SlideShare uma empresa Scribd logo
Safra deve chegar a
3,25 mi de toneladas
1,12 milhão de
toneladas de milho
Trigo ganha área
maior de plantio
Feijão das águas
rende 71 mil toneladas
DIÁRIO DOS CAMPOS | CADERNO ESPECIAL - MAIO/2013
Página 2 Página 4 Página 6 Página 10
Leia
mais
Com Valor Bruto da Produção (VPB) de R$ 5,98 bilhões, os
Campos Gerais abrigam municípios que se destacam nacio-
nalmente como é o caso de Tibagi, maior produtor nacional de
trigo. O que a safra de grãos regional representa pode
ser vista também na movimentação junto aos bancos.
Só o BRDE financiou na safra 2012/2013, volume
34,85% maior que o registrado na anterior.
O Caderno Safra – em sua primeira edição - traz as princi-
pais informações sobre as lavouras, os números do sistema
cooperativista, os programas do governo federal e as tendên-
cias do agronegócio.
A
pesar do grande volume
de chuvas nos meses
de dezembro de 2012
e fevereiro deste ano, a safra
de verão (2012/2013) na região
deverá somar 3,25 milhões de
toneladas de grãos. Isto signi-
fica um aumento de 4,83% em
relação à safra passada, quan-
do foram colhidos 3,10 milhões
de toneladas, sendo soja, milho
(normal e safri-
nha) e feijão (pri-
meira e segunda
safra).
A maior área
foi destinada ao
plantio da soja.
Foram aproxi-
madamente 536
mil hectares plantados, 9,5% a
mais que na safra 2011/2012,
período em que os produtores
plantaram em 490 mil hectares.
Segundo o Departamento
de Economia Rural (Deral) do
núcleo regional da Secretaria
de Estado da Agricultura e do
Abastecimento (Seab), a esti-
mativa é uma safra de 1,85
milhão de toneladas (colheita
encerrada na primeira quinze-
na de maio), volume superior
ao colhido na passada, quando
os produtores registraram 1,65
milhão de toneladas.
De acordo com o engenheiro
agrônomodoDeral,JoséRoberto
Tosato, apesar da colheita estar
finalizada, ainda é preciso aguar-
dar o processamento de todas
as informações para então se
chegar a um número preciso
sobre a safra. “A produtividade
média registrada nas lavouras
é de 3.450 qui-
los por hectare
a 3.550 quilos
por hectare, mas
esta é uma esti-
mativa”, diz.
Para o agrô-
nomo, a safra de
2012/2013 pode
ser considerada boa. “Houve
excesso de chuvas em dezem-
bro e em fevereiro e isto fez
aumentar o índice de doenças,
o que reduziu a produtividade
em algumas lavouras”, fala.
Conforme o agrônomo, a
umidade do solo também aca-
bou prejudicando a qualidade do
grão. “O maior volume está com
boa qualidade, mas alguns pro-
dutores perderam um pouco”,
relata. A colheita se iniciou em
março e seguiu os meses de
abril e maio. “O trabalho teve
que ser interrompido várias
vezes por causa das chuvas”,
lembra. A soja foi plantada entre
os meses de outubro (a partir
do dia 10) e dezembro (até a
primeira semana).
Mercado
Entre os motivos que leva-
ram os produtores a elevar a
área plantada nesta safra está
o preço. No ano passado, a
saca de 60 quilos estava sendo
vendida pelo valor médio de R$
64. “As perspectivas eram boas
devido ao mercado internacio-
nal e a quebra da produção
americana, com isto os produ-
tores elevaram a área de plantio
da soja e reduziram a do milho
e feijão”, explica.
Ele relata que a maior parte
da produção foi comercializada
ainda no ano passado, justamen-
te em função do preço no mer-
cado agrícola. Hoje a saca está
cotada entre R$ 54 e R$ 58.
O agrônomo destaca tam-
bém o uso da tecnologia no
campo, como fator que levou ao
aumento da produção, além da
área. “Quanto mais tecnologia
maior é o resultado no campo”,
comenta.
Wilson Oliveira
Diretor Presidente
Ana Virginia Valêncio de Oliveira
Diretora Geral
Jeferson Augusto
Chefe de Redação
Luciana R. Brick
Reportagem e Edição
Fábio Matavelli e Rodrigo Covolan
Fotografia
Rua Prudente de Moraes, 10 - Vila Placidina - CNPJ 03.219.996/0001-90 - CEP 84.010-020 - Ponta Grossa - Paraná - Telefones - Geral (42) 3220-7744
Comercial: 3220-7750 (FAX) 3220-7758 - Redação: 3220-7788 (FAX) 3220-7725 - Suplementos: 3220-7721 - suplementos@diariodoscampos.com.br
Caderno
SSafrasSafras
2012/13
Diário dos Campos
Maio/2013
Safra de grãos na região
deve chegar a
3,25 mi de toneladas
Produtores reduziram área plantada de milho e
feijão para aumentar a de soja, que rendeu nesta safra 1,85 milhão de
toneladas. Produção no ano passado foi de 1,65 milhão de toneladas
Boa parte da soja foi vendida antes mesmo do plantio
“A produtividade
média nas lavouras
é de 3.450 quilos
por hectare a 3.550
quilos por hectare”
Caderno Especial
Maio/2013
Das Assessorias
P
rodutores de trigo das
Cooperativas ABC, no
Paraná, apostam na valo-
rização do produto para aumen-
tar a área destinada ao grão na
próxima safra e para incentivar
o plantio, um novo moinho deve
ser inaugurado no início de 2014
em Ponta Grossa.
Está em obras em Ponta
Grossa, o moinho de trigo das
Cooperativas Agroindustriais
Batavo, Castrolanda e Capal,
que será considerado um dos
mais modernos
do País.
As cooperati-
vas estão inves-
tindo mais de R$
85 milhões nas
instalações do
moinho, com 50%
de participação
da Batavo, 27% da Castrolanda
e 23% da Capal. O projeto, que
tem área de 10 mil metros qua-
drados, terá capacidade total de
moagem de 240 mil toneladas
e receita estimada de R$ 200
milhões ao ano no final da segun-
da fase, com geração de 85
postos de trabalho. Totalmente
automatizado, o moinho utiliza
a mais alta tecnologia oferecida
por máquinas e equipamentos
em nível internacional, ofere-
cendo ao mercado consumidor
segurança e garantia alimentar.
“Sabemos que neste ano de
2012 as projeções para a cultu-
ra foram muito boas, tanto na
produção quanto no preço da
commoditie. Para 2013, acre-
ditamos novamente numa boa
safra e isso é muito importante,
mas desafiante para a indústria.
Porém, no agronegócio temos
momentos de crise, de dificulda-
des, mas é por isso que existem
ascooperativas,paradarsuporte
ao produtor rural e buscar alter-
nativas viáveis na rentabilização
e minimização destes impactos
gerados pelos momentos des-
favoráveis do agronegócio, prin-
cipalmente em
relação a cul-
tura do trigo. A
industrialização,
certamente é a
melhor alternati-
va para o nosso
setor ao cons-
truir marcas for-
tes com produtos de qualidade,
consolidando a participação de
nosso Estado na agroindústria
de ponta, favorecendo a gera-
ção de emprego e renda”, desta-
ca o presidente da Cooperativa
Batavo, Renato Greidanus.
Inicialmente o moinho irá
produzir farinhas industriais
para panifícios e indústrias de
biscoitos e massas no ataca-
do, sem previsão para o varejo.
O empreendimento beneficiará
prioritariamente os coopera-
dos das três cooperativas, que
podem agregar valor à atividade
primária de apenas produzir o
grão. Esse novo projeto envol-
ve o trabalho de pesquisa de
novas variedades com a partici-
pação da Embrapa, Coodetec e
Fundação ABC.
Atualmente, a produção de
trigo dos associados soma algo
próximo a 300 mil toneladas ao
ano, por isso o projeto terá flexi-
bilidade de duplicar a capacida-
de. Além disso, o moinho deverá
consumir para a produção de
farinha, cerca de 20% de trigo
importado, e ainda estimulará
o plantio das áreas dos coope-
rados, pois trará maior liquidez
na venda de sua produção. De
acordo com o gerente agrícola
da Batavo, Anacleto Luis Ferri, o
bom momento para o trigo está
trazendo mais alento ao produ-
tor, já que a área de produção
deve aumentar em 20% na safra
2013. As cooperativas Batavo,
Castrolanda e Capal contam
com mais de 2.700 associados.
“Receita
estimada com o
moinho é de R$ 200 mi
ao ano no final da
segunda fase”
Cooperativas Batavo, Castrolanda e Capal estão investindo mais de R$ 85 milhões na construção
do moinho de trigo em PG. Unidade terá capacidade total de moagem de 240 mil toneladas
O moinho de trigo em Ponta Grossa
será construído em fases. A primeira – já
iniciada – terá capacidade instalada para
beneficiar 120 mil toneladas de trigo por
ano. Nesta etapa, o investimento varia de
R$ 45 milhões a R$ 50 milhões. A conclu-
são está prevista para fevereiro de 2014,
quando a estrutura entrará em operação.
Segundo o presidente da Cooperativa
Batavo, Renato Greidanus, a segunda
fase da construção do moinho será inicia-
da possivelmente ao término da primeira.
“O projeto já prevê a ampliação”, afirma.
O moinho está sendo construído
entre as unidades II e III da Cooperativa
Batavo, às margens da BR-376, o que
facilitará sinergia com o setor de armaze-
nagem e acesso ao Porto de Paranaguá,
sem contar com a disponibilidade de
mão de obra qualificada na região.
Construção será em fases
Moinho está sendo construído às margens da BR-376
Moinho será um dos mais modernos do país
Caderno
SSafrasSafras
2012/13
Caderno
SSafrasSafras
2012/13
Caderno Especial
DIÁRIO DOS CAMPOS
Diário dos Campos
Maio/2013
Safrinha de soja deve movimentar 19 mil toneladas
A
safrinha de soja foi
plantada em fevereiro
deste ano e a colheita
já começou. “O tempo firme,
sem grandes períodos de chuva
neste mês, está ajudando os
produtores neste período de
colher, mas os dias chuvosos na
época do plantio e também em
março implica-
ram no aumen-
to do índice de
doenças”, conta
o engenheiro
agrônomo do
Departamentode
Economia Rural
do núcleo regio-
nal da Secretaria de Estado da
Agricultura e do Abastecimento
(Deral/Seab) em Ponta Grossa,
José Roberto Tosato.
Segundo ele, a estimativa é
de que os produtores da região
colham em torno de 19 mil tone-
ladas de soja, ou seja, mais do
que o dobro colhido na safra
2011/2012, quando a safrinha
foi de apenas 8.500 toneladas.
De acordo com o agrônomo,
a safrinha é característica de
pequenos e médios produtores.
“Eles aumentaram a área plan-
tada devido aos bons preços
da soja e das perspectivas de
mercado”, diz.
Nesta safri-
nha, a área nas
propriedades
rurais destina-
da ao plantio
corresponde a
6.600 hectares,
enquanto no ano
passado a soja foi plantada ape-
nas em 2.820 hectares.
Quanto à produtividade, o
agrônomo observa que a previ-
são é de 2.900 quilos por hecta-
re, sendo que na última safrinha
a média foi 2.870 quilos por
hectare.
Safra Área plantada (hectares) Produção Produtividade (por hectare)
Fonte: Deral/Seab PG
Safra atual tem área maior de soja
Caderno
SSafrasSafras
2012/13
Nesta safrinha,
a área destinada ao
plantio corresponde
a 6.600 quilos
por hectare
Caderno Especial
Maio/2013
Diário dos Campos
Maio/2013
O
s produtores da região
finalizaram na primeira
semana de maio deste
ano a colheita do milho. A esti-
mativa do Departamento de
Economia Rural do núcleo regio-
nal da Secretaria de Estado da
Agricultura e do Abastecimento
(Deral/Seab) em Ponta Grossa é
uma produção de 1,12 milhão de
toneladas. O volume é ligeiramen-
te menor que o obtido na safra
passada, quando foram colhidas
1,24 milhão de toneladas.
De acordo com o engenhei-
ro agrônomo do Deral, José
Roberto Tosato, a área plantada
com milho foi reduzida nesta
safra, passando de 140 mil hec-
tares para 132 mil hectares,
redução de oito mil hectares.
“Os produtores reduziram a área
do milho e do feijão para aumen-
tar a da soja”, explica.
Segundo o agrônomo, o
plantio do milho se iniciou em
setembro e seguiu até outubro
de 2012, já a colheita foi inicia-
da em fevereiro último, porém
foi interrompida em meados de
março. “Os produtores deixaram
o milho para colher a soja, já que
o milho aguenta mais tempo nas
lavouras”, fala.
Conforme o agrônomo, o
milhocolhidonosprimeirosmeses
do ano apresenta umidade, com
índice variando de 20% a 30%.
“Esta umidade ocasionou queda
na qualidade do milho. Parte da
safra tecnificada foi de milho ardi-
do, o que dificulta a comerciali-
zação e faz cair o preço”, diz. O
valor máximo obtido pela saca de
60 quilos do cereal ardido variou
de R$ 18 a R$ 20. “É um milho
que só pode ser utilizado para
ração animal”, observa.
Oferta
O aumento da oferta de milho
no mercado interno e a perspec-
tiva da safrinha – comum em
cidades do Oeste paranaense,
como Cascavel - explicam a
queda na cotação do cereal,
com a saca sendo negociada
entre R$ 22 e R$ 25. “A safra
maior de milho fez com que os
preços da atual safra se reduzis-
sem”, comenta.
Contrato
O agrônomo observa que
em torno de 10% da produção
regional de milho foi vendida no
mercado futuro, como forma de
garantia de preço. “Os produto-
res conseguiram em torno de R$
26 a saca”, calcula ao considerar
que boa parte da safra está esto-
cada nos armazéns. “E deverá
continuar, já que Cascavel terá
uma produção grande o mer-
cado prefere milho mais novo,
como a safrinha que começou a
ser colhido este mês”, fala.
Produtores colhem
1,12 milhão de
toneladas de milho
Cereal ocupou aproximadamente 132 mil hectares das
lavouras da região, nesta safra de verão. Parte do milho
colhido foi vendida no mercado futuro
Do final de dezembro até fevereiro
deste ano, os produtores da região vol-
taram a atenção para o plantio do milho
safrinha. A colheita se iniciou em maio e
seguirá até o próximo mês de julho.
“Asafrinhaécaracterísticodospeque-
nos produtores rurais, que plantam o
milho em áreas colhidas
de feijão e fumo”, expli-
ca o engenheiro agrô-
nomo do Departamento
de Economia Rural
(Deral) do núcleo regio-
nal da Secretaria de
Estado da Agricultura
e do Abastecimento
(Seab) em Ponta Grossa, José Roberto
Tosato.
Segundo ele, a estimativa é que
sejam colhidos na safra 2012/2013 o
equivalente a 72 mil toneladas, volume
menor que o obtido no ano passado,
quando foram retiradas das lavouras
em torno de 89 mil toneladas.
A área destinada ao plantio tam-
bém foi reduzida nesta safra, passan-
do de 21.800 hectares para 17.350
hectares, redução de 18%. “A área
plantada diminuiu por-
que alguns produtores
de Ivaí e Reserva, que
plantam milho e feijão,
optaram pela soja devi-
do aos bons preços e
perspectivas do merca-
do”, explica.
Produtividade
A estimativa do Deral, é que os pro-
dutores obtenham uma produtividade
de 4.100 quilos por hectare de milho
safrinha, praticamente a mesma renta-
bilidade alcançada na safra 2011/2012.
Produtores finalizaram a colheita do milho na primeira quinzena de maio
Tosato: milho ‘perdeu’ área para a soja nesta safra de grãos
Safrinha colocará 72 mil toneladas no mercado
“Parte da safra
tecnificada foi
de milho ardido,
o que dificulta a
comercialização”
A
sétima edição do Sábado
Show & Feira de Peças
e Serviços Macponta -
evento promovido pela Macponta
(concessionária Jonh Deere em
Ponta Grossa e região) – movi-
mentou mais de R$ 60 milhões.
O encontro, que aconteceu no
último dia 18 de maio, recebeu
mais de 2,5 mil produtores rurais
dos Campos Gerias, superando
assim a expectativa dos organiza-
dores. “A expectativa foi superada
tanto em público quanto em volu-
me de negócios. Prevíamos em
torno de R$ 55 milhões”, conta o
diretor da Macponta, José Divalsir
Gondaski (Ferruge).
De acordo com ele, a movi-
mentação financeira resulta do
volume de vendas de merchan-
dising, peças, serviços e equipa-
mentos. “Realizamos o Sábado
Show uma vez no ano, evento
que tem tradição em negócios e
o agricultor conhece o trabalho
que a empresa faz e sabe o que
significa o Sábado Show”, diz.
Ele destaca que o evento se
consagrou como um encontro
para a família do produtor. “O
agricultor vem conhecer as novi-
dades da marca e traz toda a sua
família. Além disto, ele sabe que
se perder os descontos conce-
didos neste dia não encontrará
as mesmas condições no dia
seguinte”, fala.
No Sábado Show, os descon-
tos variam de 5% a 30%, percen-
tuais considerados altos diante
do valor das máquinas e dos
equipamentos. “Trabalhamos
diferente dos nossos concorren-
tes. Oferecemos desconto real
num único dia do ano, então o
agricultor que não aproveita para
comprar neste dia nos demais
sabe que não comprará com as
mesmas condições”, frisa.
Nesta edição, mais de 200
pessoas trabalharam no Sábado
Show para atender os clientes.
“Ano a ano o evento tem crescido
em público e volume de vendas e
isto mostra a força do Sábado
Show”, comenta ao explicar que
quando tem um produto novo no
mercado o lançamento nacional
acontece em Ribeirão Preto, na
feira agropecuária e a apresenta-
ção regional é no Sábado Show.
Safra
Para o diretor, o resultado do
evento está ligado há vários fato-
res, entre eles “o bom momento
em que vive o setor do agro-
negócio e a boa produção da
região nesta safra aliada ao bom
preço das commodities”.
Eleexplicaqueascolheitadei-
ras utilizadas na safra 2012/2013
foram adquiridas pelos produto-
res no ano passado. “Não vende-
mos máquinas em cima da hora.
A venda começou na Coopavel,
em Cascavel, então tem equipa-
mentos que os agricultores utili-
zaram agora, mas adquiriram no
ano passado, como é o caso das
colheitadeiras. Já as aquisições
no Sábado Show serão usadas
no segundo semestre.
Incentivo
O diretor observa que o pro-
dutor está aproveitando a taxa
de juros que o governo federal
vem oferecendo para o financia-
mento voltado à modernização
da lavoura e dos equipamentos.
“É um juro atrativo e importante,
então o agricultor tem mais que
aproveitar este incentivo”, fala.
Sábado Show movimenta mais de R$ 60 mi
Mais de 2,5 mil pessoas circularam pelo maior evento realizado
anualmente pela Macponta, concessionária John Deere em Ponta Grossa e região
Aprincipal novidade preparada para o
sétimo Sábado Show foi o lançamento da
colheitadeira S680, que traz um conceito
inovador, com um grande salto evolutivo
em relação ao que a John Deere já tinha
de melhor. “É uma máquina que traz mui-
tas novidades e certamente os clientes se
surpreenderam”, diz o gerente Comercial
da Macponta, Alyson Gondaski.
Outros destaques do evento ficaram
por conta do pulverizador 4630 naciona-
lizado e das novas opções de configura-
ção para tratores e implementos, como
a pá carregadeira. Outra grande novida-
de, que inclusive tem ganhado espaço na
região, é o foco no trabalho de agricultura
de precisão e demonstração do funciona-
mento dos sistemas envolvidos, através
de experiências. “Realizamos algumas
demonstrações diferenciadas, nas quais
os clientes puderam experimentar a efe-
tividade do nosso produto”, ressalta o
especialista em AMS da Macponta, José
Carlos Corrêa Filho.
Lançamento da colheitadeira S680
Caderno
SSafrasSafras
2012/13
Caderno
SSafrasSafras
2012/13
Sábado Show apresenta novidades aos produtores
RODRIGO CZEKALSKI/DIVULGAÇÃO
Caderno Especial
Maio/2013
N
o momento em que finaliza
a colheita da safra de verão
o produtor rural começa a
planejar a próxima safra, mas nem
todos têm dinheiro na mão para
investir nas lavouras. Assim, a saída
é recorrer aos financiamentos para o
plantio, mas antes é preciso levantar
exatamente o quanto será preciso
para plantar. Para ajudar os produ-
tores, a Sicredi Campos Gerais e
a Sicredi Capal estão oferecendo
mais de R$ 160 milhões em crédito
rural (para custeio), sendo nas 21
unidades de atendimento que com-
põem a superintendência regional
da cooperativa. “Nosso objetivo é
crescer 20% em valor nesta safra em
comparação com a passada”, conta
o superintendente regional da Sicredi
Campos Gerais, Márcio Zwierewicz.
Juntas, as duas cooperativas ofere-
ceram R$ 130 milhões em crédito
rural na última safra e realizaram 700
operações.
De acordo com o superintenden-
te, a Sicredi possui todas as linhas de
custeio tanto para a safra de inverno
quanto para a de verão 2013/2014.
“Já estamos preparados para receber
as propostas e temos recursos dispo-
níveis para que o produtor possa pla-
nejar o custeio da sua lavoura junto
ao Sicredi, então convido associados
e não associados para que procurem
uma das nossas unidades de atendi-
mento e encaminhem sua proposta
para a safra”, fala.
Segundo o superintendente, a
Sicredi “tem recurso disponível, mas
pede ao produtor que se antecipe
mesmo aquele que acabou de colher
a safra pode reservar, desde já, valor
para o custeio”.
Ele conta que geralmente os pro-
dutores procuram a cooperativa pró-
ximo ao período de plantio, entre os
meses de julho e agosto. “Como já
temos recursos disponíveis os pro-
dutores podem nos procurar. Quem
quiser não precisa pegar o dinheiro
já, mas se procurar antes saberá que
terá o limite aprovado e condições
previamente estabelecidas”, reforça.
Sicredi tem mais de R$ 160 mi para custeio
Crédito rural é maior que o da safra passada, quando 700 operações movimentaram
R$ 130 milhões. Valor foi emprestado pelas cooperativas Sicredi Campos Gerais e Capal
Sicrediagro
As soluções financeiras do Sicredi cooperam para
o produtor rural colher grandes resultados.
Sua colheita pode render muito.
Invista seu dinheiro no Sicredi.
R$
1.
SACSicredi-08007247220/DeficientesAuditivosoudeFala-08007240525.OuvidoriaSicredi-08006462519.SACSicredi-08007247220/DeficientesAuditivosoudeFala-08007240525.OuvidoriaSicredi-08006462519.
Caderno
SSafrasSafras
2012/13
Márcio: “como já temos recursos os
produtores podem nos procurar”
Pré-custeio
Conforme Márcio,
o produtor tem a pos-
sibilidade de liberar o
custeio por volta de
agosto, mas usar o
pré-custeio, entre maio
e junho, para comprar
insumos de forma
antecipada e ter preço
melhor ou desconto
maior. “O pré-custeio
é uma opção do pro-
dutor, mas é importan-
te que ele saiba que
a utilização é possível
e ele pode quitar o
insumo de forma ante-
cipada”, relata.
Conforme Márcio,
ainda não é possível
saber qual a taxa de
juro e o limite dos finan-
ciamentos, uma vez
que o governo federal
divulgará o Plano Safra
no início de julho. “O
que sabemos é que
o Sicredi terá recur-
so maior que no ano
passado e queremos
assegurar que o pro-
dutor nos procure”, diz.
E
nquanto na safra 2011/2012 os
produtores da região colheram
em torno de 87 mil toneladas de
feijão (das águas), nesta a estimativa é
uma colheita de aproximadamente 71
mil toneladas, 16 mil toneladas a menos
no mercado.
De acordo com o engenheiro agrôno-
mo do Departamento de Economia Rural
do núcleo regional da Secretaria de
EstadodaAgriculturaedoAbastecimento
(Deral/Seab) em Ponta Grossa, José
Roberto Tosato, de olho na cotação da
soja e nas boas perspectivas de merca-
do, os produtores optaram por plantar
menos feijão e mais soja. Assim, 41.900
hectares foram ocupados com o feijão,
cerca de 20% a menos que na safra
passada, quando foram plantados 53 mil
hectares. “Na época do plantio, a soja
estava mais interessante, inclusive com
mercado internacional, então os produ-
tores com áreas mecanizadas plantaram
menos feijão e mais soja”, explica.
O plantio começou em setembro e
se estendeu até o final de outubro do
ano passado. Já a colheita se iniciou
em dezembro e seguiu até 15 de janei-
ro último. Devido ao excesso de chu-
vas que ocorreu no período em que a
planta se desenvolvia houve aumento
do índice de doenças. “As doenças
surgiram nas fases finais, floração e
frutificação”, conta. “Com isto, os pre-
ços caíram um pouco”, completa.
Apesar da redução, a saca de 60
quilos está cotada no mercado agrícola
entre R$ 130 e R$ 140. “É um excelen-
te preço para o feijão preto”, observa.
Ele calcula que a maioria dos produto-
res já tenha vendido sua produção.
Produtividade
Apesar do período chuvoso, os
produtores registraram produtividade
acima da média alcançada na safra
passada. Das lavouras saíram em torno
de 1.840 quilos por hectare neste ano.
Já no passado foram registrados apro-
ximadamente 1.630 quilos por hectare.
Variedade
Conforme o agrônomo do Deral,
92% dos pequenos produtores
regionais plantam, basicamente, fei-
jão preto. “Esta variedade pode ser
armazenada por mais tempo que o
Carioquinha que precisa ser vendido
no máximo em dez dias para não per-
der a qualidade. Os atacadistas dão
preferência sempre ao feijão novo e
de boa qualidade”, conta.
71 mil toneladas de feijão das águas71 mil toneladas de feijão das águas
Caderno Especial
Maio/2013
Assistência Técnica;
Cultura Subsequente com
Maior Produtividade.
Rentabilidade da
Produção;
Garantia de
Comercialização;
Rotação de Cultura;
Benefícios
em
Plantar
Canola
Canola a soja de invernoCanola a soja de inverno
A Energia
que vem
docampo
A Energia
que vem
docampoDIVULGAÇÃO
Preço da soja e boas perspectivas de mercado fizeram produtores
reduzir área plantada de feijão da primeira safra
Caderno Especial
Maio/2013
Diário dos Campos
Maio/2013
O
feijão das secas foi plantado de
15 de dezembro até fevereiro.
A colheita será finalizada até o
final deste mês de maio, sendo que a
estimativa é uma safra de aproximada-
mente 122 mil toneladas, volume maior
que a colhida no ano passado, quando os
produtores obtiveram 108.800 toneladas.
De acordo com o engenheiro agrôno-
mo do Departamento de
EconomiaRuraldonúcleo
regional da Secretaria de
Estado da Agricultura e
do Abastecimento (Deral/
Seab) em Ponta Grossa,
José Roberto Tosato,
houve aumento de 16%
na área plantada. Foram
destinados ao plantio, nesta safra, 64 mil
hectares. Já na passada o cultivo ocor-
reu em 54.650 hectares.
Para o agrônomo, o aumento está
relacionado ao preço desta variedade
de feijão desde novembro e dezembro
de 2012. “Os preços estavam firmes e
o feijão Carioquinha e Juriti é plantado
por médios e grandes produtores rurais,
basicamente 95% da área é cultivada
por médios e grandes”, diz.
Segundo ele, o feijão apresenta boa
qualidade, “porém devido às chuvas de
fevereiro e março houve alto índice de
doenças, o que deve reduzir a produtivi-
dade nas lavouras”, fala. Foram colhidos
na safra passada em torno de 2.020
quilos por hectare, sendo que nesta, por
enquanto, a média, é de
2.100 quilos por hectare.
Conforme o agrôno-
mo, “o Carioquinha tem
menor oferta no mercado
nacional e isto está levan-
do a ótimos preços. Os
produtores estão colhen-
do e já comercializando”,
diz. A saca de 60 quilos está sendo vendi-
da entre R$ 210 e R$ 240.
O Carioquinha e o Juriti são conhe-
cidos como feijão de cor, no entanto,
precisam ser comercializados logo após
a colheita, no máximo, em dez dias,
devido a perda de qualidade. Já o feijão
preto, tem maior resistência, portanto,
pode ficar mais tempo armazenado.
Produtores finalizam colheita
da ‘safra das secas’
Feijão de cor deve ser comercializado rapidamente
Canola está se tornado cultura permanente
Para o pesquisador da Embrapa Trigo
Gilberto Omar Tomm, a canola tem tido
crescimento constante nos últimos anos
graças à união de forças. A Embrapa
Trigo, por exemplo, realiza pesquisas
desde 1980 voltadas à cultura e inves-
te anualmente na introdução e testes
de novos híbridos de canola no Brasil.
Segundo ele, só neste ano experimentos
com 37 híbridos novos foram introduzi-
dos e estão sendo avaliados. Atualmente
a organização possui dois pesquisadores
dedicados à área de manejo de canola
e dois técnicos de apoio. Além disso,
aumentou seu investimento em pesquisa
de R$ 30 mil em 2011 para R$ 48 mil
em 2012 e adquiriu equipamentos per-
manentes, como semeadura-adubadora,
trilhadeira, pulverizador, estufa e equipa-
mentos de suporte digital. “A evolução
da canola sempre contou com a parceria
entre pesquisa, empresas de fomento e
indústria de óleo, além de estudantes de
pós-graduação e produtores que destina-
ram parte da lavoura para experimentos
na cultura”, afirma Tomm.
O grande interesse da indústria de
biodiesel em fomentar o cultivo da canola
é pelo teor de óleo do grão que chega
a 40%, contra 18% do grão de soja.
De acordo com a Associação Brasileira
dos Produtores de Canola (Abrascanola),
existe enorme demanda por óleo de
canola no mercado nacional e interna-
cional. Para atender apenas uma solici-
tação recebida recentemente da Europa,
seria necessária uma área 200 vezes
maior que a área cultivada atualmente
no Brasil. “As empresas, as cooperativas
e o governo estão trabalhando para a
expansão da produção de canola para
que a quantidade de óleo disponível no
Brasil viabilize seu emprego na produção
de biodiesel. Isto permitiria a exportação
para países, como os da Europa, onde
o biodiesel, produzido com óleo de soja
e sebo não atende as especificações”,
afirma o diretor presidente da BSBIOS,
Erasmo Carlos Battistella. Enquanto isso,
toda a canola produzida no Brasil é des-
tinada à alimentação humana. Assim, os
brasileiros estão consumindo óleo mais
saudável enquanto o óleo de soja é des-
tinado à produção de biodiesel, um com-
bustível limpo e renovável que não agride
ao meio ambiente. (Sarah Ribeiro)
Áreas experimentais
traçarão perfil
da canola no Paraná
Pesquisas serão conduzidas pela BSBIOS em parceria com
universidades nas regiões Noroeste, Oeste e Campos Gerais
Das Assessorias
T
rês áreas de plantio expe-
rimental de canola pode-
rão auxiliar os produtores
do Estado do Paraná na próxima
safra a conseguirem rendimentos
ainda melhores. Esse é o objetivo
da indústria de biodiesel BSBIOS
que fomenta desde 2007 a cultu-
ra de inverno nos estados do Rio
Grande do Sul, Santa Catarina,
Paraná e São Paulo.
As áreas experimentais serão
localizadas nas regiões Noroeste,
em convênio com o Unicesumar
(Centro Universitário Cesumar)
e Universidade Estadual de
Maringá (UEM), Oeste, em par-
ceria com a PUC Toledo e nos
Campos Gerais, onde estão
sendo finalizadas parcerias.
“Nosso objetivo é testar diversos
materiais genéticos da canola
disponíveis no mercado em cada
região e identificar suas principais
características agronômicas, bem
como possíveis doenças e pra-
gas, com a finalidade de assim
gerar maior produtividade e resul-
tados aos produtores”, explica
o coordenador de Fomento da
BSBIOS, engenheiro agrônomo,
Raul Trevizan.
Segundo Trevizan, todos os
resultados obtidos com as áreas
experimentais serão disponibili-
zadosaosprodutorespormeiode
eventos realizados no segundo
semestre em diversas regiões do
Paraná. “Vamos sempre à busca
de novidades que tragam bene-
fícios ao produtor. Estamos nos
campos experimentais com dois
novos materiais genéticos dispo-
níveis no mercado a partir deste
ano, o híbrido HYOLLA 571CL,
que é um material australiano
com tecnologia CLEARFIELD
da BASF, e também o mate-
rial ALHT-1000 da empresa
argentina ALL
HIGH TECH,
que possuem
diversas novas
características
agronômicas que
serão analisadas
na prática pela
BSBIOS e divul-
gadas em nossos eventos de
capacitação e difusão de tecno-
logia, quando findados os traba-
lhos”, explica o agrônomo.
Trevizan afirma, ainda, que
outro fator importante para o
estudo de novos híbridos de
canola é a busca pela diversifi-
cação de fornecedores, evitan-
do a falta de sementes como
ocorreu na safra deste ano,
devido a uma forte estiagem
nos campos de multiplicação
na Argentina, de onde provém a
maior parte dos
híbridos. O
resultado disso
foi a redução de
4,4% de área
plantada no
Paraná, se com-
parada à safra
passada, con-
forme Levantamento de Safra
apresentado pela Companhia
Nacional de Abastecimento
(Conab) em abril deste ano.
Contudo, apesar da área redu-
zida pela falta de sementes, a
produtividade foi 44,7% maior
e a produção também cresceu,
passando de 15,6 mil toneladas
para 21,5 mil toneladas.
Na avaliação do gerente de
Tecnologia Agrícola da BSBIOS,
Fábio Júnior Benin, a canola
está deixando de ser uma “cul-
tura alternativa” para ser uma
“cultura permanente” nos siste-
mas produtivos da Região Sul e
Centro-Oeste do Brasil. “Nos últi-
mos anos, importantes fatores
que tem ligação direta com o cul-
tivo da canola foram ajustados
como, por exemplo, a publicação
do zoneamento agroclimático, a
consolidação do mercado pro-
dutor de biodiesel, a profissio-
nalização da produção com a
capacitação de profissionais com
conhecimento específico para a
cultura da canola e um mercado
consumidor de óleo vegetal em
franca expansão”, avalia Benin.
(Sarah Ribeiro)
“Vamos
sempre à busca
de novidades que
tragam benefícios
ao produtor”
O Carioquinha
e o Juriti são
conhecidos como
feijão de cor pela
população
Experimentos com 37 híbridos estão sendo avaliados
Caderno
SSafrasSafras
2012/13
DIVULGAÇÃO
DIVULGAÇÃO
Caderno
SSafrasSafras
2012/13
Caderno Especial
Maio/2013
Diário dos Campos
Maio/2013
D
esde dezembro, os produ-
tores de batata da região
estão trabalhando na
colheita, atividade que segue até
o início de junho próximo. Diante
do volume colhido até o momento,
cerca de 40%, o Departamento de
Economia Rural do núcleo regio-
nal da Secretaria de Estado da
Agricultura e do Abastecimento
(Deral/Seab) em Ponta Grossa
estima que a safra 2012/2013
(das águas) será de 86.200 tone-
ladas, 400 toneladas a mais que a
obtida no ano passado.
Segundo o engenheiro agrô-
nomo do Deral, José Roberto
Tosato, houve aumento de área
plantada. Nesta safra, foram
2.915 hectares destinados para
a batata. Já na passada a área
correspondeu a 2.770 hectares.
O plantio aconteceu do final de
agosto a 15 de novembro de
2012.
Oagrônomodestacaqueestá
sendo registrada menor produti-
vidade nas lavouras. Enquanto
no passado os produtores colhe-
ram em média 30.900 quilos por
hectare, agora a rentabilidade
gira em torno de 29.500 quilos
por hectares. “A produtividade
está caindo devido ao excesso
de chuvas nos meses de feve-
reiro e março”, explica.
De acordo com o agrônomo,
produtores dos municípios de
Palmeira, Porto Amazonas, São
João do Triunfo e parte de Ponta
Grossa, na sua grande maioria,
plantam a batata comum, sendo
as variedades denominadas de
Monalisa e Ághata.
Já nos demais municípios a
batata é cultivada em áreas tec-
nificadas e com irrigação. “Estes
produtores firmam contratos
com as grandes indústrias de ali-
mentação. A produção é exclu-
sivamente voltada para a fritura
e quem compra são empresas
como a Elma Chips”, conta.
Segundo o agrônomo, o
preço pelo qual esta batata é
negociada pelos produtores é
mantido em sigilo, já que envol-
ve companhias alimentícias.
A região é grande produto-
ra de batata do Paraná, fican-
do atrás apenas de Curitiba e
Guarapuava.
Secas
A batata das secas, com
plantio a partir de 15 de dezem-
bro até final de fevereiro e
colheita de abril até o início de
junho, terá safra regional menor
que a do ano passado. Nesta
(2012/2013), a produção está
estimada em 50.500 tonela-
das, ou seja, 20.300 toneladas
a menos que a registrada em
2011/2012, quando foram colhi-
das 70.800 toneladas.
A área destinada ao plantio
também foi reduzida, passando
de 2.175 hectares para 2.080 hec-
tares. A produtividade está menor
nesta safra. A média chegou a 32
mil quilos por hectare no ano pas-
sado e agora está em torno de 25
mil quilos por hectare.
O agrônomo explica que a
safra das secas é plantada – na
maioria - por grandes produtores.
“Eles já têm área definida para
esta batata e plantam para fazer
a rotação de culturas, como soja
e milho”, esclarece. A produção é
vendida para a indústria.
Em Palmeira, Porto
Amazonas, São João do Triunfo
e parte de Ponta Grossa – onde
estão pequenos produtores – a
batata é vendida para o merca-
do interno. As variedades são
Monalisa e Ághata.
Safra Área plantada (hectares) Produção Produtividade (por hectare)
Safra Área plantada (hectares) Produção Produtividade (por hectare)
Fonte: Deral/Seab PG
Produtores elevam
produção deprodução de
batata das águas
Batata é produzida para grandes indústrias
alimentícias. Área e produtividade também
aumentaram em relação à safra passada
Colheita da batata será finalizada no próximo mês de junho
Unidade em Ponta Grossa fica às margens da BR-376
Das Assessorias
P
resente no mercado a mais de
40 anos, a marca de sementes
Batavo inicia uma nova fase.
Para atender a crescente demanda
externa, a Cooperativa Batavo saltará
de uma produção anual de 360 mil
sacas de 40 quilos de sementes de
soja para mais de 500 mil sacas ao
ano até 2014, sem contabilizar as
sementes produzidas de trigo, que
somam mais de 180 mil ao ano. Este
crescimento está na confiança do pro-
dutor rural no produto. A tradição de
semente de qualidade, aliada a cons-
tante inovação, são quesitos impor-
tantes para uma boa safra. O resul-
tado tem refletido na lavoura, com
níveis de rendimento crescentes.
Os constantes investimentos tam-
bém aprovam a crescente demanda.
Há seis anos, a Cooperativa Batavo
adquiriu uma unidade em Ponta
Grossa, às margens da BR-376,
e investiu em sua ampliação para
segregar as variedades de semen-
tes produzidas. Agora, anuncia um
novo investimento numa Unidade
de Beneficiamento de Sementes em
Tibagi, a cidade que mais produz trigo
no Brasil. Além de concentrar um
número expressivo de associados da
Batavo, o município tem uma grande
vocação para o cultivo de sementes,
uma tradição histórica na cooperativa.
Todo este trabalho em função
de produtos de qualidade vem de
assistência técnica profissionalizada
e atuante, aliada ao amparo tecnoló-
gico da Fundação ABC, com matriz
no município de Castro, que apre-
senta alternativas de produção e os
avanços tecnológicos desenvolvidos
através de pesquisas que faz com
seus parceiros.
Sementes
As Sementes Batavo são con-
sideradas no mercado como “as
Sementes do Plantio Direto”. Isto sur-
giu pelo pioneirismo da Cooperativa
Batavo na adoção da prática do
plantio direto nos Campos Gerais.
Desenvolvido na região na déca-
da de 70, este sistema refletiu na
sustentabilidade das atividades no
campo, tendo a Fundação ABC como
apoiadora e sustentadora na assis-
tência técnica para melhoramentos
de qualidade e produtividade.
Batavo expande unidade de sementesBatavo expande unidade de sementes
Investimento da Cooperativa Batavo será realizado em Tibagi,
município que mais produz trigo no Brasil
Caderno
SafrasSafras
2012/13
Caderno
SafrasSafras
2012/13
agro
BENEFICIAMENTO E ARMAZENAGEM
SOJA - MILHO - TRIGO
( )BR 376, KM 510 - 42 3223-0999
pecialCaderno Es
Maiooo/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////22222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222200000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000011111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111133333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333
Colheita da batata será finalizada no próximo mês de junho
PONTA GROSSA
- Rua Dom Pedro II, 283
(em frente ao Shopping Total)
42 3028-2900
- Av. Senador Flávio Carvalho Guimarães km 324
42 3239-2200
PRUDENTÓPOLIS
- Rua Mal. Deodoro, 1333 - 42 3446-1991
D
e olho na rentabilida-
de do trigo no mercado
interno, com a saca de
60 quilos sendo negociada entre
R$ 42 e R$ 45, os produtores
estão dispostos a investir no
plantio. Para tanto, a área plan-
tada com o cereal nos Campos
Gerais deve passar de 133 mil
hectares para 150 mil hectares.
A estimativa é do Departamento
de Economia Rural (Deral) do
núcleo regional da Secretaria
de Estado da Agricultura e do
Abastecimento (Seab) em Ponta
Grossa. A safra já começou a ser
plantada.
De acordo com o engenhei-
ro agrônomo do Deral, José
Roberto Tosato, o principal
cereal de inverno começou
a ser plantado neste mês de
maio em municípios mais ao
Norte como Arapoti, Sengés e
Tibagi. “Os produtores inicia-
ram o plantio mesmo preocu-
pados com o clima. No começo
de maio o solo estava muito
seco, pois não chove desde a
segunda quinzena de abril, e
as temperaturas estavam muito
elevadas”, lembra o agrônomo.
“Mesmo assim
prevemos um
aumento entre
15% e 20% na
área plantada
em relação à
safra passada
devido aos bons
preços do trigo”,
completa.
A oferta reduzida do trigo
fora do mercado brasileiro é
outro fator que está pesando na
decisão dos produtores. “Temos
boas perspectivas internacionais
para o nosso trigo. A safra nos
outros países não foi a espera-
da”, conta. O plantio em Ponta
Grossa e em Castro deverá se
intensificar a partir do próximo
dia 10 de junho, seguindo até a
primeira semana de julho. “Mas
isto dependerá do clima. É pre-
ciso chuva e frio para que as
culturas de inverno se desenvol-
vam”, explica.
Se as condições climáticas
forem dentro da normalidade
para o inverno, os produtores
irão colher em torno de 505 mil
toneladas, volume maior que a
obtida na safra passada, quan-
do foram colhidas 410 mil tone-
ladas. “Foi uma ótima safra.
As condições climáticas foram
favoráveis à boa produtivida-
de”, comenta.
Já a produtividade prevista
para a safra varia de 3.200 qui-
los por hectare a 3.500 quilos
por hectare. “O início do plantio
foi prejudicado pela estiagem
da segunda quinzena de abril,
mas se houver chuva regular
nas áreas plantadas certamen-
te a cultura se desenvolverá
como o espe-
rado”, diz. No
ano passado,
a produtivida-
de média foi de
3.350 quilos por
hectare. “Além
do clima, a tec-
nologia utilizada
nas lavouras também é muito
importante. A região tem poten-
cial para produzir mais”, avalia.
Contrato
Segundo o agrônomo, a
exemplo das últimas safras,
nesta os produtores farão a
venda futura. “Estão sendo fir-
mados contratos antecipados
de opção com variedades defi-
nidas”, conta ao observar que
há uma grande expectativa em
torno desta safra, já que um
novo moinho de trigo entrará
em funcionamento em fevereiro
do ano que vem. A unidade
está sendo construída pelas
Cooperativas Batavo, Capal e
Castrolanda, em Ponta Grossa.
“Este moinho traz esperança
aos produtores”, finaliza.
Plantio
O gerente geral da Fazenda
Boa Vista, em Ponta Grossa,
Renato Sterling, conta que a
propriedade já iniciou o plantio
do trigo, mas optou por não
aumentar a área, mesmo às
expectativas para a safra sendo
favoráveis.
Caderno Especial
Maio/2013
Diário dos Campos
Maio/2013
Produtores nos Campos Gerais já iniciaram o plantio do trigo
Preço do trigo leva ao
aumento da área plantada
Produtores da região iniciaram plantio
em área de 150 mil hectares. Na safra passada,
principal cereal de inverno ocupou 133 mil
hectares nos Campos Gerais
É preciso
chuva e frio para
que as culturas
de inverno se
desenvolvam”
Ano Área plantada Safra Produtividade nas lavouras
Fonte: Deral/SeabFonte: Deral/Seab
Caderno
SSafrasSafras
2012/13
Caderno
SSafrasSafras
2012/13
Agência Estadual
No Paraná a safra
de grãos de verão
2012/13 caminha para
o final do ciclo e o resul-
tado estimado aponta
para um recorde de
produção liderado
pela soja. A Secretaria
da Agricultura e do
Abastecimento divul-
gou levantamento
do Departamento de
Economia Rural (Deral)
que revela uma colhei-
ta de 23,35 milhões
de toneladas duran-
te a safra de verão,
que corresponde a um
aumento de 30% sobre
a safra passada.
Esse desempenho
induz à projeção de uma
safra recorde de grãos
em 2013 com um volu-
me de 38,77 milhões de
toneladas, consideran-
do a produção do ano
inteiro incluindo a safra
de verão, a safrinha e a
safra de inverno, em andamento
no Paraná. Esse resultado pode-
rá ser confirmado se não houver
problemas com o clima daqui
para frente.
Na safra de verão, o culti-
vo de soja liderou a produção
e está sendo colhido o maior
volume de produção, avaliado
em 15,68 milhões de tonela-
das do grão. Esse resultado
é recorde e representa um
aumento de 45% sobre a soja
produzida no ano passado, que
sofreu os efeitos do clima como
a estiagem durante o período
de desenvolvimento.
O aumento na produção de
soja esse ano foi decorrente do
aumento de área plantada, da
ordem de 6%, e do clima favo-
rável durante o ciclo de desen-
volvimento. Para o diretor do
Deral, Francisco Carlos Simioni,
esse avanço na produção agrí-
cola paranaense deve ser cre-
ditado também ao esforço do
produtor rural,
que vem aces-
sando com muita
competência os
ensinamentos da
assistência técni-
ca e da pesquisa
pública e privada,
que têm propor-
cionado o uso de tecnologia de
ponta no meio rural. “A evolução
do produtor e o bom desempe-
nho do clima está permitindo um
aumento de produtividade para
todas as culturas da safra de
verão”, disse.
Milho
O milho da primeira safra
também teve um bom desem-
penho, com uma colheita de
7,16 milhões de toneladas, volu-
me 9% acima
da produção em
igual período
do ano passa-
do. A técnica do
Deral, engenhei-
ra agrônoma
Juliana Tieme
Yagushi, tam-
bém atribui o bom resultado
ao clima favorável e ao uso de
tecnologia por parte do produ-
tor. Ela chama a atenção para
o bom desempenho da cultura,
considerando que na primeira
safra de milho o resultado foi
maior em relação ao ano pas-
sado, mesmo com redução de
10% na área plantada, que caiu
de 975.789 hectares plantados
na safra 2011/12 para 878.090
plantados na safra 2012/13.
O milho da segunda safra
concluiu o plantio e a área
ocupada com a cultura cresceu
5%, passando de 2,04 milhões
de hectares plantados no ano
passado para 2,14 milhões de
hectares plantados esse ano.
O potencial produtivo da cultu-
ra aponta para 11,5 milhões de
toneladas, se não for afetada
pelo clima.
Feijão
A segunda safra de feijão
também apresenta resultados
animadores com a colheita de
453.913 toneladas, volume
32% acima da safra cultivada
em igual período do ano passa-
do. “É o maior volume colhido
nesse período nos últimos seis
anos”, disse o técnico Carlos
Alberto Salvador.
Trigo
O trigo está em período de
plantio e a área ocupada está
9% acima do ano passado,
indicando leve recuperação de
área plantada no Estado. Este
ano a cultura deverá ser planta-
da em cerca de 855 mil hecta-
res. A expectativa de produção
aponta para 2,57 milhões de
toneladas, 21% acima da pro-
dução do ano passado, que foi
de 2,11 milhões de toneladas.
Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare)
Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare)
Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare)
Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare)
Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare)
Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare)
Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare)
Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare)
Fonte: Deral/núcleo regional da Seab em Ponta Grossa
Esse
desempenho induz
à projeção de uma
safra recorde de
grãos em 2013
Paraná colherá produção recorde de grãos
Safra de grãos não está totalmente colhida, porém estimativa
do Deral aponta para uma colheita de 23,35 milhões de toneladas no Estado
D
iferente do triticale –
substituto do milho - que
teve a área reduzida nos
últimos anos, a aveia branca vem
conquistando os produtores da
região. O plantio – que se iniciou
neste mês – deve alcançar 29 mil
hectares, quatro mil a mais que
na safra passada, quando foram
destinados 25 mil hectares.
De acordo com o engenhei-
ro agrônomo do Deral, José
Roberto Tosato, a produtividade
estimada gira entre 3.200 quilos
por hectare e 3.500 quilos por
hectare. Na safra passada os
produtores colheram em média
3.400 quilos por hectare.
Segundo ele, se as condi-
ções climáticas forem favorá-
veis (chuvas periódicas, frio e
sol durante o dia) os produtores
irão colher 95 mil toneladas de
aveia branca, 25 mil toneladas
a mais que na safra passada,
quando foram colhidas 70 mil
toneladas.
Para o agrônomo, entre os
motivos que levam os produ-
tores a plantar a aveia branca
está o retorno financeiro, sendo
que a tonelada está sendo ven-
dida a R$ 300. A rotação de
cultura é outro fator. “Os produ-
tores precisam fazer a rotação,
então plantam aveia branca.
Além disto, este cereal é opção
de cultura e os produtores da
região têm tecnologia para fazer
o plantio”, conta.
Mercado
A aveia branca é comer-
cializada junto à Elma Chips e
aos moinhos para alimentação
humana.
Diário dos Campos
Maio/2013
U
m levantamento realiza-
do pelo Departamento de
Economia Rural (Deral)
do núcleo regional da Secretaria
de Estado da Agricultura e do
Abastecimento (Seab) mostra
que nos últimos quatro anos a
produção de trigo na região cres-
ceu 30,32%. Enquanto em 2009
os produtores colheram 310 mil
toneladas, no ano passado foram
404 mil toneladas.
Segundo o engenheiro
agrônomo do Departamento
de Economia Rural (Deral) do
núcleo regional da Secretaria
de Estado da Agricultura e do
Abastecimento (Seab) em Ponta
Grossa, José Roberto Tosato, em
quatro anos os produtores eleva-
ram também a produtividade nas
lavouras. Em 2009, foram colhi-
dos 2.020 quilos por hectare, já
no ano passado, 3.100 quilos por
hectare. “As boas condições cli-
máticas, com chuvas regulares,
clima frio e sol durante o dia para
garantir a luminosidade, são fun-
damentais para a produtividade,
bem como a tecnologia empre-
gada nas lavouras”, explica.
Por outro lado, os produtores
reduziram a área plantada ao
longo destes anos. Foram 153 mil
hectares no ano de 2009; 125,50
mil hectares em 2010; 152,70 mil
hectares em 2011 e 130,30 mil
hectares no ano passado.
Aveia branca ganha
área nas propriedades
Aveia branca está despertando
interesse dos produtores
Caderno
SSafrasSafras
2012/13
Produção cresce
30,32% em quatro anos
DIVULGAÇÃO
A
agência paranaense
do Banco Regional de
Desenvolvimento do
Extremo Sul (BRDE) empres-
tou para os produtores dos
Campos Gerais mais de R$ 22
milhões, valor investido na safra
2012/2013, montante 34,85%
superior ao concedido na ante-
rior, quando o financiamento aos
agricultores da região somaram
R$ 16,31 milhões. O BRDE não
financia o custeio, mas projetos
de investimento de longo prazo.
De acordo com a gerente de
Planejamento do BRDE no Paraná,
Juliana Souza Dallastra, as linhas
de crédito mais solicitadas foram
para a compra de máquinas e
equipamentos agrícolas, com taxa
de juros de 3% ao ano e prazo de
pagamento chegando a dez anos,
sendo dois anos de
carência.
Para investi-
mento na moderni-
zação e infraestru-
tura do setor rela-
cionado à pecuária
leiteira as linhas
contam com juros
de 5,5% ao ano e a quitação pode
ser feita também num prazo de até
dez anos, já a carência chega a
36 meses.
Para o plantio de floresta e
projetos de integração lavoura,
pecuária e floresta, os produtores
optaram por linhas com juros de
5% ano e pagamento em até 15
anos, com carência iniciando em
um ano. Já na linha de crédito
para projetos de irrigação e arma-
zenagem os juros são de 5,5%
ao ano, o prazo de pagamento
de até 12 anos e carência de três
anos.
Dentre todas as linhas, o des-
taque é para aquisição de máqui-
nas e equipamentos. “Na safra
2011/2012 foram repassados R$
3,15 milhões para investimentos
em maquinário. Já no período
2012/2013 mais que dobrou este
valor e os agricultores receberam
o aporte de R$ 8,72 milhões para
adquirir novos equipamentos”,
informa o banco.
Para o superintendente da
agência do BRDE no Paraná,
Paulo Cesar Starke Junior, “o prin-
cipal foco do BRDE é financiar
investimentos no agronegócio,
tanto na melhoria de produtivi-
dade das áreas agrícolas como
na constituição ou renovação da
frota de máquinas e equipamen-
tos ou, ainda, na infraestrutura
para atender a armazenagem e
parques industriais que benefi-
ciem e agreguem valor aos pro-
dutos agrícola”.
Segundo ele, “nos Campos
Gerais, o banco apoia, também,
a produção de
sementes e a sil-
vicultura, a cadeia
produtora de aves,
suínos e da pecu-
ária leiteira. Nossa
estratégia em
Ponta Grossa é
atender diretamen-
te os produtores rurais com funcio-
nários que se deslocam até a região
para realizar visitas técnicas. Basta
ligar, que agendamos a visita. Outra
alternativa são os financiamentos
por meio de parcerias com coope-
rativas locais e com as revendas
de máquinas agrícolas. A região
tem muito ainda a explorar no setor
agrícola e pode seguir investindo
com apoio técnico e através das
linhas de crédito do BRDE”.
Caderno Especial
Maio/2013
Caderno Especial
Maio/2013
A agência paranaense do
BRDE foi responsável pelo
financiamento de R$ 272,50
milhões para a safra de
verão que tem a colheita
finalizada agora.
PARANÁ
“Na safra
2011/2012 foram
repassados R$ 3,15 mi
para investimentos
em maquinário”
Caderno
SSafrasSafras
2012/13
Caderno
SSafrasSafras
2012/13Valor financiado na safra 2012/2013 é 34,85% maior que o registrado na anterior. Linha de crédito
mais utilizada pelos produtores da região é para aquisição de máquinas e equipamentos
Safra regional recebe R$ 22 mi do BRDEÁGATHA TREZUB DÉA / ESTAGIÁRIA DE COMUNICAÇÃO
Das lavouras dos Campos Gerais saem principalmente soja, milho, feijão, trigo e batata.
Municípios como Castro e Tibagi são destaques nacionais
Valor Bruto da Produção soma R$ 5,98 bi
O
Valor Bruto da Produção
(VBP) agropecuária da região
somou R$ 5,98 bilhões em
2011. O VBP foi divulgado no final
de 2012, sendo que os dados daque-
le ano deverão sair nos próximos
meses, já que ainda estão sendo
contabilizados pela
Secretaria de Estado
da Agricultura e do
Abastecimento (Seab).
NosCamposGerais,
Castro é o município
com o maior Valor Bruto
da Produção. Foram R$
956,1 milhões em 2011.
O volume é superior ao registrado em
2010, quando o VBP somou R$ 804,8
milhões.
Tibagi aparece em segundo lugar
no ranking, com R$ 499,7 milhões em
2011. O município é o maior produtor
nacional de trigo e o principal sojicultor
da região.
Piraí do Sul aparece em terceiro
lugar, com valor de R$ 442,6 milhões
em 2011. No ano anterior, o VBP cor-
respondeu a R$ 359,1 milhões.
Na sequência, está posicionada
Palmeira, com R$ 334,5 milhões em
2011 e R$ 268,5 milhões em 2010;
Ponta Grossa, com R$ 333,5 milhões
em 2011 e R$ 263,5
milhões em 2010. O
município é grande
produtor de soja, milho,
trigo, batata e feijão.
Segundo o levanta-
mentodoDepartamento
de Economia Rural
(Deral) do núcleo
regional da Seab, Carambeí apresen-
tou Valor Bruto de R$ 328,3 milhões
em 2011. Já em 2010 foram R$ 332,41
milhões. É o segundo maior produtor
de leite na região. Castro é o primeiro
no Brasil.
Arapoti, que também possui bacia
leiteira, apresentou VBP em 2011 de
R$ 312 milhões. Foram R$ 297,6
milhões no ano anterior. Já Reserva –
maior produtor de tomate – registrou
Valor Bruto da Produção de R$ 309,4
milhões em 2011 e de R$ 271,46
milhões em 2010.
O VBP de Telêmaco Borba ficou
em R$ 265,8 milhões em 2011, mon-
tante relativamente superior ao obtido
em 2010, quando o valor correspon-
deu a R$ 254,7 milhões.
Em Ortigueira, a Seab apurou um
VBP de R$ 252,9 milhões em 2011 e
de R$ 202,5 milhões em 2010. Apesar
de o município ser grande produtor de
mel, das lavouras saem soja, milho e
trigo.
Prudentópolis contribuiu com o
Paraná com um Valor Bruto de R$
244,5 milhões em 2011. E 2010 foram
R$ 217,7 milhões.
Considerado um dos maiores pro-
dutores de cebola do Estado, Irati
também cresceu em Valor Bruto, pas-
sando de R$ 216,9 milhões em 2010
para R$ 229,7 milhões em 2011. Fonte: Deral/Seab Ponta GrossaFonte: Deral/Seab Ponta Grossa
Município Valor Bruto da Produção
Arapoti R$ 312,0 milhões
Carambeí R$ 328,3 milhões
Castro R$ 956,1 milhões
Guamiranga R$ 101,3 milhões
Imbaú R$ 72,9 milhões
Imbituva R$ 188,1 milhões
Ipiranga R$ 192,4 milhões
Irati R$ 229,7 milhões
Ivaí R$ 136,0 milhões
Jaguariaíva R$ 198 milhões
Ortigueira R$ 252,9 milhões
Palmeira R$ 334,5 milhões
Piraí do Sul R$ 442,6 milhões
Ponta Grossa R$ 333,5 milhões
Porto Amazonas R$ 41,4 milhões
Prudentópolis R$ 244,5 milhões
Reserva R$ 309,4 milhões
São João do Triunfo R$ 120,9 milhões
Sengés R$ 105,5 milhões
Teixeira Soares R$ 204,7 milhões
Telêmaco Borba R$ 265,8 milhões
Tibagi R$ 499,7 milhões
Ventania R$ 112,6 milhões
Agência Estadual
Aagricultura paranaense poderá atin-
gir o valor recorde de R$ 52 bilhões em
Valor Bruto da Produção (VBP) em 2012,
referente à comercialização da safra
agrícola e pecuária 2011/12. Esta é a pri-
meira estimativa do VBP de 2012 divul-
gado pelo Departamento de Economia
Rural (Deral), da Secretaria estadual da
Agricultura e do Abastecimento.
A estimativa do VBP de 2012 poderá
representar um acréscimo de 3% sobre
o VBP de 2011, que teve um faturamen-
to bruto de R$ 50,4 bilhões, que tam-
bém foi recorde. A estimativa atual refle-
te o aumento significativo das cotações
de soja e milho, grãos em que o Paraná
se destaca como grande produtor e que
foram responsáveis por boa parte da
pauta de exportações do Estado.
O aumento de preços dos grãos no
mercado externo compensou, em parte,
a quebra de produção registrada na
safra 11/12 em função de severa estia-
gem que atingiu o Paraná no início do
ano passado.
Para o secretário da Agricultura e do
Abastecimento, Norberto Ortigara, ape-
sar do clima que dizimou boa parte da
produção de grãos no primeiro semestre
de 2012, o VBP indica que a renda no
campo conseguiu crescer impulsionada
pela posição compradora de commodi-
ties no mundo, face à quebra da safra
agrícola nos Estados Unidos, Argentina,
Brasil, que são grandes países produto-
res de grãos.
Ortigara ressalta que esse quadro
demonstra mais uma vez o vigor e a
importância da Agricultura na economia
paranaense. Ele diz que o setor respon-
deu imediatamente ao reposicionamen-
to do mercado, embora nem todos os
produtores se beneficiaram do aumento
de preços porque a maior parte já havia
vendido sua produção.
Essa é a primeira versão do VBP
2012, calculado pelo Departamento de
Economia Rural (Deral). Resultados
mais consolidados ainda serão envia-
dos à Secretaria da Fazenda e às
prefeituras até o final de junho. As
prefeituras terão um prazo para entrar
com recursos caso achem necessário
questionar a estimativa final que ainda
será apresentada.
O Deral faz a estimativa de fatura-
mento bruto da produção agropecuária
de aproximadamente 500 itens em todo
o Estado. O resultado é utilizado pela
Secretaria da Fazenda para compor a
cesta de índices que forma o Fundo de
Participação dos Municípios (FPM).
AGRICULTURA - O Valor Bruto da
Produção da Agricultura de 2012 refle-
te a quebra de produção na primeira
safra de grãos por causa da estiagem
e a compensação com o aumento de
preços durante o ciclo da segunda safra
de grãos plantada no Estado. Outras
culturas plantadas em larga escala no
Paraná como mandioca, fumo, cebola
e tomate também contribuem com o
incremento do VBP agrícola.
A soja continua a liderar o ranking
de renda no campo, com um fatura-
mento bruto de R$ 9 bilhões em 2012.
Esse resultado representa uma redu-
ção de quase R$ 2 bilhões em relação
a 2011 quando o faturamento bruto da
soja atingiu R$ 10,8 bilhões. A econo-
mista do Deral, Fernanda Yonamini,
atribuiu a queda na renda da soja à
quebra de 30% na produção em função
da estiagem.
Em compensação, a renda obtida
com a comercialização de milho aumen-
tou em R$ 1,5 bilhão, principalmente em
função da comercialização da segunda
safra que foi beneficiada pelo aumento
de preços do mercado externo.
Previsão de recorde nas lavouras do Paraná
Nos Campos
Gerais, Castro é
o município com o
maior Valor Bruto
da Produção
Paulo: “o principal foco do BRDE é financiar investimentos no agronegócio”
Diário dos Campos
Maio/2013
Caderno
SSafrasSafras
2012/13
BRDE possui linhas de crédito para atender projetos de investimento
nos setores agrícola, pecuário e agroindustrial
Crédito é
destinado para
projetos de
investimento
Das Assessorias
O
BRDE possui linhas de
crédito especiais para
atender projetos de
investimento nos setores agrí-
cola, pecuário e agroindustrial.
O banco trabalha com todos
os programas de financiamen-
to previstos pelo Ministério
da Agricultura, Pecuária e
Abastecimento (Mapa) e pelo
Ministério do Desenvolvimento
Agrário (MDA). As taxas de juros
variam e começam em 1% ao
ano, com prazos de pagamento
que chegam até 15 anos.
Pelas regras, podem ser
atendidos em planos de moderni-
zação de lavoura ou criação ani-
mal e conservação de recursos
naturais os produtores, coopera-
tivas, empresas e indústria com
bases rurais. Também aqueles
que querem investir em irriga-
ção e armazenagem, outros que
sonham com tratores, máquinas
e implementos nacionais novos,
e, ainda, os que projetam realizar
em suas propriedades a chama-
da agricultura de baixo carbono,
com a integração de lavoura,
pecuária e floresta num siste-
ma de manejo que traz menos
impacto à natureza e garante a
diversidade da produção e boa
lucratividade.
O BRDE também financia
projetos voltados para os ramos
de pecuária leiteira, de reflores-
tamento, avicultura, suinocultura,
pesca e da aquicultura. Cabe
destacar que a instituição finan-
ceira pública de fomento, que
tem como seus controladores os
governos dos estados do Paraná,
Santa Catarina e Rio Grande do
Sul, é especializada em financia-
mento de longo prazo e não no
custeio de gastos pontuais, como
a compra de insumos.
Em seus 52 anos de his-
tória, o BRDE se consolidou
nos estados onde está presente
(além dos estados da Região
Sul, também no Mato Grosso
do Sul através da agência do
Paraná) como grande parceiro
do homem do campo. Em ter-
ras paranaenses fomentou de
forma consistente o nascimento,
desenvolvimento e consolidação
das cooperativas agroindustriais
e, até hoje, caminha lado a lado
dessas que se tornaram as prin-
cipais empresas do Estado. A
força do cooperativismo cons-
truída com apoio irrestrito do
BRDE fixou e fixa famílias em
zonas rurais, garantindo empre-
go e renda ao interior.
O banco, também, nunca
deixou de apoiar diretamente o
produtor em seus projetos de
investimento. Do melhoramento
do solo à compra de máquinas
e equipamentos, a instituição
financeira oferece linhas de cré-
dito de longo prazo e com juros
baixos para atender todos aque-
les que fazem da terra o seu
grande negócio e dela tiram o
seu sustento.
Para atender um maior número de
produtores rurais, o Banco Regional
de Desenvolvimento do Extremo Sul
(BRDE) conta com diferentes linhas de
crédito e taxas de juros diferenciadas.
Aos pequenos produtores, por exem-
plo, o banco disponibiliza operações
com taxas de juros a partir de 1% ao
ano, através do Programa Nacional de
Fortalecimento da Agricultura Familiar
(Pronaf).
Para atender os projetos de inves-
timentos dos médios e grandes pro-
dutores, as taxas começam em 3%
ao ano e o prazo de pagamento pode
chegar a dez anos, com até 24 meses
de carência. Para tanto, oferece uma
linha do Programa de Sustentação do
Investimento (PSI) e atende aqueles
que planejam comprar máquinas e equi-
pamentos nacionais e novos.
O BRDE ressalta que há outras
instituições que também disponibilizam
financiamentos nos mesmos progra-
mas do banco, que são, neste caso,
originários do Banco Nacional de
Desenvolvimento Econômico e Social
(BNDES), porém com algumas diferen-
ças. “O BRDE não exige reciprocidade,
os prazos de carência e amortização
são os máximos permitidos, as garan-
tias reais, na maioria dos casos, são
constituídas pelos bens que são objeto
do financiamento e, ainda, ao optar pelo
banco de fomento, o produtor preserva
os recursos próprios para uso em seu
capital de giro e desconcentra seu endi-
vidamento, reduzindo a dependência e
preservando os limites de crédito nos
bancos comerciais”.
Banco tem linhas diferenciadas para os produtores
Juliana Souza Dallastra, gerente de Planejamento do BRDE no Paraná
ÁGATHA TREZUB DÉA / ESTAGIÁRIA DE COMUNICAÇÃO
DC - Quanto às cooperativas agrícolas
faturaram em 2012 e qual foi o crescimento
em relação a 2011?
João Paulo Koslovski - As 80 cooperati-
vas agropecuárias filiadas ao Sistema Ocepar
respondem por 56% da produção agrícola do
Estado e tiveram uma movimentação financeira
em 2012 de R$ 32,50 bilhões, 22% a mais que no
ano anterior, 2011. Ao todo, o cooperativismo no
Paraná movimentou em 2012 R$ 38,50 bilhões,
isto é, somando todos os ramos de atividades
representados pela Ocepar que são dez: agrope-
cuário, crédito, saúde, transporte, trabalho, infra-
estrutura, habitacional, educacional, consumo,
turismo e lazer.
DC- O crescimento das cooperativas foi
impulsionado principalmente por qual fator?
Koslovski – As cooperativas agropecuárias
participam de forma intensa em todo o processo
de produção, beneficiamento, armazenamento e
industrialização, fazendo com que o associado
seja um agente ativo tanto no mercado interno
e externo, como também nas ações sociais das
comunidades. São importantes instrumentos de
difusão de tecnologias e implementadoras de
políticas desenvolvimentistas, como a difusão
do crédito rural, armazenagem, manejo e con-
servação de solos, manejo integrado de pragas,
assentamento de agricultores, entre outros. Hoje
temos um verdadeiro exército de profissionais
de assistência técnica atuando no campo, 1.700
ao todo, atuando junto aos pro-
dutores através das cooperativas
agropecuárias.
DC- O que as cooperativas
representam para o desenvolvi-
mento local em muitas regiões
do Estado?
Koslovski - Em muitos muni-
cípios do Paraná, são as mais
importantes empresas, maiores
empregadoras e geradoras de
receitas. Cerca de um terço dos
produtores rurais do Estado do
Paraná são cooperados. A expres-
siva participação dos pequenos e
médios produtores – com área de
até 50 hectares - nas cooperati-
vas agropecuárias, representando
70% de seu total de coopera-
dos, evidencia a importância das
cooperativas para essa faixa de
produtores. A integração das cooperativas e a
agregação dos interesses dos produtores rurais
permitiram a montagem de estruturas de arma-
zenagem, representando mais de 55% de toda a
capacidade de estocagem instalada no Paraná.
DC – Porque os investimentos das coope-
rativas são importantes?
Koslovski - São fundamentais para a implan-
tação de novos projetos que levam à agregação
de valor sobre os produtos primários, aumentan-
do seu valor no mercado e melhorando a renda
dos mais de 130 mil cooperados. Com isto, o pro-
dutor pode reinvestir em sua atividade produtiva,
garantindo a oferta de matérias primas em níveis
permanentes e, ao mesmo tempo desenvolvendo
sua comunidade.
DC- As perdas que os Estados Unidos vêm
registrando nas lavouras influenciam a movi-
mentação das cooperativas do Paraná?
Koslovski – Acreditamos que, caso se con-
firme a redução de 102 milhões de toneladas de
milho e de seis milhões de toneladas de soja na
safra 2012/2013 nos Estados Unidos, devido a
estiagem que foi muito severa, sem sombra de
dúvida será uma oportunidade para a agricultura
brasileira e consequentemente para nossas coo-
perativas.
DC- As cooperativas do Paraná vêm inves-
tindo em agroindustrialização? O que isto
significa?
Koslovski – Em 2012, as
cooperativas agropecuárias do
Paraná ampliaram em 18% os
investimentos em seu complexo
agroindustrial e de infraestrutura
em armazenagem, com aportes
que totalizaram R$ 1,3 bilhão.
Resultando num impulso no pro-
cesso de industrialização e que
pode contribuir para a geração de
cerca de 5 mil novos empregos
diretos. Até 2015, as cooperati-
vas do Paraná esperam que pelo
menos 50% da sua movimen-
tação econômica seja resultan-
te de algum processo de indus-
trialização. Atualmente, 42% do
faturamento delas é proveniente
da venda de produtos industria-
lizados.
DC- Quantos empregos as
cooperativas do Paraná geram? Há cresci-
mento na abertura de postos de trabalho?
Koslovski – Atualmente o cooperativismo é
responsável por 67 mil empregos diretos, mas
se contarmos todo envolvimento que o sistema
tem com as comunidades onde uma cooperativa
se instala, podemos afirmar com certeza que
o cooperativismo gera mais de 1,6 milhão de
postos de trabalho no Paraná. É um dos gran-
des empregadores no Estado, especialmente no
setor agroindustrial.
DC- O quanto as cooperativas do Paraná
recolhem em impostos anualmente? O valor
vem crescendo? Quanto nos últimos dez
anos?
Koslovski – Somente em 2012 o total de
impostos recolhidos pelo cooperativismo foi de
R$ 1,5 bilhão e se somarmos tudo que já foi reco-
lhido em uma década chegamos a cifra de R$ 9,9
bilhões de impostos recolhidos pelo setor.
Caderno Especial
Maio/2013
Diário dos Campos
Maio/2013
“Cerca de
um terço dos
produtores rurais do
Estado do Paraná
são cooperados”
Caderno
SSafrasSafras
2012/13
Cooperativas
respondem por 56%
da produção agrícola
Em 2012, as cooperativas agropecuárias do Paraná ampliaram em 18% os
investimentos em seus complexos agroindustrial e de infraestrutura em armazenagem
O
ano de 2013 promete movimentar o
setor agrícola brasileiro. A safra de
grãos está consolidada e os produto-
res comemoram o resultado nas lavouras e os
preços no mercado agrícola. Agora, a expecta-
tiva é grande em relação às culturas de inver-
no, como o trigo, carro chefe. A previsão é de
uma colheita farta, resultado que impulsiona as
cooperativas e as leva a novos investimentos.
Para o presidente do Sistema Ocepar,
João Paulo Koslovski, o montante investido
pelas empresas é fundamental para a implan-
tação de novos projetos, medida que conduz
à agregação de valor sobre os produtos pri-
mários. Confira a entrevista com o presidente
sobre o comportamento e crescimento das
cooperativas ao longo dos anos e a tendência
de investimentos.
João Paulo Koslovski: 80 cooperativas estão filiadas ao sistema Ocepar
D
esde o final do ano
passado, os produtores
brasileiros estão con-
tando com mais um banco para
operar o crédito rural: a Caixa
Econômica Federal. Na região,
o projeto piloto foi colocado em
prática em abril último. Nestes
dois meses, a superintendência
regional já atendeu cerca de 300
agricultores e liberou em torno
de R$ 8 milhões, através de
financiamento. Neste momen-
to, o banco está emprestando
somente para custeio e investi-
mento agrícola e pecuário.
Para o gerente regional
da Caixa (Agência Francisco
Ribas), Denilson Silva, o núme-
ro de produtores atendidos de
abril para cá aponta para um
bom começo. “A Caixa tem
expertise em políticas públicas
e a entrada no agronegócio vai
possibilitar gerar mais riqueza
aos municípios”, considera.
Segundo ele, as linhas de
crédito rural oferecidas pela
Caixa são as mesmas dos
demais bancos, já que elas são
normatizadas pelo Banco Central
(BC), no entanto, entre as vanta-
gens dos produtores procurarem
a Caixa está o atendimento. “O
primeiro diferencial da Caixa está
no atendimento ao cliente e no
tamanho da rede. Na região, a
Caixa está expandido cada vez
mais as suas unidades”, diz.
O gerente reforça que, neste
momento, a Caixa está atenden-
do com crédito rural as linhas
de custeio e investimento e não
comercialização. Já entre as
culturas estão a soja, o milho,
o trigo e a pecuária de leite e
corte. As operações para o trigo
– principal cereal de inverno – se
iniciarão em julho próximo. “Os
produtores já podem procurar as
nossas agências para solicitar o
financiamento”, orienta.
Conforme o gerente, a Caixa
não está fazendo campanha de
mídia para contar que está no
agronegócio, porém vem reali-
zando um forte trabalho corpo
a corpo. “É prematuro fazer
uma campanha e não conse-
guir atender toda a demanda.
Como é um projeto piloto esta-
mos participando de pequenos
encontros e fazendo a divul-
gação junto aos produtores”,
explica.
Em nível nacional, a Caixa
possui R$ 2 bilhões para aten-
der os produtores, valor que
pode ser elevado. “Todo pro-
dutor que precisar de crédito
deve nos procurar, pois temos
recursos para eles”, frisa. Na
região, todas as agências já
estão preparadas para operar o
crédito rural. “A Caixa sabe que
a nossa região é basicamente
agrícola e 33% da economia
do país é o agronegócio, então
sabemos do tamanho do nosso
desafio”, observa.
Valor foi financiado para produtores da região de abril até agora. Cerca de
300 contratos foram firmados desde que a Caixa entrou para o mercado
Caixa entra no
agronegócio e contrata
R$ 8 mi em dois meses
Denilson: “o primeiro diferencial da
Caixa está no atendimento ao cliente”
DIVULGAÇÃO

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

4b15e36b0bf1eaab4368dcfb741d9405
4b15e36b0bf1eaab4368dcfb741d94054b15e36b0bf1eaab4368dcfb741d9405
4b15e36b0bf1eaab4368dcfb741d9405
ANTONIO INACIO FERRAZ
 
Clipping cnc 22052014 versao de impressao
Clipping cnc 22052014   versao de impressaoClipping cnc 22052014   versao de impressao
Clipping cnc 22052014 versao de impressao
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Caderno soja 2013 prova
Caderno soja 2013 provaCaderno soja 2013 prova
Caderno soja 2013 prova
Helio Gasparotti
 
Clipping cnc 22012018 versão de impressão
Clipping cnc 22012018   versão de impressãoClipping cnc 22012018   versão de impressão
Clipping cnc 22012018 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Ed13jul07
Ed13jul07Ed13jul07
Ed13jul07
Rafael Mermejo
 
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidadesProtocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
alcscens
 
Clipping cnc 08082017 versão de impressão
Clipping cnc 08082017   versão de impressãoClipping cnc 08082017   versão de impressão
Clipping cnc 08082017 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018
Luiz Valeriano
 
O Agronegócio Brasileiro
O Agronegócio BrasileiroO Agronegócio Brasileiro
O Agronegócio Brasileiro
Lucas Maciel Gomes Olini
 
O brasil dos_agrocombustiveis_v4
O brasil dos_agrocombustiveis_v4O brasil dos_agrocombustiveis_v4
O brasil dos_agrocombustiveis_v4
Zero.Com Blogspot
 
Mandiocultura dados 2013 14
Mandiocultura  dados 2013 14Mandiocultura  dados 2013 14
Mandiocultura dados 2013 14
Yasmin Haluan Porto Moura
 
Youblisher.com 1127496-cana mix-edi_o_82
Youblisher.com 1127496-cana mix-edi_o_82Youblisher.com 1127496-cana mix-edi_o_82
Youblisher.com 1127496-cana mix-edi_o_82
Lela Gomes
 
Ed48junho10
Ed48junho10Ed48junho10
Ed48junho10
Rafael Mermejo
 
Clipping cnc 30012015 versão de impressão
Clipping cnc 30012015   versão de impressãoClipping cnc 30012015   versão de impressão
Clipping cnc 30012015 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
1 introdução ao agronegócio 04 03
1 introdução ao agronegócio 04 031 introdução ao agronegócio 04 03
1 introdução ao agronegócio 04 03
Agronegócios
 
Ed58abril11
Ed58abril11Ed58abril11
Ed58abril11
Rafael Mermejo
 
Clipping cnc 20052015 versão de impressão
Clipping cnc 20052015   versão de impressãoClipping cnc 20052015   versão de impressão
Clipping cnc 20052015 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Clipping cnc 08022017 versão de impressão
Clipping cnc 08022017   versão de impressãoClipping cnc 08022017   versão de impressão
Clipping cnc 08022017 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Projeto de adimministração rural
Projeto de adimministração rural Projeto de adimministração rural
Projeto de adimministração rural
Anibia Vicente
 
Clipping cnc 21052015 versão de impressão
Clipping cnc 21052015   versão de impressãoClipping cnc 21052015   versão de impressão
Clipping cnc 21052015 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 

Mais procurados (20)

4b15e36b0bf1eaab4368dcfb741d9405
4b15e36b0bf1eaab4368dcfb741d94054b15e36b0bf1eaab4368dcfb741d9405
4b15e36b0bf1eaab4368dcfb741d9405
 
Clipping cnc 22052014 versao de impressao
Clipping cnc 22052014   versao de impressaoClipping cnc 22052014   versao de impressao
Clipping cnc 22052014 versao de impressao
 
Caderno soja 2013 prova
Caderno soja 2013 provaCaderno soja 2013 prova
Caderno soja 2013 prova
 
Clipping cnc 22012018 versão de impressão
Clipping cnc 22012018   versão de impressãoClipping cnc 22012018   versão de impressão
Clipping cnc 22012018 versão de impressão
 
Ed13jul07
Ed13jul07Ed13jul07
Ed13jul07
 
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidadesProtocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
Protocolo agroambiental: Riscos e oportunidades
 
Clipping cnc 08082017 versão de impressão
Clipping cnc 08082017   versão de impressãoClipping cnc 08082017   versão de impressão
Clipping cnc 08082017 versão de impressão
 
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018
Acompanhamento da Safra Brasileira de Café - 3º Levantamento - Setembro 2018
 
O Agronegócio Brasileiro
O Agronegócio BrasileiroO Agronegócio Brasileiro
O Agronegócio Brasileiro
 
O brasil dos_agrocombustiveis_v4
O brasil dos_agrocombustiveis_v4O brasil dos_agrocombustiveis_v4
O brasil dos_agrocombustiveis_v4
 
Mandiocultura dados 2013 14
Mandiocultura  dados 2013 14Mandiocultura  dados 2013 14
Mandiocultura dados 2013 14
 
Youblisher.com 1127496-cana mix-edi_o_82
Youblisher.com 1127496-cana mix-edi_o_82Youblisher.com 1127496-cana mix-edi_o_82
Youblisher.com 1127496-cana mix-edi_o_82
 
Ed48junho10
Ed48junho10Ed48junho10
Ed48junho10
 
Clipping cnc 30012015 versão de impressão
Clipping cnc 30012015   versão de impressãoClipping cnc 30012015   versão de impressão
Clipping cnc 30012015 versão de impressão
 
1 introdução ao agronegócio 04 03
1 introdução ao agronegócio 04 031 introdução ao agronegócio 04 03
1 introdução ao agronegócio 04 03
 
Ed58abril11
Ed58abril11Ed58abril11
Ed58abril11
 
Clipping cnc 20052015 versão de impressão
Clipping cnc 20052015   versão de impressãoClipping cnc 20052015   versão de impressão
Clipping cnc 20052015 versão de impressão
 
Clipping cnc 08022017 versão de impressão
Clipping cnc 08022017   versão de impressãoClipping cnc 08022017   versão de impressão
Clipping cnc 08022017 versão de impressão
 
Projeto de adimministração rural
Projeto de adimministração rural Projeto de adimministração rural
Projeto de adimministração rural
 
Clipping cnc 21052015 versão de impressão
Clipping cnc 21052015   versão de impressãoClipping cnc 21052015   versão de impressão
Clipping cnc 21052015 versão de impressão
 

Destaque

Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
melzynhabessa
 
Espacio privado
Espacio privadoEspacio privado
Espacio privado
Camilo Rubio Jimenez
 
Cantabria.
Cantabria.Cantabria.
Cantabria.
cris
 
Wikis und Enterprise 2.0 - Neue Arbeits- und Lernwelten)
Wikis und Enterprise 2.0 - Neue Arbeits- und Lernwelten)Wikis und Enterprise 2.0 - Neue Arbeits- und Lernwelten)
Wikis und Enterprise 2.0 - Neue Arbeits- und Lernwelten)
Headshift
 
Benvinguda d'Elna by Dinas ÒMNIA
Benvinguda d'Elna by Dinas ÒMNIABenvinguda d'Elna by Dinas ÒMNIA
Benvinguda d'Elna by Dinas ÒMNIAcesk gasulla ramon
 
Dental Implant Courses
Dental Implant CoursesDental Implant Courses
Dental Implant Courses
dentalimplantcourses
 
Pa apresentação
Pa   apresentaçãoPa   apresentação
Pa apresentação
valdirenepso
 
Union europea
Union europeaUnion europea
Union europeasacaideas
 
lugares del mundo
lugares del mundolugares del mundo
lugares del mundo
Jennyfer Diaz
 
Pa apresentação
Pa   apresentaçãoPa   apresentação
Pa apresentação
valdirenepso
 
Aniversário pg 2014
Aniversário pg 2014Aniversário pg 2014
Aniversário pg 2014
Franciel Oliveira
 
Иван Калинин - Как правильно выбрать язык программирования
Иван Калинин - Как правильно выбрать язык программированияИван Калинин - Как правильно выбрать язык программирования
Иван Калинин - Как правильно выбрать язык программированияYandex
 
Trivial
TrivialTrivial
Slideshare
SlideshareSlideshare
Slideshare
Cami Lopez
 
Nerea serrano 2º a PRIMERA EVALUACION
Nerea serrano 2º a PRIMERA EVALUACIONNerea serrano 2º a PRIMERA EVALUACION
Nerea serrano 2º a PRIMERA EVALUACION
paulaynerea
 
Problema sobre triángulo semejante
Problema sobre triángulo semejanteProblema sobre triángulo semejante
Problema sobre triángulo semejante
soniavillamilpcc
 
08 actividaddeaprendizaje
08 actividaddeaprendizaje08 actividaddeaprendizaje
08 actividaddeaprendizaje
carolinabaezsalirrosas
 

Destaque (20)

Screenshots
ScreenshotsScreenshots
Screenshots
 
Cluj
ClujCluj
Cluj
 
Elementos da comunicação
Elementos da comunicaçãoElementos da comunicação
Elementos da comunicação
 
Espacio privado
Espacio privadoEspacio privado
Espacio privado
 
Paradox
ParadoxParadox
Paradox
 
Cantabria.
Cantabria.Cantabria.
Cantabria.
 
Wikis und Enterprise 2.0 - Neue Arbeits- und Lernwelten)
Wikis und Enterprise 2.0 - Neue Arbeits- und Lernwelten)Wikis und Enterprise 2.0 - Neue Arbeits- und Lernwelten)
Wikis und Enterprise 2.0 - Neue Arbeits- und Lernwelten)
 
Benvinguda d'Elna by Dinas ÒMNIA
Benvinguda d'Elna by Dinas ÒMNIABenvinguda d'Elna by Dinas ÒMNIA
Benvinguda d'Elna by Dinas ÒMNIA
 
Dental Implant Courses
Dental Implant CoursesDental Implant Courses
Dental Implant Courses
 
Pa apresentação
Pa   apresentaçãoPa   apresentação
Pa apresentação
 
Union europea
Union europeaUnion europea
Union europea
 
lugares del mundo
lugares del mundolugares del mundo
lugares del mundo
 
Pa apresentação
Pa   apresentaçãoPa   apresentação
Pa apresentação
 
Aniversário pg 2014
Aniversário pg 2014Aniversário pg 2014
Aniversário pg 2014
 
Иван Калинин - Как правильно выбрать язык программирования
Иван Калинин - Как правильно выбрать язык программированияИван Калинин - Как правильно выбрать язык программирования
Иван Калинин - Как правильно выбрать язык программирования
 
Trivial
TrivialTrivial
Trivial
 
Slideshare
SlideshareSlideshare
Slideshare
 
Nerea serrano 2º a PRIMERA EVALUACION
Nerea serrano 2º a PRIMERA EVALUACIONNerea serrano 2º a PRIMERA EVALUACION
Nerea serrano 2º a PRIMERA EVALUACION
 
Problema sobre triángulo semejante
Problema sobre triángulo semejanteProblema sobre triángulo semejante
Problema sobre triángulo semejante
 
08 actividaddeaprendizaje
08 actividaddeaprendizaje08 actividaddeaprendizaje
08 actividaddeaprendizaje
 

Semelhante a Safras 2012/13

Gestão de Cooperativas - ELO SOJA.docx
Gestão de Cooperativas - ELO SOJA.docxGestão de Cooperativas - ELO SOJA.docx
Gestão de Cooperativas - ELO SOJA.docx
HELENO FAVACHO
 
Palestra.pptx
Palestra.pptxPalestra.pptx
Palestra.pptx
MarceloFernando23
 
Clipping cnc 19052014 versao de impressao
Clipping cnc 19052014   versao de impressaoClipping cnc 19052014   versao de impressao
Clipping cnc 19052014 versao de impressao
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Gestão de Cooperativas - ELO SOJA.pdf
Gestão de Cooperativas - ELO SOJA.pdfGestão de Cooperativas - ELO SOJA.pdf
Gestão de Cooperativas - ELO SOJA.pdf
HELENO FAVACHO
 
Agribusiness Brasileiro em Números
Agribusiness Brasileiro em NúmerosAgribusiness Brasileiro em Números
Agribusiness Brasileiro em Números
The Information Company
 
Clipping cnc 19062018
Clipping cnc 19062018Clipping cnc 19062018
Clipping cnc 19062018
Paulo André Colucci Kawasaki
 
NOVAS TECNOLOGIAS NO AGRONEGÓCIO - Brasil Econômico
NOVAS TECNOLOGIAS NO AGRONEGÓCIO - Brasil EconômicoNOVAS TECNOLOGIAS NO AGRONEGÓCIO - Brasil Econômico
NOVAS TECNOLOGIAS NO AGRONEGÓCIO - Brasil Econômico
NetNexusBrasil
 
Sistema-de-Producao-Cultivo-do-Milho.pdf
Sistema-de-Producao-Cultivo-do-Milho.pdfSistema-de-Producao-Cultivo-do-Milho.pdf
Sistema-de-Producao-Cultivo-do-Milho.pdf
ThowPong1
 
Clipping cnc 06032014 versão de impressão
Clipping cnc 06032014   versão de impressãoClipping cnc 06032014   versão de impressão
Clipping cnc 06032014 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Fenasucro & Acrocana
Fenasucro & AcrocanaFenasucro & Acrocana
Fenasucro & Acrocana
ACIDADE ON
 
Anuário Agricultura SC
Anuário Agricultura SCAnuário Agricultura SC
Anuário Agricultura SC
Marcos Vanzin
 
Relatório Carlos Cogo - 31 de julho
Relatório Carlos Cogo - 31 de julhoRelatório Carlos Cogo - 31 de julho
Relatório Carlos Cogo - 31 de julho
José Florentino
 
Clipping cnc 16022016 versão de impressão
Clipping cnc 16022016   versão de impressãoClipping cnc 16022016   versão de impressão
Clipping cnc 16022016 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Uso racional da água
Uso racional da águaUso racional da água
Uso racional da água
AguasGuariroba
 
Clipping cnc 30082016 versão de impressão
Clipping cnc 30082016   versão de impressãoClipping cnc 30082016   versão de impressão
Clipping cnc 30082016 versão de impressão
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Trab.final.5
Trab.final.5Trab.final.5
Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...
Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...
Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...
Rural Pecuária
 
Plano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergiaPlano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergia
Carlos Henrique Sousa
 
Clipping cnc 23092014 versao de impressao
Clipping cnc 23092014   versao de impressaoClipping cnc 23092014   versao de impressao
Clipping cnc 23092014 versao de impressao
Paulo André Colucci Kawasaki
 
Ed42dezembro09
Ed42dezembro09Ed42dezembro09
Ed42dezembro09
Rafael Mermejo
 

Semelhante a Safras 2012/13 (20)

Gestão de Cooperativas - ELO SOJA.docx
Gestão de Cooperativas - ELO SOJA.docxGestão de Cooperativas - ELO SOJA.docx
Gestão de Cooperativas - ELO SOJA.docx
 
Palestra.pptx
Palestra.pptxPalestra.pptx
Palestra.pptx
 
Clipping cnc 19052014 versao de impressao
Clipping cnc 19052014   versao de impressaoClipping cnc 19052014   versao de impressao
Clipping cnc 19052014 versao de impressao
 
Gestão de Cooperativas - ELO SOJA.pdf
Gestão de Cooperativas - ELO SOJA.pdfGestão de Cooperativas - ELO SOJA.pdf
Gestão de Cooperativas - ELO SOJA.pdf
 
Agribusiness Brasileiro em Números
Agribusiness Brasileiro em NúmerosAgribusiness Brasileiro em Números
Agribusiness Brasileiro em Números
 
Clipping cnc 19062018
Clipping cnc 19062018Clipping cnc 19062018
Clipping cnc 19062018
 
NOVAS TECNOLOGIAS NO AGRONEGÓCIO - Brasil Econômico
NOVAS TECNOLOGIAS NO AGRONEGÓCIO - Brasil EconômicoNOVAS TECNOLOGIAS NO AGRONEGÓCIO - Brasil Econômico
NOVAS TECNOLOGIAS NO AGRONEGÓCIO - Brasil Econômico
 
Sistema-de-Producao-Cultivo-do-Milho.pdf
Sistema-de-Producao-Cultivo-do-Milho.pdfSistema-de-Producao-Cultivo-do-Milho.pdf
Sistema-de-Producao-Cultivo-do-Milho.pdf
 
Clipping cnc 06032014 versão de impressão
Clipping cnc 06032014   versão de impressãoClipping cnc 06032014   versão de impressão
Clipping cnc 06032014 versão de impressão
 
Fenasucro & Acrocana
Fenasucro & AcrocanaFenasucro & Acrocana
Fenasucro & Acrocana
 
Anuário Agricultura SC
Anuário Agricultura SCAnuário Agricultura SC
Anuário Agricultura SC
 
Relatório Carlos Cogo - 31 de julho
Relatório Carlos Cogo - 31 de julhoRelatório Carlos Cogo - 31 de julho
Relatório Carlos Cogo - 31 de julho
 
Clipping cnc 16022016 versão de impressão
Clipping cnc 16022016   versão de impressãoClipping cnc 16022016   versão de impressão
Clipping cnc 16022016 versão de impressão
 
Uso racional da água
Uso racional da águaUso racional da água
Uso racional da água
 
Clipping cnc 30082016 versão de impressão
Clipping cnc 30082016   versão de impressãoClipping cnc 30082016   versão de impressão
Clipping cnc 30082016 versão de impressão
 
Trab.final.5
Trab.final.5Trab.final.5
Trab.final.5
 
Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...
Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...
Minas Gerais: Governo lança sétima edição do Panorama do Comércio Exterior do...
 
Plano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergiaPlano nacional de agroenergia
Plano nacional de agroenergia
 
Clipping cnc 23092014 versao de impressao
Clipping cnc 23092014   versao de impressaoClipping cnc 23092014   versao de impressao
Clipping cnc 23092014 versao de impressao
 
Ed42dezembro09
Ed42dezembro09Ed42dezembro09
Ed42dezembro09
 

Mais de Franciel Oliveira

Midia kit 2019 net
Midia kit 2019 netMidia kit 2019 net
Midia kit 2019 net
Franciel Oliveira
 
Cbn Agro
Cbn AgroCbn Agro
Agroleite 2018
Agroleite 2018Agroleite 2018
Agroleite 2018
Franciel Oliveira
 
Agribussines
AgribussinesAgribussines
Agribussines
Franciel Oliveira
 
Vamos Pintar 2018
Vamos Pintar 2018Vamos Pintar 2018
Vamos Pintar 2018
Franciel Oliveira
 
Top de marcas
Top de marcasTop de marcas
Top de marcas
Franciel Oliveira
 
Tabela 2018
Tabela 2018Tabela 2018
Tabela 2018
Franciel Oliveira
 
Setor Imobiliario
Setor ImobiliarioSetor Imobiliario
Setor Imobiliario
Franciel Oliveira
 
Setor Automotivo
Setor AutomotivoSetor Automotivo
Setor Automotivo
Franciel Oliveira
 
Revista DCmais
Revista DCmaisRevista DCmais
Revista DCmais
Franciel Oliveira
 
Retrospectiva 2018
Retrospectiva 2018Retrospectiva 2018
Retrospectiva 2018
Franciel Oliveira
 
Projeto Farm Progress Show
Projeto Farm Progress ShowProjeto Farm Progress Show
Projeto Farm Progress Show
Franciel Oliveira
 
Midia Kit
Midia KitMidia Kit
Revista DCmais 15ª
Revista DCmais 15ªRevista DCmais 15ª
Revista DCmais 15ª
Franciel Oliveira
 
Caderno Verao 2016
Caderno Verao 2016Caderno Verao 2016
Caderno Verao 2016
Franciel Oliveira
 
Livro Terra de Riquezas 2016
Livro Terra de Riquezas 2016Livro Terra de Riquezas 2016
Livro Terra de Riquezas 2016
Franciel Oliveira
 
Livro Terra de Riquezas 2017
Livro Terra de Riquezas 2017Livro Terra de Riquezas 2017
Livro Terra de Riquezas 2017
Franciel Oliveira
 
Revista dc mais 14 net
Revista dc mais 14 netRevista dc mais 14 net
Revista dc mais 14 net
Franciel Oliveira
 
Niver PG 2017
Niver PG 2017Niver PG 2017
Niver PG 2017
Franciel Oliveira
 

Mais de Franciel Oliveira (20)

Midia kit 2019 net
Midia kit 2019 netMidia kit 2019 net
Midia kit 2019 net
 
Copa 2018
Copa 2018Copa 2018
Copa 2018
 
Cbn Agro
Cbn AgroCbn Agro
Cbn Agro
 
Agroleite 2018
Agroleite 2018Agroleite 2018
Agroleite 2018
 
Agribussines
AgribussinesAgribussines
Agribussines
 
Vamos Pintar 2018
Vamos Pintar 2018Vamos Pintar 2018
Vamos Pintar 2018
 
Top de marcas
Top de marcasTop de marcas
Top de marcas
 
Tabela 2018
Tabela 2018Tabela 2018
Tabela 2018
 
Setor Imobiliario
Setor ImobiliarioSetor Imobiliario
Setor Imobiliario
 
Setor Automotivo
Setor AutomotivoSetor Automotivo
Setor Automotivo
 
Revista DCmais
Revista DCmaisRevista DCmais
Revista DCmais
 
Retrospectiva 2018
Retrospectiva 2018Retrospectiva 2018
Retrospectiva 2018
 
Projeto Farm Progress Show
Projeto Farm Progress ShowProjeto Farm Progress Show
Projeto Farm Progress Show
 
Midia Kit
Midia KitMidia Kit
Midia Kit
 
Revista DCmais 15ª
Revista DCmais 15ªRevista DCmais 15ª
Revista DCmais 15ª
 
Caderno Verao 2016
Caderno Verao 2016Caderno Verao 2016
Caderno Verao 2016
 
Livro Terra de Riquezas 2016
Livro Terra de Riquezas 2016Livro Terra de Riquezas 2016
Livro Terra de Riquezas 2016
 
Livro Terra de Riquezas 2017
Livro Terra de Riquezas 2017Livro Terra de Riquezas 2017
Livro Terra de Riquezas 2017
 
Revista dc mais 14 net
Revista dc mais 14 netRevista dc mais 14 net
Revista dc mais 14 net
 
Niver PG 2017
Niver PG 2017Niver PG 2017
Niver PG 2017
 

Safras 2012/13

  • 1. Safra deve chegar a 3,25 mi de toneladas 1,12 milhão de toneladas de milho Trigo ganha área maior de plantio Feijão das águas rende 71 mil toneladas DIÁRIO DOS CAMPOS | CADERNO ESPECIAL - MAIO/2013 Página 2 Página 4 Página 6 Página 10 Leia mais Com Valor Bruto da Produção (VPB) de R$ 5,98 bilhões, os Campos Gerais abrigam municípios que se destacam nacio- nalmente como é o caso de Tibagi, maior produtor nacional de trigo. O que a safra de grãos regional representa pode ser vista também na movimentação junto aos bancos. Só o BRDE financiou na safra 2012/2013, volume 34,85% maior que o registrado na anterior. O Caderno Safra – em sua primeira edição - traz as princi- pais informações sobre as lavouras, os números do sistema cooperativista, os programas do governo federal e as tendên- cias do agronegócio.
  • 2. A pesar do grande volume de chuvas nos meses de dezembro de 2012 e fevereiro deste ano, a safra de verão (2012/2013) na região deverá somar 3,25 milhões de toneladas de grãos. Isto signi- fica um aumento de 4,83% em relação à safra passada, quan- do foram colhidos 3,10 milhões de toneladas, sendo soja, milho (normal e safri- nha) e feijão (pri- meira e segunda safra). A maior área foi destinada ao plantio da soja. Foram aproxi- madamente 536 mil hectares plantados, 9,5% a mais que na safra 2011/2012, período em que os produtores plantaram em 490 mil hectares. Segundo o Departamento de Economia Rural (Deral) do núcleo regional da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab), a esti- mativa é uma safra de 1,85 milhão de toneladas (colheita encerrada na primeira quinze- na de maio), volume superior ao colhido na passada, quando os produtores registraram 1,65 milhão de toneladas. De acordo com o engenheiro agrônomodoDeral,JoséRoberto Tosato, apesar da colheita estar finalizada, ainda é preciso aguar- dar o processamento de todas as informações para então se chegar a um número preciso sobre a safra. “A produtividade média registrada nas lavouras é de 3.450 qui- los por hectare a 3.550 quilos por hectare, mas esta é uma esti- mativa”, diz. Para o agrô- nomo, a safra de 2012/2013 pode ser considerada boa. “Houve excesso de chuvas em dezem- bro e em fevereiro e isto fez aumentar o índice de doenças, o que reduziu a produtividade em algumas lavouras”, fala. Conforme o agrônomo, a umidade do solo também aca- bou prejudicando a qualidade do grão. “O maior volume está com boa qualidade, mas alguns pro- dutores perderam um pouco”, relata. A colheita se iniciou em março e seguiu os meses de abril e maio. “O trabalho teve que ser interrompido várias vezes por causa das chuvas”, lembra. A soja foi plantada entre os meses de outubro (a partir do dia 10) e dezembro (até a primeira semana). Mercado Entre os motivos que leva- ram os produtores a elevar a área plantada nesta safra está o preço. No ano passado, a saca de 60 quilos estava sendo vendida pelo valor médio de R$ 64. “As perspectivas eram boas devido ao mercado internacio- nal e a quebra da produção americana, com isto os produ- tores elevaram a área de plantio da soja e reduziram a do milho e feijão”, explica. Ele relata que a maior parte da produção foi comercializada ainda no ano passado, justamen- te em função do preço no mer- cado agrícola. Hoje a saca está cotada entre R$ 54 e R$ 58. O agrônomo destaca tam- bém o uso da tecnologia no campo, como fator que levou ao aumento da produção, além da área. “Quanto mais tecnologia maior é o resultado no campo”, comenta. Wilson Oliveira Diretor Presidente Ana Virginia Valêncio de Oliveira Diretora Geral Jeferson Augusto Chefe de Redação Luciana R. Brick Reportagem e Edição Fábio Matavelli e Rodrigo Covolan Fotografia Rua Prudente de Moraes, 10 - Vila Placidina - CNPJ 03.219.996/0001-90 - CEP 84.010-020 - Ponta Grossa - Paraná - Telefones - Geral (42) 3220-7744 Comercial: 3220-7750 (FAX) 3220-7758 - Redação: 3220-7788 (FAX) 3220-7725 - Suplementos: 3220-7721 - suplementos@diariodoscampos.com.br Caderno SSafrasSafras 2012/13 Diário dos Campos Maio/2013 Safra de grãos na região deve chegar a 3,25 mi de toneladas Produtores reduziram área plantada de milho e feijão para aumentar a de soja, que rendeu nesta safra 1,85 milhão de toneladas. Produção no ano passado foi de 1,65 milhão de toneladas Boa parte da soja foi vendida antes mesmo do plantio “A produtividade média nas lavouras é de 3.450 quilos por hectare a 3.550 quilos por hectare” Caderno Especial Maio/2013 Das Assessorias P rodutores de trigo das Cooperativas ABC, no Paraná, apostam na valo- rização do produto para aumen- tar a área destinada ao grão na próxima safra e para incentivar o plantio, um novo moinho deve ser inaugurado no início de 2014 em Ponta Grossa. Está em obras em Ponta Grossa, o moinho de trigo das Cooperativas Agroindustriais Batavo, Castrolanda e Capal, que será considerado um dos mais modernos do País. As cooperati- vas estão inves- tindo mais de R$ 85 milhões nas instalações do moinho, com 50% de participação da Batavo, 27% da Castrolanda e 23% da Capal. O projeto, que tem área de 10 mil metros qua- drados, terá capacidade total de moagem de 240 mil toneladas e receita estimada de R$ 200 milhões ao ano no final da segun- da fase, com geração de 85 postos de trabalho. Totalmente automatizado, o moinho utiliza a mais alta tecnologia oferecida por máquinas e equipamentos em nível internacional, ofere- cendo ao mercado consumidor segurança e garantia alimentar. “Sabemos que neste ano de 2012 as projeções para a cultu- ra foram muito boas, tanto na produção quanto no preço da commoditie. Para 2013, acre- ditamos novamente numa boa safra e isso é muito importante, mas desafiante para a indústria. Porém, no agronegócio temos momentos de crise, de dificulda- des, mas é por isso que existem ascooperativas,paradarsuporte ao produtor rural e buscar alter- nativas viáveis na rentabilização e minimização destes impactos gerados pelos momentos des- favoráveis do agronegócio, prin- cipalmente em relação a cul- tura do trigo. A industrialização, certamente é a melhor alternati- va para o nosso setor ao cons- truir marcas for- tes com produtos de qualidade, consolidando a participação de nosso Estado na agroindústria de ponta, favorecendo a gera- ção de emprego e renda”, desta- ca o presidente da Cooperativa Batavo, Renato Greidanus. Inicialmente o moinho irá produzir farinhas industriais para panifícios e indústrias de biscoitos e massas no ataca- do, sem previsão para o varejo. O empreendimento beneficiará prioritariamente os coopera- dos das três cooperativas, que podem agregar valor à atividade primária de apenas produzir o grão. Esse novo projeto envol- ve o trabalho de pesquisa de novas variedades com a partici- pação da Embrapa, Coodetec e Fundação ABC. Atualmente, a produção de trigo dos associados soma algo próximo a 300 mil toneladas ao ano, por isso o projeto terá flexi- bilidade de duplicar a capacida- de. Além disso, o moinho deverá consumir para a produção de farinha, cerca de 20% de trigo importado, e ainda estimulará o plantio das áreas dos coope- rados, pois trará maior liquidez na venda de sua produção. De acordo com o gerente agrícola da Batavo, Anacleto Luis Ferri, o bom momento para o trigo está trazendo mais alento ao produ- tor, já que a área de produção deve aumentar em 20% na safra 2013. As cooperativas Batavo, Castrolanda e Capal contam com mais de 2.700 associados. “Receita estimada com o moinho é de R$ 200 mi ao ano no final da segunda fase” Cooperativas Batavo, Castrolanda e Capal estão investindo mais de R$ 85 milhões na construção do moinho de trigo em PG. Unidade terá capacidade total de moagem de 240 mil toneladas O moinho de trigo em Ponta Grossa será construído em fases. A primeira – já iniciada – terá capacidade instalada para beneficiar 120 mil toneladas de trigo por ano. Nesta etapa, o investimento varia de R$ 45 milhões a R$ 50 milhões. A conclu- são está prevista para fevereiro de 2014, quando a estrutura entrará em operação. Segundo o presidente da Cooperativa Batavo, Renato Greidanus, a segunda fase da construção do moinho será inicia- da possivelmente ao término da primeira. “O projeto já prevê a ampliação”, afirma. O moinho está sendo construído entre as unidades II e III da Cooperativa Batavo, às margens da BR-376, o que facilitará sinergia com o setor de armaze- nagem e acesso ao Porto de Paranaguá, sem contar com a disponibilidade de mão de obra qualificada na região. Construção será em fases Moinho está sendo construído às margens da BR-376 Moinho será um dos mais modernos do país Caderno SSafrasSafras 2012/13 Caderno SSafrasSafras 2012/13 Caderno Especial DIÁRIO DOS CAMPOS
  • 3. Diário dos Campos Maio/2013 Safrinha de soja deve movimentar 19 mil toneladas A safrinha de soja foi plantada em fevereiro deste ano e a colheita já começou. “O tempo firme, sem grandes períodos de chuva neste mês, está ajudando os produtores neste período de colher, mas os dias chuvosos na época do plantio e também em março implica- ram no aumen- to do índice de doenças”, conta o engenheiro agrônomo do Departamentode Economia Rural do núcleo regio- nal da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Deral/Seab) em Ponta Grossa, José Roberto Tosato. Segundo ele, a estimativa é de que os produtores da região colham em torno de 19 mil tone- ladas de soja, ou seja, mais do que o dobro colhido na safra 2011/2012, quando a safrinha foi de apenas 8.500 toneladas. De acordo com o agrônomo, a safrinha é característica de pequenos e médios produtores. “Eles aumentaram a área plan- tada devido aos bons preços da soja e das perspectivas de mercado”, diz. Nesta safri- nha, a área nas propriedades rurais destina- da ao plantio corresponde a 6.600 hectares, enquanto no ano passado a soja foi plantada ape- nas em 2.820 hectares. Quanto à produtividade, o agrônomo observa que a previ- são é de 2.900 quilos por hecta- re, sendo que na última safrinha a média foi 2.870 quilos por hectare. Safra Área plantada (hectares) Produção Produtividade (por hectare) Fonte: Deral/Seab PG Safra atual tem área maior de soja Caderno SSafrasSafras 2012/13 Nesta safrinha, a área destinada ao plantio corresponde a 6.600 quilos por hectare
  • 4. Caderno Especial Maio/2013 Diário dos Campos Maio/2013 O s produtores da região finalizaram na primeira semana de maio deste ano a colheita do milho. A esti- mativa do Departamento de Economia Rural do núcleo regio- nal da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Deral/Seab) em Ponta Grossa é uma produção de 1,12 milhão de toneladas. O volume é ligeiramen- te menor que o obtido na safra passada, quando foram colhidas 1,24 milhão de toneladas. De acordo com o engenhei- ro agrônomo do Deral, José Roberto Tosato, a área plantada com milho foi reduzida nesta safra, passando de 140 mil hec- tares para 132 mil hectares, redução de oito mil hectares. “Os produtores reduziram a área do milho e do feijão para aumen- tar a da soja”, explica. Segundo o agrônomo, o plantio do milho se iniciou em setembro e seguiu até outubro de 2012, já a colheita foi inicia- da em fevereiro último, porém foi interrompida em meados de março. “Os produtores deixaram o milho para colher a soja, já que o milho aguenta mais tempo nas lavouras”, fala. Conforme o agrônomo, o milhocolhidonosprimeirosmeses do ano apresenta umidade, com índice variando de 20% a 30%. “Esta umidade ocasionou queda na qualidade do milho. Parte da safra tecnificada foi de milho ardi- do, o que dificulta a comerciali- zação e faz cair o preço”, diz. O valor máximo obtido pela saca de 60 quilos do cereal ardido variou de R$ 18 a R$ 20. “É um milho que só pode ser utilizado para ração animal”, observa. Oferta O aumento da oferta de milho no mercado interno e a perspec- tiva da safrinha – comum em cidades do Oeste paranaense, como Cascavel - explicam a queda na cotação do cereal, com a saca sendo negociada entre R$ 22 e R$ 25. “A safra maior de milho fez com que os preços da atual safra se reduzis- sem”, comenta. Contrato O agrônomo observa que em torno de 10% da produção regional de milho foi vendida no mercado futuro, como forma de garantia de preço. “Os produto- res conseguiram em torno de R$ 26 a saca”, calcula ao considerar que boa parte da safra está esto- cada nos armazéns. “E deverá continuar, já que Cascavel terá uma produção grande o mer- cado prefere milho mais novo, como a safrinha que começou a ser colhido este mês”, fala. Produtores colhem 1,12 milhão de toneladas de milho Cereal ocupou aproximadamente 132 mil hectares das lavouras da região, nesta safra de verão. Parte do milho colhido foi vendida no mercado futuro Do final de dezembro até fevereiro deste ano, os produtores da região vol- taram a atenção para o plantio do milho safrinha. A colheita se iniciou em maio e seguirá até o próximo mês de julho. “Asafrinhaécaracterísticodospeque- nos produtores rurais, que plantam o milho em áreas colhidas de feijão e fumo”, expli- ca o engenheiro agrô- nomo do Departamento de Economia Rural (Deral) do núcleo regio- nal da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab) em Ponta Grossa, José Roberto Tosato. Segundo ele, a estimativa é que sejam colhidos na safra 2012/2013 o equivalente a 72 mil toneladas, volume menor que o obtido no ano passado, quando foram retiradas das lavouras em torno de 89 mil toneladas. A área destinada ao plantio tam- bém foi reduzida nesta safra, passan- do de 21.800 hectares para 17.350 hectares, redução de 18%. “A área plantada diminuiu por- que alguns produtores de Ivaí e Reserva, que plantam milho e feijão, optaram pela soja devi- do aos bons preços e perspectivas do merca- do”, explica. Produtividade A estimativa do Deral, é que os pro- dutores obtenham uma produtividade de 4.100 quilos por hectare de milho safrinha, praticamente a mesma renta- bilidade alcançada na safra 2011/2012. Produtores finalizaram a colheita do milho na primeira quinzena de maio Tosato: milho ‘perdeu’ área para a soja nesta safra de grãos Safrinha colocará 72 mil toneladas no mercado “Parte da safra tecnificada foi de milho ardido, o que dificulta a comercialização” A sétima edição do Sábado Show & Feira de Peças e Serviços Macponta - evento promovido pela Macponta (concessionária Jonh Deere em Ponta Grossa e região) – movi- mentou mais de R$ 60 milhões. O encontro, que aconteceu no último dia 18 de maio, recebeu mais de 2,5 mil produtores rurais dos Campos Gerias, superando assim a expectativa dos organiza- dores. “A expectativa foi superada tanto em público quanto em volu- me de negócios. Prevíamos em torno de R$ 55 milhões”, conta o diretor da Macponta, José Divalsir Gondaski (Ferruge). De acordo com ele, a movi- mentação financeira resulta do volume de vendas de merchan- dising, peças, serviços e equipa- mentos. “Realizamos o Sábado Show uma vez no ano, evento que tem tradição em negócios e o agricultor conhece o trabalho que a empresa faz e sabe o que significa o Sábado Show”, diz. Ele destaca que o evento se consagrou como um encontro para a família do produtor. “O agricultor vem conhecer as novi- dades da marca e traz toda a sua família. Além disto, ele sabe que se perder os descontos conce- didos neste dia não encontrará as mesmas condições no dia seguinte”, fala. No Sábado Show, os descon- tos variam de 5% a 30%, percen- tuais considerados altos diante do valor das máquinas e dos equipamentos. “Trabalhamos diferente dos nossos concorren- tes. Oferecemos desconto real num único dia do ano, então o agricultor que não aproveita para comprar neste dia nos demais sabe que não comprará com as mesmas condições”, frisa. Nesta edição, mais de 200 pessoas trabalharam no Sábado Show para atender os clientes. “Ano a ano o evento tem crescido em público e volume de vendas e isto mostra a força do Sábado Show”, comenta ao explicar que quando tem um produto novo no mercado o lançamento nacional acontece em Ribeirão Preto, na feira agropecuária e a apresenta- ção regional é no Sábado Show. Safra Para o diretor, o resultado do evento está ligado há vários fato- res, entre eles “o bom momento em que vive o setor do agro- negócio e a boa produção da região nesta safra aliada ao bom preço das commodities”. Eleexplicaqueascolheitadei- ras utilizadas na safra 2012/2013 foram adquiridas pelos produto- res no ano passado. “Não vende- mos máquinas em cima da hora. A venda começou na Coopavel, em Cascavel, então tem equipa- mentos que os agricultores utili- zaram agora, mas adquiriram no ano passado, como é o caso das colheitadeiras. Já as aquisições no Sábado Show serão usadas no segundo semestre. Incentivo O diretor observa que o pro- dutor está aproveitando a taxa de juros que o governo federal vem oferecendo para o financia- mento voltado à modernização da lavoura e dos equipamentos. “É um juro atrativo e importante, então o agricultor tem mais que aproveitar este incentivo”, fala. Sábado Show movimenta mais de R$ 60 mi Mais de 2,5 mil pessoas circularam pelo maior evento realizado anualmente pela Macponta, concessionária John Deere em Ponta Grossa e região Aprincipal novidade preparada para o sétimo Sábado Show foi o lançamento da colheitadeira S680, que traz um conceito inovador, com um grande salto evolutivo em relação ao que a John Deere já tinha de melhor. “É uma máquina que traz mui- tas novidades e certamente os clientes se surpreenderam”, diz o gerente Comercial da Macponta, Alyson Gondaski. Outros destaques do evento ficaram por conta do pulverizador 4630 naciona- lizado e das novas opções de configura- ção para tratores e implementos, como a pá carregadeira. Outra grande novida- de, que inclusive tem ganhado espaço na região, é o foco no trabalho de agricultura de precisão e demonstração do funciona- mento dos sistemas envolvidos, através de experiências. “Realizamos algumas demonstrações diferenciadas, nas quais os clientes puderam experimentar a efe- tividade do nosso produto”, ressalta o especialista em AMS da Macponta, José Carlos Corrêa Filho. Lançamento da colheitadeira S680 Caderno SSafrasSafras 2012/13 Caderno SSafrasSafras 2012/13 Sábado Show apresenta novidades aos produtores RODRIGO CZEKALSKI/DIVULGAÇÃO
  • 5. Caderno Especial Maio/2013 N o momento em que finaliza a colheita da safra de verão o produtor rural começa a planejar a próxima safra, mas nem todos têm dinheiro na mão para investir nas lavouras. Assim, a saída é recorrer aos financiamentos para o plantio, mas antes é preciso levantar exatamente o quanto será preciso para plantar. Para ajudar os produ- tores, a Sicredi Campos Gerais e a Sicredi Capal estão oferecendo mais de R$ 160 milhões em crédito rural (para custeio), sendo nas 21 unidades de atendimento que com- põem a superintendência regional da cooperativa. “Nosso objetivo é crescer 20% em valor nesta safra em comparação com a passada”, conta o superintendente regional da Sicredi Campos Gerais, Márcio Zwierewicz. Juntas, as duas cooperativas ofere- ceram R$ 130 milhões em crédito rural na última safra e realizaram 700 operações. De acordo com o superintenden- te, a Sicredi possui todas as linhas de custeio tanto para a safra de inverno quanto para a de verão 2013/2014. “Já estamos preparados para receber as propostas e temos recursos dispo- níveis para que o produtor possa pla- nejar o custeio da sua lavoura junto ao Sicredi, então convido associados e não associados para que procurem uma das nossas unidades de atendi- mento e encaminhem sua proposta para a safra”, fala. Segundo o superintendente, a Sicredi “tem recurso disponível, mas pede ao produtor que se antecipe mesmo aquele que acabou de colher a safra pode reservar, desde já, valor para o custeio”. Ele conta que geralmente os pro- dutores procuram a cooperativa pró- ximo ao período de plantio, entre os meses de julho e agosto. “Como já temos recursos disponíveis os pro- dutores podem nos procurar. Quem quiser não precisa pegar o dinheiro já, mas se procurar antes saberá que terá o limite aprovado e condições previamente estabelecidas”, reforça. Sicredi tem mais de R$ 160 mi para custeio Crédito rural é maior que o da safra passada, quando 700 operações movimentaram R$ 130 milhões. Valor foi emprestado pelas cooperativas Sicredi Campos Gerais e Capal Sicrediagro As soluções financeiras do Sicredi cooperam para o produtor rural colher grandes resultados. Sua colheita pode render muito. Invista seu dinheiro no Sicredi. R$ 1. SACSicredi-08007247220/DeficientesAuditivosoudeFala-08007240525.OuvidoriaSicredi-08006462519.SACSicredi-08007247220/DeficientesAuditivosoudeFala-08007240525.OuvidoriaSicredi-08006462519. Caderno SSafrasSafras 2012/13 Márcio: “como já temos recursos os produtores podem nos procurar” Pré-custeio Conforme Márcio, o produtor tem a pos- sibilidade de liberar o custeio por volta de agosto, mas usar o pré-custeio, entre maio e junho, para comprar insumos de forma antecipada e ter preço melhor ou desconto maior. “O pré-custeio é uma opção do pro- dutor, mas é importan- te que ele saiba que a utilização é possível e ele pode quitar o insumo de forma ante- cipada”, relata. Conforme Márcio, ainda não é possível saber qual a taxa de juro e o limite dos finan- ciamentos, uma vez que o governo federal divulgará o Plano Safra no início de julho. “O que sabemos é que o Sicredi terá recur- so maior que no ano passado e queremos assegurar que o pro- dutor nos procure”, diz.
  • 6. E nquanto na safra 2011/2012 os produtores da região colheram em torno de 87 mil toneladas de feijão (das águas), nesta a estimativa é uma colheita de aproximadamente 71 mil toneladas, 16 mil toneladas a menos no mercado. De acordo com o engenheiro agrôno- mo do Departamento de Economia Rural do núcleo regional da Secretaria de EstadodaAgriculturaedoAbastecimento (Deral/Seab) em Ponta Grossa, José Roberto Tosato, de olho na cotação da soja e nas boas perspectivas de merca- do, os produtores optaram por plantar menos feijão e mais soja. Assim, 41.900 hectares foram ocupados com o feijão, cerca de 20% a menos que na safra passada, quando foram plantados 53 mil hectares. “Na época do plantio, a soja estava mais interessante, inclusive com mercado internacional, então os produ- tores com áreas mecanizadas plantaram menos feijão e mais soja”, explica. O plantio começou em setembro e se estendeu até o final de outubro do ano passado. Já a colheita se iniciou em dezembro e seguiu até 15 de janei- ro último. Devido ao excesso de chu- vas que ocorreu no período em que a planta se desenvolvia houve aumento do índice de doenças. “As doenças surgiram nas fases finais, floração e frutificação”, conta. “Com isto, os pre- ços caíram um pouco”, completa. Apesar da redução, a saca de 60 quilos está cotada no mercado agrícola entre R$ 130 e R$ 140. “É um excelen- te preço para o feijão preto”, observa. Ele calcula que a maioria dos produto- res já tenha vendido sua produção. Produtividade Apesar do período chuvoso, os produtores registraram produtividade acima da média alcançada na safra passada. Das lavouras saíram em torno de 1.840 quilos por hectare neste ano. Já no passado foram registrados apro- ximadamente 1.630 quilos por hectare. Variedade Conforme o agrônomo do Deral, 92% dos pequenos produtores regionais plantam, basicamente, fei- jão preto. “Esta variedade pode ser armazenada por mais tempo que o Carioquinha que precisa ser vendido no máximo em dez dias para não per- der a qualidade. Os atacadistas dão preferência sempre ao feijão novo e de boa qualidade”, conta. 71 mil toneladas de feijão das águas71 mil toneladas de feijão das águas Caderno Especial Maio/2013 Assistência Técnica; Cultura Subsequente com Maior Produtividade. Rentabilidade da Produção; Garantia de Comercialização; Rotação de Cultura; Benefícios em Plantar Canola Canola a soja de invernoCanola a soja de inverno A Energia que vem docampo A Energia que vem docampoDIVULGAÇÃO Preço da soja e boas perspectivas de mercado fizeram produtores reduzir área plantada de feijão da primeira safra
  • 7. Caderno Especial Maio/2013 Diário dos Campos Maio/2013 O feijão das secas foi plantado de 15 de dezembro até fevereiro. A colheita será finalizada até o final deste mês de maio, sendo que a estimativa é uma safra de aproximada- mente 122 mil toneladas, volume maior que a colhida no ano passado, quando os produtores obtiveram 108.800 toneladas. De acordo com o engenheiro agrôno- mo do Departamento de EconomiaRuraldonúcleo regional da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Deral/ Seab) em Ponta Grossa, José Roberto Tosato, houve aumento de 16% na área plantada. Foram destinados ao plantio, nesta safra, 64 mil hectares. Já na passada o cultivo ocor- reu em 54.650 hectares. Para o agrônomo, o aumento está relacionado ao preço desta variedade de feijão desde novembro e dezembro de 2012. “Os preços estavam firmes e o feijão Carioquinha e Juriti é plantado por médios e grandes produtores rurais, basicamente 95% da área é cultivada por médios e grandes”, diz. Segundo ele, o feijão apresenta boa qualidade, “porém devido às chuvas de fevereiro e março houve alto índice de doenças, o que deve reduzir a produtivi- dade nas lavouras”, fala. Foram colhidos na safra passada em torno de 2.020 quilos por hectare, sendo que nesta, por enquanto, a média, é de 2.100 quilos por hectare. Conforme o agrôno- mo, “o Carioquinha tem menor oferta no mercado nacional e isto está levan- do a ótimos preços. Os produtores estão colhen- do e já comercializando”, diz. A saca de 60 quilos está sendo vendi- da entre R$ 210 e R$ 240. O Carioquinha e o Juriti são conhe- cidos como feijão de cor, no entanto, precisam ser comercializados logo após a colheita, no máximo, em dez dias, devido a perda de qualidade. Já o feijão preto, tem maior resistência, portanto, pode ficar mais tempo armazenado. Produtores finalizam colheita da ‘safra das secas’ Feijão de cor deve ser comercializado rapidamente Canola está se tornado cultura permanente Para o pesquisador da Embrapa Trigo Gilberto Omar Tomm, a canola tem tido crescimento constante nos últimos anos graças à união de forças. A Embrapa Trigo, por exemplo, realiza pesquisas desde 1980 voltadas à cultura e inves- te anualmente na introdução e testes de novos híbridos de canola no Brasil. Segundo ele, só neste ano experimentos com 37 híbridos novos foram introduzi- dos e estão sendo avaliados. Atualmente a organização possui dois pesquisadores dedicados à área de manejo de canola e dois técnicos de apoio. Além disso, aumentou seu investimento em pesquisa de R$ 30 mil em 2011 para R$ 48 mil em 2012 e adquiriu equipamentos per- manentes, como semeadura-adubadora, trilhadeira, pulverizador, estufa e equipa- mentos de suporte digital. “A evolução da canola sempre contou com a parceria entre pesquisa, empresas de fomento e indústria de óleo, além de estudantes de pós-graduação e produtores que destina- ram parte da lavoura para experimentos na cultura”, afirma Tomm. O grande interesse da indústria de biodiesel em fomentar o cultivo da canola é pelo teor de óleo do grão que chega a 40%, contra 18% do grão de soja. De acordo com a Associação Brasileira dos Produtores de Canola (Abrascanola), existe enorme demanda por óleo de canola no mercado nacional e interna- cional. Para atender apenas uma solici- tação recebida recentemente da Europa, seria necessária uma área 200 vezes maior que a área cultivada atualmente no Brasil. “As empresas, as cooperativas e o governo estão trabalhando para a expansão da produção de canola para que a quantidade de óleo disponível no Brasil viabilize seu emprego na produção de biodiesel. Isto permitiria a exportação para países, como os da Europa, onde o biodiesel, produzido com óleo de soja e sebo não atende as especificações”, afirma o diretor presidente da BSBIOS, Erasmo Carlos Battistella. Enquanto isso, toda a canola produzida no Brasil é des- tinada à alimentação humana. Assim, os brasileiros estão consumindo óleo mais saudável enquanto o óleo de soja é des- tinado à produção de biodiesel, um com- bustível limpo e renovável que não agride ao meio ambiente. (Sarah Ribeiro) Áreas experimentais traçarão perfil da canola no Paraná Pesquisas serão conduzidas pela BSBIOS em parceria com universidades nas regiões Noroeste, Oeste e Campos Gerais Das Assessorias T rês áreas de plantio expe- rimental de canola pode- rão auxiliar os produtores do Estado do Paraná na próxima safra a conseguirem rendimentos ainda melhores. Esse é o objetivo da indústria de biodiesel BSBIOS que fomenta desde 2007 a cultu- ra de inverno nos estados do Rio Grande do Sul, Santa Catarina, Paraná e São Paulo. As áreas experimentais serão localizadas nas regiões Noroeste, em convênio com o Unicesumar (Centro Universitário Cesumar) e Universidade Estadual de Maringá (UEM), Oeste, em par- ceria com a PUC Toledo e nos Campos Gerais, onde estão sendo finalizadas parcerias. “Nosso objetivo é testar diversos materiais genéticos da canola disponíveis no mercado em cada região e identificar suas principais características agronômicas, bem como possíveis doenças e pra- gas, com a finalidade de assim gerar maior produtividade e resul- tados aos produtores”, explica o coordenador de Fomento da BSBIOS, engenheiro agrônomo, Raul Trevizan. Segundo Trevizan, todos os resultados obtidos com as áreas experimentais serão disponibili- zadosaosprodutorespormeiode eventos realizados no segundo semestre em diversas regiões do Paraná. “Vamos sempre à busca de novidades que tragam bene- fícios ao produtor. Estamos nos campos experimentais com dois novos materiais genéticos dispo- níveis no mercado a partir deste ano, o híbrido HYOLLA 571CL, que é um material australiano com tecnologia CLEARFIELD da BASF, e também o mate- rial ALHT-1000 da empresa argentina ALL HIGH TECH, que possuem diversas novas características agronômicas que serão analisadas na prática pela BSBIOS e divul- gadas em nossos eventos de capacitação e difusão de tecno- logia, quando findados os traba- lhos”, explica o agrônomo. Trevizan afirma, ainda, que outro fator importante para o estudo de novos híbridos de canola é a busca pela diversifi- cação de fornecedores, evitan- do a falta de sementes como ocorreu na safra deste ano, devido a uma forte estiagem nos campos de multiplicação na Argentina, de onde provém a maior parte dos híbridos. O resultado disso foi a redução de 4,4% de área plantada no Paraná, se com- parada à safra passada, con- forme Levantamento de Safra apresentado pela Companhia Nacional de Abastecimento (Conab) em abril deste ano. Contudo, apesar da área redu- zida pela falta de sementes, a produtividade foi 44,7% maior e a produção também cresceu, passando de 15,6 mil toneladas para 21,5 mil toneladas. Na avaliação do gerente de Tecnologia Agrícola da BSBIOS, Fábio Júnior Benin, a canola está deixando de ser uma “cul- tura alternativa” para ser uma “cultura permanente” nos siste- mas produtivos da Região Sul e Centro-Oeste do Brasil. “Nos últi- mos anos, importantes fatores que tem ligação direta com o cul- tivo da canola foram ajustados como, por exemplo, a publicação do zoneamento agroclimático, a consolidação do mercado pro- dutor de biodiesel, a profissio- nalização da produção com a capacitação de profissionais com conhecimento específico para a cultura da canola e um mercado consumidor de óleo vegetal em franca expansão”, avalia Benin. (Sarah Ribeiro) “Vamos sempre à busca de novidades que tragam benefícios ao produtor” O Carioquinha e o Juriti são conhecidos como feijão de cor pela população Experimentos com 37 híbridos estão sendo avaliados Caderno SSafrasSafras 2012/13 DIVULGAÇÃO DIVULGAÇÃO Caderno SSafrasSafras 2012/13
  • 8. Caderno Especial Maio/2013 Diário dos Campos Maio/2013 D esde dezembro, os produ- tores de batata da região estão trabalhando na colheita, atividade que segue até o início de junho próximo. Diante do volume colhido até o momento, cerca de 40%, o Departamento de Economia Rural do núcleo regio- nal da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Deral/Seab) em Ponta Grossa estima que a safra 2012/2013 (das águas) será de 86.200 tone- ladas, 400 toneladas a mais que a obtida no ano passado. Segundo o engenheiro agrô- nomo do Deral, José Roberto Tosato, houve aumento de área plantada. Nesta safra, foram 2.915 hectares destinados para a batata. Já na passada a área correspondeu a 2.770 hectares. O plantio aconteceu do final de agosto a 15 de novembro de 2012. Oagrônomodestacaqueestá sendo registrada menor produti- vidade nas lavouras. Enquanto no passado os produtores colhe- ram em média 30.900 quilos por hectare, agora a rentabilidade gira em torno de 29.500 quilos por hectares. “A produtividade está caindo devido ao excesso de chuvas nos meses de feve- reiro e março”, explica. De acordo com o agrônomo, produtores dos municípios de Palmeira, Porto Amazonas, São João do Triunfo e parte de Ponta Grossa, na sua grande maioria, plantam a batata comum, sendo as variedades denominadas de Monalisa e Ághata. Já nos demais municípios a batata é cultivada em áreas tec- nificadas e com irrigação. “Estes produtores firmam contratos com as grandes indústrias de ali- mentação. A produção é exclu- sivamente voltada para a fritura e quem compra são empresas como a Elma Chips”, conta. Segundo o agrônomo, o preço pelo qual esta batata é negociada pelos produtores é mantido em sigilo, já que envol- ve companhias alimentícias. A região é grande produto- ra de batata do Paraná, fican- do atrás apenas de Curitiba e Guarapuava. Secas A batata das secas, com plantio a partir de 15 de dezem- bro até final de fevereiro e colheita de abril até o início de junho, terá safra regional menor que a do ano passado. Nesta (2012/2013), a produção está estimada em 50.500 tonela- das, ou seja, 20.300 toneladas a menos que a registrada em 2011/2012, quando foram colhi- das 70.800 toneladas. A área destinada ao plantio também foi reduzida, passando de 2.175 hectares para 2.080 hec- tares. A produtividade está menor nesta safra. A média chegou a 32 mil quilos por hectare no ano pas- sado e agora está em torno de 25 mil quilos por hectare. O agrônomo explica que a safra das secas é plantada – na maioria - por grandes produtores. “Eles já têm área definida para esta batata e plantam para fazer a rotação de culturas, como soja e milho”, esclarece. A produção é vendida para a indústria. Em Palmeira, Porto Amazonas, São João do Triunfo e parte de Ponta Grossa – onde estão pequenos produtores – a batata é vendida para o merca- do interno. As variedades são Monalisa e Ághata. Safra Área plantada (hectares) Produção Produtividade (por hectare) Safra Área plantada (hectares) Produção Produtividade (por hectare) Fonte: Deral/Seab PG Produtores elevam produção deprodução de batata das águas Batata é produzida para grandes indústrias alimentícias. Área e produtividade também aumentaram em relação à safra passada Colheita da batata será finalizada no próximo mês de junho Unidade em Ponta Grossa fica às margens da BR-376 Das Assessorias P resente no mercado a mais de 40 anos, a marca de sementes Batavo inicia uma nova fase. Para atender a crescente demanda externa, a Cooperativa Batavo saltará de uma produção anual de 360 mil sacas de 40 quilos de sementes de soja para mais de 500 mil sacas ao ano até 2014, sem contabilizar as sementes produzidas de trigo, que somam mais de 180 mil ao ano. Este crescimento está na confiança do pro- dutor rural no produto. A tradição de semente de qualidade, aliada a cons- tante inovação, são quesitos impor- tantes para uma boa safra. O resul- tado tem refletido na lavoura, com níveis de rendimento crescentes. Os constantes investimentos tam- bém aprovam a crescente demanda. Há seis anos, a Cooperativa Batavo adquiriu uma unidade em Ponta Grossa, às margens da BR-376, e investiu em sua ampliação para segregar as variedades de semen- tes produzidas. Agora, anuncia um novo investimento numa Unidade de Beneficiamento de Sementes em Tibagi, a cidade que mais produz trigo no Brasil. Além de concentrar um número expressivo de associados da Batavo, o município tem uma grande vocação para o cultivo de sementes, uma tradição histórica na cooperativa. Todo este trabalho em função de produtos de qualidade vem de assistência técnica profissionalizada e atuante, aliada ao amparo tecnoló- gico da Fundação ABC, com matriz no município de Castro, que apre- senta alternativas de produção e os avanços tecnológicos desenvolvidos através de pesquisas que faz com seus parceiros. Sementes As Sementes Batavo são con- sideradas no mercado como “as Sementes do Plantio Direto”. Isto sur- giu pelo pioneirismo da Cooperativa Batavo na adoção da prática do plantio direto nos Campos Gerais. Desenvolvido na região na déca- da de 70, este sistema refletiu na sustentabilidade das atividades no campo, tendo a Fundação ABC como apoiadora e sustentadora na assis- tência técnica para melhoramentos de qualidade e produtividade. Batavo expande unidade de sementesBatavo expande unidade de sementes Investimento da Cooperativa Batavo será realizado em Tibagi, município que mais produz trigo no Brasil Caderno SafrasSafras 2012/13 Caderno SafrasSafras 2012/13 agro BENEFICIAMENTO E ARMAZENAGEM SOJA - MILHO - TRIGO ( )BR 376, KM 510 - 42 3223-0999 pecialCaderno Es Maiooo/////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////////22222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222222200000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000000011111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111111133333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333333 Colheita da batata será finalizada no próximo mês de junho
  • 9. PONTA GROSSA - Rua Dom Pedro II, 283 (em frente ao Shopping Total) 42 3028-2900 - Av. Senador Flávio Carvalho Guimarães km 324 42 3239-2200 PRUDENTÓPOLIS - Rua Mal. Deodoro, 1333 - 42 3446-1991
  • 10. D e olho na rentabilida- de do trigo no mercado interno, com a saca de 60 quilos sendo negociada entre R$ 42 e R$ 45, os produtores estão dispostos a investir no plantio. Para tanto, a área plan- tada com o cereal nos Campos Gerais deve passar de 133 mil hectares para 150 mil hectares. A estimativa é do Departamento de Economia Rural (Deral) do núcleo regional da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab) em Ponta Grossa. A safra já começou a ser plantada. De acordo com o engenhei- ro agrônomo do Deral, José Roberto Tosato, o principal cereal de inverno começou a ser plantado neste mês de maio em municípios mais ao Norte como Arapoti, Sengés e Tibagi. “Os produtores inicia- ram o plantio mesmo preocu- pados com o clima. No começo de maio o solo estava muito seco, pois não chove desde a segunda quinzena de abril, e as temperaturas estavam muito elevadas”, lembra o agrônomo. “Mesmo assim prevemos um aumento entre 15% e 20% na área plantada em relação à safra passada devido aos bons preços do trigo”, completa. A oferta reduzida do trigo fora do mercado brasileiro é outro fator que está pesando na decisão dos produtores. “Temos boas perspectivas internacionais para o nosso trigo. A safra nos outros países não foi a espera- da”, conta. O plantio em Ponta Grossa e em Castro deverá se intensificar a partir do próximo dia 10 de junho, seguindo até a primeira semana de julho. “Mas isto dependerá do clima. É pre- ciso chuva e frio para que as culturas de inverno se desenvol- vam”, explica. Se as condições climáticas forem dentro da normalidade para o inverno, os produtores irão colher em torno de 505 mil toneladas, volume maior que a obtida na safra passada, quan- do foram colhidas 410 mil tone- ladas. “Foi uma ótima safra. As condições climáticas foram favoráveis à boa produtivida- de”, comenta. Já a produtividade prevista para a safra varia de 3.200 qui- los por hectare a 3.500 quilos por hectare. “O início do plantio foi prejudicado pela estiagem da segunda quinzena de abril, mas se houver chuva regular nas áreas plantadas certamen- te a cultura se desenvolverá como o espe- rado”, diz. No ano passado, a produtivida- de média foi de 3.350 quilos por hectare. “Além do clima, a tec- nologia utilizada nas lavouras também é muito importante. A região tem poten- cial para produzir mais”, avalia. Contrato Segundo o agrônomo, a exemplo das últimas safras, nesta os produtores farão a venda futura. “Estão sendo fir- mados contratos antecipados de opção com variedades defi- nidas”, conta ao observar que há uma grande expectativa em torno desta safra, já que um novo moinho de trigo entrará em funcionamento em fevereiro do ano que vem. A unidade está sendo construída pelas Cooperativas Batavo, Capal e Castrolanda, em Ponta Grossa. “Este moinho traz esperança aos produtores”, finaliza. Plantio O gerente geral da Fazenda Boa Vista, em Ponta Grossa, Renato Sterling, conta que a propriedade já iniciou o plantio do trigo, mas optou por não aumentar a área, mesmo às expectativas para a safra sendo favoráveis. Caderno Especial Maio/2013 Diário dos Campos Maio/2013 Produtores nos Campos Gerais já iniciaram o plantio do trigo Preço do trigo leva ao aumento da área plantada Produtores da região iniciaram plantio em área de 150 mil hectares. Na safra passada, principal cereal de inverno ocupou 133 mil hectares nos Campos Gerais É preciso chuva e frio para que as culturas de inverno se desenvolvam” Ano Área plantada Safra Produtividade nas lavouras Fonte: Deral/SeabFonte: Deral/Seab Caderno SSafrasSafras 2012/13 Caderno SSafrasSafras 2012/13 Agência Estadual No Paraná a safra de grãos de verão 2012/13 caminha para o final do ciclo e o resul- tado estimado aponta para um recorde de produção liderado pela soja. A Secretaria da Agricultura e do Abastecimento divul- gou levantamento do Departamento de Economia Rural (Deral) que revela uma colhei- ta de 23,35 milhões de toneladas duran- te a safra de verão, que corresponde a um aumento de 30% sobre a safra passada. Esse desempenho induz à projeção de uma safra recorde de grãos em 2013 com um volu- me de 38,77 milhões de toneladas, consideran- do a produção do ano inteiro incluindo a safra de verão, a safrinha e a safra de inverno, em andamento no Paraná. Esse resultado pode- rá ser confirmado se não houver problemas com o clima daqui para frente. Na safra de verão, o culti- vo de soja liderou a produção e está sendo colhido o maior volume de produção, avaliado em 15,68 milhões de tonela- das do grão. Esse resultado é recorde e representa um aumento de 45% sobre a soja produzida no ano passado, que sofreu os efeitos do clima como a estiagem durante o período de desenvolvimento. O aumento na produção de soja esse ano foi decorrente do aumento de área plantada, da ordem de 6%, e do clima favo- rável durante o ciclo de desen- volvimento. Para o diretor do Deral, Francisco Carlos Simioni, esse avanço na produção agrí- cola paranaense deve ser cre- ditado também ao esforço do produtor rural, que vem aces- sando com muita competência os ensinamentos da assistência técni- ca e da pesquisa pública e privada, que têm propor- cionado o uso de tecnologia de ponta no meio rural. “A evolução do produtor e o bom desempe- nho do clima está permitindo um aumento de produtividade para todas as culturas da safra de verão”, disse. Milho O milho da primeira safra também teve um bom desem- penho, com uma colheita de 7,16 milhões de toneladas, volu- me 9% acima da produção em igual período do ano passa- do. A técnica do Deral, engenhei- ra agrônoma Juliana Tieme Yagushi, tam- bém atribui o bom resultado ao clima favorável e ao uso de tecnologia por parte do produ- tor. Ela chama a atenção para o bom desempenho da cultura, considerando que na primeira safra de milho o resultado foi maior em relação ao ano pas- sado, mesmo com redução de 10% na área plantada, que caiu de 975.789 hectares plantados na safra 2011/12 para 878.090 plantados na safra 2012/13. O milho da segunda safra concluiu o plantio e a área ocupada com a cultura cresceu 5%, passando de 2,04 milhões de hectares plantados no ano passado para 2,14 milhões de hectares plantados esse ano. O potencial produtivo da cultu- ra aponta para 11,5 milhões de toneladas, se não for afetada pelo clima. Feijão A segunda safra de feijão também apresenta resultados animadores com a colheita de 453.913 toneladas, volume 32% acima da safra cultivada em igual período do ano passa- do. “É o maior volume colhido nesse período nos últimos seis anos”, disse o técnico Carlos Alberto Salvador. Trigo O trigo está em período de plantio e a área ocupada está 9% acima do ano passado, indicando leve recuperação de área plantada no Estado. Este ano a cultura deverá ser planta- da em cerca de 855 mil hecta- res. A expectativa de produção aponta para 2,57 milhões de toneladas, 21% acima da pro- dução do ano passado, que foi de 2,11 milhões de toneladas. Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare) Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare) Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare) Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare) Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare) Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare) Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare) Safra Hectares (plantio) Produção Produtividade (por hectare) Fonte: Deral/núcleo regional da Seab em Ponta Grossa Esse desempenho induz à projeção de uma safra recorde de grãos em 2013 Paraná colherá produção recorde de grãos Safra de grãos não está totalmente colhida, porém estimativa do Deral aponta para uma colheita de 23,35 milhões de toneladas no Estado
  • 11. D iferente do triticale – substituto do milho - que teve a área reduzida nos últimos anos, a aveia branca vem conquistando os produtores da região. O plantio – que se iniciou neste mês – deve alcançar 29 mil hectares, quatro mil a mais que na safra passada, quando foram destinados 25 mil hectares. De acordo com o engenhei- ro agrônomo do Deral, José Roberto Tosato, a produtividade estimada gira entre 3.200 quilos por hectare e 3.500 quilos por hectare. Na safra passada os produtores colheram em média 3.400 quilos por hectare. Segundo ele, se as condi- ções climáticas forem favorá- veis (chuvas periódicas, frio e sol durante o dia) os produtores irão colher 95 mil toneladas de aveia branca, 25 mil toneladas a mais que na safra passada, quando foram colhidas 70 mil toneladas. Para o agrônomo, entre os motivos que levam os produ- tores a plantar a aveia branca está o retorno financeiro, sendo que a tonelada está sendo ven- dida a R$ 300. A rotação de cultura é outro fator. “Os produ- tores precisam fazer a rotação, então plantam aveia branca. Além disto, este cereal é opção de cultura e os produtores da região têm tecnologia para fazer o plantio”, conta. Mercado A aveia branca é comer- cializada junto à Elma Chips e aos moinhos para alimentação humana. Diário dos Campos Maio/2013 U m levantamento realiza- do pelo Departamento de Economia Rural (Deral) do núcleo regional da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab) mostra que nos últimos quatro anos a produção de trigo na região cres- ceu 30,32%. Enquanto em 2009 os produtores colheram 310 mil toneladas, no ano passado foram 404 mil toneladas. Segundo o engenheiro agrônomo do Departamento de Economia Rural (Deral) do núcleo regional da Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab) em Ponta Grossa, José Roberto Tosato, em quatro anos os produtores eleva- ram também a produtividade nas lavouras. Em 2009, foram colhi- dos 2.020 quilos por hectare, já no ano passado, 3.100 quilos por hectare. “As boas condições cli- máticas, com chuvas regulares, clima frio e sol durante o dia para garantir a luminosidade, são fun- damentais para a produtividade, bem como a tecnologia empre- gada nas lavouras”, explica. Por outro lado, os produtores reduziram a área plantada ao longo destes anos. Foram 153 mil hectares no ano de 2009; 125,50 mil hectares em 2010; 152,70 mil hectares em 2011 e 130,30 mil hectares no ano passado. Aveia branca ganha área nas propriedades Aveia branca está despertando interesse dos produtores Caderno SSafrasSafras 2012/13 Produção cresce 30,32% em quatro anos DIVULGAÇÃO
  • 12. A agência paranaense do Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) empres- tou para os produtores dos Campos Gerais mais de R$ 22 milhões, valor investido na safra 2012/2013, montante 34,85% superior ao concedido na ante- rior, quando o financiamento aos agricultores da região somaram R$ 16,31 milhões. O BRDE não financia o custeio, mas projetos de investimento de longo prazo. De acordo com a gerente de Planejamento do BRDE no Paraná, Juliana Souza Dallastra, as linhas de crédito mais solicitadas foram para a compra de máquinas e equipamentos agrícolas, com taxa de juros de 3% ao ano e prazo de pagamento chegando a dez anos, sendo dois anos de carência. Para investi- mento na moderni- zação e infraestru- tura do setor rela- cionado à pecuária leiteira as linhas contam com juros de 5,5% ao ano e a quitação pode ser feita também num prazo de até dez anos, já a carência chega a 36 meses. Para o plantio de floresta e projetos de integração lavoura, pecuária e floresta, os produtores optaram por linhas com juros de 5% ano e pagamento em até 15 anos, com carência iniciando em um ano. Já na linha de crédito para projetos de irrigação e arma- zenagem os juros são de 5,5% ao ano, o prazo de pagamento de até 12 anos e carência de três anos. Dentre todas as linhas, o des- taque é para aquisição de máqui- nas e equipamentos. “Na safra 2011/2012 foram repassados R$ 3,15 milhões para investimentos em maquinário. Já no período 2012/2013 mais que dobrou este valor e os agricultores receberam o aporte de R$ 8,72 milhões para adquirir novos equipamentos”, informa o banco. Para o superintendente da agência do BRDE no Paraná, Paulo Cesar Starke Junior, “o prin- cipal foco do BRDE é financiar investimentos no agronegócio, tanto na melhoria de produtivi- dade das áreas agrícolas como na constituição ou renovação da frota de máquinas e equipamen- tos ou, ainda, na infraestrutura para atender a armazenagem e parques industriais que benefi- ciem e agreguem valor aos pro- dutos agrícola”. Segundo ele, “nos Campos Gerais, o banco apoia, também, a produção de sementes e a sil- vicultura, a cadeia produtora de aves, suínos e da pecu- ária leiteira. Nossa estratégia em Ponta Grossa é atender diretamen- te os produtores rurais com funcio- nários que se deslocam até a região para realizar visitas técnicas. Basta ligar, que agendamos a visita. Outra alternativa são os financiamentos por meio de parcerias com coope- rativas locais e com as revendas de máquinas agrícolas. A região tem muito ainda a explorar no setor agrícola e pode seguir investindo com apoio técnico e através das linhas de crédito do BRDE”. Caderno Especial Maio/2013 Caderno Especial Maio/2013 A agência paranaense do BRDE foi responsável pelo financiamento de R$ 272,50 milhões para a safra de verão que tem a colheita finalizada agora. PARANÁ “Na safra 2011/2012 foram repassados R$ 3,15 mi para investimentos em maquinário” Caderno SSafrasSafras 2012/13 Caderno SSafrasSafras 2012/13Valor financiado na safra 2012/2013 é 34,85% maior que o registrado na anterior. Linha de crédito mais utilizada pelos produtores da região é para aquisição de máquinas e equipamentos Safra regional recebe R$ 22 mi do BRDEÁGATHA TREZUB DÉA / ESTAGIÁRIA DE COMUNICAÇÃO Das lavouras dos Campos Gerais saem principalmente soja, milho, feijão, trigo e batata. Municípios como Castro e Tibagi são destaques nacionais Valor Bruto da Produção soma R$ 5,98 bi O Valor Bruto da Produção (VBP) agropecuária da região somou R$ 5,98 bilhões em 2011. O VBP foi divulgado no final de 2012, sendo que os dados daque- le ano deverão sair nos próximos meses, já que ainda estão sendo contabilizados pela Secretaria de Estado da Agricultura e do Abastecimento (Seab). NosCamposGerais, Castro é o município com o maior Valor Bruto da Produção. Foram R$ 956,1 milhões em 2011. O volume é superior ao registrado em 2010, quando o VBP somou R$ 804,8 milhões. Tibagi aparece em segundo lugar no ranking, com R$ 499,7 milhões em 2011. O município é o maior produtor nacional de trigo e o principal sojicultor da região. Piraí do Sul aparece em terceiro lugar, com valor de R$ 442,6 milhões em 2011. No ano anterior, o VBP cor- respondeu a R$ 359,1 milhões. Na sequência, está posicionada Palmeira, com R$ 334,5 milhões em 2011 e R$ 268,5 milhões em 2010; Ponta Grossa, com R$ 333,5 milhões em 2011 e R$ 263,5 milhões em 2010. O município é grande produtor de soja, milho, trigo, batata e feijão. Segundo o levanta- mentodoDepartamento de Economia Rural (Deral) do núcleo regional da Seab, Carambeí apresen- tou Valor Bruto de R$ 328,3 milhões em 2011. Já em 2010 foram R$ 332,41 milhões. É o segundo maior produtor de leite na região. Castro é o primeiro no Brasil. Arapoti, que também possui bacia leiteira, apresentou VBP em 2011 de R$ 312 milhões. Foram R$ 297,6 milhões no ano anterior. Já Reserva – maior produtor de tomate – registrou Valor Bruto da Produção de R$ 309,4 milhões em 2011 e de R$ 271,46 milhões em 2010. O VBP de Telêmaco Borba ficou em R$ 265,8 milhões em 2011, mon- tante relativamente superior ao obtido em 2010, quando o valor correspon- deu a R$ 254,7 milhões. Em Ortigueira, a Seab apurou um VBP de R$ 252,9 milhões em 2011 e de R$ 202,5 milhões em 2010. Apesar de o município ser grande produtor de mel, das lavouras saem soja, milho e trigo. Prudentópolis contribuiu com o Paraná com um Valor Bruto de R$ 244,5 milhões em 2011. E 2010 foram R$ 217,7 milhões. Considerado um dos maiores pro- dutores de cebola do Estado, Irati também cresceu em Valor Bruto, pas- sando de R$ 216,9 milhões em 2010 para R$ 229,7 milhões em 2011. Fonte: Deral/Seab Ponta GrossaFonte: Deral/Seab Ponta Grossa Município Valor Bruto da Produção Arapoti R$ 312,0 milhões Carambeí R$ 328,3 milhões Castro R$ 956,1 milhões Guamiranga R$ 101,3 milhões Imbaú R$ 72,9 milhões Imbituva R$ 188,1 milhões Ipiranga R$ 192,4 milhões Irati R$ 229,7 milhões Ivaí R$ 136,0 milhões Jaguariaíva R$ 198 milhões Ortigueira R$ 252,9 milhões Palmeira R$ 334,5 milhões Piraí do Sul R$ 442,6 milhões Ponta Grossa R$ 333,5 milhões Porto Amazonas R$ 41,4 milhões Prudentópolis R$ 244,5 milhões Reserva R$ 309,4 milhões São João do Triunfo R$ 120,9 milhões Sengés R$ 105,5 milhões Teixeira Soares R$ 204,7 milhões Telêmaco Borba R$ 265,8 milhões Tibagi R$ 499,7 milhões Ventania R$ 112,6 milhões Agência Estadual Aagricultura paranaense poderá atin- gir o valor recorde de R$ 52 bilhões em Valor Bruto da Produção (VBP) em 2012, referente à comercialização da safra agrícola e pecuária 2011/12. Esta é a pri- meira estimativa do VBP de 2012 divul- gado pelo Departamento de Economia Rural (Deral), da Secretaria estadual da Agricultura e do Abastecimento. A estimativa do VBP de 2012 poderá representar um acréscimo de 3% sobre o VBP de 2011, que teve um faturamen- to bruto de R$ 50,4 bilhões, que tam- bém foi recorde. A estimativa atual refle- te o aumento significativo das cotações de soja e milho, grãos em que o Paraná se destaca como grande produtor e que foram responsáveis por boa parte da pauta de exportações do Estado. O aumento de preços dos grãos no mercado externo compensou, em parte, a quebra de produção registrada na safra 11/12 em função de severa estia- gem que atingiu o Paraná no início do ano passado. Para o secretário da Agricultura e do Abastecimento, Norberto Ortigara, ape- sar do clima que dizimou boa parte da produção de grãos no primeiro semestre de 2012, o VBP indica que a renda no campo conseguiu crescer impulsionada pela posição compradora de commodi- ties no mundo, face à quebra da safra agrícola nos Estados Unidos, Argentina, Brasil, que são grandes países produto- res de grãos. Ortigara ressalta que esse quadro demonstra mais uma vez o vigor e a importância da Agricultura na economia paranaense. Ele diz que o setor respon- deu imediatamente ao reposicionamen- to do mercado, embora nem todos os produtores se beneficiaram do aumento de preços porque a maior parte já havia vendido sua produção. Essa é a primeira versão do VBP 2012, calculado pelo Departamento de Economia Rural (Deral). Resultados mais consolidados ainda serão envia- dos à Secretaria da Fazenda e às prefeituras até o final de junho. As prefeituras terão um prazo para entrar com recursos caso achem necessário questionar a estimativa final que ainda será apresentada. O Deral faz a estimativa de fatura- mento bruto da produção agropecuária de aproximadamente 500 itens em todo o Estado. O resultado é utilizado pela Secretaria da Fazenda para compor a cesta de índices que forma o Fundo de Participação dos Municípios (FPM). AGRICULTURA - O Valor Bruto da Produção da Agricultura de 2012 refle- te a quebra de produção na primeira safra de grãos por causa da estiagem e a compensação com o aumento de preços durante o ciclo da segunda safra de grãos plantada no Estado. Outras culturas plantadas em larga escala no Paraná como mandioca, fumo, cebola e tomate também contribuem com o incremento do VBP agrícola. A soja continua a liderar o ranking de renda no campo, com um fatura- mento bruto de R$ 9 bilhões em 2012. Esse resultado representa uma redu- ção de quase R$ 2 bilhões em relação a 2011 quando o faturamento bruto da soja atingiu R$ 10,8 bilhões. A econo- mista do Deral, Fernanda Yonamini, atribuiu a queda na renda da soja à quebra de 30% na produção em função da estiagem. Em compensação, a renda obtida com a comercialização de milho aumen- tou em R$ 1,5 bilhão, principalmente em função da comercialização da segunda safra que foi beneficiada pelo aumento de preços do mercado externo. Previsão de recorde nas lavouras do Paraná Nos Campos Gerais, Castro é o município com o maior Valor Bruto da Produção Paulo: “o principal foco do BRDE é financiar investimentos no agronegócio”
  • 13. Diário dos Campos Maio/2013 Caderno SSafrasSafras 2012/13 BRDE possui linhas de crédito para atender projetos de investimento nos setores agrícola, pecuário e agroindustrial Crédito é destinado para projetos de investimento Das Assessorias O BRDE possui linhas de crédito especiais para atender projetos de investimento nos setores agrí- cola, pecuário e agroindustrial. O banco trabalha com todos os programas de financiamen- to previstos pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) e pelo Ministério do Desenvolvimento Agrário (MDA). As taxas de juros variam e começam em 1% ao ano, com prazos de pagamento que chegam até 15 anos. Pelas regras, podem ser atendidos em planos de moderni- zação de lavoura ou criação ani- mal e conservação de recursos naturais os produtores, coopera- tivas, empresas e indústria com bases rurais. Também aqueles que querem investir em irriga- ção e armazenagem, outros que sonham com tratores, máquinas e implementos nacionais novos, e, ainda, os que projetam realizar em suas propriedades a chama- da agricultura de baixo carbono, com a integração de lavoura, pecuária e floresta num siste- ma de manejo que traz menos impacto à natureza e garante a diversidade da produção e boa lucratividade. O BRDE também financia projetos voltados para os ramos de pecuária leiteira, de reflores- tamento, avicultura, suinocultura, pesca e da aquicultura. Cabe destacar que a instituição finan- ceira pública de fomento, que tem como seus controladores os governos dos estados do Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul, é especializada em financia- mento de longo prazo e não no custeio de gastos pontuais, como a compra de insumos. Em seus 52 anos de his- tória, o BRDE se consolidou nos estados onde está presente (além dos estados da Região Sul, também no Mato Grosso do Sul através da agência do Paraná) como grande parceiro do homem do campo. Em ter- ras paranaenses fomentou de forma consistente o nascimento, desenvolvimento e consolidação das cooperativas agroindustriais e, até hoje, caminha lado a lado dessas que se tornaram as prin- cipais empresas do Estado. A força do cooperativismo cons- truída com apoio irrestrito do BRDE fixou e fixa famílias em zonas rurais, garantindo empre- go e renda ao interior. O banco, também, nunca deixou de apoiar diretamente o produtor em seus projetos de investimento. Do melhoramento do solo à compra de máquinas e equipamentos, a instituição financeira oferece linhas de cré- dito de longo prazo e com juros baixos para atender todos aque- les que fazem da terra o seu grande negócio e dela tiram o seu sustento. Para atender um maior número de produtores rurais, o Banco Regional de Desenvolvimento do Extremo Sul (BRDE) conta com diferentes linhas de crédito e taxas de juros diferenciadas. Aos pequenos produtores, por exem- plo, o banco disponibiliza operações com taxas de juros a partir de 1% ao ano, através do Programa Nacional de Fortalecimento da Agricultura Familiar (Pronaf). Para atender os projetos de inves- timentos dos médios e grandes pro- dutores, as taxas começam em 3% ao ano e o prazo de pagamento pode chegar a dez anos, com até 24 meses de carência. Para tanto, oferece uma linha do Programa de Sustentação do Investimento (PSI) e atende aqueles que planejam comprar máquinas e equi- pamentos nacionais e novos. O BRDE ressalta que há outras instituições que também disponibilizam financiamentos nos mesmos progra- mas do banco, que são, neste caso, originários do Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), porém com algumas diferen- ças. “O BRDE não exige reciprocidade, os prazos de carência e amortização são os máximos permitidos, as garan- tias reais, na maioria dos casos, são constituídas pelos bens que são objeto do financiamento e, ainda, ao optar pelo banco de fomento, o produtor preserva os recursos próprios para uso em seu capital de giro e desconcentra seu endi- vidamento, reduzindo a dependência e preservando os limites de crédito nos bancos comerciais”. Banco tem linhas diferenciadas para os produtores Juliana Souza Dallastra, gerente de Planejamento do BRDE no Paraná ÁGATHA TREZUB DÉA / ESTAGIÁRIA DE COMUNICAÇÃO
  • 14. DC - Quanto às cooperativas agrícolas faturaram em 2012 e qual foi o crescimento em relação a 2011? João Paulo Koslovski - As 80 cooperati- vas agropecuárias filiadas ao Sistema Ocepar respondem por 56% da produção agrícola do Estado e tiveram uma movimentação financeira em 2012 de R$ 32,50 bilhões, 22% a mais que no ano anterior, 2011. Ao todo, o cooperativismo no Paraná movimentou em 2012 R$ 38,50 bilhões, isto é, somando todos os ramos de atividades representados pela Ocepar que são dez: agrope- cuário, crédito, saúde, transporte, trabalho, infra- estrutura, habitacional, educacional, consumo, turismo e lazer. DC- O crescimento das cooperativas foi impulsionado principalmente por qual fator? Koslovski – As cooperativas agropecuárias participam de forma intensa em todo o processo de produção, beneficiamento, armazenamento e industrialização, fazendo com que o associado seja um agente ativo tanto no mercado interno e externo, como também nas ações sociais das comunidades. São importantes instrumentos de difusão de tecnologias e implementadoras de políticas desenvolvimentistas, como a difusão do crédito rural, armazenagem, manejo e con- servação de solos, manejo integrado de pragas, assentamento de agricultores, entre outros. Hoje temos um verdadeiro exército de profissionais de assistência técnica atuando no campo, 1.700 ao todo, atuando junto aos pro- dutores através das cooperativas agropecuárias. DC- O que as cooperativas representam para o desenvolvi- mento local em muitas regiões do Estado? Koslovski - Em muitos muni- cípios do Paraná, são as mais importantes empresas, maiores empregadoras e geradoras de receitas. Cerca de um terço dos produtores rurais do Estado do Paraná são cooperados. A expres- siva participação dos pequenos e médios produtores – com área de até 50 hectares - nas cooperati- vas agropecuárias, representando 70% de seu total de coopera- dos, evidencia a importância das cooperativas para essa faixa de produtores. A integração das cooperativas e a agregação dos interesses dos produtores rurais permitiram a montagem de estruturas de arma- zenagem, representando mais de 55% de toda a capacidade de estocagem instalada no Paraná. DC – Porque os investimentos das coope- rativas são importantes? Koslovski - São fundamentais para a implan- tação de novos projetos que levam à agregação de valor sobre os produtos primários, aumentan- do seu valor no mercado e melhorando a renda dos mais de 130 mil cooperados. Com isto, o pro- dutor pode reinvestir em sua atividade produtiva, garantindo a oferta de matérias primas em níveis permanentes e, ao mesmo tempo desenvolvendo sua comunidade. DC- As perdas que os Estados Unidos vêm registrando nas lavouras influenciam a movi- mentação das cooperativas do Paraná? Koslovski – Acreditamos que, caso se con- firme a redução de 102 milhões de toneladas de milho e de seis milhões de toneladas de soja na safra 2012/2013 nos Estados Unidos, devido a estiagem que foi muito severa, sem sombra de dúvida será uma oportunidade para a agricultura brasileira e consequentemente para nossas coo- perativas. DC- As cooperativas do Paraná vêm inves- tindo em agroindustrialização? O que isto significa? Koslovski – Em 2012, as cooperativas agropecuárias do Paraná ampliaram em 18% os investimentos em seu complexo agroindustrial e de infraestrutura em armazenagem, com aportes que totalizaram R$ 1,3 bilhão. Resultando num impulso no pro- cesso de industrialização e que pode contribuir para a geração de cerca de 5 mil novos empregos diretos. Até 2015, as cooperati- vas do Paraná esperam que pelo menos 50% da sua movimen- tação econômica seja resultan- te de algum processo de indus- trialização. Atualmente, 42% do faturamento delas é proveniente da venda de produtos industria- lizados. DC- Quantos empregos as cooperativas do Paraná geram? Há cresci- mento na abertura de postos de trabalho? Koslovski – Atualmente o cooperativismo é responsável por 67 mil empregos diretos, mas se contarmos todo envolvimento que o sistema tem com as comunidades onde uma cooperativa se instala, podemos afirmar com certeza que o cooperativismo gera mais de 1,6 milhão de postos de trabalho no Paraná. É um dos gran- des empregadores no Estado, especialmente no setor agroindustrial. DC- O quanto as cooperativas do Paraná recolhem em impostos anualmente? O valor vem crescendo? Quanto nos últimos dez anos? Koslovski – Somente em 2012 o total de impostos recolhidos pelo cooperativismo foi de R$ 1,5 bilhão e se somarmos tudo que já foi reco- lhido em uma década chegamos a cifra de R$ 9,9 bilhões de impostos recolhidos pelo setor. Caderno Especial Maio/2013 Diário dos Campos Maio/2013 “Cerca de um terço dos produtores rurais do Estado do Paraná são cooperados” Caderno SSafrasSafras 2012/13 Cooperativas respondem por 56% da produção agrícola Em 2012, as cooperativas agropecuárias do Paraná ampliaram em 18% os investimentos em seus complexos agroindustrial e de infraestrutura em armazenagem O ano de 2013 promete movimentar o setor agrícola brasileiro. A safra de grãos está consolidada e os produto- res comemoram o resultado nas lavouras e os preços no mercado agrícola. Agora, a expecta- tiva é grande em relação às culturas de inver- no, como o trigo, carro chefe. A previsão é de uma colheita farta, resultado que impulsiona as cooperativas e as leva a novos investimentos. Para o presidente do Sistema Ocepar, João Paulo Koslovski, o montante investido pelas empresas é fundamental para a implan- tação de novos projetos, medida que conduz à agregação de valor sobre os produtos pri- mários. Confira a entrevista com o presidente sobre o comportamento e crescimento das cooperativas ao longo dos anos e a tendência de investimentos. João Paulo Koslovski: 80 cooperativas estão filiadas ao sistema Ocepar D esde o final do ano passado, os produtores brasileiros estão con- tando com mais um banco para operar o crédito rural: a Caixa Econômica Federal. Na região, o projeto piloto foi colocado em prática em abril último. Nestes dois meses, a superintendência regional já atendeu cerca de 300 agricultores e liberou em torno de R$ 8 milhões, através de financiamento. Neste momen- to, o banco está emprestando somente para custeio e investi- mento agrícola e pecuário. Para o gerente regional da Caixa (Agência Francisco Ribas), Denilson Silva, o núme- ro de produtores atendidos de abril para cá aponta para um bom começo. “A Caixa tem expertise em políticas públicas e a entrada no agronegócio vai possibilitar gerar mais riqueza aos municípios”, considera. Segundo ele, as linhas de crédito rural oferecidas pela Caixa são as mesmas dos demais bancos, já que elas são normatizadas pelo Banco Central (BC), no entanto, entre as vanta- gens dos produtores procurarem a Caixa está o atendimento. “O primeiro diferencial da Caixa está no atendimento ao cliente e no tamanho da rede. Na região, a Caixa está expandido cada vez mais as suas unidades”, diz. O gerente reforça que, neste momento, a Caixa está atenden- do com crédito rural as linhas de custeio e investimento e não comercialização. Já entre as culturas estão a soja, o milho, o trigo e a pecuária de leite e corte. As operações para o trigo – principal cereal de inverno – se iniciarão em julho próximo. “Os produtores já podem procurar as nossas agências para solicitar o financiamento”, orienta. Conforme o gerente, a Caixa não está fazendo campanha de mídia para contar que está no agronegócio, porém vem reali- zando um forte trabalho corpo a corpo. “É prematuro fazer uma campanha e não conse- guir atender toda a demanda. Como é um projeto piloto esta- mos participando de pequenos encontros e fazendo a divul- gação junto aos produtores”, explica. Em nível nacional, a Caixa possui R$ 2 bilhões para aten- der os produtores, valor que pode ser elevado. “Todo pro- dutor que precisar de crédito deve nos procurar, pois temos recursos para eles”, frisa. Na região, todas as agências já estão preparadas para operar o crédito rural. “A Caixa sabe que a nossa região é basicamente agrícola e 33% da economia do país é o agronegócio, então sabemos do tamanho do nosso desafio”, observa. Valor foi financiado para produtores da região de abril até agora. Cerca de 300 contratos foram firmados desde que a Caixa entrou para o mercado Caixa entra no agronegócio e contrata R$ 8 mi em dois meses Denilson: “o primeiro diferencial da Caixa está no atendimento ao cliente” DIVULGAÇÃO