SlideShare uma empresa Scribd logo
Terceiro Mundo
O Terceiro Mundo de acordo com a Teoria dos Mundos , é uma designação genérica
usada para designar nações de economia subdesenvolvida ou em desenvolvimento.
Aplica-se, geralmente às nações pobres da América Latina, da África e da Ásia.
Saúde e Higiene
Hoje, mais de 26.000 crianças menores de 5 anos que
morre por dia de causas evitáveis ou tratáveis - o que
significa cerca de 9,7 milhões de crianças nesta faixa etária
que vão morrer este ano. E a grande maioria das mortes de
crianças ocorrem em países em desenvolvimento.Pode
haver cura para as suas condições, mas eles não têm acesso
a     medicação     necessária    nem     ao    tratamento.
      Os pais nao têm conhecimentos básicos de nutrição,
higiene e saúde. E os seus governos não têm recursos para
oferecer programas de saúde adequados. Quando os pais
não são saudáveis, não podem ajudar nas necessidades das
suas famílias. E quando as crianças não são saudáveis, não
podem frequentar a escola, logo o seu futuro está em risco.

Mais de 25 por cento das crianças do mundo não estão imunizadas
com vacinas, que custam cerca de $ 1.
Assistência Médica a nível Mundial
- Os PD possuem bons hospitais e
centros de saúde, o nº de medicos é
elevado(1 para 400 habitantes).

  - Nos PED os cuidados de saúde são
defecientes-400 000 mil habitantes por
médico
Mortalidade
• A taxa de mortalidade ou coeficiente de
  mortalidade é um dado demográfico do número
  de óbitos registrados por mil habitantes em uma
  dada região em um período de tempo.
• A taxa de mortalidade pode ser tida como um
  forte indicador social, já que, quanto piores as
  condições de vida, maior a taxa de mortalidade e
  menor a esperança de vida. No entanto, pode ser
  fortemente afetada pela longevidade da
  população, perdendo a sensibilidade para
  acompanhamento demográfico.
Mortalidade infantil consiste no óbito de crianças durante o
 seu primeiro ano de vida e é a base para calcular a taxa
 de mortalidade infantil que consiste na mortalidade
 infantil observada durante um determinado período de
 tempo, normalmente um ano, referida ao número de
 nascidos vivos do mesmo período.
PED            PD
                               Angola         Portugal
Taxa de mortalidade infantil   140/ 1000      5/1000
Taxa de Mortalidade Materna    1700/ 100000   5/100000
Taxa Bruta de Natalidade       51,3           10,82
Taxa Bruta de Mortalidade      134/100        10,43
Esperança de Vida a nascença   40             77,53
Água potável
Acesso a fornecimento de água
            Mais de um sexto da população mundial --18%, o que corresponde a 1,1 bilião
 de pessoas, não tem acesso a fornecimento de água. A situação piora quando se fala em
saneamento básico, que não faz parte da realidade de 39% da humanidade, ou 2,4 biliões
                                        de pessoas.
           Até 2050, quando 9,3 bilhões de pessoas devem habitar a Terra, entre 2 biliões e
    7 biliões de pessoas não terão acesso à água de qualidade --seja em casa, seja em
  comunidade. A diferença entre esses extremos depende das medidas adoptadas pelos
                                         governos.
            Os dados fazem parte de relatório da Unesco (Organização das Nações Unidas
    para a Educação, Ciência e Cultura), órgão responsável pelo Programa Mundial de
Avaliação Hídrica, como preparação para o 3º Fórum Mundial da Água, que aconteceu em
                            Kyoto, Japão, em Março de 2003.
Os maiores problemas que explicam a actual situação são:

  - A falta de prioridade dada à questão da água e saneamento;
  - A escassez de recursos financeiros;
  - A falta de sustentabilidade no fornecimento da água e de serviços
  sanitários;
  - Os comportamentos prejudiciais em termos de higiene;
  - Condições sanitárias inadequadas nos locais públicos, incluindo
  hospitais, centros de saúde e escolas.

       De acordo com a Organização Mundial de Saúde, para reduzir
  o conjunto de doenças provocadas por estes factores de risco é
  fundamental investir no acesso a quantidades suficientes de água
  potável, no fornecimento de equipamentos para a recolha de
  esgotos e na promoção de comportamentos de higiene.
Acesso a água potável
-Nos PD, abrir uma torneira para ter água potável ou possuir
instalações sanitarias é um dado adquirido para quase toda
a população
-Nos PED a situação é bem diferente:
        •Cerca de 1100 milhões não têm acesso a uma
        quantidade mínima de água potável- utilizam apenas
        5 litros por dia
 -A falta de água potável e de saneamento basico
 tem efeitos sobre:
              •a saúde(anualmente morrem cerca de
              1800 milhões de crianças com menos
              de 5 anos)
Alguns tipos de
Doenças Associadas...
VIH
(Vírus da Imunodeficiência Humana)

                O vírus da SIDA
Segundo as investigações feitas, o VIH
pode ter evoluído a partir do Vírus de
Imunodeficiência dos Símios encontrado nos
chimpanzés da África ocidental, e ter passado
aos humanos dessa região e daí para o resto
do mundo. Esta é a teoria actualmente aceite
para a origem do VIH.
Mais de 95% das pessoas com VIH/SIDA vivem
em países em desenvolvimento e subdesenvolvidos.
A região do mundo mais atingida pelo vírus se
encontra na África sub-Saariana. O índice de
contaminação tem aumentando intensivamente no
Leste Europeu e na Ásia Central. Também na China,
Índia, Indonésia e Vietname, que representam no
total mais de 40% da população mundial, o índice de
novas contaminações aumentou rapidamente.
    Apenas 7% das pessoas contaminadas pelo HIV
em países em desenvolvimento e subdesenvolvidos
recebem medicação antiretroviral que é
indispensável para continuarem a viver.
Tuberculose
   (TB)
A tuberculose dissemina-se através de gotículas no
ar que são expelidas quando pessoas com tuberculose
infecciosa tossem, espirram, falam ou cantam. Contactos
próximos (pessoas que tem contacto frequente) têm alto
risco de se infectarem. A transmissão ocorre somente a
partir de pessoas com tuberculose infecciosa activa (e
não de quem tem a doença latente).
     A probabilidade da transmissão depende do grau de
infecção da pessoa com tuberculose e da quantidade
expelida, forma e duração da exposição ao bacilo, e a
virulência.
     A cadeia de transmissão pode ser interrompida
isolando-se pacientes com a doença activa e iniciando-se
uma terapia antituberculose eficaz.
80%     dos casos de
tuberculose no mundo
estao concentrados nos
países em
desenvolvimento...
O numero incedente de
tuberculosos(TB)-que é o numero de
novos casos por 100 000 pessoas-
parece que teve o seu pico em 2004 e
que esta agora a estabilizar .Embora
as taxas de incidência parecerem
estar a cair em todas as regiões, o
progresso que temos vindo a
observar nao tem sido suficiente para
o ritmo de crescimento de
população.Como resultado, o numero
de novas infecções continua a subir.
Ranking do países que mais “têm” tuberculose
por cada 100 000 pessoas
Malária
Os primeiros sintomas da malária são a
febre, dores de cabeça, arrepios e vómitos que
surgem, regra geral, 10 a 15 dias após a
infecção. Se não for tratada rapidamente, a
malária pode tornar-se uma doença letal, uma
vez que o fornecimento de sangue aos órgãos
vitais é interrompido.
A malária mata 3 milhões de pessoas por ano, uma taxa só
comparável à da SIDA, e afecta mais de 500 milhões de pessoas
todos os anos. É a principal parasitose tropical e uma das mais
frequentes causas de morte em crianças nesses países: (mata um
milhão de crianças com menos de 5 anos a cada ano). Segundo a
OMS, a malária mata uma criança africana a cada 30 segundos, e
muitas crianças que sobrevivem a casos severos sofrem danos
cerebrais graves e têm dificuldades de aprendizagem.
DENGUE
A dengue é transmitida através da
picada de uma fêmea contaminada do
Aedes aegypti, pois o macho se alimenta
apenas de seiva de plantas. Um único
mosquito desses em toda a sua vida (45
dias em média) pode contaminar até
300 pessoas.
Na “actual” epidemia(2008), já foram
registrados quase 250 mil casos da doença e
174 mortes em todo o Estado (e outras 150
em investigação), sendo 100 mortes e 125 mil
casos somente na cidade do Rio de Janeiro.A
epidemia de 2008 superou, em número de
vítimas fatais, a epidemia de 2002, onde 91
pessoas morreram.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Contrastes De Desenvolvimento Sida
Contrastes De Desenvolvimento SidaContrastes De Desenvolvimento Sida
Contrastes De Desenvolvimento Sida
Ilda Bicacro
 
Saúde
SaúdeSaúde
Saúde
Mayjö .
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
Marina
 
Dengue - controle de pragas
Dengue - controle de pragasDengue - controle de pragas
Dengue - controle de pragas
adrianomedico
 
Prevenção Jovens - SIPAT 2018
Prevenção Jovens - SIPAT 2018Prevenção Jovens - SIPAT 2018
Prevenção Jovens - SIPAT 2018
Everton Ferreira
 
Indicadores do estado de saúde de uma população1
Indicadores do estado de saúde de uma população1Indicadores do estado de saúde de uma população1
Indicadores do estado de saúde de uma população1
mariagoretisilva
 
Joyce m. bia. barbara
Joyce m. bia. barbaraJoyce m. bia. barbara
Joyce m. bia. barbara
barbarareginaolagasleanes
 
Epimiologia
EpimiologiaEpimiologia
Epimiologia
Mayara Oliveira
 
Joyce m. bia. barbara
Joyce m. bia. barbaraJoyce m. bia. barbara
Joyce m. bia. barbara
barbarareginaolagasleanes
 
Prevencao IST HIV Aids Unesp Botucatu 2019
Prevencao IST HIV Aids Unesp Botucatu 2019 Prevencao IST HIV Aids Unesp Botucatu 2019
Prevencao IST HIV Aids Unesp Botucatu 2019
Alexandre Naime Barbosa
 
Dezembro Vermelho
Dezembro VermelhoDezembro Vermelho
Dezembro Vermelho
Iniciativa Mais Cidadão
 
Prevenção DST/Aids SIPAT 2013
Prevenção DST/Aids SIPAT 2013Prevenção DST/Aids SIPAT 2013
Prevenção DST/Aids SIPAT 2013
Alexandre Naime Barbosa
 
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDECN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
Luís Ferreira
 
Aids na 3a. idade.Ppt
Aids na 3a. idade.PptAids na 3a. idade.Ppt
Aids na 3a. idade.Ppt
Maria de Fatima Sakamoto
 
Aedes Aegypti
Aedes AegyptiAedes Aegypti
Aedes Aegypti
Noraldino Lima
 
4 hiv sida
4 hiv sida4 hiv sida
Ficha de trabalho - Saúde Individual e Comunitária
Ficha de trabalho - Saúde Individual e ComunitáriaFicha de trabalho - Saúde Individual e Comunitária
Ficha de trabalho - Saúde Individual e Comunitária
Gabriela Bruno
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Mario Gandra
 
Módulo 3 - Aula 1
Módulo 3 - Aula 1Módulo 3 - Aula 1
Módulo 3 - Aula 1
agemais
 
Saúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da população
Saúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da populaçãoSaúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da população
Saúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da população
Patrícia Santos
 

Mais procurados (20)

Contrastes De Desenvolvimento Sida
Contrastes De Desenvolvimento SidaContrastes De Desenvolvimento Sida
Contrastes De Desenvolvimento Sida
 
Saúde
SaúdeSaúde
Saúde
 
Doenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveisDoenças sexualmente transmissíveis
Doenças sexualmente transmissíveis
 
Dengue - controle de pragas
Dengue - controle de pragasDengue - controle de pragas
Dengue - controle de pragas
 
Prevenção Jovens - SIPAT 2018
Prevenção Jovens - SIPAT 2018Prevenção Jovens - SIPAT 2018
Prevenção Jovens - SIPAT 2018
 
Indicadores do estado de saúde de uma população1
Indicadores do estado de saúde de uma população1Indicadores do estado de saúde de uma população1
Indicadores do estado de saúde de uma população1
 
Joyce m. bia. barbara
Joyce m. bia. barbaraJoyce m. bia. barbara
Joyce m. bia. barbara
 
Epimiologia
EpimiologiaEpimiologia
Epimiologia
 
Joyce m. bia. barbara
Joyce m. bia. barbaraJoyce m. bia. barbara
Joyce m. bia. barbara
 
Prevencao IST HIV Aids Unesp Botucatu 2019
Prevencao IST HIV Aids Unesp Botucatu 2019 Prevencao IST HIV Aids Unesp Botucatu 2019
Prevencao IST HIV Aids Unesp Botucatu 2019
 
Dezembro Vermelho
Dezembro VermelhoDezembro Vermelho
Dezembro Vermelho
 
Prevenção DST/Aids SIPAT 2013
Prevenção DST/Aids SIPAT 2013Prevenção DST/Aids SIPAT 2013
Prevenção DST/Aids SIPAT 2013
 
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDECN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
CN - INDICADORES DO ESTADO DE SAUDE
 
Aids na 3a. idade.Ppt
Aids na 3a. idade.PptAids na 3a. idade.Ppt
Aids na 3a. idade.Ppt
 
Aedes Aegypti
Aedes AegyptiAedes Aegypti
Aedes Aegypti
 
4 hiv sida
4 hiv sida4 hiv sida
4 hiv sida
 
Ficha de trabalho - Saúde Individual e Comunitária
Ficha de trabalho - Saúde Individual e ComunitáriaFicha de trabalho - Saúde Individual e Comunitária
Ficha de trabalho - Saúde Individual e Comunitária
 
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveisAula 8   epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
Aula 8 epidemiologia das doenças e agravos não transmissíveis
 
Módulo 3 - Aula 1
Módulo 3 - Aula 1Módulo 3 - Aula 1
Módulo 3 - Aula 1
 
Saúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da população
Saúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da populaçãoSaúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da população
Saúde individual e comunitária indicadores do estado de saúde da população
 

Destaque

Palestra de saúde e higiene bucal
Palestra de saúde e higiene bucal Palestra de saúde e higiene bucal
Palestra de saúde e higiene bucal
horadeviver
 
Sequel
SequelSequel
Nossa Responsabilidade
Nossa ResponsabilidadeNossa Responsabilidade
Nossa Responsabilidade
-
 
Reflexão para pais
Reflexão para paisReflexão para pais
Tempo dos filhos
Tempo dos filhosTempo dos filhos
Tempo dos filhos
-
 
Tempo Para Os Filhos –
Tempo Para Os Filhos –Tempo Para Os Filhos –
Tempo Para Os Filhos –
Denise Nunes Ramos Antunes
 
Responsabilidades de um pai
Responsabilidades de um paiResponsabilidades de um pai
Responsabilidades de um pai
Eid Marques
 
Motivação minha motivação motiva!!! por julio pascoal
Motivação   minha motivação motiva!!! por julio pascoalMotivação   minha motivação motiva!!! por julio pascoal
Motivação minha motivação motiva!!! por julio pascoal
Julio Pascoal
 
Estatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do Trabalho
Estatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do TrabalhoEstatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do Trabalho
Estatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do Trabalho
Márcio Roberto de Mattos
 
1302905765 acidentes domesticos_x
1302905765 acidentes domesticos_x1302905765 acidentes domesticos_x
1302905765 acidentes domesticos_x
92224340
 
M1 s1 SMET M1
M1 s1 SMET M1M1 s1 SMET M1
M1 s1 SMET M1
Horacio Guimaraes
 
Saúde, higiene e cura
Saúde, higiene e curaSaúde, higiene e cura
Saúde, higiene e cura
Mauricio Gonçalves
 
Aula eng civil
Aula eng civilAula eng civil
Aula eng civil
jrnuneslopes
 
Introdução higiene e seguranca
Introdução higiene e segurancaIntrodução higiene e seguranca
Introdução higiene e seguranca
Thiago Brito
 
Diretrizes sobre sistemas de gestão da segurança e saúde no trabalho
Diretrizes sobre sistemas de gestão da segurança e saúde no trabalhoDiretrizes sobre sistemas de gestão da segurança e saúde no trabalho
Diretrizes sobre sistemas de gestão da segurança e saúde no trabalho
Robson Peixoto
 
Direção defensiva: pegue carona nessa ideia
Direção defensiva:  pegue carona nessa ideiaDireção defensiva:  pegue carona nessa ideia
Direção defensiva: pegue carona nessa ideia
LM Frotas
 
17 formas de se começar a amar a si mesmo
17 formas de se começar a amar a si mesmo17 formas de se começar a amar a si mesmo
17 formas de se começar a amar a si mesmo
Bia Pomar
 
Auto estima
Auto estima Auto estima
Auto estima
Victor Passos
 
Saude e higiene
Saude e higieneSaude e higiene
Saude e higiene
Isabel Mendinhos
 
SaúDe E Higiene Sunamita Muniz (Ufam)
SaúDe E Higiene   Sunamita Muniz (Ufam)SaúDe E Higiene   Sunamita Muniz (Ufam)
SaúDe E Higiene Sunamita Muniz (Ufam)
Mônica Barreto
 

Destaque (20)

Palestra de saúde e higiene bucal
Palestra de saúde e higiene bucal Palestra de saúde e higiene bucal
Palestra de saúde e higiene bucal
 
Sequel
SequelSequel
Sequel
 
Nossa Responsabilidade
Nossa ResponsabilidadeNossa Responsabilidade
Nossa Responsabilidade
 
Reflexão para pais
Reflexão para paisReflexão para pais
Reflexão para pais
 
Tempo dos filhos
Tempo dos filhosTempo dos filhos
Tempo dos filhos
 
Tempo Para Os Filhos –
Tempo Para Os Filhos –Tempo Para Os Filhos –
Tempo Para Os Filhos –
 
Responsabilidades de um pai
Responsabilidades de um paiResponsabilidades de um pai
Responsabilidades de um pai
 
Motivação minha motivação motiva!!! por julio pascoal
Motivação   minha motivação motiva!!! por julio pascoalMotivação   minha motivação motiva!!! por julio pascoal
Motivação minha motivação motiva!!! por julio pascoal
 
Estatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do Trabalho
Estatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do TrabalhoEstatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do Trabalho
Estatísticas direção defensiva - Especial para Técnicos em Segurança do Trabalho
 
1302905765 acidentes domesticos_x
1302905765 acidentes domesticos_x1302905765 acidentes domesticos_x
1302905765 acidentes domesticos_x
 
M1 s1 SMET M1
M1 s1 SMET M1M1 s1 SMET M1
M1 s1 SMET M1
 
Saúde, higiene e cura
Saúde, higiene e curaSaúde, higiene e cura
Saúde, higiene e cura
 
Aula eng civil
Aula eng civilAula eng civil
Aula eng civil
 
Introdução higiene e seguranca
Introdução higiene e segurancaIntrodução higiene e seguranca
Introdução higiene e seguranca
 
Diretrizes sobre sistemas de gestão da segurança e saúde no trabalho
Diretrizes sobre sistemas de gestão da segurança e saúde no trabalhoDiretrizes sobre sistemas de gestão da segurança e saúde no trabalho
Diretrizes sobre sistemas de gestão da segurança e saúde no trabalho
 
Direção defensiva: pegue carona nessa ideia
Direção defensiva:  pegue carona nessa ideiaDireção defensiva:  pegue carona nessa ideia
Direção defensiva: pegue carona nessa ideia
 
17 formas de se começar a amar a si mesmo
17 formas de se começar a amar a si mesmo17 formas de se começar a amar a si mesmo
17 formas de se começar a amar a si mesmo
 
Auto estima
Auto estima Auto estima
Auto estima
 
Saude e higiene
Saude e higieneSaude e higiene
Saude e higiene
 
SaúDe E Higiene Sunamita Muniz (Ufam)
SaúDe E Higiene   Sunamita Muniz (Ufam)SaúDe E Higiene   Sunamita Muniz (Ufam)
SaúDe E Higiene Sunamita Muniz (Ufam)
 

Semelhante a Saúde e higiene (1)

Contrastes Sociais 1
Contrastes Sociais 1Contrastes Sociais 1
Contrastes Sociais 1
Adelaide Jesus
 
Doenças Negligenciadas
Doenças NegligenciadasDoenças Negligenciadas
Doenças Negligenciadas
ThamiresLackmann1
 
A saúde
A saúdeA saúde
A saúde
Mayjö .
 
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
Mônica Firmida
 
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
Dayane Almeida
 
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Marcus Vinicius Polignan...
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Marcus Vinicius Polignan...Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Marcus Vinicius Polignan...
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Marcus Vinicius Polignan...
CBH Rio das Velhas
 
Endemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasilEndemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasil
Colégio Nova Geração COC
 
Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...
Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...
Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...
Instituto Trata Brasil
 
SLIDE TURMA 8º ANO ECAGL IBIMIRIM - GEOGRAFIA
SLIDE TURMA 8º ANO ECAGL IBIMIRIM - GEOGRAFIASLIDE TURMA 8º ANO ECAGL IBIMIRIM - GEOGRAFIA
SLIDE TURMA 8º ANO ECAGL IBIMIRIM - GEOGRAFIA
Clísthennes Américo
 
Bloco iii texto b
Bloco iii   texto bBloco iii   texto b
Bloco iii texto b
Eduardo Santana Cordeiro
 
FEBRE TIFÓIDE
FEBRE TIFÓIDEFEBRE TIFÓIDE
FEBRE TIFÓIDE
Nelmidia Alves
 
Doenças Infecciosas em idosos
Doenças Infecciosas em idososDoenças Infecciosas em idosos
Doenças Infecciosas em idosos
Centro Universitário Ages
 
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
Débora Freire
 
Fatores de saude de uma populacao
Fatores de saude de uma populacaoFatores de saude de uma populacao
Fatores de saude de uma populacao
ANA EMILIA FORMIGA MARQUES
 
Objetivos do Desenvolvimento Sustentável
Objetivos do Desenvolvimento SustentávelObjetivos do Desenvolvimento Sustentável
Objetivos do Desenvolvimento Sustentável
Andressa Ribeiro
 
População Mundial
População MundialPopulação Mundial
População Mundial
Bárbara Lajoso
 
População Mundial
População MundialPopulação Mundial
População Mundial
olatdbm
 
População Mundial
População MundialPopulação Mundial
População Mundial
Bárbara Lajoso
 
População Mundial
População MundialPopulação Mundial
População Mundial
Bárbara Lajoso
 
TEMA: "NOVOS DESAFIOS DE SAÚDE PÚBLICA: CONTROLO AMBIENTAL E DE VECTORES"
TEMA: "NOVOS DESAFIOS DE SAÚDE PÚBLICA: CONTROLO AMBIENTAL E DE VECTORES"TEMA: "NOVOS DESAFIOS DE SAÚDE PÚBLICA: CONTROLO AMBIENTAL E DE VECTORES"
TEMA: "NOVOS DESAFIOS DE SAÚDE PÚBLICA: CONTROLO AMBIENTAL E DE VECTORES"
Francisco Fernandes
 

Semelhante a Saúde e higiene (1) (20)

Contrastes Sociais 1
Contrastes Sociais 1Contrastes Sociais 1
Contrastes Sociais 1
 
Doenças Negligenciadas
Doenças NegligenciadasDoenças Negligenciadas
Doenças Negligenciadas
 
A saúde
A saúdeA saúde
A saúde
 
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
4.tuberculose(03 fev2015) SemOsCasos
 
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
Problemas com relação ao saneamento básico pronto!
 
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Marcus Vinicius Polignan...
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Marcus Vinicius Polignan...Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Marcus Vinicius Polignan...
Seminário Saneamento Básico, Saúde e Meio Ambiente - Marcus Vinicius Polignan...
 
Endemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasilEndemias e epidemias no brasil
Endemias e epidemias no brasil
 
Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...
Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...
Estudo Trata Brasil: Esgotamento Sanitário Inadequado e Impactos na Saúde da ...
 
SLIDE TURMA 8º ANO ECAGL IBIMIRIM - GEOGRAFIA
SLIDE TURMA 8º ANO ECAGL IBIMIRIM - GEOGRAFIASLIDE TURMA 8º ANO ECAGL IBIMIRIM - GEOGRAFIA
SLIDE TURMA 8º ANO ECAGL IBIMIRIM - GEOGRAFIA
 
Bloco iii texto b
Bloco iii   texto bBloco iii   texto b
Bloco iii texto b
 
FEBRE TIFÓIDE
FEBRE TIFÓIDEFEBRE TIFÓIDE
FEBRE TIFÓIDE
 
Doenças Infecciosas em idosos
Doenças Infecciosas em idososDoenças Infecciosas em idosos
Doenças Infecciosas em idosos
 
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
A DENGUE EM SOBRAL (CE): ANÁLISE EPIDEMIOLÓGICA DO PERÍODO DE 2008 A 2011
 
Fatores de saude de uma populacao
Fatores de saude de uma populacaoFatores de saude de uma populacao
Fatores de saude de uma populacao
 
Objetivos do Desenvolvimento Sustentável
Objetivos do Desenvolvimento SustentávelObjetivos do Desenvolvimento Sustentável
Objetivos do Desenvolvimento Sustentável
 
População Mundial
População MundialPopulação Mundial
População Mundial
 
População Mundial
População MundialPopulação Mundial
População Mundial
 
População Mundial
População MundialPopulação Mundial
População Mundial
 
População Mundial
População MundialPopulação Mundial
População Mundial
 
TEMA: "NOVOS DESAFIOS DE SAÚDE PÚBLICA: CONTROLO AMBIENTAL E DE VECTORES"
TEMA: "NOVOS DESAFIOS DE SAÚDE PÚBLICA: CONTROLO AMBIENTAL E DE VECTORES"TEMA: "NOVOS DESAFIOS DE SAÚDE PÚBLICA: CONTROLO AMBIENTAL E DE VECTORES"
TEMA: "NOVOS DESAFIOS DE SAÚDE PÚBLICA: CONTROLO AMBIENTAL E DE VECTORES"
 

Saúde e higiene (1)

  • 2. O Terceiro Mundo de acordo com a Teoria dos Mundos , é uma designação genérica usada para designar nações de economia subdesenvolvida ou em desenvolvimento. Aplica-se, geralmente às nações pobres da América Latina, da África e da Ásia.
  • 3.
  • 5. Hoje, mais de 26.000 crianças menores de 5 anos que morre por dia de causas evitáveis ou tratáveis - o que significa cerca de 9,7 milhões de crianças nesta faixa etária que vão morrer este ano. E a grande maioria das mortes de crianças ocorrem em países em desenvolvimento.Pode haver cura para as suas condições, mas eles não têm acesso a medicação necessária nem ao tratamento. Os pais nao têm conhecimentos básicos de nutrição, higiene e saúde. E os seus governos não têm recursos para oferecer programas de saúde adequados. Quando os pais não são saudáveis, não podem ajudar nas necessidades das suas famílias. E quando as crianças não são saudáveis, não podem frequentar a escola, logo o seu futuro está em risco. Mais de 25 por cento das crianças do mundo não estão imunizadas com vacinas, que custam cerca de $ 1.
  • 6. Assistência Médica a nível Mundial
  • 7. - Os PD possuem bons hospitais e centros de saúde, o nº de medicos é elevado(1 para 400 habitantes). - Nos PED os cuidados de saúde são defecientes-400 000 mil habitantes por médico
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 12. • A taxa de mortalidade ou coeficiente de mortalidade é um dado demográfico do número de óbitos registrados por mil habitantes em uma dada região em um período de tempo. • A taxa de mortalidade pode ser tida como um forte indicador social, já que, quanto piores as condições de vida, maior a taxa de mortalidade e menor a esperança de vida. No entanto, pode ser fortemente afetada pela longevidade da população, perdendo a sensibilidade para acompanhamento demográfico.
  • 13. Mortalidade infantil consiste no óbito de crianças durante o seu primeiro ano de vida e é a base para calcular a taxa de mortalidade infantil que consiste na mortalidade infantil observada durante um determinado período de tempo, normalmente um ano, referida ao número de nascidos vivos do mesmo período.
  • 14. PED PD Angola Portugal Taxa de mortalidade infantil 140/ 1000 5/1000 Taxa de Mortalidade Materna 1700/ 100000 5/100000 Taxa Bruta de Natalidade 51,3 10,82 Taxa Bruta de Mortalidade 134/100 10,43 Esperança de Vida a nascença 40 77,53
  • 16. Acesso a fornecimento de água Mais de um sexto da população mundial --18%, o que corresponde a 1,1 bilião de pessoas, não tem acesso a fornecimento de água. A situação piora quando se fala em saneamento básico, que não faz parte da realidade de 39% da humanidade, ou 2,4 biliões de pessoas. Até 2050, quando 9,3 bilhões de pessoas devem habitar a Terra, entre 2 biliões e 7 biliões de pessoas não terão acesso à água de qualidade --seja em casa, seja em comunidade. A diferença entre esses extremos depende das medidas adoptadas pelos governos. Os dados fazem parte de relatório da Unesco (Organização das Nações Unidas para a Educação, Ciência e Cultura), órgão responsável pelo Programa Mundial de Avaliação Hídrica, como preparação para o 3º Fórum Mundial da Água, que aconteceu em Kyoto, Japão, em Março de 2003.
  • 17. Os maiores problemas que explicam a actual situação são: - A falta de prioridade dada à questão da água e saneamento; - A escassez de recursos financeiros; - A falta de sustentabilidade no fornecimento da água e de serviços sanitários; - Os comportamentos prejudiciais em termos de higiene; - Condições sanitárias inadequadas nos locais públicos, incluindo hospitais, centros de saúde e escolas. De acordo com a Organização Mundial de Saúde, para reduzir o conjunto de doenças provocadas por estes factores de risco é fundamental investir no acesso a quantidades suficientes de água potável, no fornecimento de equipamentos para a recolha de esgotos e na promoção de comportamentos de higiene.
  • 18. Acesso a água potável -Nos PD, abrir uma torneira para ter água potável ou possuir instalações sanitarias é um dado adquirido para quase toda a população -Nos PED a situação é bem diferente: •Cerca de 1100 milhões não têm acesso a uma quantidade mínima de água potável- utilizam apenas 5 litros por dia -A falta de água potável e de saneamento basico tem efeitos sobre: •a saúde(anualmente morrem cerca de 1800 milhões de crianças com menos de 5 anos)
  • 19.
  • 20.
  • 21. Alguns tipos de Doenças Associadas...
  • 22. VIH (Vírus da Imunodeficiência Humana) O vírus da SIDA
  • 23. Segundo as investigações feitas, o VIH pode ter evoluído a partir do Vírus de Imunodeficiência dos Símios encontrado nos chimpanzés da África ocidental, e ter passado aos humanos dessa região e daí para o resto do mundo. Esta é a teoria actualmente aceite para a origem do VIH.
  • 24. Mais de 95% das pessoas com VIH/SIDA vivem em países em desenvolvimento e subdesenvolvidos. A região do mundo mais atingida pelo vírus se encontra na África sub-Saariana. O índice de contaminação tem aumentando intensivamente no Leste Europeu e na Ásia Central. Também na China, Índia, Indonésia e Vietname, que representam no total mais de 40% da população mundial, o índice de novas contaminações aumentou rapidamente. Apenas 7% das pessoas contaminadas pelo HIV em países em desenvolvimento e subdesenvolvidos recebem medicação antiretroviral que é indispensável para continuarem a viver.
  • 25.
  • 26.
  • 27. Tuberculose (TB)
  • 28. A tuberculose dissemina-se através de gotículas no ar que são expelidas quando pessoas com tuberculose infecciosa tossem, espirram, falam ou cantam. Contactos próximos (pessoas que tem contacto frequente) têm alto risco de se infectarem. A transmissão ocorre somente a partir de pessoas com tuberculose infecciosa activa (e não de quem tem a doença latente). A probabilidade da transmissão depende do grau de infecção da pessoa com tuberculose e da quantidade expelida, forma e duração da exposição ao bacilo, e a virulência. A cadeia de transmissão pode ser interrompida isolando-se pacientes com a doença activa e iniciando-se uma terapia antituberculose eficaz.
  • 29. 80% dos casos de tuberculose no mundo estao concentrados nos países em desenvolvimento...
  • 30. O numero incedente de tuberculosos(TB)-que é o numero de novos casos por 100 000 pessoas- parece que teve o seu pico em 2004 e que esta agora a estabilizar .Embora as taxas de incidência parecerem estar a cair em todas as regiões, o progresso que temos vindo a observar nao tem sido suficiente para o ritmo de crescimento de população.Como resultado, o numero de novas infecções continua a subir.
  • 31. Ranking do países que mais “têm” tuberculose por cada 100 000 pessoas
  • 33. Os primeiros sintomas da malária são a febre, dores de cabeça, arrepios e vómitos que surgem, regra geral, 10 a 15 dias após a infecção. Se não for tratada rapidamente, a malária pode tornar-se uma doença letal, uma vez que o fornecimento de sangue aos órgãos vitais é interrompido.
  • 34. A malária mata 3 milhões de pessoas por ano, uma taxa só comparável à da SIDA, e afecta mais de 500 milhões de pessoas todos os anos. É a principal parasitose tropical e uma das mais frequentes causas de morte em crianças nesses países: (mata um milhão de crianças com menos de 5 anos a cada ano). Segundo a OMS, a malária mata uma criança africana a cada 30 segundos, e muitas crianças que sobrevivem a casos severos sofrem danos cerebrais graves e têm dificuldades de aprendizagem.
  • 35.
  • 36.
  • 38. A dengue é transmitida através da picada de uma fêmea contaminada do Aedes aegypti, pois o macho se alimenta apenas de seiva de plantas. Um único mosquito desses em toda a sua vida (45 dias em média) pode contaminar até 300 pessoas.
  • 39.
  • 40.
  • 41. Na “actual” epidemia(2008), já foram registrados quase 250 mil casos da doença e 174 mortes em todo o Estado (e outras 150 em investigação), sendo 100 mortes e 125 mil casos somente na cidade do Rio de Janeiro.A epidemia de 2008 superou, em número de vítimas fatais, a epidemia de 2002, onde 91 pessoas morreram.