SlideShare uma empresa Scribd logo
Universidade Estadual da Paraíba
Campus VI Poeta Pinto de Monteiro
Licenciatura Plena em Letras – Português
Discentes: Ana Paula Pereira / Hortência Dias
Monteiro, PB
O Sermão da Sexagésima
Sermão da sexagésima (slides)
 O período conhecido como Barroco, ou
Seiscentismo, é constituído pelas primeiras
manifestações literárias genuinamente brasileiras
ocorridas no Brasil Colônia, embora diretamente
influenciadas pelo barroco europeu, isto é, vindo das
Metrópoles.
 O termo denomina genericamente todas as
manifestações artísticas dos anos 1600 e início dos
anos 1700. Além da literatura, estende-se à
música, pintura, escultura e arquitetura da época.
 Fugacidade da vida e instabilidade das coisas;
 Morte, expressão máxima de efemeridade das coisas;
 Concepção do tempo como agente da morte e da dissolução
das coisas;
 Castigo, como decorrência do pecado;
 Arrependimento;
 Narração de cenas trágicas;
 Erotismo;
 Misticismo;
 Apelo à religião.
 O Barroco foi introduzido no Brasil por intermédio dos
jesuítas. Inicialmente, no final do século XVI, tratava-
se de um moimento apenas destinado à catequização.
A partir do século XVII, o Barroco passa a se expandir
para os centros de produção açucareira, especialmente
na Bahia, por meio das igrejas. Assim, a função das
igrejas era ensinar o caminho da religiosidade e da
moral a uma população que vivia desregradamente.
 Nos séculos XVII e XVIII não havia ainda condições para a
formação de uma consciência literária brasileira. A vida
social no país era organizada em função de pequenos
núcleos econômicos, não existindo efetivamente um
público leitor para as obras literárias, o que só viria a
ocorrer no século XIX.
 Por esse motivo, fala-se apenas em autores brasileiros com
características barrocas, influenciados por fontes
estrangeiras (portuguesa e espanhola), mas não chegaram a
constituir um movimento propriamente dito. Nesse
contexto, merecem destaque a poesia de Gregório de
Matos e a prosa de padre Antônio Vieira representada pelos
seus sermões.
Sermão da sexagésima (slides)
 Responsável pelo desenvolvimento da prosa no período
barroco, Padre Antônio Vieira é conhecido por seus
sermões polêmicos em que critica, entre outras coisas, o
despotismo dos colonos portugueses, a influência negativa
que o protestantismo exerceria na colônia, os pregadores
que não cumpriam com seu ofício de catequizar e
evangelizar (seus adversários católicos) e a própria
Inquisição.
 Além disso, defendia os índios e sua
evangelização, condenando os horrores vivenciados por
eles nas mãos de colonos e os cristãos novos (judeus
convertidos as Catolicismo) que aqui se instalaram. Famoso
por seus sermões, padre Antônio vieira também se dedicou
a escrever cartas e profecias.
• Constam três obras: História do
futuro, Esperança de Portugal e Clavis
prophetarum, em que se notam o Sebastianismo
e as esperanças de Portugal de se tornar o Quinto
Império do Mundo, pois tal fato estaria
profetizado na Bíblia. Isso demonstra o caráter
alegórico de sua interpretação da Bíblia, um
nacionalismo megalomaníaco e uma servidão
incomum, própria dos jesuítas.
Profecias
• São cerca de 500 cartas, que versam
sobre o relacionamento entre
Portugal e Holanda, sobre a
Inquisição e os cristãos-novos e sobre
a situação da Colônia. Constituem
importantes documentos históricos.
Cartas
• São quase 200 sermões, o melhor da obra de
Vieira. Em estilo barroco conceptista,
totalmente oposto as Gongorismo, o pregador
português usa a retórica jesuítica para
trabalhar idéias e conceitos. Segundo a
análise do crítico António Sérgio seria
conceptista pelo processo mental e clássico
pela expressão clara e singela, contrária,
portanto, à moda cultista.
Sermões
• A parte inicial, de apresentação.
Intróito ou exórdio
• A defesa de uma ideia com base em argumentação.
Desenvolvimento ou argumento
• A parte final do sermão.
Peroração
 Um dos seus principais sermões, pregado na Capela
Real de Lisboa, em março de 1655, e conhecido
também como A palavra de Deus. Polêmico, esse
sermão resume a arte de pregar. Ao analisar “porque
não frutificava a Palavra de Deus na terra”, visava a seus
adversários católicos – os gongóricos dominicanos.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Rimas
RimasRimas
Rimas
MartaNeto8
 
Camões sonetos
Camões sonetosCamões sonetos
Camões sonetos
Burghard Baltrusch
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
Cláudia Heloísa
 
Poesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palacianaPoesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palaciana
Paulo Rodrigues
 
Modalidade apreciativa
Modalidade apreciativaModalidade apreciativa
Modalidade apreciativa
Josete Perdigao
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
Andriane Cursino
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e Classicismo
713773
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Margarida Rodrigues
 
Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
Becre Celorico de Basto
 
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de CamposAnálise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Escola Secundária de Santa Maria da Feira
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Adrielle Itaparica
 
Trovadorismo (2)
Trovadorismo (2)Trovadorismo (2)
Trovadorismo (2)
Diego Prezia
 
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando PessoaModernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
whybells
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
Vívian mourett
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Claudia Lazarini
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas
713773
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118
luisprista
 
Dom foao
Dom foaoDom foao
Dom foao
sonia russo
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
Aparecida Mallagoli
 
Ser poeta é
Ser poeta éSer poeta é
Ser poeta é
Sandra Barbosa
 

Mais procurados (20)

Rimas
RimasRimas
Rimas
 
Camões sonetos
Camões sonetosCamões sonetos
Camões sonetos
 
Simbolismo
SimbolismoSimbolismo
Simbolismo
 
Poesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palacianaPoesia trovadoresca e palaciana
Poesia trovadoresca e palaciana
 
Modalidade apreciativa
Modalidade apreciativaModalidade apreciativa
Modalidade apreciativa
 
Humanismo - Literatura
Humanismo - LiteraturaHumanismo - Literatura
Humanismo - Literatura
 
Renascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e ClassicismoRenascimento, Humanismo e Classicismo
Renascimento, Humanismo e Classicismo
 
Análise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando PessoaAnálise de poemas de Fernando Pessoa
Análise de poemas de Fernando Pessoa
 
Cesário Verde
Cesário Verde Cesário Verde
Cesário Verde
 
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de CamposAnálise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Trovadorismo (2)
Trovadorismo (2)Trovadorismo (2)
Trovadorismo (2)
 
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando PessoaModernismo em Portugal & Fernando Pessoa
Modernismo em Portugal & Fernando Pessoa
 
Romantismo em Portugal
Romantismo em PortugalRomantismo em Portugal
Romantismo em Portugal
 
Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Sílabas Métricas
Sílabas MétricasSílabas Métricas
Sílabas Métricas
 
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118
Apresentação para décimo segundo ano de 2013 4, aula 118
 
Dom foao
Dom foaoDom foao
Dom foao
 
Trovadorismo
TrovadorismoTrovadorismo
Trovadorismo
 
Ser poeta é
Ser poeta éSer poeta é
Ser poeta é
 

Semelhante a Sermão da sexagésima (slides)

Literatura slides
Literatura  slidesLiteratura  slides
Literatura slides
Ma Hildebrand de Araujo
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
peterloco
 
Barroco
BarrocoBarroco
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
Alecio Marcelo Vaz Vaz
 
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Jonatas Carlos
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
0009222
 
Características do barroco
Características do barrocoCaracterísticas do barroco
Características do barroco
Wesley Henrique
 
Literatura barroca
Literatura barrocaLiteratura barroca
Literatura barroca
daniel ferreira
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
camilla1010
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco pdf
Barroco pdfBarroco pdf
Barroco pdf
André Lima
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
Andréia Peixoto
 
Quinhentismo e barroco 2011
Quinhentismo e barroco 2011Quinhentismo e barroco 2011
Quinhentismo e barroco 2011
BriefCase
 
Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.
Julia Maldonado Garcia
 
Barroco 1 ano
Barroco 1 anoBarroco 1 ano
Barroco 1 ano
Marilene dos Santos
 
Barroco.pdf
Barroco.pdfBarroco.pdf
Barroco.pdf
DesignMoraes
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
SvioRafael1
 
Literatura Barroca no Brasil, um resumo esq
Literatura Barroca no Brasil, um resumo esqLiteratura Barroca no Brasil, um resumo esq
Literatura Barroca no Brasil, um resumo esq
WagnerDantas17
 
Barroco no Brasil
Barroco no BrasilBarroco no Brasil
Barroco no Brasil
Diego Barcelar
 
Barroco
BarrocoBarroco

Semelhante a Sermão da sexagésima (slides) (20)

Literatura slides
Literatura  slidesLiteratura  slides
Literatura slides
 
Barroco
Barroco Barroco
Barroco
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
13650916 literatura-aula-05-barroco-em-portugal-e-literatura-informativa
 
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05   barroco em portugal e literatura informativaAula 05   barroco em portugal e literatura informativa
Aula 05 barroco em portugal e literatura informativa
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Características do barroco
Características do barrocoCaracterísticas do barroco
Características do barroco
 
Literatura barroca
Literatura barrocaLiteratura barroca
Literatura barroca
 
Barroco em portugal
Barroco em portugalBarroco em portugal
Barroco em portugal
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Barroco pdf
Barroco pdfBarroco pdf
Barroco pdf
 
Barroco em Portugal
Barroco em PortugalBarroco em Portugal
Barroco em Portugal
 
Quinhentismo e barroco 2011
Quinhentismo e barroco 2011Quinhentismo e barroco 2011
Quinhentismo e barroco 2011
 
Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.Barroco - Literatura.
Barroco - Literatura.
 
Barroco 1 ano
Barroco 1 anoBarroco 1 ano
Barroco 1 ano
 
Barroco.pdf
Barroco.pdfBarroco.pdf
Barroco.pdf
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Literatura Barroca no Brasil, um resumo esq
Literatura Barroca no Brasil, um resumo esqLiteratura Barroca no Brasil, um resumo esq
Literatura Barroca no Brasil, um resumo esq
 
Barroco no Brasil
Barroco no BrasilBarroco no Brasil
Barroco no Brasil
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 

Último

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Falcão Brasil
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
edusegtrab
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
principeandregalli
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Falcão Brasil
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Falcão Brasil
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
Ceiça Martins Vital
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
mailabueno45
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Falcão Brasil
 

Último (20)

Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
Apresentação Institucional do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prote...
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamasConhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
Conhecimento sobre Vestimenta Anti chamas
 
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
Guia Genealógico da Principesca e Ducal Casa de Mesolcina, 2024
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdfMarinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
Marinha do Brasil (MB) Politíca Naval.pdf
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdfEscola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
Escola de Especialistas de Aeronáutica (EEAR).pdf
 
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdfP0107 do aluno da educação municipal.pdf
P0107 do aluno da educação municipal.pdf
 
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptxVOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
VOCÊ CONHECE AS HISTÓRIAS DA BIBLÍA - EMOJIES.pptx
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdfGeotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
Geotecnologias Aplicadas na Gestão de Riscos e Desastres Hidrológicos.pdf
 

Sermão da sexagésima (slides)

  • 1. Universidade Estadual da Paraíba Campus VI Poeta Pinto de Monteiro Licenciatura Plena em Letras – Português Discentes: Ana Paula Pereira / Hortência Dias Monteiro, PB O Sermão da Sexagésima
  • 3.  O período conhecido como Barroco, ou Seiscentismo, é constituído pelas primeiras manifestações literárias genuinamente brasileiras ocorridas no Brasil Colônia, embora diretamente influenciadas pelo barroco europeu, isto é, vindo das Metrópoles.  O termo denomina genericamente todas as manifestações artísticas dos anos 1600 e início dos anos 1700. Além da literatura, estende-se à música, pintura, escultura e arquitetura da época.
  • 4.  Fugacidade da vida e instabilidade das coisas;  Morte, expressão máxima de efemeridade das coisas;  Concepção do tempo como agente da morte e da dissolução das coisas;  Castigo, como decorrência do pecado;  Arrependimento;  Narração de cenas trágicas;  Erotismo;  Misticismo;  Apelo à religião.
  • 5.  O Barroco foi introduzido no Brasil por intermédio dos jesuítas. Inicialmente, no final do século XVI, tratava- se de um moimento apenas destinado à catequização. A partir do século XVII, o Barroco passa a se expandir para os centros de produção açucareira, especialmente na Bahia, por meio das igrejas. Assim, a função das igrejas era ensinar o caminho da religiosidade e da moral a uma população que vivia desregradamente.
  • 6.  Nos séculos XVII e XVIII não havia ainda condições para a formação de uma consciência literária brasileira. A vida social no país era organizada em função de pequenos núcleos econômicos, não existindo efetivamente um público leitor para as obras literárias, o que só viria a ocorrer no século XIX.  Por esse motivo, fala-se apenas em autores brasileiros com características barrocas, influenciados por fontes estrangeiras (portuguesa e espanhola), mas não chegaram a constituir um movimento propriamente dito. Nesse contexto, merecem destaque a poesia de Gregório de Matos e a prosa de padre Antônio Vieira representada pelos seus sermões.
  • 8.  Responsável pelo desenvolvimento da prosa no período barroco, Padre Antônio Vieira é conhecido por seus sermões polêmicos em que critica, entre outras coisas, o despotismo dos colonos portugueses, a influência negativa que o protestantismo exerceria na colônia, os pregadores que não cumpriam com seu ofício de catequizar e evangelizar (seus adversários católicos) e a própria Inquisição.  Além disso, defendia os índios e sua evangelização, condenando os horrores vivenciados por eles nas mãos de colonos e os cristãos novos (judeus convertidos as Catolicismo) que aqui se instalaram. Famoso por seus sermões, padre Antônio vieira também se dedicou a escrever cartas e profecias.
  • 9. • Constam três obras: História do futuro, Esperança de Portugal e Clavis prophetarum, em que se notam o Sebastianismo e as esperanças de Portugal de se tornar o Quinto Império do Mundo, pois tal fato estaria profetizado na Bíblia. Isso demonstra o caráter alegórico de sua interpretação da Bíblia, um nacionalismo megalomaníaco e uma servidão incomum, própria dos jesuítas. Profecias
  • 10. • São cerca de 500 cartas, que versam sobre o relacionamento entre Portugal e Holanda, sobre a Inquisição e os cristãos-novos e sobre a situação da Colônia. Constituem importantes documentos históricos. Cartas
  • 11. • São quase 200 sermões, o melhor da obra de Vieira. Em estilo barroco conceptista, totalmente oposto as Gongorismo, o pregador português usa a retórica jesuítica para trabalhar idéias e conceitos. Segundo a análise do crítico António Sérgio seria conceptista pelo processo mental e clássico pela expressão clara e singela, contrária, portanto, à moda cultista. Sermões
  • 12. • A parte inicial, de apresentação. Intróito ou exórdio • A defesa de uma ideia com base em argumentação. Desenvolvimento ou argumento • A parte final do sermão. Peroração
  • 13.  Um dos seus principais sermões, pregado na Capela Real de Lisboa, em março de 1655, e conhecido também como A palavra de Deus. Polêmico, esse sermão resume a arte de pregar. Ao analisar “porque não frutificava a Palavra de Deus na terra”, visava a seus adversários católicos – os gongóricos dominicanos.