SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Baixar para ler offline
TEMA
FENOMENOLOGIA HUSSERLIANA

                 Prof: Aniceto Cirino
                 Alunos: Bianca Monteiro
                           Jorge Dutra
                           Keila Macambira
                           Lays Oliveira
                           Lucíola Santana
ETIMOLOGIA DA PALAVRA FENOMENOLOGIA
RESGATE HISTÓRICO:
A HISTÓRIA DO TERMO “FENOMENOLOGIA”
   O primeiro texto em que figura esse termo é o “Novo Órganon” (1764) de J. H.
    Lambert
   Kant o retoma em 1770 numa carta a Lambert onde o que chama de
    Fenomenologia Generalis designa uma disciplina propedêutica a metafísica
   É com Hegel em sua obra “Fenomenologia do Espírito” (1807) que o termo entra
    definitivamente na tradição filosófica.
   Não é, contudo, com a fenomenologia hegeliana que o movimento de pensamento
    que traz o nome de Fenomenologia iria se perpetuar no século XX. O verdadeiro
    iniciador desse movimento devia ser Husserl, o qual deu um conteúdo novo a
    uma palavra já antiga.
   Embora exista características da fenomenologia husserliana através das quais
    seria permitido aproximá-la com a hegeliana e a kantiana, podemos notar que,
    com respeito ao problema ontológico, a tentativa de Husserl representa algo como
    uma terceira via.
   Poder-se-ia afirmar que o movimento fenomenológico consuma a corrosão da
    Metafísca Platônica a qual está implicitamente esvaindo-se tanto em Hegel, em
    Kant e também com o Positivismo. Uma frase de Nietzsche a qual sintetiza esta
    perda de sentido da dicotomização platônica permite-nos colocá-lo dentro desta
    abordagem histórica da fenomenologia: „‟Deus está morto”.
RESGATE HISTÓRICO:
HUSSERL E A NECESSIDADE DE UM RECOMEÇO
    Mesmo com a redistribuição das funções do conhecimento feitas por Kant e da
     correlação que este institui entre sujeito/objeto, Hussel ainda detecta uma
     contaminação das coisas por parte do sujeito cognoscente devido a forma de se
     compreender a apreensão feita por este último dos objetos.
    Husserl atravessará efetivamente uma crise de ceticismo pouco antes de 1907,
     época das “5 Lições Sobre Fenomenologia”
    O que engendrou tal ceticismo foi uma crise na cultura sobre a qual é possível
     afirmar com Merleau Ponty que a fenomenologia nasceu desta crise e sem dúvida
     também que essa crise é ainda nossa. A referida crise diz respeito ao impasse
     gnosiológico REALISMO X IDEALISMO e também ao temido espectro do Niilismo.
    O ponto de partida para a superação deste impasse dá-se por intermédio do
     contato que Husserl teve com a psicologia descritiva de Franz Brentano.
    Todavia, Husserl levará a efeito um ultrapassamento de tal psicologia para
     responder questões fundamentais que ela não era capaz de responder. Esse
     ultrapassamento realizar-se-á por intermédio de um duplo escolho: o empirismo e
     a filosofia especulativa.
    A via média deste duplo escolho pode ser compreendida a partir do postulado de
     que o fenômeno esta penetrado no pensamento (logos), e que por sua vez o logos
     se expõe somente no fenômeno.
O CAMPO E A INTENCIONALIDADE
Uma das ideias principais da fenomenologia é a de que "toda
consciência é consciência de alguma coisa".




   “Não vejo sensações de cores, senão coisas coloridas, nem ouço
    sensações de som, senão a canção da cantora”. Husserl
INTENCIONALIDADE
o   “Espontaneidade primeira e impessoal que nos orienta
    a eleger como representar um objeto enquanto dado
    para uma consciência, algo que se revela com base em
    si mesma tal como ela é vivida desde si, antes mesmo
    de qualquer elemento reflexivo”
                                            Husserl, 1913


       Fenômeno      Aparência     Essência
CAMPO

Segundo Koffka:
  o “Concebido como um espaço primordial no qual
    aparecem polos que irão lhe dar sua configuração,
    dividindo-o entre eu e não eu, a distinção do eu e do
    mundo exterior é um fato de organização do campo
    total “.

               Ambiente
               Campo

               Pessoa
MÉTODO FENOMENOLÓGICO
 Époche   ou Redução Fenomenológica:

      Husserl ao propor a Fenomenologia, propõe
também que o método a ser utilizado seja e
époche, ou seja, que o Fenômeno passe por um
processo onde todo valor, toda a percepção e ideias
do individuo sejam suspensas para que então seja
possível visualizar apenas o Fenômeno

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdfA invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdfJonia Lacerda
 
Introdução ao Existencialismo
Introdução ao ExistencialismoIntrodução ao Existencialismo
Introdução ao ExistencialismoBruno Carrasco
 
Existencialismo e humanismo
Existencialismo e humanismoExistencialismo e humanismo
Existencialismo e humanismoJoão Marcelo
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaAdriane Fernandes
 
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da PsicologiaIntrodução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da PsicologiaEdgard Lombardi
 
Matrizes abordagens da psicologia moderna
Matrizes abordagens da psicologia modernaMatrizes abordagens da psicologia moderna
Matrizes abordagens da psicologia modernaJonia Lacerda
 
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípiosA psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípiosLudmila Moura
 
Introdução à Fenomenologia de Husserl.pdf
Introdução à Fenomenologia de Husserl.pdfIntrodução à Fenomenologia de Husserl.pdf
Introdução à Fenomenologia de Husserl.pdfFelipe Pinho
 
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-TerapiaAspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-TerapiaFábio Nogueira, PhD
 
Psicoterapia fenomenologica existencial
Psicoterapia fenomenologica existencialPsicoterapia fenomenologica existencial
Psicoterapia fenomenologica existencialÉrika Renata
 
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico ExistencialPsicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico ExistencialBruno Carrasco
 

Mais procurados (20)

Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 
Introdução à fenomenologia
Introdução à fenomenologiaIntrodução à fenomenologia
Introdução à fenomenologia
 
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdfA invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia  2014 pdf
A invenção do espaço psi historia e epistemologia da psicologia 2014 pdf
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 
Gestalt-Terapia
Gestalt-TerapiaGestalt-Terapia
Gestalt-Terapia
 
Introdução ao Existencialismo
Introdução ao ExistencialismoIntrodução ao Existencialismo
Introdução ao Existencialismo
 
Existencialismo e humanismo
Existencialismo e humanismoExistencialismo e humanismo
Existencialismo e humanismo
 
Gestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - PsicologiaGestalt Terapia - Psicologia
Gestalt Terapia - Psicologia
 
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da PsicologiaIntrodução à Psicologia: História da Psicologia
Introdução à Psicologia: História da Psicologia
 
Psicologia humanista
Psicologia humanistaPsicologia humanista
Psicologia humanista
 
Psicanálise
PsicanálisePsicanálise
Psicanálise
 
Matrizes abordagens da psicologia moderna
Matrizes abordagens da psicologia modernaMatrizes abordagens da psicologia moderna
Matrizes abordagens da psicologia moderna
 
Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1Aula - Introdução à Psicologia 1
Aula - Introdução à Psicologia 1
 
slides da história da psicologia
slides da história da psicologiaslides da história da psicologia
slides da história da psicologia
 
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípiosA psicologia da Gestalt - histórico e princípios
A psicologia da Gestalt - histórico e princípios
 
Introdução à Fenomenologia de Husserl.pdf
Introdução à Fenomenologia de Husserl.pdfIntrodução à Fenomenologia de Husserl.pdf
Introdução à Fenomenologia de Husserl.pdf
 
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-TerapiaAspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
Aspectos históricos, teóricos e terapêuticos da Gestalt-Terapia
 
Existencial - Humanista
Existencial - HumanistaExistencial - Humanista
Existencial - Humanista
 
Psicoterapia fenomenologica existencial
Psicoterapia fenomenologica existencialPsicoterapia fenomenologica existencial
Psicoterapia fenomenologica existencial
 
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico ExistencialPsicoterapia Fenomenológico Existencial
Psicoterapia Fenomenológico Existencial
 

Semelhante a A Fenomenologia Husserliana

Fenomenologia Hurssel, contexto histórico e início do pensamento.
Fenomenologia Hurssel, contexto histórico e início do pensamento.Fenomenologia Hurssel, contexto histórico e início do pensamento.
Fenomenologia Hurssel, contexto histórico e início do pensamento.CarynaMaximina
 
Fenomenologia e existencialismo_articulando (1)
Fenomenologia e existencialismo_articulando (1)Fenomenologia e existencialismo_articulando (1)
Fenomenologia e existencialismo_articulando (1)Bianca Curvelo
 
Moreira, virginia. possíveis contribuições de husserl e heidegger para a clín...
Moreira, virginia. possíveis contribuições de husserl e heidegger para a clín...Moreira, virginia. possíveis contribuições de husserl e heidegger para a clín...
Moreira, virginia. possíveis contribuições de husserl e heidegger para a clín...Érika Renata
 
Hfc aula 004
Hfc aula 004Hfc aula 004
Hfc aula 004Luiz
 
Nascimento, c.l. a centralidade da epoché na fenomenologia husserliana
Nascimento, c.l. a centralidade da epoché na fenomenologia husserlianaNascimento, c.l. a centralidade da epoché na fenomenologia husserliana
Nascimento, c.l. a centralidade da epoché na fenomenologia husserlianaÉrika Renata
 
vascoa+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdf
vascoa+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdfvascoa+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdf
vascoa+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdfguilhermeadv17278
 
vasconcelosroberta,+Gerente+da+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdf
vasconcelosroberta,+Gerente+da+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdfvasconcelosroberta,+Gerente+da+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdf
vasconcelosroberta,+Gerente+da+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdfguilhermeadv17278
 
Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...
Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...
Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...Érika Renata
 
Adorno atualidade da filosofia 1966 [doc]
Adorno   atualidade da filosofia 1966 [doc]Adorno   atualidade da filosofia 1966 [doc]
Adorno atualidade da filosofia 1966 [doc]Aline Trigo
 
Fenomenologia para filosofia
Fenomenologia para filosofiaFenomenologia para filosofia
Fenomenologia para filosofiaufmt
 
Psicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_ii
Psicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_iiPsicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_ii
Psicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_iiLucas Coutinho
 
Merleau_Ponty_Maurice_Fenomenologia_da_percepção_1999.pdf
Merleau_Ponty_Maurice_Fenomenologia_da_percepção_1999.pdfMerleau_Ponty_Maurice_Fenomenologia_da_percepção_1999.pdf
Merleau_Ponty_Maurice_Fenomenologia_da_percepção_1999.pdfIvaMinLee
 
Texto 01 - O que é fenomêno. A fenomenologia como método.pdf
Texto 01 - O que é fenomêno. A fenomenologia como método.pdfTexto 01 - O que é fenomêno. A fenomenologia como método.pdf
Texto 01 - O que é fenomêno. A fenomenologia como método.pdfKarlianaArruda1
 
FENOMENOLOGIA HERMENEUTICA.pdf
FENOMENOLOGIA HERMENEUTICA.pdfFENOMENOLOGIA HERMENEUTICA.pdf
FENOMENOLOGIA HERMENEUTICA.pdfProgrammak10
 

Semelhante a A Fenomenologia Husserliana (20)

A ideia-de-fenomenologia
A ideia-de-fenomenologiaA ideia-de-fenomenologia
A ideia-de-fenomenologia
 
Fenomenologia Hurssel, contexto histórico e início do pensamento.
Fenomenologia Hurssel, contexto histórico e início do pensamento.Fenomenologia Hurssel, contexto histórico e início do pensamento.
Fenomenologia Hurssel, contexto histórico e início do pensamento.
 
Fenomenologia e existencialismo_articulando (1)
Fenomenologia e existencialismo_articulando (1)Fenomenologia e existencialismo_articulando (1)
Fenomenologia e existencialismo_articulando (1)
 
Moreira, virginia. possíveis contribuições de husserl e heidegger para a clín...
Moreira, virginia. possíveis contribuições de husserl e heidegger para a clín...Moreira, virginia. possíveis contribuições de husserl e heidegger para a clín...
Moreira, virginia. possíveis contribuições de husserl e heidegger para a clín...
 
Hfc aula 004
Hfc aula 004Hfc aula 004
Hfc aula 004
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 
Aula de Filosofia_2º ano_Fenomenologia_E
Aula de Filosofia_2º ano_Fenomenologia_EAula de Filosofia_2º ano_Fenomenologia_E
Aula de Filosofia_2º ano_Fenomenologia_E
 
12
1212
12
 
Nascimento, c.l. a centralidade da epoché na fenomenologia husserliana
Nascimento, c.l. a centralidade da epoché na fenomenologia husserlianaNascimento, c.l. a centralidade da epoché na fenomenologia husserliana
Nascimento, c.l. a centralidade da epoché na fenomenologia husserliana
 
vascoa+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdf
vascoa+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdfvascoa+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdf
vascoa+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdf
 
vasconcelosroberta,+Gerente+da+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdf
vasconcelosroberta,+Gerente+da+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdfvasconcelosroberta,+Gerente+da+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdf
vasconcelosroberta,+Gerente+da+revista,+oliveirafurlan01 (1).pdf
 
Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...
Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...
Evangelista,p. a interpretação fenomenológica de heidegger da primeira epísto...
 
Adorno atualidade da filosofia 1966 [doc]
Adorno   atualidade da filosofia 1966 [doc]Adorno   atualidade da filosofia 1966 [doc]
Adorno atualidade da filosofia 1966 [doc]
 
Fenomenologia
FenomenologiaFenomenologia
Fenomenologia
 
Fenomenologia para filosofia
Fenomenologia para filosofiaFenomenologia para filosofia
Fenomenologia para filosofia
 
Psicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_ii
Psicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_iiPsicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_ii
Psicologia contemporanea articulacoes-teoricopraticas_slides_dilema_cap_i_e_ii
 
Merleau_Ponty_Maurice_Fenomenologia_da_percepção_1999.pdf
Merleau_Ponty_Maurice_Fenomenologia_da_percepção_1999.pdfMerleau_Ponty_Maurice_Fenomenologia_da_percepção_1999.pdf
Merleau_Ponty_Maurice_Fenomenologia_da_percepção_1999.pdf
 
Texto 01 - O que é fenomêno. A fenomenologia como método.pdf
Texto 01 - O que é fenomêno. A fenomenologia como método.pdfTexto 01 - O que é fenomêno. A fenomenologia como método.pdf
Texto 01 - O que é fenomêno. A fenomenologia como método.pdf
 
FENOMENOLOGIA HERMENEUTICA.pdf
FENOMENOLOGIA HERMENEUTICA.pdfFENOMENOLOGIA HERMENEUTICA.pdf
FENOMENOLOGIA HERMENEUTICA.pdf
 

Último

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxAntonioVieira539017
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdfCarlosRodrigues832670
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxJosAurelioGoesChaves
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...LuizHenriquedeAlmeid6
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAEdioFnaf
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLaseVasconcelos1
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxkarinasantiago54
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxJMTCS
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxHenriqueLuciano2
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...Unidad de Espiritualidad Eudista
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfmarialuciadasilva17
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxJMTCS
 

Último (20)

Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptxQUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
QUIZ – GEOGRAFIA - 8º ANO - PROVA MENSAL.pptx
 
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdforganizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
organizaao-do-clube-de-lideres-ctd-aamar_compress.pdf
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptxProva de Empreendedorismo com gabarito.pptx
Prova de Empreendedorismo com gabarito.pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
Slides Lição 3, Betel, Ordenança para congregar e prestar culto racional, 2Tr...
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZAAVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
AVALIAÇÃO INTEGRADA 1ª SÉRIE - EM - 1º BIMESTRE ITINERÁRIO CIÊNCIAS DAS NATUREZA
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdfLinguagem verbal , não verbal e mista.pdf
Linguagem verbal , não verbal e mista.pdf
 
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptxFree-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
Free-Netflix-PowerPoint-Template-pptheme-1.pptx
 
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptxPOETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
POETAS CONTEMPORANEOS_TEMATICAS_explicacao.pptx
 
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptxEVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
EVANGELISMO É MISSÕES ATUALIZADO 2024.pptx
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
A Unidade de Espiritualidade Eudista se une ao sentimiento de toda a igreja u...
 
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdfTIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
TIPOS DE DISCURSO - TUDO SALA DE AULA.pdf
 
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptxOrientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
Orientações para a análise do poema Orfeu Rebelde.pptx
 

A Fenomenologia Husserliana

  • 1. TEMA FENOMENOLOGIA HUSSERLIANA Prof: Aniceto Cirino Alunos: Bianca Monteiro Jorge Dutra Keila Macambira Lays Oliveira Lucíola Santana
  • 2. ETIMOLOGIA DA PALAVRA FENOMENOLOGIA
  • 3. RESGATE HISTÓRICO: A HISTÓRIA DO TERMO “FENOMENOLOGIA”  O primeiro texto em que figura esse termo é o “Novo Órganon” (1764) de J. H. Lambert  Kant o retoma em 1770 numa carta a Lambert onde o que chama de Fenomenologia Generalis designa uma disciplina propedêutica a metafísica  É com Hegel em sua obra “Fenomenologia do Espírito” (1807) que o termo entra definitivamente na tradição filosófica.  Não é, contudo, com a fenomenologia hegeliana que o movimento de pensamento que traz o nome de Fenomenologia iria se perpetuar no século XX. O verdadeiro iniciador desse movimento devia ser Husserl, o qual deu um conteúdo novo a uma palavra já antiga.  Embora exista características da fenomenologia husserliana através das quais seria permitido aproximá-la com a hegeliana e a kantiana, podemos notar que, com respeito ao problema ontológico, a tentativa de Husserl representa algo como uma terceira via.  Poder-se-ia afirmar que o movimento fenomenológico consuma a corrosão da Metafísca Platônica a qual está implicitamente esvaindo-se tanto em Hegel, em Kant e também com o Positivismo. Uma frase de Nietzsche a qual sintetiza esta perda de sentido da dicotomização platônica permite-nos colocá-lo dentro desta abordagem histórica da fenomenologia: „‟Deus está morto”.
  • 4. RESGATE HISTÓRICO: HUSSERL E A NECESSIDADE DE UM RECOMEÇO  Mesmo com a redistribuição das funções do conhecimento feitas por Kant e da correlação que este institui entre sujeito/objeto, Hussel ainda detecta uma contaminação das coisas por parte do sujeito cognoscente devido a forma de se compreender a apreensão feita por este último dos objetos.  Husserl atravessará efetivamente uma crise de ceticismo pouco antes de 1907, época das “5 Lições Sobre Fenomenologia”  O que engendrou tal ceticismo foi uma crise na cultura sobre a qual é possível afirmar com Merleau Ponty que a fenomenologia nasceu desta crise e sem dúvida também que essa crise é ainda nossa. A referida crise diz respeito ao impasse gnosiológico REALISMO X IDEALISMO e também ao temido espectro do Niilismo.  O ponto de partida para a superação deste impasse dá-se por intermédio do contato que Husserl teve com a psicologia descritiva de Franz Brentano.  Todavia, Husserl levará a efeito um ultrapassamento de tal psicologia para responder questões fundamentais que ela não era capaz de responder. Esse ultrapassamento realizar-se-á por intermédio de um duplo escolho: o empirismo e a filosofia especulativa.  A via média deste duplo escolho pode ser compreendida a partir do postulado de que o fenômeno esta penetrado no pensamento (logos), e que por sua vez o logos se expõe somente no fenômeno.
  • 5. O CAMPO E A INTENCIONALIDADE Uma das ideias principais da fenomenologia é a de que "toda consciência é consciência de alguma coisa".  “Não vejo sensações de cores, senão coisas coloridas, nem ouço sensações de som, senão a canção da cantora”. Husserl
  • 6. INTENCIONALIDADE o “Espontaneidade primeira e impessoal que nos orienta a eleger como representar um objeto enquanto dado para uma consciência, algo que se revela com base em si mesma tal como ela é vivida desde si, antes mesmo de qualquer elemento reflexivo” Husserl, 1913 Fenômeno Aparência Essência
  • 7. CAMPO Segundo Koffka: o “Concebido como um espaço primordial no qual aparecem polos que irão lhe dar sua configuração, dividindo-o entre eu e não eu, a distinção do eu e do mundo exterior é um fato de organização do campo total “. Ambiente Campo Pessoa
  • 8. MÉTODO FENOMENOLÓGICO  Époche ou Redução Fenomenológica: Husserl ao propor a Fenomenologia, propõe também que o método a ser utilizado seja e époche, ou seja, que o Fenômeno passe por um processo onde todo valor, toda a percepção e ideias do individuo sejam suspensas para que então seja possível visualizar apenas o Fenômeno