SlideShare uma empresa Scribd logo
VIOLÊNCIA COMO PROBLEMA DE SAÚDE PÚBLICA
O que é violência? É o evento representado por ações realizadas por indivíduos, grupos, classes ou nações que ocasionam danos físicos ou morais a si próprios ou a outros.
OMS O fenômeno da violência é classificado como um problema de saúde pública, em consonância com as recomendações do Informe Mundial da OMS (2002) sobre violência e saúde.  A violência constitui-se em fenômeno de saúde pública "porque afeta a saúde individual e coletiva“ É considerada por alguns como a epidemia da modernidade.
Tipos A violência pode se apresentar como um problema de saúde contra crianças, contra adolescentes, contra a mulher, contra idosos, em homicídios e agressões, como auto-infligida, no trabalho, no trânsito e outros.
Consequências A violência interessa ao setor da saúde, principalmente em razão do número de mortes que provoca, bem como pela necessidade de atendimento médico que têm as pessoas lesionadas.
Impacto As taxas de mortalidade por causas externas cresceram cerca de 50% do fim dos anos 70 para a primeira metade da década de 90. A violência sexual é uma das principais causas de morbimortalidade, especialmente na população de criança, adolescentes e adultos jovens. Ela afeta principalmente as mulheres e geralmente ocorre no espaço domiciliar.
Causas  A violência apresenta-se sempre multifacetada, envolvendo, em sua gênese e desenvolvimento, vários segmentos e aspectos: ela não é somente um problema de segurança, de justiça, de educação ou de saúde, mas representa um verdadeiro mosaico formado por todos esses componentes.
Como lidar? Parcerias efetivas entre diferentes segmentos – governamentais ou não – devem ser construídas e consolidadas, na medida em que significam "a conjugação de esforços que se expressam mediante a implementação de um amplo e diversificado conjunto de ações articuladas voltadas à prevenção dos acidentes e violências e, por conseqüência, à redução de sua ocorrência, contribuindo assim para a melhoria da qualidade de vida da população"
Intersetorialidade O enfrentamento da violência exige a efetiva articulação de diferentes setores, tais como saúde, segurança pública, justiça e trabalho; bem como o envolvimento da sociedade civil organizada, configurando redes integradas de atendimento.
AtendimentoemViolência Houve um aumento na demanda de usuários do SUS aos serviços de referência, buscando atenção em saúde, orientação quanto à seus direitos, informações de ordem jurídica, além de garantia da integralidade do atendimento pelas Equipes da Saúde da Família. O atendimento se dá prevenindo agravos externos e no garantir o acompanhamento psico-social de pessoas vitimadas, cumprindo seus direitos como cidadão.
Adolescência As violências devem ser enfrentadas não só como um problema de segurança, mas como uma perspectiva que valorize uma maior integração comunitária, o que não elimina os conflitos, mas contribui para o desenvolvimento de comportamentos mais tolerantes, repercutindo positivamente no próprio desempenho escolar. 
Apoio Programas de apoio econômico às famílias em situação de vulnerabilidade têm se mostrado estratégias fundamentais para o enfrentamento de dimensões da violência na escola, trabalho juvenil, exploração sexual e comercial de crianças e adolescentes.
Estratégias Programas de forma integrada, atuando através dos âmbitos individual, familiar, comunitário e social.
Gênero Esta forma de violência "distingue um tipo de dominação, de opressão e de crueldade nas relações entre homens e mulheres, estruturalmente construído". Ao lado desta concepção reafirmam que também esta forma de violência constitui-se uma "questão de saúde pública e de violação explícita dos direitos humanos". 
EStratégias Promover a organização de grupos de mulheres, na perspectiva de compreensão de direitos; Fortalecer o acesso a uma rede de apoio social;  Promover a organização de grupos de homens.
Idosos Este grupo é especialmente vulnerável por apresentar "múltiplas dependências e incapacidades". É necessária a reconfiguração dos papéis nos ciclos de vida e das políticas sociais que lhes dizem respeito".
Suicídio Epidemiologicamente, desemprego e abuso sexual se destacam como fortes elementos predisponentes.
Fluxo Porta de entrada: É porondepodemchegar as vítimas, onde se dá o primeiroatendimento. Pode ser emlocais de defesa de direitosjurídicosouemlocais de atendimentoemsaúde. Casos de violência a menores de 18 anossão, por lei, registrados no conselhotutelardacriança e adolescente. Modalidades de atendimentodaredede serviços: cuidadosclínicos, saúde mental, assistência social, jurídico.
REDE A eficácia do fluxo no atendimento em violência pede a efetiva articulação de diferentes setores, tais como saúde, segurança pública, justiça e trabalho; bem como o envolvimento da sociedade civil organizada, configurando redes integradas de atendimento.
Ações Capacitação multiprofissional nas instituições de referência, contemplando toda a equipe de saúde, sensibilizando para um acompanhamento humanizado e digno,
Minayo A reflexão desenvolvida não torna a tarefa dos profissionais de saúde mais fácil. Ao contrário, mostra a necessidade de trabalharem não só com modelos epidemiológicos, mas de incluírem a compreensão cada vez mais específica dos fatores e dos contextos na abordagem dos comportamentos, das ações e dos processos violentos. Igualmente, torna-se fundamental aprofundar a importância e o papel da subjetividade e das determinações sociais nas escolhas das possibilidades, por menores que sejam as opções dos indivíduos.
Objetivo Desenvolver reflexões superando a dimensão de cisão estabelecida entre público e privado, macro e micropolítica e subjetivo e objetivo, encontrada em muitas análises.
REferências BARBOSA, Lígia Maria. Implementação do protocolo de assistência às vítimas de violência na atenção básica. JORGE, Maria Helena Prado de Mello. Violência como problema de saúde pública.Cienc. Cult. [online]. 2002, v. 54, n. 1 MORGADO, Rosana. Impacto da violência na saúde dos brasileiros. Ciênc. saúde coletiva,  Rio de Janeiro,  v. 11,  n. 2, June  2006 .  

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério SaúdeApresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Secretaria de Estado de Saúde de Minas Gerais (SES-MG)
 
Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]
Monica Mamedes
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
Faculdade União das Américas
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
jorge luiz dos santos de souza
 
PACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDEPACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDE
Fernanda Marinho
 
Sistemas informacao de saude
Sistemas informacao de saudeSistemas informacao de saude
Sistemas informacao de saude
Fernandinhalima
 
Saúde pública no Brasil
Saúde pública no BrasilSaúde pública no Brasil
Saúde pública no Brasil
Andreia Morais
 
Práticas Integrativas e Complementares no SUS
Práticas Integrativas e Complementares no SUSPráticas Integrativas e Complementares no SUS
Práticas Integrativas e Complementares no SUS
comunidadedepraticas
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
Marcos Figueiredo
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
Marcos Nery
 
Projeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularProjeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singular
CENAT Cursos
 
5ª aula nob 91, 93 e 96
5ª aula   nob 91, 93 e 965ª aula   nob 91, 93 e 96
5ª aula nob 91, 93 e 96
Rose Manzioli
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
Jesiele Spindler
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
Jardiel7
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Karynne Alves do Nascimento
 
Introdução à Enfermagem do Trabalho
Introdução à Enfermagem do TrabalhoIntrodução à Enfermagem do Trabalho
Introdução à Enfermagem do Trabalho
Instituto Consciência GO
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Karla Toledo
 
Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...
Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...
Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...
Conselho Nacional de Secretários de Saúde - CONASS
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Mario Gandra
 

Mais procurados (20)

Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério SaúdeApresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
Apresentação - Redes - João Batista - Ministério Saúde
 
Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]Aula saúde-da-família[1][1]
Aula saúde-da-família[1][1]
 
Programa de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSFPrograma de Saúde da Família (PSF
Programa de Saúde da Família (PSF
 
Apresentação atenção básica esf
Apresentação atenção básica   esfApresentação atenção básica   esf
Apresentação atenção básica esf
 
PACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDEPACTO PELA SAÚDE
PACTO PELA SAÚDE
 
Sistemas informacao de saude
Sistemas informacao de saudeSistemas informacao de saude
Sistemas informacao de saude
 
Saúde pública no Brasil
Saúde pública no BrasilSaúde pública no Brasil
Saúde pública no Brasil
 
Práticas Integrativas e Complementares no SUS
Práticas Integrativas e Complementares no SUSPráticas Integrativas e Complementares no SUS
Práticas Integrativas e Complementares no SUS
 
Saúde do idoso
 Saúde do idoso Saúde do idoso
Saúde do idoso
 
Princípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do susPrincípios e diretrizes do sus
Princípios e diretrizes do sus
 
Projeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singularProjeto terapeutico singular
Projeto terapeutico singular
 
5ª aula nob 91, 93 e 96
5ª aula   nob 91, 93 e 965ª aula   nob 91, 93 e 96
5ª aula nob 91, 93 e 96
 
Slides sus
Slides susSlides sus
Slides sus
 
Aula 2 saúde e doença
Aula 2   saúde e doençaAula 2   saúde e doença
Aula 2 saúde e doença
 
Fundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagemFundamentos de enfermagem
Fundamentos de enfermagem
 
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde ColetivaAula Introdutória de Saúde Coletiva
Aula Introdutória de Saúde Coletiva
 
Introdução à Enfermagem do Trabalho
Introdução à Enfermagem do TrabalhoIntrodução à Enfermagem do Trabalho
Introdução à Enfermagem do Trabalho
 
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópiaAula 1 saúde coletiva i   slides aula - cópia
Aula 1 saúde coletiva i slides aula - cópia
 
Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...
Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...
Territorialização, cadastro e classificação de risco familiar do município de...
 
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentaisSaúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
Saúde Coletiva - 1. introdução e conceitos fundamentais
 

Semelhante a Situações de violência e atendimento em Saúde Pública

Cartilha01 escola vsfinal
Cartilha01 escola vsfinalCartilha01 escola vsfinal
Cartilha01 escola vsfinal
Ronaldo Pena
 
Cartilha escolas-seguras
Cartilha  escolas-segurasCartilha  escolas-seguras
Cartilha escolas-seguras
Marcelo Martinez
 
Textos para impressão apostila
Textos para impressão apostilaTextos para impressão apostila
Textos para impressão apostila
Alinebrauna Brauna
 
AULA 04 - SISTEMA UNICO DE SAÚDE.pptx
AULA 04 - SISTEMA UNICO DE SAÚDE.pptxAULA 04 - SISTEMA UNICO DE SAÚDE.pptx
AULA 04 - SISTEMA UNICO DE SAÚDE.pptx
LanaMonteiro6
 
Impacto violencia
Impacto violenciaImpacto violencia
Impacto violencia
Ricardo Furtado
 
Treinamento de habilidades sociais na adolescência
Treinamento de habilidades sociais na adolescênciaTreinamento de habilidades sociais na adolescência
Treinamento de habilidades sociais na adolescência
ShirleySimeo1
 
Violência um problema para a saúde dos brasileiros
Violência um problema para a saúde dos brasileirosViolência um problema para a saúde dos brasileiros
Violência um problema para a saúde dos brasileiros
Centro Universitário Ages
 
Cartilha -cidade_e_espacos_publicos
Cartilha  -cidade_e_espacos_publicosCartilha  -cidade_e_espacos_publicos
Cartilha -cidade_e_espacos_publicos
Marcelo Martinez
 
Eixos tematicos (1)
Eixos tematicos (1)Eixos tematicos (1)
Eixos tematicos (1)
juninho-199
 
Intersetorialidade
IntersetorialidadeIntersetorialidade
Intersetorialidade
Arisson Rocha da Rosa
 
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
feraps
 
Violência na adolescência aula 4
Violência na adolescência aula 4Violência na adolescência aula 4
Violência na adolescência aula 4
ariadnemonitoria
 
Crises a vitima de violencia.pdf
Crises a vitima de violencia.pdfCrises a vitima de violencia.pdf
Crises a vitima de violencia.pdf
ylana4
 
apostila
apostilaapostila
SEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOS
SEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOSSEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOS
SEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOS
ISCSP
 
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violênciaProtocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Juninho Spina
 
resumo promocao de saude
resumo promocao de sauderesumo promocao de saude
resumo promocao de saude
Geyse Fernandes
 
karlmarx e as classes sociais.pptx
karlmarx e as classes sociais.pptxkarlmarx e as classes sociais.pptx
karlmarx e as classes sociais.pptx
JessiellyGuimares
 
Atenção Primaria em Saúde e Violência Domestica
Atenção Primaria em Saúde e Violência Domestica Atenção Primaria em Saúde e Violência Domestica
Atenção Primaria em Saúde e Violência Domestica
Lucimara Siolari de Mico
 
Slide violência contra o idoso
Slide violência contra o idosoSlide violência contra o idoso
Slide violência contra o idoso
Karolina Peixoto
 

Semelhante a Situações de violência e atendimento em Saúde Pública (20)

Cartilha01 escola vsfinal
Cartilha01 escola vsfinalCartilha01 escola vsfinal
Cartilha01 escola vsfinal
 
Cartilha escolas-seguras
Cartilha  escolas-segurasCartilha  escolas-seguras
Cartilha escolas-seguras
 
Textos para impressão apostila
Textos para impressão apostilaTextos para impressão apostila
Textos para impressão apostila
 
AULA 04 - SISTEMA UNICO DE SAÚDE.pptx
AULA 04 - SISTEMA UNICO DE SAÚDE.pptxAULA 04 - SISTEMA UNICO DE SAÚDE.pptx
AULA 04 - SISTEMA UNICO DE SAÚDE.pptx
 
Impacto violencia
Impacto violenciaImpacto violencia
Impacto violencia
 
Treinamento de habilidades sociais na adolescência
Treinamento de habilidades sociais na adolescênciaTreinamento de habilidades sociais na adolescência
Treinamento de habilidades sociais na adolescência
 
Violência um problema para a saúde dos brasileiros
Violência um problema para a saúde dos brasileirosViolência um problema para a saúde dos brasileiros
Violência um problema para a saúde dos brasileiros
 
Cartilha -cidade_e_espacos_publicos
Cartilha  -cidade_e_espacos_publicosCartilha  -cidade_e_espacos_publicos
Cartilha -cidade_e_espacos_publicos
 
Eixos tematicos (1)
Eixos tematicos (1)Eixos tematicos (1)
Eixos tematicos (1)
 
Intersetorialidade
IntersetorialidadeIntersetorialidade
Intersetorialidade
 
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúdeRede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
Rede - Intersetorialidade - Necessidades em saúde
 
Violência na adolescência aula 4
Violência na adolescência aula 4Violência na adolescência aula 4
Violência na adolescência aula 4
 
Crises a vitima de violencia.pdf
Crises a vitima de violencia.pdfCrises a vitima de violencia.pdf
Crises a vitima de violencia.pdf
 
apostila
apostilaapostila
apostila
 
SEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOS
SEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOSSEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOS
SEXUALIDADE E AUMENTO DO VIH EM ADULTOS MAIS VELHOS
 
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violênciaProtocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
Protocolo de atenção integral a crianças e adolescentes vítimas de violência
 
resumo promocao de saude
resumo promocao de sauderesumo promocao de saude
resumo promocao de saude
 
karlmarx e as classes sociais.pptx
karlmarx e as classes sociais.pptxkarlmarx e as classes sociais.pptx
karlmarx e as classes sociais.pptx
 
Atenção Primaria em Saúde e Violência Domestica
Atenção Primaria em Saúde e Violência Domestica Atenção Primaria em Saúde e Violência Domestica
Atenção Primaria em Saúde e Violência Domestica
 
Slide violência contra o idoso
Slide violência contra o idosoSlide violência contra o idoso
Slide violência contra o idoso
 

Situações de violência e atendimento em Saúde Pública

  • 2. O que é violência? É o evento representado por ações realizadas por indivíduos, grupos, classes ou nações que ocasionam danos físicos ou morais a si próprios ou a outros.
  • 3. OMS O fenômeno da violência é classificado como um problema de saúde pública, em consonância com as recomendações do Informe Mundial da OMS (2002) sobre violência e saúde.  A violência constitui-se em fenômeno de saúde pública "porque afeta a saúde individual e coletiva“ É considerada por alguns como a epidemia da modernidade.
  • 4. Tipos A violência pode se apresentar como um problema de saúde contra crianças, contra adolescentes, contra a mulher, contra idosos, em homicídios e agressões, como auto-infligida, no trabalho, no trânsito e outros.
  • 5. Consequências A violência interessa ao setor da saúde, principalmente em razão do número de mortes que provoca, bem como pela necessidade de atendimento médico que têm as pessoas lesionadas.
  • 6. Impacto As taxas de mortalidade por causas externas cresceram cerca de 50% do fim dos anos 70 para a primeira metade da década de 90. A violência sexual é uma das principais causas de morbimortalidade, especialmente na população de criança, adolescentes e adultos jovens. Ela afeta principalmente as mulheres e geralmente ocorre no espaço domiciliar.
  • 7. Causas  A violência apresenta-se sempre multifacetada, envolvendo, em sua gênese e desenvolvimento, vários segmentos e aspectos: ela não é somente um problema de segurança, de justiça, de educação ou de saúde, mas representa um verdadeiro mosaico formado por todos esses componentes.
  • 8. Como lidar? Parcerias efetivas entre diferentes segmentos – governamentais ou não – devem ser construídas e consolidadas, na medida em que significam "a conjugação de esforços que se expressam mediante a implementação de um amplo e diversificado conjunto de ações articuladas voltadas à prevenção dos acidentes e violências e, por conseqüência, à redução de sua ocorrência, contribuindo assim para a melhoria da qualidade de vida da população"
  • 9. Intersetorialidade O enfrentamento da violência exige a efetiva articulação de diferentes setores, tais como saúde, segurança pública, justiça e trabalho; bem como o envolvimento da sociedade civil organizada, configurando redes integradas de atendimento.
  • 10. AtendimentoemViolência Houve um aumento na demanda de usuários do SUS aos serviços de referência, buscando atenção em saúde, orientação quanto à seus direitos, informações de ordem jurídica, além de garantia da integralidade do atendimento pelas Equipes da Saúde da Família. O atendimento se dá prevenindo agravos externos e no garantir o acompanhamento psico-social de pessoas vitimadas, cumprindo seus direitos como cidadão.
  • 11. Adolescência As violências devem ser enfrentadas não só como um problema de segurança, mas como uma perspectiva que valorize uma maior integração comunitária, o que não elimina os conflitos, mas contribui para o desenvolvimento de comportamentos mais tolerantes, repercutindo positivamente no próprio desempenho escolar. 
  • 12. Apoio Programas de apoio econômico às famílias em situação de vulnerabilidade têm se mostrado estratégias fundamentais para o enfrentamento de dimensões da violência na escola, trabalho juvenil, exploração sexual e comercial de crianças e adolescentes.
  • 13. Estratégias Programas de forma integrada, atuando através dos âmbitos individual, familiar, comunitário e social.
  • 14. Gênero Esta forma de violência "distingue um tipo de dominação, de opressão e de crueldade nas relações entre homens e mulheres, estruturalmente construído". Ao lado desta concepção reafirmam que também esta forma de violência constitui-se uma "questão de saúde pública e de violação explícita dos direitos humanos". 
  • 15. EStratégias Promover a organização de grupos de mulheres, na perspectiva de compreensão de direitos; Fortalecer o acesso a uma rede de apoio social; Promover a organização de grupos de homens.
  • 16. Idosos Este grupo é especialmente vulnerável por apresentar "múltiplas dependências e incapacidades". É necessária a reconfiguração dos papéis nos ciclos de vida e das políticas sociais que lhes dizem respeito".
  • 17. Suicídio Epidemiologicamente, desemprego e abuso sexual se destacam como fortes elementos predisponentes.
  • 18. Fluxo Porta de entrada: É porondepodemchegar as vítimas, onde se dá o primeiroatendimento. Pode ser emlocais de defesa de direitosjurídicosouemlocais de atendimentoemsaúde. Casos de violência a menores de 18 anossão, por lei, registrados no conselhotutelardacriança e adolescente. Modalidades de atendimentodaredede serviços: cuidadosclínicos, saúde mental, assistência social, jurídico.
  • 19. REDE A eficácia do fluxo no atendimento em violência pede a efetiva articulação de diferentes setores, tais como saúde, segurança pública, justiça e trabalho; bem como o envolvimento da sociedade civil organizada, configurando redes integradas de atendimento.
  • 20. Ações Capacitação multiprofissional nas instituições de referência, contemplando toda a equipe de saúde, sensibilizando para um acompanhamento humanizado e digno,
  • 21. Minayo A reflexão desenvolvida não torna a tarefa dos profissionais de saúde mais fácil. Ao contrário, mostra a necessidade de trabalharem não só com modelos epidemiológicos, mas de incluírem a compreensão cada vez mais específica dos fatores e dos contextos na abordagem dos comportamentos, das ações e dos processos violentos. Igualmente, torna-se fundamental aprofundar a importância e o papel da subjetividade e das determinações sociais nas escolhas das possibilidades, por menores que sejam as opções dos indivíduos.
  • 22. Objetivo Desenvolver reflexões superando a dimensão de cisão estabelecida entre público e privado, macro e micropolítica e subjetivo e objetivo, encontrada em muitas análises.
  • 23. REferências BARBOSA, Lígia Maria. Implementação do protocolo de assistência às vítimas de violência na atenção básica. JORGE, Maria Helena Prado de Mello. Violência como problema de saúde pública.Cienc. Cult. [online]. 2002, v. 54, n. 1 MORGADO, Rosana. Impacto da violência na saúde dos brasileiros. Ciênc. saúde coletiva,  Rio de Janeiro,  v. 11,  n. 2, June  2006 .