SlideShare uma empresa Scribd logo
PADRE ANTONIO VIEIRA
SÉCULO XVII
Padre Antônio Vieira, grande orador
do século XVII, nome fundamental
no Barroco português e brasileiro.
Quem foi Antonio Vieira?
 Nasceu em Lisboa, no dia 6 de
Fevereiro de 1608 numa família
humilde. Foi para o Brasil com seis
anos de idade, fez os primeiros
estudos no Colégio dos Jesuítas
em Salvador. Ingressou na
Companhia de Jesus como noviço
em Maio de 1623 .
 Em 1625, fez os seus votos de
castidade, ordenando-se
sacerdote em 1634.
Quem foi Antonio Vieira?
 Após a Restauração da
Independência, em 1640, regressou
em 1641 a Lisboa, iniciando uma
carreira diplomática.
 Pretendendo obter para a Coroa a
ajuda financeira dos cristãos-novos,
entrou em conflito com a Inquisição,
mas acabou por conseguir que fosse
fundada a Companhia de Comércio
do Brasil.
Quem foi Antonio Vieira?
 Regressou ao Brasil em 1652 como
missionário no Maranhão e no Grão-
Pará, continuando a defesa da
liberdade dos índios.
 Em 1656, voltou para a Europa. Com
a morte de D. João IV, torna-se
confessor da Regente, D. Luísa de
Gusmão. Vieira perderá a influência
na corte, no reinado de D. Afonso VI,
em 1662
Quem foi Antonio Vieira?
 Entrou de novo em conflito com a
Inquisição que o acusou de heresia.
Em 1665 é preso pela Inquisição de
Coimbra e mantido sob custódia
devido às suas ideias messiânicas e à
defesa dos “cristãos novos”; Em 1667
foi condenado a internamento e
proibido de pregar, mas, seis meses
depois, a pena foi anulada, com a
regência de D. Pedro.
Quem foi Antonio Vieira?
 Em 1675, foi absolvido pela Inquisição
Decidiu voltar outra vez para o Brasil,
em 1681
 Acabou por morrer, já velho e doente,
a 18 de Julho de 1697, com 89 anos,
na cidade de Salvador, no Brasil .
 O Sermão da Sexagésima ensina-nos
a arte da oratória – a arte de falar ao
público e, acima de tudo, a arte de
persuadir.
Convencer relaciona-se ao
campo da razão, ao passo
que persuadir
diz respeito às emoções.
Um ser emocional e não
racional, cala mais fundo
a persuasão que o simples
convencimento
Parece claro, ao lermos o Sermão da
sexagésima, que Vieira quer muito mais que
convencer, ele quer persuadir seus ouvintes,
isto é, ele quer mudar a maneira como os
pregadores de sua época pregavam.
Característica importante dos
sermões de Vieira é sua constante
preocupação com os efeitos da
pregação na vida social.
Um instrumento de origem divina
voltado para a expansão do
cristianismo, para a correção dos
erros dos cristãos, para edificação de
uma sociedade efetivamente católica,
para a salvação eterna.
Atividade missionária no Brasil
Se admite a escravidão
(negra, especialmente) como
instrumento indispensável à
ocupação cristã das terras e
gentes brasileiras, não
deixa de criticar acerbamente
os excessos, pecaminosos,
de ganância, luxúria e
crueldade dos senhores e de
seus aliados.
Atividade missionária no Brasil
Os ataques de Vieira aos
senhores de escravos; a
cobrança de obediência às
determinações de Lisboa
quanto à liberdade
indígena, por parte de
governadores e capitães-
mor; a hostilidade de outras
ordens religiosas são
fatores determinantes para
a expulsão de Vieira e
outros jesuítas do Brasil.
A semente é a palavra de Deus
A oratória e o conceptismo barroco
O argumento por analogia consiste em
traçar comparações entre dois ou mais
elementos. Vieira vai, ao longo do sermão,
desenvolvendo diversas comparações com
passagens bíblicas e com fatos do seu entorno.
Este argumento torna mais concretas
as ideias defendidas pelo orador,
pois o público consegue visualizar e,
assim, compreender melhor, o objeto
do discurso;
A semente é a palavra de Deus
A oratória e o conceptismo barroco
O argumento por autoridade é utilizado
sempre que o autor traz para o seu texto
uma voz de autoridade. No caso do
Sermão, a principal autoridade são as
escrituras sagradas, citadas todo o tempo
pelo padre;
A semente é a palavra de Deus
A oratória e o conceptismo barroco
O argumento de princípio é usado quando
o padre apresenta verdades indiscutíveis,
como, por exemplo, quando ele afirma
que o problema dos sermões não poderia
jamais estar na palavra de Deus, uma vez
que Deus não falha nunca;
A semente é a palavra de Deus
A oratória e o conceptismo barroco
O argumento, por exemplo, abundantemente
usado ao longo do sermão, consiste em
citar nomes e fatos que reforçam as ideias
defendidas pelo orador/pregador.
O SERMÃO
 O Sermão da
Sexagésima é dividido
 em dez partes que
podem, por sua
 vez, ser encaixadas na
divisão canônica
 do texto
argumentativo/
dissertativo:
 introdução,
desenvolvimento e
conclusão
O SERMÃO
 Na parte que se pode
considerar como
introdução, Vieira
expõe o problema e se
posiciona a respeito
dele.
O padre abre o sermão falando
da dificuldade do semeador/
missionário (intertexto com a
fábula do semeador, da Bíblia)
que saiu do conforto e
segurança de sua terra para
pregar em terras distantes e
selvagens.
O SERMÃO  Vieira compara a
 semeadura do trigo com
a pregação da palavra
de Deus, que pode cair
entre as pedras, entre os
animais, ou os espinhos,
 mas que, ainda assim,
pode provocar
mudanças. Os espinhos
e as pedras representam
os homens mais difíceis
de converter e, para o
padre, estes é que mais
 precisam do esforço do
pregador.
O SERMÃO  Em sua conclusão, Vieira faz
um último alerta ao
pregador/orador: o risco de
dizer aquilo que ele julga ser
agradável ao público em vez
de dizer aquilo que precisa
 ser realmente dito. Algumas
verdades são duras, mas,
ainda assim, precisam ser
ditas.
 O orador não deve ter medo
de tocar em assuntos
polêmicos, entretanto deve
tomar o cuidado de não
entrar em debate com o
público, o que transformaria
a palestra em discussão.
O SERMÃO
 Vieira, de maneira tão criativa e poética, atribui
a culpa toda e exclusivamente ao pregador:
“por culpa nossa”, como ele mesmo afirma.
Levando em consideração o esquema que
construímos com base em suas analogias,
inferimos que isso se deve ao fato de que os
pregadores não estão mais convencendo seus
ouvintes da veracidade de sua doutrina, seja
por sua ilogicidade, seja por ser um discurso
vazio, hipócrita, resumindo no “Fazei o que eu
digo, mas não o que eu faço”.
REFERÊNCIAS
LUZ, Leandro Alves Tadeu. A ARTE DA ORATÓRIA NO SERMÃO DA
SEXAGÉSIMA: COMO O PADRE ANTôNIO VIEIRA NOS ENSINA A
FALAR EM PÚBLICO
MINISTÉRIO DA CULTURA. Sermões, Vieira.
http://www.infoescola.com/religiao/sermao-da-sexagesima/
 Slide organizado pela profª Ana Paula Carvalho
 Cândido Sales, Bahia
 Ano da Graça: 2015

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação Crítica
Vanda Sousa
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
Sara Afonso
 
Luís de Camões_Rimas_Síntese_Porto Editora
Luís de Camões_Rimas_Síntese_Porto EditoraLuís de Camões_Rimas_Síntese_Porto Editora
Luís de Camões_Rimas_Síntese_Porto Editora
ana salema
 
Contextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os LusíadasContextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os Lusíadas
Dina Baptista
 
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes   resumo-esquema por capítulosSermão aos peixes   resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
ClaudiaSacres
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
Margarida Rodrigues
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
Catarina Castro
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
António Fernandes
 
Análise do cap iv
Análise do cap ivAnálise do cap iv
Análise do cap iv
Vera Pereira
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Mariana Domingues
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Dina Baptista
 
Coesão gramatical
Coesão gramaticalCoesão gramatical
Coesão gramatical
ALYNNE FERREIRA
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Jonatas Carlos
 
Análise do poema ulisses
Análise do poema ulissesAnálise do poema ulisses
Análise do poema ulisses
EL Chenko
 
Camões sonetos
Camões sonetosCamões sonetos
Camões sonetos
Burghard Baltrusch
 
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os LusíadasOs Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Maria Gomes
 
Recursos Estilísticos
Recursos EstilísticosRecursos Estilísticos
Recursos Estilísticos
Rosalina Simão Nunes
 
Os Lusíadas - Canto VII
Os Lusíadas -  Canto VIIOs Lusíadas -  Canto VII
Os Lusíadas - Canto VII
Maria Inês de Souza Vitorino Justino
 
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de CamposAnálise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Escola Secundária de Santa Maria da Feira
 
Bocage
BocageBocage

Mais procurados (20)

Texto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação CríticaTexto de Apreciação Crítica
Texto de Apreciação Crítica
 
Lírica camoniana
Lírica camoniana Lírica camoniana
Lírica camoniana
 
Luís de Camões_Rimas_Síntese_Porto Editora
Luís de Camões_Rimas_Síntese_Porto EditoraLuís de Camões_Rimas_Síntese_Porto Editora
Luís de Camões_Rimas_Síntese_Porto Editora
 
Contextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os LusíadasContextualização d'Os Lusíadas
Contextualização d'Os Lusíadas
 
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes   resumo-esquema por capítulosSermão aos peixes   resumo-esquema por capítulos
Sermão aos peixes resumo-esquema por capítulos
 
Sermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixesSermão de santo antónio aos peixes
Sermão de santo antónio aos peixes
 
Contextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - SermãoContextualização histórico literária - Sermão
Contextualização histórico literária - Sermão
 
Atos de fala
Atos de falaAtos de fala
Atos de fala
 
Análise do cap iv
Análise do cap ivAnálise do cap iv
Análise do cap iv
 
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas" Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
Análise dos poemas "Os Colombos" e "Tormentas"
 
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e IIISermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
Sermão de Santo António aos Peixes - Cap. II e III
 
Coesão gramatical
Coesão gramaticalCoesão gramatical
Coesão gramatical
 
Aula 04 camões épico - os lusíadas
Aula 04   camões épico - os lusíadasAula 04   camões épico - os lusíadas
Aula 04 camões épico - os lusíadas
 
Análise do poema ulisses
Análise do poema ulissesAnálise do poema ulisses
Análise do poema ulisses
 
Camões sonetos
Camões sonetosCamões sonetos
Camões sonetos
 
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os LusíadasOs Dez Cantos d´Os Lusíadas
Os Dez Cantos d´Os Lusíadas
 
Recursos Estilísticos
Recursos EstilísticosRecursos Estilísticos
Recursos Estilísticos
 
Os Lusíadas - Canto VII
Os Lusíadas -  Canto VIIOs Lusíadas -  Canto VII
Os Lusíadas - Canto VII
 
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de CamposAnálise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
Análise do poema: "O que há em mim é sobretudo cansaço" - Álvaro de Campos
 
Bocage
BocageBocage
Bocage
 

Destaque

Sermão da sexagésima padre antonio vieira
Sermão da sexagésima   padre antonio vieiraSermão da sexagésima   padre antonio vieira
Sermão da sexagésima padre antonio vieira
gil junior
 
Revisando o barroco, 01
Revisando o barroco, 01Revisando o barroco, 01
Revisando o barroco, 01
ma.no.el.ne.ves
 
Revisando o barroco, 02
Revisando o barroco, 02Revisando o barroco, 02
Revisando o barroco, 02
ma.no.el.ne.ves
 
Barroco
BarrocoBarroco
Revisional de estilos de época 02, barroco
Revisional de estilos de época 02, barrocoRevisional de estilos de época 02, barroco
Revisional de estilos de época 02, barroco
ma.no.el.ne.ves
 
Faces poéticas de gregório de matos
Faces poéticas de gregório de matosFaces poéticas de gregório de matos
Faces poéticas de gregório de matos
ma.no.el.ne.ves
 
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
Ajudar Pessoas
 
Arcadismo em portugal
Arcadismo em portugalArcadismo em portugal
Arcadismo em portugal
Andréia Peixoto
 
Texto autobiográfico
Texto autobiográficoTexto autobiográfico
Texto autobiográfico
Vanda Sousa
 
O humanismo em portugal
O humanismo em portugalO humanismo em portugal
O humanismo em portugal
ma.no.el.ne.ves
 
Revisando o humanismo, 01
Revisando o humanismo, 01Revisando o humanismo, 01
Revisando o humanismo, 01
ma.no.el.ne.ves
 
O Barroco na Literatura
O Barroco na LiteraturaO Barroco na Literatura
O Barroco na Literatura
Joana Filipa Rodrigues
 
Literatura arcadismo
Literatura  arcadismoLiteratura  arcadismo
Literatura arcadismo
Ma Hildebrand de Araujo
 
Arcadismo em portugal
Arcadismo em portugalArcadismo em portugal
Arcadismo em portugal
Mari Concurseira
 
Barroco no enem
Barroco no enemBarroco no enem
Barroco no enem
ma.no.el.ne.ves
 
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileiraRevisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
ma.no.el.ne.ves
 
Estrutura do sermão
Estrutura do sermãoEstrutura do sermão
Estrutura do sermão
Guilherme Cardozo
 
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX)  3º PeríodoTeste Conto de Autor (séc XX)  3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
Vanda Sousa
 
Contexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textosContexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textos
ma.no.el.ne.ves
 
Segunda aplicação do enem 2014, Literatura
Segunda aplicação do enem 2014, LiteraturaSegunda aplicação do enem 2014, Literatura
Segunda aplicação do enem 2014, Literatura
ma.no.el.ne.ves
 

Destaque (20)

Sermão da sexagésima padre antonio vieira
Sermão da sexagésima   padre antonio vieiraSermão da sexagésima   padre antonio vieira
Sermão da sexagésima padre antonio vieira
 
Revisando o barroco, 01
Revisando o barroco, 01Revisando o barroco, 01
Revisando o barroco, 01
 
Revisando o barroco, 02
Revisando o barroco, 02Revisando o barroco, 02
Revisando o barroco, 02
 
Barroco
BarrocoBarroco
Barroco
 
Revisional de estilos de época 02, barroco
Revisional de estilos de época 02, barrocoRevisional de estilos de época 02, barroco
Revisional de estilos de época 02, barroco
 
Faces poéticas de gregório de matos
Faces poéticas de gregório de matosFaces poéticas de gregório de matos
Faces poéticas de gregório de matos
 
Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.Arcadismo em portugal e no brasil.
Arcadismo em portugal e no brasil.
 
Arcadismo em portugal
Arcadismo em portugalArcadismo em portugal
Arcadismo em portugal
 
Texto autobiográfico
Texto autobiográficoTexto autobiográfico
Texto autobiográfico
 
O humanismo em portugal
O humanismo em portugalO humanismo em portugal
O humanismo em portugal
 
Revisando o humanismo, 01
Revisando o humanismo, 01Revisando o humanismo, 01
Revisando o humanismo, 01
 
O Barroco na Literatura
O Barroco na LiteraturaO Barroco na Literatura
O Barroco na Literatura
 
Literatura arcadismo
Literatura  arcadismoLiteratura  arcadismo
Literatura arcadismo
 
Arcadismo em portugal
Arcadismo em portugalArcadismo em portugal
Arcadismo em portugal
 
Barroco no enem
Barroco no enemBarroco no enem
Barroco no enem
 
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileiraRevisional de teoria da literatura + literatura brasileira
Revisional de teoria da literatura + literatura brasileira
 
Estrutura do sermão
Estrutura do sermãoEstrutura do sermão
Estrutura do sermão
 
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX)  3º PeríodoTeste Conto de Autor (séc XX)  3º Período
Teste Conto de Autor (séc XX) 3º Período
 
Contexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textosContexto de produção, circulação e recepção de textos
Contexto de produção, circulação e recepção de textos
 
Segunda aplicação do enem 2014, Literatura
Segunda aplicação do enem 2014, LiteraturaSegunda aplicação do enem 2014, Literatura
Segunda aplicação do enem 2014, Literatura
 

Semelhante a Análise do Sermão da Sexagésima

Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...
Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...
Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...
Emerson Mathias
 
A pregação de Padre António Vieira
A pregação de Padre António VieiraA pregação de Padre António Vieira
A pregação de Padre António Vieira
AlunasEseimu
 
Sobre padre antônio vieira paulo e marcos 1º a
Sobre padre antônio vieira  paulo e marcos 1º aSobre padre antônio vieira  paulo e marcos 1º a
Sobre padre antônio vieira paulo e marcos 1º a
teresakashino
 
Análise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerra
Análise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerraAnálise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerra
Análise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerra
carvalho-andreia
 
Quem foi Padre António Vieira
Quem foi Padre António VieiraQuem foi Padre António Vieira
Quem foi Padre António Vieira
Daniela Filipa Sousa
 
Livro aprendizado espiritual (luiz guilherme marques)
Livro   aprendizado espiritual (luiz guilherme marques)Livro   aprendizado espiritual (luiz guilherme marques)
Livro aprendizado espiritual (luiz guilherme marques)
SesaruKosuto
 
José gonçalves a prosperidade a luz da bíblia
José gonçalves   a prosperidade a luz da bíbliaJosé gonçalves   a prosperidade a luz da bíblia
José gonçalves a prosperidade a luz da bíblia
Ana Paula
 
DANIEL CAMPOS
DANIEL CAMPOSDANIEL CAMPOS
DANIEL CAMPOS
Convenção Cimadeba
 
05 homiletica
05 homiletica05 homiletica
05 homiletica
CursosTeologicos
 
Disciplina de Homilética I
Disciplina de Homilética IDisciplina de Homilética I
Disciplina de Homilética I
faculdadeteologica
 
Celebração Litúrgica - 49º Dia Mundial das Comunicações/2015
Celebração Litúrgica - 49º Dia Mundial das Comunicações/2015Celebração Litúrgica - 49º Dia Mundial das Comunicações/2015
Celebração Litúrgica - 49º Dia Mundial das Comunicações/2015
IEE Wilcam
 
capítulo VI - Padre Antonio Vieria
capítulo VI - Padre Antonio Vieriacapítulo VI - Padre Antonio Vieria
capítulo VI - Padre Antonio Vieria
Allan Diego Souza
 
Barroco no Brasil.pptx
Barroco no Brasil.pptxBarroco no Brasil.pptx
Barroco no Brasil.pptx
FbioFernandesNeres
 
Liderança missional e igreja missional
Liderança missional e igreja missionalLiderança missional e igreja missional
Liderança missional e igreja missional
Arturo Menesses
 
Psi evangelio
Psi evangelioPsi evangelio
Psicologia e envangelio
Psicologia e envangelioPsicologia e envangelio
Comentário Bíblico de Romanos
Comentário Bíblico de RomanosComentário Bíblico de Romanos
Comentário Bíblico de Romanos
Ricardo Gondim
 
Idolatria do coração • Filipe-Fontes.pdf
Idolatria do coração • Filipe-Fontes.pdfIdolatria do coração • Filipe-Fontes.pdf
Idolatria do coração • Filipe-Fontes.pdf
marcusviniciussabino1
 
Curso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homileticaCurso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homiletica
Simão Paulo Chinoca
 
Trabalho pronto erika
Trabalho pronto erikaTrabalho pronto erika
Trabalho pronto erika
Ivana Lucia Tenorio
 

Semelhante a Análise do Sermão da Sexagésima (20)

Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...
Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...
Aa metáforas de Pe. Antônio Vieira: Imaginário e Mentalidade, seu uso pelas M...
 
A pregação de Padre António Vieira
A pregação de Padre António VieiraA pregação de Padre António Vieira
A pregação de Padre António Vieira
 
Sobre padre antônio vieira paulo e marcos 1º a
Sobre padre antônio vieira  paulo e marcos 1º aSobre padre antônio vieira  paulo e marcos 1º a
Sobre padre antônio vieira paulo e marcos 1º a
 
Análise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerra
Análise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerraAnálise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerra
Análise crítica da obra religiosa de pe. a.vieira e degregório de matos guerra
 
Quem foi Padre António Vieira
Quem foi Padre António VieiraQuem foi Padre António Vieira
Quem foi Padre António Vieira
 
Livro aprendizado espiritual (luiz guilherme marques)
Livro   aprendizado espiritual (luiz guilherme marques)Livro   aprendizado espiritual (luiz guilherme marques)
Livro aprendizado espiritual (luiz guilherme marques)
 
José gonçalves a prosperidade a luz da bíblia
José gonçalves   a prosperidade a luz da bíbliaJosé gonçalves   a prosperidade a luz da bíblia
José gonçalves a prosperidade a luz da bíblia
 
DANIEL CAMPOS
DANIEL CAMPOSDANIEL CAMPOS
DANIEL CAMPOS
 
05 homiletica
05 homiletica05 homiletica
05 homiletica
 
Disciplina de Homilética I
Disciplina de Homilética IDisciplina de Homilética I
Disciplina de Homilética I
 
Celebração Litúrgica - 49º Dia Mundial das Comunicações/2015
Celebração Litúrgica - 49º Dia Mundial das Comunicações/2015Celebração Litúrgica - 49º Dia Mundial das Comunicações/2015
Celebração Litúrgica - 49º Dia Mundial das Comunicações/2015
 
capítulo VI - Padre Antonio Vieria
capítulo VI - Padre Antonio Vieriacapítulo VI - Padre Antonio Vieria
capítulo VI - Padre Antonio Vieria
 
Barroco no Brasil.pptx
Barroco no Brasil.pptxBarroco no Brasil.pptx
Barroco no Brasil.pptx
 
Liderança missional e igreja missional
Liderança missional e igreja missionalLiderança missional e igreja missional
Liderança missional e igreja missional
 
Psi evangelio
Psi evangelioPsi evangelio
Psi evangelio
 
Psicologia e envangelio
Psicologia e envangelioPsicologia e envangelio
Psicologia e envangelio
 
Comentário Bíblico de Romanos
Comentário Bíblico de RomanosComentário Bíblico de Romanos
Comentário Bíblico de Romanos
 
Idolatria do coração • Filipe-Fontes.pdf
Idolatria do coração • Filipe-Fontes.pdfIdolatria do coração • Filipe-Fontes.pdf
Idolatria do coração • Filipe-Fontes.pdf
 
Curso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homileticaCurso basico e pratico de homiletica
Curso basico e pratico de homiletica
 
Trabalho pronto erika
Trabalho pronto erikaTrabalho pronto erika
Trabalho pronto erika
 

Mais de Ana Castro

Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
Ana Castro
 
Verbos
Verbos Verbos
Verbos
Ana Castro
 
RANKING ENEM 2014 - NRE 20 - BAHIA
RANKING ENEM 2014 - NRE 20 - BAHIARANKING ENEM 2014 - NRE 20 - BAHIA
RANKING ENEM 2014 - NRE 20 - BAHIA
Ana Castro
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
Ana Castro
 
Tenda dos Milagres -
Tenda dos Milagres -Tenda dos Milagres -
Tenda dos Milagres -
Ana Castro
 
Identidade baiana: Mazelas sociais x Turismo
Identidade baiana: Mazelas sociais x TurismoIdentidade baiana: Mazelas sociais x Turismo
Identidade baiana: Mazelas sociais x Turismo
Ana Castro
 
Sertão da Bahia
Sertão da BahiaSertão da Bahia
Sertão da Bahia
Ana Castro
 
10.funções da linguagem
10.funções da linguagem10.funções da linguagem
10.funções da linguagem
Ana Castro
 
9. funções da linguagem delimitar o texto literário
9. funções da linguagem   delimitar o texto literário9. funções da linguagem   delimitar o texto literário
9. funções da linguagem delimitar o texto literário
Ana Castro
 
Funcoes da-linguagem
Funcoes da-linguagemFuncoes da-linguagem
Funcoes da-linguagem
Ana Castro
 
Princípios da arte através dos tempos
Princípios da arte através dos temposPrincípios da arte através dos tempos
Princípios da arte através dos tempos
Ana Castro
 
Competências básicas para o ensino de arte
Competências básicas para o ensino de arteCompetências básicas para o ensino de arte
Competências básicas para o ensino de arte
Ana Castro
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
Ana Castro
 
Concordância verbal sujeito simples
Concordância verbal   sujeito simplesConcordância verbal   sujeito simples
Concordância verbal sujeito simples
Ana Castro
 
Pronomes demonstrativos
Pronomes demonstrativosPronomes demonstrativos
Pronomes demonstrativos
Ana Castro
 
Pronomes possessivos
Pronomes possessivosPronomes possessivos
Pronomes possessivos
Ana Castro
 
Tempos verbais
Tempos verbaisTempos verbais
Tempos verbais
Ana Castro
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
Ana Castro
 
Romantismo versus realismo
Romantismo versus realismoRomantismo versus realismo
Romantismo versus realismo
Ana Castro
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
Ana Castro
 

Mais de Ana Castro (20)

Humanismo
HumanismoHumanismo
Humanismo
 
Verbos
Verbos Verbos
Verbos
 
RANKING ENEM 2014 - NRE 20 - BAHIA
RANKING ENEM 2014 - NRE 20 - BAHIARANKING ENEM 2014 - NRE 20 - BAHIA
RANKING ENEM 2014 - NRE 20 - BAHIA
 
Tipos de argumentos
Tipos de argumentosTipos de argumentos
Tipos de argumentos
 
Tenda dos Milagres -
Tenda dos Milagres -Tenda dos Milagres -
Tenda dos Milagres -
 
Identidade baiana: Mazelas sociais x Turismo
Identidade baiana: Mazelas sociais x TurismoIdentidade baiana: Mazelas sociais x Turismo
Identidade baiana: Mazelas sociais x Turismo
 
Sertão da Bahia
Sertão da BahiaSertão da Bahia
Sertão da Bahia
 
10.funções da linguagem
10.funções da linguagem10.funções da linguagem
10.funções da linguagem
 
9. funções da linguagem delimitar o texto literário
9. funções da linguagem   delimitar o texto literário9. funções da linguagem   delimitar o texto literário
9. funções da linguagem delimitar o texto literário
 
Funcoes da-linguagem
Funcoes da-linguagemFuncoes da-linguagem
Funcoes da-linguagem
 
Princípios da arte através dos tempos
Princípios da arte através dos temposPrincípios da arte através dos tempos
Princípios da arte através dos tempos
 
Competências básicas para o ensino de arte
Competências básicas para o ensino de arteCompetências básicas para o ensino de arte
Competências básicas para o ensino de arte
 
Elementos da narrativa
Elementos da narrativaElementos da narrativa
Elementos da narrativa
 
Concordância verbal sujeito simples
Concordância verbal   sujeito simplesConcordância verbal   sujeito simples
Concordância verbal sujeito simples
 
Pronomes demonstrativos
Pronomes demonstrativosPronomes demonstrativos
Pronomes demonstrativos
 
Pronomes possessivos
Pronomes possessivosPronomes possessivos
Pronomes possessivos
 
Tempos verbais
Tempos verbaisTempos verbais
Tempos verbais
 
Figuras de linguagem
Figuras de linguagemFiguras de linguagem
Figuras de linguagem
 
Romantismo versus realismo
Romantismo versus realismoRomantismo versus realismo
Romantismo versus realismo
 
Pré modernismo
Pré modernismoPré modernismo
Pré modernismo
 

Último

Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Falcão Brasil
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
MariaJooSilva58
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
Falcão Brasil
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
tamirissousa11
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Falcão Brasil
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
Sandra Pratas
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
JocelynNavarroBonta
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Falcão Brasil
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Mary Alvarenga
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Falcão Brasil
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
LeideLauraCenturionL
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
LuizHenriquedeAlmeid6
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Falcão Brasil
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
Falcão Brasil
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Miguel Delamontagne
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
CarolineSaback2
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Falcão Brasil
 

Último (20)

FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO                .
FOTOS_AS CIÊNCIAS EM AÇÃO .
 
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdfOs Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
Os Setores Estratégicos da END - O Setor Cibernético.pdf
 
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosasFotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
Fotossíntese e respiração: conceitos e trocas gasosas
 
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
A Participação do Brasil nas Operações de Manutenção da Paz da ONU Passado, P...
 
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
EBBOK_HORA DO CONTO_O SONHO DO EVARISTO_PAULA FRANCISCO_22_23
 
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptxA Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
A Priula sobre a primeira Guerra Mundial.pptx
 
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
Aviação de Reconhecimento e Ataque na FAB. A Saga dos Guerreiros Polivalentes...
 
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
EBOOK_HORA DO CONTO_MARINELA NEVES & PAULA FRANCISCO_22_23
 
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONALEMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
EMOCIONES PARA TRABAJAR EN LA AREA SOCIOEMOCIONAL
 
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
Manual de Identidade Visual do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Prot...
 
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
Desafio matemático -  multiplicação e divisão.Desafio matemático -  multiplicação e divisão.
Desafio matemático - multiplicação e divisão.
 
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdfEscola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
Escola de Comando e Estado-Maior da Aeronáutica (ECEMAR).pdf
 
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .TALENTOS DA NOSSA ESCOLA                .
TALENTOS DA NOSSA ESCOLA .
 
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdfHistória das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
História das ideias pedagógicas no Brasil - Demerval Saviani.pdf
 
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptxSlides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
Slides Lição 3, Betel, A relevância da Igreja no cumprimento de sua Missão.pptx
 
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
Organograma do Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia...
 
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdfA Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
A Atuação das Forças Armadas na Garantia da Lei e da Ordem (GLO).pdf
 
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
Ensinar Programação 📚 Python 🐍 Método Inovador e Prático 🚀
 
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdfLivro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
Livro - Planejamento em Orientação Educacional - Heloísa Lück.pdf
 
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.pptAnálise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
Análise dos resultados do desmatamento obtidos pelo SIAD.ppt
 

Análise do Sermão da Sexagésima

  • 2. Padre Antônio Vieira, grande orador do século XVII, nome fundamental no Barroco português e brasileiro.
  • 3. Quem foi Antonio Vieira?  Nasceu em Lisboa, no dia 6 de Fevereiro de 1608 numa família humilde. Foi para o Brasil com seis anos de idade, fez os primeiros estudos no Colégio dos Jesuítas em Salvador. Ingressou na Companhia de Jesus como noviço em Maio de 1623 .  Em 1625, fez os seus votos de castidade, ordenando-se sacerdote em 1634.
  • 4. Quem foi Antonio Vieira?  Após a Restauração da Independência, em 1640, regressou em 1641 a Lisboa, iniciando uma carreira diplomática.  Pretendendo obter para a Coroa a ajuda financeira dos cristãos-novos, entrou em conflito com a Inquisição, mas acabou por conseguir que fosse fundada a Companhia de Comércio do Brasil.
  • 5. Quem foi Antonio Vieira?  Regressou ao Brasil em 1652 como missionário no Maranhão e no Grão- Pará, continuando a defesa da liberdade dos índios.  Em 1656, voltou para a Europa. Com a morte de D. João IV, torna-se confessor da Regente, D. Luísa de Gusmão. Vieira perderá a influência na corte, no reinado de D. Afonso VI, em 1662
  • 6. Quem foi Antonio Vieira?  Entrou de novo em conflito com a Inquisição que o acusou de heresia. Em 1665 é preso pela Inquisição de Coimbra e mantido sob custódia devido às suas ideias messiânicas e à defesa dos “cristãos novos”; Em 1667 foi condenado a internamento e proibido de pregar, mas, seis meses depois, a pena foi anulada, com a regência de D. Pedro.
  • 7. Quem foi Antonio Vieira?  Em 1675, foi absolvido pela Inquisição Decidiu voltar outra vez para o Brasil, em 1681  Acabou por morrer, já velho e doente, a 18 de Julho de 1697, com 89 anos, na cidade de Salvador, no Brasil .
  • 8.  O Sermão da Sexagésima ensina-nos a arte da oratória – a arte de falar ao público e, acima de tudo, a arte de persuadir.
  • 9. Convencer relaciona-se ao campo da razão, ao passo que persuadir diz respeito às emoções.
  • 10. Um ser emocional e não racional, cala mais fundo a persuasão que o simples convencimento Parece claro, ao lermos o Sermão da sexagésima, que Vieira quer muito mais que convencer, ele quer persuadir seus ouvintes, isto é, ele quer mudar a maneira como os pregadores de sua época pregavam.
  • 11. Característica importante dos sermões de Vieira é sua constante preocupação com os efeitos da pregação na vida social. Um instrumento de origem divina voltado para a expansão do cristianismo, para a correção dos erros dos cristãos, para edificação de uma sociedade efetivamente católica, para a salvação eterna.
  • 12. Atividade missionária no Brasil Se admite a escravidão (negra, especialmente) como instrumento indispensável à ocupação cristã das terras e gentes brasileiras, não deixa de criticar acerbamente os excessos, pecaminosos, de ganância, luxúria e crueldade dos senhores e de seus aliados.
  • 13. Atividade missionária no Brasil Os ataques de Vieira aos senhores de escravos; a cobrança de obediência às determinações de Lisboa quanto à liberdade indígena, por parte de governadores e capitães- mor; a hostilidade de outras ordens religiosas são fatores determinantes para a expulsão de Vieira e outros jesuítas do Brasil.
  • 14. A semente é a palavra de Deus A oratória e o conceptismo barroco O argumento por analogia consiste em traçar comparações entre dois ou mais elementos. Vieira vai, ao longo do sermão, desenvolvendo diversas comparações com passagens bíblicas e com fatos do seu entorno. Este argumento torna mais concretas as ideias defendidas pelo orador, pois o público consegue visualizar e, assim, compreender melhor, o objeto do discurso;
  • 15. A semente é a palavra de Deus A oratória e o conceptismo barroco O argumento por autoridade é utilizado sempre que o autor traz para o seu texto uma voz de autoridade. No caso do Sermão, a principal autoridade são as escrituras sagradas, citadas todo o tempo pelo padre;
  • 16. A semente é a palavra de Deus A oratória e o conceptismo barroco O argumento de princípio é usado quando o padre apresenta verdades indiscutíveis, como, por exemplo, quando ele afirma que o problema dos sermões não poderia jamais estar na palavra de Deus, uma vez que Deus não falha nunca;
  • 17. A semente é a palavra de Deus A oratória e o conceptismo barroco O argumento, por exemplo, abundantemente usado ao longo do sermão, consiste em citar nomes e fatos que reforçam as ideias defendidas pelo orador/pregador.
  • 18. O SERMÃO  O Sermão da Sexagésima é dividido  em dez partes que podem, por sua  vez, ser encaixadas na divisão canônica  do texto argumentativo/ dissertativo:  introdução, desenvolvimento e conclusão
  • 19. O SERMÃO  Na parte que se pode considerar como introdução, Vieira expõe o problema e se posiciona a respeito dele. O padre abre o sermão falando da dificuldade do semeador/ missionário (intertexto com a fábula do semeador, da Bíblia) que saiu do conforto e segurança de sua terra para pregar em terras distantes e selvagens.
  • 20. O SERMÃO  Vieira compara a  semeadura do trigo com a pregação da palavra de Deus, que pode cair entre as pedras, entre os animais, ou os espinhos,  mas que, ainda assim, pode provocar mudanças. Os espinhos e as pedras representam os homens mais difíceis de converter e, para o padre, estes é que mais  precisam do esforço do pregador.
  • 21. O SERMÃO  Em sua conclusão, Vieira faz um último alerta ao pregador/orador: o risco de dizer aquilo que ele julga ser agradável ao público em vez de dizer aquilo que precisa  ser realmente dito. Algumas verdades são duras, mas, ainda assim, precisam ser ditas.  O orador não deve ter medo de tocar em assuntos polêmicos, entretanto deve tomar o cuidado de não entrar em debate com o público, o que transformaria a palestra em discussão.
  • 22. O SERMÃO  Vieira, de maneira tão criativa e poética, atribui a culpa toda e exclusivamente ao pregador: “por culpa nossa”, como ele mesmo afirma. Levando em consideração o esquema que construímos com base em suas analogias, inferimos que isso se deve ao fato de que os pregadores não estão mais convencendo seus ouvintes da veracidade de sua doutrina, seja por sua ilogicidade, seja por ser um discurso vazio, hipócrita, resumindo no “Fazei o que eu digo, mas não o que eu faço”.
  • 23. REFERÊNCIAS LUZ, Leandro Alves Tadeu. A ARTE DA ORATÓRIA NO SERMÃO DA SEXAGÉSIMA: COMO O PADRE ANTôNIO VIEIRA NOS ENSINA A FALAR EM PÚBLICO MINISTÉRIO DA CULTURA. Sermões, Vieira. http://www.infoescola.com/religiao/sermao-da-sexagesima/  Slide organizado pela profª Ana Paula Carvalho  Cândido Sales, Bahia  Ano da Graça: 2015