SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
SISTEMAS DE INFORMAÇÃO
Ana Torres
1
2
BASES DE DADOS
Desenho de Bases de
Dados no modelo
relacional
3
ELEMENTOS ESSENCIAIS AO
MODELO RELACIONAL
Tabelas
Propriedades das Tabelas
Estrutura das Tabelas
Regras das Tabelas
Chaves das Tabelas
Relações Entre Tabelas
4
AS TABELAS SÃO A BASE:
Propriedades das Tabelas
 Ordem das colunas não é importante
 Ordem das linhas não é importante
 São responsáveis pela potencialidade e flexibilidade do
SGBD
5
AS TABELAS SÃO A BASE:
Estrutura das Tabelas
 Campos com Nomes Identificativos
 Tipo de Campo Adequado
 Espaço dos Campos suficiente
6
AS TABELAS SÃO A BASE:
Regras das Tabelas
 Não pode haver colunas com o mesmo nome (campos)
 Não devem haver campos vazios
 Não deve haver duplicação de registos
 Atributos devem ser atómicos
7
TABELAS SÃO A BASE:
Chaves – campos que identificam de
modo único um registo da tabela
 Simples – apenas um campo
 Compostas – vários campos
 Candidatas – todos os campos possíveis
 Primárias – chave escolhida como índice
8
TABELAS SÃO A BASE:
Chave Primária – Características
 Unívoca – cada registo tem um valor diferente
 Não Nula – campo sempre com dados
 Não Redundante – no caso de ser composta não deve
ter mais elementos do que os necessários
9
RELAÇÕES ENTRE TABELAS:
Tipos de Relações:
 Relações 1:1
 Relações 1:n
 Relações n:n
Chave Externa
 Campo de uma tabela que é também incluído
em outra – vai ser a ligação da informação
10
BASE DE DADOS Integridade da
Informação
11
INTEGRIDADE DA
INFORMAÇÃO
Integridade de Entidade
 Valores dos atributos de uma chave primária não
podem ser nulos ou iguais a outros existentes na tabela
Integridade Referencial
 Valor de uma chave externa tem de existir como chave
primária da tabela relacionada.
12
BASE DE DADOS Fases de Concepção
13
FASES DE CONCEPÇÃO
 Análise da Situação: recolha de informação relevante
 Elaboração em papel do primeiro esboço da estrutura
geral da BD
 Definição exata de cada entidade
 Determinação dos relacionamentos
 Revisão da estrutura obtida
 Derivação das tabelas da Base de Dados
 Desenvolvimento de um esquema de base de dados
num SGBD
 Criação de programas de aplicação com interfaces
14
BASE DE DADOS Estratégias de
concepção
15
ESTRATÉGIAS DE
CONCEPÇÃO
Top-Down (geral para o Particular)
 Análise das necessidades das entidades e dos tipos de
relacionamentos
 Transformação das mesmas em tabelas e relações entre as
mesmas.
16
ESTRATÉGIAS DE
CONCEPÇÃO
Bottom-Up (particular para o geral)
 Consideram-se uma ou mais tabelas com todos os
atributos necessários
 Recorre-se a um processo de normalização da
informação, determinando-se quais as tabelas
necessárias
 Atomização e Otimização dos campos das tabelas.
17
ESTRATÉGIA BOTTOM-UP
(PARTICULAR PARA O GERAL)
1ª Forma
 Só pode haver campos atómicos
 Não pode haver repetição de registos
2ª Forma
 Cada atributo não chave tem de depender da chave da
tabela na totalidade e não apenas parte dessa chave (no
caso de chaves compostas)
3ª Forma
 Nenhum atributo não chave pode depender de um
atributo que não seja chave.
18
BASE DE DADOS
Exemplo do desenho
de uma base de
dados.
19
DESENHO DE UMA BASE DE
DADOS – EXEMPLO(1)
Qual o objetivo da base de dados?
 Um clube de vídeo deseja construir uma base de dados
de maneira a possibilitar uma melhor gestão dos
recursos. A base de dados deve manter a informação
dos sócios, cassetes e alugueres destas por parte dos
clientes.
20
DESENHO DE UMA BASE DE
DADOS – EXEMPLO(2)
1º Passo (Top-Down):
 Vamos então ver que entidades vamos necessitar:
Sócios
Sócios
Cassetes
Alugadas
Cassetes
21
DESENHO DE UMA BASE DE
DADOS – EXEMPLO(3)
2º Passo (Bottom-Up)
 1ª Forma - Campos atómicos em cada tabela, ou seja,
por exemplo:
 Sócios – ID; Nome; Morada; Telefone
 Sócios Cassetes – ID; Sócios; Cassetes
 Cassetes – ID; Filme
 Filmes – ID; Filme; Ano Realização
22
DESENHO DE UMA BASE DE
DADOS – EXEMPLO(4)
3º Passo (Bottom-Up)
 2ª Forma – Verificar se todos os campos só dependem
de uma chave primária da tabela
23
DESENHO DE UMA BASE DE
DADOS – EXEMPLO(5)
4º Passo (Bottom-Up)
 Verificar se todos os atributos não chave dependem
apenas da chave da própria tabela
 Todos os campos de cada tabela dependem apenas
do ID da sua tabela.
24
DESENHO DE UMA BASE DE
DADOS – EXEMPLO(6)
5º Passo (Bottom-Up)
 Graficamente representamos as tabelas e suas relações
da seguinte forma:
PORQUÊ ?
ID
O campo de identificação não deve ter o
mesmo nome em todas as tabelas para
não confundir quem constroi ou
pesquisa a BD!
25

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Microsoft access 2007 - Aula 01
Microsoft access 2007 - Aula 01Microsoft access 2007 - Aula 01
Microsoft access 2007 - Aula 01
Junior Moreira
 
Normalização - Banco de Dados
Normalização - Banco de DadosNormalização - Banco de Dados
Normalização - Banco de Dados
Roberto Grande
 
Unidade 7 - Estruturando Banco de Dados com o BR Office Base
Unidade 7  - Estruturando Banco de Dados com o BR Office BaseUnidade 7  - Estruturando Banco de Dados com o BR Office Base
Unidade 7 - Estruturando Banco de Dados com o BR Office Base
Rogerio P C do Nascimento
 
Unidade 7 - Estruturando Banco de Dados com o BR Office Base - parte 2
Unidade 7  - Estruturando Banco de Dados com o BR Office Base - parte 2Unidade 7  - Estruturando Banco de Dados com o BR Office Base - parte 2
Unidade 7 - Estruturando Banco de Dados com o BR Office Base - parte 2
Rogerio P C do Nascimento
 

Mais procurados (20)

Normalização Banco de Dados
Normalização Banco de DadosNormalização Banco de Dados
Normalização Banco de Dados
 
Microsoft access 2007 - Aula 01
Microsoft access 2007 - Aula 01Microsoft access 2007 - Aula 01
Microsoft access 2007 - Aula 01
 
Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...
Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...
Banco de Dados II Aula 05 - Modelagem de Dados (Normalização de dados e as fo...
 
Ppt curso access 2010
Ppt curso access 2010Ppt curso access 2010
Ppt curso access 2010
 
Microsoft Access
Microsoft AccessMicrosoft Access
Microsoft Access
 
Normalização - Banco de Dados
Normalização - Banco de DadosNormalização - Banco de Dados
Normalização - Banco de Dados
 
Unidade 7 - Estruturando Banco de Dados com o BR Office Base
Unidade 7  - Estruturando Banco de Dados com o BR Office BaseUnidade 7  - Estruturando Banco de Dados com o BR Office Base
Unidade 7 - Estruturando Banco de Dados com o BR Office Base
 
Unidade 7 - Estruturando Banco de Dados com o BR Office Base - parte 2
Unidade 7  - Estruturando Banco de Dados com o BR Office Base - parte 2Unidade 7  - Estruturando Banco de Dados com o BR Office Base - parte 2
Unidade 7 - Estruturando Banco de Dados com o BR Office Base - parte 2
 
I series 400 query 2014
I series 400   query 2014I series 400   query 2014
I series 400 query 2014
 
Access
AccessAccess
Access
 
Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 4
Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 4Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 4
Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 4
 
Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 6
Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 6Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 6
Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 6
 
[Certificacao ] normalizacao de dados e as formas normais
[Certificacao ]  normalizacao de dados e as formas normais[Certificacao ]  normalizacao de dados e as formas normais
[Certificacao ] normalizacao de dados e as formas normais
 
Access 2010
Access 2010Access 2010
Access 2010
 
Introdução ao Banco de dados - Prof. Daniel Brandão
Introdução ao Banco de dados - Prof. Daniel BrandãoIntrodução ao Banco de dados - Prof. Daniel Brandão
Introdução ao Banco de dados - Prof. Daniel Brandão
 
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DERBanco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
Banco de Dados - Introdução - Projeto de Banco de Dados - DER
 
Apresentação de microsoft access 2007 luis aguiar
Apresentação de microsoft access 2007   luis aguiarApresentação de microsoft access 2007   luis aguiar
Apresentação de microsoft access 2007 luis aguiar
 
Guia rápido de utilização do Access 2013
Guia rápido de utilização do Access 2013Guia rápido de utilização do Access 2013
Guia rápido de utilização do Access 2013
 
Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 3
Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 3Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 3
Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 3
 
Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 5
Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 5Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 5
Banco de Dados II - Unimep/Pronatec - Aula 5
 

Semelhante a Sistemas de Informação II

Modelagem relacional e normalização de dados
Modelagem relacional e normalização de dadosModelagem relacional e normalização de dados
Modelagem relacional e normalização de dados
julianaveregue
 
Aula 4 modelo relacional
Aula 4   modelo relacionalAula 4   modelo relacional
Aula 4 modelo relacional
Hélio Martins
 
Conceitos essenciais de bases de dados
Conceitos essenciais de bases de dadosConceitos essenciais de bases de dados
Conceitos essenciais de bases de dados
Patrícia Morais
 
Aula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdf
Aula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdfAula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdf
Aula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdf
nosbisantos
 
Training presentation design the tables for a new database af102720169
Training presentation   design the tables for a new database af102720169Training presentation   design the tables for a new database af102720169
Training presentation design the tables for a new database af102720169
Brena De La Concepcion
 

Semelhante a Sistemas de Informação II (20)

Aula Modelo Relacional
Aula Modelo RelacionalAula Modelo Relacional
Aula Modelo Relacional
 
Modelagem relacional e normalização de dados
Modelagem relacional e normalização de dadosModelagem relacional e normalização de dados
Modelagem relacional e normalização de dados
 
Aula 4 modelo relacional
Aula 4   modelo relacionalAula 4   modelo relacional
Aula 4 modelo relacional
 
Modelagem de Dados
Modelagem de DadosModelagem de Dados
Modelagem de Dados
 
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdfSQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
SQL Parte 1 - Criação de Banco de Dados.pdf
 
Boas praticas em um Projeto de Banco de Dados
Boas praticas em um Projeto de Banco de DadosBoas praticas em um Projeto de Banco de Dados
Boas praticas em um Projeto de Banco de Dados
 
Aula1
Aula1Aula1
Aula1
 
Aula 10 banco de dados
Aula 10   banco de dadosAula 10   banco de dados
Aula 10 banco de dados
 
Capítulo 05 - Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e...
Capítulo 05 - Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e...Capítulo 05 - Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e...
Capítulo 05 - Fundamentos da inteligência de negócios: gestão da informação e...
 
Tic-excel-02
Tic-excel-02Tic-excel-02
Tic-excel-02
 
Bases de Dados - Conceitos introdutórios
Bases de Dados - Conceitos introdutóriosBases de Dados - Conceitos introdutórios
Bases de Dados - Conceitos introdutórios
 
Sql básico - Teoria e prática: Um grande resumo
Sql básico - Teoria e prática: Um grande resumoSql básico - Teoria e prática: Um grande resumo
Sql básico - Teoria e prática: Um grande resumo
 
Sql
SqlSql
Sql
 
Conceitos essenciais de bases de dados
Conceitos essenciais de bases de dadosConceitos essenciais de bases de dados
Conceitos essenciais de bases de dados
 
Base de dados no Excel 1.pdf
Base de dados no Excel 1.pdfBase de dados no Excel 1.pdf
Base de dados no Excel 1.pdf
 
TOTVS LINHA RM TREINAMENTO SQL
TOTVS LINHA RM TREINAMENTO SQLTOTVS LINHA RM TREINAMENTO SQL
TOTVS LINHA RM TREINAMENTO SQL
 
Aula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdf
Aula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdfAula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdf
Aula_17-18_Modelo_Relacional_parte_III_BD_FMM.pdf
 
apresentação base de dados
apresentação base de dadosapresentação base de dados
apresentação base de dados
 
Aula 10 banco de dados
Aula 10   banco de dadosAula 10   banco de dados
Aula 10 banco de dados
 
Training presentation design the tables for a new database af102720169
Training presentation   design the tables for a new database af102720169Training presentation   design the tables for a new database af102720169
Training presentation design the tables for a new database af102720169
 

Último

PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
carlaOliveira438
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Pastor Robson Colaço
 

Último (20)

livro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensoriallivro para educação infantil conceitos sensorial
livro para educação infantil conceitos sensorial
 
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptxCONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio  ead.pptx
CONCORDÂNCIA NOMINAL atividade ensino médio ead.pptx
 
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdfufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
ufcd_9649_Educação Inclusiva e Necessidades Educativas Especificas_índice.pdf
 
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdfAs Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
As Mil Palavras Mais Usadas No Inglês (Robert de Aquino) (Z-Library).pdf
 
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 finalPPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
PPP6_ciencias final 6 ano ano de 23/24 final
 
Apresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativosApresentação sobre Robots e processos educativos
Apresentação sobre Robots e processos educativos
 
O que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de InfânciaO que é, de facto, a Educação de Infância
O que é, de facto, a Educação de Infância
 
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptxEB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
EB1 Cumeada Co(n)Vida à Leitura - Livros à Solta_Serta.pptx
 
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdfprova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
prova do exame nacional Port. 2008 - 2ª fase - Criterios.pdf
 
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdfManual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
Manual dos Principio básicos do Relacionamento e sexologia humana .pdf
 
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdfo-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
o-homem-que-calculava-malba-tahan-1_123516.pdf
 
Produção de poemas - Reciclar é preciso
Produção  de  poemas  -  Reciclar é precisoProdução  de  poemas  -  Reciclar é preciso
Produção de poemas - Reciclar é preciso
 
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdfAtividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
Atividade do poema sobre mãe de mário quintana.pdf
 
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIAHISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
HISTORIA DA XILOGRAVURA A SUA IMPORTANCIA
 
bem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animalbem estar animal em proteção integrada componente animal
bem estar animal em proteção integrada componente animal
 
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livroMeu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
Meu corpo - Ruth Rocha e Anna Flora livro
 
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptxSlides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
Slides Lição 07, Central Gospel, As Duas Testemunhas Do Final Dos Tempos.pptx
 
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
Semana Interna de Prevenção de Acidentes SIPAT/2024
 
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdfEnunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
Enunciado_da_Avaliacao_1__Sistemas_de_Informacoes_Gerenciais_(IL60106).pdf
 
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdfanálise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
análise obra Nós matamos o cão Tinhoso.pdf
 

Sistemas de Informação II

  • 2. 2 BASES DE DADOS Desenho de Bases de Dados no modelo relacional
  • 3. 3 ELEMENTOS ESSENCIAIS AO MODELO RELACIONAL Tabelas Propriedades das Tabelas Estrutura das Tabelas Regras das Tabelas Chaves das Tabelas Relações Entre Tabelas
  • 4. 4 AS TABELAS SÃO A BASE: Propriedades das Tabelas  Ordem das colunas não é importante  Ordem das linhas não é importante  São responsáveis pela potencialidade e flexibilidade do SGBD
  • 5. 5 AS TABELAS SÃO A BASE: Estrutura das Tabelas  Campos com Nomes Identificativos  Tipo de Campo Adequado  Espaço dos Campos suficiente
  • 6. 6 AS TABELAS SÃO A BASE: Regras das Tabelas  Não pode haver colunas com o mesmo nome (campos)  Não devem haver campos vazios  Não deve haver duplicação de registos  Atributos devem ser atómicos
  • 7. 7 TABELAS SÃO A BASE: Chaves – campos que identificam de modo único um registo da tabela  Simples – apenas um campo  Compostas – vários campos  Candidatas – todos os campos possíveis  Primárias – chave escolhida como índice
  • 8. 8 TABELAS SÃO A BASE: Chave Primária – Características  Unívoca – cada registo tem um valor diferente  Não Nula – campo sempre com dados  Não Redundante – no caso de ser composta não deve ter mais elementos do que os necessários
  • 9. 9 RELAÇÕES ENTRE TABELAS: Tipos de Relações:  Relações 1:1  Relações 1:n  Relações n:n Chave Externa  Campo de uma tabela que é também incluído em outra – vai ser a ligação da informação
  • 10. 10 BASE DE DADOS Integridade da Informação
  • 11. 11 INTEGRIDADE DA INFORMAÇÃO Integridade de Entidade  Valores dos atributos de uma chave primária não podem ser nulos ou iguais a outros existentes na tabela Integridade Referencial  Valor de uma chave externa tem de existir como chave primária da tabela relacionada.
  • 12. 12 BASE DE DADOS Fases de Concepção
  • 13. 13 FASES DE CONCEPÇÃO  Análise da Situação: recolha de informação relevante  Elaboração em papel do primeiro esboço da estrutura geral da BD  Definição exata de cada entidade  Determinação dos relacionamentos  Revisão da estrutura obtida  Derivação das tabelas da Base de Dados  Desenvolvimento de um esquema de base de dados num SGBD  Criação de programas de aplicação com interfaces
  • 14. 14 BASE DE DADOS Estratégias de concepção
  • 15. 15 ESTRATÉGIAS DE CONCEPÇÃO Top-Down (geral para o Particular)  Análise das necessidades das entidades e dos tipos de relacionamentos  Transformação das mesmas em tabelas e relações entre as mesmas.
  • 16. 16 ESTRATÉGIAS DE CONCEPÇÃO Bottom-Up (particular para o geral)  Consideram-se uma ou mais tabelas com todos os atributos necessários  Recorre-se a um processo de normalização da informação, determinando-se quais as tabelas necessárias  Atomização e Otimização dos campos das tabelas.
  • 17. 17 ESTRATÉGIA BOTTOM-UP (PARTICULAR PARA O GERAL) 1ª Forma  Só pode haver campos atómicos  Não pode haver repetição de registos 2ª Forma  Cada atributo não chave tem de depender da chave da tabela na totalidade e não apenas parte dessa chave (no caso de chaves compostas) 3ª Forma  Nenhum atributo não chave pode depender de um atributo que não seja chave.
  • 18. 18 BASE DE DADOS Exemplo do desenho de uma base de dados.
  • 19. 19 DESENHO DE UMA BASE DE DADOS – EXEMPLO(1) Qual o objetivo da base de dados?  Um clube de vídeo deseja construir uma base de dados de maneira a possibilitar uma melhor gestão dos recursos. A base de dados deve manter a informação dos sócios, cassetes e alugueres destas por parte dos clientes.
  • 20. 20 DESENHO DE UMA BASE DE DADOS – EXEMPLO(2) 1º Passo (Top-Down):  Vamos então ver que entidades vamos necessitar: Sócios Sócios Cassetes Alugadas Cassetes
  • 21. 21 DESENHO DE UMA BASE DE DADOS – EXEMPLO(3) 2º Passo (Bottom-Up)  1ª Forma - Campos atómicos em cada tabela, ou seja, por exemplo:  Sócios – ID; Nome; Morada; Telefone  Sócios Cassetes – ID; Sócios; Cassetes  Cassetes – ID; Filme  Filmes – ID; Filme; Ano Realização
  • 22. 22 DESENHO DE UMA BASE DE DADOS – EXEMPLO(4) 3º Passo (Bottom-Up)  2ª Forma – Verificar se todos os campos só dependem de uma chave primária da tabela
  • 23. 23 DESENHO DE UMA BASE DE DADOS – EXEMPLO(5) 4º Passo (Bottom-Up)  Verificar se todos os atributos não chave dependem apenas da chave da própria tabela  Todos os campos de cada tabela dependem apenas do ID da sua tabela.
  • 24. 24 DESENHO DE UMA BASE DE DADOS – EXEMPLO(6) 5º Passo (Bottom-Up)  Graficamente representamos as tabelas e suas relações da seguinte forma: PORQUÊ ?
  • 25. ID O campo de identificação não deve ter o mesmo nome em todas as tabelas para não confundir quem constroi ou pesquisa a BD! 25