villardo Desenho Técnico ETAM Projeto Curso Técnico em Mecânica DisciplinaTurma Escala Nome / Nº Nº Desenho Profº Visto Data 1- Esboço 2- Vistas Des. Bás. Mec - 025 S/E 00 Villardo xx/xx/14 Zé das Coves - 000 Tarefa Nº/Valor == X == Preenchimento da legenda
  • 8. 8 Profº Villardo Desenho Técnico ESCOLA TÉCNICA DO ARSENAL DE MARINHA – ETAM Nome: ________________ Nº: _____ Turma: ________ Desenho Nº: ____ Data: ___/___/___ Visto: ______ Zé das Coves 000 Mec 025 01 xx xx 2014
  • 10. Peça 1 Peça 2 Desenhe a MÃO LIVRE 10 Profº Villardo Desenho Técnico Peça 3 Desenho 02
  • 11. 11 Profº Villardo Desenho Técnico Peça 5 Desenhe a MÃO LIVRE Desenho 02(cont.) Peça 4
  • 12. 12 Profº Villardo Como é elaborado um desenho técnico Às vezes, a elaboração do desenho técnico mecânico envolve o trabalho de vários profissionais. O profissional que planeja a peça é o engenheiro ou o projetista. Primeiro ele imagina como a peça deve ser. Depois representa suas idéias por meio de um esboço, isto é, um desenho técnico à mão livre. O esboço serve de base para a elaboração do desenho preliminar. O desenho preliminar corresponde a uma etapa intermediária do processo de elaboração do projeto, que ainda pode sofrer alterações. Desenho Técnico
  • 13. 13 Profº Villardo Desenho Técnico Como é elaborado um desenho técnico (cont.) Depois de aprovado, o desenho que corresponde à solução final do projeto será executado pelo desenhista técnico. O desenho técnico definitivo, também chamado de desenho para execução, contém todos os elementos necessários a sua compreensão. O desenho para execução, que tanto pode ser feito na prancheta como no computador, deve atender rigorosamente a todas as normas que dispõem sobre o assunto.
  • 14. 14 Profº Villardo Desenho Técnico O que é visão espacial? A visão espacial permite a percepção (o entendimento) de formas espaciais, sem estar vendo fisicamente os objetos. Apesar de a visão espacial ser um dom que todos têm, algumas pessoas têm mais facilidade para entender as formas espaciais a partir das figuras planas. A habilidade de percepção das formas espaciais a partir das figuras planas pode ser desenvolvidos a partir de exercícios progressivos e sistematizados.
  • 15. 15 Profº Villardo Desenho Técnico Papel reticulado Você já sabe que o traçado da perspectiva é feito, em geral, por meio de esboços à mão livre. Para facilitar o traçado da perspectiva isométrica à mão livre, usaremos um tipo de papel reticulado que apresenta uma rede de linhas que formam entre si ângulos de 120º. Essas linhas servem como guia para orientar o traçado do ângulo correto da perspectiva isométrica.
  • 16. 16 Profº Villardo Desenho Técnico Traçando a perspectiva isométrica do prisma Para aprender o traçado da perspectiva isométrica você vai partir de um sólido geométrico simples: o prisma retangular. No início do aprendizado é interessante manter à mão um modelo real para analisar e comparar com o resultado obtido no desenho. Neste caso, você pode usar o modelo de plástico nº 31 ou uma caixa de fósforos fechada
  • 22. 22 Profº Villardo Desenho Técnico A visão espacial permite a percepção (o entendimento) de formas espaciais, sem estar vendo fisicamente os objetos. Apesar de a visão espacial ser um dom que todos têm, algumas pessoas têm mais facilidade para entender as formas espaciais a partir das figuras planas. A habilidade de percepção das formas espaciais a partir das figuras planas pode ser desenvolvidos a partir de exercícios progressivos e sistematizados. Tipos de Desenho Técnico O desenho técnico é dividido em dois grandes grupos: • Desenho projetivo – são os desenhos resultantes de projeções do objeto em um ou mais planos de projeção e correspondem às vistas ortográficas e às perspectivas. • Desenho não-projetivo – na maioria dos casos corresponde a desenhos resultantes dos cálculos algébricos e compreendem os desenhos de gráficos, diagramas etc. Os desenhos projetivos compreendem a maior parte dos desenhos
  • 23. 23 Profº Villardo Desenho Técnico A visão espacial permite a percepção (o entendimento) de formas espaciais, sem estar vendo fisicamente os objetos. Apesar de a visão espacial ser um dom que todos têm, algumas pessoas têm mais facilidade para entender as formas espaciais a partir das figuras planas. A habilidade de percepção das formas espaciais a partir das figuras planas pode ser desenvolvidos a partir de exercícios progressivos e sistematizados. Pelos exemplos apresentados pode-se concluir que o desenho projetivo é utilizado em todas as modalidades da engenharia e pela arquitetura. Como resultado das especificidades das diferentes modalidades de engenharia, o desenho projetivo aparece com vários nomes que correspondem a alguma utilização específica: • Desenho Mecânico • Desenho de Máquinas • Desenho de Estruturas • Desenho Arquitetônico • Desenho Elétrico/Eletrônico • Desenho de Tubulações
  • 24. 24 Profº Villardo Desenho Técnico A visão espacial permite a percepção (o entendimento) de formas espaciais, sem estar vendo fisicamente os objetos. Apesar de a visão espacial ser um dom que todos têm, algumas pessoas têm mais facilidade para entender as formas espaciais a partir das figuras planas. A habilidade de percepção das formas espaciais a partir das figuras planas pode ser desenvolvidos a partir de exercícios progressivos e sistematizados. Mesmo com nomes diferentes, as diversas formas de apresentação do desenho projetivo têm uma mesma base e todas seguem normas de execução, que permitem suas interpretações sem dificuldades e sem mal-entendidos. Os desenhos não-projetivos são utilizados para representação das diversas formas de gráficos, diagramas, esquemas, ábacos, fluxogramas, organogramas, etc.
  • 25. 25 Profº Villardo Desenho Técnico A visão espacial permite a percepção (o entendimento) de formas espaciais, sem estar vendo fisicamente os objetos. Apesar de a visão espacial ser um dom que todos têm, algumas pessoas têm mais facilidade para entender as formas espaciais a partir das figuras planas. A habilidade de percepção das formas espaciais a partir das figuras planas pode ser desenvolvidos a partir de exercícios progressivos e sistematizados. A Padronização dos Desenhos Técnicos No Brasil as normas são aprovadas e editadas pela Associação Brasileira de Normas Técnicas – ABNT, fundada em 1940. Para favorecer o desenvolvimento da padronização internacional e facilitar o intercâmbio de produtos e serviços entre as nações, os órgãos responsáveis pela normalização em cada país, reunidos em Londres, criaram em 1947 a Organização Internacional de Normalização (International Organization for Standardization – ISO).
  • 26. 26 Profº Villardo Desenho Técnico A visão espacial permite a percepção (o entendimento) de formas espaciais, sem estar vendo fisicamente os objetos. Apesar de a visão espacial ser um dom que todos têm, algumas pessoas têm mais facilidade para entender as formas espaciais a partir das figuras planas. A habilidade de percepção das formas espaciais a partir das figuras planas pode ser desenvolvidos a partir de exercícios progressivos e sistematizados. Quando uma norma técnica proposta por qualquer país membro, é aprovada por todos os países que compõem a ISO, essa norma é organizada e editada como norma internacional. As normas técnicas que regulam o desenho técnico são normas editadas pela ABNT, registradas pelo INMETRO (Instituto Nacional de Metrologia, Normalização e Qualidade Industrial) como normas brasileiras - NBR e estão em consonância com as normas internacionais aprovadas pela ISO.
  • 27. 27 Profº Villardo Desenho Técnico A visão espacial permite a percepção (o entendimento) de formas espaciais, sem estar vendo fisicamente os objetos. Apesar de a visão espacial ser um dom que todos têm, algumas pessoas têm mais facilidade para entender as formas espaciais a partir das figuras planas. A habilidade de percepção das formas espaciais a partir das figuras planas pode ser desenvolvidos a partir de exercícios progressivos e sistematizados. Normas da ABNT A execução de desenhos técnicos é inteiramente normalizada pela ABNT. Os procedimentos para execução de desenhos técnicos aparecem em normas gerais que abordam desde a denominação e classificação dos desenhos até as formas de representação gráfica, basta para isso consultar os catálogos da ABNT • NBR 5984 – NORMA GERAL DE DESENHO TÉCNICO (Antiga NB 8) e da NBR 6402 – EXECUÇÃO DE DESENHOS TÉCNICOS DE MÁQUINAS E ESTRUTURAS METÁLICAS (Antiga NB 13).
  • 28. 28 Profº Villardo Desenho Técnico A visão espacial permite a percepção (o entendimento) de formas espaciais, sem estar vendo fisicamente os objetos. Apesar de a visão espacial ser um dom que todos têm, algumas pessoas têm mais facilidade para entender as formas espaciais a partir das figuras planas. A habilidade de percepção das formas espaciais a partir das figuras planas pode ser desenvolvidos a partir de exercícios progressivos e sistematizados. • NBR 10647 – DESENHO TÉCNICO – NORMA GERAL, cujo objetivo é definir os termos empregados em desenho técnico. A norma define os tipos de desenho quanto aos seus aspectos geométricos (Desenho Projetivo e Não-Projetivo), quanto ao grau de elaboração (Esboço, Desenho Preliminar e Definitivo), quanto ao grau de pormenorização (Desenho de Detalhes e Conjuntos) e quanto à técnica de execução (À mão livre ou utilizando computador).
  • 29. 29 Profº Villardo Desenho Técnico NBR 10068 – FOLHA DE DESENHO LAY-OUT E DIMENSÕES Os formatos da série “A” têm como base o formato A0, cujas dimensões guardam entre si a mesma relação que existe entre o lado de um quadrado e sua diagonal (841 2 =1189), e que corresponde a um retângulo de área igual a 1 m2.
  • 30. 30 Profº Villardo Desenho Técnico • NBR 10582 – APRESENTAÇÃO DA FOLHA PARA DESENHO TÉCNICO • NBR 13142 – DESENHO TÉCNICO – DOBRAMENTO DE CÓPIAS • NBR 8402 – EXECUÇÃO DE CARACTERES PARA ESCRITA EM DESENHOS TÉCNICOS • NBR 8403 – APLICAÇÃO DE LINHAS EM DESENHOS – TIPOS DE LINHAS – LARGURAS DAS LINHAS • NBR 10067 – PRINCÍPIOS GERAIS DE REPRESENTAÇÃO EM DESENHO TÉCNICO • NBR 8196 – DESENHO TÉCNICO – EMPREGO DE ESCALAS • NBR 12298 – REPRESENTAÇÃO DE ÁREA DE CORTE POR MEIO DE HACHURAS EM DESENHO TÉCNICO • NBR 10126 – COTAGEM EM DESENHO TÉCNICO • NBR 8404 – INDICAÇÃO DO ESTADO DE SUPERFÍCIE EM DESENHOS TÉCNICOS • NBR 6158 – SISTEMA DE TOLERÂNCIAS E AJUSTES • NBR 8993 – REPRESENTAÇÃO CONVENCIONAL DE PARTES ROSCADAS EM DESENHO TÉCNICO
  • 33. 33 Profº Villardo Desenho Técnico Traçado de Retas 1. Para traçar um segmento de reta que une dois pontos, deve-se colocar o lápis em um dos pontos e manter o olhar sobre o outro ponto (para onde se dirige o traço). Não se deve acompanhar com a vista o movimento do lápis. 2. Inicialmente desenha-se uma linha leve para, em seguida, reforçar o traço corrigindo, eventualmente, a linha traçada. 3. Não se pode pretender que um segmento reto traçado à mão livre seja absolutamente reto, sem qualquer sinuosidade. Como já foi destacada, muito mais importante que a perfeição do traçado é a exatidão e as proporções do desenho.
  • 34. 34 Profº Villardo Desenho TécnicoO antebraço não estando apoiado acarretará um maior esforço muscular, e, em conseqüência, imperfeição no desenho. Os traços verticais, inclinados ou não, são geralmente desenhados de cima para baixo e os traços horizontais são feitos da esquerda para a direita.
  • 36. 36 Profº Villardo Desenho Técnico Traçado de Arcos O melhor caminho para desenhar circunferências (arcos) é marcar previamente, sobre linhas perpendiculares entre si, às distâncias radiais, e a partir daí fazer o traçado do arco, conforme mostra a Figura 2.20.
  • 37. 37 Profº Villardo Desenho Técnico Métodos de projeções ortográficas Imagine a peça envolvida por um cubo, no qual cada face corresponderá a uma vista, ou seja, o que você estaria enxergando da peça se você estivesse olhando esta face de frente. Este cubo de vistas é então “planificado”, desdobrado. Desta forma é possível visualizar todos os lados da peça em uma folha de papel. A projeção ortográfica, na prática, pode ser feita de duas formas: - no primeiro diedro: imagine vendo a peça a partir de um dos lados do cubo. O desenho da vista será feito no lado oposta em que você se “localiza”
  • 48. 48 Profº Villardo Desenho Técnico No terceiro diedro: imagine-se vendo a peça a partir de um dos lados do cubo. O desenho da vista será feito no mesmo lado em que você se “localiza”.
  • 49. 49 Profº Villardo Desenho Técnico Projeção das vistas no terceiro diedro
  • 50. 50 Profº Villardo Desenho Técnico O conceito de vistas é aplicado para todos os seis lados possíveis do “cubo”. A diferença entre a representação no primeiro diedro e no terceiro diedro é simplesmente a inversão das posições das vistas no papel.
  • 52. 52 Profº Villardo Desenho Técnico Traçado das Projeções (VISTAS) Para desenhar à mão livre as projeções ortogonais de qualquer objeto, é conveniente seguir as recomendações seguintes: • Analisar previamente qual a melhor combinação de vistas que representa a peça, de modo que não apareça ou que apareça o menor número possível de linhas tracejadas. • Esboçar, com traço muito leve e fino (Lápis HB) o lugar de cada projeção, observando que as distâncias entre as vistas devem ser visualmente iguais.
  • 53. 53 Profº Villardo Desenho Técnico Traçado das Projeções (VISTAS) • A escolha da distância entre as vistas é importante porque, vistas excessivamente próximas ou excessivamente afastadas umas das outras, tiram a clareza e dificultam a interpretação do desenho. • Desenhar os detalhes resultantes das projeções ortogonais, trabalhando simultaneamente nas três vistas. • Apagar as linhas de guia feitas no início do desenho.
  • 54. 54 Profº Villardo Desenho Técnico Traçado das Projeções (VISTAS)...Continuação • Com o mesmo traço (contínuo e forte) acentuar em cada vista os detalhes visíveis. • Reforçar com traço definitivo (traço contínuo e forte) os contornos de cada vista. • Desenhar em cada vista, com traço médio, as linhas tracejadas correspondentes às arestas invisíveis. • Conferir cuidadosamente o desenho resultante.
  • 55. 55 Profº Villardo Desenho Técnico Traçado das Projeções (VISTAS)...Continuação A Figura abaixo mostra as sucessivas fases para elaboração de um desenho à mão livre. Assim sendo, as vistas devem preservar: •Os mesmos comprimentos nas vistas de frente e superior. •As mesmas alturas nas vistas de frente e lateral. •As mesmas larguras nas vistas laterais e superiores
  • 63. 63 Profº Villardo Desenho Técnico Representação de Arestas Ocultas Como as representações de objetos tridimensionais, por meio de projeções ortogonais, são feitas por vistas tomadas por lados diferentes, dependendo da forma espacial do objeto, algumas de suas superfícies poderão ficar ocultas em relação ao sentido de observação. Observando a Figura 2.16 vê-se que a superfície “A” está oculta quando a peça é vista lateralmente (direção 3), enquanto a superfície “B” está oculta quando a peça é vista por cima (direção 2). Nestes casos, as arestas que estão ocultas em um determinado sentido de observação são representadas por linhas tracejadas. As linhas tracejadas são constituídas de pequenos traços de comprimento uniforme, espaçados de um terço de seu comprimento e levemente mais finas que as linhas cheias.
  • 74. 74 Profº Villardo Desenho Técnico Representação de Superfícies Inclinadas A representação de superfícies inclinadas pode ser dividida em dois casos distintos: 1 – Quando a superfície é perpendicular a um dos planos de projeção e inclinada em relação aos outros planos de projeção
  • 76. 76 Profº Villardo Desenho Técnico A projeção resultante no plano que é perpendicular à superfície inclinada será um segmento de reta que corresponde à verdadeira grandeza da dimensão representada. Nos outros dois planos a superfície inclinada mantém a sua forma, mas sofre alteração da verdadeira grandeza em uma das direções da projeção resultante. A representação mantendo a forma e a verdadeira grandeza de qualquer superfície inclinada só será possível se o plano de projeção for paralelo à superfície. As Figuras 2.23, 2.24 e 2.25 mostram exemplos de representação de peças com superfícies inclinadas, porém, perpendiculares a um dos planos de projeção.
  • 84. 84 Profº Villardo Desenho Técnico Exercícios Propostos Nos desenhos abaixo, faça a identificação dos planos que compõem as formas espaciais das peças dadas e analise seus rebatimentos nas vistas correspondentes.
  • 85. 85 Profº Villardo Desenho Técnico Exercícios Propostos Nos desenhos abaixo, faça a identificação dos planos que compõem as formas espaciais das peças dadas e analise seus rebatimentos nas vistas correspondentes.
  • 86. 86 Profº Villardo Desenho Técnico Exercícios Propostos Aplicando as recomendações do item anterior desenhe as três vistas das peças mostradas abaixo tomando o cuidado para que tenham o menor número de linhas tracejadas possíveis.
  • 87. 87 Profº Villardo Desenho Técnico Dadas as peças abaixo, desenhe a vista que falta
  • 88. 88 Profº Villardo Desenho Técnico Dadas as peças abaixo, desenhe a vista que falta
  • 89. 89 Profº Villardo Desenho Técnico Dadas as peças abaixo, assinale os nos correspondentes
  • 90. 90 Profº Villardo Desenho Técnico Dadas as peças abaixo, assinale os nos correspondentes